Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / Ligas Camponesas

Ligas Camponesas

PUBLICIDADE

 

Surgem no estado de Pernambuco em 1956 como desdobramento de pequenas organizações reivindicatórias de plantadores e foreiros (espécie de diaristas) dos grandes engenhos de açúcar da Zona da Mata.

Em poucos anos, as ligas camponesas atuam em mais de 30 municípios e começam a espalhar-se pelos estados vizinhos. Sob a liderança de Francisco Julião, deputado do Partido Socialista Brasileiro (PSB), as ligas obtêm o apoio do Partido Comunista (PC) e de setores da Igreja Católica.

Conseguem reunir milhares de trabalhadores rurais na defesa dos direitos do homem do campo e da reforma agrária, sempre enfrentando a repressão policial e a reação de usineiros e latifundiários. Durante o Regime Militar de 1964, Julião e seus principais líderes são presos e condenados.

O movimento fica enfraquecido e desarticulado.

A experiência das ligas camponesas do Nordeste, com o lema “reforma agrária na lei ou na marra”, influencia grupos que lutam pela justiça social no campo e pela reforma agrária, como o atual Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Fonte: EncBrasil

Ligas Camponesas

As chamadas ligas camponesas constituem um movimento social brasileiro, surgido a partir da década de 1950 no estado de Pernambuco.

Atribui-se a criação das ligas camponesas ao deputado federal pernambucano Franciso Julião (do Partido Socialista Brasileiro), que auxiliou os camponeses da primeira associação a receber essa denominação.

Ao longo da década de 1940 já haviam surgido movimentos autodenominados “ligas” no estado de Pernambuco, mas sem grande sucesso ou alcance.

Em 1954 se formou no engenho Galiléia, da cidade de Vitória de Santo Antão, a Sociedade Agrícola e Pecuária de Plantadores de Pernambuco (SAPPP), com três fins específicos: auxiliar os camponeses com despesas funerárias — evitando que os camponeses falecidos fossem literalmente despejados em covas de indigentes (“caixão emprestado”); fornecer assistência médica, jurídica e educação aos camponeses; e formar uma cooperativa de crédito capaz de livrar aos poucos o camponês do domínio do latifundiário.

No engenho Galiléia trabalhavam cerca de 140 famílias de camponeses em regime de foro: em troca de cultivar a terra, deviam pagar uma quantidade fixa em espécie ao proprietário da terra. É importante frisar que esse engenho já se encontrava em “fogo morto”, ou seja, inadequado para plantio de cana-de-açucar.

A SAPPP até recebera apoio, no começo, do proprietário do Galiléia. Porém aos poucos foi desgostando, e pressionando os camponeses para se desfazerem da liga; os camponeses resistiram, e com o apoio de Francisco Julião (que já havia se pronunciado a favor dos camponeses), institucionalizaram a associação. No dia 1 de janeiro de 1955 a SAPPP passou a funcionar legalmente.

A imprensa conservadora rapidamente chamou a SAPPP de “liga”, em associação aos movimentos da década anterior. Em 1959 a SAPPP conseguiu a desapropriação do engenho. Enquanto isso, o movimento espalhava-se pelo interior do estado, e a vitória dos galileus estimulou bastante as lideranças camponesas a sonhar com uma reforma agrária. No início da década de 1960, as ligas já se espalhavam por 13 estados brasileiros.

Porém, a instalação do regime ditadorial em 1964 acabou com o sonho camponês, pois as principais lideranças das ligas foram presas e o movimento ferozmente perseguido. De certa maneira, pode-se considerar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) como o sucessor das ligas camponesas

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br

Ligas Camponesas

As Ligas Camponesas foram associações de trabalhadores rurais criadas inicialmente no estado de Pernambuco, posteriormente na Paraíba, no estado do Rio.de Janeiro, Goiás e em outras regiões do Brasil, que exerceram intensa atividade no período que se estendeu de 1955 até a queda de João Goulart em 1964.

Formação

As ligas assim conhecidas foram precedidas de alguns movimentos de natureza idêntica que, em virtude de seu isolamento, não tiveram a mesma repercussão social e política. Este seria o caso, por exemplo, do conflito de Porecatu, no norte do Paraná (1950-1951), e do movimento de Formoso (1953-1954), que, no entanto, influíram de maneira durável nas respectivas áreas de origem.

O movimento que se tornou nacionalmente conhecido como Ligas Camponesas iniciou-se, de fato, no engenho Galiléia, em Vitória de Santo Antão, nos limites da região do Agreste com a Zona da Mata de Pernambuco. A propriedade congregava 140 famílias de foreiros nos quinhentos hectares de terra do engenho que estava de “fogo morto”.

O movimento foi criado no dia 1º. de janeiro de 1955 e autodenominou-se Sociedade Agrícola e Pecuária de Plantadores de Pernambuco (SAPPP). Coube a setores conservadores, na imprensa e na Assembléia, batizar a sociedade de “liga”, temerosos de que ela fosse a reedição de outras ligas que, em período recente (1945-1947), haviam proliferado abertamente na periferia do Recife e nas cidades satélites, sob a influencia do Partido Comunista Brasileiro, então Partido Comunista do Brasil (PCB).

De fato, o movimento de Galiléia parece ter recebido influencia desses antigos núcleos, geograficamente próximos, sobretudo através de José dos Prazeres, dirigente da antiga Liga de Iputinga, nos arredores de Recife.

Existem muitas versões sobre a criação da Liga de Galiléia. A mais conhecida, e a mais lendária, atribui à entidade o objetivo de arrecadar recursos para enterrar os mortos, até então depositados em vala comum. Esta versão, divulgada por Antônio Calado em suas célebres reportagens no Correio da Manhã (setembro de 1959), tiveram enorme repercussão pública.

Outra versão, mais completa, nos diz que a sociedade recém-criada tinha finalidades assistenciais mais amplas e que escolhera como presidente de honra o próprio dono do engenho, Oscar de Arruda Beltrão. O objetivo do grupo era gerar recursos comuns para a assistência educacional e de saúde, e para comprar adubos, com a finalidade de melhorar a produção.

A criação da Liga de Galiléia provocou a reação do filho do proprietário do engenho, temeroso, como era natural, de que a consolidação de um núcleo de produção camponesa pudesse sustar a utilização mais rentável da pecuária nas terras esgotadas do engenho.

Nesta e em outras propriedades, para deslocar a mão-de-obra já sem utilidade imediata, e para tornar a terra mais lucrativa, lançou-se mão então do aumento generalizado no preço do foro, o que teve como conseqüência imediata a luta comum contra o aumento da renda da terra e contra as ameaças mais diretas de expulsão.

Para defendê-los na Justiça, os representantes da SAPPP procuraram Francisco Julião Arruda de Paula, advogado em Recife, que se havia notabilizado por uma original declaração de princípios em defesa dos trabalhadores rurais, a “Carta aos foreiros de Pernambuco”, de 1945. Julião aceitou defendê-los, assim como a muitos outros.

A pendência se prolongou até 1959, quando foi aprovada a proposta de desapropriação do engenho, encaminhada à Assembléia Legislativa pelo governador Cid Sampaio com base num antigo projeto de Julião. A questão deu notoriedade aos camponeses de Galiléia e, ainda mais, transformou o primeiro núcleo das Ligas Camponesas no símbolo da reforma agrária que os trabalhadores rurais almejavam.

Essa vitória localizada do movimento teve porém conseqüências contraditórias, pois se, por um lado, ela conseguiu apaziguar os ânimos e alimentar a esperança de acomodação através de soluções legais, por outro, estimulou as lideranças a prosseguirem na mobilização em favor de uma reforma agrária radical que atendesse às reivindicações camponesas em seu conjunto.

Nesse mesmo período, numerosos núcleos das Ligas foram criados em Pernambuco. Até 1961, 25 núcleos foram instalados no estado, com predominância visível da Zona da Mata e do Agreste sobre o Sertão. Dentre esses núcleos destacavam-se os de Pau d’Alho, São Lourenço da Mata, Escada, Goiana e Vitória de Santo Antão.

A partir de 1959 as Ligas Camponesas se expandiram também rapidamente em outros estados, como a Paraíba, estado do Rio (Campos) e Paraná, aumentando o impacto político do movimento. Dentre esses núcleos, o mais importante foi o de Sapé, na Paraíba, o mais expressivo e o maior de todos.

A expansão da Liga de Sapé se acelerou a partir de 1962, quando foi assassinado seu principal líder, João Pedro Teixeira, a mando do proprietário local. Pouco depois esse núcleo congregaria cerca de dez mil membros, enquanto outros núcleos iriam se espalhar pelos municípios limítrofes.

Entre 1960 e 1961, as Ligas organizaram comitês regionais em cerca de dez estados da Federação. Em 1962 criou-se o jornal A Liga, porta-voz do movimento, que pretendia ter uma difusão nacional, mas que na realidade permaneceu ligado a um número reduzido de leitores, que eram os próprios militantes do movimento.

Também nesse ano fez-se uma tentativa de constituir um partido político que se chamou Movimento Revolucionário Tiradentes. O que ocorreu, no entanto, é que enquanto as reivindicações camponesas pela terra, advogadas pelas Ligas, ganhavam corpo, as pretensões políticas da cúpula do movimento se esvaziavam diante de um movimento sindical organizado e mais ligado à Igreja e ao Estado.

Atuação

De um modo geral, as associações criadas tinham caráter civil, voluntário, e por isso mesmo dependiam de um estatuto e de seu registro em cartório.

Para constituir legalmente uma liga, bastava aprovar um estatuto, registrá-lo na cidade mais próxima e lá instalar a sua sede. Como disse um jornalista da Paraíba, “a liga começa na feira, vai para o tabelião e ganha o mundo”.

As finalidades das Ligas eram prioritariamente assistenciais, sobretudo jurídicas e médicas, e ainda de autodefesa, nos casos graves de ameaças a quaisquer de seus membros. As mais comuns eram aquelas que, contrariando o Código Civil, obrigavam à expulsão sem indenização pelas benfeitorias realizadas, e nesse sentido específico a ação das Ligas parece ter sido bastante eficaz.

As lideranças pretendiam também, a médio e longo prazos, fortalecer .a consciência dos direitos comuns, que compreendiam a recusa em aceitar contratos lesivos, tais como o cumprimento do “cambão” (dia de trabalho gratuito para aqueles que cultivavam a terra alheia) e outras prestações de tipo “feudal”.

A expansão e o crescimento de associações voluntárias como as Ligas ou associações do tipo da União de Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil (ULTAB) se explica em função das dificuldades político-burocráticas que durante muitos anos impediram a criação e o reconhecimento oficial dos sindicatos rurais.

De fato, embora o Decreto-Lei nº. 7.038, promulgado por Getúlio Vargas em novembro de 1944 como extensão da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), previsse a sindicalização rural, só a partir de 1962 é que os sindicatos começariam a ser efetivamente reconhecidos, como proposta alternativa (e mais institucionalizada) às Ligas Camponesas, identificadas com a liderança de Francisco Julião.

As Ligas falavam em nome de uma ampla e diversificada categoria de trabalhadores que incluía foreiros, meeiros, arrendatários e pequenos proprietários, que produziam uma cultura de subsistência e comercializavam os excedentes produzidos em terra própria ou em terra alheia. Nesse sentido, convém lembrar que a utilização do termo “camponês” parece ter sido fator de auto-identificação e de unidade para designar categoria tão ampla em oposição a um adversário comum, politicamente denominado pelas lideranças como “o latifúndio improdutivo e decadente”.

Sendo as camadas representadas basicamente dependentes da produção direta em terra cedida, alugada ou própria (minifúndios), podemos compreender porque se aglutinaram em torno de reivindicações ligadas à posse e ao usufruto imediato da terra. O processo de politização global ocorrido nesse período, sobretudo a partir de 1960, facilmente converteu demandas individuais ou localizadas pela posse da terra, tais como o Código Civil o previa, em reivindicações mais abrangentes, estimuladas pelas lideranças, de reforma agrária radical.

A mudança parece ter ocorrido, de fato, a partir do I Congresso de Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil, realizado em Belo Horizonte em novembro de 1961, onde o grupo de Julião e das Ligas Camponesas se confrontou com outro, mais moderado, sob influência comunista, e sob liderança da ULTAB. Nessa ocasião, Julião recusou alianças e entendimentos mais duradouros com João Goulart, então presidente da República, que havia comparecido ao congresso. O resultado desse confronto foi a vitória formal de Julião e de seus seguidores, que advogavam então uma “reforma agrária na lei ou na marra”. Essa vitória, porém, foi politicamente enganosa, pois a partir daí o Estado reforçaria a ação sindical em detrimento da liderança das Ligas.

Podemos, por isso mesmo, definir as Ligas como um movimento autônomo, avesso à colaboração com o Estado. Esta posição, assumida em Belo Horizonte, confirmou-se por ocasião do plebiscito que restituiu plenos poderes ao presidente João Goulart (janeiro de 1963), e diante do qual, em posição extremamente minoritária, as Ligas pregaram – ou melhor, Julião pregou – a abstenção. O mesmo ocorreria durante o governo de Miguel Arrais em Pernambuco (1963-1964) – abertamente aliado das populações camponesas -, diante do qual algumas facções mais radicais das Ligas – já fora do controle das próprias lideranças – não hesitaram em criar confrontos radicais, de difícil solução, que levaram inclusive à prisão de alguns membros.

A recusa a colaborar com o Estado teve, portanto, conseqüências imediatas, concedendo às organizações sindicais mais oficializadas maior poder de controle sobre o movimento camponês do período.

A partir daí, redefiniu-se o papel das Ligas, que passaram muitas vezes a expressar os interesses mais autônomos da base camponesa que representavam, em detrimento de uma liderança populista ligada a camadas e interesses políticos externos ao campesinato enquanto classe: estudantes, intelectuais, jornalistas, militantes de partidos políticos de origem urbana etc. Enquanto isso, a liderança intermediária, e de origem camponesa, manifestou muitas vezes sinais mais evidentes de autonomia. Nesses casos, ora coexistiam, ora eram absorvidas pelas organizações sindicais, mas, ao serem incorporadas, induziam os sindicatos a adotar – sob pena de perder o controle sobre seus próprios associados – as reivindicações básicas de luta pela terra às quais esses mesmos sindicatos eram inicialmente pouco sensíveis.

Por outro lado, os sindicatos – organizações substancialmente mais poderosas – diversificaram a plataforma das Ligas, acentuando a necessidade de estender ao trabalhador rural os benefícios sociais já usufruídos pelos trabalhadores urbanos e de fazer aplicar o recém-aprovado Estatuto do Trabalhador Rural (1963) ao campo.

Cabe destacar no movimento a importância das lideranças intermediárias, que constituíram o seu cerne. Em Galiléia, Zezé da Galiléia, João Virgínio e José Francisco; em Sapé, João Pedro Teixeira, Pedro Fazendeiro, Elizabeth Teixeira e João Severino Gomes foram alguns dos mártires do movimento e os que alimentaram a sua mística. Tinham em geral um nível educacional mínimo, eram pequenos proprietários ou exerciam, intermitentemente ou não, atividades artesanais, o que lhes permitia a autonomia de ação indispensável ao exercício da própria liderança.

No plano nacional o maior destaque coube à liderança de Francisco Julião, que aglutinou o movimento em torno de seu nome e de sua figura, reunindo estudantes, idealistas, visionários, alguns intelectuais, além de nomes como os de Clodomir de Morais, advogado, deputado, ex-militante comunista e um dos organizadores de um malogrado movimento de guerrilha sediado em Dianópolis, em Goiás (1963).

Julião foi eleito deputado federal por Pernambuco, após ter sido deputado estadual naquele mesmo estado. Foi nesse momento que as Ligas Camponesas chegaram ao ápice de seu prestígio político. A partir de 1962 essa influência decaiu, embora Francisco Julião mantivesse o prestígio do movimento. Essa notoriedade se deveu em grande parte às repercussões internacionais das Ligas. De fato, a Revolução Cubana alertou os políticos e a opinião pública dos EUA para os perigos de outros focos revolucionários semelhantes, e o temor recaiu sobre o Nordeste brasileiro, a mais extensa e povoada zona de pobreza do mundo ocidental.

As Ligas Camponesas foram como que um grito de alerta e de protesto que atraiu para Pernambuco a atenção do mundo e para seus núcleos mais expressivos visitas ilustres, como Robert Kennedy, Arthur Schlesinger Jr., Sargent Shriver, Jean-Paul Sartre e Iuri Gagarin, entre outros. A televisão e a imprensa, em diversos países do mundo, transformaram Julião e as Ligas em símbolo do Terceiro Mundo emergente. Nessa época, as aproximações de Julião com Cuba foram notórias, especialmente após viagem que realizou àquele país em 1960, acompanhando Jânio Quadros, e em 1961, seguido por uma centena de militantes.

Criadas em uma conjuntura favorável de liberalização política, que coincidiu com o governo Kubitschek, as Ligas seriam marcadas pelo período de ascensão do populismo. De fato, a existência mesma do movimento parece estar ligada às ideologias desenvolvimentistas, de integração nacional e de expansão da cidadania. Nesse sentido, as reivindicações camponesas ecoavam como parte de um único e amplo projeto.

A desagregação do movimento, em 1964, eliminou as organizações mas não desarticulou suas reivindicações básicas, que seriam incorporadas pelos sindicatos rurais no período seguinte (1965-1983). Convém notar que esses sindicatos rurais têm sido particularmente ativos nas antigas zonas de influência das Ligas.

Fonte: www.cpdoc.fgv.br

Ligas Camponesas

Originalmente surgidas com a organização dos camponeses na Europa durante a Idade Média.

No Brasil, as ligas camponesas são conhecidas como a associação de trabalhadores rurais que se iniciou no Engenho Galiléia, no Estado de Pernambuco, em 1955, a partir da reivindicação de caixões para os camponeses mortos.

O temor dos grandes proprietários acabou por hostilizar o movimento que, junto ao advogado e político Francisco Julião, tornou-se um movimento de amplitude nacional pelos direitos à terra, em defesa da Reforma Agrária.

Fonte: www.projetomemoria.art.br

Ligas Camponesas

As Ligas Camponesas surgiram no Brasil na década de 60, como o movimento mais expressivo contra as relações de trabalho, no campo e de luta pela Reforma Agrária.

Surgiram no Nordeste Brasileiro, onde as condições de vida da população camponesa era de extrema pobreza e o avanço da monocultura da cana-de-açúcar provocava a expulsão do homem do campo.

Na Paraíba o movimento tomou força com a fundação das Ligas Camponesas de Sapé e Mamanguape, nas quais, os trabalhadores rurais conseguiram a eliminação da relação de trabalho considerada a mais cruel, o cambão e a desapropriação de alguns latifúndios. O objetivo deste trabalho é organizar informações sobre as Ligas Camponesas em Mamanguape e que essas informações sirvam de subsídios para os movimentos sociais atuais da região.

Esta pesquisa teve como base teórico-metodológica elementos históricos e sociais, norteados pela pesquisa documental, pesquisa de campo e entrevistas. Foi uma pesquisa participante, pois sou membro dessa comunidade, atuando na organização da sociedade através de movimentos de base da cidade e do campo.

Minha participação em movimentos sociais, como a Consulta Popular motivou o estudo da Geografia Agrária e os problemas rurais enfrentados pelos homens/mulheres do campo. Sou filho de trabalhadores rurais, isso fortaleceu a idéia de pesquisar mais a fundo as Ligas Camponesas na Paraíba, em especial na Microrregião de Mamanguape.

Os longos relatos, os históricos da vida de importantes lideranças foram fundamentais para ressaltar a importância das Ligas Camponesas como experiências rurais de resistência ao modelo agrário de monoculturas e oligarquias exploradores.

Os movimentos sociais no campo são fundamentais para o estudo da Geografia, mesmo os que já se encontram no passado. Levar esse material para o campo da Sociologia é um dos meus interesses, pois entendê-los a luz dessa ciência pode servir para analisar os movimentos atuais do campo como MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Brasil) e a CPT (Comissão Pastoral da Terra). Estes movimentos me ajudam a querer entender o passado de luta pela terra para quem nela trabalha.

O nosso objeto de pesquisa se volta sobre as Ligas Camponesas no Vale do Mamanguape-PB. Essa área localiza-se no litoral Norte do Estado da Paraíba na chamada Zona-da-Mata Paraibana, na qual, a cana-de-açúcar sempre foi a cultura dominante, atividade econômica que consolidou o processo de ocupação. Da sua importância, estabeleceu-se na área o sistema aristocrático rural só afetado com seu declínio na primeira república. Os engenhos foram cedendo espaço para as grandes usinas que estabeleceram relações concentradoras, duas ou três famílias que passaram a controlar a economia canavieira do litoral no início do século XX. (GALLIZA, 1993:42).

Nesse período, meados do séc. XX, com a expansão da cultura da cana, que ocorreram os conflitos e os movimentos mais expressivos de luta pela terra, pois para penetrar nas novas áreas de cultivo, a cana, encontrava como barreira a agricultura familiar de subsistência praticada por posseiros, moradores e arrendatários, que ao sentirem as ameaças de serem expulsos do campo se organizaram em um expressivo movimento social, denominado de Ligas Camponesas.

AS LIGAS CAMPONESAS NA PARAÍBA

As Ligas Camponesas ganharam grande importância nas área onde havia camponeses a serem expropriados devido à expansão da cultura da cana-de-açúcar, como nos municípios de Vitória de Santo Antão em Pernambuco, e Marí e Sapé na Paraíba… (ANDRADE, 1986:27).

As Ligas Camponesas rapidamente se difundiram por todo o Nordeste. E a Paraíba passou a ser um importante território de organização dos trabalhadores rurais, em especial na zona-da-mata canavieira. Em “História e natureza das ligas camponesas” (Wrublesk Aued, 2002:82) relata a existência de quinze Ligas na Paraíba.

No depoimento de José Hermínio Dionísio: (CONSULTA POPULAR, 2002:29): “No inicio de 1958 foram fundadas as Ligas Camponesas de Sapé, onde foram filiados 227 camponeses”.

Lemos (1996:31) descreve a fundação da Liga de Sapé no mês de fevereiro de 1958. “A associação foi criada com o objetivo de prestar assistência social e jurídica aos associados”. Como veremos, foi a partir daí que a questão agrária ganhou maior significado para os trabalhadores rurais, que iam se familiarizando com seus direitos, a medida que se organizavam em suas respectivas ligas.

Antecedentes históricos das Ligas Camponesas na Paraíba

Na Paraíba desde a década de 1930 a organização popular tem se destacado no cenário político, o povo protestando contra a influência dos coronéis na política. (MARTINS, 1986:64).

Em 1960 a realidade paraibana não era diferente da do Nordeste, concentrava 65,5% da sua população no campo e o meio de sobrevivência da maior parte da população era o cultivo de lavoura de subsistência como milho, feijão, fava, mandioca, inhame, etc.

Para se ter uma idéia, no município de Sapé a população era distribuída da seguinte forma: 70% era composto de moradores, 15% de rendeiros e foreiro, 10% de trabalhadores urbanos e 5% de outras categorias, (LEMOS, 1996:32).

Essa região de Sapé era marcada por domínio de engenhos, usina e uma massa de trabalhadores pobres sem acesso a terra nem à renda, fazendo com que buscasse apoio na própria organização, até porque a região fértil propiciava uma agricultura de subsistência e que terminava sendo dividida com os proprietários de terra, pois ser morador, meeiro, rendeiro ou foreiro não dava condição de posse para estes agricultores que se sentiam, explorados pelas relações de trabalho impostas e pelo sistema agrário adotado. Eles que trabalhavam a terra não tinham direitos sobre ela e ainda perdiam parte do que produziam para os grandes proprietários, sem falar nas obrigações de trabalhar dias seguidos na cana-de-açúcar e não receber salário.

O sistema morador é uma relação em que o trabalhador rural que mora na fazenda recebe um espaço para construir uma casa de taipa e, para ter direito a plantar um roçado para obter alimento, ele tem que trabalhar dias gratuitos para o proprietário, essa relação é denominada de “cambão” que podia ser dois, três e até quatro dias a disposição do proprietário. (LEMOS, 1996:22)

O rendeiro era o camponês que não tinha terra ou pouca terra, não morava na fazenda: ou morava na cidade ou em uma terra insuficiente para produzir o necessário, arrendava um pedaço de terra ao fazendeiro e pagava o arrendamento em dinheiro ou pagava em produto, quando o pagamento era feito em produto a relação era denominada de parceria e o produtor entregava meia ou a terça parte da produção ao proprietário, já o foreiro era o agricultor que morava na fazenda, plantava o roçado e pagava o arrendamento em dinheiro ou produto.

Nas usinas não era permitido ao morador plantar e, os salários eram pagos em vales, submetendo o morador a comprar alimentos no barracão a preços exorbitantes, produtos de má qualidade; também era proibido o plantio de frutas e a criação de animais. Nas terras arrendadas para o plantio de algodão a exploração se agravava. O produtor além de pagar o cambão, na colheita, era obrigado a entregar ao proprietário da terra metade ou a terça parte da produção.

O camponês geralmente vendia sua produção antecipada e quando colhia, que vendia ao proprietário, era lesado no peso: para a pesagem do algodão eram usadas pedras como medida. Já os assalariados eram contratados para realizar “tarefas” esses trabalhadores eram supervisionados pelo feitor, ou “cabo”, pessoa de confiança do proprietário. A medição da tarefa realizada no dia era feita com uma vara que media 2,20 metros (uma braça), ao realizar uma tarefa que medisse 12 x 13 braças, o trabalhador teria trabalhado uma conta. Só que ao medir, o feitor não deixava a vara cair ao chão, media colocando uma ponta da vara no chão e caminhando, colocava a outra ponta adiante, diminuindo o tamanho da área trabalhada, causando prejuízo ao trabalhador, essa prática era chamada de “pulo da vara”. (LEMOS, 1996:24)

Segundo Lemos (1996:19) a luta na Paraíba se diferencia da de Pernambuco, porque lá a luta era mais forte na zona canavieira e reivindicava a extensão dos direitos trabalhistas aos trabalhadores das usinas e fornecedores de cana, enquanto que na Paraíba a luta teve como reivindicação principal o direito de plantar e colher nas terras arrendadas e a eliminação do “cambão”.

A exploração sobre os camponeses aumentava à medida que os produtos agrícolas brasileiros eram valorizados no mercado externo. Antes da valorização dos produtos brasileiros, os fazendeiros, proprietários de grandes latifúndios arrendaram as terras para trabalhadores sem terra, era vantagem para o proprietário arrendar, pois devido aos baixos preços dos produtos, o lucro não compensava o ônus de produzir em grandes extensões, mas logo que havia a recuperação dos preços, os proprietários não hesitavam em expandir o cultivo da monocultura, e, a primeira medida era tirar do agricultor o direito de colher o que havia plantado, destruindo as lavouras e expulsando os camponeses. Na Paraíba as principais culturas a se expandir foram, a cana-de-açúcar, o algodão e a pecuária.

Para se ter uma idéia da expansão da cana-de-açúcar, entre 1931 e 1948 foram instaladas, só no vale do Rio Mamanguape, quatro grandes usinas: Monte Alegre, Santa Maria, São Francisco e Tanque, uma no litoral e três no Brejo.

Para conseguir remover do campo a grande massa de camponeses, os fazendeiros não foram favorecidos apenas pela boa condição da agricultura, mas principalmente porque a oligarquia rural controlava a política a ponto de, na Paraíba, o poder permanecer por vários anos concentrados nas mãos de apenas cinco grupos políticos, extremamente poderosos e violentos.

Esses grupos estavam assim distribuídos: Grupo Ribeiro Coutinho, proprietário de quatro usinas, emissoras de rádio, jornais, indústrias, estabelecimentos Comerciais e bancos.

Esse grupo mantinha um membro da família permanentemente no congresso Nacional, além de cinco Deputados Estaduais, Secretários de estado, prefeitos e vereadores em vários municípios” (LEMOS:1996:27).

Outro grupo é a família Lundgren, família Suíssa, proprietária de todas as casas e toda a terra do município de Rio Tinto, metade das terras do município de Mamanguape e proprietária das antigas casas Pernambucanas, casas Paulistas e da Companhia de Tecidos de Rio Tinto, elegiam deputados na Paraíba e Pernambuco. (LEMOS, 1996:28)

Os grupos mais violentos eram: os Ribeiros Coutinho e os Veloso Borges, situados em Santa Rita, proprietário de fábricas e usinas, sendo Agnaldo Veloso Borges, Pedro Ramos Coutinho e Antonio José Tavares acusados de serem os mandantes do assassinato do líder João Pedro Teixeira. (LEMOS, 1996:55)

Aguinaldo Veloso Borges, sexto suplente de deputado na coligação UDN-PL, junto com o governador João Agripino Filho, numa trama espúria, fez com que os cinco suplentes anteriores se ausentassem e ele assumisse o mandato para adquirir imunidade. (LEMOS, 1996:87)

Grupo Fernandes de Lima, proprietário da Usina Monte Alegre, por mais de quarenta anos, José Fernandes de Lima se elegeu para Deputado, chegou a ser governador da Paraíba. (LEMOS, 1996:29)

Essas oligarquias controlavam a ferro e fogo os eleitores de “sua” região, no período eleitoral confinavam os moradores em suas fazendas para evitar o contato deles com outros candidatos. No dia da eleição os eleitores eram transportados até a cidade nos transportes da fazenda ou da usina e na cabine de votação o eleitor era acompanhado por um capanga, para que o eleitor não votasse no candidato que não fosse indicado pelo grupo. Os camponeses eram controlados sob ameaças, pois o eleitor que não votasse no candidato era submetido a castigos insuportáveis.

Lemos (1996:24-25) descreve o cabocó como sendo:

“a vítima colocada num tanque escuro, com água na altura da boca. A vitima ficava longo tempo naquela situação, misturando urina e fezes na água, até que na eminência de afogamento, resolviam retira-lo.” (Ibid.:25)

Isso mostra o quanto os dispositivos de poder estão em todas as instâncias e se apodera de todos os meios para controlar os trabalhadores rurais, que além de não possuir o básico para a sua sobrevivência no campo, que seria a terra, estes também eram expropriados da liberdade política e dos direitos básicos como saúde e educação. Diante dessa realidade tornava-se impossível os trabalhadores rurais libertarem-se da submissão, pois a elite detinha nas mãos todos os mecanismos de controle. Na década de 1960, dos mais de um milhão de moradores do campo, 63% eram analfabetos, sem instruções para assumir outras atividades e, sem a posse da terra para viver dignamente no campo. (IBGE, CENSO DEMOGRÁFICO: 1960)

AS LIGAS CAMPONESAS EM MAMANGUAPE

Para MORAES (2002), A expansão das Ligas Camponesas se deu de forma rápida. De 1958 a 61 foram organizadas 18 Ligas na Paraíba, com grande número de associados. Em Mamanguape, as ligas tiveram início na fazenda Mirirí, localizada entre Mamanguape e Sapé, pertencente a Pedro Ramos Coutinho, irmão de Renato Ribeiro Coutinho

Os mil e quinhentos moradores dessa fazenda, passaram a ser expulsos quando o Engenho modernizou suas instalações. O engenho transformado em usina expandia as plantações de cana, de modo a retirar das terras toda e qualquer atividade que servisse de empecilho a essa expansão. A organização dos trabalhadores foi liderada por Alfredo Nascimento que foi assassinado em 14 de março de 1962.

O movimento em Mamanguape acompanhou o crescimento do movimento, em nível estadual e foram formadas Ligas Camponesas em várias fazendas, como em Itapicirica e cachoeira, pois a exploração do agricultor e a violência eram semelhantes em todas as fazendas. A Liga de Mamanguape cresceu a ponto de quantitativamente se tornar a segunda maior liga do estado, com 10 mil associados. (MORAIS, 2002:55)

De acordo com o censo agrícola do IBGE, no ano de 1960, a estrutura fundiária do município era de 133.830 hectares, distribuídos entre 2.102 estabelecimentos. Ressalva-se que, Mamanguape compreendia os atuais municípios de Baía da Traição, Mataraca, Jacaraú, Itapororoca, Curral de Cima, Cuité de Mamanguape e Capim.

A estrutura agrária do município de Mamanguape no ano de 1960, em relação ao responsável, ou seja, quem estava responsável, fazendo uso da terra, no ano de realização do censo, foi caracteriza em quatro categorias: Primeira categoria, na qual, o proprietário era o responsável que tem a posse da terra, essa categoria era responsável por 1.826 estabelecimentos, compreendendo uma área de 40.434 hectares; A segunda categoria era a do arrendatário, que compreendia aos responsáveis que, para fazer uso da terra, só mediante pagamento e esse pagamento podia ser em dinheiro ou produto, os que faziam o pagamento em dinheiro eram responsáveis por 146 estabelecimentos, com uma área de 1.319 hectares; arrendatários com pagamento em produtos eram responsáveis por 2 estabelecimentos, com área total de 13 hectares; A Terceira categoria era de ocupantes, correspondendo aos agricultores que cultivam uma área, a qual pertencia a um proprietário, fazendo uso da terra sem pagar arrendamento com dinheiro ou produto, mas com obrigações de trabalhar dias gratuitos ao proprietário, essa categoria era responsável por 53 estabelecimentos, com área total de 7.170 hectares; A quarta Categoria era do administrador, empregado da fazenda, na verdade a relação entre essa categoria e o proprietário era uma troca de favores, pois o proprietário lhe cedia a terra e o administrador prestava serviços administrativos e pessoais ao proprietário. Essa categoria era responsável por 75 estabelecimentos, somando uma área de 84.894 hectares.

Em relação ao responsável, pelo estabelecimento 86,86% eram proprietários, somando uma área de mais de quarenta mil hectares, equivalente a 30% da área total. Nesse total estão incluídos todos os proprietários, desde os que possuem menos de um hectare até os que possuem mais de dez mil hectares. É importante observar no quadro, as categorias ocupante e administrador, apesar de as duas categorias cultivarem na propriedade alheia, e sem pagar arrendamento, o administrador era responsável por 90% a mais em relação a categoria ocupante. Esses dados mostram claramente um mecanismo de controle sobre os trabalhadores rurais, pois os administradores recebiam mais terras para cultivar e em troca prestavam serviços particulares ao proprietário; inclusive a capangagem e perseguição aos agricultores.

Observa-se sem nenhum esforço, a realidade mais cruel da estrutura fundiária no município de Mamanguape, em que apenas, os 20 maiores estabelecimentos concentravam uma área mais de duas vezes maior à área ocupada pelos mais de dois mil estabelecimentos menores de mil hectares e os 2.084 estabelecimentos menores de mil hectares, representava 70,5% da área do único estabelecimento com mais de 10 mil hectares.

Essa concentração de terra provocou o atraso econômico e social da população rural, que ao ser expulso, do campo, passaram a formar os bolsões de pobreza nas cidades da região, esse fato pode ser observado no depoimento que me foi cedido no dia 25 de janeiro de 2003, por um ex-agricultor da fazenda Itapiririca:

“As usinas butaram os trabaiador tudo pra fora por causa dessa liga. Fizeram uma rua de casa em Sapé, perto da estação, morava mais de 300 pessoas (famílias). Nenhum proprietário achava bom, só queria ver o pobre escravo dele num queria ver o povo com nada não, em Itapororoca fizeram uma rua de barraco, perto do cemitério.” (Oliveiros Antônio do Nascimento ex-agricultor em Itapicirica).

Dos mais de 66 mil habitantes do município, no tocante ao item, pessoal ocupado, apenas 16,6 mil tinham ocupação, sendo que o pessoal ocupado do campo era 6,2 vezes maiores que o da cidade. Dos mais de 14 mil camponeses que tinham ocupação. Apenas 25% eram empregados sendo 5%, empregados permanentes e, a grande maioria dos camponeses com ocupação desenvolviam atividades não remuneradas. Essa situação era denunciada, nas vilas próximas às usinas e, com mais gravidade nos engenhos, que apesar de estarem incorporados às usinas, ainda conservavam povoados, que habitavam em casas de taipa, cobertas de palha, nas áreas de relevo acidentado ou nas estreitas trincheiras de terras arenosas às margens das estradas. Essa realidade podia ser observada até início dos anos 80, nos povoados dos engenhos Linhare e Leitão, pertencentes à Usina Monte Alegre e na própria vila que se estende da usina Monte Alegre até o povoado de Pindobal, numa extensão de mais de 6 Km. A vila fica suprimida entre a colina de solo pouco úmido e pedregoso que se eleva por trás das residências e o canavial denso que ocupa as terras férteis e úmidas da várzea em frete às casas, essa forma de organização do espaço e denominada por “Rosário de casas”. O hábito alimentar do morador, se resumia ao consumo de produtos como: o feijão, a fava e o milho, farinha de mandioca e carne de charque ou peixe seco, o consumo de frutas e verduras era muito resumido, sendo mais variados apenas num curto período do ano, quando chegavam as safras de manga, caju, laranja e jaca. Essa carência alimentar provocava doenças como a subnutrição, doenças diarréicas e palidez. Essas condições eram presentes, entre os moradores da usina Monte Alegre e seus engenhos, apesar de o grupo proprietário ser considerado “moderado” e a favor da “Reforma Agrária” (ANDRADE, 1997:63-67).

Segundo dados do IBGE para o ano de 1960, a taxa de analfabetismo era desastrosa, a população em idade escolar, a partir dos 5 anos de idade, não tinha acesso a escola, principalmente na zona rural, pois, nessa idade as crianças já acompanhavam os pais nas atividades agrícolas, embora não praticassem as atividades, observaram e, aos 7 anos de idade já faziam tarefas mais leves como, semear semente de milho, feijão e outras lavouras, na época de plantio, participavam o transporte e o debulhamento, na época da colheita.

Abaixo um demonstrativo do nível de escolaridade da população de Mamanguape.

Para o IBGE – Censo populacional – 1960, do total de 55.545 habitantes de 5 anos e mais, no ano de 1960, somente 16,4% sabiam ler e escrever e, o percentual baixa mais ainda para os que estavam estudando, sendo apenas 8%. À medida que a faixa etária ia aumentando, ia diminuindo o número de pessoas que freqüentavam escola, até chegar ao estremo, em que, a faixa etária de 20 anos e mais, dos 29.704 habitantes, freqüentavam a escola, reduzido número de 129 pessoas. Isso demonstrava a falta de investimento no setor educacional, a falta de atividade que requisitasse maior nível de escolaridade e a necessidade de assumir desde a infância, atividades, principalmente no campo, para ajudar no sustento da família, mesmo que para isso custasse abandonar os estudos, pois a freqüência a escola dependia de recursos e boas condições financeiras, por não haver escolas públicas na zona rural.

Origem e Desenvolvimento das Ligas Camponesas em Mamanguape

Diante da realidade descrita, os trabalhadores rurais só suportaram até quando tiveram o direito de colher o que plantavam. A partir do momento que os proprietários perceberam a valorização dos produtos agroindustriais no mercado internacional, ampliaram as áreas cultivadas. Os agricultores que dependiam do cultivo de lavouras de subsistência para alimentar a família, em terras arrendadas sob as mais diversas formas de arrendamentos, que ia desde o pagamento com dias de trabalho gratuito, ao serem ameaçados de ter suas lavouras destruídas, suas casas derrubadas, serem expulsos, sob os mais terríveis atos de violência, ou ainda aumentando a exploração sobre sua força-de-trabalho, se organizaram em todo o município para resistirem a ação desumana dos latifundiários.

O primeiro conflito do município ocorreu antes da fundação da Liga Camponesa em Mamanguape, em 1954, na fazenda Miriri que estava situada, parte em Mamanguape e parte em Sapé. Tudo começou quando Pedro Ramos Coutinho comprou a fazenda e proibiu os agricultores de plantar e criar gado. Lá morava Pedro Fazendeiro que era uma pessoa resistente e, consciente e que passou a reivindicar o direito de colher o que havia plantado, conseguindo indenização pela destruição de sua lavoura, depois Pedro Fazendeiro foi preso e torturado na cadeia de Sapé e, depois de solto sofreu um atentado, sendo atingido com um tiro na perna. (CONSULTA POPULAR, 2002:33-34)

Outro conflito violento ocorreu em Miriri no dia 17 de janeiro de 1962, quando dois capangas, mais uma vez a mando de Pedro Ramos, chegaram próximo aos trabalhadores insultando-os e logo atirando. Os agricultores revidaram, morreram no conflito dois capangas e dois trabalhadores rurais, entre eles Alfredo Nascimento, grande líder que participara da fundação da primeira Liga de Sapé (CONSULTA POPULAR, 2002:34 a 37).

Mais uma ação violenta contra camponeses ocorreu em outubro de 1963, na fazenda de Cezar Cartaxo em Itapororoca, então distrito de Mamanguape. O proprietário expulsou os trabalhadores rurais da fazenda e, para impedir que eles voltassem derrubou as casas, deixando as famílias desabrigadas. Cerca de 300 pessoas foram transportadas em um caminhão para João Pessoa, o episódio causou grande repercussão na capital, onde foi realizada uma grande manifestação, denunciando mais um ato de violência contra camponeses pobres. (LEMOS, 1966:162)

A cada ação praticada contra os agricultores, crescia a organização da liga por todo o município e também crescia a repressão contra os trabalhadores que participassem das ligas. O simples fato de um agricultor possuir a carteira de sócio das ligas camponesas, era motivo para ser espancado e preso.

Tanto a, organização, quanto, a perseguição, se intensificaram nas fazendas Itapicirica e Cachoeira, mas, a atuação das ligas atingiu todo o município.

Em Itapicirica cada vez que a lavoura de um agricultor era arrancada, se organizava um multirão e, em um dia um outro roçado era plantado, numa outra área. Em cada fazenda existia um grupo de agricultores organizados, mas existiam também pessoas espiãs de confiança do patrão, que eram informantes. Esses informantes muitas vezes por motivo de apadrinhamento faziam falsas denúncias contra os trabalhadores rurais, de possuírem armas e forjavam depoimentos contra os agricultores (RAMOS, 1993:112-113).

A cada ato de violência praticado, organizavam-se passeatas de protestos pelas ruas da cidade, os dias 11,12 e 13 de setembro de 1962 foram de sucessivos protestos em todas as cidades que tinham liga, contra o espancamento que Assis Lemos e Pedro Fazendeiro sofreram em Itabaiana, em Miriri foram mais de três mil trabalhadores num comício de protesto. No dia seguinte, realizou-se passeatas, em Mamanguape e Rio Tinto. Outra grande manifestação havia acontecido em 1º de maio de 1962, em protesto a morte de João Pedro Teixeira, em João Pessoa, onde dezenas de caminhões alugados pela Liga, saíram lotados de Mamanguape e Rio Tinto que se juntaram aos mais de vinte mil trabalhadores em ato de repúdio a toda maldade praticada pelos latifundiários da Paraíba e contra a situação de trabalho e, aos vícios malditos do proprietários que eram: o cambão, o cabocó, pulo da vara, a compra na folha, o roubo no peso, o barracão, derrubada das casas, destruição dos roçados, violência dos capangas e da polícia, expulsão do campo e o voto de cabresto. (LEMOS, 1996:81).

A Liga Camponesa de Mamanguape era denominada de “A Redentora” (RAMOS, 1993:112), tinha sede em Mamanguape, na Rua São José e tinha núcleos organizados em várias fazendas, as maiores fazendas, em que tinham delegados eram, Itapicirica, Mendonça, Camucá e Leitão, a última, pertencente a usina Monte Alegre.

As reuniões eram semanais, nas quais participavam entre 60 e 80 pessoas e presididas por Manoel de Deus, conhecido por Manoel do Sabão, a convocação para as reuniões extraordinárias se davam com foguetões, como ocorria em Sapé.

Os piores atos repressivos contra os trabalhadores rurais ocorreram na fazenda Itapicirica, pertencente à Companhia de Tecidos Rio Tinto e na fazenda Leitão, pertencente a usina Monte Alegre, com prisão dos agricultores que se organizavam em mutirão para fazer roçados e, espancamento de agricultores que eram associados da Liga Camponesa.

Protagonista das Ligas Camponesas em Mamanguape

Quando surgiram os primeiros conflitos em Miriri, os trabalhadores rurais logo tiveram uma conquista, que foi o recebimento de indenização pela destruição das lavouras. Toda essa organização, foi liderada por Alfredo Nascimento. Ele não aceitava o que os proprietários vinham fazendo contra os trabalhadores rurais, era um agricultor que tinha muita coragem, conhecedor dos direitos, não se abatia diante das ameaças. Depois do primeiro conflito, tratou de se juntar a outras lideranças e fundar a primeira liga camponesa, pois, havia a preocupação de que os conflitos se ampliassem por outras fazendas, havendo a necessidade de organizar os trabalhadores para enfrentar o que estava por vir.

Depois, quando o movimento cresceu no município, surgiram novas lideranças que organizavam as atividades e faziam a articulação entre os delegados nas fazendas.

Manoel de Deus, conhecido como Mané do sabão, dirigente das seções na sede da liga, era pastor da Igreja Evangélica Assembléia de Deus e Presidente da Liga de Mamanguape.

José de Oliveira Ramos era dirigente e fazia a articulação da liga de Mamanguape com a federação das ligas, em João Pessoa e com as outras ligas como a de Sapé. Foi vereador, por cinco mandatos pelo Partido Republicano. Foi preso quatro vezes, conduzido para 15º Regimento de Infantaria, quartel reacionário e repressor, situado em João Pessoa, a serviço dos latifundiários, sob a acusação de atos subversivos. (RAMOS, 1993:112).

Outras lideranças importantes foram: Pedro Dantas das Chagas, Inácio da Costa Farias, Manoel Barreto Diniz, Durval de Assis e Antônio de Melo, todos foram presos e interrogados pelo IPM (Inquérito Policial Militar), instalado no 15º RI em João Pessoa, para investigar os atos praticados pelos que subvertessem a “ordem”. Os membros do IPM faziam a investigação sobre as ações dos camponeses e prendiam os lideres. Era um grupo formado por militares que após as investigações preparava relatório sobre os acusados e fornecia a justiça, geralmente nessas investigações eram colhidos depoimentos pré-fabricados, de pessoas inescrupulosas que em troca de dinheiro, depunham contra os camponeses e suas lideranças. (RAMOS 1993:113)

As lideranças tinham importância fundamental na organização do movimento, mas, nas atividades práticas, os próprios camponeses se organizavam sob orientação do delegado em cada fazenda.

“Tinha sede em Mamanguape, as reuniões era por semana. Eu tava trabaiano no engenho de Itapicirica, Domico chegou, mandou parar tudo (parou?) Parou, dizia pra todo mundo tirar carteira, pra arrumar terra pra trabaiá, (José Inácio Alves da Silva, ex-funcionário do engenho Itapicirica e cortador de cana da Usina Monte Alegre). Depoimento cedido ao autor em 24 de janeiro de 2003”.

Tanto os trabalhadores da indústria (engenho) quanto os moradores agricultores estavam engajados na luta, que no município reivindicavam direitos trabalhistas e Reforma Agrária. Os delegados tinham grande poder de convencimento e de articulação, a ponto de organizarem-se em mutirões e reunir grande número de agricultores para, cada dia de mutirão deixar pronto um roçado para uma família, apesar de toda perseguição que havia para acabar com a prática do mutirão.

“Foi, apanharo que só a mulesta, foi um carro lotadim pra Sapé. Foi no tempo do coroné Luiz de Barros, joventino levou uma pisa, mas ainda tá vivo, outros desertaram pro Rio de Janeiro. Mané Severo ainda tá vivo, ele veio escondido mais eu pra num apanhar. Foram tudim botar um roçado, telefonaro pra puliça, quem veio pela estrada foi preso tudim, quem entrou dentro do mato, escapou”. (Oliveiros Antônio do Nascimento, ex-agricultor na Fazenda Itapicirica). Depoimento cedido ao autor em 25 de janeiro de 2003.

Quando havia resistência por parte dos trabalhadores rurais em se associar e participar da reunião e, de nenhuma forma ele se convencia da necessidade de sua participação, para forçar esse agricultor a participar, era usado o chocalho, ou seja, ele era levado até à reunião e na presença da multidão colocava-se um chocalho em seu pescoço, esse ato, fez com que muitos agricultores se comprometessem com a luta, pois não era apenas o enchocalhamento, mas na hora da assembléia o orador procurava expor as conquistas alcançadas pela organização dos camponeses e a necessidade de fortalecer para que nenhum camponês ficasse de fora do movimento, que a situação de exploração era sobre todos. Muitos depois de enchocalhados se tornaram atuantes e até lideranças. (LEMOS, 1996:74)

Talvez essa forma de conquistar militantes para ampliar os quadros, tenha sido a pior forma. Pois o agricultor, que vivia oprimido na fazenda, quando oferecia resistência, em participação do movimento não significava, que ele não quisesse a transformação, a liberdade, mas a ação de um homem que sempre teve quem decidisse por ele, o que devia plantar, colher, um homem que ao reagir ao sistema, era ameaçado de ser expulso com a família. Se ele sofria ameaças do lado opressor, jamais devia sofrer qualquer tipo de ameaça do lado que se propunha a libertá-lo. O que faltava aos “submissos” era a consciência plena dos seus direitos, do direito coletivo de acesso à terra e o que faltou ao movimento foi o investimento em formação política para as bases. Segundo (FREIRE, 1987:32) a formação do oprimido deve ser construída com ele e não para ele, para que a opressão das causas seja objeto de reflexão e o oprimido não carregue consigo heranças do opressor.

“É que, quase sempre, num primeiro momento deste descobrimento, os oprimidos, em vez de buscar a libertação na luta e por ela, tendem a ser opressores também ou subopressores. A estrutura de seu pensar se encontra condicionada pela contradição vivida na situação concreta, existencial, em que se formam”. (FREIRE, 1987:32)

Segundo depoimento de ex-agricultor o método utilizado, na conquista dos militantes, era o chocalho.

“… No princípio começou até bom, mais o povo se adiantou demais. Quando se juntava pra fazer um roçado ia 60,70,80…, quem não fosse era mode os outros botar um chucai…” (Oliveiros Antônio do Nascimento, ex-agricultor na fazenda de Itapicirica) Depoimento cedido ao autor em 25 de janeiro de 2003.

Na área canavieira do município o movimento era pela conquista dos direitos trabalhistas, pois os trabalhadores, além de receberem salário muito baixo, não tinham sequer carteira assinada.

“…Naquela época eu trabaiava na diária prantano cana, trabaiva crandestino, eu trabaiei vinte e dois anos crandestino”. (José Inácio Alves da Silva ex-funcionário do engenho de Itapicirica e cortador de cana da Usina Monte Alegre). Depoimento cedido ao autor em 24 de janeiro de 2003.

Devido ao fato de os trabalhadores não terem a carteira de trabalho assinada, e sem acesso a terra, Mamanguape, apesar de ser uma cidade pequena, que não oferece condições de sobrevivência na zona urbana, tem atualmente cerca de 80% (IBGE, 2000) de sua população residindo na cidade e um índice alto de idosos que não têm direito sequer a aposentadoria, por não ter contribuído para a previdência social e nem provar que foi assalariado. Hoje se percebe claramente o atraso econômico de Mamanguape, por causa de uma ou duas oligarquias que apesar de serem considerados “progressistas” controlaram a economia e a política local por mais de quatro décadas.

Alcance e Limites da Liga de Mamanguape, conquistas e repercussão.

A Liga Camponesa de Mamanguape conseguiu se expandir em todo o município graças à organização nas maiores fazendas, ao trabalho de organização feito pelas lideranças em cada fazenda e também ao apoio dado pela Federação das Ligas Camponesas da Paraíba, por várias vezes os trabalhadores rurais de Mamanguape receberam a visita de Assis Lemos e de Elizabete Teixeira, lideranças do movimento.

O maior latifúndio da Região pertencia a Companhia de tecidos Rio Tinto, da família Lundgren compreendia todo o município de Rio Tinto e metade do município de Mamanguape (incluso os municípios atualmente emancipados).

Em todas as fazendas pertencentes ao grupo Lundgren, a relação de trabalho era de exploração, do agricultor, que era obrigado a pagar o cambão e pagar foro de todos os animais que criasse. Todas as pessoas da família, que tivessem acima de 18 anos, eram obrigados a trabalhar um dia de graça para o proprietário e o agricultor era proibido de cultivar qualquer tipo de lavoura permanente, só era permitido plantar lavoura de subsistência, de colheita rápida como milho, feijão, mandioca, nem inhame era permitido.

Segundo depoimento de pessoas que vivenciaram o período nos relata que:

“Nenhum morador podia plantar uma toceira de cana, meu pai plantou, eles vieram e arrancaram, só plantava coisas que saía logo. Só depois da revolução é que pai plantou bananeira, coqueiro, laranjeira. E tinha uma coisa, morava em casa de paia, da porta de vara, de dia o home trabaiava de noite, ficava atucaiano o gado pra não cumer a paia da casa, porque ninguém pudia cercar a casa. Panhar capim ninguém pudia, pai panhou um mói de capim, o vigia mandou deixar o capim, a navaia, deixar tudo. Trabaiava o dia todim e não pudia cortar uma cana pra chupar, se o freguêi chupasse uma cana, trabaiava um dia todim pra pagar a cana que chupou, e não trabaiava perto de casa mão, trabaiva longe. Meio mundo de mínimo e num tinha direito de chupar uma laranja”. (seu Arnóbio morador de Itapicirica). Depoimento cedido ao autor em 26 de janeiro de 2003.

As limitações dos camponeses em se organizarem eram grandes, pois tratava-se de uma classe composta em sua maioria de analfabetos, com pouca capacidade de argumentação contra o sistema político, pois a consciência do trabalhador rural era de trabalhar para sustentar a família, por isso a conscientização e organização ficava reduzida a um pequeno grupo. Era necessário um poder muito forte de convencimento, se não muitos agricultores se posicionavam contra o movimento, quando isso ocorria, ai acontecia a ameaça do “chocalho”. Mas os agricultores que se recusavam de participar não eram simplesmente por não simpatizarem com o movimento, pois todo agricultor desejava deixar de ser dependente, queria deixar de pagar o cambão, queria ter sua terra para plantar o que quisesse, mas por medo de sofrer espancamentos, prisão, ter a lavoura destruída ou ser expulso da terra, pois era isso que acontecia aos que desafiavam a ganância dos latifundiários, que começou perseguindo as lideranças, mas, na medida que o movimento ia crescendo, as perseguições iam se ampliando e alcançando os associados. Esse depoimento representa minha observação.

“Mandavam chamar a polícia para afastar o povo era da vez que acontecia as surras”.(Maria da Gloria Celestino Silva, agricultora na comunidade de Itapicirica). Depoimento cedido ao autor em 26 de janeiro de 2003.

Apesar de toda ação repressora, o movimento se fortaleceu e avançou em conquistas muito importantes.

Logo que surgiu o movimento, foi uma conquista, o alcance num curto período, de grande repercussão do movimento, conseguir com que mais de 10 mil camponeses se associassem e lutassem contra a exploração, que lhes abatiam. Conquistas vieram, através da resistência dos trabalhadores rurais. Foi eliminado o cambão, em 1964 o foro também foi eliminado e os moradores ficaram morando e trabalhando na fazenda, em 1966 todos as terras que pertenciam à Companhia de Tecidos Rio Tinto, situadas no município de Mamanguape foram desapropriadas. (PIC – Rio Tinto, 1966:1)

“As principais conquistas foram: a desapropriação. O único objetivo era esse, terra pra trabalhar, acabar o cambão e a diária. As propriedades que foram desapropriadas no tempo, já tava nesse regime, ninguém pagava direito, nem cambão, morava na terra, de graça, já tava no domínio do INCRA, mas não tinha dividido ainda. A desapropriação foi em 73 ou 74, foi quando cada um soube onde ia ficar”.(Maria da Glória Celestino da Silva). Depoimento cedido ao autor em 26 de janeiro de 2003.

Foram desapropriadas partes das terras, pertencentes à companhia de Tecido Rio Tinto, onde foram assentadas 1.062 famílias, cada família recebeu lote, entre dezoito e trinta e cinco hectares. O projeto de assentamento era denominado PIC – Rio Tinto (Projeto Integrado de Colonização – Rio Tinto), a área desapropriada corresponde a 18.742 hectares.

De acordo com as informações fornecidas por um agricultor residente em Itapicirica, o PIC era um projeto de colonização que vinha acompanhado de toda assistência e estrutura aos camponeses como: tratores de pneu e de esteira, para o cultivo da terra e abertura de estradas, caminhões e caminhonetes para o transporte da produção, ônibus para o transporte das pessoas, postos de assistência médica e odontológica, assistência técnica, sementes, crédito motor pra irrigação e até linha telefônica comunitária. Instalou-se um escritório do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para prestar assistência e fiscalizar. Itapicirica recebeu toda essa estrutura onde foi criada uma cooperativa agrícola que atuava em todas as áreas desapropriadas, oferecendo assistência técnica, máquinas, crédito e comercialização, principalmente da cana-de-açúcar.

O município de Mamanguape sofreu uma transformação econômica muito intensa, os camponeses tiveram grande melhoria com boas condições de alimentação, saúde e educação graças à organização e a luta para conseguir um pedaço de terra para dele tirar seu sustento.

“Ai o INCRA chegou, a gente era cativo pegava de três horas da madrugada, até no domingo, o INCRA chegou, trouxe liberdade, trouxe semente de arroz, de feijão, milho, dava máquinas, herbicidas pra combater pragas, lagarta, formiga, só tinha retorno, as sementes, trouxe motor de irrigação, ninguém pagava nada, eles davam até o óleo. Tinha assistência técnica, todo dia o agrônomo passava no roçado. Tinha dia que um camponês tirava carrada de mercadorias pra vender em Natal ou Recife, do que apurava pagava 5% para a cooperativa e 17% de imposto, só do arroz. Agora quem trouxe isso tudim foi a revolução de 64, fale quem quiser, porque tem gente que não agradece”. (Seu Arnóbio, agricultor na comunidade de Itapicirica) Depoimento cedido ao autor em 26 de janeiro de 2003.

Um fato curioso é que até a natureza deu sua contribuição para a vitória dos camponeses de Itapicirica. Foi em 1964, o Rio Mamanguape deu uma grande enchente. Na época nenhum camponês tinha semente de cana ou banana pra plantar, pois tudo isso era proibido aos camponeses pelos proprietários, só que, com a enchente, o Rio arrancou grandes plantios de cana, da usina Monte Alegre e dos engenhos da região do brejo, situados na bacia do Mamanguape, arrancou também muita fiação de bananeira e depositou tudo numa extensa várzea em Itapicirica. Com essas sementes, cada agricultor plantou cerca de 5 hectares de cana e de banana. “Veio duas coisas boas em 64, a cheia e a revolução”. (Seu Arnóbio). Depoimento cedido ao autor em 25 de janeiro de 2003.

O movimento teve grande repercussão, tanto local como em nível nacional, despertou toda a sociedade para o problema da terra.

Antes do golpe militar de 1964, o movimento pela terra, teve adesão da grande massa camponesa tanto dos sem terra, quanto dos pequenos proprietários que dependiam de arrendamentos para tirar seu sustento, dos estudantes que apoiavam os trabalhadores rurais, a UNE (União Nacional dos Estudantes), com representações nos estados teve fundamental importância na organização de manifestações urbanas, eram os estudantes quem conseguiam levar grandes massas urbanas às ruas, em apoio aos trabalhadores rurais. Um exemplo desse apoio ficou provado na manifestação de 1º maio de 1962 em João Pessoa, em que participaram 40 mil pessoas, sendo 20 mil pessoas do campo e 20 mil da cidade (LEMOS, 1996:81). Amplos setores da imprensa também não hesitavam em se manifestar contra as atrocidades praticadas pelos fazendeiros, também houve mobilização nas Assembléias Estaduais, na Câmara Federal e no Senado, em que deputados e senadores progressistas lutaram fortemente pela Reforma Agrária e foram combatidos pelos políticos reacionários.

Graças a toda mobilização e organização dos agricultores, que conseguiram mobilizar a sociedade, em torno da questão agrária.

Em 1964 com o objetivo de acalmar o movimento revolucionário do campo, foi aprovado pelo o Estatuto da Terra, que, teoricamente é considerado um avanço, por considerar que a terra tem função social; fazer a classificação da terra em quatro categorias (latifúndios por extensão, latifúndio por exploração, minifúndio e empresa Rural); criou o ITR (Imposto Territorial Rural); criou um órgão responsável para fazer a reforma agrária (INCRA) e autorizou a desapropriação das terras improdutivas (terras não cultivadas) em conflito. Embora, considerado um avanço, na prática o Estatuto da Terra serviu para desmobilizar o movimento dos trabalhadores rurais, pois, ao mesmo tempo em que o estatuto autoriza a desapropriação, o governo militar oficializa a repressão a qualquer movimento que lutasse por reforma agrária e, criava programas de incentivo restrito às empresas rurais que se instalassem no Brasil para modernizar a produção para o mercado externo.

Em Mamanguape, o movimento seguia a orientação da Federação das Ligas Camponesas da Paraíba, que tinha como objetivo, a eliminação das relações de exploração do trabalhador rural e a desapropriação das terras já cultivadas pelos agricultores. Esses objetivos eram comuns em todas as ligas da Paraíba, mas a nível nacional, havia já uma forte divergência entre Francisco Julião e a ULTAB (União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil), pois Julião organizou um movimento de guerrilha, com o objetivo de promover a “Reforma Agrária através da luta armada, que tinha como tema, “Reforma Agrária na lei ou na Marra”.

Na Paraíba, depois da morte de João Pedro Teixeira, Elizabete Teixeira, segue a orientação de Julião, então acontece também divergência entre Elizabete e Assis Lemos. Essa divergência se fortaleceu em 1962, quando Assis Lemos e Elizabete se candidataram para concorrer a vaga de deputado estadual e, os dois tinham como base eleitoral, a região de Sapé.

Em 1963 o presidente João Goulart sancionou a lei que ampliava os direitos sociais sobre os trabalhadores do campo (Estatuto do Trabalhador Rural) e regulamentou a sindicalização dos camponeses, ai várias Ligas Camponesas se transformaram em sindicatos, inclusive Sapé e Mamanguape. Apesar da liga de Mamanguape ter se transformado em sindicato, o movimento pela desapropriação continuou até 1966, quando foram desapropriadas as terras pertencentes à família Lundgren, através do decreto de desapropriação, 58.160 de 06 de abril de 1966. Depois da divergência com Assis Lemos, Elizabete foi eleita presidente da Federação das ligas da Paraíba e exerceu grande influência entre os trabalhadores rurais de Sapé e Mamanguape.

“Aqui tinha um bucado de associado, quando dizia: Tem reunião das ligas, era muita gente passando por aqui. Quando vinha gente importante, vinha Assis Lemos, depois vinha Elizabete, ela veio muitas vezes aqui” (Maria da Glória Celestino da Silva, agricultora na comunidade de Itapicirica). Depoimento cedido ao autor em 26 de janeiro de 2003.

Com a deflagração do golpe militar em 1º de Abril de 1964 foram presas as principais lideranças das Ligas Camponesas e foi montado um grande esquema repressivo contra o movimento. Outras lideranças que não foram, presas, fugiram, ficando o movimento sem articulação e sem direcionamento e os camponeses ficaram dependendo apenas da “boa vontade” da classe golpista.

Foram duas, as formas desmobilizar a luta de Reforma Agrária: a repressão e o Estatuto da Terra, pois, apesar desse estatuto ser considerado um avanço a Reforma Agrária de fato não aconteceu, uma prova disso é o latifúndio da Companhia de Tecidos Rio Tinto, que possui 57.200 hectares e só foram desapropriadas 32% da área, devendo-se considerar que esse imóvel pertencia a uma indústria de tecidos, que fazia uso da terra apenas na implantação de suas instalações na cidade de Rio Tinto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com a realização desse trabalho, considero que, as LigasCamponesas caracterizaram-se como o movimento mais expressivo, na luta pela Reforma Agrária nos anos 60 e pela superação das condições de atraso e abandono em que estava mergulhada a região Nordeste e os trabalhadores rurais.

Em Mamanguape, assim como na Região Nordeste, os agricultores se organizaram em sociedade civil, de caráter assistencial, sendo registrada em cartório no dia 23 de janeiro de 1963, a Associação dos Lavradores Agrícolas de Mamanguape e Rio Tinto, que tinha como objetivo, prestar assistência social, jurídica, educativa, médica e dentária aos trabalhadores rurais. Além de conquistarem para Mamanguape um posto do SAMDU (Serviço de Atendimento Médico Domiciliar e Urgência), um posto de Previdência Social e Segurança Alimentar, um hospital em Rio Tinto, os agricultores foram adiante, pois o problema maior estava na estrutura fundiária, de concentração de terra e na relação de desprezo e de violência contra os trabalhadores. À medida que ia aumentando a violência, com a destruição dos roçados, derrubada das casas, na tentativa de expulsar os agricultores da propriedade, eles se fortaleciam como organização, passaram a reivindicar a posse da terra. Em 1964 essa organização conseguiu paralisar as atividades do Engenho Itapicirica, realizar multirões de construção de casas e abertura de roçados, conseguiram também a eliminação do cambão. Mas a conquista mais importante se concretizou com a desapropriação de 18.742 hectares das terras da Companhia Rio Tinto, com o PIC (Projeto Integrado de Colonização), no ano 1966, sendo um dos primeiros projetos desse tipo implantado no Brasil, que além da desapropriação, veio acompanhado com assistência técnica, e incentivo aos colonos de toda a área desapropriada.

Viviam cativos 1.063 famílias, sob a tutela de proprietários inescrupulosos, que passaram a ter liberdade de morar na terra, plantar e colher para o sustento de suas famílias e para abastecer o mercado local e regional com os mais variados produtos agrícolas.

Com a ditadura militar, o movimento pela reforma agrária foi desarticulado por mais de 15 anos, mas renasceu na década de 80 com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra do Brasil) e a CPT (Comissão Pastoral da Terra), pois o problema da terra não foi resolvido e a necessidade da Reforma Agrária é crescente e urgente, e sem a organização e a luta dos trabalhadores ela parece impossível.

Um exemplo está nos grandes conflitos que aconteceram em Mamanguape, no loteamento Bela Vista e na Fazenda Pindoba, atualmente município de Capim, onde nesta última, foi assassinado o agricultor Paulo Gomes, no dia 07 de agosto de 1993, a mando de Abel Cunha. (MOREIRA, 1997:375-390)

O ressurgimento dos movimentos de luta pela terra nos anos 80 vem demonstrar que o problema da terra não foi resolvido, mas também vem propor e realizar projetos de uma agricultura que tenha como função, a alimentação e o desenvolvimento da nação. Estes movimentos estão organizados em nível nacional e tem como tática, a formação dos seus quadros com realização de cursos nas áreas da educação, formação política para lideranças, meio ambiente e realidade social.

As principais diferenças que observo entre os movimentos da década de 60 e o atual é a organização, que segue diretrizes comuns em todo o país e não fica resumida às lideranças, mas atinge a todos os militantes.

Outra questão importante é considerar que nas décadas de 60 / 70 as questões internacionais giravam em torno de uma “Guerra Fria” centralizada por uma bipolaridade geopolítica de países aliados do capitalismo contra os países considerados socialistas. As lutas pela terra, por reforma agrária ou melhoria das condições de vida da população pobre do Brasil, eram tratadas como coisas de comunistas e deveriam ser massacradas.

No dias de hoje o que se observa é uma total onda de globalização e monopolismo capitalista, com a entrega do país aos interesses estrangeiros. Os movimentos sociais de agora, além de lutarem por terra, trabalho e salários, são obrigados a lutarem contra o monopolismo capitalista representado especialmente pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). A questão agrária não foi resolvida e o nível de pobreza nacional é muito maior que aponta para uma luta que continua.

Fonte: www.cchla.ufpb.br

Ligas Camponesas

Político, advogado e escritor, Francisco Julião Arruda de Paula nasceu a 16 de fevereiro de 1915, no Engenho Boa Esperança, município de Bom Jardim. Foi um dos líderes, em 1955, no Engenho Galiléia, das chamadas Ligas Camponeses, cooperativas que tinham por objetivo lutar pela distribuição de terras e levar os benefícios das leis trabalhistas aos camponeses.

As Ligas Camponesas se espalharam por vários pontos do Estado de Pernambuco, pregavam uma reforma agrária radical assustando os proprietários de terras e, a partir de 1962, começaram a perder força depois que o presidente João Goulart decretou a sindicalização rural até então inexistente no Brasil.

Formado em Direito em 1939, no Recife, começou a trabalhar como advogado de trabalhadores rurais a partir de 1940. Deputado estadual por duas vezes, em 1962 foi eleito deputado federal por Pernambuco, tendo o mandato cassado por ocasião do golpe militar de 1964.

Libertado em 1965, exilou-se no México, retornando ao Brasil em 1979, beneficiado pela anistia. Em 1988, tentou eleição para deputado federal e foi derrotado.

Retornou ao México para escrever suas memórias e, em 1991, estava novamente no Brasil.

Morreu de enfarte, a 10 de julho de 1999, na cidade de Cuernavaca, México, onde vivia desde que se recolheu, em 1997, para escrever um livro de memórias.

Livros publicados: “Cachaça” (1951); “Irmão Juazeiro” (novela, 1961); “O Que São as Ligas Camponesas” (1962); “Até Quarta, Isabela” (memórias, 1965), com edições no México e Portugal; “Cambão: La Cara Oculta de Brasil” (1968); “Escuta, Camponês”. Durante o período em que esteve preso, passou pela Fortaleza de Lage (RJ), onde encontrou Miguel Arraes e os dois trabalharam na tradução do livro “A Politização das Massas Através da Propaganda Política”, do russo Sergei Tchakotine.

Julião desfaz alguns incorreções históricas

Trechos de entrevistas à imprensa brasileira

Não foi o criador das Ligas Camponesas

“De 1940 a 1955, trabalhei como advogado de camponeses, não fundei a Liga, ela foi fundada por um grupo de camponeses que a levou a mim para que desse ajuda. A primeira Liga foi a da Galiléia, fundada a 01 de janeiro de 1955 e que se chamava Sociedade Agrícola e Pecuária dos Plantadores de Pernambuco.

Foi um grupo de camponeses com uma certa experiência política, que já tinha militado em Partidos, de uma certa cabeça, que fundou o negócio, mas faltava um advogado e eu era conhecido na região. Foi uma comissão à minha casa, me apresentou os estatutos e disse: ‘Existe uma associação e queríamos que você aceitasse ser o nosso advogado’.

Aceitei imediatamente. Por isso o negócio veio bater na minha mão. Coincidiu que eu acaba de ser eleito deputado estadual pelo partido Socialista e na tribuna política me tornei importante como defensor dos camponeses.

A famosa história de que a Liga surgiu para financiar enterros de crianças:

“Não. Isso é uma história que a gente criou para dramatizar um pouco mais, creio que um pouco ligado à poesia de João Cabral de Melo Neto e à “Geografia da Fome” de Josué de Castro. Como morria muita gente, podia-se falar em genocídio.

Em verdade, a Liga da Galiléia era para ver se podia pagar uma professora para alfabetizar os filhos do pessoal, pra conseguir crédito para enxadas e para comprar algumas coisas necessárias. Os camponeses fizeram uma cooperativa muito simples, via-se a marca da mão deles, e o juiz acabou aprovando a associação.

De onde veio no nome Liga

Quem batizou a Sociedade Agrícola e Pecuária com esse nome Liga, em 1955, foram os jornais do Recife para torná-la ilegal. A Liga Camponesa começou sendo crônica policial.

Qualquer coisa relacionada com a Liga estava na página policial, porque consideravam que tudo que acontecia no campo não era senão uma série de delitos cometidos pelos camponeses sob a orientação desse fulano de tal, esse senhor advogado e agora deputado que criava conflitos, tirando a paz do campo.

Mas, como o nascimento da Liga coincidiu com a chegada de Juscelino ao poder, com o problema do desenvolvimentismo, havendo uma certa euforia na burguesia nacional para quebrar os latifúndios e criar indústrias de transformação, então essa coincidência nos favoreceu.

Contra a invasão de terras

“Eu defendia o que estava no Código, na Lei, na Constituição. Nunca saí dali. A Liga Camponesa nunca foi u núcleo de guerrilha e sim um movimento de massa, um rio que ia crescendo à medida em que o camponês começava a se sentir mais politizado e, mais identificado com sua causa, tinha mais esperança de obter um pedaço de terra.

Como movimento, era fácil de receber muitas correntes, era um rio que recebia muitos afluentes. Entravam muitas tendências esquerdistas e algumas delas tratavam de radicalizar muito, usando uma linguagem tão radical que sectarizava o movimento.

Eu era contra a invasão de terras mas havia grupos que tomavam certa quantidade de camponeses e invadiam propriedades de senhores de engenho que já não cultivavam, esperavam para fazer especulação ou vender bem essas terras.

Eu dizia: Por que vocês invadem um pedaço de terra sabendo que isso pode desmoralizar o movimento? Essas coisas ocorreram algumas vezes e eu tinha que ir com muita dificuldade pra tirar esses camponeses e voltar.”

Sobre a acusação, em 1963, de que as Ligas tinham armas:

“Nunca armei um camponês. Não existe um camponês da Liga que tenha sido armado”

Primeiro: a Liga não tinha dinheiro.

Segundo: eu não cria na possibilidade de uma guerrilha no Brasil, sobretudo porque havia liberdade de fundar sindicatos, ligas, cooperativas e era preferível usar esses instrumentos para fazer o movimento crescer.

Ademais, o número de camponeses realmente reunidos em ligas era pequeno em relação à grande massa camponesa desmobilizada. Essa acusação foi feita para encobrir o armamento dos usineiros. Tínhamos serviço de informação dentro das usinas, sabíamos que entravam caixas e caixas de metralhadoras, sabíamos onde estavam.

Muitos capangas de usinas eram aliados ou parentes de camponeses e informavam: ‘Vocês se cuidem que tá entrando muita arma’. Entravam sobretudo por São Paulo, o governador Adhemar de Barros foi um dos homens que mais compraram armas para entregar aos latifundiários pernambucanos.

A penetração era fácil e a melhor maneira de encobrir essa penetração fácil de armas era dizer que as ligas estavam se preparando para a guerrilha, que recebiam armas tchecas.

As ligas estavam-se espalhando pelo Brasil?

Havia camponeses com uma vaga esperança de que um dia a Liga chegasse lá no Piauí ou no Maranhão ou no sul do Ceará. Em Pernambuco e na Paraíba, aí sim, os movimentos camponeses eram fortíssimos, começando a entrar em Alagoas e numa parte da Bahia. O movimento crescia e chegou um momento em que recebeu uma grande importância por parte da imprensa, saindo da página policial para a política.

Sobre a força social que as Ligas chegaram a ter antes de 1963

“Chegou um momento em que o movimento realmente adquiriu força, mas começou a cair quando João Goulart decretou a sindicalização rural, o que antes era proibido no Brasil, considerado problema de segurança nacional. O I Congresso Camponês em Minas Gerais, em 1962, foi encerrado por Goulart decretando a sindicalização rural.

O Padre Laje, de Minas, começou a fundar sindicatos; o Padre Crespo, no Nordeste, também; a Igreja recebeu a incumbência de fundar sindicatos. Eu mesmo fundei 32, chamados de ‘sindicatos da Liga’ porque eram um pouco mais autônomos, não eram propriamente controlados pelo Ministério do Trabalho.

Muita gente que não era camponês, mas assalariado, cortador de cana, passou pro sindicato. A Liga era feita por gente que arrendava terra, mas como não havia sindicato, muitos vinham pedir ajuda pra receber um salário mínimo ou certos benefícios que a lei trabalhista dava aos assalariados do campo.

Por falta de sindicato, a Liga defendia essa gente. Mas quando o sindicato surgiu, houve um descenso.”

Fonte: www.pe-az.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+