Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / Movimentos Nativistas

Movimentos Nativistas

PUBLICIDADE

 

História

Durante muito tempo, as rebeliões coloniais acontecidas no Brasil foram interpretadas por meio de parâmetros que escapavam da natureza assumida pelas experiências que foram historicamente desenvolvidas.

Ainda hoje, sabemos que algumas pessoas aprendem ou interpretam as rebeliões coloniais em bloco, julgando, quase sempre, todos os eventos como uma prova incontestável do desejo e da luta pela romântica e patriótica autonomia política da nação.

De fato, várias revoltas, motins e conspirações marcaram o nosso passado colonial e revelavam a insatisfação dos colonos e a dificuldade de controle por parte das forças metropolitanas. Contudo, dizer que eles lutavam pela autonomia do nosso povo ou defendiam a construção de uma nação autônoma incorre em um grande equívoco. Afinal de contas, as ideias de povo ou nação brasileira nem sequer eram debatidos nos meios intelectuais da época.

Observando os primeiros conflitos ocorridos na colônia, observamos que a intenção fundamental era a de promover algumas mudanças nas exigências e práticas impostas pela metrópole. Em nenhum momento, as primeiras grandes revoltas, acontecidas entre os séculos XVII e XVIII, pretendiam extinguir o pacto colonial ou estabelecer a independência da América Portuguesa. Com isso, temos mais um argumento que vai contra a tradicional interpretação dada aos levantes decorridos no período colonial.

Conhecidos como revoltas nativistas, esses movimentos tiveram início no século XVII, momento em que diversas regiões da colônia enfrentavam sérias dificuldades econômicas provenientes da crise da economia açucareira.

Adentrando o século XVIII, vemos que essas rebeliões persistem com a rigorosa fiscalização imposta por Portugal nessa mesma época.

Entre as maiores rebeliões nativistas destacamos a Revolta de Beckman (1684), a Guerra dos Emboabas (1708), a Guerra dos Mascates (1710) e a Revolta de Filipe dos Santos (1720).

Movimentos Nativistas – Brasil Colônia e Portugal

As revoltas nativistas foram um conjunto de movimentos locais que geraram conflitos entre o Brasil Colônia e Portugal.

O termo nativista provém da ideia de “nativismo”, que é o sentimento de apego e defesa pela terra em que nasceu. Esses movimentos expressavam o descontentamento da aristocracia rural da colônia, incluindo donos de terras e escravos, perante a Coroa Portuguesa.
Os primeiros conflitos foram a Aclamação de Amador Bueno da Ribeira como rei de São Paulo; a Revolta dos irmãos Beckman, ocorrida no Maranhão; a guerra dos Emboabas, em Minas Gerais; a Guerra dos Mascates, em Pernambuco; e de Filipe Santos, em Minas.

Dentre esses conflitos destacamos a de Amador Bueno e dos Emboadas para análise. Em 1640, depois da cisão da União Ibérica, há a restauração do trono português por D.João IV, o fato agradou as colônias, menos a Vila de São Paulo. Os paulistas, num sentimento de separação, decidiram aclamar o paulista Amador Bueno da Ribeira como rei de São Paulo, Amador recusou e saiu às ruas apoiando a coroação de D. João IV.

Em 1709, ocorreu a Guerra dos Emboadas, em Minas Gerais, a principal causa foi a posse das minas que eram disputadas entre paulistas e forasteiros (emboadas). A principal consequência desse conflito foi a criação da nova Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, separada do Rio de Janeiro , sendo Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho.

Uma das consequências da Guerra dos Emboadas foi a elevação da Vila de São Paulo a categoria de cidade em 1711. Em 1720, Minas foi separada da Capitania de São Paulo.

Independente das causas e consequências dos conflitos citados e dos demais relatados pela nossa históra, verifica-se que desde o século XVIII, muitas dessas revoltas eram incompatíveis com os interesses entre colonos e portugueses.

Muitas dessas revoltas não tinham como causa ou consequência uma ruptura final da relação colônia-metrópole , mas a manifestação por reformas que atendessem interesses e necessidades locais.

Outras manifestações, inspiradas no pensamento da Revolução Francesa (1789) e na independências das treze colônias da América do Norte, defendiam um sentimento separatista numa forma de organizar a vida e ambiente colonial a partir de uma ruptura com Portugal. Porém, muitos dos ideias dessas revoltas conservavam a ordem escravocrata e o poder centralizado nas elites aristocráticas da época.

Brasil Colonial – Revoltas Nativistas

Episódio de Amador Bueno (1641)

A aclamação de Amador Bueno da Ribeira como rei de São Paulo ocorreu a 1º de abril de 1641. Essa manifestação foi motivada pela notícia de Restauração portuguesa, que gerou insatisfação entre a população paulista.

Essa população extremamente pobre, constituía-se de rudes lavradores e um grande número de castelhanos que se haviam fixado na capitania durante o período da União Peninsular.

A Coroa simplesmente ignorava São Paulo desde os primórdios da colonização. Por meio da tentativa de escolha de seu próprio governante, seus habitantes pretendiam repudiar a administração portuguesa. Eles procuravam também impedir que o declínio econômico de Portugal prejudicasse ainda mais a já calamitosa situação da capitania.

O rico paulista Amador Bueno, porém não concordou com seus conterrâneos. Ele refugiou-se no mosteiro de São Bento para evitar que uma pequena multidão, chefiada pelos espanhóis Francisco e Baltazar de Lemos, o aclamasse como rei. Graças à recusa, o episódio não assumiu grandes proporções.

Insurreição Pernambucana (1645)

A Insurreição Pernambucana também teve caráter nativista. Seus líderes procuraram defender os interesses dos colonos do Brasil contra a política de expropriação da WIC (Companhia das Índias Ocidentais), no período final da invasão holandesa ao Nordeste.

O Movimento pernambucano não teve, porém, uma conotação eminentemente antilusitana. Ele representou, apenas, a primeira tomada de posição do latifundiário açucareiro, setor majoritário da classe dominante colonial, em favor da terra e de seus privilégios.

A Revolta dos Beckman (1684)

No final do século XVII, as atividades produtivas do Maranhão foram prejudicadas por dois fatores:

Firme posição dos jesuítas em defesa dos índios contra os colonos que queriam escravizá-los.

As atividades da Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão, fundada em 1682 e encarregada de monopolizar todas as relações comerciais da região Norte do Brasil.

O papel dos Jesuítas

Recém-chegado ao Maranhão, em princípios de 1653, o padre Antônio Vieira logo se revelou um ardoroso defensor dos pontos de vista da Companhia de Jesus, a respeito da escravidão do gentio. Por longo tempo, apesar dos esforços dos jesuítas, o governo português admitiu o apresamento do silvícola por motivo de “guerra justa”.

Todavia, pressionado por Vieira, D. João IV, pelo Alvará de 1º de abril de 1680, proibiu a escravidão indígena. A partir desta data, o rei só permitiria o trabalho dos aborígines nas missões inacianas. Em represália, os colonos de São Luís do Maranhão invadiram os colégios dos jesuítas, prendendo os padres e expulsando-os para Lisboa.

O papel da Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão

A Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão, criada em 1682, objetivava: monopolizar o comércio importador e exportador da região Norte do Brasil; introduzir escravos negros e gêneros necessários à população da área, recebendo em pagamento drogas locais (com essa finalidade foi assinado um contrato válido por vinte anos, no qual ficou estipulado que a Companhia do Comércio do Maranhão se obrigaria a trazer, durante esse tempo, 10.000 negros a preços previamente especificados).

Entretanto, a atuação da Companhia produziu apenas resultados desastrosos. As mais diversas irregularidades eram praticadas pelos funcionários do órgão monopolizador.

Além disso, as mercadorias europeias trazidas ao Brasil pela Companhia eram de qualidade inferior: não obstante, seus representantes insistiam em negociá-las por preços exorbitantes.

Além disso, a entrega de escravos africanos tornava-se cada vez mais irregular e caracterizava-se pela inobservância dos preços, que anteriormente já tinham sido combinados.

Estes foram os fatores que mais contribuíram para aumentar a irritação dos habitantes do Maranhão, já bastante indignados com a proibição da escravidão indígena.

A Rebelião

Manuel Beckman, rico e influente proprietário de terras, foi o líder da revolta maranhense. Em sua casa, diversos colonos, insatisfeitos com a realidade econômica do Maranhão, tramaram a expulsão dos inacianos e a extinção do monopólio. Na noite de 23 de fevereiro de 1680, os conspiradores resolveram dar início à Insurreição.

Às primeiras horas do dia 24, os revoltosos, após prenderem alguns militares lusos, encaminharam-se para a residência do capitão-mor Baltasar Fernandes. Este, na ausência do governador do Maranhão (Francisco de Sá), ocupava provisoriamente o supremo cargo administrativo da capitania.

Em seguida, os insurretos se apoderaram dos armazéns da Companhia do Comércio do Maranhão. Assim, completava-se a ação revolucionária dos latifundiários maranhenses.

Ao amanhecer, realizou-se uma grande assembléia na Câmara Municipal de São Luís, e os vitoriosos rebeldes tomaram importantes decisões, decretando: a abolição do monopólio; o encerramento das atividades da Companhia do Comércio do Maranhão; a deposição do capitão-mor e do governador; a expulsão dos inacianos, a formação de uma junta provisória de governo integrada por dois representantes de cada categoria social (clero, latifundiários e povo); o envio de um emissário para Lisboa (Tomás Beckman) para informar oficialmente à Coroa sobre os acontecimentos, bem como solicitar providências no sentido de se eliminarem os motivos que geraram o movimento.

A Repressão

O governo português, informado da rebelião, tomou severas medidas repressivas. Tomás Beckman, imediatamente após desembarcar em Lisboa, foi preso e remetido para o Maranhão. Além disso, com a missão de debelar o levante, o rei nomeou um novo governador, Gomes Freire de Andrade. Esse, instigado pelo filho adotivo de Manuel Beckman, deu início à prisão dos mentores da revolta.

Manuel Beckman e Jorge Sampaio, apontados como os cabeças da sublevação, foram condenados à morte e enforcados. Outros participantes da Insurreição foram degredados. Os representantes do Reino absolveram apenas os menos comprometidos. Terminava assim, de maneira trágica, o mais típico movimento nativista do Brasil-Colônia.

A Guerra dos Emboabas (1708)

Como já vimos no fascículo em que estudamos a “Expansão Territorial”, coube aos paulistas a primazia no descobrimento de minerais preciosos nas Minas Gerais. Em 1700, os paulistas, por intermédio de uma petição enviada ao governo português, reivindicaram a posse exclusiva das minas encontradas, alegando terem sido os pioneiros na conquista das referidas minas. Entretanto, os paulistas jamais veriam a concretização de suas pretensões.

Numerosos forasteiros portugueses e baianos, na maioria, foram atraídos pela miragem do ouro. Em pouco tempo eles se estabeleceram nas Minas Gerais, disputando com os paulistas a obtenção de concessões auríferas.

Além disso, dotados de habilidade comercial, muitos dos recém-chegados montaram vendas e quitandas, monopolizando os gêneros mais procurados pelos habitantes da região mineradora: fumo, aguardente e carne.

Logo começaram a ocorrer diversos incidentes, provocados pela animosidade reinante entre os paulista e os estrangeiros. A estes, os primeiros davam o irônico apelido de emboabas. O termo, que passou a significar “inimigo” ou forasteiro, aparentemente deriva de “mbuab”, designação indígena para uma ave de perna emplumada.

Por analogia, os paulistas chamavam por esse nome os portugueses, que usavam botas e perneiras, enquanto os paulistas, mais pobres, andavam descalços.

O estopim do conflito

Três incidentes, aparentemente sem importância, provocaram a eclosão do conflito armado. O primeiro foi o assassinato, cuja autoria se atribuiu a um paulista, de um emboaba casado com uma paulista a quem maltratava. O segundo, ocorrido na porta de uma igreja em Caeté, deu-se em virtude da acusação feita a um português de ter roubado uma espingarda pertencente a Jerônimo Pedroso de Barros, membro de uma importante família paulista; o terceiro foi o linchamento de um influente paulista, José Pardo, que havia dado proteção ao assassino, também paulista, de um emboaba.

Em função desses pequenos atritos, os paulistas preparam-se para a luta. Os emboabas, temendo uma vingança paulista, proclamaram Manuel Nunes Viana, abastado contrabandista de gado na região aurífera, governador de Minas Gerais.

A traição emboaba

Após os primeiros combates, travados nas proximidades de Cachoeira do Campo e Sabará, os paulistas viram-se forçados a uma desastrosa retirada para as margens do rio das Mortes. Os emboabas, comandados por Bento do Amaral Coutinho, iniciaram uma campanha de emboscadas.

Cercados num matagal, trezentos paulistas renderam-se mediante a promessa de que seriam poupados fisicamente após a entrega das armas. Entretanto, ao vê-los indefesos, o comandante emboaba ordenou a matança geral. O local deste episódio, que provocou viva indignação em São Paulo, passou a ser conhecido pelo nome de “Capão da Traição”.

Decidido a pôr termo aos conflitos e matanças inúteis, partiu para as Minas Gerais o governador do Rio de Janeiro, D. Fernando Mascarenhas de Lencastre.

Imediatamente começaram os rumores de que o objetivo de D. Fernando era punir severamente os sublevados e que na comitiva o próprio governador levara as algemas para prendê-los. Por esse motivo, D. Fernando e seus acompanhantes tiveram sua passagem barrada no Arraial de Congonhas pelos homens de Manuel Nunes Viana. Este, por meio de um emissário, revelou ao governador seu intento como “ditador” das Minas Gerais.

Somente em 1709, a Coroa portuguesa resolveu interferir diretamente na questão. D. Fernando de Lencastre foi substituído no cargo de governador do Rio de Janeiro por D. Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, descrito pelos seus contemporâneos como “homem justo, inteligente e fino diplomata”.

Esse, logo após assumir seu posto, recebeu do carmelita Frei Miguel Ribeiro informações de que os emboabas desejavam uma solução pacífica para o conflito. Imediatamente, o mandatário seguiu incógnito para as Minas Gerais.

Fase final da Guerra dos Emboabas

Já havia várias dimensões nas hostes emboabas. Em Caeté, principal reduto das tropas forasteiras, o governador Antônio de Albuquerque encontrou oposição aberta à liderança de Manuel Nunes Viana.

Aproveitando-se da fragmentação do movimento Albuquerque intimou Viana a comparecer à sua presença. O chefe emboaba obedeceu, prestou-lhe submissão e retirou-se para a sua fazenda nas margens do Rio São Francisco.

Os paulistas, porém, não tinham esquecido o massacre do Capão da Traição. Dispostos a vingar o vergonhoso evento, prepararam uma expedição militar composta por 1.300 homens, chefiados por Amador Bueno da Veiga, para atacar e expulsar os emboabas.

As tropas paulistas cercaram o Arraial da Ponta do Morro, núcleo de fortificações emboabas. Lutou-se aí durante uma semana. Os comandantes paulistas não conseguiram superar suas divergências referentes à condução das operações. Além disso, corriam insistentes rumores de que poderosos reforços emboabas, saídos de Ouro Preto, rumaram para o local. Atemorizados, os paulistas se retiraram. O recuo de suas tropas marcou o término da Guerra dos Emboabas.

A pacificação

Com a finalidade de pacificar a região D. João V, por meio de uma carta Régia, datada de 09 de novembro de 1709, ordenou a criação da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro.

A nova divisão regional, separada da jurisdição do governo do Rio de Janeiro, teve, porém, pouca duração: em 1720, a Coroa criou a Capitania de Minas Gerais. Além disso, devolveram algumas lavras auríferas a seus antigos proprietários paulistas e fundaram, na região muitas vilas.

Essas medidas, tomadas por Antônio de Albuquerque, governador da nova capitania, muito contribuíram para serenar os ânimos nas Minas Gerais.

A Guerra dos Emboabas e a expansão territorial

A guerra dos Emboabas teve grande importância para a completa conquista territorial do Brasil, pois as derrotas paulistas no conflito levaram-nos a procurar novos rumos em sua busca de metais nobres.

Passados alguns anos, descobriram novos veios auríferos em Cuiabá e em Goiás. As expedições enviadas à região incorporaram essas extensas áreas do Centro-Oeste brasileiro ao raio de influência da colonização lusitana e garantiram, para Portugal, a posse definitiva de tão dilatados territórios.

A Guerra dos Mascates (1710)

A Guerra dos Mascates ocorreu devido às rivalidades existentes entre os comerciantes reinóis da cidade do Recife (pólo monopolizador) e a nobreza agrária pernambucana residente em Olinda (pólo produtor-consumidor colonial).

A animosidade existente entre ambas as classes intensificou-se, porque a empobrecida aristocracia pernambucana, embora estivesse perdendo a liderança econômica da capitania, procurava manter a primazia política.

A Câmara Municipal de Olinda, sob cuja jurisdição estava Recife, impedia sistematicamente que os comerciantes portugueses ricos, mas destituídos de nobreza, ocupassem cargos administrativos de importância. Os mascates – nome pejorativo dado aos comerciantes do Recife – ansiosos por uma autonomia política e inconformados com a hegemonia de Olinda, solicitaram à Corte, por meio de um requerimento, a elevação do Recife à condição de vila.

Em novembro de 1709, o governo de Lisboa, atendendo às reivindicações dos recifenses, determinou que o governador da Capitania, Sebastião de Castro Caldas, e o respectivo ouvidor, José Inácio de Arouche, fixassem os limites do novo município. Logo começaram a surgir vários desentendimentos. O ouvidor José Inácio, que tinha notória simpatia por Olinda, indispôs-se com o governador favorável à posição dos mascates e transferiu seu cargo de ouvidor para o magistrado Luís de Valenzuela Ortiz. Enquanto isso, os mercadores do Recife, numa discreta cerimônia realizada na madrugada de 15 de fevereiro de 1710, erigiram, na praça municipal da cidade, um pelourinho, símbolo da autonomia do município.

Outro fato agravaria ainda as já tensas relações entre recifenses e olindenses.

A 17 de outubro, Sebastião de Castro Caldas foi alvejado a tiros, saindo ferido. Imediatamente, o mandatário deu início à repressão: inúmeras prisões foram ordenadas. Em represália, os olindenses iniciaram os preparativos para a luta armada.

Caldas, temendo as consequências de uma eventual invasão do Recife, fugiu para a Bahia.

Logo após a deserção do governador, os olindenses entraram sem resistência no Recife e demoliram o pelourinho. Fizeram-no na presença de doze mamelucos enfeitados de penas, como se estivessem manifestando publicamente seu nativismo.

Com a vitória, os mais radicais, conduzidos por Bernardo Vieira de Melo, propuseram a independência de Pernambuco e a proclamação da República, nos moldes de Veneza. Os moderados opinavam que se deveria entregar o poder ao legítimo sucessor do governador foragido, o bispo D. Manuel Álvares da Costa.

Vitoriosa a segunda tese, o prelado, ao assumir o governo pernambucano, comprometeu-se a respeitar uma série de exigências dos olindenses, entre as quais se destacam:

Reconhecimento da hegemonia de Olinda.
Anistia para todos os implicados no levante.
Anulação da medida que elevara Recife à categoria de vila.
Abertura dos portos pernambucanos às embarcações estrangeiras.
Limitações às cobranças de juros e dívidas por parte dos comerciantes do Recife.

Inconformados com a vitória de Olinda, os mercadores recifenses deram início aos preparativos para uma revolta geral. Um incidente de pequena importância, ocorrido entre soldados da guarnição de Vieira de Melo e do destacamento do Recife, serviu de pretexto para a retomada das hostilidades. Os recifenses, liderados por João da Mota, detiveram o bispo Álvares da Costa no Colégio dos Jesuítas, cercaram a moradia de Vieira de Melo e restauraram Sebastião Caldas, ainda refugiado na Bahia, no cargo de governador de Pernambuco. Este, entretanto, não conseguiu voltar à capitania; D. Lourenço de Almeida, governador -geral do Brasil, informado da agitação em Pernambuco, prendeu-o na fortaleza militar de Santo Antônio.

O bispo Manuel Álvares da Costa, forçado pelos mascates a assinar uma proclamação às forças militares pernambucanas, ordenando que respeitassem o “governo restaurado”, fugiu de Olinda. Aí, alegando querer evitar um banho de sangue, passou o poder a uma junta, por ele nomeada, de que faziam parte o ouvidor Valenzuela Ortiz, o coronel Domingos Bezerra Monteiro, o capitão Antônio Bezerra Cavalcanti, o procurador Estevão Soares de Aragão e o mestre de campo Cristóvão de Mendonça Arrais.

Interessada em por fim as hostilidades, a Coroa nomeou um novo governador para a área. A 06 de outubro de 1711, chegava ao Recife, trazendo o perdão real para todos os envolvidos no conflito, Félix José Machado de Mendonça Eça Castro e Vasconcelos. Com a chegada de novo mandatário, as duas facções depuseram as armas.

Entretanto, o novo governador, que inicialmente se mostrava apartidário, aos poucos passou a favorecer ostensivamente os mascates. Alegando a existência de uma conspiração contra sua vida, ordenou a prisão de dezenove olindenses de prestígio. Em virtude da perseguição movida pelo governador, os líderes de Olinda, refugiados no sertão, fundaram a “Liga de Tracunhaém”, com a finalidade de depor Félix José Machado.

Finalmente, D. João V, em virtude das reclamações enviadas a Lisboa pela Câmara de Olinda, restituiu a liberdade e os bens das vítimas do governador Félix José Machado. Recife, porém, manteve a condição de vila e capital de Pernambuco, depois de restaurados seu pelourinho e seus foros de município. Com a vitória dos comerciantes portugueses, encerrou-se a Guerra dos Mascates.

A Rebelião de Vila Rica (1720)

A Rebelião de Vila Rica foi um dos inúmeros levantes provocados pelo rigoroso fiscalismo exercido pelos portugueses durante o “ciclo do ouro”. Desde o início da exploração aurífera, a Real Fazenda vinha impondo sobre a mineração uma série de pesados tributos. A 11 de fevereiro de 1719, a Coroa instituiu um pesado imposto; o “quintamento” do ouro.

Esse tributo obrigava cada minerador a dar à Coroa a quinta parte de toda a sua produção. Para melhor controle da cobrança do “quinto”, as autoridades reinóis proibiram, , em 1720, a circulação do ouro em pó. Ao mesmo tempo, estabeleceram-se as Casas de Fundição, onde, depois de deduzida a parte que cabia ao Real Erário, fundia-se o ouro em barras e marcavam-se estas com o selo Real. Somente o ouro quintado – o nome que dava ao metal após a fundição – podia ser negociado livremente.

Temendo que a medida provocasse tumultos, o governador das Minas Gerais, D. Pedro de Almeida Portugal, Conde de Assumar, pediu o envio de um regimento da cavalaria à zona mineradora. Com a chegada dos soldados, os habitantes de Pitangui, liderados por Domingos Rodrigues Prado, realizaram várias manifestações. As tropas portuguesas prontamente reprimiram o levante. Ao descontentamento causado pela nova legislação referente à cobrança do “quinto “ real, acrescentou-se a revolta da população diante da ação violenta dos dragões de cavalaria.

Às 23 horas do dia 28 de junho de 1720, véspera da festa de São Pedro, um grupo de mascarados atacou a casa do ouvidor-mor de Vila Rica. Ao amanhecer, quando uma multidão se aglomerava no largo da Câmara, os chefes da revolta enviaram um memorial ao governador, redigido pelo letrado José Peixoto da Silva.

Nesse documento exigiam-se:

Redução de diversos impostos e das custas judiciais.
Abolição dos “estancos” (monopólios) da carne, aguardente, fumo e sal.
A suspensão da medida que determinava a obrigatoriedade da fundição do ouro.

O Conde de Assumar, temendo que a revolta se alastrasse, respondeu que “concederia ao povo tudo que fosse justo, contanto que se restabelecesse a ordem”.

Os revoltosos, percebendo que o governador procurava ganhar tempo, exigiram que o mesmo abandonasse Ribeirão do Carmo, onde se encontrava, e se dirigisse para Vila Rica. Diante da recusa de Assumar, na madrugada de 02 de junho, uma enorme multidão partiu a seu encontro. Ao chegar a Ribeirão do Carmo, a turba, após ocupar a praça fronteira ao palácio, foi recebida de maneira conciliadora.

Novamente, o mesmo letrado Peixoto apresentou por escrito as reivindicações populares. A cada item do memorial, Assumar respondia, “deferido como pedem”. Quando Peixoto leu, de uma das janelas do paço, o alvará que garantia a concessão de tudo que se pedira, aclamações entusiásticas se fizeram ouvir.

Com a leitura do alvará – que o conde não pretendia cumprir de forma alguma – , os habitantes de Vila Rica julgaram-se quase completamente livres das prerrogativas, regalias e interferências da Coroa portuguesa.

Pacificada, a multidão regressou triunfante a Vila Rica.

O Conde de Assumar aproveitou-se do arrefecimento dos ânimos do povo, ludibriado pelas “concessões” governamentais, para debelar o levante. Inicialmente, ordenou a prisão de líderes. Antes que se pudesse organizar uma reação em Vila Rica, foram detidos Manuel Mosqueira da Rosa, Sebastião da Veiga Cabral, Pascoal Guimarães de Filipe dos Santos. Este último, minerador pobre e brilhante orador, defendera posições radicais, projetando-se como líder popular do movimento.

Na manhã de 16 de julho de 1720, o governador, à frente de 1.500 homens armados, entrou vitoriosamente em Vila Rica. Imediatamente, a pretexto de vingança, mandou incendiar as casas dos revoltosos. O fogo consumiu ruas inteiras no Arraial situado no, hoje chamado, Morro das Queimadas em Ouro Preto. No mesmo dia, Filipe dos Santos, humilde e desprovido de amigos influentes, foi enforcado e esquartejado.

A Rebelião de Vila Rica, em virtude de violenta repressão que desencadeou, contribuiu bastante para acelerar o processo de tomada de consciência, por parte da população brasileira, do caráter brutal e espoliativo da dominação colonialista portuguesa.

Movimentos nativistas do Brasil

O que foi

Os movimentos nativistas aconteceram na segunda metade do século XVII e primeira metade do século XVIII. Foram movimentos locais que não visavam a separação política. Protestavam apenas contra abusos do pacto colonial, como a criação de novos impostos ou aumento dos antigos.

O primeiro deles foi a Revolta de Beckman que aconteceu no Maranhão em 1684 e foi provocada pela rivalidade que se estabeleceu entre os colonos e os jesuítas em razão da escravização dos índios. Os colonos queriam escravizá-los, os jesuítas, por outro lado, pregavam sua catequese nas missões enquanto os utilizavam como mão-de-obra na coleta das drogas do sertão cujo comércio realizavam e pelos os abusos da Companhia de Comércio do Estado do Maranhão.

A companhia havia sido criada para monopolizar o comércio com a região. Deveria trazer produtos de Portugal, assim como escravos negros, vendendo-os a preços mais reduzidos. Em troca, compraria a produção do Maranhão. Entretanto, os produtos vindos da Metrópole eram caros e de baixa qualidade, os negros em número insuficiente e vendidos por preços abusivos. Quanto à produção local, os comerciantes portugueses queriam pagar preços abaixo do mercado.

Insatisfeitos com a situação, os irmãos Beckman, grandes proprietários rurais, sentindo-se prejudicados lideraram uma revolta. Os jesuítas foram expulsos do Maranhão, os armazéns da companhia foram fechados e o governo tomado. Portugal, entretanto, não demorou a sufocar o movimento. Enquanto Tomás Beckman foi chamado à Corte para fornecer explicações, Manuel Beckman, considerado o principal chefe, foi enforcado.

A Guerra dos Emboabas foi um conflito que teve lugar em Minas Gerais em 1709 e 1710 e consistiu em choques armados, pelo direito de explorar as minas de ouro, entre paulistas e os que eram considerados forasteiros, apelidados de emboabas. Os paulistas foram expulso de grande parte do território onde estava sendo praticada a mineração e os os “emboabas “aclamaram o português Manuel Nunes Viana, governador das minas de ouro. O emboaba Bento do Amaral Coutinho acabou por assassinar um grande número de paulistas que estavam encurralados num capão de mato. O episódio, o Capão da Traição, levou os paulistas a se organizarem para a vingança. Para Portugal não interessava um conflito armado na região mineradora,motivo pelo qual tratou de acalmar os ânimos, tanto de paulistas, como dos emboabas, criando a Capitania de São Paulo e das Minas do Ouro, separada da Capitania de São Vicente. Os paulistas foram reintegrados nas regiões de onde haviam sido expulsos. Entretanto, muitos dirigiram-se aos atuais estado de Goiás e Mato Grosso, descobrindo novas jazidas.

A Guerra dos Mascates que aconteceu em Pernambuco de 1710 a 1714 foi causada pela rivalidade existente entre os moradores de Olinda e os de Recife.

Em Olinda viviam os senhores de engenho, decadentes, em razão da queda na produção do açúcar e em Recife, ricos comerciantes portugueses. Os olindenses que chamavam os comerciantes portugueses, pejorativamente, de mascates, deviam-lhes grandes somas que se somavam aos impostos atrasados, uma vez que os reinóis cuidavam de sua arrecadação. A rivalidade vinha sendo acentuada porque, enquanto Recife, em razão de seu excelente porto, progredia a olhos vistos.

O próprio governador da capitania, havia se mudado de Olinda para Recife. Apesar de próspero e de possuir um intenso comércio, Recife era comarca de Olinda e não possuía Câmara Municipal. Como comarca, Recife era subordinada à Olinda, que era vila. O conflito estourou quando o povoado de Recife foi elevado à vila e ganhou autonomia administrativa. Inconformados, os olindenses cercaram Recife. A guerra durou quatro anos e terminou com a chegada do novo governador da capitania. Recife, entretanto, continuou sendo vila, tornando-se, inclusive, sede da capitania.

Movimentos pela libertação da colônia:

Os movimentos que estouraram no final do século XVIII e início do XIX, já possuíam, claramente o ideal de independência. Foram movimentos regionais, que contestavam o pacto colonial como um todo e visavam a libertação de uma capitania ou de toda a colônia.

Esses movimentos aconteceram numa época em que o Antigo Regime entrava em declínio na Europa. As idéias iluministas pregavam o liberalismo político e econômico, a Revolução Industrial decretara o fim do mercantilismo, os Estados Unidos haviam realizado a sua independência em 1776 e a Revolução Francesa seria responsável pelo fim do absolutismo monárquico.

Inconfidência Mineira ( 1789 ):

De todos os movimentos, é considerado o mais importante, porque foi o primeiro a propor a separação política com a criação de uma República e por possuir idéias bastante avançadas para a época.

Foi um movimento da elite, causado pelos altos impostos cobrados sobre a mineração, pelas medidas tomadas pela rainha D. Maria I que proibira a instalação de manufaturas em Minas Gerais e pela derrama, que deveria ser decretada pelo Visconde de Barbacena, o novo governador da capitania, para receber os impostos em atraso. Segundo consta, os impostos em atrasados perfaziam a soma de 596 arrobas de ouro.

O movimento era inspirado nas idéias iluministas e na independência dos Estados Unidos.

Os inconfidentes pertenciam à uma elite intelectual e financeira.

Eram poetas, juristas, mineradores, militares e padres: Thomás Antônio Gonzaga, Claúdio Manuel da Costa, Inácio José de Alvarenga Peixoto, Tenente-Coronel Francisco de Paula Freire, José Álvarez Maciel Rolim, José Carlos Corrêa e Luís Vieira da Silva.

Ao que consta, a única pessoa que pertencia a uma categoria social inferior, era o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes( é importante dizer que Tiradentes não era pobre, tanto é que ele tinha 4 escravos …que na época era muito caro)

Os inconfidentes pretendiam libertar Minas Gerais( não o Brasil ), proclamar a República( a capital deveria ser São João del Rei ), estabelecer uma Universidade em Vila Rica, instalar fábricas, conceder ajuda de custo às familias numerosas e serviço militar obrigatório.

Quanto à libertação dos escravos afirmavam que não deveria acontecer ( inclusive Tiradentes ).

Haviam escolhido uma bandeira para Minas independente. Tratava-se de um retângulo com um triângulo e a frase em latim ” Libertas quae sera tamen “( Liberdade ainda que tardia ).

O movimento, que deveria estourar quando Barbacena publicasse a derrama, fracassou, devido à traição de Silvério dos Reis e de outros inconfidentes, como Brito Malheiros e Corrêa Pamplona.

Ao tomar conhecimentos do que estava sendo tramado e que a revolta aconteceria quando publicasse a derrama, Barbacena suspendeu a cobrança dos impostos, que estava prestes a ser decretada e ordenou a prisão dos implicados. Conduzidos ao Rio de Janeiro, responderam por crime de inconfidência, ou seja, falta de fidelidade à rainha.

A sentença, somente concluída em 1792, determinava que Tiradentes ( que assumira a culpa do movimento e era o único de condição social mais baixa ) seria enforcado e esquartejado. Os demais inconfidentes deveriam ser exilados para as côlonias portuguesas da África e para as ilhas do Atlântico, em degredo temporário ou perpétuo

Movimentos Nativistas – Brasil

Diversos movimentos nativistas se registraram no Brasil.

O que caracterizou esses movimentos foi a repulsa aos abusos do físico português, sem contestar, no entanto, o domínio luso. Ao contrário, havia uma convivência harmoniosa entre a aristocracia colonial e a da metrópole. As revoltas relacionavam-se à defesa de interesses locais e regionais.

Fatores que determinavam a ocorrência dos mesmos foram:

As contradições internas: exploração e desenvolvimento.
A política colonial portuguesa após a Restauração.
As idéias iluministas: liberdade, igualdade, fraternidade.
A Revolução Industrial e o liberalismo econômico.
A Revolução Francesa (1789).
A crise da mineração e o arrocho na cobrança de tributos pela metrópole.

Principais Movimentos

Revoltas de Beckman

Durante vários momentos e em diversos locais da colônia, os interesses de colonos e missionários se chocaram. Um exemplo desse choque de interesse ocorreu no Maranhão em fins do século XVII.

A capitania do Maranhão não era rica, pois o cultivo da cana em suas terras não era viável.

A possibilidade dos colonos de comprarem escravos, muito caros, eram pequenas, por outro lado, os jesuítas também não permitiam a escravização dos índios, pois eles próprios exploravam o trabalho indígena. Para agravar a situação, a Companhia Geral do Comércio do Estado do Maranhão, que defina o controle da região, também descontentava os colonos.

Revoltados com a situação, em fevereiro de 1684, os colonos, liderados pelo rico fazendeiro Manuel Beckman, prenderam o Capitão-Mor do Maranhão e tomaram os armazéns da Companhia do Maranhão. Com a deposição das autoridades, formaram um governo provisório, expulsaram os jesuítas e pediram providências a Portugal.

Portugal agiu rapidamente e, aproveitando-se da falta de consistência do movimento, arrasou com a revolta, sendo Manuel Beckman e Jorge Sampaio, outro líder, executados.

A rebelião ocorreu contra a Companhia Geral de Comércio do Maranhão, que não cumpriu os acordos feitos com os colonos, e contra a Companhia de Jesus, que era contrária à escravização indígena.

Guerra dos Emboabas

Estudamos anteriormente que a descoberta das minas de ouro mudou os rumos da economia colonial. Milhares de pessoas abandonaram suas religiões para procurar ouro, atraindo, inclusive, muitos portugueses para a região.

Essa migração no início do século XVIII desagradou aos paulistas, que descobriram as minas e aos quais um ato real de 1694 garantia o direito de posse das terras. No entanto, a grande quantidade de pessoas que chegava á região das minas tornou praticamente impossível o controle da posse das terras.

Já vimos também que a descoberta do ouro levou a um grande desenvolvimento da agricultura e da pecuária. O comércio desses produtos era praticamente monopolizado pelos baianos, que determinavam os preços desses produtos a valores altíssimo. Também se tornou comum o contrabando de metais preciosos, controladores pelos emboabas, apelido dado aos baianos e portugueses ricos.

Essas discrepâncias criaram um clima de hostilidade entre paulistas, baianos e portugueses. Após alguns pequenos atritos e intrigas, estourou um conflito. Os emboabas, liderados pelo fazendeiro Manuel Nunes Viana, conseguiam expulsar os paulistas da região. Nunes Viana foi então empossado como governador das Minas Gerais. Os paulistas retornaram à região e reiniciaram os conflitos. Nessa ocasião, cerca de 300 paulistas foram encurralados e rendidos e, após terem largado as armas, foram dizimados. Esse fato ficou conhecido como “Capão da Traição”. Em abril de 1709, os paulistas, comandados por Amador Bueno da Veiga, retornaram às Minas e, em pouco tempo, foram obrigados a se retirar, pois chegaram reforços aos emboabas.

Para resolver o impasse e encerrar o conflito, Portugal criou a capitania de São Paulo e das Minas. Em 1720 foi criada a capitania das Minas Gerais.

Muitos paulistas, no entanto, abandonaram a região e partiram para a busca de ouro em outras localidades, iniciando assim a exploração de ouro nas regiões do Mato Grosso e de Goiás.

Revolta de Vila Rica

No período da mineração, havia muita sonegação e contrabando de ouro. Consciente, a Coroa restaurou a cobrança do quinto através das casas de Fundição e criou várias delas na região das minas. A revolta de Felipe dos Santos foi uma revolta contra mais essa cobrança de impostos.

Felipe dos Santos liderou uma multidão e se dirigiu à Vila de Ribeirão do Carmo (atual Mariana) para exigir do governador de Minas o fechamento da Casa de fundição e a redução dos impostos.

O conde prometeu atender às reivindicações. Depois de já acalmadas os ânimos, o governador desencadeou a repressão.

As tropas portuguesas tomaram Vila Rica, prendendo várias pessoas. Felipe dos Santos, o principal responsável pela rebelião, foi executado e esquartejado.

Guerra dos Mascates

Desde fins do século XVIII, Olinda, capital de Pernambuco, demonstrava nítidos sinais de decadência. Em contrapartida, Recife apresentava um excelente desenvolvimento comercial. A posse do novo governador da capitania em 1707, Sebastião de Castro e Caldas, garantia a realização dos interesses dos recifenses. Em 1709, foi aprovado um projeto que tornava Recife uma Vila. As pretensões econômicas de Recife também estavam sendo atendidas, o que descontentou muito Olinda e seus aristocratas, que enxergavam a possibilidade de terem seus interesses econômicos esquecidos por Portugal.

Em Olinda, a ordem era não acatar à nova determinação. Em 10 de outubro de 1710, houve uma tentativa de assassinato contra Sebastião de Castro e Caldas, que rapidamente agiu e mandou prender o Capitão-Mor. A reação em Olinda foi violenta e obrigou o governador a fugir para a Bahia. Após a fuga de Castro Caldas, os olindenses invadiram Recife. Um novo governador foi então empossado, o Bispo Bernado Vieira Melo. O novo governador se encontrava claramente a favor de Olinda, e rapidamente tomou providências para impedir a reação de Recife.

Recife possuía sua frente de resistência, formada por seus comerciantes, apelidados de mascates.

Diversos conflitos ocorreram entre as duas cidades até a nomeação de D. Félix José Machado de Mendonça, mandado por Portugal para resolver os problemas. Sua posição era favorável a Recife, que novamente subiu à categoria de Vila e se tornou capital. A reação de Olinda foi imediata mas rapidamente sufocada, culminando com a prisão de vários aristocratas e o desterro do Bispo Bernardo

Fonte: www.geocities.com/www.10emtudo.com.br

Movimentos Nativistas

A Revolução Nativista de 1817 e os maçons

A gana de ver a Pátria independente, visando a fundação de uma República, esses homens, cuja maioria pagou com a vida o “atrevimento” bendito de amar a Pátria acima de tudo, deixaram um exemplo de heroísmo que jamais pode ser apagado da memória nacional. (Ir.’. Raimundo Rodrigues)

O conflito interno mais grave ocorrido durante o período de D. João 6º no Brasil foi a chamada Revolução Pernambucana de 1817. Movimento autonomista de inspiração republicana e maçônica, foi fruto do forte sentimento nativista e separatista que grassava em Pernambuco desde a expulsão dos holandeses em 1654. Em 6 de março de 1817, um grupo de revolucionários assumiu o poder na Província, declarando-a república separada do resto do Brasil. O novo regime só durou até maio, quando tropas portuguesas invadiram Recife e debelaram o movimento. Seus três principais líderes, todos maçons, (entre eles o padre Miguelinho) foram fuzilados.

O desejo de República era arraigado e isso acontecia principalmente no meio maçônico. Com a instalação do regime republicano, dos países do centro e sul-americanos, onde a participação maçônica foi fundamental e decisiva, tanto antes como depois da independência, surgiram diversos movimentos autonomistas regionais, no Brasil, e todos eles com a finalidade de implantar a República.

A revolução pernambucana de 6 de março de 1817, está na linha das reações nativistas, que se vinham fazendo sentir no Brasil desde o século XVII. Agora, com maior extensão e profundidade, estavam presentes as idéias de liberdade, autodeterminação dos povos, de república, inerentes ao século.

O revolucionário Capitão-Mor de Olinda Domingos José Martins (.’.), o popular “Suassuna”, natural da capitania do Espírito Santo, após excursão pela Bahia, Pernambuco e Ceará, partiu para a Europa. O companheiro de ideais, Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque (.’.), tomou o rumo da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Ambos eram maçons.

A Maçonaria, sociedade de grande influência na vida brasileira, fomentava discussões políticas, e pregava abertamente idéias novas: liberdade, república.

Um incidente na festa da Estância, celebrada, anualmente, para comemorar a derrota holandesa, tumultuava o ambiente de paz. Um alferes do Regimento dos Henriques, miliciano preto, surrara um português que injuriava brasileiros. Duvidou-se da fidelidade dos oficiais brasileiros, à Coroa. Caberia ao marechal José Roberto a prisão dos civis e, aos chefes dos regimentos, a prisão dos militares. Os civis e o ajudante Teixeira, presos facilmente.

O brigadeiro Manoel Joaquim Barbosa, português, atravessado a espada pelo capitão Domingos e tenente Cavalcanti. O governador recebeu aviso dos oficiais portugueses do regimento de artilharia. O ajudante de ordens, enviado para abafar o motim, também morreu quando tentou penetrar no quartel de Paraíso. Domingos Martins, o capitão Domingos e outros oficiais, uma vez soltos, começaram a agir para a implantação da nova ordem política. O governador, com grande contingente de soldados, alguns elementos da oficialidade e abundante munição, refugiou-se no Forte do Brum. Em um conselho de cidadãos brasileiros, proclamou-se ao povo a legitimidade da insurreição. Organizou-se o ataque a essa fortificação, e destacou-se um contingente de trinta soldados, comandados pelo capitão Amaro Francisco de Moura, para Olinda. O capitão Domingos, à frente de 800 homens, assediou o forte. Este capitulou. O Governador, sem qualquer resistência, embarcou para o Rio de Janeiro.

Sete de março, a revolução vencera!

Elegeu-se então um governo provisório, de caráter republicano, nos moldes do que ocorrera na França: padre João Ribeiro Pessoa – classe eclesiástica; capitão Domingos – militar; Manoel Correa de Araújo – agricultura; José Luís de Mendonça – magistratura; e Domingos José Martins – comércio. Uma proclamação ao povo, em linguagem veemente e precisa, procurou unir brasileiros e portugueses, apelando para a pátria nova que nascia… Pátria, nossa mãe comum… “sois portugueses, sois americanos, sois brasileiros, sois pernambucanos”.

Resplandecia o espírito nativista.

O espírito liberal, tipo Revolução Francesa, dominava. Tratou-se, por fim, de estender o domínio republicano a toda a capitania, e às vizinhas. Alastra-se o ideal republicano.

Enquanto D.João VI preparava a repressão, propagava-se a revolução pelo interior da capitania: Itamaracá e comarca de Alagoas. Na Paraíba, o capitão André Dias de Figueiredo e Manuel Clemente Cavalcante, partindo de Itabaiana, via Vila do Pilar, marcharam sobre a capital, onde o governo ficou em mãos do coronel Amaro Gomes e do tenente-coronel Estevão Carneiro, os quais, 14 de março, proclamaram a república e hastearam a bandeira da liberdade. Dia seguinte, dois mil homens, comando do sargento-mor Antônio Galdino Alves da Silva, receberam aclamação na capital. No Rio Grande do Norte, André de Albuquerque Maranhão, à frente de cinqüenta soldados paraibanos, proclamou, a 29, a república, sem o interesse do povo.

Desejosos de angariar recursos e novas adesões, e apressar o reconhecimento do Brasil novo pelas nações amigas, os chefes pernambucanos enviaram emissários: ao Ceará, subdiácono José Mariano de Alencar, à Bahia, Padre Roma; no dia 29 de março de 1817, o Conde dos Arcos, representando os Braganças, mandou fuzilar o maçom Padre Roma – José Ignácio de Abreu e Lima, no Campo da Pólvora, em Salvador, onde foi preso, quando levava aos baianos a notícia da Revolução de 6 de março que oferecia uma pátria aos brasileiros, sob o regime republicano.

Nenhuma derrota abateu o ânimo dos revolucionários.

O chefe de cada regimento jurava, naquele dia, defendê-la até a morte.

O governo provisório não se mostrou á altura da gravidade do momento. Tentou, pelo uso da guerrilha conter o movimento da contra-revolução. Inútil. Do ponto de vista militar, nada pôde conseguir. Os insucessos eram constantes.

A tropa reuniu-se no Engenho Velho do Cabo, onde se deu a assunção do comando. Acompanhava-a, como secretário, revolucionário Frei Joaquim do Amor Divino Caneca (.’.) Pertencia à Ordem carmelita. Integrava o quadro da Acadêmica de Suassuna, a qual, segundo historiadores era uma Loja Maçônica e na qual o frei havia sido iniciado.

Organizaram-se duas expedições republicanas: uma pelo interior, comando do capitão José Francisco de Paula Cavalcanti (.’.) e outra, de Domingos José Martins (.’.), pelo litoral.

Fácil, batê-los por partes. Contra Martins (.’.), duas companhias de infantaria, duas de pardos de Penedo e a de cablocos de Atalaia. Em Engenho Pindoba, próximo ao rio Merepe, ocorreu chacina. Domingos José Martins (.’.), preso.

A 13 de maio. Engenho Trapiche, Paula Cavalcanti (.’.) enfrentou os realistas.

Possuíam vantagem: quatro por um. Pânico: abandonou-se toda a artilharia, munições, bagagens, caixa militar, 300 prisioneiros, além de mortos e feridos.

Acabou-se a liberdade. Com a chegada de Cavalcanti à Recife, o governo, sem mais capacidade de manter-se buscou salvar-se na rendição. Espalhou-se que todos os europeus seriam degolados e Recife arrasada, se a capitulação não fosse concedida. Rodrigo Lobo exigiu a prisão dos autores da revolta, governadores e comandantes, entre eles Frei Caneca, permaneceu preso por 4 anos nos calabouços.

Esmorecera o governo, que, por fim, dissolveu-se, assumindo Domingos Teotônio Jorge plenos poderes. Tarde demais. A reação já não se podia executar com êxito. Recife, abandonada. A força naval ocupara a cidade. Iniciou-se a punição dos revolucionários. Falhara a experiência republicana.

Valdemar Sansão

Fonte: Exército Brasileiro

Movimentos Nativistas

Os Movimentos Nativistas

A procura do ouro constituía a ansiedade incentivadora de todos os espíritos. Entretanto, desde o princípio do século, o governo espanhol havia providenciado quanto à organização do Código Mineiro para o Brasil e, desde 1608 a 1617, quando a direção da colônia se achava repartida entre as cidades de Salvador e do Rio de Janeiro, já D. Francisco de Sousa guardava o título pomposo de Governador e Intendente das Minas.

Contudo, somente mais tarde as bandeiras audaciosas, iniciadas com a coragem paulista, rasgaram os véus espessos do cipoal da mata virgem, descobrindo os vastos lençóis de uma infinita riqueza. Muitos lustros decorreram sem que nada mais se observasse, senão os movimentos espantosos das correntes migratórias através dos sertões, procurando o ouro da terra desconhecida e encontrando, muitas vezes, nos seus caminhos a aflição, a angústia e a morte. O próprio Conselho Ultramarino, em Lisboa, expunha mais tarde à autoridade da Coroa a necessidade de se reprimirem os excessos dessas migrações incessantes, para que o próprio reino não se despovoasse.

Por essa época, multiplicavam-se as emboscadas e a sede da posse turvava todas as consciências. Cidades futurosas se levantavam ao longo das estradas desertas e ermas; mas, seus alicerces, a maior parte das vezes, se constituíam com o sangue e com a morte. Em toda a colônia, pairam ameaças de confusão e desordem. A lenda dos tesouros fabulosos, guardados no coração das selvas imensas, incendiava todos os ânimos e enfraquecia o ascendente da lei em todos os espíritos. Os índios experimentam, amarguradamente, a atuação dessas forças contrárias à sua paz, que se concentravam à procura das riquezas da terra, e é com inauditos esforços de perseverança e de paciência que os caridosos jesuítas juntam suas aldeias ao Norte, com doçura fraterna, conquistando todo o Amazonas para a comunidade dos portugueses.

A esse tempo, no extremo norte convulsiona-se o Maranhão, sob os ímpetos revolucionários de Manuel Beckman, contra a Companhia de Comércio, que monopolizara os negócios da importação e exportação da capitania, e contra os jesuítas, cujo espírito de fraternidade se interpunha entre os colonizadores e os índios, no sentido de se manterem estes últimos dentro da liberdade que lhes competia. Os amotinados prendem todos os elementos do governo e, organizando uma junta com elementos do clero, da nobreza e do povo, consideram extinto o monopólio e providenciam o imediato banimento dos protetores dos indígenas.

Festas extraordinárias assinalam, no Maranhão, semelhantes feitos, inclusive Te-Deum na Catedral de São Luís. A notícia de tão singulares quão inesperados episódios provoca as apreensões da corte de Lisboa, que não desconhece as pretensões da França no tocante ao vale do Amazonas, nem ignora o ascendente moral dos franceses sobre os elementos indígenas. A expedição que deverá restaurar a lei na capitania não se faz esperar e a Gomes Freire de Andrada, estadista notável pelo seu talento militar e político, cabe a direção do movimento restaurador. As providências da contra-revolução no extremo norte são adotadas sem dificuldade. Gomes Freire procede com magnanimidade para com os revoltosos, sem, contudo, poder agir com a mesma liberalidade para com Manuel Beckman, que foi preso e sentenciado à morte. Sua fortuna teve-a ele confiscada, mas o grande oficial que comandara a expedição, dentro das tradições da generosidade portuguesa, arrematou todos os bens do infeliz, em hasta pública, e os doou à viúva e aos órfãos do revolucionário.

Em 1683, a Bahia se conflagra, depois de assassinar o alcaide-mor da colônia, Francisco Teles de Menezes, que excitara as antipatias dos habitantes do Salvador. E os derradeiros anos do século XVII testemunham as atividades da colônia, nesse período de transição dos movimentos nativistas. A sede do ouro penetra o século seguinte, que, mais intensamente, ia acender a febre da ambição em todas as cidades. Em 1710, as lutas se fixam na capitania de Pernambuco, que fazia questão de cultivar o sentimento de sua autonomia, desde os tempos da ocupação holandesa, com a qual fizera novas aquisições no que se referia aos patrimônios de sua independência. Os brasileiros de Olinda abrem luta com os portugueses de Recife, em razão das rivalidades entre as duas grandes cidades pernambucanas, que não se toleravam politicamente. As emboscadas ocasionam ali dolorosas cenas de sangue. Um ano inteiro de choques e sobressaltos assinala o período da guerra dos mascates. Antes, porém, desses movimentos revolucionários em Pernambuco, os paulistas e os emboabas lutavam na região aurífera dos sertões de Minas Gerais, disputando-se a posse do ouro, que abrasava a imaginação do país inteiro. A felonia e a traição constituem o código dessas criaturas insuladas nas matas desconhecidas e inóspitas.

Pela mesma época, a França, que sempre custou a resignar-se com a influência portuguesa no Brasil, envia Du Clerc para investir o porto do Rio de Janeiro com mil homens de combate. A metrópole portuguesa não podia proteger, de pronto, a cidade, e o Governador Francisco de Castro Morais, deixando-se dominar pela timidez, permitiu o desembarque das forças francesas, que, todavia, foram rechaçadas pela população carioca. Estudantes e populares lutaram contra o invasor. Algumas dezenas de franceses foram barbaramente trucidados. Fizeram-se ali mais de quinhentos prisioneiros e o Capitão Du Clerc acabou assassinado em trágicas circunstâncias. O governo do Rio não providenciou quanto ao processo dos criminosos, a fim de punir os culpados e definir as responsabilidades pessoais, provocando com isso a reação dos franceses, que voltaram a assediar a maior cidade brasileira.

Duguay-Trouin vem à Baía de Guanabara acompanhado de cerca de cinco mil combatentes. O governador foge com quase todos os elementos da população, deixando o Rio à mercê do corsário que se üustrara sob a proteção de Luís XIV. Depois do saque, que absorve muitos milhões de cruzados da fortuna particular, paga ainda a cidade fabuloso resgate.

Enquanto se desenrolavam os últimos acontecimentos, governava em Portugal D. João V, o Magnânimo, em cujo reinado ia o Brasil espalhar pela Europa os seus fabulosos tesouros. Nunca houve, ali, um soberano que mostrasse tamanho descaso pelas possibilidades econômicas do povo. O ouro e os diamantes do Brasil iam acender no seu trono as estrelas efêmeras do seu fastígio e da sua glória. A fortuna amontoada pela ambição e pela cobiça ia ser espalhada pelas mãos insensatas do rei, imprevidente e incapaz da autoridade de um trono. Dentro do luxo assombroso da sua corte, o Convento de Mafra se ergue ao preço de cento e vinte milhões de cruzados. Mais de duzentos milhões seguiriam para as arcas do Vaticano, dados pelo monarca egoísta, que desejava forçar as portas do céu com o ouro iníquo da terra. Em vez de auxiliar a evolução da indústria e da agricultura de sua terra, D. João V levanta igrejas e mosteiros, com extrema prodigalidade, e, enquanto todas as cortes da Europa felicitavam o rei perdulário pelo descobrimento dos diamantes na sua afortunada colônia e se celebram Te-Dewns em Lisboa, em homenagem ao auspicioso acontecimento, pelo Brasil todo se alastravam movimentos nativistas, exaltando os sentimentos generosos da liberdade e preparando, assim, sob a inspiração de Ismael e de suas falanges devotadas, o futuro glorioso dos seus filhos.

Humberto de Campos

Fonte: www.robertomacedo.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+