Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / História da Fotografia no Brasil

História da Fotografia no Brasil

PUBLICIDADE

 

O francês radicado no Brasil, Hercules Florence, inventou a fotografia 3 anos antes do que de Louis Daguerre e Joseph Nicéphore Niépce

“Queira Deus que se possa imprimir com a luz”

Hercules Florence – 03 de julho de 1833

Em 1804, nascia em Nice, na França, exatamente no dia 29 de fevereiro daquele ano bissexto, Antoine Hercules Romuald Florence – ou Hercules Florence, que foi como o francês radicado no Brasil gravou seu nome na História por ter sido um dos pioneiros na invenção de uma descoberta que mudaria a vida da sociedade moderna: a fotografia.

História da Fotografia no Brasil
Hercules Florence

Um inventor isolado

Foi na França que a fotografia desenvolveu-se e propagou-se como uma das principais descobertas da modernidade, através das pesquisas de Louis Daguerre e Joseph Nicéphore Niépce que, juntos, conseguiram criar o processo de revelação fotoquímica. Mas, enquanto na França a fotografia ganhava espaço e notoriedade através de Daguerre e Niépce, no Brasil, um francês de nascimento, mas brasileiro de mulher (duas), filhos (20), netos, bisnetos e tataranetos já havia intuído a possibilidade de fixar imagens em câmara-escura.

Hercules Florence, três anos antes de seus compatriotas, já era um inventor isolado – e ainda desconhecido – do processo fotográfico. Hoje, graças ao trabalho incansável e obstinado do jornalista e professor Boris Kossoy, Florence é considerado referência quando se fala na invenção da fotografia. Kossoy investiu, de 1972 a 1976, numa das mais ardorosas pesquisas e reconstituições de métodos, técnicas e processos já realizadas no Brasil para levar uma pessoa do anonimato ao pódio da história.

Florence descobriu isoladamente um processo de gravação através da luz, que batizou de Photografie, em 1832 – três anos antes de Daguerre. A ironia histórica, ocultada por 140 anos, é que o processo era mais eficiente do que o de Daguerre – como comprova a publicação detalhada do sistema da photografie na revista “A Phenix” de 26 de outubro de 1939 e reproduzido no Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro, dois meses depois.

Hercules Florence ficou internacionalmente conhecido a partir da publicação do livro de Kossoy, “1833: a Descoberta Isolada da Fotografia no Brasil” (Editora Duas Cidades, 1980). O livro e o trabalho de Kossoy, incluindo a reprodução dos métodos registrados por Florence nos laboratórios do Rochester Institute of Technology, levaram ao reconhecimento internacional do pesquisador franco-brasileiro na descoberta da fotografia.

Mais que fotografia

A contribuição de Hercules Florence à ciência, às artes e à história não ficou apenas restrita às descobertas que precederam a fotografia tal qual conhecemos hoje. Desenhista, pintor, fotógrafo, tipógrafo, inventor, Florence integrou na Expedição Langsdorff como segundo desenhista, a pedido do Barão Heinrich von Langsdorff, por sua habilidade com os traços. Durante a Expedição, tornou-se também geógrafo da empreitada que seguiu do Rio de Janeiro à Amazônia a fim de desvendar o território brasileiro e, durante a viagem, encantou-se pelo canto dos pássaros. Na ocasião, concebeu um método para a transcrição do canto dos pássaros que ele batizou de Zoophonia.

Hercules Florence é também o responsável por diversas outras invenções, dentre elas a Polygraphia, um sistema de impressão simultânea de todas as cores primárias, em que a impressão é efetuada sem a utilização da prensa. Na área das artes visuais, Florence não se destacou apenas na fotografia, apesar de ter sido por ela que tenha ganhado notoriedade; era um exímio desenhista – o que o creditou a integrar a Expedição Langsdorff – e um pintor de talento. Através de desenhos e telas, Florence revelou-se pela qualidade e firmeza de seu traço e dons de observação e provou ser um documentarista dotado de grande talento e sensibilidade. Ele executou diversos desenhos para documentar os lugares por onde passou a expedição e os tipos humanos que encontrou, principalmente depois da morte de outro desenhista a ela ligado, Adrien Taunay.

Em 1825, em São Paulo, lutando com a escassez de meios e a falta de ferramentas apropriadas, executou trabalhos notáveis, entre os quais um retrato do futuro sogro, o médico Álvaro Machado, e outros retratos do então barão de Congonhas do Campo, do Dr. Nicolau Pereira de Campos.

A família Florence conserva ciosamente coleções de documentos originais do patriarca, incluindo obras inacabadas e inéditas. Entre elas, as aquarelas e os textos do que Florence intitula “Atlas pittoresque des ciels” ou “Traité des ciels, à la usage des jeunes paysagistes”.

Florence morreu em deixando a seu país de adoção e a humanidade, um legado de realizações científicas, históricas, geográficas, artísticas, culturais, tecnológicas, agrícolas, comerciais e educacionais.

Cidadão brasileiro – e campineiro

Hercules Florence chegou ao Brasil em 1824, e durante quase 50 anos viveu na Vila de São Carlos, como era então conhecida a cidade de Campinas. Para o município mudou-se em 1830, após ter se casado com Maria Angélica de Vasconcellos.

Florence passou a dedicar-se ao comércio, abrindo uma loja de tecidos e tratando de negócios em Campinas. Foi na cidade que idealizou a poligrafia e fez, entre os anos de 1832 e 1836, experiências com fotografia. Em 1836, adquiriu, graças a Álvares Machado, uma tipografia completa, que foi a primeira que se tem registro a se instaurar em Campinas.

A partir dessa tipofrafia, Hercules Florence deu origem ao “O Paulista”, primeiro jornal do interior da província de São Paulo. Mas foi só dois anos depois, no dia 10 de dezembro, que Florence teve licença da Câmara de São Carlos para montar uma tipografia na cidade, que foi intalada no largo da Matriz do Carmo. Em 1858, é impresso em sua litografia o Aurora Campineira, primeiro jornal de Campinas-SP. Nascia, então, a imprensa da cidade. Seu talento múltiplo atrai ainda a atenção do imperador Dom Pedro II, que esteve em Campinas em 1876 para visitá-lo.

Quatro anos após a morte de sua primeira esposa, Maria Angélica, Hercules Florence casou-se, em Campinas, com Carolina Krug, de religião protestante. Com Carolina, teve sete filhos. Vinte e cinco anos depois, no dia 27 de março, após ter dedicado a vida à sua descoberta da fotografia e ter vivido na tentativa de provar seu pioneirismo isolado nos processos fotoquímicos, Florence morreu em Campinas, cidade onde residiu por quarenta e nove anos e que escolheu para viver e constituir sua família. Foi sepultado no cemitério da Saudade (sepultura número 247), sem que conseguisse de fato comprovar suas descobertas.

As comemorações

Duzentos anos depois de seu nascimento, o nome de Hercules Florence continua a ser celebrado não só por seu pioneirismo nas descobertas fotoquímicas, mas também pelas suas diversas atividades que se descobriram através de documentos e manuscritos deixados por ele que dizem respeito à sua participação na Expedição Langsdorff – uma das maiores e mais profícuas expedições científicas realizadas no território brasileiro – e na criação e fundação da imprensa paulista – notadamente no interior do estado – entre outras realizações.

E é pela celebração da importância de Hercules Florence que sua família promove, a partir de fevereiro, a celebração do bicentenário de seu nascimento com eventos que se prolongarão por todo o ano de 2004, a fim de resgatar a memória de um dos principais nomes da arte e do desenvolvimento brasileiro. No dia 29, data exata da comemoração de seu nascimento, a família Florence vai reunir-se em um almoço a fim de descobrir parentes por todo o Brasil e reuni-los numa grande confraternização. Apesar da importância histórica de Hércules Florence, o evento será um encontro estritamente familiar, não havendo qualquer caráter político, mercadológico ou promocional envolvido.

De acordo com Antônio Francisco Florence, tataraneto de Hércules Florence e organizador do evento em tributo a ele, a idéia do evento é prestar uma homenagem singela ao fundador da família no Brasil e promover o encontro e o convívio entre seus descendentes. “Como seu descendente, entendo ser meu dever manter viva a memória desse artista e homem de ciência, típico representante do salto tecnológico havido no século XIX, e que antes de tudo era um homem apaixonado e deslumbrado pelo mundo em que vivia”, afirma.

A programação do almoço, que será realizado no Royal Palm Plaza Hotel, em Campinas (cidade onde Hércules viveu grande parte dos seus anos), contará com palestras, exposições, conferências e até uma apresentação musical – todas elas realizadas por descendentes de Hércules Florence. A única exceção é a conferência que será ministrada pelo professor Bóris Kossoy sobre a comprovação científica da descoberta da fotografia no Brasil por Hércules. “Kossoy, apesar de não ser da família, foi o principal entusiasta que deu publicidade aos feitos de Hércules Florence, impondo o reconhecimento de seu trabalho”, enfatiza Antônio Francisco.

Rafael Tonon

Fonte: www.cartamaior.com.br

História da Fotografia no Brasil

O pioneiro da fotografia no Brasil

Hércules Florence sabia que os papéis que guardavam imagem escureceriam no sol – como os tecidos indianos que perdiam a cor – e, por isso, lavou-os em água para diminuir a reação fotoquímica e guardou-os dentro de um livro. Segundo relatos, assim ele conservou várias imagens, que apreciava somente à noite, sob luz de vela. Mas as provas se perderam. Inclusive aquela, que seria a primeira fotografia de um ser humano produzida no planeta.

Hércules Florence foi um pioneiro da fotografia no Brasil.

A primeira descoberta importante para chegar-se à gravação da imagem foi a câmera obscura, princípio básico da máquina fotográfica.

Para compreendermos o fenômeno provocado pela câmera obscura, é preciso considerar as propriedades físicas da luz – uma forma de energia eletromagnética, que se propaga em linha reta a partir de uma fonte luminosa. Quando um desses raios luminosos incide sobre um objeto de superfície irregular ou opaca, é refletido de um modo difuso, isto é, em todas as direções. Portanto, o orifício da câmera obscura, quando diante de um objeto, deixará passar para o interior dela alguns desses raios, que irão se projetar na parede branca. E, como cada ponto iluminado do objeto reflete os raios de luz, temos, então, uma projeção de imagem em negativo, invertida e de cabeça para baixo.

No Renascimento, século XVI, Leonardo da Vinci e Giovanni Batista Della Porta, descreveram a câmera obscura como objeto auxiliar para o desenho. Em 1558, Della Porta (1541-1615) publicou uma descrição detalhada sobre a câmera e seu uso no livro Magia Naturalis sive de Miraculis Rerum Naturalium. Esta câmera era um quarto estanque à luz, possuía um orifício de um lado e a parede à sua frente pintada de branco.

A câmera obscura inicialmente possuía grandes dimensões, e os artistas se posicionavam em seu interior para calcar a imagem projetada através do orifício em telas, papéis e pergaminhos. Com o passar dos séculos, os estudiosos da câmera obscura perceberam que poderiam utilizar o fenômeno de outra maneira, isto é, tornando-a menor e obtendo o mesmo efeito.

Em 1777, o químico Karl Wilhelm Scheele descobriu que o amoníaco atua satisfatoriamente como fixador. Os desenhos traçados por Scheele num vidro, exposto sobre um pedaço de papel sensibilizado com sais de prata, à luz do sol, resultavam numa imagem nítida, porém em negativo, claros e escuros invertidos.

Em 1802, Sir Humphrey Davy publicou no Journal of the Royal Institution uma descrição do êxito de Thomas Wedgwood, na impressão de silhuetas de folhas e vegetais sobre couro. Mas Wedgwood não conseguiu fixar as imagens, isto é, eliminar o nitrato de prata que não havia sido transformado em prata metálica, pois apesar de bem lavadas e envernizadas, elas se escureciam totalmente quando expostas à luz.

Em 1816, relatam alguns historiadores que Joseph Nicéphore Niépce (1765-1833) recobriu um papel com sais de prata e expôs, durante oito horas, uma dessas matrizes na câmera obscura, obtendo uma fraca imagem, parcialmente fixada com ácido nítrico.

Existem, porém, dúvidas de que Niépce tivesse realmente se utilizado do nitrato ou cloreto de prata, uma vez que, de acordo com Mário Guidi8, não foram localizados documentos que comprovem essa afirmação:

“A falta de maiores e mais precisas informações sobre os trabalhos e pesquisas de Joseph Nicéphore Niépce se deve a uma característica, até certo ponto paranóica, de sua personalidade. Vivia suspeitando que todos quisessem lhe roubar o segredo de sua técnica de trabalho. Isto ficará claramente evidenciado na sua tardia sociedade com Daguerre. Também em 1828, quando vai à Inglaterra visitar o irmão Claude, fracassa uma possível apresentação perante a Royal Society. Neste encontro, intermediado por um certo Francis Bauer, Niépce deveria apresentar os trabalhos por ele batizados de heliografias. O evento não se realizou por ter Niépce deixado claro, de antemão, que não pretendia revelar seu segredo.”

Na viagem a Kew, perto de Londres, onde residia Claude, Joseph Niépce levou várias heliografias e as mostrou a Francis Bauer, pintor botânico a quem acabara de ser apresentado. Bauer reconheceu a importância do invento e o aconselhou a informar ao Rei Jorge IV e a Royal Society sobre seu trabalho.

Com relação a esse episódio envolvendo Niépce e a Royal Society, os historiadores da fotografia relatam fatos, senão contraditórios, pelo menos paradoxais:

“Niépce teria deixado na Inglaterra, com Francis Bauer, vários trabalhos seus, incluindo a Vista da Janela e, pasme-se, um manuscrito com o relato de todo o seu procedimento de trabalho! É no mínimo curioso que Niépce tenha perdido a oportunidade de oficializar suas descobertas perante uma das mais reputadas sociedades científicas da época, por não querer revelar os segredos de seu trabalho e, alguns dias depois, tivesse deixado esses mesmos segredos nas mãos de um quase desconhecido!”

Francis Bauer, no verso da heliografia da Vista da Janela, escreveu: “esta é a primeira experiência, bem sucedida, do senhor Niépce para fixar permanentemente a imagem da natureza, 1827”. A melhor definição para a dúvida em torno da autenticação, feita por Bauer, é do pesquisador e escritor italiano, Ando Giliardi: “A escrita garante a chapa, mas quem garante a escrita?”

Os únicos trabalhos documentados de Niépce,obtidos por meio da câmara obscura, são a Vista da Janela, que mostra os telhados da vila vistos de sua casa de campo de Le Gras, na vila de Saint Loup de Varenne, perto de Chálon-sur-Saóne, sua cidade natal. A heliografia Vista da Janela, espelhada com uma imagem latente, somente é visível com angulação e luz. A obra encontra-se na Gernshein Collection da Universidade do Texas, sendo impossível pensar em sua utilização como matriz para cópias. Uma reprodução foi realizada pela Kodak Research Laboratory, na década de 50. O outro trabalho é a Mesa Posta, cujo original desapareceu misteriosamente pouco tempo depois da exposição, ocorrida em 1890 e dele só se conhece uma reprodução, feita a partir de um original sobre vidro, apresentada, naquele ano, à Sociéte Française de Photographie.

Vários historiadores questionam não só a data -1826/27, em que Niépce teria concluído suas experiências de gravação e fixação da imagem, mas também se teria realmente usado sais de prata.

Por intermédio dos irmãos Chevalier, famosos óticos de Paris, Niépce entrou em contato com outro pesquisador, que também buscava obter imagens impressionadas quimicamente: Louis Jacques Mandé Daguerre (1787-1851).

Daguerre, ao perceber as grandes limitações do betume da Judéia, método utilizado por Niépce, prosseguiu sozinho nas pesquisas com a prata alógena. Suas experiências consistiam em expor, na câmera escura, placas de cobre, recobertas com prata polida e sensibilizadas sobre o vapor de iodo, formando uma capa de iodeto de prata sensível à luz.

Conta-se que, em uma noite de 1835, Daguerre guardou uma placa subexposta dentro de um armário, onde havia um termômetro que se quebrou. Ao amanhecer, abrindo o armário, ele constatou que a placa havia adquirido uma imagem de densidade bastante satisfatória, tornando visível a imagem das placas subexpostas, em todas as áreas atingidas pela luz. O mercúrio criara um amálgama de grande brilho, formando as áreas claras da imagem. Após a revelação, agora controlada, Daguerre submetia a placa com a imagem a um banho fixador, para dissolver os halogênios de prata não revelados, formando as áreas escuras da imagem. Inicialmente foi usado o sal de cozinha (cloreto de sódio) como elemento fixador, sendo substituído, posteriormente, por tiossulfato e hipossulfito de sódio. Substituição feita a partir da descoberta de John Herschel, o que garantia maior durabilidade à imagem.

Daguerre garantiu assim a reputação de inventor da imagem fixa – o daguerreotype. Foi ajudado mais tarde pelo amigo Jean François Dominique Aragô, nas negociações para a transferência dos direitos autorais da invenção ao Estado francês, por uma pensão vitalícia. No entanto, Hippolyte Bayard também reivindicava ser reconhecido como um dos pioneiros da nova arte. Trata-se de uma reivindicação legítima que provocou, tempos depois, o primeiro protesto fotográfico da história, pois Bayard simulou suicídio, por não ter sido reconhecido como um dos pioneiros da nova arte que aflorava para o mundo.

Aragô, membro da Câmara de Deputados da França, divulgou, em 7 de janeiro de 1839, o processo descoberto por Daguerre, na Academia de Ciências e Belas Artes, descrevendo-o minuciosamente. Em 19 de agosto do mesmo ano, a Academia de Ciências de Paris tornou o daguerreótipo acessível ao público. Graças a essa descoberta, já era possível obter-se daguerreótipos com apenas trinta minutos de exposição.

Willian Henry Fox Talbot (1800 – 1877), também pesquisava uma forma de gravar quimicamente a imagem no papel. Suas pesquisas fotográficas consistiam em obter cópias por contato de silhuetas de folhas, plumas, rendas e outros objetos.

O papel era mergulhado em nitrato e cloreto de prata e, depois de seco, fazia seu contato com os objetos, obtendo-se uma silhueta escura. Finalmente, o papel era fixado sem perfeição, com amoníaco ou com uma solução concentrada de sal. Às vezes, também era usado o iodeto de potássio.

No ano de 1835, Talbot construiu uma pequena câmera de madeira, que foi carregada com papel de cloreto de prata, e de acordo com a objetiva utilizada eram necessários trinta minutos a uma hora de exposição. A imagem negativa era fixada em sal de cozinha e submetida a um contato com outro papel sensível. Desse modo a cópia apresentava-se positiva sem a inversão lateral. A mais conhecida dessas imagens é a janela da biblioteca da abadia de Locock Abbey, considerada a primeira fotografia obtida pelo processo negativo/positivo.

As imagens de Talbot eram bastante precárias, devido ao seu reduzido tamanho de 2,5 cm2, se comparadas com a heliografia de Niépce, com cerca de 25X55 cm, obtida nove anos antes. Sua lentidão, seu tamanho e sua incapacidade de registrar detalhes não causavam interesse ao público, quando comparados aos daguerreótipos.

Em 1839, quando chegam à Inglaterra os rumores do invento de Daguerre, Talbot aprimora suas pesquisas e precipitadamente publica seu trabalho e o apresenta à Royal Institution e à Royal Society.

John Herschel, amigo de Talbot,logo concluiu que o tiossulfato de sódio seria um fixador eficaz e sugeriu o termo: fotografia em 1839.

Um ano após, o material sensível foi substituído por iodeto de prata, sendo submetido, após a exposição, a uma revelação com ácido gálico. Para as cópias, porém, o papel de cloreto de prata continuou a ser usado. O processo, inicialmente batizado de Talbotipia, ficou conhecido como Calotipia e foi patenteado na Inglaterra, em 1841.

Em 1844, Talbot publicou The pencil of Nature, o primeiro livro do mundo ilustrado com fotografias. O livro foi editado em seis grandes volumes com um total de 24 talbotipos originais. Continha as explicações detalhadas de seus trabalhos, estabelecendo certos padrões de qualidade para a imagem.

Durante o século XIX, a Europa passou por profundas revoluções no universo artístico, intelectual e mesmo humanístico. Rapidamente, os grandes centros urbanos da época ficaram repletos de daguerreótipos, a ponto de vários pintores figurativos exclamarem em desespero, que a pintura havia morrido. No entanto, outros artistas, também preocupados em retratar a influência da luz solar, criaram o movimento artístico conhecido como impressionismo.

Em 16 de janeiro de 1840, o daguerreótipo chega ao Rio de Janeiro, trazido pelo Abade Compte, com todo o material necessário para a tomada de vários daguerreótipos, conforme noticiou o Jornal do Commércio naquele período:

“É preciso ter visto a cousa com os seus próprios olhos para se fazer idéia da rapidez e do resultado da operação. Em menos de nove minutos, o chafariz do Largo do Paço, a Praça do Peixe e todos os objetos circunstantes se achavam reproduzidos com tal fidelidade, precisão e minuciosidade, que bem se via que a cousa tinha sido feita pela mão da natureza, e quase sem a intervenção do artista”

Enquanto na Europa vivia-se a efervescência cultural, originada grandemente pela revolução industrial e pelo avanço de pesquisas e descobertas em todas as áreas, residia no Brasil, desde 1824, o francês Hércules Florence.

Florence, sugestionado pela leitura de Robinson Crusoé, vê despertada sua paixão pela aventura e pelas viagens marítimas e, aos dezesseis anos, obteve autorização de sua mãe para seguir de navio para Antuérpia, em uma desastrosa viagem, em que Florence foi roubado e teve que refazer o caminho de volta a Mônaco, praticamente a pé, obrigado a trabalhar como desenhista para conseguir o seu sustento.

A aventura vivida por Hércules Florence, na Antuérpia, não o desanimou e, após renovar seu passaporte, embarcou para o Brasil, chegando ao Rio de Janeiro, em 1o de maio de 182413 . Sem conhecer o idioma local, foi trabalhar com seus compatriotas, a princípio em uma loja de tecidos de Theodore Dillon, em seguida em uma livraria que pertenceu a Pierre Plancher.

Na livraria de Plancher, por meio de um anúncio de jornal, Florence ficou sabendo de uma expedição científica e resolveu procurar o Barão de Langsdorff, responsável pela expedição e foi aceito como integrante da comitiva, no cargo de segundo desenhista.

No retorno da expedição, Hércules Florence casou-se com Maria Angélica15, filha de Francisco Álvares Machado e Vasconcellos16, que havia conhecido nos preparativos da expedição na cidade de Porto Feliz, interior do estado de São Paulo. O aventureiro francês fixou residência na Vila de São Carlos, hoje cidade de Campinas, um dos principais centros culturais do estado de São Paulo.

Publicou no Rio de Janeiro, depois de seu casamento, observações feitas durante a expedição Langsdorff, que chamou de “Zoophonie” ou “Zoophonologie”.

Hércules Florence, durante toda sua vida no Brasil conviveu com intelectuais e estrangeiros ilustres, que enriqueceram seu conhecimento e ajudaram-no a desenvolver várias pesquisas e inventos, entre os quais está a criação do Papel Inimitável, cuja importância maior era evitar falsificações em quaisquer títulos de valor.

“O súbdito francez Hercule Florence, que era um scientista notável. Develhe a sciencia as descobertas que fez da polygraphia, aperfeiçoada depois sob a denominação de pulvographia, do papel inimitável, cuja importância maior era evitar falsificações em quaesquer títulos de valor, firmados naquelle papel muito propriamente denominado inimitável…”

Florence preparou uma chapa de vidro como matriz, escurecida com a fumaça de um lampião, e aplicou uma camada de gomaarábica. Após o endurecimento da cola, com uma agulha, desenhava ou escrevia nessa superfície, retirando a cola endurecida do fundo do vidro.

Hércules Florence fez anotações sobre seus inventos e descobertas nos documentos manuscritos entre 1830 e 1862, em francês, num volume de 423 páginas, intitulado de “L’Ami Des Arts Livré à Lui Même ou Recherches Et Découvertes Sur Différents Sujets Nouveaux”. Em um conjunto de três cadernos pequenos de informações, intitulados “Correspondance”, copiou diversas cartas por ele expedidas, em que há referências aos inventos.

Com a Poligrafia, tornou-se possível imprimir numa mistura de litografia e gravura em diversas cores. Foi então que Florence teve a idéia de utilizar a câmera obscura.

Ele escrevia ou desenhava no vidro para poder imprimir na prancha, utilizando-se da luz do Sol, do cloreto de prata ou ouro, como se fossem tinta de impressão, chegando naturalmente a um processo que se aproxima muito ao da fotografia, principalmente quando fez uso da câmera obscura. A matriz era colocada sobre um papel sensibilizado por cloreto de prata ou ouro, o qual era prensado à luz do Sol, obtendo-se como resultado uma imagem.

Na página quarenta e dois, do manuscrito, Florence faz referências às suas experiências com a impressão através da luz solar, processo que originou a Photographie: “Dei a essa arte o nome de Photographie, porque nela a luz desempenha o principal papel.”

Personagem importante para o aperfeiçoamento da fotografia foi o boticário Joaquim Corrêa de Mello, que trabalhava na farmácia de Francisco Álvares Machado e Vasconcellos, sogro de Florence, e o auxiliava em suas experiências.

“Nestas pesquisas, com elle collaborava Intelligentemente o grande botânico e chimico paulista Joaquim Corrêa de Mello […] (p.149).

Florence também reconhece a importância de Corrêa de Mello, quando registra, na página 103 do caderno Correspondance, a origem da composição do nome fotografia: “Em 1832, assaltou-me a idéia de imprimir pela ação da luz sobre o nitrato de prata. O Sr. Correia de Mello (muito notável botânico brasileiro) e eu demos ao processo o nome fotografia.”

Florence havia manifestado ao botânico Joaquim Corrêa de Mello o desejo de encontrar uma forma alternativa de impressão por meio da luz do Sol, que não precisasse das pesadas máquinas de tipografia, e um meio simples em que as pessoas pudessem imprimir. Corrêa de Mello informou a Florence que as substâncias que poderiam atender às suas necessidades seriam os sais de prata, pois esses sais escureciam em função da luz. Hércules Florence descreveu suas experiências com sais de ouro, na página 46, como uma substância sensível à luz. Certamente foi o primeiro na história da fotografia a utilizar esse método.

O cloreto de ouro é um material fotossensível, não tão sensível quanto o sal de prata, mas possibilita um maior controle sobre o processo de impressão em papéis sensibilizados com cloretos de ouro, apesar do alto custo.

[…] “Esse sal deverá servir de tinta para a impressão das provas. É externamente caro, mas suas propriedades são tais, que me sinto obrigado a preferi-lo ao nitrato ou cloreto de prata, que é quatro ou seis vezes mais barato. Se não se tratasse de pôr cloreto de ouro nos traços, a despesa não seria excessiva, mas é indispensável molhar toda a superfície do papel sobre o qual se imprime.[… ]

Hércules Florence afirmou que o cloreto de ouro produzia melhor efeito no pergaminho Holanda, para carta, e em todos os papéis de qualidade superior. Como o cloreto escurece em contato com a luz do dia, convém molhar o papel à noite, ou em câmara escura. O processo de Florence consistia em emulsionar uma das faces do papel com um pincel, estender as folhas, para que secassem durante a noite. Uma vez que os sais de prata e o ouro são sensíveis à luz, após a secagem eram guardados em pastas bem fechadas, protegidas.

Na página quarenta e oito, do manuscrito “L’Ami Des Arts Livre a Lui Meme ou Recherches Et Decouvertes Sur Differents Sujets Nouveaux”, Florence fez anotações sobre suas pesquisas com urina, sais de prata e ouro.

Leitor ávido, Florence teve acesso a uma publicação de Berzelius sobre uma experiência desenvolvida em 1777, pelo químico Karl Wilhelm Scheele (cit. p. 3), em que o amoníaco reduzia os sais de prata não atingidos pela luz. A partir desse momento, ele e Corrêa de Mello começam a fazer experiências com a urina, pois eles não dispunham de amoníaco na Vila de São Carlos.

[…] exposta ao sol, uma estante simplificada, sujeita à inclinação tal que os raios solares fiquem perpendiculares à superfície que se pinta de preto. Nela se aloja a prancha de vidro, com o desenho virado para dentro; coloca-se entre a prancha e a estante uma folha de papel sobre o qual há uma camada de cloreto, que aí se deixa cerca de um quarto de hora. Sabe-se que o cloreto de ouro escurece quando exposto aos raios solares. Ora, estes atravessam o desenho e só escurecem o papel sobre que incidem e, dessa forma, fica impresso o desenho. Retirada a prova, o desenho mal aparece. Levando-o para a escuridão põe-se em bacia em que se junta água e urina. O desenho torna-se imediatamente preto pela ação da urina; aí se deixa bastante tempo e, ao ser retirado, é posto a secar na sombra.24[…]

Há descrições de outras pesquisas em que o amoníaco, ou o hidróxido de amônia, funcionou perfeitamente como agente fixador para obtenção da imagem por meio da câmera obscura, embora a solução forte clareasse demais os desenhos.

Florence tinha plena consciência de que suas pesquisas poderiam levá-lo ao reconhecimento como inventor. Começou a temer o sucesso e a fama que a divulgação de suas pesquisas poderiam acarretar. Deixou registrado na página três, do caderno “Correspondance”, trecho de carta dirigida a Charles Auguste Taunay. Nela lamenta o rumo que a história tomou.

Como são revelações importantes para o entendimento das pesquisas e da história da fotografia, transcreverei um longo trecho dessa carta, que relata suas invenções e os contatos para a divulgação de seus estudos.

Temos, além disso, citações ao retrato do índio Bororó, que teria sido colocado na bagagem do Príncipe de Joinville, filho do rei da França, em 1838, um ano antes do anúncio oficial da descoberta de Daguerre:

[…] “Não passarei em silêncio, um incidente que começou em 1833. Veiome à idéia um dia, era 15 de agosto (1832), que se poderiam fixar as imagens na câmara escura. Realizando a primeira experiência, verifiquei que raios solares passaram diretamente, do tudo mal ajustado ao instrumento, e sensibilizaram o papel embebido de nitrato de prata. Patenteou-se-me, então, que se poderiam imprimir escrita e desenhos gravados (a jour sur) em vidro coberto de negro e goma. Imprimi um anúncio com uma fama a fazer às vezes de cabeçalho, que espalhei pela cidade e que me fez vender muitas mercadorias, porque fazer propaganda desse tipo era novidade para Campinas. Dei ao processo o nome de “Fotografia”. Entre outros desenhos e autógrafos fotografados, imprimi ao sol o retrato de um índio Bororó, que enviei ao Sr. Felix Taunay, que me respondeu com a notícia de o ter colocado no álbum do príncipe de Joinville, por ocasião de sua primeira viagem ao Rio de Janeiro. Certo ano em que estive nessa cidade, se não me engano, em 1836, faleilhe a respeito de tais experiências, mas, quando em 1839 ocorreu a invenção de Daguerre, monologuei: – Se eu tivesse permanecido na Europa, teriam reconhecido meu descobrimento. Não mais pensemos nisso. Não necessito dizer-lhe que o objeto desta carta e falar-lhe de meus descobrimentos artísticos. Preciso, porém, pedir-lhe que tenha a paciência de ler-lhe o conteúdo.

No meio do pequeníssimo número de pessoas capazes de conhecer a Poligrafia, o Sr. é a primeira a quem dela falei em 1831, sucedendo que a acolheu otimamente. Tanto quanto o Sr. tomou parte ativa no desenvolvimento dela.

E dela o Sr. falou ao Sr Eduardo Pontois, Encarregado de Negócios da França, o qual testemunhou muito interesse por meu invento tendo-lhe eu remetido, por sua solicitação, nesse mesmo ano de 1831, um memorial em que revelava o inteiro segredo da Poligrafia, acompanhado de duas provas: uma, de um escrito autografo; outra, de um índio Apiacá. O Sr. Pontois escreveu-me que ia encaminhar tais peças ao Ministério do Interior, em Paris, mas jamais recebi algo que me cientificasse de que elas tiveram esse destino.

Contra minha expectativa, dificuldades locais, porque eu trabalhava na província de São Paulo, interromperam o aperfeiçoamento dessa nova arte. Mal grado houvesse eu já concretizado os princípios da escrita e desenhos no papel celular, da prancha abastecida de tinta para toda a tiragem, e da impressão simultânea de todas as cores, de 1831 a 1848, durante um período de 17 anos, (a litografia inventada em Monique foi conhecida em Paris somente 17 anos depois), tive que contentar-me de imprimir para Campinas e cercanias, porque, do ponto de vista da nitidez, a Poligrafia não teria podido suportar paralelo com a litografia, no Rio de Janeiro e na Europa.

Durante esse período, procedi a impressões policromáticas para o Teatro de Itu, para um farmacêutico em São Paulo, para minha fábrica de chapéus, etc..

O público, porém, não entendia coisa alguma disso. Campinas era o único ponto do mundo em que se imprimiam todas as cores simultaneamente, porquanto o descobrimento de Lipmann, em Berlim, que assombrou a Europa, só foi anunciado em 1848, mas a sombra devia cercar as minhas invenções “

Insistentemente Hércules Florence registrou, em seus manuscritos, seu lamento e pesar por não ver seus inventos reconhecidos pelo mundo.

Embora tenha pesquisado e trabalhado em vários inventos, ele jamais conseguiu sequer reconhecimento por um único, mesmo sendo genro do influente Álvares Machado, um dos principais políticos brasileiros e ter travado conhecimento com outros personagens importantes do período: Dr. Carlos Engler26, o botânico Joaquim Corrêa de Mello, o Barão de Langsdorff, cônsul da Rússia no Brasil; Pierre Plancher, fundador do Jornal do Commércio do Rio de Janeiro e o próprio Imperador D. Pedro II. Lamentava estar vivendo longe da Europa, onde, tinha certeza, veria seus esforços reconhecidos.

Hércules Florence construiu, de maneira muito rudimentar, uma câmera obscura, utilizando a paleta de pintor e a lente de um monóculo, e conseguiu uma imagem precária da vista da janela de sua casa num papel sensibilizado com sais de prata, depois de quatro horas de exposição.

Essa imagem acabou se perdendo, deteriorando-se como tantas outras que ele descreveu:

[…] “Fabriquei muito imperfeitamente uma câmara escura, utilizando uma caixinha, que cobri com minha paleta em cujo orifício introduzi uma lente que pertencera a um óculo. Coloquei o espelho e, a conveniente altura, dentro pus um pedaço de papel embebido de fraca dissolução de nitrato de prata. Depositei esse aparelho numa cadeira, em sala naturalmente escura. O objeto que se representava na câmara escura era uma das janelas, com a vidraça fechada: viamse os caixilhos,o teto duma casa fronteira e parte do céu. Aí deixei isso durante quatro horas; em seguida, fui verificar e (palavra ilegível por dilaceração da página nesse ponto), retirado o papel, nele encontrei a janela fixamente representada, mas, o que devia mostrarse escuro, estava claro, e o que devia ser claro, apresentava-se escuro. Não importa, porém; achar-se-á logo remédio para isso..”27[…]

Hércules passou pelo mesmo problema outras vezes e, em pouco tempo, teve a idéia de colocar a imagem, obtida em negativo, em contato com outro papel sensibilizado e voltar a expor, sob a ação da luz, obtendo uma imagem na posição correta, ou seja, imagem em positivo. E foi essa mesma idéia que, o inglês, Willian Fox-Talbot, teve.

Na história da fotografia, outros pesquisadores encontraram dificuldades enormes com a questão da inversão de imagens em negativo e positivo.

Com Florence não foi diferente:

[…] “Tomei um pedaço de caixilho, escureci-o à fumaça de uma candeia e nele escrevi, com um buril muito fino, esta palavras: “Empresta-me teus raios, ó divino Sol”. Ajeitei, em baixo, um fragmento de papel, preparado como já tive o ensejo de dizer, e o expus ao Sol. Dentro de um minuto, as palavras aí se fizeram visibilíssima e com o maior primor possível. Lavei imediatamente, e durante muito tempo o papel, para evitar que seu fundo também escurecesse. Deixei-o ao Sol, por uma hora, e o fundo do papel adquiriu leve cor. Contudo, o que nele estava escrito continuou sempre inteligível, conservando-se assim o papel, por vários dias, até que simples curiosidade de saber qual seria a ação do calor numa débil porção de nitrato de prata, me induzisse a queimá-lo.”28 […]

Florence mencionou também uma fotografia que teria feito da cadeia pública de Campinas. Havia ali uma sentinela que, na fotografia, teria saído negro, quando ele era branco. Na realidade, Hércules Florence havia feito uma imagem em negativo da vista da cadeia pública de Campinas.

A intenção de Hércules Florence era encontrar uma forma alternativa de fazer impressões por meio de a luz solar; já a dos pesquisadores europeus, era a gravação de imagens da natureza por meio da câmera obscura.

Florence faz uma observação na página 158 de seu manuscrito, sobre as experiências da fotografia e fixação da imagem por meio da câmera obscura, sensibilizada com nitrato e cloreto de prata e ouro. Em nenhuma dessas anotações, refere-se às pesquisas realizadas, no mesmo período, na Europa, por Necéphore Niépce, Louis Jacques Mande Daguerre eWillian Fox Talbot, ou mesmo relata qualquer conhecimento de pesquisas anteriores com câmera obscura e sais de prata.

Florence denominava-se “um inventor no exílio” – sentia-se isolado no Brasil. Relatou por diversas vezes, em seus manuscritos, as dificuldades para obter materiais para suas pesquisas, a falta de pessoas que pudessem entender suas idéias.

Seus lamentos e angústias ficam evidentes no texto a seguir:

…“Inventei a fotografia; fixei as imagens na câmera obscura, inventei a poligrafia, a impressão simultânea de todas as cores, a prancha definitivamente carregada de tinta, os novos sinais estenográficos. Concebi uma máquina que me parecia infalível cujo movimento seria independente de um agente qualquer e cuja força teria alguma importância. Comecei a fazer uma coleção de estudos de céus, com novas observações, muitas, aliás, e meus descobrimentos estão comigo, sepultados na sombra, meu talento, minhas vigílias, meus pesares, minhas privações são estéreis para os outros. Não me socorreram as artes peculiares às grandes cidades para desenvolver e aperfeiçoar alguns de meus descobrimentos, para que eu me cientificasse da exatidão de algumas de minhas idéias. Estou certo de que, se estivesse em Paris, um único de meus descobrimentos poderia, talvez suavizar-me a sorte e ser útil a sociedade. Lá, talvez não me faltassem pessoas que me ouviriam, me adivinhariam e me protegeriam. Estou certo de que o público, o verdadeiro protetor dos talentos, me compensaria de meus sacrifícios. Aqui, porém, ninguém vejo a quem possa comunicar minhas idéias. Os em condições de as entenderem, seriam dominados por suas próprias idéias, por suas especulações, pela política, etc.”.

Existem duas versões quanto ao local em que se encontrava Florence, quando descobriu que Daguerre obtivera êxito na gravação da imagem.

A primeira versão é do próprio Hércules Florence, registrada em seus manuscritos: estava no campo, à beira de um rio, quando um visitante francês lhe deu a notícia.

Em longo e comovente texto, registrado no caderno três, Florence narra suas descobertas e inventos:

“Estávamos em 1839. Encontrava-me no campo, na morada de um amigo. Sentiame alegre, conversando muito com um de seus hóspedes, homem afável e instruído. Falávamos de diversas coisas, à noite, numa viga, sentados ao luar, à margem do rio30. De repente ele me diz: -“Sabe do belo descobrimento que acaba de fazer-se?” -“Não” – respondo.

-“Óh! É admirável! Um pintor de Paris achou um meio de fixar as imagens na câmara escura. Li isso no Jornal do Commércio. Ele focalizou uma chapa de prata, empregnada de um sal que muda de cor pela ação da luz, e chegou até a obter duas ou três cores.”

Senti um choque no coração, no sangue, na medula dos ossos, em todo o meu ser. Recalquei ao máximo o mais rude choque que já me foi dado experimentar e, assim, não perdi a compostura. Formulei-lhe circunstanciadas indagações, mas o jornal só se limitara ao fato. Afirmou-me que não restava dúvida quanto ao descobrimento, porquanto o Sr. Arago fizera a respectiva comunicação à Academia e a Câmara dos Deputados concedera uma recompensa a seu autor.

Pus-me, então, a explicar-lhe a teoria desse invento e recolhemo-nos a casa. Não era o mesmo de momentos antes; tudo, em mim, era melancolia, estendida ao que havia em derredor. Os objetos e os sons faziam-se confusos. Apesar disso, sustentava razoavelmente minha parte da conversação, nessa reuniãozinha de amigos. Sofria. Ceei, é verdade que com bastante apetite, e fui deitar-me crente que uma noite tormentosa me esperava, porque meu mal estar moral era intenso. Dormi, no entanto, passávelmente bem, entretanto.

Não saberia dar suficientes graças a Deus, por haver-me dotado de uma alma forte, o que, antes dessa prova, eu desconhecia.

Vários meses depois, meu interlocutor assegurou-me que percebera minha perturbação. O dia que sucedeu a tão agitada noite, montei a cavalo, com meu companheiro de Campinas. A viagem e os cuidados do negócio serviram para distrair-me. Minha dor voltava como que por acessos, mas pouco a pouco me resignei.

Passados dias, encaminhava-me a uma residência rural em que se encontrava a mais luzida companhia que já vi no Brasil, que teria sido distinguida em todos os países do mundo. No caminho, observava os feitos de luz das árvores e das folhas: veio ao espírito a daguerreotipia e perturbou-me. Todavia, mais adiante, no campo, esqueci-me de meu sofrimento. Foi a última repercussão do abalo que experimentara. Desde aí, dediqueime (palavra ilegível) à prova da bomba. Esperei e espero experimentar a mesma sorte, no respeitante à Poligrafia. Soube em 1848, com mais coragem, da invenção de Lipmann, que é Poligrafia, em que eu diversamente obtivera êxito, tanto quanto com o daguerreótipo, porque eu a realizara na perfeição e imprimia simultaneamente todas as cores, desde 1834, aqui, em meu exílio, defrontado por pessoas que nela não enxergavam o mínimo e sem jornais, sem público que fosse capaz de compreender-me. E se alguém entende que esses temores, essas emoções são pueris, lembre-se de que um inventor não pode ser impelido a trabalhos tão pouco lucrativos, se não pelo desejo de conquistar um diploma de imortalidade aos olhos dos pósteros. A glória é tudo para ele. Ainda que acompanhada da miséria, do desprezo e de todos os sentimentos, ela lhe faz às vezes de fortuna, honras e todos os gozos. Portanto, é preciso ter uma alma pouco comum, para ver escapar vinte anos de sacrifícios de toda natureza e não ter efetivamente mérito de sacrificar-se para qualquer coisa que seja útil aos homens”

A partir desse momento, Florence abandonou suas pesquisas com câmera obscura e sais de prata e escreveu em uma cópia do diploma maçônico, conseguido através do processo da câmera obscura sensibilizada com nitrato de prata, que outros tiveram mais sorte. Fez a divulgação de suas pesquisas por meio do jornal O Pharol Paulistano e Jornal do Commércio do Rio de Janeiro, sem obter êxito e o reconhecimento esperado.

A segunda versão é narrada pela historiadora Chloé Engler de Almeida (bisneta de Carlos Engler), a qual afirma que Florence mantinha algumas amizades na cidade de Itu, e que se reuniam freqüentemente. O amigo mais próximo era o médico austríaco Karl von Engler, que possuía uma clínica de saúde no sítio Emburu, na cidade de Indaiatuba, equipada com uma sala de cirurgia e laboratório de química, além de uma vasta e atualizada biblioteca. É conhecido no Brasil como Dr. Carlos Engler.

“Hércules Florence é dos meus mais caros amigos. A amizade que nos é feita de confiança e compreensão mútuas. Florence é gênio, mas muito modesto. Homem de vasta cultura, está constantemente à procura de novos conhecimentos. De uma feita, veio me contar, muito em segredo, que havia descoberto uma maneira de fixar a imagem sobre chapa de aço polido.

Essa descoberta lhe havia custado muitas noites mal dormidas e dias de exaustivas experiências. Aconselhei-o a divulgar a sua invenção, única no mundo, pois até essa data a maneira de fixar uma imagem era deficiente e inadequada. Florence, modesto, deixava o tempo correr, obrigando-me também a guardar seu segredo.”

Segundo a historiadora, o Dr. Carlos Engler descreve o episódio em que Florence toma conhecimento da descoberta de Daguerre, quando estava em sua residência acompanhado de amigos.

“Todas as tardes, como velho costume, nós nos sentávamos à porta de minha casa – o Hércules, eu e mais uma meia dúzia de amigos. A prosa era geral; pouca maledicência. Quase sempre discorríamos sobre política, pois as idéias liberais dos brasileiros tomavam vulto. Numa das vezes, o Hércules trouxe consigo uns compatriotas, e a prosa discorreu toda em francês. Esses franceses estavam de passagem por Itu, rumo a Mato Grosso. O Certain33, que era nosso companheiro de prosa, ainda não havia chegado.

De súbito, aparece ele, nervoso, quase a gritar: “Boa tarde! Vocês já souberam da grande notícia?” Ansiosos, esperamos. E ele: “Fiquem sabendo que Daguerre, na França, acaba de descobrir o modo de fixar a imagem sobre chapa de aço polido! Não é formidável?

Os franceses ali presentes não se mostraram surpresos, pois já sabiam das experiências de Daguerre. Olhei para o Florence que, muito pálido, parecia prestes a desfalecer. Certain, muito desapontado, não compreendia o que se passava. Hércules Florence, ao constatar que o seu silêncio fora a causa da perda de uma glória que deveria ser sua, não suportou o impacto. Teve uma síncope, e se eu não o amparasse, teria batido com a cabeça no chão. Transportado para dentro de minha casa e deitado num sofá, socorri-o às pressas. Felizmente, recuperou logo os sentidos, conservando, porém, uma expressão abobalhada, perplexa.

Pela modéstia, o Brasil deixou de ser o berço de uma das mais notáveis invenções deste século.”

Conclusão

A genialidade e a criatividade de Hércules Florence são inegáveis, suas experiências e seu interesse pelas artes são inquestionáveis. Mantinha vasta correspondência com eminentes personalidades brasileiras e estrangeiras, participou de uma das mais importantes expedições que percorreu o Brasil, tinha amigos ligados à imprensa, relacionava-se freqüentemente com pesquisadores e cientistas mundialmente conhecidos, cultivava laços de amizades e parentesco com políticos, comerciantes, e até mesmo com o Imperador D. Pedro II. Mesmo assim não quis ou não pôde divulgar seus inventos, estudos e descobertas.

Talvez, como afirma seu amigo Dr. Carlos Engler, “a modéstia o tenha impedido de alcançar sua glória como um grande inventor.”

Para o Prof. Dr. Etienne Samain; “Querer isolar Hércules Florence de todo movimento de descobertas e curiosidades exasperadas, emanadas no século XIX, com a Revolução Industrial, com a ascensão do Iluminismo, é algo que não se pode imaginar.”

Hércules Florence permaneceu no Brasil por 55 anos, quase toda sua vida, ausentando-se pouquíssimas vezes da Vila de São Carlos. Após 1830, realizou uma única viagem à Europa, para visitar sua mãe.

Esse fato torna-se importante, segundo o Prof. Dr. Boris Komissarov, da Universidade de São Petersbugo, pois o ano desta viagem, 1835, coincide com o período em que Louis Jacques Mandé Daguerre estava envolvido com as pesquisas referentes ao daguerreótipo em Paris e Willian Fox-Talbot estava desenvolvendo suas pesquisas em Londres:

“Durante quase meio século, Florence pouco saiu de São Carlos ou da Província de São Paulo. As raras visitas ao Rio de Janeiro depois de 1830, e a viagem à Europa em 1835, para encontrar-se com a mãe, foram todas as suas saídas. A expedição de Langsdorff ficou para ele não apenas como lembrança, mas como objeto de reflexão e tema de trabalhos literários.”

Essa afirmação não é confirmada, nem aceita pela família, depositária dos manuscritos de Hércules Florence. Seus parentes afirmam que essa viagem ocorreu em 1855, na companhia de sua segunda esposa Carolina Krüg.

É curioso também o trecho da carta de Hércules Florence a Félix Taunay, diretor da Academia Imperial de Bellas Artes, em que ele afirma que já havia comunicado Taunay desde o início sobre suas pesquisas, entregando inclusive um memorial sobre a Poligrafia.

Fica evidente a amizade entre Hércules Florence e o Dr. Carlos Engler, o convívio estreito que os unia. Engler, elogia Hércules Florence como pesquisador, inventor e, sobretudo como amigo. Resta saber por que Florence menciona tão raramente seu amigo.

Hércules Florence conseguiu gravar imagens, na Vila de São Carlos, com câmera obscura e sais de prata, seis anos antes de Daguerre,na Europa, valer-se desse mesmo material. Além disso, deixou várias outras descobertas que contribuíram para o enriquecimento das artes visuais no Brasil, como o Dicionário Sinótico Noria, Pneumática ou Hidrostática (1838), De la compreension du gaz hydrogène, appliquée à la direction des aérostats. (1839), Papel Inimitável e Impressão inimitável (1842), Stereopintura, Impressão dos Tipos-Sílabas (1848) e Pulvografia (1860).

Erivam M. Oliveira

Referências Bibliográficas

ALMEIDA, Chloé Engler. Dos Bosques de Viena às Matas Brasileiras. Mimeografado, São Paulo, 1978. 169 p.
BARDI, P.M. It Firmatempo. RPR, Roma, 1978.
BARDI, P.M. Itália-Brasil: Relações desde o século XVI. São Paulo, Museu de Arte de São Paulo/Fondazione Gíovanni Agnelli/ Raízes, 1980.
BARDI, P.M. Mestres, Artífices, Oficiais e Aprendizes no Brasil. São Paulo, Banco Sudameris/Raízes, 1981.
BARDI, P.M. Ordem Palmiana de Hércules Florence, em Vogue-Arte2. São Paulo, Carta Editorial, 1977.
BECHER, Hans. O Barão Georg Heinrich von Langsdorff, pesquisas de um cientista alemão do século XIX. S.Paulo, Edições diá/Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1990.
BERTHELS, D.E. e outros: Materialien der Brasilien Expedition 1821 – 1829. Des Akademiemitgliedes Georg Heinrich Freiherrr von Langsdorff. trad. de Hans Becher, Dietrich Reimer, Berlin, 1979.
BOURROUL, Estevam Leão. Hercules Florence (1804 – 1879) ensaio historico-litterario. Typographya Andrade, Mello&Comp. São Paulo, 1900.
BRUNO, Ernani Silva. Os Rios e a Floresta – Amazonas e Pará. Ed. Cutrix, São Paulo, 1958.
CAMPOS, J. Maniçoba Araritaguaba Porto Feliz. Ottoni Editora, Itu-SP, 2000.
CARELLI, Mário e outros. France-Brésil: Bilan pour une relance. Paris, Ed. Entente, 1897.
COSTA, Maria de Fátima e outros. O Brasil de hoje no espelho do século XIX: artistas alemães e brasileiros refazem a expedição Langsdorff. – S.Paulo: Estação Liberdade, 1995.
CUNHA, Manuela Carneiro da, org. História dos Índios no Brasil. S. Paulo, Cia. das Letras/Secretaria Municipal de Cultura/ FAPESP, 1992.
DORSON, Mercedes. Tales From the rain Forest: muths and legends the Amazonian Idians of Brazil. Hopewell, N.J., 1997.
DUARTE, Raphael. Campinas de Outr’ora (Coisas de meu tempo, por Agricio). São Paulo, Typographia Anfrade & Mello, 1905 (FFLCH-HIS).
LEME, .L.G.S. Genealogia Paulista. Duprat & Comp, São Paulo, 1904.
FILHO, Francisco Nardy. A Cidade de Ytu.. Ottoni&Cia, São Paulo, 2000. v.1, 2, 3, 4, 5 e 6.
FLORENCE, Hércules. L’Ami Des Arts Livré a Lui Même ou Recherches Et Découvertes Sur Differents Sujéts Nouveaux, Manuscrito, Campinas – SP, 1837. – 423 páginas.
FLORENCE, Hércules. Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas pelas Províncias de S.Paulo. Mato Grosso e Grão-Pará. S.Paulo, Museu de Arte de S.Paulo/ Secretaria de Cultura do Estado, 1977.
GUIDI, Mário Arturo Alberto. De Altamira a Palo Alto: A busca do movimento. Tese de Livre Docência, Escola de Comunicações e Artes (ECA) – USP, 1991.KOMISSAROV, B. Expedição Langsdorff – Acervo e Fontes Históricas, São Paulo, co-edição Ed. da UNESP e Edições Langsdorff, 1994.
KOSSOY, Boris. Hércules Florence: 1833, a descoberta isolada da fotografia no Brasil. S. Paulo, Duas Cidades, 1980, 2a ed.
KOSSOY, Boris. Origens e Expansão da fotografia no Brasil – Século XIX. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1980.
LIBERALESSO, Ettore. Santo: História, Vida e Tradição. Imprensa Oficial, Salto, 2000. 2a ed.
MONTEIRO, Rosana Hório. Brasil, 1833: A descoberta da fotografia revisada. Tese de Mestrado, Inst. Geociências – Unicamp, 1997.
MORAES, Leila E.P. Florence. Desenhos e Documentos de Hércules Florence na Expedição Langsdorff : Fatos Novos na Coleção Cyrillo Hércules Florence – Apresentação no III Seminário Internacional da Expedição Langsdorff. Hamburgo, 1990.
OLIVEIRA, Erivam Morais de. Hércules Florence: Pioneiro da fotografia no Brasil. São Paulo, (Dissertação de mestrado), Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, 2003. 98 p. acompanha documentário em vídeo 48’.
OLIVEIRA, Luiz dea. Tratado de Metodologia Cienctífica. Pioneira, São Paulo, 1999. 2a ed.
SEMERARO, Cláudio M. e Ayrosa, Christiane. História da Tipografia no Brasil. S.Paulo, Museu de Arte de S. Paulo e Secretaria de Cultura do Estado, 1979.
SILVA, Danuzio Gil Bernardino, (Org.). Os diários de Langsdorff: Rio de Janeiro e Minas Gerais; 08 de maio de 1824 a 17 de fevereiro de 1825. Campinas: Associação Internacional de Estudos Langsdorff; Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997. v.1.
SILVA, Danuzio Gil Bernardino, (Org.). Os diários de Langsdorff: São Paulo; 26 de agosto de 1825 a 22 de novembro de 1826. Campinas: Associação Internacional de Estudos Langsdorff; Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997. v.2.
SILVA, Danuzio Gil Bernardino, (Org.). Os diários de Langsdorff: Mato Grosso e Amazônia; 21 de novembro de 1826 a 20 de maio de 1828. Campinas: Associação Internacional de Estudos Langsdorff; Rio de Janeiro: Fiocruz, 1997. v.3.

Fonte: www.bocc.uff.br

História da Fotografia no Brasil

A Fotografia no Brasil

Foi no Brasil, mais precisamente na cidade de Campinas, em São Paulo, no ano de 1833, que um inventor chamado Hercules Florence criou a palavra Fotografia para designar uma de suas descobertas. Assim nosso País é considerado um dos pioneiros nessa forma de representação da realidade.

A data da invenção de Florence surpreende ao se comparar com os demais inventos: na Inglaterra, a Calotipia, por William Henry Fox Talbot, em 1835; e na França, a Heliogravura, por Nicephore Niepce, em 1827; o processo positivo em papel, de Hypolyte Bayard, em 1839; e a Daguerreotipia, por Louis Jacques Mandé Daguérre, também em 1839.

É importante ressaltar que destes inventos apenas os processos de Hercules Florence e de William Henry Fox Talbot eram processos baseados no princípio da reprodutibilidade, como conhecemos hoje (negativo/positivo). Dada a simultaneidade nas descobertas tecnológicas, torna-se difícil a identificação de um único inventor. Descobertas tão importantes são provocadas por uma necessidade emergente da sociedade como um todo. Hoje podemos afirmar que a descoberta da fotografia teve suas bases nestes cinco inventores.

OS PIONEIROS

Na segunda metade do século XIX, época coincidente com o desenvolvimento da fotografia, o Brasil encontrava-se em acelerado desenvolvimento econômico. A imigração de europeus para compartilhar nossas metas de progresso trouxeram junto à mão-de-obra e à tecnologia, fotógrafos e aparatos fotográficos para documentar e difundir esta transformação social e econômica.

Das últimas três décadas deste período temos imagens registradas por excelentes fotógrafos, como Militão Augusto de Azevedo, Henrique Rosen, Alberto Henschel, Carneiro & Gaspar, Guilherme Gaensly, Juan Gutierrez, Marc Ferrez (fotos), Victor Frond, Louis Niemeyer, Augusto Stahl, A. Frisch, Christiano Júnior, Felipe Augusto Fidanza, George Leuzinger, Carlos César, Augusto Riedel. Do início do século XX temos a inacreditável produção de Valério Vieira, sem dúvida o pioneiro no Brasil da fotografia de expressão pessoal ou criativa.

OS MODERNISTAS

Na fotografia brasileira, a partir da década de 20 destacamos Conrado Wessel, não somente pela documentação do Estado e da cidade de São Paulo mas, também, pela fabricação do papel fotográfico Wessel, com o qual colaborou decisivamente para a difusão da fotografia brasileira, de 1928 até 1958. A partir do final da década de 30 recebemos alguns fotógrafos de origem alemã, que trouxeram consigo a centelha da revolução estética do movimento Bauhaus.

Estes fotógrafos influenciaram diretamente a produção do meio no tocante ao fotojornalismo e à expressão artística.

São eles: Hildegard Rosenthal, Hans Gunther Flieg e Alice Brill.

Na década de 40, a “pedra de toque” da fotografia criativa brasileira, Geraldo de Barros, inicia suas pesquisas nesta linguagem. De 1946 a 1952, este mestre formula novas formas de pensar fotografia. Sua produção deste período permanece ainda hoje como fonte de referência e motivação para os artistas brasileiros e estrangeiros.

REALISMO POÉTICO

Na fotografia brasileira, o ponto de mutação dos anos 60 foi, sem dúvida o fotojornalismo. Durante este tempo, o público aprendeu a ver fotografia, principalmente com as revistas O Cruzeiro, Manchete, Fatos e Fotos e os jornais A Última Hora, O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil, Zero Hora e Folha de S. Paulo.

Simultaneamente, tivemos o surgimento de três veículos que promoveram uma fotografia contundente enquanto informação, porém belíssima em sua estrutura estética: as revistas Realidade e Bondinho e o Jornal da Tarde, de São Paulo, fundamentais na evolução e popularização da fotografia moderna brasileira. Através destes veículos tomamos contato com a produção de mestres como Boris Kossoy, Chico Albuquerque, Cláudia Andujar, David Drew Zingg, Domício Pinheiro, George Love, Jean Manzon, José Medeiros, Lew Parella, Luigi Mamprin, Luís Humberto, Maureen Bisilliat, Orlando Britto, Otto Stupakoff, Pierre Verger, Sérgio Jorge e Walter Firmo. Estes fotógrafos ousaram colocar sua interpretação dos fatos que documentaram, trazendo, assim, a marca do autor às suas imagens.

FOTÓGRAFOS CONTEMPORÂNEOS

Nas últimas três décadas do século XX a fotografia brasileira manteve sua posição de pioneirismo, ruptura e renovação. Nestes anos vorazes por imagens surgiram muitos fotógrafos conscientes, decididos a expandir ainda mais as fronteiras deste meio de documentação e expressão.

De alguns destes destacados fotógrafos contemporâneos apresentamos as imagens e breves biografias:

Antônio Saggese – Nascido em São Paulo em 1950 e graduado em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), Antônio Saggese inicia carreira como fotógrafo em 1969. Dirige estúdio próprio, onde desenvolve trabalhos de publicidade e de expressão pessoal. Atuação: publicidade e expressão pessoal.

Eustáquio Neves – Nascido em Juatuba, Minas Gerais, em 1955, o fotógrafo autodidata Eustáquio Neves atua desde 1984 como free-lancer nas áreas de publicidade e documentação. Desenvolve pesquisas com técnicas alternativas, ao mesmo tempo em que busca novas linguagens na fotografia enquanto expressão artística. Atualmente dedica-se a uma pesquisa etnográfica junto às comunidades negras remanescentes dos antigos quilombos. Atuação: etnofotografia e expressão pessoal.

Marcelo Lerner – Nascido em São Paulo em 1967, iniciou em fotografia no jornal da colônia italiana Il Corriere. Em 1989 trabalhou para o mestre mexicano Manuel Alvarez Bravo, especializando-se em impressão em emulsão de platina e paládio. No início de 1997, imprimiu em platinotipia as 82 imagens da Coleção Referencial da História da Fotografia Brasileira expostas no mesmo ano no Instituto Cultural Itaú, em São Paulo. Desde 1995 é sócio do Imager Centro de Estudos da Imagem Fotográfica, onde desenvolve pesquisas, impressões de portfolios e prints de exibição, além de fotografia aplicada de publicidade. Atuação: publicidade e expressão pessoal.

Mário Cravo Neto – Nascido em Salvador, Bahia, em 1947, iniciou em fotografia como meio de expressão plástica em 1964. Estudou de 1969 a 1970 na Art Student’s League de Nova York. Um dos fotógrafos brasileiros mais conhecidos internacionalmente, tem trabalhos nas principais coleções privadas e de museus do mundo. Atuação: expressão pessoal.

Fonte: www.passeiweb.com

História da Fotografia no Brasil

A ORIGEM DA FOTOGRAFIA NO BRASIL

O Brasil foi o primeiro país da America Latina a conhecer a fotografia.

Em 1830 um Francês chamado Hercules Florence já tinha descoberto isoladamente o processo fotográfico.

Foi somente em 1840, alguns meses após Daguerre anunciar a Daguerreotipia, que a fotografia oficialmente chegou ao Brasil pelas mãos deLouis Compte.

Antoine Hercules Romuald Florence, era francês de Nice, e chegou ao Brasil com 2º desenhista da expedição do Barão de Langsdorff no ano de 1824.

Em 1830 Hercules Florence desenvolveu um processo fotográfico que chamou de Pholygraphie.

A Pholygraphie foi usada para imprimir rótulos de remédio e diplomas da Marçonaria.

Seu feito só foi reconhecido 140 anos depois através das pesquisa do estudioso de fotografia brasileira Boris Kossoy, nos anos 60.

O abáde francês Luiz Compte, chega ao Brasil com a expedição franco-belga da fragata L’Orientale em janeiro de 1840.

Atônita a população do Rio de Janeiro assite a uma demonstração de Daguerreotipia no Paço Imperial.

A imprensa nacional dá ampla cobertura: “He preciso ter visto a cousa com seus próprios olhos…” anuncia o Jornal do Commercio.

O Imperador Don Pedro II ná epoca com 15 anos assite entusiasmado o espetáculo e compra alguns daguerreótipos de Compte.

Fotógrafos europeus na década de 40 vieram para o Brasil e se estabeleceram Inicialmente nas cidades portuárias como Recife, Salvador e Rio de Janeiro.

Na Paraíba os primeiros registro fotográficos a partir de 1850, por fotógrafos vindos de Recife. Em 1861 foi publicado o primeiro livro de Fotografia no Brasil “Brazil Pittoresco” de Victor Front.

Com o surgimento do Ambrotipo e do Ferrotipo a fotografia se tornou acessível a maioria das pessoas. As oportunidades de ganhar dinheiro com a elite rural, fez com que muitos fotógrafos se dirigissem ao Interior do país.

Fonte: www.slideshare.net

História da Fotografia no Brasil

VIVA A FOTOGRAFIA BRASILEIRA!

No dia 17 de janeiro de 1840, seis meses após o anúncio oficial do advento da fotografia, uma experiência de daguerreotipia foi realizada no Largo do Paço Imperial na cidade do Rio de Janeiro, pelo abade Louis Compte. Sabemos pelos anúncios dos jornais da época que no navio-escola L’Orientale, viajava o Abade Compte encarregado de propagar o advento da fotografia ao mundo. Suas experiências foram realizadas em Salvador, em dezembro de 1839, no Rio de Janeiro e em Buenos Aires, mas apenas o daguerreótipo de 17 de janeiro, tomado no Largo do Paço, sobreviveu aos nossos dias e pertence à família Imperial, ramo Petrópolis.

O Jornal do Commercio registrou: “É preciso ter visto a cousa com os seus próprios olhos para se fazer idéia da rapidez e do resultado da operação. Em menos de nove minutos o chafariz do Largo do Paço, a praça do Peixe, o Mosteiro de São Bento, e todos os outros objetos circunstantes se acharam reproduzidos com tal fidelidade, precisão e minuciosidade, que bem se via que a cousa tinha sido feita pela própria mão da natureza, e quase sem intervenção do artista.”

Se relativizarmos a questão do tempo e do espaço, seis meses na primeira metade do século XIX é um período pequeno para a fotografia ser disseminada mundo afora. Nessa experiência realizada no Rio de Janeiro, um jovem de 14 anos ficou, como todos os presentes, encantado e estupefato com o resultado. Era D. Pedro II que encomendou um aparelho de daguerreotipia e tornou-se o primeiro fotógrafo amador brasileiro. Esse impulso, somado a uma série de iniciativas pioneiras do Imperador, como a criação do título “Photographo da Casa Imperial” a partir de 1851, atribuído a 23 profissionais (17 no Brasil e 6 no exterior), coloca a produção fotográfica do século XIX como a mais importante da América Latina, qualitativa e quantitativamente falando. E Marc Ferrez, que recebeu o título de “Photographo da Marinha Imperial”, talvez seja o exemplo mais emblemático dessa produção, já que seu trabalho tem hoje reconhecimento internacional frente à produção do século XIX.

A primeira grande sistematização da fotografia brasileira foi publicada no Rio de Janeiro, em 1946, pelo historiador Gilberto Ferrez (1908-2000), neto e herdeiro do fotógrafo, na Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Nº 10.

O ensaio A Fotografia no Brasil e um de seus mais dedicados servidores: Marc Ferrez (1843-1923) ocupava as páginas 169-304, já trazia boas fotografias da sua coleção e buscava mapear o movimento da fotografia no período estudado.

Trinta anos mais tarde, o historiador e professor Boris Kossoy, mostrou ao mundo que o francês Antoine Hercule Romuald Florence (1804-1879), isoladamente na cidade Vila da São Carlos, atual Campinas, descobre em 1832 os processos de registro da imagem fotográfica. E mais, escreve a palavra photographia para denominar o processo. As pesquisas do professor Kossoy, desenvolvidas a partir de 1973 e comprovadas nos laboratórios de Rochester, nos Estados Unidos, ganharam as páginas das principais revistas de arte e fotografia do mundo, entre elas, a Art Forum, de fevereiro de 1976 e a Popular Photography, de novembro de 1976.

No mesmo ano foi publicada a primeira edição do livro Hercules Florence 1833: a descoberta isolada da fotografia no Brasil, agora na terceira edição ampliada pela EDUSP.

A tese demonstrou que esse fato isolado provocou uma reviravolta e uma nova interpretação da história da fotografia, que tem agora seu início não mais em Nièpce e Daguerre, mas é entendida como uma série de iniciativas de pesquisa que foram desenvolvidas quase simultaneamente, gestando o advento da fotografia. Uma nova história da fotografia relaciona os nomes dos pioneiros sem hierarquizá-los ou priorizá-los do ponto de vista da descoberta. É importante nos lembrarmos destas nossas iniciativas pioneiras, pois além de sistematizarem uma história mínima, nos propiciaram a possibilidade de buscar e relacionar outras fontes e trazer à superfície a história de muitos outros profissionais que desenvolveram incríveis trabalhos de documentação e linguagem. O novo gesta-se no conhecido, uma idéia que dá importância ao conhecimento acumulado por todos aqueles que têm preocupação de pesquisar e democratizar informações com o intuito de que outros pesquisadores desenvolvam novas reflexões e indagações diversas a partir do que foi estabelecido.

Nesses últimos anos, diversos livros foram publicados sobre a produção fotográfica brasileira produzida no século XIX e primeira metade do século XX, enriquecendo a iconografia conhecida e agregando alguns dados novos sobre a biografia dos fotógrafos e suas trajetórias profissionais. Além disso, o interesse despertado em jovens pesquisadores, em todo o Brasil, evidencia a urgência de sistematizar informações, divulgar acervos e coleções e estabelecer parâmetros de análise e crítica sobre a produção e preservação fotográfica. Dezenas de dissertações de Mestrado e teses de Doutorado foram apresentadas nos últimos anos, algumas delas já publicadas, demonstrando que precisamos encorpar, relacionar e preservar nossa fotografia, bem como discutir a produção contemporânea com o intuito de produzir um corpus mínimo capaz de facilitar nossa compreensão sobre a fotografia enquanto fato cultural da maior importância para a identidade e memória de um povo.

Fonte: www.iconica.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+