Breaking News
Home / História do Brasil / Religiões no Brasil

Religiões no Brasil

PUBLICIDADE

Tal como acontece com qualquer outro país do mundo, o Brasil é um caldeirão de diferentes religiões.

Na verdade, devido à diversidade das suas culturas e o seu patrimônio, este país tem uma série de ideais religiosos e filiações.

Curiosamente, os censos recentes revelaram que cerca de 90% da população brasileira se inscrever para algum ideal religioso, tornando-o mais religiosamente inclinados do que qualquer outro país sul-americano.

Apenas cerca de 1% da população não acredita em um Deus, ou um ser supremo de alguma forma ou de outra.

Sua inclinação religiosa também é extremamente diversificada, apesar do fato de que cerca de três quartos da população afirmam ser católicos romanos.

Na verdade, há mais católicos no Brasil do que em qualquer outro país do mundo.

Religiões no Brasil
Estátua do Cristo Redentor no morro do Corcovado, no Rio de Janeiro

Em termos de religiões cristãs, as principais igrejas no Brasil são:

Católica
Protestante
Metodista
Episcopal
Pentecostal
Luterana
Batista

catolicismo foi introduzido no Brasil, quando os colonizadores europeus chegaram com o objetivo de “civilizar” os povos nativos locais.

Eles construíram igrejas e trouxe os líderes religiosos no país para ensinar jovens e velhos as doutrinas do catolicismo.

Durante o século 19, o catolicismo se tornou a religião oficial do Brasil. Isso significava que os padres católicos foram pagos um salário pelo governo, incluindo-os nos assuntos políticos do país. Como tal, o catolicismo se tornou uma parte integrante da gestão e administração do Brasil e seu povo. Muitos dos festivais brasileiros se baseiam na religião católica.

Outras religiões (isto é, de origens não-cristãs) incluem:

Judaica
Muçulmano (ou Islão)
Budista
Testemunha de Jeová
Shinto
Rastafari
Candomblé
Umbanda

Espiritismo é também um dos mais significativa, embora menor, religiões no Brasil. Práticas espíritas são amplamente baseado em antigas culturas ameríndias, bem como a influência das culturas e costumes que foram introduzidos há séculos atrás, quando os escravos foram trazidos para o Brasil a partir do “continente negro” da África africanos.

Tais tribos e culturas foram particularmente inclinados para a adoração de espíritos, uma vez que não tinha sido influenciado por noções mais estruturados de criação, que veio de uma dependência nos ensinamentos de Bíblia.

Religiões no Brasil – História

Religiões no Brasil

O cenário religioso do Brasil é tão diverso quanto a diversidade geográfica. Assim, a maioria dos brasileiros no país se identifica como católico romano (64,4%), refletindo assim sua relação histórica com Portugal e a Igreja Católica. Da população restante, 22,2% se identificam com uma tradição protestante, incluindo Adventista do Sétimo Dia (6,5%), Assembleia de Deus (2,0%), Congregação Cristã do Brasil (1,2%), Reino Universal de Deus (1,0%) e outras formas do protestantismo (11,5%).

Há também um pequeno número de pessoas que se identificam com outra forma de cristianismo (0,7%), ‘espírita’ (2,2%), outro (1,4%), nenhum (8,0%) e não especificado (0,4%) (est. 2010 ).

Catolicismo no Brasil

catolicismo foi introduzido no Brasil durante o período inicial pelos portugueses. No entanto, outros missionários jesuítas da Europa procuraram levar ativamente os ensinamentos do catolicismo à população local, especialmente à população indígena. No século XIX, o catolicismo tornou-se a religião oficial do Brasil e foi formalmente institucionalizado no sistema político e social do país.

Embora essa formalidade tenha afrouxado muito, o Brasil tem uma das maiores populações cristãs do mundo.

Igreja Católica no Brasil está dividida em três grandes grupos.

Em ordem decrescente de número de seguidores, esses grupos são: a Igreja Católica Apostólica Romana, a Igreja Católica Apostólica Brasileira e a Igreja.

Igreja Católica apesar da grande proporção da população brasileira que segue um desses três ramos do catolicismo, os seguidores da Igreja Católica em geral estão em declínio. Simultaneamente, o número de protestantes brasileiros aumentou desde 2000, mas não está claro se ex-seguidores da Igreja Católica estão se convertendo ao protestantismo. De acordo com os dados do censo de 2010 do Brasil, mais de três quartos dos brasileiros que vivem em áreas rurais se identificam como católicos.

Inúmeros eventos significativos no Brasil giram em torno da fé católica, como as festas brasileiras vinculadas a eventos do calendário católico ou relacionadas a santos cristãos.

As influências da religião também podem ser vistas em todo o país através da iconografia e edifícios católicos. Um dos exemplos mais conhecidos é a estátua do Cristo Redentor localizada no Rio de Janeiro.

O respeito e a adesão aos feriados católicos e eventos seminais da vida também continuam sendo muito importantes para muitos brasileiros, como batismos, casamentos religiosos e festas dedicadas aos santos padroeiros.

Teologia da Libertação

Teologia da Libertação surgiu na década de 1960 como resposta à opressão, injustiça e violência institucionalizada que permeia a América do Sul.

É difícil caracterizar a noção, mas é comumente vista como um ramo do catolicismo. A Teologia da Libertação oferece uma interpretação radical do Evangelho que ecoa a teoria marxista da luta de classes.

Os defensores da Teologia da Libertação consideram o movimento para reimaginar a teologia como baseada no contexto, prestando atenção às experiências vividas e às necessidades da sociedade em um determinado momento e recorrendo ao Evangelho para responder a essas necessidades. O movimento de base atraiu entre um e dois milhões de seguidores para suas “comunidades eclesiásticas de base” (“communidad(e) ecelsial de base”).

Desde seu surgimento, a Teologia da Libertação enfrentou diversas lutas, como a oposição da Igreja Católica Romana e a perseguição de líderes religiosos que defendiam o movimento pelo governo militar.

Espiritismo (também conhecido como Kardecismo)

As práticas do Espiritismo baseiam-se principalmente em antigas culturas, bem como culturas africanas que foram introduzidas no Brasil através da introdução de trabalhadores contratados da África pelos portugueses.

Uma das noções centrais do Espiritismo é a crença na reencarnação e no aperfeiçoamento contínuo da alma com o objetivo final da perfeição. De acordo com os dados do censo de 2010, a maioria dos espíritas é de classe média a alta, com aproximadamente 98% dos adeptos alfabetizados. Além disso, a maioria dos seguidores do Espiritismo reside em áreas urbanas.

No Brasil contemporâneo, os adeptos do Espiritismo enfrentam preconceitos, principalmente de cristãos que acreditam que o Espiritismo está relacionado à ‘feitiçaria’ – um estigma comum às religiões africanas.

Aspectos do Espiritismo também estão presentes em religiões afro-brasileiras como a Umbanda e o Candomblé.

Umbanda

Umbanda é uma religião distinta nativa do Brasil que se baseia em crenças e práticas do Espiritismo, religiões indígenas e africanas. Os ensinamentos centrais da religião são a fraternidade, a caridade e o respeito.

Manifestando-se dos ensinamentos da Umbanda estão as práticas de busca de uma vida pacífica baseada no respeito à humanidade, à natureza e ao Zambi (o Deus supremo).

Os adeptos da Umbanda são poucos em número devido a serem historicamente alvos de perseguição religiosa.

Os umbandistas concentram-se principalmente em cidades com maior número de brasileiros afrodescendentes, como o Rio de Janeiro.

Candomblé

candomblé é uma religião de origem africana que se tornou um símbolo da identidade cultural afro-brasileira. É uma das únicas instituições culturais africanas que se mantém forte no Brasil. O candomblé é um sistema de crenças que cultua os ‘orixás’ (‘divindades’), que diferem dependendo da nação. Na tentativa de escapar da perseguição religiosa, os escravos africanos muitas vezes incorporaram elementos do catolicismo nas práticas da religião. Embora tenha sido pensada para ocultar a adoração de suas próprias divindades, a fé carrega o estigma de ser pensada como ‘feitiçaria’ no Brasil. A fé é muitas vezes classificada como espírita, embora esta seja uma categorização incorreta.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/culturalatlas.sbs.com.au/www.brazil.org.za/plenarinho.leg.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna

PUBLICIDADE Semana de Arte Moderna – O que foi Nas primeiras décadas do século XX, …

República da Espada

República da Espada

PUBLICIDADE O que foi a República da Espada? O Governo do Mal. Deodoro da Fonseca …

Questão Christie

Questão Christie

PUBLICIDADE O que foi a Questão Christie? Em dezembro de 1861 o navio príncipe de Wales, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.