Breaking News
Home / História do Brasil / Descobrimento do Brasil

Descobrimento do Brasil

PUBLICIDADE

Descobrimento do Brasil – História

O homem que descobriu o Brasil

Naturalmente, quando falamos de quem colocou o Brasil no mapa, não podemos simplesmente dizer que foi trabalho de um único homem.

Mas se tem uma coisa que todos os brasileiros lembram do ensino médio é esse nome: Pedro Álvares Cabral – o homem que descobriu o Brasil para Portugal.

Cabral era um diplomata a caminho da Índia. Naquela época, Portugal acreditava que poderia circunvagar o globo e chegar à Ásia apenas navegando para o oeste. Cabral desembarcou em Porto Seguro, Bahia, em 22 de abril de 1500. Portanto, 22 de abril seria o Dia do Descobrimento do Brasil. É isso que gostamos de dizer às crianças, pelo menos. No entanto, a história oficial é muito diferente.

A Real Descoberta Portuguesa do Brasil

Evidências históricas sugerem que, de fato, o Brasil foi descoberto por Duarte Pacheco Pereira em uma missão secreta encomendada pelo rei Manuel de Portugal.

O objetivo de Pereira era simples: descobrir o que está além da linha imaginária definida pelo Tratado de Tordesilhas.

Este tratado foi assinado entre Espanha e Portugal como forma de dividir qualquer território que pudesse ser descoberto nesta parte do mundo. Os escritos de Pereira sobre sua viagem ao Brasil (principalmente Amazonas e Pará) só saíram em 1505. Mas certamente indicam que o Brasil foi descoberto em 1498 e não em 1500.

Então 22 de abril é o Dia do Descobrimento do Brasil?

Não exatamente.

Oficial Português Descoberta e Conquista do Brasil

Apesar de saber de antemão da existência do Brasil, o descobrimento oficial de Portugal e a eventual conquista do Brasil só ocorreram em 1500. Eles conheceram inicialmente os índios tupinambá – que eram apenas alguns dos estimados 5 milhões de nativos que viviam no Brasil na época. Você teria mais chances de aprender tupi do que aprender português no Brasil.

E os índios certamente tiveram dificuldade em lidar com os recém-chegados. Eles perderam seu território e morreram de doenças europeias.

Sem mencionar o fato de que os portugueses escravizaram os nativos americanos por séculos. Você pode ler mais sobre os índios no Brasil nesta Dica.

Portugal tinha dois objetivos principais. A primeira era estabelecer assentamentos e a segunda era explorar a terra. Eles conseguiram monopolizar o comércio do Pau-Brasil, uma árvore local encontrada em estados como Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro. Essa árvore também mais tarde deu o nome ao nosso país.

Os portugueses então dividiram o país em capitanias e o Brasil tornou-se uma colônia oficial. Assim permaneceu até 1822, quando Dom Pedro I declarou a independência do Brasil.

Descobrimento do Brasil –  22 de abril de 1500

descobrimento do Brasil, aconteceu no dia 22 de abril de 1500, pelos europeus deu-se no contexto da expansão marítima que ocorreu em fins do século XV.

A suspeita da existência de terras a ocidente era bastante forte, sobretudo, após a primeira viagem de Cristóvão Colombo (1492), o que explica a insistência do rei de Portugal dom João II durante as negociações do Tratado de Tordesilhas (1494) para estender até 370 léguas a oeste de Cabo Verde as possíveis terras portuguesas.

A presença de navegadores espanhóis no litoral brasileiro em 1499-1500 é discutida.

É o caso, por exemplo, de Alonso de Ojeda, que teria chegado ao Rio Grande do Norte, de Vicente Yáñez Pinzón, que partiu de Palos, em 18 de novembro de 1499, e positivamente desembarcou no litoral do brasileiro.

Chegou ao cabo de Santo Agostinho, Pernambuco, que chamou de Santa Maria de la Consolación. No entanto, alguns historiadores acham que pode ter sido a ponta de Mucuripe ou a ponta da Jabarana, no Ceará.

Seguindo em direção noroeste descobriu a embocadura do rio Marañon e a do Orinoco que chamou de mar Dulce. Ainda no litoral norte descobriu o cabo de São Vicente, atualmente cabo Orange.

Um mês depois da partida de Pinzón, Diego de Lepe seguiu a mesma rota explorando a costa do Brasil ao sul do cabo de Santo Agostinho.

Do lado português, é provável que Duarte Pacheco Pereira, autor do Esmeraldo de situ orbis, tivesse estado no Brasil em 1498 ou 1499. Entretanto, a descoberta oficial deu-se com a expedição de Pedro Álvares Cabral, fidalgo português nomeado pelo rei para comandar a expedição que se destinava à Índia, dando continuidade à abertura da rota para aquela região descoberta, em 1498, por Vasco da Gama.

A frota de Cabral era composta por 13 navios, financiados com capitais reais e particulares, inclusive de comerciantes estrangeiros.

Partiu de Lisboa no dia 9 de março de 1500. Acompanhavam Cabral navegadores experientes como Bartolomeu Dias, o descobridor do Cabo da Boa esperança, Nicolau Coelho, Sancho de Tovar e Gaspar de Lemos.

Descobrimento do Brasil
Descobrimento do Brasil

A viagem até o Brasil estendeu-se até o dia 22 de abril, quando foi avistado no litoral sul do estado da Bahia um monte, batizado de monte Pascoal. A nova terra foi primeiramente chamada Vera Cruz e, no ano seguinte, Terra de Santa Cruz. Só posteriormente seria denominada Brasil em decorrência da abundância da árvore pau-brasil existente, no século XVI, na mata Atlântica.

A esquadra permaneceu no Brasil até o dia 2 de maio, tendo sido rezadas duas missas, pelo franciscano frei Henrique de Coimbra (26 de abril e 1º de maio).

Foram feitos contatos com indígenas e deixados alguns degredados.

A expedição seguiu viagem para a Índia, enviando-se Gaspar de Lemos de volta a Portugal para informar ao rei a descoberta. O principal documento que narra tais eventos é a carta escrita ao rei dom Manuel I, o Venturoso pelo escrivão Pero Vaz de Caminha.

Descobrimento do Brasil – Pedro Álvares Cabral

Nos séculos XIV e XV, o mundo mudou muito. O comércio europeu desenvolvera-se bastante e surgira uma nova classe social, formada por comerciantes – a burguesia. os burgueses aliaram-se ao rei contra os privilégios do clero e da nobreza. Esse foi um passou importante para as grandes navegações.

Os portugueses desejavam sobretudo descobrir o caminho marítimo para as Índias, para lá criar um centro comercial e trazer especiarias, seda, porcelana, perfumes e pedras preciosas, produtos muito apreciados na Europa.

Em 1498, o português Vasco da Gama chegou a Calicute, nas Índias. Para assegurar essa conquista, o rei de Portugal, D. Manuel, concedeu a Pedro Álvares Cabral o comando de uma esquadra de 13 embarcações e cerca de 1 500 homens. Os navios de Cabral, no entanto, afastaram-se da costa africana e desviaram-se para oeste, aproximando-se de terras brasileiras.

Descobrimento do Brasil
Pedro Álvares Cabral

NO dia 22 de abril de 1500, a esquadra avistou um monte, que recebeu o nome de Monte Pascoal.

O nome definitivo, Brasil, deveu-se a abundância do pau-brasil, madeira da qual se extraía um corante vermelho.

Cabral deu a notícia do descobrimento, mandando um navio a Pombal com uma carta escrita por Pero Vaz de Caminha. Essa carta constitui importante documento na história do Brasil, pois conta a viagem e a chegada a terra, descrevendo o novo território e os índios.

O RETORNO

Na manhã de 2 de maio, Gaspar de Lemos toma o rumo de Portugal, levando as cartas do capitão-mor Pedro Álvares Cabral, de outros capitães, do físico Mestre João e do escrivão -Pero Vaz de Caminha, além de amostras da vegetação local, toras de pau-brasil, arco e flechas, enfeites indígenas e papagaios de cores berrantes. Neste mesmo dia, o resto da esquadra retorna o caminho das Índias.

Ficaram em terra os dois degredados e dois grumetes que haviam fugido.

Onze dias depois de sair do Brasil, a frota de Cabral é atingida por violenta tempestade. Os vagalhões arremessam os barcos para o alto e para os lados, como se fossem de brinquedos. As pressas, as velas são recolhidas, os mastros seguros e o leme amarrados. Gritos cruzando o tombadilho, os homens trabalham rápido, na ânsia de sobreviver. É preciso manter as naus vazias de água, impedir que o casco aderne com as ondas e o vento. Mas nem todos conseguem. Naufraga um navio, depois outro. Estão próximos do cabo da Boa Esperança, e mais uma nau afunda. Finalmente, tão rápida quanto viera, a tempestade desaparece. A frota perdera quatro embarcações. Entre os mortos está Bartolomeu Dias, que anos antes descobrira este lugar, agora seu túmulo.

Reduzida a sete navios, a esquadra aporta em Moçambique, na costa oriental da África. Todas as naus estão ali, menos a de Digo Dias, que, navegando sozinha, descobre uma ilha imensa, à qual dá o nome de São Lourenço (hoje Madagascar).

Com apenas seis navios, Cabral prossegue até a ilha de Angediva. E, três meses após deixar o Brasil, Cabral ancora em Calicute, onde não consegue, a princípio, estabelecer relações amistosas com a população.

Depois de um ataque dos muçulmanos, em que mais de trinta portugueses foram mortos, Cabral tomou todas as embarcações fundeadas no porto, confiscou-lhes a carga e mandou incendiá-las.

E durante dois dias bombardeou a cidade, até obter a rendição. Então estabelece uma feitoria e celebra tratados de paz. De Calicute, Cabral segue para Canamor, onde se abastece de gengibre e canela.

E lá assina novos tratados de paz.

A 16 de janeiro de 1501, Cabral toma o caminho de volta. Na altura de Melinde, mais uma nau afunda. Uma outra e mandada a Sofala, para explorações. E,. com apenas quatro naus Cabral aporta em Moçambique, para fazer reparos em suas embarcações.

A esquadra se junta novamente na altura do cabo da Boa Esperança e segue viagem. De um total de treze navios, o Tejo recebia de volta apenas seis caravelas. Sete foram tragadas pelo mar.

Lisboa inteira festejou a chegada da frota e homenageou Cabral. Os portugueses se alegravam porque aquele viagem era a consolidação do comércio com o Oriente.

E isso era atestado pelo carregamento de especiarias, porcelanas e sedas trazido pelas naus. Essa carga foi o suficiente para cobrir todas as despesas da viagem.

Começa para Portugal um período de grande riqueza. Dom Manuel já pode anunciar o sucesso das viagens, pois, pelo tratado de Tordesilhas, as terras lhe pertenciam por direito.

Escreve aos reis da Espanha contando a viagem de Cabral, mas omite propositadamente a extensão da terra descoberta e a rota utilizada por Cabral na sua viagem às Índias.

O aumento do seu poder leva o soberano a adotar novos títulos. Dom Manuel agora é “Rei de Portugal e dos Algarves, de Aquém e de Além-mar em África, Senhor da Guiné, da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia”. Na euforia do domínio das rotas indianas, objeto principal em cem anos de navegações, a descoberta do Brasil passava quase despercebida.

” Assim chega a noite de 22 de abril de 1500. Os marinheiros recolhem velas e baixam âncoras. Os navios vão esperar o dia para se aproximar da costa. Na proa do seu barco, um homem não tira os olhos da terra que a noite vai apagando. É Pedro Alvares Cabral a contemplar a terra que descobrira. Brasil.”

E Vinte e três de abril, 1500, o sol acaba de nascer. Lá está a terra Descoberta, a foz de um rio e um punhado de indivíduos bronzeados andando pela praia. Os capitães se reúnem na Caravela de Cabral.

Pero Vaz de Caminha, na carta que enviaria depois ao Rei Dom Manoel, conta que Cabral, como primeira medida, resolve mandar um pequeno barco, com Nicolau Coelho, ver o lugar de perto. Junto à boca do rio, dezoito ou vinte homens se aproximaram do escaler,

A feição deles é serem pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma.

Nem fazem mais caso de encobrir ou deixa de encobrir suas vergonhas do que de mostrar a cara. Acerca disso são de grande inocência”todos nus, sem nenhuma coisa que lhes cobrisse suas vergonhas”.

Os homens traziam arcos e setas, mas a um sinal dos portugueses baixaram as armas.

Ai deu-se então uma troca de presentes entre descobridores e indígenas.

Nicolau Coelho deu-lhes um barrete vermelho, uma carapuça de linho e um chapéu preto: e recebeu em troca um cocar de plumas compridas, que terminava com penas vermelha e castanhas, e um colar de pequenas contas brancas. Depois disso, o português voltou a bordo.

A noite foi de chuva e ressaca, tornando impraticável o desembarque. Levantou-se grossa ventania, sendo recolhidas todas as ancoras. Era preciso encontrar porto mais seguro. Por isso a armada subiu a costa durante todo o dia seguinte, com os navios menores à frete.

Após viajar 10 léguas, encontraram “um arrecife com um porto dentro, muito bom e muito seguro, (a atual baía de Cabrália, entre a ilha da Coroa Vermelha e a baía rasa de Santa Cruz, no Estado da Bahia).

Ancoraram ali, e Cabral mandou à terra seu piloto Afonso Lopes, para fazer sondagens a toda volta da baía.

Ao voltar, Pero Vaz de Caminha assim os descreve:

E tomou dois daqueles homens da terra levou-os à Capitaina, onde foram recebidos com muito prazer e festa.

O Capitão, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, aos pés uma alcatifa por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro, mui grande, ao pescoço. E Sancho de Tovar, e Simão de Miranda, e Nicolau Coelho, e Aires Corrêa, e nós outros que aqui na nau com ele íamos, sentados no chão, nessa alcatifa. Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a alguém. Todavia um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra.

E também olhou para um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata!

Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali.

Mostraram-lhes um carneiro; não fizeram caso dele.

Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados.

Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, fartéis, mel, figos passados. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provavam alguma coisa, logo a lançavam fora.

Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe puseram a boca; não gostaram dele nada, nem quiseram mais.

Trouxeram-lhes água em uma albarrada, provaram cada um o seu bochecho, mas não beberam; apenas lavaram as bocas e lançaram-na fora. Mas, apesar de tudo, os visitantes pareciam sentir-se à vontade.

Caminha conta que eles se estenderam no tapete e se prepararam para dormir. Cabral, amavelmente, mandou buscar almofadas para lhes por debaixo das cabeças e com uma coberta cobriram sua nudez.

O que teriam achado de tais confortos, mingúem sabe.

No dia seguinte, pela manhã, depois de fundear mais próximo da terra, Cabral mandou Nicolau Coelho e Bartolomeu Dias levarem de volta os dois homens, e deu a cada um deles uma camisa nova, uma carapuça vermelha e um rosário de contas brancas, que os índios enrolaram no braço, além de vários chocalhos e guizos. E mandou com eles um criminoso condenado ao exílio, Afonso Ribeiro, que deveria ficar em terra.

O Domingo, dia 25, amanheceu cheio de sol. Cabral pediu que fosse celebrada missa e feito um sermão. E mandou que todos os capitães se preparassem e o acompanhassem a uma ilhota verde, hoje Coroa Vermelha, dentro da baia, e com toda tripulação presente, Frei Henrique celebrou a missa.

Uma multidão de homens nus olhava admirada e com grande interesse para estes seres sadios do mar que entoavam canções tão estranhas.

Após a missa, em reunião na sua nau, com a presença de todos os comandantes e de Caminha, Cabral decide enviar a notícia da descoberta ao Rei Dom Manual, pois talvez ele quisesse mandar outra esquadra para reconhecer mais detalhadamente a nova terra, ao invés de confiar essa tarefa a uma armada a cominho da Índia. Para isso destaca o navio de mantimentos, comandada por Gaspar de Lemos. Decidiu-se não enviar nativos para Portugal, mas deixa em terra dois degredados, que poderiam servir de informantes quando um próximo navio chegasse.

A semana seguinte foi de explorações. Cabral esteve em terra várias vezes e organizou diversas excursões para conhecer melhor o lugar. Houve brincadeiras, danças, novas trocas de presentes.

A beleza das mulheres causa admiração aos português.

Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem novinhas e gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas costas; e suas vergonhas, tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as nós muito bem olharmos, não se envergonhavam.E uma daquelas moças era toda tingida de baixo a cima, daquela tintura e certo era tão bem feita e tão redonda, e sua vergonha tão graciosa que a muitas mulheres de nossa terra, vendo-lhe tais feições envergonhara, por não terem as suas como ela.

Terminadas as festas e brincadeiras, todos puseram-se a trabalhar. A tripulação abasteceu as naus com lenha e água. Mestre João – o físico, com os pilotos e o grande astrolábio, fez observações em terra, localizou a constelação do Cruzeiro do Sul e escreve um relatório de tudo ao rei. Caminha continuou a escrever sua longa carta.

A única coisa que faltava antes de partirem era deixar um padrão que garantisse a terra para Portugal contra todos os que viessem. Para isso, os carpinteiros fizeram uma cruz gigante a ser erguida na praia. E, a l.º de maio, numa Sexta feira, esta cruz foi levada em processão até a margem. Tinhas as armas de Portugal esculpidas, e foi colocada à entrada da floresta, debaixo de qual se improvisaram um pequeno altar.

E assim rezaram uma segunda missa, sob olhar de aproximadamente 150 indígenas.

Caminha registra:

E quando se veio ao Evangelho, que nos erguemos todos em pé, com as mãos levantadas, eles se levantaram conosco, e alçaram as mãos, estando assim até se chegar ao fim; e então tornaram-se a assentar, como nós.

E quando levantaram a Deus, que nos pusemos de joelhos, eles se puseram assim como nós estávamos, com as mãos levantadas, e em tal maneira sossegados que certifico a Vossa Alteza que nos fez muita devoção.

Terminada a missa, iniciaram-se os preparativos para deixar aquela terra que Cabral batizara de Vera Cruz, e Caminha assim escreveu:

Esta terra, Senhor, parece-me que, da ponta que mais contra o sul vimos, até à outra ponta que contra o norte vem, de que nós deste porto houvemos vista, será tamanha que haverá nela bem vinte ou vinte e cinco léguas de costa.Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal, ou ferro; nem lha vimos.

Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo.

Curiosidades sobre o Descobrimento do Brasil

Pedro Álvares Cabral saiu da praia do Restelo, em Lisboa, ao meio-dia do dia 9 de março de 1500, uma segunda-feira.

Vieram em dez naus e três caravelas, trazendo um total de 1500 pessoas. A viagem levou 44 dias. No dia 22 de abril de 1500, Cabral ancorou em frente ao Monte Pascoal (536 metros de altura).

Uma das naus desapareceu no dia 23 de março de 1500. Era a comandada por Vasco de Ataíde e tinha 150 homens.

Os outros barcos fizeram dois dias de buscas, mas nada encontraram. Então, seguiram viagem.

Cabral, de 32 anos, era casado com uma das mulheres mais nobres e ricas de Portugal. Isabela de Castro era neta dos reis Dom Fernando de Portugal e Dom Henrique de Castela.

Ele foi nomeado capitão-mor da esquadra em 15 de fevereiro de 1500.

A nau capitânia, comandada por Cabral, tinha capacidade para 250 tonéis. Ao todo, havia 190 homens a bordo.

As embarcações ancoraram a 36 quilômetros do litoral brasileiro. No dia seguinte, chegaram mais perto da costa. Foi aí que avistaram sete ou oito homens andando pela praia. Nicolau Coelho, Gaspar da Gama, um grumete e um escravo africanos foram os primeiros a desembarcar. O grupo na praia já aumentara para vinte homens, todos nus.

Os nativos se aproximaram do barco apontando seus arcos e flechas. Nicolau Coelho fez sinal para que eles largassem as armas, o que foi obedecido. Ainda de dentro do barco, ele atirou um gorro vermelho, um sombreiro preto e a carapuça de linho que usava. Em troca, os índios lhe deram um cocar e um colar de pedras brancas. Esses primeiros índios encontrados pelos portugueses eram da tribo tupiniquim.

Em 2 de maio, a expedição deixou o país e seguiu para as Índias. A missão de Cabral era instalar um entreposto em Calicute, principal centro das especiarias.

Cabral era considerado uma espécie de chefe militar da esquadra. Por isso, a frota incluía tantos comandantes experientes, como Bartolomeu Dias, o primeiro a contornar o sul do continente africano, transformando o cabo das Tormentas em cabo da Boa Esperança; ou Nicolau Coelho, que havia participado da primeira viagem marítima às Índias, chefiada por Vasco da Gama.

Gaspar Lemos foi enviado de volta a Portugal para anunciar ao rei Manuel I a descoberta do Brasil.

Havia um total de oito frades na frota de Cabral, liderados por frei Henrique de Coimbra. Cabral levava uma imagem de Nossa Senhora da Boa Esperança, colocada numa capela especialmente construída no convés de sua embarcação.

Pedro Álvares Cabral recebeu 10 mil cruzados pela viagem. Cada cruzado valia 3,5 gramas de ouro. Ele poderia ainda comprar 30 toneladas de pimenta, com seus próprios recursos, e transportá-las gratuitamente no navio. A Coroa se comprometia a comprar o produto pelo preço de mercado em Lisboa (sete vezes mais que nas Índias).

Cada marinheiro poderia trazer 600 quilos de pimenta e fazer o mesmo. Entretanto, poucos voltaram. Além da nau que desapareceu e da outra que voltou a Portugal com a notícia do descobrimento, outras seis afundaram. Das treze, portanto, apenas cinco conseguiram retornar para casa.

Nenhum desenho da frota cabralina sobreviveu. Foram destruídos no terremoto seguido de incêndio que consumiu Lisboa em 1755.

Descobrimento do Brasil – Resumo

Descobrimento do Brasil

O Brasil foi oficialmente descoberto pelo navegador e explorador português Pedro Álvares Cabral. Durante a Páscoa, em 22 de abril de 1500, sua esquadra avistou o Monte Pascoal na chamada Costa do Descobrimento, 50 km ao sul de Porto Seguro (Bahia). A sua viagem está relatada na famosa carta de Pêro Vaz de Caminha. Até hoje não se sabe quando, onde e, sobretudo, quem realmente descobriu o Brasil.

As notas do manuscrito Esmeraldo De Situ Orbis do cosmógrafo português Duarte Pacheco Pereira (assinante do Tratado de Tordesilhas) indicam que ele próprio, por ordem do rei D. Manuel I, já havia explorado a costa brasileira em 1498.

Outros documentos comprovam que em janeiro e março de 1500, o explorador espanhol Vicente Yáñez Pinzón, que em 1492 junto com Cristóvão Colombo descobriu a América e seu primo Diego de Lepe, havia chegado à costa brasileira no atual estado de Pernambuco. Como esses territórios, de acordo com o Tratado de Tordesilhas, pertenciam oficialmente a Portugal, essas expedições não aparecem na maioria das documentações sobre o descobrimento do Brasil.

A descrição das primeiras feições geográficas do litoral brasileiro só ocorreu durante a segunda expedição oficial ao Brasil (maio de 1501 – setembro de 1502) e estão documentadas na Carta do explorador italiano Américo Vespúcio. Dependendo do historiador, ou Gaspar de Lemos, capitão de um dos navios de abastecimento da frota de Cabral e portador da carta de Pero Vaz de Caminha ao rei D. Manuel I, ou Gonçalo Coelho são citados como comandantes desta expedição.

A rota exata desta expedição pode ser facilmente reconstruída com a ajuda do calendário de santos católico romano: Cabo de São Roque (16.08.1501), Rio São Francisco (04.10.1501), Baía de Todos os Santos/Salvador (01.11. 1501), Baía de Guanabara/Rio de Janeiro (01.01.1502), Angra dos Reis/Ilha Grande (06.01.1502), Ilha de São Sebastião (20.01.1502), São Vicente (22.01.1502).

Fonte: www.geocities.com/www.conhecimentosgerais.com.br/rioandlearn.com/Educaterra/www.braziltourstravel.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna

PUBLICIDADE Semana de Arte Moderna – O que foi Nas primeiras décadas do século XX, …

República da Espada

República da Espada

PUBLICIDADE O que foi a República da Espada? O Governo do Mal. Deodoro da Fonseca …

Questão Christie

Questão Christie

PUBLICIDADE O que foi a Questão Christie? Em dezembro de 1861 o navio príncipe de Wales, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.