Breaking News
Home / História do Brasil / Período Imperial do Brasil

Período Imperial do Brasil

PUBLICIDADE

 

No período entre os anos 20 e 60 do século XIX, o café se firmou como o principal produto brasileiro, mas registram-se algumas iniciativas importantes para a industrialização.

A criação da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional, no Rio de Janeiro, a primeira entidade de classe criada no Brasil, a chegada das primeiras famílias de imigrantes europeus e a instalação da fundição de ferro do francês Jean Antoine de Monlevade se destacam no período.

Utilizando centenas de trabalhadores escravos, as forjas de Monlevade localizavam-se em São Miguel do Piracicaba, hoje a cidade de João Monlevade, onde a Cia. Siderúrgica Belgo Mineira construiu sua segunda unidade em 1935.

Em 1844 o Ministro Alves Branco alterou as tarifas alfandegárias, baixando o custo da importação de máquinas e equipamentos e elevando as taxas incidentes sobre produtos importados.

Essa política, embora pouco duradoura, impulsionou a instalação de novas fábricas no país.

Período Imperial do Brasil
Estatutos da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional

Período Imperial do Brasil
Jean Antoine de Monlevade. Litografia

Período Imperial do Brasil
Manuel Alves Branco. Litografia

As Exposições Internacionais realizadas nas principais cidades do mundo, atraíam o público com suas mostras, reunindo o que havia de mais moderno e o exótico. Em 1861 o Rio de Janeiro sediou a primeira exposição realizada no país.

O Imperador D. Pedro II era um aficcionado desses eventos, tendo participado de quase todos que se realizaram durante o longo período de seu governo. Máquinas e equipamentos industriais diversos eram registrados no país, nessa época, na categoria de Privilégios Industriais, e muitos deles integraram a presença brasileira nas Exposições Internacionais.

Período Imperial do Brasil
Máquina de cunhar moedas. Arquivo Nacional

Período Imperial do Brasil
Máquina à vapor fabricada no Arsenal da Marinha

Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, foi o mais importante empresário do Império.

Seus empreendimentos se multiplicaram nos setores industrial, bancário, de transportes e serviços públicos.

Admirador da Revolução Industrial inglesa, Mauá sofreu forte oposição de grupos conservadores, identificados com a economia agrária e a escravidão, à qual era radicalmente contrário.

Período Imperial do Brasil
Irineu Evangelista de Souza, Barão de Mauá. Litografia

Período Imperial do Brasil
Estabelecimento de Illuminação a gás. Litogravura
Biblioteca Nacional

Em Minas destaca-se a figura de Bernardo Mascarenhas que, em 1868, fundou com seus irmãos Antônio Cândido e Caetano, a Fábrica do Cedro, dando origem a um dos mais fortes e tradicionais grupos têxteis do país. Arrojado e visionário para os padrões da época, Bernardo Mascarenhas ficou conhecido como o “Mauá Mineiro”, responsável pela implantação de diversas indústrias, dentre elas a Cia.

Mineira de Eletricidade, que iluminou a cidade de Juiz de Fora, em agosto de 1889, fato inédito em toda a América do Sul.

Período Imperial do Brasil

Período Imperial do Brasil

Período Imperial do Brasil
Bernardo, Caetano e Antônio Cândido Mascarenhas, fundadores da Fábrica do Cedro

Período Imperial do Brasil
Ação da Companhia Cedro e Cachoeira, 1883. Acervo Centro de Memória

história da mineração aurífera subterrânea no Brasil se identifica com a exploração da Mina de Morro Velho em Nova Lima, MG.

Uma companhia inglesa, a Saint John del Rey Mining Company, explorou a mina de 1834 a 1960, constituindo por muitas décadas a maior empresa industrial de Minas Gerais.

Operando com amplos contingentes de mão de obra escrava, Morro Velho recebeu a visita do casal imperial e, dentre outras curiosidades, importou trabalhadores chineses para substituir os escravos cada vez mais difíceis após a proibição do tráfico.

Período Imperial do Brasil
Reunião quinzenal dos escravos e funcionários em Morro Velho. Fotografia, Riedel, 1865

Período Imperial do Brasil
Contrato Chinês da Mina de Morro Velho

Na segunda metade do século XIX o Brasil entrou na era das ferrovias.

Ligando o nosso imenso território, fruto de iniciativas públicas e particulares, com capitais nacionais e estrangeiros, a era das ferrovias transformou o Brasil das tropas e carros de bois, levando a modernidade até as fazendas e engenhos.

Das grandes obras de engenharia, como o Viaduto da Grota Funda, perto de Cubatão, até as pequenas linhas na zona rural, o transporte ferroviário constituiu-se no principal meio de transporte até a II Grande Guerra.

Período Imperial do Brasil
O viaduto da Grota Funda. Fotografia. Marc Ferrez. C. 1880

Período Imperial do Brasil
A 2ª locomotiva a trafegar no Brasil. Fotografia. Augusto Stahl, c. 1858

A escravidão no Brasil durou mais de 300 anos, sendo um dos últimos países do mundo a eliminar o trabalho servil.

Na segunda metade do século XIX, a pressão britânica e o crescimento do abolicionismo entre as camadas urbanas, antagonizou amplos setores da sociedade brasileira.

A assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel, a 13 de maio de 1888 representou a eliminação de um importante obstáculo à industrialização.

Período Imperial do Brasil
Lei Áurea. Arquivo Nacional

Período Imperial do Brasil
Etiqueta para tecidos, alusiva à abolição da escravidão. Arquivo Nacional

Fonte: www2.fiemg.com.br

Período Imperial do Brasil

História

Período teve início em 1822, com a proclamação da Independência, e durou até 1889, quando foi instaurada a República.

O período do Brasil Império teve início em 1822, com a proclamação da Independência, e durou até 1889, quando foi instaurada a República. Inicialmente, países europeus não reconheceram o reinado de D. Pedro I.

Os Estados Unidos, que através da Doutrina Monroe defendiam a autonomia do continente americano, foram os primeiros a aceitar a emancipação política do Brasil. A Coroa Portuguesa somente reconheceu a independência do Brasil em agosto de 1825, após intervenção da Inglaterra, que obteve assim inúmeras vantagens comerciais. Portugal também recebeu 2 milhões de libras, a título de indenização.

A Carta de 1824 foi a primeira Constituição do país, cujas leis vigoraram durante todo o Brasil Império. O documento estabeleceu, entre outros pontos, a Monarquia Constitucional, com governo centralizado; sistema representativo com Senado e Câmara dos Deputados; quatro poderes políticos harmônicos – Executivo, Legislativo, Judiciário e Moderador -, este último exercido pelo Imperador. O direito de votar e de se eleger estava vinculado à posição social e patrimônio financeiro, o que excluía a maior parte da população.

Durante o início do período imperial o país atravessava grave crise econômica. As lavouras tradicionais de exportação, como cana de açúcar, algodão e tabaco entraram em decadência com a concorrência de outros países. Além do mais, o Brasil tinha mais custos com a importação de manufaturas do que os ganhos obtidos com a exportação de produtos agrícolas.

Mas não era só na área econômica que D. Pedro I enfrentava dificuldades. Em 1826, com a morte de D. João VI, o trono português passou a pertencer ao imperador do Brasil. Pressionado pela elite brasileira, que temia a recolonização do país, D. Pedro I renunciou em favor de sua filha, D. Maria da Glória. Como ainda era criança, o trono passou a ser regido por D. Miguel, irmão de D. Pedro I, que, com apoio de outros países, foi aclamado rei em 1828.

Para reaver o trono, o imperador decidiu ajudar financeiramente a luta contra D. Miguel em Portugal. Isso aumentou mais ainda a crise econômica e o descontentamento das forças políticas de oposição brasileira. Outros acontecimentos deixavam clara a insatisfação popular, como as Revoluções Liberais de 1830, protestos contra o assassinato do jornalista Líbero Badaró, que fazia críticas ao governo, e lutas de rua entre brasileiros e portugueses, como a Noite das Garrafadas, levaram D. Pedro I a abdicar, em 1831.

Período Regencial (1831 a 1840)

Filho de D. Pedro I, Pedro de Alcântara foi aclamado imperador do Brasil. O regime monárquico foi mantido e três regentes escolhidos para governar em nome do soberano, até que atingisse a maioridade, o que aconteceria em 1843. O período regencial foi um dos mais conturbados da história do Brasil. Proprietários rurais do Sudeste dominavam o governo e as províncias lutavam por maior automia política. A disputa ameaçava dividir o Império em regiões independentes.

Em 1834 o Ato Adicional introduziu modificações na Constituição de 1824. O Conselho de Estado (cujos representantes eram favoráveis à restauração do Primeiro Reinado) foi extinto, Assembléias Legislativas provinciais foram criadas e a cidade do Rio de Janeiro transformada em município neutro da corte. A Regência Una foi instituída no lugar da Trina. Eleita por votação nacional, fortaleceria os setores aristocráticos regionalistas e federativos.

As disputas políticas permaneceram acirradas e, em 1840, para retirar os conservadores do poder, os liberais propuseram a antecipação da maioridade do Imperador. A Revolução Parlamentar ou Maiorista terminou com a regência e deu início, três anos antes do previsto, ao governo pessoal de D. Pedro II, que duraria até 15 de novembro de 1889.

Parlamentarismo

Em 1847, foi criado o cargo de Presidente do Conselho de Ministros, também chamado Chefe de Gabinete, cargo semelhante ao do primeiro-ministro nos países europeus. O regime tornou-se então Parlamentarista desde essa data até a proclamação da República (1889). O Parlamentarismo brasileiro foi chamado de “Parlamentarismo às avessas”, já que o poder Legislativo, ao invés de nomear o Executivo, estava subordinado a este.

Fim do Império

As mudanças econômicas e sociais a partir da metade do século XIX levaram à proclamação da República. A Guerra do Paraguai (1864-1870), que obrigou o Brasil a contrair empréstimos vultosos e provocar um desequilíbrio financeiro, acirrou a insatisfação com o regime monárquico. Além disso, a classe média formada por profissionais liberais, funcionários públicos, estudantes, etc, queria mais liberdade e poder de decisão. A sucessão do trono também era questionada, já que D. Pedro II tinha apenas filhas mulheres. A princesa Isabel, que assumiria o poder após a morte do pai, era casada com um francês, o que levantava o temor de o país ser governado por um estrangeiro.

A abolição da escravartura também colaborou para o fim do Brasil Império, que perdeu importante apoio das elites agrárias, prejudicadas com a decisão do governo de não indenizá-las de acordo com o número de escravos alforriados.

Desgastado, o Império tentou promover reformas na ordem política. Um novo Ministério da Guerra foi formado, sob o comando de Afonso Celso de Assis Figueiredo, o visconde de Ouro Preto. Ele ficaria responsável por garantir a sucessão da monarquia.

Apesar de descrente com a Monarquia, o movimento de 15 de novembro de 1889 não contou diretamente com a participação popular. No Rio de Janeiro, os republicanos pediram ao Marechal Deodoro da Fonseca para comandar o movimento revolucionário que substituiria a Monarquia pela República. Na manhã de 15 de novembro de 1889, sob o comando do marechal Deodoro, tropas saíram às ruas para derrubar o ministério de Ouro Preto, que foi deposto.

Dom Pedro II, que estava em Petrópolis durante os acontecimentos, voltou à corte para tentar formar um novo ministério, sem sucesso. Um governo provisório foi constituído, com o marechal Deodoro da Fonseca no comando.

No dia 17 de novembro, sob forte esquema de segurança, Dom Pedro II, que decidiu não se opor ao movimento, partiu com a família para a Europa.

Fonte: www.brasil.gov.br

Período Imperial do Brasil

Período Imperial (1822-1889)

No fim do período colonial a decadência da região mineradora é irreversível. As minas de ouro estão praticamente esgotadas.

A presença da corte portuguesa no Brasil acabou gerando muitas mudanças, principalmente pela economia mais liberal gerada pela influência inglesa no Brasil.

A situação econômica geral da capitania era de pobreza generalizada. A população se dividia entre pequenos comerciantes, mineradores, funcionários públicos, fazendeiros, oficiais mecânicos e escravos.

Devido à esta situação dois movimentos que marcaram Minas no período imperial surgiram: a Sedição Militar de 1833 e a Revolução Liberal de 1842.

A Sedição Militar de 1833 consistia em um grupo que se manifestava favorável a volta de D.Pedro I, que havia abdicado em 1831.

Conhecido como Restauração, o movimento não tinha a menor possibilidade de sucesso, pois não havia a mínima chance de D.Pedro I retornar ao Brasil.

Em 1840, devido ao fato dos conservadores estarem no poder, os liberais tramam um golpe que viria a ser bem sucedido. A partir de então, liberais e conservadores se revezam no poder. Com os interesses políticos contrariados e contra leis aprovadas pelos conservadores, os liberais paulistas propõem uma reação armada. Minas Gerais manifesta seu apoio aos paulistas. O movimento paulista foi reprimido por Caxias, mas, Minas, devido a ter se comprometido com os paulistas, entra em luta. A última batalha foi em 20 de agosto, em Santa Luzia, que foi vencida, mas com dificuldades, pela Força Legal comandada por Caxias. Terminou assim, depois de 2 dois meses e 10 dias, a Revolta de 1842. Em 1848 os revoltosos foram julgados e anistiados.

A economia mineira, durante o império, evidencia experiências expressivas revelando que foi precoce em comparação a de outras provincias. A metalurgia já tinha certo destaque mas,o período foi marcado pela produção de bens de consumo pouco duráveis além da produção agrícola principalmente leite e café . Porém a produção cafeeira mineira nunca conseguiu igualar a produção paulista e nem alcançou o nível de desenvolvimento econômico que São Paulo atingiu a partir desse período.

Na área da mineração do ouro, o período imperial é marcado pela presença das companhias inglesas que se estabelecem em Minas a partir das décadas de 20 e 30. Apesar dessas companhias terem reduzido o ritmo da queda do setor aurífero, não foi possível reverter o declínio da mineração.

Devido ao grande crescimento do estado, em 1888 Minas Gerais alcançou a marca de 3.040.627 habitantes.

Fonte: sgc.bernoulli.com.br

Período Imperial do Brasil

Brasil Imperial

O período do Império, também chamado de Monarquia, teve início com a independência do Brasil em 1822 e vigorou até 1889 com a proclamação da república.

O controle inicial que a Coroa portuguesa exercia sobre a Colônia foi perdendo força ao longo dos anos, principalmente a partir da consolidação de algumas esferas da sociedade colonial e com a vinda da família real para o Brasil, que resultou na tomada do poder por D. Pedro I (filho do rei de Portugal), que mais tarde proclamou a independência do Brasil.

Nas últimas décadas do século XVIII o sistema colonial entrou em crise devido às transformações ocorridas no mundo ocidental que atingiram diretamente a Portugal, como a independência dos Estados Unidos (1776) e a Revolução Francesa (1789), que vieram carregados de novos ideais e possibilidades.

Tudo isso gerou a necessidade de se implantar um novo estilo de governo e foi assim que surgiu o Brasil Imperial composto pelas seguintes fases: Primeiro Reinado, exercido por D. Pedro I; Período Regencial, onde o poder ficou nas mãos de representantes do imperador, até que o sucessor de D. Pedro I tivesse idade para assumir o cargo e, finalmente, em 1940 começou o Segundo Reinado quando D. Pedro II assumiu.

Como em outros períodos governamentais no Império também ocorreram diversas manifestações e conflitos como a Cabanagem no Pará, a Sabinada na Bahia, a Balaiada no Maranhão, a Guerra do Paraguai, entre outras.

Uma das primeiras ações efetuadas no Brasil Monárquico foi a elaboração de uma Constituição, promulgada em 1824, após muitos conflitos e divergências de opinião, sendo uma imposição do governo para o povo.

A Constituição de 1824 estabeleceu a seguinte organização política: o governo seria monárquico, hereditário e constitucional, o Poder Legislativo seria composto por Câmara e Senado, eleitos por voto indireto e censitário, dos quais apenas as camadas mais favorecidas participariam. Além disso, o país foi dividido em províncias governadas por um presidente indicado pelo imperador.

O fim do Brasil Monárquico se deu pela somatória de vários fatores, como as divergências do governo imperial com o Exército e a Igreja, e o descontentamento dos senhores de escravos com relação ao posicionamento “favorável” do imperador sobre a abolição da escravatura, além dos interesses que envolviam a instituição de um novo governo chamado república.

Fonte

FAUSTO, B. História Concisa do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

Fonte: www.sppert.com.br

Veja também

Presidentes da Câmara Municipal de Limeira

PUBLICIDADE A partir de 22 de julho de 1844 DATA(S) NOME(S) 1844/1845 Cap. Manoel José …

Personagens da História de Limeira

PUBLICIDADE Capitão Luiz Manoel da Cunha Bastos O fundador de Limeira nasceu em Portugal, na …

Hino da Cidade de Limeira

PUBLICIDADE Música: Prof.ª Dyrcéia Ricci Ciarrochi Letra: Dr. Guilherme Mallet Guimarães Harmonização: Mário Tintori Chão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.