Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / Movimento dos Sem Terra

Movimento dos Sem Terra

PUBLICIDADE

 

Os movimentos sociais são manifestações de caráter popular cuja ação social é orientada a fimde obter transformações políticas e econômicas.

Longe de serem espasmos irracionais damassa, possuem, em geral, algum grau de solidariedade interna e muitos revelam elevadosníveis de institucionalização, atuando de maneira tão organizada quanto empresas, partidospolíticos e instâncias do Estado.

Sua existência costuma ser associada a grandes eventos históricos, como lutas porindependência de nações, insurreições socialistas ou comunistas, ações pela reforma agrária ea emancipação dos trabalhadores e revoluções culturais.

A temática, como se pode notar, éampla. Os movimentos sociais tratam de questões como a religião, a cultura popular, oantiescravismo, o meio ambiente e o trabalho. A partir da década de 90, o tema globalizaçãoganhou espaço na agenda de lutas.Um desses movimentos é o MST.

MST- Movimento dos trabalhadores rurais sem terra.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, também conhecido pela sigla MST, é ummovimento social brasileiro de inspiração marxista e do cristianismo progressista (teologia dalibertação), cujo objetivo é a realização da reforma agrária no Brasil.

O MST se organiza em 24 estados brasileiros. Sua estrutura organizacional se baseia em umaverticalidade iniciada nos núcleos (compostos por 500 famílias) e seguindo pelas brigadas(grupo de até 500 famílias), direção regional, direção estadual e direção nacional. Paralelo aesta estrutura existe outra, a dos setores e coletivos, que buscam trabalhar cada uma dasfrentes necessárias para a reforma agrária verdadeira.

São setores do MST: Saúde, DireitosHumanos, Gênero, Educação, Cultura, Comunicação, Formação, Projetos e Finanças, Produção,Cooperação e Meio Ambiente e Frente de Massa.

São coletivos do MST: juventude e relaçõesinternacionais.

Esses setores desenvolvem alternativas às políticas governamentaisconvencionais, buscando sempre a perspectiva camponesa.

A organização não tem registro legal por ser um movimento social e, portanto, não é obrigadaa prestar contas a nenhum órgão de governo, como qualquer movimento social ou associaçãode moradores. Entretanto, há o questionamento de boa parte da opinião pública brasileira deque se o MST é um movimento social e não tem personalidade jurídica, não poderia receberrecursos públicos, sejam eles diretos ou indiretos, como se tem provado nos últimos anos. A maior instância da organização é o Congresso Nacional, que acontece a cada cinco anos. Noentanto, este congresso é apenas para ratificação das diretivas – não é um momento dedecisões.A luta pela terra e por Reforma Agrária no Brasil, ao longo de cinco séculos, tem sido marcadapor muita luta e resistência, que se intensificou nos últimos anos.Há, de um lado, milhares de famílias Sem Terra que almejam conquistar um pedaço de chãopara a sua sobrevivência.

De outro, existe o latifúndio, defendendo sua posse a todo custo eimpedindo o cumprimento da Constituição de 1988. Com isso, o campo brasileiro se tornoupalco de conflitos quase que cotidianos.Essa situação acontece somente por conta do modelo que controla a agricultura, baseado na grande propriedade, com utilização de pouca força de trabalho, com a mecanização intensavoltada à produção de monoculturas de alguns produtos para a exportação.Possuem como ideologia a necessidade de realizar uma ampla Reforma Agrária, com caráterpopular, para garantir acesso à terra para todos os que nela trabalham.

Garantir a posse e usode todas as comunidades originárias, dos povos indígenas, ribeirinhos, seringueiros,garimpeiros e quilombolas. Estabelecer um limite máximo ao tamanho da propriedade deterra, como forma de garantir sua utilização social e racional. É preciso organizar a produçãoagrícola nacional tendo como objetivo principal a produção de alimentos saudáveis, livres deagrotóxicos e organismos geneticamente modificados (transgênicos) para toda a população,aplicando assim o princípio da soberania alimentar.

A política de exportação de produtosagrícolas deve ser apenas complementar, buscando maior valor agregado possível e evitando aexportação de matérias-primas.

História

Há 27 anos, em Cascavel (PR), centenas de trabalhadores rurais decidiram fundar ummovimento social camponês, autônomo, que lutasse pela terra, pela Reforma Agrária e pelastransformações sociais necessárias para o nosso país.

Eram posseiros, atingidos por barragens,migrantes, meeiros, parceiros, pequenos agricultores…

Trabalhadores rurais sem terras, queestavam desprovidos do seu direito de produzir alimentos.

Expulsos por um projeto autoritário para o campo brasileiro, capitaneado pela ditaduramilitar, que então cerceava direitos e liberdades de toda a sociedade.

Um projeto que anunciava a “modernização” do campo quando, na verdade, estimulava o uso massivo deagrotóxicos e a mecanização, baseados em fartos (e exclusivos ao latifúndio) créditos rurais; aomesmo tempo em que ampliavam o controle da agricultura nas mãos de grandesconglomerados agroindustriais.

Com sindicalismo combativo, da liberdade política e das Diretas-Já em 1984, já no primeiro Congresso afirmaram que “Sem Reforma Agrária não há democracia”.

E com este ímpeto, seempenharam também na construção da nova constituinte, aprovada em 1988, quandoconquistaram, entre outras vitórias, os artigos 184 e 186, que garantem a desapropriação deterras que não cumpram sua função social.

Objetivos

Desde a fundação, o Movimento Sem Terra se organiza em torno de três objetivos principais:

Lutar pela terra

Lutar por Reforma Agrária

Lutar por uma sociedade mais justa e fraterna.

Estes objetivos estão manifestos nos documentos que orientam a ação política do MST,definidos no Congresso Nacional e no Programa de Reforma Agrária realizados pelo mesmo.Além disso, lutar por uma sociedade mais justa e fraterna significa que os trabalhadores e trabalhadores Sem Terra apóiam e se envolvem nas iniciativas que buscam solucionar osgraves problemas estruturais do nosso país, como a desigualdade social e de renda, a discriminação de etnia e gênero, a concentração da comunicação, a exploração do trabalhadorurbano, etc.

A democratização do conhecimento é considerada tão importante quanto a reforma agrária noprocesso de consolidação da democracia.

Além dos acampamentosà beira de estradas, dasocupações de terra e de marchas contra o latifúndio, o MST luta desde 1984 pelo acesso àeducação pública, gratuita e de qualidade em todos os níveis para as crianças, jovens e adultosde acampamentos e assentamentos.

Os esforços nessa área buscam, sobretudo, alfabetizar todos os companheiros e companheirasde acampamentos e assentamentos, e a conquista de condições reais para que todas ascrianças e adolescentes estejam na escola.Mantém a visibilidade através de acampamentos na beira de estradas, atos políticos-culturais,ocupações de terras e marchas contra grande proprietários rurais, e dos congressos realizadosonde debatem com suas bases e aliados sobre Reforma Agrária.

Além disso, são apoiados porintelectuais, ativistas políticos e fotógrafos mundialmente famosos como: Noam Chomsky,Sebastião Salgado, José Saramago (falecido em 18/06/10), Antonio Candido, Luis FernandoVeríssimo, Emir Sader, Eduardo Galeano, Michael Lowy, Boaventura de Souza Santos.

O movimento recebe apoio de organizações não governamentais e religiosas, do país e doexterior, interessadas em estimular a reforma agrária e a distribuição de renda em países emdesenvolvimento. Sua principal fonte de financiamento é a própria base de camponeses jáassentados, que contribuem para a continuidade do movimento.

Também sobrevive atravésda venda de produtos na loja virtual e de repasses de recursos públicos que acabambeneficiando o MST e financiando assim suas ocupações. Entre 2003 e 2004 comprovou-se queforam destinados as secretárias regionais do MST cerca de 7,3 milhões de reais.

Os principais opositores do MST são grandes latifundiários, empresários.

Fonte: pt.scribd.com

Movimento dos Sem Terra

MST, LUTA PELA TERRA e NEOLIBERALISMO

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) começa a se constituir no final dos anos 70/início dos anos 80, num contexto histórico marcado pelo início da crise do regime ditatorial militar que se instalara no país em abril de 1964.

Várias lutas localizadas anunciavam o surgimento de um novo movimento de luta pela terra no Brasil: em Ronda Alta, no Rio Grande do Sul, em setembro de 1979, 110 famílias ocuparam as glebas Macali e Brilhante; em Campo Erê, Santa Catarina, em 1980, ocorre a ocupação da fazendo Burro Branco; no Paraná, mais de dez mil famílias, que teriam suas terras inundadas pela construção da barragem de Itaipu, organizavam-se contra o Estado; em São Paulo, ocorria a luta dos posseiros da fazenda Primavera, nos municípios de Andradina, Castilho e Nova Independência, no Mato Grosso do Sul, nos municípios de Naviraí e Glória de Dourados, milhares de trabalhadores rurais arrendatários lutavam pela permanência na terra.

Esses movimentos localizados, a partir de uma articulação promovida pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), ligada ao setor progressista da Igreja Católica, promoverão vários encontros regionais entre suas lideranças, que desembocarão num Encontro Nacional ocorrido em janeiro de 1984, em Cascavel, município do Paraná, no qual é fundado o MST como um movimento nacional de luta pela terra, pela reforma agrária e por mudanças sociais. Um ano depois, em janeiro de 1985, na cidade de Curitiba (PR), o MST realiza seu 1º Congresso Nacional.

O que é interessante observar é que já existia, neste momento, no Brasil, uma organização cuja principal bandeira era a luta pela terra. Refirimo-nos, aqui, à Contag e ao conjunto do sindicalismo oficial do trabalhadores rurais, existente no Brasil desde 1962 e que contava, à época, com cerca de 2.500 sindicatos espalhados por todo o país.

É sabido que alguns autores prognosticaram o declínio histórico da luta pela terra no Brasil . Nosso objetivo, nesta pesquisa, primeiramente é analisar o porquê do surgimento do MST e de sua expansão e fortalecimento na década de 1990. É importante ressaltar, uma vez mais, que a luta pela terra já era bandeira do sindicalismo oficial dos trabalhadores rurais desde meados dos anos 60. Em segundo lugar, procuraremos analisar a trajetória do MST, procurando detectar seus principais objetivos e as várias fases pelas quais passou desde o início dos anos 80 até os anos recentes, enfatizando, neste último caso, a postura do movimento diante das políticas neoliberais implantadas no Brasil nos anos 90 e a influência de tais políticas na própria expansão do MST.

Ressalte-se, desde já, que privilegiaremos a dimensão política do MST. Isto, para nós, significa não apenas enfatizar a dimensão do conflito e do enfrentamento dos sem-terra, ora com os proprietários de terra, ora com o próprio Estado — essa dimensão explicita-se nas ocupações de terra, nos acampamentos, nas marchas, caminhadas, nas ocupações de prédios públicos etc –, mas também analisar o MST como força política e social inserida e se movimentando numa determinada conjuntura política e econômica. Neste sentido, não faremos aqui uma análise sobre os assentamentos rurais , atualmente objeto de reflexão de inúmeros cientistas sociais.

Poderíamos, grosso modo e apenas para efeito de análise, dividir a trajetória do MST em algumas fases. A primeira delas, inserida na crise do regime ditatorial militar, começou com as ocupações de terra que, desde 1979, “pipocavam” em vários pontos do país. Essa é a fase da luta dispersa e localizada. Ela encerra-se em 1984/85 com a criação de um movimento unificado de nível nacional. A segunda fase desenvolve-se sob o governo Sarney, seu Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA) e com o tratamento dado à questão pelo Congresso Constituinte. Nessa fase, as ocupações de terra multiplicavam-se, ao mesmo tempo em que surgiam iniciativas por parte do Estado visando a oferecer uma resposta — retórica ou real — ao problema colocado pelo MST.

Um balanço desse período mostra que a realização de uma reforma agrária praticamente não extrapolara o nível das propostas e das “boas intenções” . Na terceira fase, contemporânea dos governos de Fernando Collor/Itamar Franco, a ofensiva do MST expande-se, ao mesmo tempo em que as desapropriações são feitas em muito menor quantidade que as do governo Sarney.

Finalmente, numa última fase, sob o governo de Fernando Henrique Cardoso, o MST passa a ocupar um lugar de destaque nos meios de comunicação e no discurso político-partidário e a luta pela reforma agrária ganha projeção nacional e mesmo internacional.

Problematização e hipóteses preliminares

Partiremos das seguintes perguntas, de caráter geral:

1) Qual a importância do modelo de desenvolvimento capitalista da agricultura implementado durante o regime ditatorial militar e da concentração da propriedade da terra dele decorrente para entendermos o processo de constituição e crescimento do MST?
2)
Por que o sindicalismo oficial rural, na conjuntura dos anos 80, não foi capaz de encaminhar uma luta efetiva pela terra, a ponto de abrir espaço para o surgimento do MST?
3)
Quais fatores da conjuntura econômico-política da primeira metade dos anos 80 convergiram a ponto de permitir a constituição de um movimento efetivo de luta pela terra no Brasil? Quais as bases sociais desse movimento? Quais entidades estiveram presentes no momento de sua constituição?
4)
Qual o significado do PNRA do governo Sarney? Qual o papel do próprio Estado, do sindicalismo oficial rural, da CUT, do MST e da UDR nesse embate? Quais os seus resultados e em que medida a postura do MST nesse processo contribui para seu posterior crescimento?
5)
Nos anos 90, qual a postura do MST frente à política neoliberal e quais fatores poderiam explicar a expansão desse movimento num momento de refluxo das demais lutas sociais?

As seguintes hipóteses e proposições iniciais nortearão nossas reflexões:

1) A constituição e o crescimento do MST é, em parte, uma resposta ao próprio modelo de desenvolvimento capitalista da agricultura implementado durante o regime ditatorial militar e à concentração da propriedade da terra dele decorrente. É resultado, também, da absoluta ineficácia do Estatuto da Terra, no que respeita a uma política de distribuição de terras. A ditadura militar beneficiou com incentivos creditícios e fiscais generosos a grande empresa rural, em detrimento dos pequenos proprietários familiares que, em grande medida, foram tragados pelas agroindústrias. Nossa hipótese, neste caso, é que o crescimento do MST está ligado ao processo de expropriação e expulsão dos trabalhadores do campo e da exclusão social de que foram vítimas quando se tornaram proletários urbanos e/ou rurais. Numa conjuntura política de maiores liberdades democráticas — final dos anos 70 e início dos anos 80 –, e a partir da ação aglutinadora de entidades comprometidas com uma luta efetiva pela terra — a Comissão Pastoral da Terra (CPT), ligada aos setores progressistas da Igreja Católica, é o melhor exemplo –, esses “excluídos” e “marginalizados” pelo desenvolvimento capitalista no campo encontraram um canal de expressão e puderam manifestar-se e se organizar através do MST.

2) A Contag só pôde firmar-se nos anos 70 como uma referência política, graças ao regime ditatorial militar, que obstruía qualquer possibilidade de luta mais efetiva dos trabalhadores do campo. Numa conjuntura de maiores liberdades políticas, a estrutura sindical oficial no campo revelou-se um “gigante com pés de barro”, isto porque estava assentada numa esmagadora maioria de sindicatos e federações surgidos não da própria luta sindical ou por iniciativa dos próprios trabalhadores, mas em razão da política assistencialista do Estado. O peleguismo, o legalismo, o imobilismo, a prática ampla e arraigada do assistencialismo e a apatia reivindicativa da maioria dos dirigentes dos sindicatos dos trabalhadores rurais são características que persistem até hoje no interior das entidades sindicais. Além disso, a representatividade real dos sindicatos dos trabalhadores rurais (STR) é infinitamente menor que a representatividade formal alardeada pelos dirigentes sindicais.

3) No plano político, o início dos anos 80 é marcado pela crise do regime ditatorial militar e pela ascensão, em 1983, de vários governos “de oposição” em vários estados do Brasil (Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, por exemplo). Esses governos foram eleitos com promessas que incluíam mudanças políticas, econômicas e sociais, aí incluídas as demandas por terras. Apesar do caráter meramente retórico de muitos desses compromissos, isso abriu espaço para as ocupações de terras em vários Estados . No que diz respeito ao plano econômico-social, no início dos anos 80 — mais precisamente até 1983 — a economia brasileira estava mergulhada numa profunda recessão, com reflexos imediatos sobre os níveis de desemprego da economia. Neste sentido, apenas a título de exemplo, é interessante observar que as duas primeiras ocupações de terra ocorridas no estado do Rio de Janeiro — durante o primeiro governo Brizola — e a primeira ocupação ocorrida no estado do Espírito Santo, envolveu trabalhadores desempregados urbanos.

Isso, a nosso ver, demonstra um aspecto importante que diz respeito às bases sociais do MST: desde suas origens, tratou-se de um movimento cujas bases sociais estavam assentadas não apenas em camponeses sem-terra de origem rural recente, mas também em trabalhadores assalariados rurais e urbanos desempregados ou subempregados. Também a migração rural-urbana na década de 80 atingiu seu limite e a reversão desse fluxo migratório nos anos 90 indica uma menor atração da população agrícola pelos centros urbanos e a possibilidade de maior pressão dos trabalhadores sobre a terra.

4) No que diz respeito ao PNRA é interessante observar que no momento em que o MST constituía-se como um organização de âmbito nacional — 1984/1985 –, a CONTAG realizava o seu IV Congresso Nacional dos Trabalhadores Rurais — maio/1985 — no qual hipotecava um apoio irrestrito ao “Plano Nacional de Reforma Agrária” (PNRA) elaborado pelo governo de José Sarney e defendia o Estatuto da Terra como instrumento inicial de reforma agrária, neste caso, contra os sindicalistas e lideranças ligados à CUT e ao MST que pregavam a recusa desse instrumento legal, com o argumento de que o objetivo primeiro do Estatuto era exatamente combater a reforma agrária que vinha surgindo da própria ação dos trabalhadores.

As resoluções do 1º Congresso Nacional dos Trabalhadores Sem-Terra, por sua vez, indicam que os sem-terra depositavam poucas esperanças na Nova República de Sarney: reforma agrária sob controle dos trabalhadores, desapropriação de todas as propriedades com área acima de 500 hectares, distribuição imediata de todas as terras em mãos dos estados e da União, expropriação das terras das multinacionais, extinção do Estatuto da Terra e criação de novas leis “com a participação dos trabalhadores e a partir da prática de luta dos mesmos”.

“Além disso, as ocupações de terras ociosas ou públicas foram consideradas como caminho para a realização da reforma agrária, dentro do lema: ‘Terra não se ganha, se conquista'” .

Essa proposta política radical do MST teve como contrapartida o surgimento, em junho de 1985, da UDR, entidade de direita que congregava os proprietários rurais — sobretudo os pecuaristas — e se propunha a defender com armas se preciso fosse a propriedade da terra contra as “invasões”. Segundo Regina Bruno, O MST e a UDR “têm em comum a questão do monopólio e do acesso à propriedade fundiária, a crítica às suas respectivas instâncias de representação sindical, ‘amarrados na burocracia e atrelados ao Ministério do Trabalho’, e a visão da inevitabilidade da violência como um dos meios para fazer prevalecer seus interesses”. Para nós, o importante a salientar é que MST de um lado e UDR de outro acabaram politizando a luta pela terra no Brasil, no sentido de que as várias instâncias do aparelho de Estado — executivo, legislativo, judiciário — não podiam mais ignorar a existência de uma questão agrária no Brasil, geradora de conflitos e violência no campo, não-resolvida até aquele momento. Por outro lado, o adesismo da CONTAG ao PNRA do governo Sarney e o fracasso deste Plano deram mais razão ainda às posturas e práticas do MST, descredenciando a CONTAG no que respeita ao encaminhamento da luta efetiva pela terra.

5) Uma última hipótese, para nós fundamental, é que a política neoliberal implantada no Brasil a partir do governo Collor, mas principalmente no governo Fernando Henrique Cardoso, ao mesmo tempo que não consegue nem desqualificar nem desmobilizar a luta pela terra encaminhada pelo MST, acaba contribuindo, muito a contragosto, para a expansão das bases sociais desse movimento. Ou seja, O MST não se coloca, na atual conjuntura política, na defensiva — ao contrário do que ocorre, por exemplo, com o movimento sindical — porque se alimenta dos efeitos sociais perversos produzidos pelo próprio neoliberalismo.

Explicando melhor: no momento atual, o objetivo dos trabalhadores aglutinados pelo MST é, acima de tudo, fugir do desemprego, do subemprego, ou mesmo da possibilidade de, num futuro próximo, tornar-se um desempregado.

Neste sentido, a luta pela terra coloca-se para esses trabalhadores como uma espécie de busca de um “porto seguro”, ou seja, como um meio capaz de garantir o sustento próprio e também o de suas famílias, longe da insegurança do emprego na cidade ou no campo.

À medida que aumentam a marginalização e a exclusão social que atingem em cheio as classes subalternas, aumentam as bases sociais do MST que repõe a essa população marginalizada o sonho do trabalho, da sobrevivência e da reprodução social.

Dessa maneira, poderíamos dizer que a força política do MST deriva, em grande parte, do desemprego gerado pela abertura da economia brasileira ao mercado internacional, da recessão e/ou do baixo crescimento econômico provocados pelos juros altos e pela busca a qualquer custo da estabilização monetária, da importação de maquinário computadorizado que atinge as indústrias de ponta da economia brasileira e que reduz drasticamente o estoque de empregos nesse setor, da própria mecanização das atividades agrícolas, fatores estes que se fizeram e se fazem presentes como nunca no cenário econômico desenhado pelo Plano Real e no cenário político neoliberal do governo FHC.

Claudinei Coletti

Bibliografia

Abramovay, Ricardo, “O mundo desencantado dos assentamentos”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Azevêdo, Fernando Antônio, As Ligas Camponesas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
Barbosa, Maria Valéria, “‘Reforma agrária’ em terras públicas: um projeto que deu certo?”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Bastos, Élide Rugai, As Ligas Camponesas. Petrópolis: Ed. Vozes, 1984.
Bergamasco, Sonia Maria P.P., “Assentaentos rurais: reorganização do espaço produtivo e processos de socialização, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Bruno, Regina, Senhores da Terra, Senhores da Guerra – a nova face da política das elites agroindustriais no Brasil. Rio de Janeiro: Forense niversitária?UFRRJ, 1997.
Bussinger, Vanda Valadão, “As marcas políticas de um programa de governo: o caso do Espírito Santo”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Coletti, Claudinei, A Estrutura Sindical no Campo: a propósito da organização dos assalariados rurais na regíão de Ribeirão Preto. Campinas (SP): Ed.da Unicamp, Centro de Memória-Unicamp, 1998.
Delgado, Guilherme da Costa, Capital Financeiro e Agricultura no Brasil: 1965-1985. São Paulo: Ícone Editora, Campinas: Editora da Unicamp, 1985.
D’Incao e Mello, Maria Conceição, O “Bóia-fria”: Acumulação e Miséria. Petrópolis: Ed. Vozes, 6ª edição, 1978 (1ª ed.: 1975).

D’Incao, Maria Conceição, Qual é a Questão do Bóia-fria. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.
______, “A Experiência dos Assentamentos: Contribuição ao Debate Político da Reforma Agrária”. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, nº 23. São Paulo (SP): Marco Zero – CEDEC, março-1991.
Esterci, Neide, “Sindicalismo e Luta por Terra”. Cadernos do CEDI-21-Sindicalismo no Campo – Reflexões, Balanços e Controvérsias. Rio de Janeiro: CEDI, 1991.
Fernandes, Bernardo Mançano, MST – formação e territorialização. São Paulo: Hucitec, 1996.
Ferrante, Vera Lúcia Botta, “Diretrizes políticas dos mediadores: reflexões de pesquisa”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994
Grzybowski, Cândido, “A Comissão Pastoral da Terra e os Colonos do Sul do Brasil”. In: PAIVA, Vanilda (org.), Igreja e Questão Agrária. São Paulo: Edições Loyola, 1985.
______, Caminhos e Descaminhos dos Movimentos Sociais no Campo. Petrópolis: Vozes, Rio de Janeiro: FASE, 1987.
Guanziroli, Carlos, “Reforma agrária: viabilidade economica no contexto de uma política agrícola em transformação”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Leite, Sérgio Pereira, “Por uma economia política da reforma agrária: custo de implantação e infra-estrutura nos assentamentos rurais paulistas (1984-1989), in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Leite, Sérgio Pereira, “Assentamentos rurais no Brasil: impactos, dimensões e significados”, in: Stédile, João Pedro (org.), A Reforma Agrária e a Luta do MST. Petrópolis (RJ): Vozes, 1997.
Martine, George, “A ‘Trajetória da Modernização Agrícola: A Quem Beneficia?”. Lua Nova – Revista de Cultura e Política, nº 23. São Paulo: Marco Zero, CEDEC, março-1991.
Martins, José de Souza, A Militarização da Questão Agrária no Brasil. Petrópolis: Ed. Vozes, 2ª edição, 1985, (1ª ed., 1984).
______, Os Camponeses e a Política no Brasil – As Lutas Sociais no Campo e seu Lugar no Processo Político. Petrópolis: Vozes, 4ª edição (1ª ed.: 1981).
______, “A questão agrária brasileira e o papel do MST”, in: Stédile, João Pedro (org.), A Reforma Agrária e a Luta do MST. Petrópolis (RJ): Vozes, 1997.
Medeiros, Leonilde Sérvolo de, A Questão da Reforma Agrária no Brasil – 1955-1964. Dissertação de mestrado. São Paulo: FFLCH – USP, 1982 (mimeo).
______, História dos Movimentos Sociais no Campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989.
______, “Impactos históricos do uso e da propriedade da terra no Brasil”, in: Stédile, João Pedro (org.), A Reforma Agrária e a Luta do MST. Petrópolis (RJ): Vozes, 1997.
Moraes, Maria Stela Marcondes, “Reassentamentos de atingidos pelas barragens da Bacia do Rio Uruguai, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Navarro, Zander, “Sete teses equivocadas sobre as lutas sociais no campo, o MST e a reforma agrária”, in: Stédile, João Pedro (org.), A Reforma Agrária e a Luta do MST. Petrópolis (RJ): Vozes, 1997.
Novicki, Victor de Araújo, “Governo Brizola, movimentos de ocupação de terras e assentamentos rurais no Rio de Janeiro (1983-1987), in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Palmeira, Moacir, “A Diversidade da Luta no Campo: Luta Camponesa e Diferenciação do Campesinato”. In: PAIVA, Vanilda (org.), Igreja e Questão Agrária. São Paulo: Edições Loyola, 1985.
______, “Burocracia, política e reforma agrária”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Pessoa, Jadir de Moraes, A Revanche Camponesa – cotidiano e história em assentamentos de Goiás. Tese doutorado. Campinas (SP): IFCH-Unicamp, 1997.
Prado Jr., Caio, A Revolução Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1966.
Sigaud, Lygia, “A Luta de Classes em Dois Atos: Notas Sobre um Ciclo de Greves Camponesas”. Anais do 11º Encontro do Projeto de Intercâmbio de Pesquisa Social em Agricultura – PIPSA. Botucatu (SP): Faculdade de Ciências Agronômicas – Departamento de Economia Rural – UNESP, 1986.
Silva, José Gomes da ,Caindo por Terra: Crises da Reforma Agrária na Nova República. São Paulo: Busca Vida, 1987.
Sorj, Bernardo, Estado e Classes Sociais na Agricultura Brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980.
______,”A Reforma Agrária em Tempos de Democracia e Globalização”. Novos Estudos Cebrap, nº 50, março-1998.
Stédile, João Pedro, “A luta pela reforma agrária e o MST”, in: A Reforma Agrária e a Luta do MST. Petrópolis (RJ): Vozes, 1997.
Torrens, João Carlos Sampaio, “O processo de construção das linhas políticas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem terra, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Zamberlam, Jurandir, “Reflexões sobre algumas estratégias para a viabilização econômica dos assentamentos”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.
Zimmermann, Neusa de Castro, “Os desafios da organização interna de um assentamento rural”, in: Medeiros, Leonilde et al. (orgs), Assentamentos Rurais: uma visão multidisciplinar, São Paulo: Ed.Unesp, 1994.

Fonte: www.unicamp.br

Movimento dos Sem Terra

OBJETIVOS DO MST

Movimento dos Sem Terra
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

O MST, construiu ao longo da sua história seis objetivos principais, alguns foram anexados ao longo de sua existência, outros existem desde que o movimento foi fundado em 1985.

Os objetivos são:

1- Construir uma sociedade sem exploradores e onde o trabalho tem supremacia sobre o capital.
2-
A terra é um bem de todos. E deve estar a serviço de toda a sociedade.
3-
Garantir trabalho a todos, com justa distribuição da terra, da renda e das riquezas.
4-
buscar permanentemente a justiça social e igualdade de direitos econômicos, políticos, sociais e culturais.
5-
Difundir os valores humanista e socialistas nas relações sociais.
6-
Combater todas as formas de discriminação social e buscar a participação igualitária da mulher.

Como podemos observar mais da metade dos objetivos, um, dois, três e seis, tem relação direta com o nome e a bandeira do movimento, os outros objetivos, quatro e cinco, são objetivos políticos de esquerda, que não contemplam a massa do movimento, mas principalmente a diretoria, que tem um nível intelectual maior.

Significado da bandeira do MST

A bandeira tornou-se símbolo do MST em 1987, durante o 4º Encontro Nacional.

Movimento dos Sem Terra
Bandeira do MST, símbolo desde 1987

O significado da bandeira:

Cor vermelha: representa o sangue que corre nas veias e a vontade de lutar pela Reforma Agrária e pelo socialismo
Cor branca:
representa a paz e justiça social pela qual o movimento luta.
Cor verde:
representa a esperança.
Cor preta:
representa o luto à todos os trabalhadores que morreram lutando por seus ideais.
Mapa do Brasil:
Representa a representabilidade nacional, e a luta que deve ser no país inteiro.
Trabalhador e trabalhadora:
representa a necessidade da luta ser feita por mulheres e homens.
Facão:
representa as ferramentas de trabalho, de luta e de resistência dos camponeses.

Fonte: intra.vila.com.br

Movimento dos Sem Terra

Movimento sem terra (MST)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, também conhecido pela sigla MST, é um movimento social brasileiro de inspiração marxista e do cristianismo progressista (teologia da libertação), cujo objetivo é a realização da reforma agrária no Brasil.

O MST reivindica os seu direitos pela reforma agrária.Com um grande numero de pessoas que se juntam para ocupar terras que não lhe pertencem para conseguirem mais rápido o que querem .

E em certos lugares dão certos como: Pará e Santa Catarina.Muitas pessoas que se juntam a esse movimento consegue uma qualidade de vida melhor.

A organização do MST não tem registro legal, e por isso não tem a obrigação de presta conta a nenhum órgão do governo.Há questionamento por parte da opinião pública brasileira que diz que o MST é um movimento social e não tem personalidade jurídica.

Sendo assim não pode receber recursos públicos sejam eles diretos ou indiretos.

O movimento é apoiado pelas organizações não governamentais e religiosas com o interesse de estimula a produção agrária ,e com a distribuição de renda em países em desenvolvimento.

O jeito mais utilizado pelos sem terra é a invasão de fazendas ,os grupos invadem as áreas previamente estudadas e montam acampamentos .Maia nem sempre as ocupações são para consegui assentamentos em algumas vezes a intenção é política e em muitas vezes as ocupações terminam em tragédias confrontos dos sem terra com seguranças armados , e com a policia e isso se ver muito em jornais noticias e alguns casos saem muitas pessoas feridas e até gente morta .Há dois casos muito famosos conhecidos como o massacre de Corumbá (RO) e Eldorado dos Carajás (PA).

Fonte: tecciencia.ufba.br

Movimento dos Sem Terra

Um histórico do MST

O Brasil vivia uma conjuntura de duras lutas pela abertura política, pelo fim da ditadura e de mobilizações operárias nas cidades. Como parte desse contexto, entre 20 e 22 de janeiro de 1984, foi realizado o 1º Encontro Nacional dos Sem Terra, em Cascavel, no Paraná. Ou seja, o Movimento não tem um dia de fundação, mas essa reunião marca o ponto de partida da sua construção.

A atividade reuniu 80 trabalhadores rurais que ajudavam a organizar ocupações de terra em 12 estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Bahia, Pará, Goiás, Rondônia, Acre e Roraima, além de representantes da Abra (Associação Brasileira de Reforma Agrária), da CUT (Central Única dos Trabalhadores), do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) e da Pastoral Operária de São Paulo.

Os participantes concluíram que a ocupação de terra era uma ferramenta fundamental e legítima das trabalhadoras e trabalhadores rurais em luta pela democratização da terra.

A partir desse encontro, os trabalhadores rurais saíram com a tarefa de construir um movimento orgânico, a nível nacional.

Os objetivos foram definidos: a luta pela terra, a luta pela Reforma Agrária e um novo modelo agrícola, e a luta por transformações na estrutura da sociedade brasileira e um projeto de desenvolvimento nacional com justiça social.

Em 1985, em meio ao clima da campanha “Diretas Já”, o MST realizou seu 1º Congresso Nacional, em Curitiba, no Paraná, cuja palavra de ordem era: “Ocupação é a única solução”. Neste mesmo ano, o governo de José Sarney aprovou o Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA), que tinha por objetivo dar aplicação rápida ao Estatuto da Terra e viabilizar a Reforma Agrária até o fim do mandato do presidente, assentando 1,4 milhão de famílias.

A proposta de Reforma Agrária ficou apenas no papel. O governo Sarney, pressionado pelos interesses do latifúndio, ao final de um mandato de cinco anos, assentou menos de 90 mil famílias sem-terra. Ou seja, apenas 6% das metas estabelecidas no PNRA foi cumprida por aquele governo.

Com a articulação para a Assembléia Constituinte, os ruralistas se organizam na criação da União Democrática Ruralista (UDR) e atuam em três frentes: o braço armado – incentivando a violência no campo -, a bancada ruralista no parlamento e a mídia como aliada.

Embora os ruralistas tenham imposto emendas na Constituição de 1988, que significaram um retrocesso em relação ao Estatuto da Terra, os movimentos sociais tiveram uma importante conquista. Os artigos 184 e 186 fazem referência à função social da terra e determinam que, quando ela for violada, a terra seja desapropriada para fins de Reforma Agrária. Esse foi também um período em que o MST reafirmou sua autonomia, definiu seus símbolos, bandeira e hino. Assim, foram se estruturando os diversos setores dentro do Movimento.

Anos 90

A eleição de Fernando Collor de Mello para a presidência da República, em 1989, representou um retrocesso na luta pela terra. Ele era declaradamente contra a Reforma Agrária e tinha ruralistas como seus aliados de governo. Foram tempos de repressão contra os Sem Terra, despejos violentos, assassinatos e prisões arbitrárias. Em 1990, ocorreu o II Congresso do MST, em Brasília, que continuou debatendo a organização interna, as ocupações e, principalmente, a expansão do Movimento em nível nacional.

A palavra de ordem era: “Ocupar, resistir, produzir”.

Em 1994, Fernando Henrique Cardoso vence as eleições com um projeto de governo neoliberal, principalmente para o campo. É o momento em que se prioriza novamente a agroexportação. Ou seja, em vez de incentivar a produção de alimentos, a política agrícola está voltada para atender aos interesses do mercado internacional e gerar os dólares necessários para pagar os juros da dívida pública.

O MST realizou seu 3º Congresso Nacional, em Brasília, em 1995, quando reafirmou que a luta no campo pela Reforma Agrária é fundamental, mas nunca terá uma vitória efetiva se não for disputada na cidade. Por isso, a palavra de ordem foi “Reforma Agrária, uma luta de todos”.

Já em 1997, o Movimento organizou a histórica “Marcha Nacional Por Emprego, Justiça e Reforma Agrária” com destino a Brasília, com data de chegada em 17 abril, um ano após o massacre de Eldorado dos Carajás, quando 19 Sem Terra foram brutamente assassinados pela polícia no Pará. Em agosto de 2000, o MST realiza seu 4º Congresso Nacional, em Brasília, cuja palavra de ordem foi “Por um Brasil sem latifúndio”.

Durante os oito anos de governo FHC, o Brasil sofreu com o aprofundamento do modelo econômico neoliberal, que provocou graves danos para quem vive no meio rural, fazendo crescer a pobreza, a desigualdade, o êxodo, a falta de trabalho e de terra.

A eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002, representou um momento de expectativa, com o avanço do povo brasileiro e uma derrota da classe dominante.

No entanto, essa vitória eleitoral não foi suficiente para gerar mudanças significativas na estrutura fundiária, no modelo agrícola e no modelo econômico.

Os integrantes do MST acreditam que as mudanças sociais e econômicas dependem, antes de qualquer coisa, das lutas sociais e da organização dos trabalhadores. Com isso, será possível a construção de um modelo de agricultura que priorize a produção de alimentos, a distribuição de renda e a construção de um projeto popular de desenvolvimento nacional.

Atualmente, o MST está organizado em 24 estados, onde há 130 mil famílias acampadas e 370 mil famílias assentadas. Hoje, completando 25 anos de existência, o Movimento continua a luta pela Reforma Agrária, organizando os pobres do campo. Também segue a luta pela construção de um projeto popular para o Brasil, baseado na justiça social e na dignidade humana, princípios definidos lá em 1984.

Antecedentes

O MST é fruto da história da concentração fundiária que marca o Brasil desde 1500. Por conta disso, aconteceram diversas formas de resistência como os Quilombos, Canudos, as Ligas Camponesas, as lutas de Trombas e Formoso, entre muitas outras. Em 1961, com a renúncia do então presidente Jânio Quadros, João Goulart – o Jango – assumiu o cargo com a proposta de mobilizar as massas trabalhadoras em torno das reformas de base, que alterariam as relações econômicas e sociais no país. Vivia-se um clima de efervescência, principalmente sobre a Reforma Agrária.

Com o golpe militar de 1964, as lutas populares sofrem violenta repressão.

Nesse mesmo ano, o presidente marechal Castelo Branco decretou a primeira Lei de Reforma Agrária no Brasil: o Estatuto da Terra. Elaborado com uma visão progressista com a proposta de mexer na estrutura fundiária, ele jamais foi implantado e se configurou como um instrumento estratégico para controlar as lutas sociais e desarticular os conflitos por terra.

As poucas desapropriações serviram apenas para diminuir os conflitos ou realizar projetos de colonização, principalmente na região amazônica. De 1965 a 1981, foram realizadas oito desapropriações em média, por ano, apesar de terem ocorrido pelo menos 70 conflitos por terra anualmente.

Nos anos da ditadura, apesar das organizações que representavam as trabalhadoras e trabalhadores rurais serem perseguidas, a luta pela terra continuou crescendo. Foi quando começaram a ser organizadas as primeiras ocupações de terra, não como um movimento organizado, mas sob influência principal da ala progressista da Igreja Católica, que resistia à ditadura.

Foi esse o contexto que levou ao surgimento da Comissão Pastoral da Terra (CPT), em 1975, que contribuiu na reorganização das lutas camponesas, deixando de lado o viés messiânico, propondo para o camponês se organizar para resolver seus problemas. Além disso, a CPT teve vocação ecumênica, aglutinando várias igrejas. Por isso, o MST surgiu do trabalho pastoral das igrejas católica e luterana.

Reforma agrária e desenvolvimento

Todos os países considerados desenvolvidos atualmente fizeram reforma agrária. Em geral, por iniciativa das classes dominantes industriais, que perceberam que a distribuição de terras garantia renda aos camponeses pobres, que poderiam se transformar em consumidores de seus produtos. As primeiras reformas agrárias aconteceram nos Estados Unidos, a partir de 1862, e depois em toda a Europa ocidental, até a 1ª Guerra Mundial. No período entre guerras, foram realizadas reformas agrárias em todos os países da Europa oriental. Depois da 2ª Guerra Mundial, Coréia, Japão e as Filipinas também passaram por processos de democratização do acesso a terra.

A reforma agrária distribuiu terra, renda e trabalho, o que formou um mercado nacional nesses países, criando condições para o salto do desenvolvimento. No final do século 19, a economia dos Estados Unidos era do mesmo tamanho que a do Brasil. Em 50 anos, depois da reforma agrária, houve um salto na indústria, qualidade de vida e poder de compra do povo.

Depois de 500 anos de lutas do povo brasileiro e 25 anos de existência do MST, a Reforma Agrária não foi realizada no Brasil. Os latifundiários, agora em parceria com as empresas transnacionais e com o mercado financeiro – formando a classe dominante no campo – usam o controle do Estado para impedir o cumprimento da lei e manter a concentração da terra. O MST defende um programa de desenvolvimento para o Brasil, que priorize a solução dos problemas do povo, por meio da distribuição da terra, criação de empregos, geração de renda, acesso a educação e saúde e produção e fornecimento de alimentos.

Fonte: www.mst.org.br

Movimento dos Sem Terra

MST, no Brasil

Na década de 70, durante o regime militar autoritário, o Brasil passa por transformações que tende a afetar a situação, já caótica, das populações pobres do campo.

A agricultura absorve novas tecnologias, moderniza. Essa modernização requer uma capacidade de investimentos além das possibilidades da maioria dos agricultores brasileiros. Isto provoca uma involuntária expulsão dos camponeses pobres da área rural e a uma concentração de terras em mãos de uma minoria.

Alijados do campo, essa massa pobre tende a migrar para as cidades ampliando a demanda por serviços sociais de toda a ordem. Nesse contexto, surgem movimentos diversos de reivindicação tanto no meio urbano, quanto no rural.

Movimento dos Sem Terra
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

O Movimento dos Agricultores Sem-Terra (MST), é um desses movimentos.

O MST, surgiu na região sul do Brasil, com o objetivo de lutar pela reforma agrária; por uma política agrícola voltada para o pequeno produtor e por uma sociedade mais igualitária.

Exige a expropriação dos latifúndios improdutivos e das terras controladas pelas multinacionais e defende uma autonomia das terras indígenas ameaçadas pelos grandes latifundiários:

“Visa, ainda, a democratização da água nas áreas de irrigação no Nordeste, assegurando a manutenção dos agricultores na própria região. Além dessas propostas, o MST luta pela punição de assassinos de trabalhadores rurais e defende a cobrança do pagamento do Imposto Territorial Rural (ITR), com a destinação desse tributo à reforma agrária.”

A estratégia de luta desse grupo é a invasão e ocupação de propriedades rurais consideradas, dentro de seus critérios, terras improdutivas. Faz parte de sua estratégia politizar e conscientizar seus militantes. Para tanto mantém escolas nos acampamentos e assentamentos para atendimento dos grupos atuantes.

Em praticamente todos os Estados brasileiros existem grupos militantes do MST e estes se organizam em cooperativas de produção.

Grande parte dos assentamentos tem produzido resultados satisfatórios com elevação de renda das famílias assentadas, mas existem também vícios que precisam ser combatidos dentro e pelo próprio movimento.

Há grupos de trabalhadores rurais que se tornaram profissionais em ocupações de terras e não se interessam pelo trabalho agrícola. Recebem terras do governo e, repassam, alugando-as para outras famílias de sem terras, o que é proibido.

Fonte: www.eduquenet.net

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+