Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Cronologia da História do Brasil  Voltar

Cronologia da História do Brasil

 

Síntese e Períodos Cronológicos

Portugal surge como reino independente.

Seu primeiro rei é Afonso Henriques.

Descobrimentos

1389: Tem início a dinastia de Avis, com D. João I, iniciando-se a história da expansão marítima portuguesa.
1415:
Os portugueses conquistaram a cidade norte-africana de Ceuta. Este é o marco inaugural da expansão marítima.
1453:
Tomada de Constantinopla pelos turcos. Este é o início da Idade Moderna. O comércio no Mediterrâneo sofre bloqueio turco. O episódio dá novo impulso à necessidade de se procurar novo caminho para as Índias.
1488:
O navegador Bartolomeu Dias dobra o Cabo da Boa Esperança.
1492:
Cristóvão Colombo, navegando a serviço da Espanha, descobre a América.
1494:
Espanha e Portugal assinam o Tratado de Tordesilhas.
1498:
Vasco da Gama atinge Calicute, na Índia, contornando a costa africana.
1499:
Os irmãos Pinzón percorrem a costa das Guianas e do Brasil, até a altura do rio Amazonas.

Brasil Colônia

1500: Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil, tomando posse da terra em nome da Coroa Portuguesa.
1509:
Diogo Álvares Correia (O Caramuru) funda o primeiro estabelecimento português no Brasil.
1530
: Expedição colonizadora de Martim Afonso ao Brasil.
1532:
Fundação, por Martim Afonso, da primeira vila do Brasil, a Vila de São Vicente.
1534:
O Brasil é dividido em capitanias hereditárias. Início da colonização sistemática.
1548:
Cria-se o governo-geral com o intuito de centralizar a administração da Colônia.
1550:
Chega a Salvador a primeira leva de escravos africanos.
1555:
Os franceses fundam a França Antártida, no Rio de Janeiro.
1556:
Proibição oficial da Coroa espanhola quanto ao emprego das palavras "conquista" e "conquistador".
1567:
Os franceses são expulsos do Rio de Janeiro.
1570:
Carta régia de D. Sebastião garantindo a liberdade dos índios. Mas as leis não são suficientes para conter os ataques e violências contra os índios.
1571
: D. Sebastião decreta que somente navios portugueses transportem mercadorias para o Brasil.
1580:
Início do domínio espanhol, também chamado União Ibérica. Prolonga-se até 1640.
1612:
Os franceses invadem o Maranhão e fundam a França Equinocial.
1615:
Os franceses são expulsos do Maranhão.
1624:
Os holandeses invadem a capital da Colônia, Salvador.
1625:
Os holandeses são expulsos da Bahia.
1630:
Os holandeses iniciam a invasão de Pernambuco. Só serão expulsos em 1654.
1635:
É liqüidada a resistência luso-brasileira comandada por Matias de Albuquerque.
1637:
Maurício de Nassau chega ao Brasil e inicia sua habilidosa administração. D. João IV restaura o trono português pondo fim ao domínio espanhol.
1644:
Desentendendo-se com a Companhia das Índias Ocidentais, Maurício de Nassau deixa o cargo de governador.
1648:
Vitória dos luso-brasileiros contra os holandeses na primeira batalha dos Guararapes ( a segunda foi em 1649).
1654:
Os holandeses assinam sua rendição na Campina da Taborda.
1661:
Os holandeses reconhecem oficialmente a perda do nordeste brasileiro e assinam o tratado de paz de Haia.
1674:
Bandeira de Fernão Dias Pais Leme parte em direção ao sertão de Minas Gerais.
1684:
Explode, no Maranhão, a Revolta liderada pelo senhor de engenho Manuel Beckman.
1690 a 1695:
São encontradas as primeiras jazidas de ouro no Brasil.
1694:
O bandeirante Domingos Jorge Velho (sertanismo de contrato) destrói o quilombo dos Palmares.
1701:
É proibida a criação de gado numa faixa de dez léguas a partia do litoral.
1702:
É criada a Intendência das Minas, tendo como função básica distribuir terras para a exploração do ouro e cobrar tributos para a Fazenda Real.
1703:
Portugal e Inglaterra assinam o Tratado de Methuen (Tratado dos Panos e Vinhos), que teve importante repercussão na vida econômica portuguesa.
1708:
Tem início a Guerra dos Emboabas.
1710:
Explode a Guerra dos Mascates, conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes de Recife.
1713:
Tratado de Utrecht (a França aceitava o rio Oiapoque como limite entre a Guiana e o Brasil).
1715:
Tratado de Utrecht ( a Espanha concordava em devolver a Colônia do Sacramento a Portugal).
1720:
São criadas as Casas de Fundição, onde todo o ouro deveria ser levado para a transformação em barras. Ao receber o ouro, as Casas retiravam a parte correspondente ao imposto (quinto). Nesse mesmo ano, explode a Revolta de Vila Rica, em protesto contra a criação das Casas de Fundição.
1729:
Tem início a produção de diamantes no arraial do Tijuco, atual cidade de Diamantina, em Minas Gerais.
1750:
É determinado que o resultado do quinto não poderia ser menor do que 100 arrobas de ouro por ano. Tratado de Madri estabelece a posse portuguesa além da linha de Tordesilhas. Além disso, determinava que a Colônia do Sacramento pertencia aos espanhóis, e a região dos Sete Povos das Missões pertencia aos portugueses.
1759:
Expulsão dos jesuítas do Brasil, por determinação do marquês do Pombal.
1761:
Acordo do Pardo (Espanha e Portugal anulam o Tratado de Madri).
1763:
A capital do Estado do Brasil é transferida de Salvador para o Rio de Janeiro.
1765:
Foi decretada a Derrama, pela qual obrigava-se a população mineradora a completar a soma acumulada do imposto devido.
1771:
Começa a funcionar a enérgica atuação da Intendência dos Diamantes.
1777:
Tratado de Santo Ildefonso (a Espanha ficaria com a Colônia do Sacramento e a região dos Sete Povos das Missões, mas devolveria terras que havia ocupado nos atuais estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul).
1789:
Organiza-se a Conjuração Mineira, que teve como desfecho a condenação à morte de Tiradentes (21 de abril de 1792).
1798:
Prepara-se a Conjuração Baiana, que contou com significativa participação das camadas populares. Esta rebelião teve como desfecho a pena de morte aplicada a João de Deus, Manuel Faustino, Lucas Dantas e Luís Gonzaga das Virgens (8 de novembro de 1799).
1801:
Tratado de Badajós (a Espanha renuncia à posse dos Sete Povos das Missões, e Portugal confirma o direito espanhol à Colônia do Sacramento).
1806
: Napoleão Bonaparte decreta o Bloqueio Continental contra a Inglaterra.
1807:
Recusando-se a aderir ao Bloqueio Continental, Portugal é invadido por tropas franco-espanholas. Em novembro desse ano, a família real abandona o território português, transferindo a sede do reino para o Brasil.
1808:
D. João chega ao Brasil. Pressionado pela Inglaterra, assina o decreto da abertura dos portos, rompendo com o monopólio do comércio colonial.
1810:
Portugal e Inglaterra assinam um tratado de comércio, que fixa em 15% a taxa alfandegária (ad valorem) sobre produtos ingleses vendidos para o Brasil. Os demais países pagavam 24%, e Portugal 16%.
1815:
Elevação do Brasil à categoria de Reino Unido à Portugal e Algarves.
1817:
Explode a Revolução Pernambucana, tendo como ideal a proclamação da república e a elaboração de uma Constituição liberal. Os revoltosos ocupam o poder, por pouco tempo. A revolução foi violentamente reprimida
1820:
Eclode em Portugal a Revolução do Porto, liderada pela burguesia lusitana. Os revoltosos exigem a volta de D. João VI ao país.
1821
: D. João VI é obrigado a deixar o Brasil, depois de tê-lo governado por mais de 12 anos. Em seu lugar fica o príncipe regente D. Pedro.
1822:
No dia 7 de setembro, D. Pedro proclama a independência do Brasil. Inicia-se o período monárquico, que durou 67 anos.

Brasil Império

1823: Instala-se, no dia 3 de maio, a Assembléia Constituinte encarregada de elaborar a primeira Constituição do Brasil. Criando um sistema eleitoral baseado na renda em farinha de mandioca, o anteprojeto ficou conhecido como a Constituição da Mandioca. Em novembro, D. Pedro I dissolve a Assembléia.
1824:
É outorgada no dia 25 de março, por decreto imperial, a primeira Constituição do país. No dia 25 de julho, explode a Confederação do Equador.
1825:
Os revolucionários cisplatinos assumem o controle militar da província Cisplatina.
1826:
Morre, em Portugal, D. João VI. Aberta a sucessão do trono, D. Pedro I torna-se o legítimo pretendente, mas abdica seu direito em favor de sua filha D. Maria da Glória.
1828:
É assinado um tratado de paz entre Brasil e Argentina, pelo qual ambos os países aceitavam a fundação de República Oriental do Uruguai.
1831:
D. Pedro I abdica o trono brasileiro em favor de seu filho Pedro de Alcântara. A Regência Trina Provisória assume o poder até junho desse ano. A partir dessa data, o governo é transferido para a Regência Trina Permanente. O período regencial vai até 1840.
1832:
O ministro da Justiça, padre Feijó, renuncia ao cargo.
1834:
D. Pedro I morre em Portugal. É aprovado o Ato Adicional, introduzindo modificações na Constituição do império.
1835:
Início da Regência Una do padre Feijó. No Pará, explode a Cabanagem; no sul, a Farroupilha.
1837:
O Regente Feijó renuncia ao cargo. Tem início a Regência Una de Araújo Lima. Na Bahia, explode a Sabinada.
1838:
A Balaiada tem início, no Maranhão.
1840:
Termina o Período Regencial, com a decretação da maioridade de D. Pedro II. Início do Segundo Reinado. É aprovada a lei interpretativa do Ato Adicional, limitando a autonomia das províncias.
1842:
Revolta dos liberais em São Paulo e Minas Gerais.
1847:
É criado o cargo de presidente do Conselho de Ministros. Introdução dos primeiros imigrantes na fazenda de café Ibicaba, em São Paulo.
1848:
Explode a Revolução Praieira, a última grande revolta liberal do império.
1850:
É extinto o tráfico de escravos no Brasil.
1854:
Inauguração da primeira estrada de ferro do Brasil.
1865:
Início da Guerra do Paraguai.
1870:
Fim da Guerra do Paraguai. É publicado o Manifesto Republicano, no Rio de Janeiro.
1873:
É fundado o Partido Republicano Paulista, na Convenção de Itu, em São Paulo.
1888:
É promulgada a Lei Áurea, declarando extinta a escravidão no Brasil.
1889:
Fim do império. Proclamação da república.

Brasil República

1889: Instalação do governo provisório da república.
1891:
É promulgada a primeira Constituição da República. Deodoro da Fonseca é eleito, pelo Congresso Nacional, presidente da república. Em novembro desse ano, renuncia ao cargo e Floriano Peixoto assume o poder.
1892:
Manifesto dos Treze Generais, exigindo a convocação de novas eleições presidenciais. Primeira Revolta da Armada.
1893:
Explode a Segunda Revolta da Armada, liderada pelo almirante Custódio José de Melo. Tem início a Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul.
1894:
Tem início o governo de Prudente de Morais. Antônio Conselheiro começa a organizar o arraial de Canudos.
1897:
O arraial de Canudos é destruído por tropas federais.
1898:
Têm início o governo de Campos Salles e a montagem da política dos governadores.
1903:
O Acre é incorporado ao Brasil, pelo Tratado de Petrópolis, encerrando-se disputas com a Bolívia.
1904:
Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro.
1906:
O Convênio de Taubaté propõe soluções para a crise de superprodução do café. Os governos estaduais deveriam comprar e estocar a produção excedente.
1910:
Revolta da Chibata, no Rio de Janeiro.
1912:
Início da Guerra do Contestado, movimento messiânico.
1914:
Início da Primeira Guerra Mundial, que se prolonga até 1918. Nesse período, o processo industrial brasileiro recebe grande impulso.
1916:
Fim da Guerra do Contestado.
1920:
Cresce o descontentamento social contra o tradicional sistema oligárquico que dominava o país.
1922:
Revolta do Forte de Copacabana (Os 18 do Forte), sendo a primeira revolta do movimento tenentista. Desenvolve-se em São Paulo a Semana de Arte Moderna.
1924:
Eclode em São Paulo outra revolta tenentista contra o governo federal. Tem início a Coluna Prestes.
1929:
O mundo ocidental é abalado por uma grave crise econômica, refletida no Brasil pela violenta queda dos preços do café. Formação da Aliança Liberal (Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraíba).
1930:
Estoura no Rio Grande do Sul a Revolução de 1930, que forçou a deposição de Washington Luís, dando um fim à República Velha. Instala-se o governo revolucionário de Getúlio Vargas.
1932:
Eclode a Revolução Constitucionalista. Fundação do Integralismo (AIB).
1933:
Realizam-se eleições para a escolha dos membros da Assembléia Nacional Constituinte.
1934:
É promulgada a segunda Constituição da República.
1935:
O governo decreta o fechamento da Aliança Nacional Libertadora. Eclodem rebeliões militares em batalhões do Rio Grande do Norte, de Pernambuco e do Rio de Janeiro (Intentona Comunista).
1937:
Tem início o Estado novo. Uma nova Constituição é imposta ao país.
1939:
Início da Segunda Guerra Mundial.
1941:
Fundação da Companhia Siderúrgica Nacional, marco do desenvolvimento industrial brasileiro.
1942:
O Brasil declara guerra às potências do Eixo.
1944:
A FEB (Força Expedicionária Brasileira) vai para a Itália.
1945:
As Forças Armadas obrigam à renúncia de Getúlio Vargas. Fim da Segunda Guerra Mundial. Início da Guerra Fria: EUA ´ URSS
1946:
É promulgada a quarta Constituição da República. Início do governo Dutra.
1947:
O governo Dutra decreta a extinção do Partido Comunista.
1951:
Getúlio Vargas, por eleições populares, retorna à presidência da república.
1953:
O governo Vargas cria a PETROBRÁS.
1954:
O governo concede aumento de 100% aos assalariados. Em 24 de agosto, Vargas suicida-se.
1955:
Juscelino Kubitschec é eleito presidente da República.
1956:
O governo de Juscelino, com base em seu Plano de Metas, empreende diversas realizações desenvolvimentistas.
1960:
Inauguração de Brasília. Jânio Quadros é eleito presidente da república.
1961:
Jânio Quadros realiza um curto período de governo. Renuncia à presidência em 25 de agosto de 1961. O vice-presidente João Goulart assume sob o sistema parlamentarista.
1963:
Um plebiscito popular revela a preferência dos brasileiros pela volta do sistema presidencialista.
1964:
Um golpe militar derruba João Goulart da presidência da república. O marechal Castelo Branco assume a presidência da república em nome do movimento militar que depôs João Goulart.
1965:
Extinguem-se todos os partidos políticos, instituindo-se o bipartidarismo (ARENA e MDB).
1967:
É promulgada uma Nova Constituição Federal. Costa e Silva assume a presidência da república.
1968:
É editado o Ato Institucional nº 5.
1969:
Em razão da doença de Costa e Silva, uma Junta Militar assume o poder, impedindo a posse do vice-presidente Pedro Aleixo. A Junta Militar entrega o poder ao general Médici.
1973:
O país vive o período do "milagre brasileiro".
1974:
Início do governo do general Geisel.
1979:
início do governo do general João Figueiredo. Promove-se a abertura política.
1982:
Em 15 de novembro realizam-se em todo o país eleições diretas para governador de estado.
1983:
A crise econômica do país agrava as tensões populares. Diversos supermercados são saqueados.
1985:
Fim do regime militar. Tancredo é eleito presidente, mas falece antes de tomar posse. Início do governo de Sarney.
1986:
Plano Cruzado I e II.
1988:
Promulgação da oitava Constituição do Brasil (5 de outubro).
1989:
É realizada a primeira eleição direta para presidente da república em quase 30 anos.
1990:
Posse do presidente eleito, Fernando Collor de Mello. Plano Collor I.
1991:
Plano Collor II.
1992:
Impeachment do preisdente Collor. O vice Itamar Franco assume a presidência da república.
1994:
Plano Real derruba e controla a inflação.
1995: Fernando Henrique Cardoso do PSDB toma posse como presidente da República. Fica no poder por dois mandatos.
1998: Fernando Henrique é reeleito presidente.
2002: Lula do Partido dos Trabalhadores é eleito presidente do Brasil.
2006: Lula é reeleito presidente da República.
2010: Dilma Rousseff do PT é eleita para presidente do Brasil.

Fonte: members.tripod.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal