Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Governo Campos Sales  Voltar

Governo Campos Sales

 

Governo Campos Sales - Vida

1841 - 1913

Manuel Ferraz de Campos Salles nasceu no dia 13 de fevereiro de 1841, em Campinas, São Paulo.

Em 1872 já era um dos grandes líderes da facção paulista republicana. Na convenção republicana de Itu, realizada em 1873, defendeu a indenização dos proprietários de escravos na questão do abolicionismo, representando uma segurança para os senhores aristocratas.

Em 1884 era deputado pelo partido em São Paulo e tomava uma atitude de neutralidade sem apoiar liberais nem conservadores.

Seu próximo cargo político foi o de Ministro da Justiça no governo de Deodoro da Fonseca.

Governo Campos Sales
Campos Sales

Eleito em 1898 para a presidência da república, Campos Salles se dedicou basicamente aos problemas de ordem econômica, que não eram poucos num país que se encontrava falido após sucessivas revoltas dentro do seu território.

Em viagem para a Europa negociou o funding-loan, tratado assinado com banqueiros ingleses que marcou o início da sua política deflacionária. Com o objetivo de controlar a oposição, instalou a chamada Política dos Governadores que era um acordo entre governo e as principais oligarquias. As dissidências praticamente isoladas do poder político se tornaram cada vez mais radicais e passaram a representar uma forte oposição.

Ao fim de seu governo, Campos Salles ganhou uma enorme impopularidade, pois mesmo tendo melhorado a situação do tesouro, empobrecera ainda mais as camadas populares. Vaiado e apedrejado em sua saída do Catete, deixou um ambiente de tensão para o seu sucessor Rodrigues Alves.

Campos Salles chegou a ser cogitado para reeleição em 1906, mas desistiu apesar de seu desejo de reparar as vaias recebidas ao deixar ao governo.

Campos Salles morreu na cidade de Santos, São Paulo, no dia 28 de junho de 1913.

Governo Campos Sales - Biografia

Governo Campos Sales
Campos Sales

Campos Sales foi o presidente que montou a estrutura política que garantiu por muitos anos o controle do país pelos cafeicultores paulistas.

Esse período da história, que durou até 1930, ficou conhecido como "República dos Fazendeiros".

Foi chamada também de "República Café-com-Leite", devido ao rodízio entre mineiros e paulistas na presidência da República.

Manuel Ferraz de Campos Sales nasceu na cidade de Campinas (SP), em 15 de fevereiro de 1841. Sua família, rica e influente, era proprietária de muitas fazendas de café. De todos os irmãos, foi o mais aplicado nos estudos. Os professores diziam que tinha futuro. Aos 15 anos, o jovem "Maneco", como era carinhosamente chamado em casa, foi para São Paulo. Aprendeu várias línguas e cursou a Faculdade de Direito de São Paulo, onde se destacou como grande orador. Em 1863, se formou advogado com notas máximas nos exames.

Depois de terminar a faculdade, Campos Sales voltou para Campinas e se casou com sua prima Ana Gabriela, no dia 8 de junho de 1865. O casal teve 10 filhos.

Em 1867, ele se filiou ao Partido Liberal e foi eleito deputado em São Paulo. Em 1870, entrou para o Partido Republicano e se tornou um dos grandes líderes do partido. Na Convenção de Itu, realizada em 1873, representou os interesses dos fazendeiros e defendeu a indenização dos proprietários de escravos na questão do abolicionismo.

Campos Sales foi eleito senador por São Paulo à Assembléia Nacional Constituinte (1890-1891) e escolhido como Ministro da Justiça do Governo Provisório de Deodoro da Fonseca. Morou na Europa, nos anos de 1892 e 1893. Nesse período, escreveu as "Cartas da Europa", publicadas no jornal Correio Paulistano.

Voltou ao Brasil e foi eleito Presidente da Província de São Paulo. Governou de 1894 a 1898. Por meio de eleição direta, passou a exercer a presidência da República, em 15 de novembro de 1898.

Na presidência do Brasil, ele foi um político habilidoso.

Criou a chamada "política dos governadores": uma troca de apoio entre os governadores dos estados e o presidente. Campos Sales ajudava a eleger os deputados indicados pelo governadores e os deputados apoiavam o presidente no Congresso. A estratégia funcionava através da manipulação das eleições. Os poderosos em cada estado, grandes fazendeiros chamados de "coronéis", escolhiam os candidatos para os cargos políticos. Como nas eleições o voto era aberto e não secreto, os "coronéis" negociavam favores em troca de votos. Ou até mesmo forçavam o eleitor a votar no candidato indicado por ele. Era o chamado "voto de cabresto". O esquema permitiu que um pequeno grupo de pessoas ricas e influentes controlassem o poder no Brasil. Por isso, também chamamos esse período de oligárquico, que significa governado por poucos.

Para garantir total apoio no Congresso, Campos Sales criou a Comissão de Verificação. Depois das eleições, os candidatos eleitos ainda deviam ser diplomados pela Comissão para poderem assumir os cargos. Os deputados favoráveis ao presidente tomavam posse, os contrários eram impedidos, sofriam a chamada "degola".

Preocupado com a saúde pública, o presidente criou o Instituto de Manguinhos, voltado, entre outras atribuições, para a fabricação de vacinas contra a peste bubônica.

Na área da economia, Campos Sales e o Ministro da Fazenda, Joaquim Murtinho, colocaram em prática um plano para estabilizar as finanças e reduzir a inflação.

O presidente fechou um acordo com os banqueiros ingleses, chamado de "funding-loan", que estabeleceu um novo empréstimo ao Brasil e um prazo maior para pagar as dívidas em atraso.

Cortou gastos e criou um novo imposto: um selo que deveria ser colocado nas mercadorias em circulação. A chamada "Lei do Selo" causou aumento nos preços dos alimentos e tornou Campos Sales bastante impopular. Ganhou nas ruas o apelido de "Campos Selos".

Quando deixou o governo, Campos Sales foi vaiado desde a saída do Palácio do Catete, sede do governo federal no Rio de Janeiro, até a estação, onde pegou o trem que o levou de volta para São Paulo. Ele continuou a carreira política como senador por São Paulo e assumiu o cargo de embaixador do Brasil na Argentina, em 1912.

Campos Sales sempre foi um homem vaidoso, se vestia com elegância e freqüentava os salões de barbearia para manter aparado o bigode e o cavanhaque.

Também mantinha alguns hábitos simples. Na época da presidência, gostava de passar as horas de folga andando de bicicleta com a família pela Praia do Flamengo e não usava a carruagem oficial para ir à cidade.

Morreu na cidade de Santos, estado de São Paulo, em 28 de junho de 1913.

Governo Campos Sales - Presidente

Governo Campos Sales
Campos Sales

4°presidente da República.

Período de 1898 a 1902.

Paulista.

Deu inicio à Política dos Governadores.

Principal acontecimento foi a negociação da dívida brasileira em 1898 com os banqueiros credores: o funding-loan.

Consistia basicamente na suspensão do pagamento da dívida por três anos, mais o empréstimo de dez milhões de libras esterlinas que seria reincorporado à dívida principal em dez anos, o que na realidade significaria a suspensão do pagamento da dívida por treze anos, e o compromisso brasileiro de não contrair novos empréstimos e reduzir parte do papel-moeda em circulação.

Ministro da Fazenda era Joaquim Murtinho deu inicio a uma política financeira deflacionista valorizador da moeda através do congelamento de salários, aumento de impostos. As conseqüências foram a redução do poder aquisitivo da população, o desemprego e falências dos açucareiros do nordeste.

A elite foi beneficiada, uma vez que possibilitou a manutenção do padrão e margem de ganho, transferindo para a população assalariada os prejuízos da economia: a socialização das perdas.

Política externa: a Questão do Amapá, conflito diplomático entre o Brasil e a Guiana Francesa. A questão foi favorável ao Brasil.

Governo Campos Sales - Crise

Governo Campos Sales
Campos Sales

Advogado, nascido na cidade de Campinas, estado de São Paulo, em 15 de fevereiro de 1841.

Foi presidente da comissão central do Partido Republicano de São Paulo (1889), tendo sido deputado provincial por essa legenda (1882-1883 e 1888-1889). Foi ministro da Justiça do governo provisório (1889-1891) e senador por São Paulo à Assembléia Nacional Constituinte (1890-1891).

Residindo na Europa (1892-1893), atuou como colaborador do Correio Paulistano.

Governou o estado de São Paulo (1894-1898). Por meio de eleição direta, passou a exercer a presidência da República em 15 de novembro de 1898.

Foi novamente senador por São Paulo (1909-1912), e assumiu o cargo de ministro plenipotenciário do Brasil na Argentina (1912).

Faleceu na cidade de Santos, estado de São Paulo, em 28 de junho de 1913.

Período presidencial

A eleição de Campos Sales expressou o triunfo da oligarquia cafeeira paulista, diante do esfacelamento da atividade política dos militares "jacobinos", envolvidos na tentativa de assassinato do presidente Prudente de Morais. Campos Sales concebeu a chamada "política dos governadores", que consistia em apoiar os grupos dominantes aliados ao governo federal em cada estado.

Esse apoio estava condicionado à garantia de eleição, para o Congresso, de candidatos que defendessem o governo central, no que se refere às políticas nacionais, visto que Campos Sales instituiu a Comissão de Verificação pela qual os grupos politicamente dominantes validavam ou não o resultado de uma eleição.

A crise financeira foi enfrentada, momentaneamente, mediante a obtenção em Londres de um novo empréstimo, o funding loan - empréstimo para consolidar uma dívida. Esse acordo financeiro suspendeu temporariamente a cobrança de juros dos empréstimos anteriores, possibilitando que os recursos provenientes do novo empréstimo fossem utilizados para a criação de condições materiais para saldar seu débito.

Campos Sales criou o Instituto de Manguinhos, voltado, entre outras atribuições, para a fabricação de vacinas contra a peste bulbônica. O Brasil contava, em 1900, com 17.318.554 habitantes, dos quais 64% viviam no campo.

Resumo

Nome completo: Manuel Ferraz de Campos Sales
Primeira-dama:
Ana Gabriela de Campos Sales
Nascimento:
Campinas - 15 de fevereiro de 1841
Profissão: Advogado
Período de Governo: 15.11.1898 a 15.11.1902 (04a)
Idade ao assumir: 57 anos
Partido Político:
PRP
Tipo de eleição:
direta
Votos recebidos: 420.286 (quatrocentos e vinte mil duzentos e oitenta e seis)
Posse: em 15.11.1898, em sessão solene do Congresso Nacional, presidida pelo Senhor Manoel de Queirós Matoso Ribeiro
Data da Morte:
28 de junho de 1913
Local da Morte:
Santos (SP)

Mandato de Campos Sales

Início do mandato: 15 de novembro de 1898
Fim do mandato: 15 de novembro de 1902
Tempo de Mandato: 4 anos
Vice-Presidente: Francisco de Assis Rosa e Silva
Precedido por: Prudente de Morais
Sucedido por: Rodrigues Alves

Governo Campos Sales - Presidente

Governo Campos Sales
Campos Sales

Governo Campos Sales (1898/1902)

No governo Campos Sales foi firmado um pacto de poder chamado de Política dos Governadores.

Baseava-se num compromisso político entre o governo federal e as oligarquias que governavam os estados tendo por objetivo acabar com a constante instabilidade que caracterizava o sistema político federativo.

A Política dos Governadores estabelecia que os grupos políticos que governavam os estados dariam irrestrito apoio ao presidente da República, em contrapartida o governo federal só reconheceria a vitória nas eleições dos candidatos pertencentes aos grupos que o apoiavam.

O governo federal firmava acordos com os grupos políticos que já detinham o poder, e a partir daí diplomava somente os candidatos da situação garantindo-se, desse modo, a perpetuação desses grupos no governo. Com poucas ou nenhuma chance de chegar ao poder por via eleitoral restava aos grupos da oposição juntarem-se aos grupos políticos da situação.

Essa aliança reforçou o poder das elites agrárias mais influentes do país. Os estados mais ricos da federação (SP e MG) dispunham das mais prósperas economias devido a produção em larga escala do principal produto de exportação brasileiro, o café. As oligarquias desses estados conquistaram influência nacional e governaram de acordo com seus interesses.

Funding Loan

O enfrentamento da crise econômica foi o alvo principal das medidas do governo de Campos Sales. Começou com a renegociação da dívida externa do país, com os credores ingleses. Os banqueiros europeus, principalmente os britânicos, fizeram um novo acordo financeiro com o Brasil chamado de funding loan.

Por esse acordo, os banqueiros fizeram um vultoso empréstimo de cerca de 10 milhões de libras ao Brasil e aceitaram uma moratória, isto é, a suspensão temporária do pagamento dos juros e da dívida externa. Como garantia do acordo, os banqueiros fizeram algumas exigências ao governo brasileiro, que as aceitou.

Essas garantias determinavam que, se o acordo não fosse honrado pelo governo brasileiro, os credores ingleses tinham direito a toda a renda das alfândegas do Rio de Janeiro e de outros Estados caso fosse necessário, às receitas da Estrada de Ferro Central do Brasil e do serviço de abastecimento de água do Rio de Janeiro.

Governo Campos Sales - História

Governo Campos Sales
Campos Sales

Manuel Ferraz de Campos Sales

Período: 18.11.1889 a 20.01.1891

Dr. Manuel Ferraz de Campos Sales, nascido em 13.02.1841, em Campinas, província de São Paulo – batizado a 21.02., e falecido em 26.06.1913, em Guarujá, estado de São Paulo.

Filho do tenente coronel Francisco de Paula Sales, fazendeiro em S. João do Rio Claro, e de Ana Ferraz de Campos – casamento responsável pela origem do duplo apelido: Campos Sales.

Bacharel em direito pela Faculdade de São Paulo, em 1863. Retornou à sua cidade natal onde abriu escritório de advocacia, ingressando na imprensa e na política. Filiou-se ao Partido Radical e, quatro anos depois de formado, foi eleito deputado provincial em São Paulo, na legislatura de 1867 e, novamente, na de 1881, já revelando suas idéias republicanas, com toda franqueza. Em 1868, juntamente com o deputado Jorge Miranda, apresentou um projeto de reforma da instrução pública.

Foi um dos primeiros elementos liberais a ingressar no Partido Republicano. Eleito vereador para a Câmara Municipal de Campinas, em 1872. Signatário do Manifesto do Congresso do Partido Republicano Paulista, em 1873. Fundador do jornal A Província de São Paulo, em 1875. Ainda, no regime monárquico, foi Deputado à Assembléia Geral Legislativa, pela Província de São Paulo, na 19.ª legislatura, de 11.02.1885 a 26.09.1885. Atuou no movimento de articulação de forças para a proclamação da República.

Proclamada a República, foi em seguida eleito Senador Federal, cargo que teve que resignar, por ter sido escolhido Presidente do Estado de São Paulo. Ministro da Justiça durante o governo provisório, de 18.11.1889 a 20.01.1891. Em 20.01.1891, todo o primeiro gabinete da República renunciou. Em 22 de janeiro houve reforma ministerial. Quando morou na Europa, entre 1892 e 1893, atuou como colaborador do Correio Paulistano.

Senador Federal em 1891. Governador do Estado de São Paulo, de 1896 a 1898. Eleito em 01.03.1898, Presidente da República do Brasil, mandato que exerceu de 15.11.1898 a 17.10.1900, e de 08.11.1900 a 15.11.1902. Novamente Senador da República, novamente por São Paulo, de 1909 a 1912. Ministro Plenipotenciário do Brasil em Buenos Aires, Argentina, em 1912

Com geração do seu casamento, em 08.07.1865, em Campinas, província de São Paulo, com sua prima legítima Ana Gabriela Campos Salles, Sinh´Anna Marandová, nascida em 24.01.1850, em Campinas, província de São Paulo, e falecida em 31.07.1919, em São Paulo, SP. Filha do comendador José de Campos Sales e de Maria Barbosa de Camargo.

Pais de:

I-1. Adélia de Campos Sales, nascida em 05.06.1866, em Campinas, província de São Paulo, onde faleceu em 18.06.1882.
I-2. Vitor de Campos Sales, nascido em 16.09.1867, em Campinas, província de São Paulo, onde faleceu em 19.07.1869.
I-3. José Maria de Campos Sales, nascido em 16.09.1869, em Campinas, província de São Paulo, e faleceu em 30.04.1890, no Rio de Janeiro – solteiro.
I-4. Maria Luiza de Campos Sales, nascida em 09.04.1871, em Campinas, província de São Paulo, onde faleceu..
I-5. Helena de Campos Sales, nascida em 01.07.1872, em Campinas, província de São Paulo, e faleceu em 12.09.1949, em São Paulo – solteira.
I-6. Manuel de Campos Sales, nascido em 29.09.1873, em Campinas, província de São Paulo, onde faleceu em 30.10.1875.
I-7. Sofia de Campos Sales, I, nascida em 10.12.1874, em Campinas, província de São Paulo, onde faleceu em 31.10.1875.
I-8. Leonor de Campos Sales, nascida em 06.12.1876, em Campinas, província de São Paulo, e faleceu em 05.06.1960, em São Paulo – solteira.
I-9. Sofia de Campos Sales, II, nascida em 11.08.1879, em Campinas, província de São Paulo, e faleceu em 28.11.1935, no Rio de Janeiro. Casada, com geração.
I-10. Paulo Ferraz de Campos Sales, nascido em 01.04.1882, em São Paulo, SP, onde faleceu em 16.05.1940. Casado, com geração.

Fonte: br.geocities.com/www.cdb.br/www.presidencia.gov.br/www.portalbrasil.eti.br/www.anglopiracicaba.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal