Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Guerra do Contestado  Voltar

Guerra do Contestado

 

O conflito do Contestado

No começo do século XX houve um violento conflito de terra que envolveu posseiros pobres, negros, mestiços e indígenas, numa área de 25 mil quilômetros quadrados, região disputada pelas províncias do Paraná e Santa Catarina.

Uma companhia norte-americana, a Brazil Railway, que construiu a estrada de ferro São Paulo - Rio Grande, recebeu do governo, como parte do pagamento, terras em uma faixa de quinze quilômetros de cada lado da ferrovia. Essa empresa deveria colonizar a área com imigrantes, mas o seu principal interesse era a exploração da floresta nativa, rica em pinheiros e imbuias.

A população que morava nessas terras como posseiros foi expulsa, e essa gente veio a se unir aos quase 8 mil trabalhadores da estrada de ferro que haviam sido recrutados nas grandes cidades e que, após o término da construção, se viram completamente abandonados. Também foram arruinados os pequenos madeireiros, pois não podiam competir com uma grande empresa estadunidense instalada na região do Contestado, a mais moderna serraria da América Latina, e que exportava a madeira para os Estados Unidos.

Há tempos aquela região era freqüentada por beatos, que se ocupavam da vida religiosa do povo. Há registros de um João Maria, a partir de 1840, que se seguiu a outro monge com o mesmo nome. O mais famoso foi um terceiro José Maria, que se dizia irmão do anterior e liderou, em 1912,a primeira revolta. O povo se uniu para lutar pela posse da terra, por uma sociedade mais justa, orientada por princípios religiosos.

Em 1914 houve um novo confronto em Taquaruçu que resultou em uma verdadeira carnificina. Os sobreviventes se reuniram em novo arraial, Caraguatá. Ali o movimento começou a receber novas adesões e a revolta ganhou um caráter mais organizado. Os rebeldes conseguiram manter o controle sobre a vasta região com inúmeras vilas onde viviam os seguidores do monge e alguns redutos estratégicos.

O movimento foi liquidado em fins de 1915, após quase um ano de intensa luta. Pela primeira vez o governo brasileiro utilizou aviões de bombardeio e de reconhecimento. Os remanescentes refugiaram-se no vale do rio Santa Maria, onde foram esmagados por 6 mil soldados do Exército e da Polícia dos dois estados, além de mais mil homens fornecidos pelos coronéis da região.

A violência e crueldade foram marca da ação das forças governamentais. Casas incendiadas, mais de 6 mil pessoas mortas, inclusive mulheres e crianças.

Nesse movimento participaram também indígenas Kaingang e Xokleng, sendo que até hoje os Kaingang de Santa Catarina realizam o batismo de São João Maria. Os remanescentes do Contestado, chamados de cafusos, ainda vivem em Santa Catarina, mantendo uma organização comunitária, sendo seus líderes chamados de cacique e vice-cacique.

A Guerra do Contestado

A Guerra do Contestado foi um conflito que alcançou enormes proporções na história do Brasil e, particularmente, dos Estados do Paraná e de Santa Catarina. Semelhante a outros graves momentos de crise, interesses político-econômicos e messianismo se misturaram ao contexto explosivo.

Ocorrido entre 1912 e 1916, o conflito envolveu, de um lado, a população cabocla daqueles Estados, e, de outro, os dois governos estaduais, apoiados pelo presidente da República, Hermes da Fonseca.

A região do conflito, localizada entre os dois Estados, era disputada pelos governos paranaense e catarinense. Afinal, era uma área rica em erva-mate e, sobretudo, madeira. Originalmente, os moradores da região eram posseiros caboclos e pequenos fazendeiros que viviam da comercialização daqueles produtos.

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Guerra do Contestado

A história da Guerra do Contestado, que se desenrolou no Planalto catarinense entre os anos de 1912 e 1915, ainda não foi totalmente eluciada.

Há muito a ser descoberto e muito a ser admitido.

Afinal, num episódio onde devotos religiosos viram guerrilheiros e militares são transformados em jagunços sedentos por vingança, a verdade tende a ser escamoteada para favorecer a um ou a outro lado.

Mas o fato é que a memória está lá, viva e mais inquietante do que nunca, inspirando até os dias de hoje os moradores da região que um dia foi tão violentamente disputada entre os estados de Santa Catarina e do Paraná.

CRONOLOGIA E FATOS DA GUERRA

1910: A Brazil Railway conclui o trecho da Estrada de Ferro São Paulo Rio Grande do Sul, chegando ao Rio Urugaui. Cerca de 8 mil trabalhadores são dispensados e ficam perambulando pela região.
1911:
É criada a Southern Brazil Lumber and Colonization company. É iniciada as expulsões de famílias de agricultores das margens da ferrovia e das terras próximas que eram ricas em pinheiros.
1912:
Aparece em Campos Novos o monge José Maria.
Agosto, 6:
Festa do Senhor bom Jesus na localidade de Taquaruçú, no município de Curitibanos. Convidados pelos festeiro no lugar, o monge José Maria comparece. A festa reúne uitos desempregados e famílias expulsas de suas terras pela Lumber and Colonization. Após a festa muitas famílias permanecem no local e passam a construir um núcleo de fiéis do monge. José Maria lê a História de Carlos Magnos e dos Doze Pares de França e ali constitui 24 homens como seus Doze Pares.
Outubro:
Ameaçado pelo "coronel" Albuquerque, de Curitibanos, José Maria retira-se para o Irani (a oeste) seguido por 40 cavaleiros armados.
Outubro, 22:
Batalha do Irani. Tropas do Regimento de segurança do Paraná atacam o monge e seus seguidores. No combate morre o coronel João Gualberto, comandante das tropas paranaenses, e o místico José Maria.
1913 Dezembro, 1º :
início do reduto de Taquaruçu, sob a iderança de Euzébio dos Santos e Chico Ventura. Um filho de Euzébio, Manoel, é tido como vidente.
Dezembro, 29:
Primeiro ataque a Taquaruçú, por tropas do Exército e da Polícia Militar Catarinense. Os atacantes são repelidos.
1914 Janeiro:
Início do reduto de Caraguatá.
Fevereiro, 8:
Segundo ataque a Taquaruçú. O reduto é bombardeado e arrasado. Os sobreviventes vão juntar-se ao reduto de caraguatá. ali, está no comando a viregem Maria Rosa.
Março, 9:
Ataque de forças do Exército a Caraguatá. Grande vitória da Irmandade. Segue-se uma epidemia de tifo e o reduto é transferido para Bom sossego (vale do Timbozinho).
Abril:
Assume o comando da repressão ao movimento o general Carlos de Mesquita. em sua ofensiva encontra o reduto de caraguatá já abandonado, limitando-se a queimar os ranchos que ainda encontrou. Dá sua missão por cumprida e deixa na região apenas uma tropa comandada pelo capitão Matos Costa, sediada em Vila Nova do timbó.
Junho:
Lideranças populares da região de Canoinhas aderem à irmandade. Entre essas, Aleixo Gonçalnves de Lima, bonifácio Papudo e Antônio Tavares Jr. Também numeroso grupo da oposição de Curitibanos, liderado por Paulino Pereira. Formam-se diversos novos reduto menores.
Julho, 15:
Ataque da Irmandade a Canoinhas.
Agosto:
Mudança do reduto principal para Caçador.
Setembro, 5:
Destruição da Estação Calmon e da Serraria da Limber naquela localidade por um piquete da Irmandade comandado por Francisco Alonso.
Setembro, 6:
Destruição da Estação São João. Emboscada ao trem militar comandado por Matos Costa, quando este perde a vida.
Setembro, 11:
Chega à região o general Fernando Setembrino de Carvalho, para dirigir a guerra contra a Irmandade.
Setembro, 26:
Piquete da irmandade ocupa Curitibanos. Na mesma época , outros piquetes ocupam, ao norte, Salseiro, Iracema, Moema, Papanduva.
Outubro, 26:
Tropas do Exército ocupam Salseiro.
1915, Janeiro 8:
Reduto Tavares, o mais oriental, é tomado.
Janeiro, 19:
Operação de reconhecimento aéreo pelos aviadores capitão Kirk e Darioli.
Fevereiro:
Operação "limpeza" do capitão Tertuliano Potyguara (com 200 soldados e 500 vaqueanos) no vale do Timbozinho. Destrói os redutos de São Sebastião e Pinheiros. Mais grupos vão reunir-se ao reduto principal de Santa Maria.
Fevereiro, 8:
Primeiro ataque ao reduto Santa Maria, por tropas sob o comando do tte. Cel. Estillac Leal. A guarda do reduto repele ao ataque. Março, 1º: Cai o aeroplano Morane-Saulnier do capitão Kirk, quando realizaa vôo de reconhecimento indo unir0se às tropas que atacariam o Santa Maria no dia seguinte. O piloto morre no acidente e a aviação não participou mais da guerra.
Março, 2:
Novo ataque contra Santa Maria pela coluna Sul (Estillac Leal). Lançam-se obuses. Não tem êxito.
Março, fim do mês:
Destacamento especial sob comando do capitão Potyguara avança pelo norte, tomando uma a uma as Guardas e os redutos anexados ao reduto principal. Entra finalmente em Santa Maria, mas fica cercado pela tática de defesa da Irmandade. Consegue socorro dos 2 mil homens de Estillac Leal. Santa Maria é totalmente incendiado.
Abril/Maio:
Sob o comando de Adeodato muitos sobreviventes reagrupam-se em novos redutos (São Miguel depois São Pedro e Pedras Brancas) e, após a retirada do grosso das tropas, reiniciam a guerra. Muitos dos que tentaram se apresentar às tropas militares foram sumariamente fuzilados no mato.
Outubro, 17:
O reduto de Pedras Brancas é tomado.
Dezembro, 17:
O último reduto, São Pedro, é destruído por uma força de vaqueanos.
1916, Agosto:
Adeodato Manoel de Ramos, último comandante "Jagunço" é preso e enviado para a cadeia em Florianópolis. 7 anos depois tenta fugir e é morto por um oficial... (Nos anos que se seguiram, os sobreviventes sertanejos continuaram sendo caçados e fuzilados, ou degolados, por policiais e piquetes de vaqueanos, a mando dos coronéis).
Outubro, 20:
É assinado o Tratado dos Limites, entre o Paraná e Santa Catarina, pondo fim ao mais sangrento conflito camponês dos tempos modernos.

Fonte: www.transrodace.com.br

Guerra do Contestado

Luta armada entre fanáticos e tropas do exército na região do Contestado (Sul do Brasil) tem relações apenas circunstanciais com a questão de limites entre Santa Catarina e o Paraná.

De fato, o litígio, que devia ter sido encerrado com o pronunciamento do Supremo Tribunal (1906), continuou a ser agitado, chegando os político paranaenses a proporem a criação do Estado das Missões, compreendendo a zona contestada (1910).

Em 1912,surgiu o primeiro entrevêro, sob o pretexto de que o Paraná fôra invadido por fanáticos de Santa Catarina, seguindo para o local um contingente da polícia daquele Estado,sob o sob o comando do coronel do exército João Gualberto Gomes de Sá, que foi desbaratado pelos sertanejos, morrendo na peleja e o Monje José Maria.

A concentração de fanáticos, entretando , nada tinha a ver com a questão de limites.

O monge, ex-soldado da polícia ou do exército, não se sabe ,mas certamente um desetor ,conseguira reunir em seu séquito os antigos trabalhadores da Estrada de Ferro S. Paulo-Rio Grande, desempregados desde o paralisamento das obras em União da Vitória (1906), Tornando-se assim marginais de uma vasta ainda despovoada.

Organizaram-se então, o que o mongedenominava Quadros Santos, um dos quais transpôs a fronteira , indo se fixar em Campos doIrano.

Morto José Maria, os sertanejos passaram a obedecer um novô chefe, Eusébio Ferreira dos Santos, cuja a filha tinha visões, entrincheirando-se em Taquaruçu.

Os demais Quadros Santos se dispiseram em pontos diversos numa área , de difícil topografia , cada qual com o seu Santo, inclusive um tal D. Manuel Alves de Assunção Rocha, que pretendia ser o "Imperador da Monarquia Sul Brasileira ".

Nomeado para a inspetoria da Região Militar, que compreendia os dois estados (12 de Setembro de 1914),o General Setembrino de Carvalho mobilizou sete mil homens, pondo fim à sangrenta contenda com a tomada de Santa Maria (5 de abril de 1915).

A 12 de Outubro de 1916, os governadores Filipe Schimidt(Santa Catarina ) e Afonso de Camargo (paraná) assinaram um acordo e o município de Campos de Irani passou a chamar-se Concórdia.

Fonte: omotim.tripod.com

Guerra do Contestado

O povoamento do planalto serrano foi diferente da do litoral catarinense na sua composição de recursos humanos. As escarpas serranas, densamente cobertas pela Mata Atlântica, junto com os povos indígenas, representavam sérios obstáculos para o povoamento da região.

A ocupação se deu de através do comércio de gado entre o Rio Grande do Sul e São Paulo já no século XVIII, fazendo surgir os primeiros locais de pouso.

A Revolução Farroupilha e Federalista também contribuíram para o aumento de contigente humano, que buscavam fugir dessas situações beligerantes.

Em 1853 começa a disputa de limites entre Santa Catarina e Paraná, quando este último se desmembra de São Paulo e firma posse sobre o oeste catarinense.

Com a constituição de 1891, é assegurada aos Estados o direito de decretar impostos sobre as exportações e mercadorias, como também indústrias e profissões, o que acirra ainda mais a questão dos limites, pois a região era rica em ervas.

Em 1904 Santa Catarina tem ganho de causa perante o Supremo Tribunal Federal, mas o Paraná vai recorrer perdendo novamente em 1909 e 1910. Porém a discussão não finda por aqui, sendo resolvida em 1916 quando os governadores Felipe Schmidt (SC) e Afonso Camargo (PR), por intermédio do Presidente Wenceslau Bráz, assinam um acordo estabelecendo os limites atuais entre os dois estados.

Vale lembrar que essa disputa não tinha muita relevância na população, pois o poder era sempre representado pelos coronéis, tanto fazia pertencer à Santa Catarina ou Paraná.

Guerra do Contestado
Assinatura do Acordo no Palácio do Catete,
em Outubro de 1916

Guerra do Contestado
Foto do segundo monge João Maria

A figura dos monges teve valor fundamental para a questão do Contestado, sendo mais destacado o José Maria. O primeiro monge foi João Maria, de origem italiana, que peregrinou entre 1844 a 1870 quando morre em Sorocaba. João Maria levava uma vida extremamente humilde, e serviu para arrebanhar milhares de crentes, porém não exerceu influência dos acontecimentos que viriam a acontecer, mas serviu para reforçar o messianismo coletivo.

O segundo monge, que também se chamava João Maria surge com a Revolução Federalista de 1893 ao lado dos maragatos. De começo vai mostrar sua posição messiânica, fazendo previsões a respeito dos fatos políticos. Seu verdadeiro nome era Atanás Marcaf, provavelmente de origem Síria. João Maria vai exercer forte influência sobre os crentes, que vão esperar pela sua volta após seu desaparecimento em 1908.

Essa espera vai ser preenchida em 1912 pela figura do terceiro monge: José Maria. Surgiu como curandeiro de ervas, apresentando-se com o nome de José Maria de Santo Agostinho. Ninguém sabia ao certo qual a sua origem, seu verdadeiro nome era Miguel Lucena Boaventura e, de acordo com um laudo da polícia da Vila de Palmas/PR, tinha antecedentes criminais e era desertor do exército.

Guerra do Contestado
José Maria com três virgens

Dentre as façanhas que deram fama ao monge José Maria, podemos destacar foi a ressurreição de uma jovem, provavelmente vítima de catalepsia, e a cura da esposa do coronel Francisco de Almeida, acometida por uma doença incurável. O coronel ficou tão agradecido que ofereceu terras e uma grande quantidade de ouro, mas o monge não aceitou, o que ajudou ainda mais o aumento de sua fama, pois passou a ser considerado santo, que veio à terra apenas para curar e tratar os doentes e necessitados.

José Maria não era um curandeiro vulgar, sabia ler e escrever, anotando propriedades medicinais em seus cadernos. Montou a "farmácia do povo" no rancho de um capataz do coronel Almeida, onde passou a atender diariamente até tarde da noite.

Guerra do Contestado
Imbuia com 10 metros de circunferência

A região planaltina vai excercer grande cobiça entre os Estados de Santa Catarina e Paraná, assim como para o Grupo Farquhar (Brazil Railway Company, como veremos adiante), apropriando-se do maior número de terras possíveis.

A vida econômica da região, durante muito tempo, vai girar em torno da criação extensiva do gado bovino, na coleta da erva mate e na extração de madeira, material empregado na construção de praticamente todas as residências. Os ervais encontravam seu mercado na região do Prata.

Nas terras dos coronéis os agregados e peões podiam servir-se das ervas sem qualquer proibição, porém quando o mate adquiriu valor comercial, os coronéis começaram a explorar a coleta abusiva do mate em suas terras.

Como região fornecedora de gado para a feira de Sorocaba e erva mate para os países do Prata, o planalto catarinense inseria-se economicamente a nível nacional, no modelo agrário-comercial-exportador dependente.

Guerra do Contestado
Locomotiva da estrada de ferro

Com a expansão da área cafeicultora brasileira, surgiu a necessidade de se interligar os núcleos urbanos com a região sulina, para que esta os abastecesse com produtos agro-pastoris. É criada então uma comissão para a construção de uma Estrada de Ferro para ligar esses dois pólos.

A concessão da Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande, iniciou com o engenheiro João Teixeira Soares em 1890, abandonando o projeto em 1908, transferindo a concessão para uma empresa norte-americana Brazil Railway Company, pertencente ao multimilionário Percival Farquhar, que além do direito de terminar a estrada, ganha também o direito de explorar 15 Km de cada lado da estrada.

Guerra do Contestado
Tropa de segurança montada pela Lumber

Farquhar cria também a Souther Brazil Lumber and Colonization Co., que tinha por objetivo de extrair a madeira da região e depois comercializá-la no Brasil e no exterior. Além disso, a empresa ganha também o direito de revender os terrenos desapropriados às margens da estrada de ferro. Esses terrenos seriam vendidos preferencialmente aos imigrantes estrangeiros que formavam suas colônias no sul do Brasil.

Para a construção do trecho que faltava da ferrovia, a empresa contratou cerca de 8000 homens da população urbana do Rio de Janeiro, Santos, Salvador e Recife, prometendo salários compensadores.

Ao encerrar a construção da ferrovia, esses funcionários foram demitidos, sem ter para onde ir pois a empresa não honrou o acorde de levá-los de volta ao término do trabalho. Passam então a engrossar a população carente que perambulava a região do Contestado.

A Brazil Lumber providencia a construção de duas grandes serrarias, uma em Três Barras, considerada a maior da América do Sul, e outra em Calmon, no qual dão início a devastação dos imensos e seculares pinherais.

Guerra do Contestado
Região envolvida naq guerra

A guerra inicia-se oficialmente em 1912, com o combate do Irani, que resultou nas mortes do monge José Maria e também do coronel João Gualberto, e vai até a prisão de Adeodato, último e mais destacado chefes dos fanáticos, em 1916. É também neste ano em que é assinado o acordo de limites entre Santa Catarina e Paraná.

Durante esse período, podemos observar uma mudança nos quadros dos fanáticos com a adesão dos ex-funcionários da Brazil Railway Company. Juntam-se também ao movimento um expressivo número de fazendeiros que começavam a perder terras para o grupo Farquhar e para os coronéis. Com essas mudanças o grupo vai tornar-se mais organizado, distribuindo funções a todos, utilizando também táticas de guerrilha.

No episódio em que o José Maria monta sua "farmácia do povo" nas terras do coronel Almeida, cresce absurdamente sua popularidade, sendo convidado para participar da festa do Senhor do Bom Jesus, em Taquaruçu - município de Curitibanos. Atendendo ao convite José Maria participa acompanhado de 300 fiéis, ao terminar a festa José Maria continuou em Curitibanos atendendo pessoas que não tinham mais onde ir. Curitibanos era uma cidade sob o domínio do coronel Francisco de Albuquerque, que preocupado com acúmulo dos "fiéis" manda um telegrama para a capital pedindo auxílio contra "rebeldes que proclamaram a monarquia em Taguaruçú", sendo atendido com o envio de tropas.

Guerra do Contestado
Caboclos moradores da região do Contestado

Diante dessa situação, José Maria parte para o Irani com toda essa população carente. Porém na época Irani pertencia a Palmas, sob controle do Estado do Paraná, que via nesse movimento de pessoas uma "estratégia" de ocupação por parte do Estado de Santa Catarina. Logo é enviada tropas do Regimento de Segurança do Paraná, sob o comando do coronel João Gualberto, que junto com José Maria, morre no combate.

Terminada a luta com dezenas de corpos e com a vitória dos fanáticos, José Maria é enterrado com tábuas para facilitar a sua ressurreição, que aconteceria acompanhado de um Exército Encantado, ou Exército de São Sebastião. Os caboclos defendiam a Monarquia Celeste, pois viam na República um instrumento do diabo, dominado pelas figuras dos coronéis.

Em dezembro de 1913, organiza-se em Taquaruçú um novo reduto que logo reuniu 3000 crentes, que atenderam ao chamado de Teodora, uma antiga seguidora de José Maria que dizia ter visões do monge. Ao final deste ano, o governo federal e uma Força Pública catarinense, atacam o reduto. O ataque fracassa e os fanáticos se apoderam das armas. A partir de então começam a surgir novos redutos, cada vez mais em locais afastados para dificultar o ataque das tropas legais.

Guerra do Contestado
Escombros da serraria da fazenda Santa
Leocádia queimada pelos caboclos

Guerra do Contestado
Vista parcial do reduto

Em janeiro de 1914 um novo ataque feito em conjunto com os dois Estados e o governo federal que arrasa completamente o acampamento de Taquaruçú. Mas a maior parte dos habitantes já estavam em Caraguatá, de difícil acesso. No dia 9 de março de 1914 os soldados travam uma nova batalha, sendo derrotados.

Essa derrota repercute em todo o interior, trazendo para o reduto mais e mais pessoas. Neste momento, formam-se piquetes para o arrebanhamento de animais da região para suprir as necessidades do reduto.

Mesmo com a vitória é criado outro reduto, o de Bom Sossego, e perto dele o de São Sebastião. Este último chegou a ter aproximadamente 2000 moradores.

Os fanáticos não ficam só a esperar os ataques do governo, atacam as fazendas dos coronéis retirando tudo o que precisavam para as necessidades do reduto.

Partiram também para atacar várias cidades, como foi o caso de Curitibanos. O principal alvo nesses casos eram cartórios onde se encontravam registros das terras, sendo incendiados. Outro ataque foi em Calmon, destruindo a segunda serraria da Lumber, destruindo-a completamente.

No auge do movimento, o território ocupado equivalia ao Estado de Alagoas, totalizando 20.000. Até o fim do movimento haviam morrido cerca de 6000.

Guerra do Contestado
Este grupo de caboclos mostrou a um fotógrafo anônimo que estava disposto a se defender

O contra-ataque do governo

Guerra do Contestado
General Setembrino

Com a nomeação do General Setembrino de Carvalho para o comando das operações contra os fanáticos, a guerra muda de posição. Até então os rebeldes haviam ganho grande parte dos combates e as vitórias do governo eram inexpressivas. Setembrino vai reunir 7000 soldados, dispondo também de dois aviões de observação e combate.

Em seguida manda um manifesto aos habitantes das áreas ocupadas garantindo a devolução de terras para quem se entregasse, e tratamento inóspito para quem continuasse.

Setembrino vai adotar uma nova postura de guerra, ao invés de ir ao combate direto, cerca os fanáticos com tropas vindas de todas as direções: norte - sul - leste - oeste.

Guerra do Contestado
Avião usado na Guerra do Contestado

Guerra do Contestado
Sertanejos do Contestado após serem aprisionados

Com esse cerco, começa a faltar comida nos acampamentos, fazendo com que alguns fanáticos começassem a se entregar, mas na sua maioria eram velhos, mulheres e crianças, talvez para que sobrasse mais comida aos combatentes. Começa a se destacar do reduto a figura do Adeodato, o último líder dos fanáticos, que muda o reduto-mor para o vale de Santa Maria, que contou com cerca de 5000 homens.

Na medida em que ia faltando comida, Adeodato começa a se revelar autoritário, não aceitando ser desafiado.

Aos que queriam desertar, ou se entregar, era aplicada a pena máxima: a morte. Em dezembro de 1915 o último reduto é devastado pelas tropas de Setembrino.

Adeodato foge, vagando com tropas ao seu alcanço, conseguindo escapar de seus perseguidores, mas a fome e o cansaço faz com que Adeodato se entregue em início de agosto de 1916.

Em 1923, sete anos após ter sido preso, Adeodato é morto numa tentativa de fuga pelo próprio diretor da cadeia, chegava ao fim a trajetória do último comandante dos fanáticos da região do Contestado.

Guerra do Contestado
Detalhe do monumento erguido no município de Irani às
milhares de vítimas da Guerra do Conterstado.

Fonte: br.geocities.com

Guerra do Contestado

No período compreendido entre 1912 a 1916, na área então disputada pelos Estados de Santa Catarina e Paraná, denominada região do Contestado, uma luta pela posse de terra levou às armas, cerca de 20 mil sertanejos.

Revoltados com os governos estaduais, que promoviam a concentração da terra, nas mãos de poucos e com o governo federal, que concedeu uma extensa área, já habitada, à empresa norte-americana responsável pela construção da estrada de ferro São Paulo - Rio Grande do Sul no território, os cablocos enfrentaram as forças militares dos dois Estados e do Exército Nacional, encarregados da repressão

Liderados inicialmente por um monge peregrino, que um ano mais tarde, após sua morte, faria eclodir um movimento messiânico de crença na sua ressurreição e na instauração de um reinado de paz, justiça e fraternidade, os revoltosos chegaram a controlar uma área de 28 mil quelômetros quadrados.

Com o propósito de garantir direito de terras, combateram a entrada do capital estrangeiro, que explorava a madeira e vendia a terra a colonos imigrantes.

A "Guerra do Contestado", como ficou conhecido o episódio, terminou em massacre e a rendição em massa dos sertanejos que, embora tivessem se empolgado com as primeiras vitórias, não puderam resistir à superioridade bélica das forças repressivas. Além do fuzil do canhão e da metralhadora, pela primeira vez na América Latina era usada a aviação com fins militares.

Terminada a Guerra, Paraná e Santa Catarina chegam a um acordo sobre a Questão dos Limites e a colonização da região é intensificada.

Surgem as primeiras cidades e uma cultura regional começa a ser delineada.

A economia extrativista da erva-mate e da madeira vai cedendo lugar aos novos empreendimentos de processamento da matéria-prima.

A modernização atinge também a propriedade rural. A região passa a viver uma nova realidade sócio-econômica e cultural.

O desenvolvimento, que acontece a passos largos, preserva, contudo, o espírito inconformista e empreendedor do homem do Contestado, que venceu as adversidades de uma região inóspita e conflitante na luta por sua sobrevivência e na busca de seus direitos.

A lição está estampada na cultura e nas marcas que hoje se erguem por todo o território como marcos e referências turísticas porque resgatam um dos mais importantes episódios da história brasileira.

Os fatos históricos e culturais inerentes à Questão do Contestado, associados à natureza e aos produtos da região, constituem importante roteiro turístico regional.

Fonte: www.radarsul.com.br

Guerra do Contestado

A disputa travada entre as províncias do Paraná e Santa Catarina, pela área localizada no planalto meridional entre os rios do Peixe e Peperiguaçu, estendendo-se aos territórios de Curitibanos e Campos Novos era antiga, originada antes mesmo da criação da província do Paraná, em 1853, permanecendo em litígio até o período republicano.

Em 1855, o governo da província do Paraná desenvolvia tese de que a sua jurisdição se estendia por todo o planalto meridional. Daí em diante, uma luta incessante vai ter lugar no Parlamento do Império, onde os representantes de ambas as províncias propunham soluções, sem chegar a fórmulas conciliatórias.

Depois de vários acontecimentos que protelaram as decisões - como a abertura da "Estrada da Serra" e também a disputa entre Brasil e Argentina pelos "Campos de Palmas" ou "Misiones" - o Estado de Santa Catarina, em 1904, teve ganho de causa, embora o Paraná se recusasse a cumprir a sentença.

Houve novo recurso e, em 1909, nova decisão favorável a Santa Catarina, quando, mais uma vez, o Paraná contesta. Em 1910, o Supremo Tribunal dá ganho de causa a Santa Catarina.

A Guerra do Contestado e as operações militares

A região contestada era povoada por "posseiros" que, sem oportunidade de ascensão social ou econômica, como peões ou agregados das grandes fazendas, tomavam, como alternativa, a procura de paragens para tentar nova vida.

Ao lado desses elementos sem maior cultura - mas fundamentalmente religiosos, subordinados a um cristianismo ortodoxo - vão se congregar outros elementos como os operários da construção da Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande, ao longo do vale do rio do Peixe.

Junto a esta população marginalizada, destaca-se a atuação dos chamados "monges", dentre os quais o primeiro identificado chamava-se João Maria de Agostoni, de nacionalidade italiana, que transitou pelas regiões do Rio Negro e Lages, desaparecendo após a Proclamação da República.

Após 1893, consta o aparecimento de um segundo João Maria, entre os rios Iguaçu e Uruguai. Em 1987, surge outro monge, no município de Lages. Em 1912, em Campos Novos, surge o monge José Maria, ex-soldado do Exército, Miguel Lucena de Boaventura, que não aceitava os problemas sociais que atingiam a população sertaneja do planalto.

O agrupamento que começou a se formar em torno do monge, composto principalmente de caboclos saídos de Curitibanos, se instala nos Campos do Irani. Esta área, sob o controle do Paraná, teme os "invasores catarinenses" e mobiliza o seu Regimento de Segurança, pois esta invasão ocorre, justamente, naquele momento de litígio entre os dois Estados.

Em novembro de 1912, o acampamento de Irani é atacado pela força policial paranaense e trava-se sangrento combate, com a perda de muitos homens e de grande quantidade de material bélico do Paraná, o que fez desencadear novos confrontos, além do agravamento das relações entre Paraná e Santa Catarina.

Os caboclos vão formar, pela segunda vez, em dezembro de 1913, uma concentração em Taquaruçu, que se tornou a "Cidade Santa", com grande religiosidade e, na qual, os caboclos tratavam-se como "irmãos". Neste mesmo ano, tropas do Exército e da Força Policial de Santa Catarina atacam Taquaruçu, mas são expulsas, deixando, ali, grande parte do armamento.

Após a morte de outro líder, Praxedes Gomes Damasceno, antigo seguidor do monge José Maria, os caboclos se encontram enfraquecidos. No segundo ataque, Taquaruçu era um reduto com grande predomínio de mulheres e crianças, sendo a povoação arrasada.

Outros povoados, ainda, como Perdizes Grandes, seriam formados e diversos outros combates, principalmente sob a forma de guerrilhas, se travariam até que o conflito na região realmente terminasse.

Fonte: www.viegasdacosta.hpg.ig.com.br

Guerra do Contestado

Movimento Messiânico (1912-1916)

Em 1912, numa região contestada por Santa Catarina e Paraná, houve um conflito bastante semelhante ao de Canudos, ou seja, camponeses expulsos de suas terras e sem trabalho decidem organizar uma comunidade, sob o comando de um monge.

Uma empresa norte-americana, ao construir a estrada de ferro que iria ligar São Paulo ao Rio Grande do Sul, desapropriou as terras que margeavam a ferrovia e, em troca, muito gentilmente ofereceu trabalho às famílias camponesas na construção da mesma.

Quando as obras terminaram, uma população enorme de camponeses ficou sem ter o que fazer nem para onde ir. Esta situação era semelhante a dos camponeses expulsos de suas terras por poderosas empresas madeireiras que, também, vinham se instalando na região.

Esses camponeses se uniram aos 'monges' João Maria e José Maria e fundaram alguns povoados - "Monarquia Celeste" -, com ordem própria a semelhança de Canudos.

O governo rapidamente tratou de dizimar esse movimento camponês (utilizando até aviões). As forças ficaram assim compostas: peludos (representavam o governo) contra os pelados (massa camponesa marginalizada).

Em 1916, os últimos núcleos foram arrasados por tropas do governo.

Desenrolar da Guerra e Conflitos

Os coronéis da região e o governo começaram a ficar preocupados com a liderança de José Maria e sua capacidade de atrair camponeses. O governo passou a acusa ele de ser um inimigo da república, que tinha como objetivo desestruturar o governo. Com isso, policiais e soldados do exército foram enviados ao local, com o objetivo de acabar com o movimento.

Os soldados e policiais começaram a perseguir José Maria e seus seguidores. Armados de espingardas de caça, facões e enxadas, os camponeses resistiram e enfrentaram as forças oficiais que estavam bem armadas. Nestes conflitos armados, morrerem em torno de 5 mil à 8 mil rebeldes. As baixas do lado das tropas oficiais foram bem menores.

José Maria

José Maria pregava a criação de um mundo novo, regido pelas leis de Deus, onde todos viveriam em paz, com prosperidade justiça e terras para trabalhar, por isso, conseguiu reunir milhares de seguidores, principalmente de camponeses sem terras.

Fonte: leandrobrito.br.tripod.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal