Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Guerra Guaranitica  Voltar

GUERRA GUARANITICA

Nome que se dá aos violentos conflitos que envolvem os índios guaranis e as tropas espanholas e luso-brasileiras no sul do Brasil após a assinatura do Tratado de Madri, em 1750. Os guaranis de Sete Povos das Missões recusam-se a deixar suas terras no território do Rio Grande do Sul e a transferir-se para o outro lado do rio Uruguai, conforme ficara acertado no acordo de limites entre Portugal e Espanha.

GUERRA GUARANITICA

Com o apoio parcial dos jesuítas, no início de 1753 os guaranis missioneiros começam a impedir os trabalhos de demarcação da fronteira e anunciam a decisão de não sair de Sete Povos. Em resposta, as autoridades enviam tropas contra os nativos, e a guerra explode em 1754. Os castelhanos, vindos de Buenos Aires e Montevidéu, atacam pelo sul, e os luso-brasileiros, enviados do Rio de Janeiro sob o comando do general Gomes Freire, entram pelo rio Jacuí. Juntando depois as tropas na fronteira com o Uruguai, os dois exércitos sobem e atacam frontalmente os batalhões indígenas, dominando Sete Povos em maio de 1756. Chega ao fim a resistência guarani.

Um dos principais líderes guaranis é o capitão Sepé Tiaraju. Ele justifica a resistência ao tratado em nome do direito legítimo dos índios em permanecer nas suas terras. Comanda milhares de nativos até ser assassinado em fevereiro de 1756.

Fonte: EncBrasil

GUERRA GUARANÍTICA

As "partidas de limites" do sul foram comandadas pelo capitão-general do Rio de Janeiro, Gomes Freire de Andrade, e pelo marquês espanhol, Val de Lírios. Estas comissões chegaram a constituir-se, mas logo tiveram seus trabalhos dificultados, pela oposição das populações indígenas dos Sete Povos aos destinos que o Tratado de Madrid lhes dava.

 GUERRA GUARANÍTICA

Nas palavras de Darcy Ribeiro em "As Américas e a Civilização", essas missões constituíam "a tentativa mais bem sucedida da Igreja Católica para cristianizar e assegurar um refúgio às populações indígenas, ameaçadas de absorção ou escravização pelos diversos núcleos de descendentes de povoadores europeus, para organizá-las em novas bases, capazes de garantir sua subsistência e seu progresso". Pelo tratado, elas deveriam ser transferidas para as margens ocidentais do rio Uruguai, o que representaria "Para os guaranis das sete reduções condenadas (...) a espoliação, a ruína e o infortúnio, a destruição do trabalho de muitas gerações, a deportação de mais de trinta mil pessoas, segundo as cifras mais modestas".

Quando os indígenas souberam o que os esperava, por decisão comum de portugueses, do rei de Espanha e da própria Companhia de Jesus, que enviou emissários, entre eles o Padre Lopes Luís Altamirano, para impor-lhes a obediência, assim se expressaram seus chefes: "Como poderá a vontade de Deus ser que vós tomeis e arruineis tudo o que nos pertence? Aquilo que possuímos é exclusivamente o fruto de nossas fadigas, e o nosso rei não nos deu coisa alguma... Não somos apenas os sete povos da margem esquerda, mas doze outras reduções estão decididas a sacrificarem-se conosco desde que tenteis apoderar-vos de nossas terras. . ."

Os jesuítas ficaram entre a cruz e a espada. Se apoiassem os indígenas seriam considerados rebeldes. Se não se solidarizassem com eles, perderiam sua confiança. Alguns se submeteram às ordens da Coroa, outros permaneceram junto aos guaranis apenas por circunstâncias, mas outros ainda, a exemplo do Padre Lourenço Balda, cura de São Miguel, deram todo seu apoio aos indígenas e à organização de sua resistência, não se importando que recaíssem sobre eles as acusações de traidores da pátria e de culpados de crimes de lesa-majestade.

Foi à heróica resistência desses índios à ocupação de suas terras e à escravização que se deu o nome de "Guerras Guaraníticas". Apesar da inferioridade, no tocante a armamentos e a instrução militar, resistiram a ataques isolados ou conjugados de portugueses e espanhóis até 1767, graças à sua tenacidade na luta, às táticas desenvolvidas e à condução de chefes como Sépé Tirayu e Nicolau Languiru.

Para Pombal, a resistência indígena era obra da hostilidade jesuítica. Vem desse tempo a sua Relação Abreviada da República dos Jesuítas, atribuindo a estes a tentativa de criação de um "Império Temporal Cristão" na região das missões. Em 1759 foram expulsos, por ordem do marquês, de Portugal e demais domínios do reino.

No mesmo ano morreu Fernando VI de Espanha, subindo ao trono Carlos III, que não demorou em denunciar o tratado de 1750. Gomes Freire de Andrade, que comandava as tropas coloniais portuguesas contra os guaranis, em 1761, temendo ter que enfrentar o maior peso da ofensiva indígena, retirou-se, recusando-se a receber os Sete Povos. Pombal, que tentara negociar modificações do tratado com a Espanha, não tivera êxito. Suspendeu, desse modo, sua execução, até que em fevereiro de 1761 firmou em El Pardo um novo tratado anulando o de Madrid.

A questão fronteiriça do sul continuaria, só sendo resolvida por novos acordos em 1777, Santo Ildefonso, e 1801, Badajós, que acomodariam os dois grandes impérios da América do Sul sobre as cinzas dos Povos das Missões. Estes não conseguiram resistir, e seu epílogo ainda é Darcy Ribeiro quem nos descreve: elas foram "assaltadas pela burocracia colonial, pelos assuncenos e pelos mamelucos paulistas, propositadamente desorganizadas para abolir características tidas como comunizantes. Já em fins do século XVIII, os índios missioneiros haviam sido dispersados, escravizados e conduzidos a regiões longínquas, dissolvidos no mundo dos gaúchos, ou ainda, refugiados nas matas onde se esforçavam por reconstituir a vida tribal, enquanto suas terras e seu gado passavam às mãos de novos donos".

Fonte: www.terrabrasileira.net

GUERRA GUARANITICA

Nome que se dá aos violentos conflitos que envolvem os índios guaranis e as tropas espanholas e luso-brasileiras no sul do Brasil após a assinatura do Tratado de Madri, em 1750. Os guaranis de Sete Povos das Missões recusam-se a deixar suas terras no território do Rio Grande do Sul e a transferir-se para o outro lado do rio Uruguai, conforme ficara acertado no acordo de limites entre Portugal e Espanha.

Com o apoio parcial dos jesuítas, no início de 1753 os guaranis missioneiros começam a impedir os trabalhos de demarcação da fronteira e anunciam a decisão de não sair de Sete Povos. Em resposta, as autoridades enviam tropas contra os nativos, e a guerra explode em 1754. Os castelhanos, vindos de Buenos Aires e Montevidéu, atacam pelo sul, e os luso-brasileiros, enviados do Rio de Janeiro sob o comando do general Gomes Freire, entram pelo rio Jacuí. Juntando depois as tropas na fronteira com o Uruguai, os dois exércitos sobem e atacam frontalmente os batalhões indígenas, dominando Sete Povos em maio de 1756. Chega ao fim a resistência guarani.

Um dos principais líderes guaranis é o capitão Sepé Tiaraju. Ele justifica a resistência ao tratado em nome do direito legítimo dos índios em permanecer nas suas terras. Comanda milhares de nativos até ser assassinado em fevereiro de 1756.

Fonte: EncBrasil

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal