Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Revolta Da Chibata  Voltar

Revolta da Chibata

( 1910 )

Nos livros didáticos de história aprendemos que essa revolta — muito conhecida pelo título de Revolta da Chibata — foi uma luta contra o uso de castigos corporais em marinheiros indisciplinados. Com certeza ela o foi; mas não a única... Ora, se havia castigos corporais antes de 1910, por que, então, os marinheiros não se revoltaram anteriormente? Eles aceitaram o castigo corporal sem reclamar até 1910? Estas perguntas são ótimas, e será a partir delas que vou te ajudar a questionar o livro didático de história que você carrega embaixo do braço.

O castigo corporal nas Forças Armadas é mais antigo do que você possa imaginar. Para não irmos longe demais, eu e você recuaremos mais ou menos duzentos anos para depois chegarmos ao ano de 1910. As leis que regulavam a punição em marinheiros se baseavam num código português chamado Artigos de Guerra, que foi adotado pelos oficiais na Marinha de Guerra logo após a independência do Brasil. Essas leis permitiam o uso da chibata, da golilha, da palmatória e outros castigos corporais semelhantes. Vários documentos do século XIX que investiguei mostraram marinheiros sendo castigados com 25, 100, 200, 500 chibatadas!!!

Como você pode notar, não foi somente em 1910 que os marinheiros começaram a ser castigados, isso era coisa muito antiga. E sabe qual foi maior surpresa que tive? Até 1893 eu não encontrei nenhuma revolta de marinheiros reivindicando o fim dos castigos corporais. Ora, então quando e o que havia acontecido para que marinheiros começassem a repudiar tal punição? Vamos por partes. Em primeiro lugar temos que entender as pessoas em seu tempo e espaço. Por exemplo, se você tivesse nascido no Brasil, em 1850, se acostumaria a ver escravos, castigos corporais em praça pública, e nem diria que aquilo era desumano. Possivelmente, você juntaria algum dinheiro e compraria um.

Pois bem, no século XIX, era sabido por todos que as Forças Armadas usavam o castigo corporal para punir marinheiros e soldados indisciplinados. A repulsa da população masculina ao castigo corporal era tão grande que os oficiais tinham de recrutar homens à força a fim de a Marinha não ficar entregue às moscas. Mas se o indivíduo fosse recrutado, ele teria de ser disciplinado e não entrar em nenhuma encrenca para evitar o castigo. Os marinheiros com certeza não gostavam da ameaça do castigo, mas se isso finalmente ocorresse eles não se rebelariam. A punição através do castigo físico era visto como um método corriqueiro de correção. Foi somente ao longo do século XIX que a privação da liberdade foi tomando o lugar da punição através dos castigos corporais. O que não poderia haver era oficiais excedendo nos castigos, ou seja, bater além do que era devido. Se isso ocorresse o castigo teria sido injusto, excessivo, bárbaro.

A Guerra do Paraguai foi uma das razões para se pensar no fim dos castigos corporais em militares. Afinal, como bater em soldados e marinheiros que haviam sido vitoriosos, verdadeiros “heróis” nos campos de batalha? Por outro lado, nas últimas décadas do século XIX, a escravidão começou a ser cada vez mais combatida por abolicionistas e pelos próprios cativos e cativas. Várias leis foram criadas para terminar com a escravidão, entre elas a de 1887 que proibia o castigo corporal em escravos. Ora, então como permanecer castigando fisicamente marinheiros que eram homens livres? Além disso, em 1888, os marinheiros mostraram nas ruas do Rio de Janeiro que eram bons de briga: fizeram do centro da cidade um campo de batalha lutando contra a truculenta força policial, para resolver rixas antigas entre os dois grupamentos. A pancadaria foi tão grande que a princesa Isabel, filha do imperador D. Pedro II, saiu de Petrópolis onde estava e demitiu o Barão do Cotegipe (1815-1889), principal opositor à lei que iria abolir a escravidão. Em suma, um dia após a proclamação da República, no dia 16 de novembro de 1889, o Ministro da Marinha decidiu extinguir os castigos corporais em marinheiros.

Porém, seis meses após o fim dos castigos, os oficiais começaram a cobrar novas leis para castigar marinheiros. O ministro então decidiu retomar o castigo físico, só que de forma mais pesada. Agora, o marinheiro indisciplinado passava por um verdadeiro método de expiação comandado por oficiais: além do castigo de chibata ele teria rebaixamento de salário e de posto, prisão, humilhações na caserna, etc. Tudo isso estava previsto no Decreto n. 328, de 12 de abril de 1890, que criou a “Companhia Correcional”; o instrumento legal no qual estavam todas as regras desse método de expiação.

Logo após essa lei começaram as revoltas de marinheiros. A primeira grande revolta ocorreu em 1893, na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e outras aconteceram no Rio de Janeiro e em Mato Grosso. No entanto, estas revoltas só reivindicavam o fim dos castigos ou a troca do oficial que gostava de bater demais e, não, o fim das leis que permitiam o uso de castigos físicos. Como se pode notar há uma grande diferença aí: no primeiro caso, a solução da revolta era local, ali no navio ou quartel. No segundo caso, não: reivindica-se o fim da lei que permitia o castigo corporal em toda a Marinha. E é justamente o segundo caso que se aplica à revolta dos marinheiros de 1910.

E não era uma revolta qualquer: foi um movimento organizado; empreendido por marinheiros mormente negros; que exigiu mudanças na legislação penal e disciplinar da Marinha de Guerra e melhores condições de trabalho; revelou um mal-estar republicano; e alcançou grande repercussão nacional e internacional ao ameaçar de bombardeio a capital federal da República.

Foi na noite de 22 de novembro de 1910, que os encouraçados Minas Gerais, São Paulo e Deodoro, e o scout Bahia, ficaram sob o comando dos marinheiros, que gritavam “viva a liberdade”. Durante três dias a população da cidade do Rio de Janeiro viveu o pânico de ter suas casas destruídas pelos tiros dos incríveis canhões de longo alcance, apontados contra a capital.

Na primeira mensagem enviada ao governo, os amotinados exigiam a exclusão dos oficiais “incompetentes”, a reforma do código penal e disciplinar da Armada (a fim de extinguir os castigos corporais), o aumento dos vencimentos, educação para os marinheiros “incompetentes” e uma nova “tabela de serviços” para todos os marinheiros. Estas reivindicações objetivavam mudanças profundas na Marinha de Guerra, e não somente pequenas modificações locais como as revoltas anteriores haviam exigido. Por isso, a revolta de 1910 foi muito mais importante, pois revela uma mudança na consciência desses marinheiros, que não fora alcançada pelos que se revoltaram anteriormente.

Os amotinados demonstraram ainda uma insatisfação com a República. No decorrer das duas primeiras décadas do novo regime, os sucessivos governos não haviam sido capazes de tratá-los como “cidadãos fardados” e “republicanos” e, por isso, não suportavam mais “a escravidão na Marinha Brasileira”, exigindo, assim, “os direitos sagrados que as leis da República nos faculta”. Assim sendo, segundo eles, haviam resolvido romper “o negro véu, que [os] cobria aos olhos do patriótico e enganado povo”.

Devido às “justas” reivindicações e ao poder mesmo a que chegaram através dos canhões, os marinheiros foram anistiados com a promessa de que suas reivindicações seriam ouvidas. Porém, no início de dezembro do mesmo ano, o Batalhão Naval se amotinou, sendo que, nesse caso, não houve negociação nem anistia. A ilha das Cobras, onde estava situado o Batalhão Naval, foi brutalmente bombardeada pelas forças do Exército e da própria Marinha. Os amotinados de novembro não tomaram parte nos combates e continuaram em seus navios. O governo de Hermes da Fonseca (1910-1914) porém, decretou o estado de sítio e puniu brutalmente os amotinados de novembro e de dezembro com deportações para o Acre, assassinatos e torturas. Ou seja, os que foram anistiados em novembro, mesmo sem tomar parte da revolta de dezembro, foram considerados como envolvidos e punidos como tal.

Fonte: www.arquivo.ael.ifch.unicamp.br

REVOLTA DA CHIBATA

( 1910 )

Depoimento de João Cândido ao jornalista Edmar Morel: "Pensamos no dia 15 de novembro. Acontece que caiu forte temporal sobre a parada militar e o desfile naval. A marujada ficou cansada e muitos rapazes tiveram permissão para ir à terra. Ficou combinado, então, que a revolta seria entre 24 e 25. Mas o castigo de 250 chibatadas no Marcelino Rodrigues precipitou tudo. O Comitê Geral resolveu, por unanimidade, deflagrar o movimento no dia 22. O sinal seria a chamada da corneta das 22 horas. O "Minas Gerais", por ser muito grande, tinha todos os toques de comando repetidos na proa e popa. Naquela noite o clarim não pediria silêncio e sim combate. Cada um assumiu o seu posto e os oficiais de há muito já estavam presos em seus camarotes. Não houve afobação. Cada canhão ficou guarnecido por cinco marujos, com ordem de atirar para matar contra todo aquele que tentasse impedir o levante. Às 22h 50m, quando cessou a luta no convés, mandei disparar um tiro de canhão, sinal combinado para chamar à fala os navios comprometidos. Quem primeiro respondeu foi o "São Paulo", seguido do "Bahia". O "Deodoro", a princípio, ficou mudo. Ordenei que todos os holofotes iluminassem o Arsenal da Marinha, as praias e as fortalezas. Expedi um rádio para o Catete, informando que a Esquadra estava levantada para acabar com os castigos corporais". Edmar Morel. A Revolta da Chibata

Ultimato enviado pelos rebeldes a Hermes da Fonseca, presidente da República: "Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podendo mais suportar a escravidão na Marinha Brasileira, a falta de proteção que a Pátria nos dá, e até então não nos chegou, rompemos o negro véu, que nos cobria aos olhos do patriótico e enganado povo. Achando-se todos os navios em nosso poder, tendo a seu bordo prisioneiros todos os oficiais, os quais tem sido os causadores da Marinha Brasileira não ser grandiosa, porque durante vinte anos de República ainda não foi bastante para tratar-nos como cidadãos fardados em defesa da Pátria, mandamos esta honrada mensagem para que V. Excia. faça aos Marinheiros Brasileiros possuirmos os direitos sagrados que as leis da República nos facilita, acabando com a desordem e nos dando outros gozos que venham engrandecer a Marinha Brasileira; bem assim como: retirar os oficiais incompetentes e indignos de servir a Nação Brasileira. Reformar o Código Imoral e Vergonhoso que nos rege, a fim de que desapareça a chibata, o bolo, e outros castigos semelhantes; aumentar o nosso soldo pelos últimos planos do ilustre Senador José Carlos de Carvalho, educar os marinheiros que não têm competência para vestir a orgulhosa farda, mandar pôr em vigor a tabela de serviço diário que a acompanha. Tem V. Excia o prazo de doze (12) horas, para mandar-nos a resposta satisfatória, sob pena de ver a pátria aniquilada. Bordo do Encouraçado "São Paulo" em 22 de novembro de 1910. Nota - não poderá ser interrompida a ida e a volta do mensageiro. [assinado] Marinheiros" Edmar Morel. A Revolta da Chibata [respeitada a grafia original].

Oswald de Andrade descreve a rebelião dos marinheiros e fala sobre seu desfecho: "Acordei em meio duma maravilhosa aurora de verão. A baía esplendia com seus morros e enseadas. Seriam talvez quatro horas da manhã. E vi imediatamente na baía, frente a mim, navios de guerra, todos de aço, que se dirigiam em fila para a saída do porto. Reconheci o encouraçado Minas Gerais que abria a marcha. Seguiam-no o São Paulo e mais outro. E todos ostentavam, numa verga do mastro dianteiro, uma pequenina bandeira triangular vermelha. Eu estava diante da revolução. Seria toda revolução uma aurora? [...] de repente vi acender-se um ponto no costado do Minas e um estrondo ecoou perto de mim, acordando a cidade. Novo ponto de fogo, novo estrondo. Um estilhaço de granada bateu perto, num poste da Light. [...] Era terrível o segundo que mediava entre o ponto aceso no canhão e o estrondo do disparo. Meus olhos faziam linha reta com a boca-de-fogo que atirava. Naquele minuto-século, esperava me ver soterrado, pois parecia ser eu a própria mira do bombardeio. [...] Era contra a chibata e a carne podre que se levantavam os soldados do mar. O seu chefe, o negro João Cândido, imediatamente guindado ao posto de almirante, tinha se revelado um hábil condutor de navios. Quando mais tarde assisti à exibição do filme soviético Encouraçado Potemkim, vi como se ligavam às mesmas reivindicações os marujos russos e brasileiros. [...] A revolta de 1910 teve o mais infame dos desfechos. Foi solenemente votada pelo Congresso a anistia aos rebeldes, mas uma vez entregues e presos, foram eles quase todos massacrados e mortos. Escapou o Almirante João Cândido e quando, na década de 30, o jornalista Aporelli [Aparício Torelli, o Barão de Itararé] tentou publicar uma crônica do feito foi miseravelmente assaltado por oficiais da nossa Marinha de Guerra que o deixaram nu e surrado numa rua de Copacabana." Oswald de Andrade. Um homem sem profissão - Sob as ordens de mamãe .

Fonte: www.projetomemoria.art.br

REVOLTA DA CHIBATA

( 1910 )

O recrutamento militar

Desde o período colonial, o recrutamento de soldados e marinheiros era feito de maneira particularmente violenta. Para começar, o recrutamento era forçado, arbitrário e recaía sobre pessoas de origem humilde, que não tinham como se defender. Os que dispunham de alguma fortuna compravam sua isenção do serviço militar. Além disso, os homens recrutados eram sub­metidos a constantes violências, que incluíam desde uma péssima alimentação até castigos corporais.

A rebelião

A Revolta da Chibata ocorreu na Marinha. Em comparação com o Exército, a Marinha era tradicionalmente elitizada, e a distância entre oficiais e marinheiros era muito maior do que a existente entre postos análogos no Exército. Desde meados do século XIX, o tratamento humilhante e violento na Marinha vinha sendo questionado sem nenhum resultado concreto. Com o advento da República, cuja história iniciou-se um ano após a abolição, aquela forma de tratamento que vinha do Império era insustentável. Contudo, foi necessária uma rebelião ameaçadora dos marinheiros para que a Marinha adotasse medidas disciplinares me­nos brutais.

A rebelião ocorreu em 1910. Nesse ano, o marinheiro Marcelino Rodrigues Meneses, que servia na belonave Minas Gerais, fora condena­do a 250 chibatadas. Seus companheiros - obrigados, como de costume, a assistir ao castiga - não se contiveram e, na noite de 22 de novembro, se rebelaram. Os outros três navios (São Paulo, Bahia e Deodoro) estacionados na Guanabara aderiram. O líder da revolta foi o marinheiro João Cândido.

Embora tenha sido precipitada pelo castigo de Meneses, a revolta já vinha sendo preparada havia muito tempo. Assim, os rebeldes estavam razoavelmente organizados, o que lhes permitiu dominar com rapidez os quatro navios. O co­mandante do Minas Gerais, Batista Neves, foi morto, juntamente com outros oficiais. Também houve mortes do lado dos marinheiros.

A repressão

O objetivo da revolta era simples, conforme declarou o cabo Gregório do Nascimento, que assumiu o comando do navio São Paulo: conseguir o fim do castigo corporal e melhorar a alimentação.

João Cândido enviou pelo rádio uma mensagem ao Catete, ameaçando bombardear a cidade e os navios que não haviam aderido à revolta, caso suas reivindicações não fossem imediatamente atendidas. O presidente era Hermes da Fonseca, recém-empossado.

O governo estava sem alternativas, pois os canhões estavam apontados para a cidade. As­sim, por iniciativa de Rui Barbosa, na época senador, foi proposto e aprovado um projeto que atendia aos marinheiros e lhes concedia anistia. Com isso, os revoltosos depuseram as armas e se submeteram às autoridades.

Porém as concessões do governo ficaram no papel. Os novos comandantes nomeados para os navios revoltados ordenaram a prisão de João Cândido e seus companheiros, muitos dos quais morreram numa masmorra na ilha das Cobras. Desse modo, os oficiais e o governo se vingaram dos marinheiros que ousaram revoltar-se. João Cândido, no entanto, conseguiu sobreviver a todas as atrocidades, sendo enfim absolvido em julgamento realizado em 1912. Conhecido como Almirante Negro, João Cândido faleceu em 1969.

Fonte: www.culturabrasil.pro.br

REVOLTA DA CHIBATA

( 1910 )

Mesmo depois da Lei Áurea ser assinada o tratamento para os marinheiros era de escravidão. Quando o torturador açoitava o marinheiro, amarrado e desprotegido, chegava a arrancar pedaços de sua carne.

Era uma época em que a marinha era tida como órgão disciplinador. Seus marinheiros eram homens indicados pela polícia (desocupados, malfeitores e criminosos).

Em viagem à Inglaterra (possuidora da marinha melhor organizada e aparelhada do mundo) para aprender a lidar com novas embarcações e armamentos, marinheiros brasileiros conheceram o politizado proletário inglês e revoltas que garantiram boas condições de trabalho aos tripulantes da marinha inglesa. Essa viagem fez fermentar nos brasileiros idéias de insubordinação e luta contra suas condições de trabalho.

Começaram então a surgir comentários sobre organizações de revoltas. Uma noite, depois de um ritual de açoite no navio Bahia, um bilhete foi encontrado junto à porta do camarote do comandante. Trazia a exigência de que se findassem os maus tratos à tripulação e continha uma ameaça: “Ninguém é escravo de oficiais e chega de chibata. Cuidado.” No fim a assinatura: “Mão Negra”. Era o marinheiro Francisco Dias Martins.

A revolta estava combinada, ocorreria no dia 24 ou 25 de novembro de 1910, mas a condenação de um marinheiro a 250 chibatadas, dez vezes mais que o permitido pela legislação da marinha, levou a sua antecipação para o dia 22.

Ao ser dado o sinal para o início da revolta os marinheiros se posicionaram sem afobação, cada canhão estava guarnecido por cinco marujos com ordem de atirar para matar contra todo aquele que tentasse impedir o levante.

Marinheiros enfrentaram o comandante e seus protegidos em uma luta de canos e baionetas a bordo do Minas Gerais. Terminado o combate no convés, João Cândido, líder da revolta, ordenou que se disparasse um tiro de canhão 47 milímetros como sinal de alerta aos outros navios revoltados. Os holofotes do Minas Gerais iluminaram o Rio de Janeiro. Através do rádio a revolta foi comunicada e se pediu o fim dos castigos corporais.

O governo tratou imediatamente de impor censura telegráfica entre o Rio e as demais regiões do país. As únicas notícias que circulavam eram aquelas que o próprio governo expedia.

Na manhã do dia 23, a esquadra revoltada começou a manobrar na baía de Guanabara e, buscando chamar a atenção das autoridades, disparou esparsos tiros de canhões de pequeno calibre contra o Rio e Niterói.

Durante os primeiros dias do levante, o governo não se manifestava, nem mesmo tentava qualquer reação armada, porque os efetivos governamentais prontos para o combate empatavam em número com os dos marujos rebelados que estavam no comando dos dois maiores navios de guerra brasileiros, O Minas Gerais e o São Paulo. Restou, ao governo, como solução mais sensata, fazer contato com os revoltosos e conceder a anistia.

Os revoltosos, vitoriosos, devolveram os navios de guerra. Só que a anistia não durou 2 dias. Os revoltosos foram punidos, surgiram rumores de um novo levante. No dia 4 de dezembro foram presos 22 marinheiros suspeitos de conspiração. O governo estudava a possibilidade de decretação do estado de sítio, que facilitaria o aprisionamento dos marujos do Minas Gerais, São Paulo, Deodoro e Bahia.

Em 9 de dezembro, sem motivo aparente, explode uma nova revolta, dessa vez na fortaleza da ilha das Cobras. Alguns praças, ao sinal das 22 horas, saíram gritando “liberdade!” pelo pátio. Não faziam nenhum tipo de reivindicação. Dizia-se que, na verdade, aquilo fora tramado pelo próprio governo, para justificar a declaração de estado de sítio. De todo modo, João Candido e os outros líderes de 22 de novembro não aderiram ao levante. O Batalhão Naval da ilha das cobras foi rapidamente massacrado e, não obstante a fácil vitória militar, o governo decretou estado de sítio.

No dia seguinte, no cais, João Candido é detido. Foi enfiado em uma cela com capacidade para um único preso junto com mais 18 homens e condenado a 6 dias de pão e água. 16 homens sairiam mortos. Entre os poucos sobreviventes da cela estava o líder da Revolta da Chibata, que teve sua prisão prolongada até abril de 1911 de onde saiu transferido para um hospício, para mais tarde voltar à prisão comum.

Os marujos rebelados em 1910 já cumpriam dez meses de prisão, quando lhes chegou uma notícia inesperada. A Irmandade da Igreja Nossa Senhora do Rosário, protetora dos negros, havia contratado para defende-los, no julgamento que se aproximava, três grandes advogados. Os três aceitaram a causa com uma única condição: a de que não lhes dessem nada em troca.

O julgamento durou 48 horas. A leitura da sentença final foi feita depois das 3 horas da manhã. Resultado: todos os marujos foram absolvidos por unanimidade.

Fonte: www.militantehp.hpg.ig.com.br

REVOLTA DA CHIBATA

( 1910 )

Uma das instituições na qual o comportamento escravista dos seus superiores mais se evidenciava era a marinha de Guerra do Brasil. O uso do açoite como medida disciplinar continuou sendo aplicado nos marinheiros, como no tempo em que existia o pelourinho. Todos os marinheiros, na sua esmagadora maioria negros, continuavam a ser açoitados às vistas dos companheiros, por determinação da oficialidade branca.

Os demais marujos eram obrigados a assistir à cena infamante no convéns das belonaves. Com isto, criaram-se condições de revolta no seio da marujada. Os seus membros não aceitavam mais passivamente esse tipo de castigo. Chefiados por Francisco Dias, João Cândido e outros tripulantes do Minas Gerais, navio capitânia da esquadra, organizaram-se contra a situação humilhante de que eram vítimas. Nos outros navios a marujada também se organizava: o cabo Gregório conspirava no São Paulo, e no Deodoro havia o cabo André Avelino.

Dia 22 de novembro de 1910. Final praticamente de mais um ano do início do governo do marechal Hermes da Fonseca. A informação chega até o presidente: a esquadra se sublevara. O movimento que vinha sendo articulado pelos marinheiros foi antecipado em face da indignação dos marujos contra o espancamento de mais um companheiro. O marinheiro negro Marcelino recebeu 250 chibatadas aos olhos de toda a tripulação, formada no convés do Minas Gerais. Desmaiou, mas os açoites continuaram.

Os marinheiros, tendo João Cândido como líder, resolveram sublevar-se imediatamente. Num golpe rápido, apoderaram-se dos principais navios da Marinha de Guerra brasileira e se aproximaram do Rio de Janeiro. Em seguida mandaram mensagem ao presidente da República e ao ministro da Marinha exigindo a extinção do uso da chibata.

O governo ficou estarrecido. Supôs tratar-se de um golpe político das forças inimigas. O pânico apoderou-se de grande parte da população da cidade. Muitas pessoas fugiram. Somente em um dia correram 12 composições especiais para Petrópolis, levando 3 000 pessoas. Todos os navios amotinados hastearam bandeiras vermelhas. Alguns navios fiéis ao governo ainda tentaram duelar com os revoltosos, mas foram logo silenciados. Com isto os marujos criaram um impasse institucional. De um lado a Marinha, que queria a punição dos amotinados, em conseqüência da morte de alguns oficiais da armada. Do outro lado, o governo e os políticos, que sabiam não ter forças para satisfazer essa exigência. Mesmo porque os marinheiros estavam militarmente muito mais fortes do que a Marinha de Guerra, pois comandavam, praticamente, a armada e tinham os canhões das belonaves apontados para a capital da República.

Depois de muitas reuniões políticas, nas quais entrou, entre outros, Rui Barbosa, que condenou os “abusos com os quais, na gloriosa época do abolicionismo, levantamos a indignação dos nossos compatriotas”, foi aprovado um projeto de anistia para os amotinados. Com isto, os marinheiros desceram as bandeiras vermelhas dos mastros dos seus navios. A revolta havia durado cinco dias e terminava vitoriosa. Desaparecia, assim, o uso da chibata como norma de punição disciplinar na Marinha de Guerra do Brasil.

As forças militares, não-conformadas com a solução política encontrada para a crise, apertam o cerco contra os marinheiros. João Cândido, sentindo o perigo, ainda tenta reunir o Comitê Geral da revolução, inutilmente. Procuram Rui Barbosa e Severino Vieira, que defenderam a anistia em favor deles, mas sequer são recebidos por esses dois políticos. Unem-se, agora, civis e militares para desafrontar os “brios da Marinha de Guerra” por eles atingidos. Finalmente vem um decreto pelo qual qualquer marinheiro podia ser sumariamente demitido. A anistia fora uma farsa para desarmá-los.

São acusados de conspiradores, espalham boatos de que haveria uma outra sublevação. Finalmente, afirmam que a guarnição da ilha das Cobras havia se sublevado. Pretexto para que a repressão se desencadeasse violentamente sobre os marinheiros negros. O presidente Hermes da Fonseca necessitava de um pretexto para decretar o estado de sítio, a fim de sufocar os movimentos democráticos que se organizavam. As oligarquias regionais tinham interesse em um governo forte. Os poucos sublevados daquela ilha propõem rendição incondicional, o que não é aceito. Segue-se uma verdadeira chacina. A ilha é bombardeada até ser arrasada. Estava restaurada a honra da Marinha.

João Cândido e os seus companheiros de revolta são presos incomunicáveis, e o governo e a Marinha resolvem exterminar fisicamente os marinheiros. Embarca-os no navio Satélite rumo ao Amazonas.

Os 66 marujos que se encontravam em uma masmorra do Quartel do Exército e mais 31, que se encontravam no Quartel do 1º Regimento de Infantaria, são embarcados junto com assassinos, ladrões e marginais para serem descarregados nas selvas amazônicas. Os marinheiros, porém, tinham destino diferente dos demais embarcados. Ao lado dos muitos nomes da lista entregue ao comandante do navio, havia uma cruz vermelha, feita a tinta, o que significava a sua sentença de morte. Esses marinheiros foram sendo parceladamente assassinados: fuzilados sumariamente e jogados ao mar.

João Cândido, que não embarca no Satélite, juntamente com alguns companheiros foram recolhidos a uma masmorra da ilha das Cobras, onde viviam como animais. Dos 18 recolhidos ali, 16 morreram. Uns fuzilados sem julgamento, outros em conseqüência das péssimas condições em que viviam enclausurados. João Cândido enlouqueceu, sendo internado no Hospital dos Alienados. Tuberculoso e na miséria, consegue, contudo, restabelecer-se física e psicologicamente. Perseguido constantemente, morre como vendedor no Entreposto de Peixes da cidade do Rio de Janeiro, sem patente, sem aposentadoria e até sem nome, este herói que um dia foi chamado, com mérito, de Almirante Negro.

Fonte: www.terrabrasileira.net

voltar 12345avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal