Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História do Brasil / Escravidão no Brasil

Escravidão no Brasil

PUBLICIDADE

 

Escravidão no Brasil

A origem da escravidão humana perde-se no tempo e se acha ainda oculta pela poeira dos séculos que envolvem a própria historia do homem sobre a terra. É a luz do saber humano ainda não se projetou sobre a primeiro escravo, se branco ou negro, se asiático, africano ou europeu.

Admite-se, todavia, que surgiu a escravidão do homem com as primeiras lutas e teve origem no direito da força que foi corporificando e se espalhando entre os homens isolados, destes às famílias, às tribos e por fim, às nações e aos estados organizados.

A ferocidade do vencedor exaltada sobre o vencido fora a causa potencial da escravidão do homem desde a mais remota antigüidade, desde os assírios, os egípcios, os judeus negros e romanos e bem assim os demais povos da mais alta antigüidade, adotaram a escravidão e legislaram sobre ela, sobretudo os romanos que coibiram os abusos que se cometiam à sombra dos usos e costumes dos demais povos, estabelecendo princípios do modo de ser escravos , estes princípios constituíram um grande avanço em prol da liberdade humana, mas tarde duas poderosas forças vieram modificar os modos de ser escravos; o advento do Cristianismo e a evolução natural do direito.

O escravo era considerado como coisa, era vendido como peça, contado ou pesado, trocado,doadointer-vivos ou cauda mortis, legado ou herdado é por si mesmo, a mais fabulosa somação de sofrimento, de dores e desgraças.

Costume este incorporado mais tarde ao Código Penal do Império,a lei impunha a pena de no máximo duzentos açoites nas grandes cidades, mas no interior, nas minas e nas senzalas, os senhores aplicavam-na no escravo arbitrariamente.

As leis tinham disposições excepcionais que permitiam que os escravos sofressem torturas para fazerem declarações, as marcas de ferro quente, as mutilações de alguma parte do corpo, e a pena de morte estavam contidas no livro V das ordenações portuguesas, e ampliadas constantemente pelas Cartas Régias expedidas pela corte, para atender a cada caso, seja no engenho, nas minas.

Por toda a parte havia tortura, penas e castigos horrendos impostos aos negros e os arsenais de tortura se multiplicavam com as Cartas Régias e as ordenações e os alvarás que não eram de liberdade e sim de sentenças condenatorias, e a imaginação humana esgotou os recursos na invenção de penas e tormentos que subjugavam os negros escravos, por isto criaram viramundos, algemas, gargalheiras, cadeira ajustada aos pulsos e ao tornozelo, a pescoceira de ponta curva, a mascara de ferro, a focinheira, o açoite, a palmatória, o tronco chinês, o cinto com seu cadeado pendente, as letras de fogo que eram impressas na espádua do negro fujão e o libambo era o que compunha o arsenal de dor, maceração, tortura e mortificação dos negros a serviço do senhor dono do escravo que comprava o negro escravo e desumanizava-o, para o tornar manso e obediente, as vezes eles preferiam matar o escravos, antes de lhe permitir uma reação, que se estendesse a toda a colônia.

Matava-o quando se insurgia; e mutilava-o para purifica-lo, porém o branco era egoísta e tímido, pois necessitava de companhia que o seguisse para lhe resguardar pelos caminhos, sendo assim selecionava os pretos bons e fortes e os armava para sua segurança.

A escravidão na África foi uma imitação da escravidão dos Mouros e Sarracenos, que cresceu, desenvolveu-se, agigantou-se e envolveu todas as grandes potências marítimas, que eram a Inglaterra, França, Espanha e Portugal e outras quase todas arrastadas pelas rendas que o mercado de escravo oferecia, a África por conseguinte, passou a ser o grande palco da escravidão do homem pelo homem e quando criaram-se hordas de penetração ao interior desconhecido para aprisionamento dos negros, em vez de missões civilizadoras, e para legitimar a escravidão negra criou-se o principio hediondo, imoral e mentiroso do resgate.

O homem foi transformado em mercadorias e classificados nas alfândegas como objeto de utilidade para pagamento de imposto de exportação

E os primeiros negros introduzidos em Portugal constituíram, os fundamentos naturais da organização de empresas de transporte de peças e despertaram a cobiça de seu comercio rendoso e pela facilidade de aprisionar os negros em toda costa africana onde os maometanos faziam suas presas para trocarem pelos prisioneiros que os portugueses lhe faziam nas suas conquistas pelos mares afora, e as Ilhas da Madeira e as Ilhas Canárias tornaram-se o principal foco de comercio de escravos, que logo se propagou nos mercados de Lisboa e de Sevilha.

Mouros, portugueses e espanhóis desfraldaram a bandeira de horrores em todos os rochedos da costa africana para a apreensão dos negros dispersos pelas orlas marítima, foi quando que os duzentos e trinta e cinco negros desembarcados no Algarves pelo escudeiro Lançarote em 1444 constituiu o prólogo que se ensaiava para ser levado no século seguinte, e estas apanha de negros tornou-se tão desumana e barbara que os próprios governos interessados nela, se viram obrigados a tomar providencias para que as mesmas fossem mais humana, por isto provocaram algumas medidas dos poderes temporais romanos e para ameniza-la a igreja interviu desde o principio contra as barbaridades aplicadas aos negros invocando as leis divinas e naturais quando o Papa Pio II, em Bula de 7 de Outubro de 1462 o censurou, e com especialidade a redução dos neófitos da África à escravidão.

A compra de escravos aos poucos foi se organizando, com aquiescência e apoio e proteção de todos os governos; a competição mais forte dava-se entre os especuladores da França, Inglaterra, Holanda e Portugal que com os novos descobrimentos haviam aumentado a extensão de terras aproveitáveis, e para elas eram necessárias os escravos, riqueza sem a qual a terra nada valeria, e de inicio as ilhas de São Tomé e de Portugal e outras do Golfo da Guiné, tornaram-se entrepostos do tráfico onde o negro se submetia a um certo aprendizado a estes entrepostos eram compostos de um pequeno forte destinado a proteger a mercadoria, de algumas casas para os contratantes e de vários barracões para abrigar as levas de negros que vinham do interior.

No inicio os Mouros eram os intermediários entre os portugueses e os grandes fornecedores com o decorrer do tempo os entendimentos passaram a ser feito diretamente com os régulos em suas aldeias de onde os negros eram quase sempre caçados pelos próprios mercadores, mediante ao pagamento de um tributo junto aos régulos, os negros desde a sua apanha e durante o tempo de viagem eram conservados ligado uns aos outros com um pedaço de madeira semelhante a um bridão, amarrado à boca e em volta do pescoço ficavam presos a uma forquilha, com as mãos presas atras das costas, amarrados por uma corda na cintura do condutor para evitar os gritos e fugas!

Até a feitoria onde eram abrigados em barracões durante um certo período que se da o nome de refresco a espera de navios para serem embarcados, e as levas de escravos negros antes de serem embarcados para o novo mundo eram batizados pelo Bispo de Luanda e desta maneira ficavam os traficantes livre do pagamento de imposto, quando os se destinavam ao Brasil.

 

O Tráfico de Escravos e Outros Problemas com a Inglaterra e a França

Após a meritória campanha de Wilberforce, na segunda metade do século XVIII, vencidos os opositores internos da abolição do tráfico e da escravidão, a Grã-Bretanha, desde o início do século XIX, tornara-se a campeã da liberdade dos escravos negros, se bem que somente em 1838 tenha proclamado a abolição total da escravidão em suas colônias.

Seria interessante recordar, como um flash, em um esforço de situar o assunto em um contexto mais amplo, que em 1787 o tráfico deslocava anualmente 100.000 escravos negros, transportados pela Inglaterra (38.000), França (31.000), Portugal (25.000), Holanda (4.000) e Dinamarca (2.000). Os negreiros haviam também mudado sua direção. Durante o século XVIII, a metade deles se dirigia às Antilhas inglesas, holandesas e francesas.

No século XIX não tiveram senão dois destinos: o Brasil e Cuba. Depois que a França perdeu São Domingos, a ilha espanhola tornou-se o primeiro produtor mundial de açúcar; reclamava incessantemente mais escravos, uma parte dos quais revendia aos fazendeiros do sul dos Estados Unidos.

Quanto ao Brasil, atingia ele um formidável desenvolvimento agrícola. Assim, os portugueses, espanhóis e brasileiros, em número muito maior do que os franceses, se dedicaram ao tráfico de escravos.

Este não fora nunca tão remunerador como quando se tornou clandestino: fala-se de lucros de 200% a 400% (Liliane Crété, “La traite de Nègres sous l’Ancien Regime”, Paris 1989, págs. 278). Quanto às colônias francesas por exemplo, a Assembléia votara a abolição da escravidão em 1794; Napoleão, Primeiro Cônsul, a restabeleceu em 1802, tendo sido finalmente extinta em 1848, indenizando-se os proprietários atingidos pela medida.

Valendo-se da situação privilegiada de que gozava após o apoio dado à transmigração da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro, conseguiu o Governo inglês que, no Artigo X do Tratado de Aliança e Amizade celebrado com Portugal em 1810, o Príncipe Regente “… convencido da má política do comércio de escravos” resolvesse cooperar com o Rei da Grã-Bretanha, “adotando em seus domínios uma gradual abolição do comércio de escravos”.

Ficava também proibido aos portugueses continuar o tráfico na África, fora dos domínios de Portugal.

No Congresso de Viena, não obtivera a Inglaterra a inclusão, na Ata Final, de uma cláusula que equiparasse o tráfico à pirataria. Conseguira, entretanto, em relação àquele, que no anexo XV à referida Ata, constasse sua condenação em princípio.

Bilateralmente, entretanto, assinou com Portugal, também em 1815, um Tratado “para a abolição do tráfico de escravos em todos os lugares da Costa da África ao norte do Equador”. Além dessa medida, o texto bilateral assinala que D. João resolvera adotar ” em seus domínios, uma gradual abolição do comércio de escravos”.

O Governo inglês não esmorecia em seu afã e, em 1817, não lhe sendo ainda possível atingir seu maior objetivo, alcançara pela Convenção que tem por fim “impedir qualquer comércio ilícito de escravatura”, fosse adotado e reconhecido o famoso “direito de visita e busca” nas embarcações suspeitas e a criação de “comissões mistas” para julgarem os navios apresados, que passaram a funcionar em Serra Leoa e no Rio de Janeiro.

Proclamada a Independência do Brasil, passou a Grã-Bretanha a pressionar o Governo imperial, tendo-se inclusive pensado em um momento, que o reconhecimento poderia ser trocado pela abolição do tráfico.

Mais tarde, em 1826, foi assinada “com o fim de pôr termo ao comércio da escravatura na Costa da África”, a Convenção de 23 de novembro, a qual além de revalidar os compromissos anteriormente assumidos pela Metrópole, estatuiu a “supressão definitiva do tráfico”, três anos depois da troca de ratificações; a libertação dos negros importados ilegalmente e o término, em 1845, do “direito de visita”.

Iniciou-se assim um penoso período que se deteriorava dia a dia. De um lado, os interesses escusos dos traficantes (a maioria dos quais estrangeiros) ávidos de não perder os lucros extraordinários que obtinham, sustentados pela maioria absoluta, pela quase totalidade, dos produtores rurais que não imaginavam outros braços que não fossem escravos.

De outro, o Governo e o Almirantado da Grã-Bretanha, lutando por uma nobre causa, mas insensíveis aos melindres nacionais que os interessados habilmente manipulavam. A cada excesso dos navios ingleses, correspondia um aumento de sensibilidade do povo e do governo.

Multiplicavam-se, assim, os abusos ao mesmo tempo que crescia o sentimento nacionalista de reação. Chegou um momento em que a repressão tornou-se unilateral e, inclusive, a Comissão Mista de Serra Leoa passou a funcionar sem representantes brasileiros. Crescia desmesuradamente o tráfico depois de 1833.

Em 1844 o Governo Imperial resolveu enfrentar os arbítrios da campanha inglesa. Em 9 de novembro, em nota ao Ministro inglês no Rio de Janeiro, declarou abolido o cargo de juiz conservador da Nação inglesa.

Meses depois, em 12 de março de 1845, às vésperas da cessação da vigência da Convenção de 1826, recordou ao representante inglês essa situação, sugerindo, entretanto, a criação por seis meses de uma comissão mista. Para surpresa nossa, o representante inglês nessa comissão declarou que o Almirantado da Grã-Bretanha considerava sempre vigente a Convenção de 1826, no que se referia à busca e apreensão de navios suspeitos.

Apesar de não esperar essa reação, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Limpo de Abreu, respondeu que estaria pronto a estudar uma maneira de adaptar às atuais circunstâncias as convenções de 1817 e 1826, com o que, após certa relutância, parecia concordar o governo inglês. Eis, porém, que a 8 de agosto do mesmo ano de 1845, fora sancionado o famoso Bill Aberdeen que determinava o julgamento, pelo Almirantado inglês, de todos os navios apresados.

Escravidão no Brasil
Rugendas, Negros no porão do navio – 1835

Nosso Ministro em Londres apressou-se a protestar junto ao Foreign Office, o mesmo fazendo Limpo de Abreu na severa nota enviada à Legação inglesa no Rio de Janeiro, circulada, aliás, entre os demais representantes de potências amigas acreditados junto à Corte de S. Cristóvão. O Governo britânico ponderou, como já o fizera, que considerava a “cláusula da pirataria” como permanentemente válida.

No Brasil a reação ao Bill Aberdeen foi geral e particularmente violenta. Esse estado de espírito favorecia o comércio negreiro. Ao mesmo tempo, as violências inglesas contra o tráfico recrudesceram.

Ia se criando um verdadeiro círculo vicioso que era mister interromper: de um lado, a reação aos excessos da campanha levada a cabo pela Inglaterra propiciava aos traficantes intensificar sua atividade a qual, por sua vez, dava lugar a uma repressão cada vez mais violenta.

O tráfico aumentava, na verdade, em proporção muito superior ao que seria possível esperar. Assim, em 1845, ano da sanção do célebre Bill, o Brasil importara 19.453 escravos; em 1846, 50.324; em 1847, 56.172; em 1848, 60.000; em 1849, 54.000; em 1850, (ano da Lei Eusébio de Queiroz) 23.000; em 1851, 3.287; e em 1852, 700.

Essa baixa vertiginosa no quadro da importação de escravos deve-se à atitude do Governo imperial o qual soube, apesar da atmosfera de ressentimentos e de indignação popular, acirrados, como assinalamos, pelos traficantes e grandes proprietários, ver o interesse maior do país procurando solucionar diretamente, sem a colaboração de outras potências, o grande e complicado problema do tráfico.

Passou, assim, o assunto para o campo do direito interno e de acordo, aliás, com a opinião um tanto isolada de uma elite de estadistas, foi sancionada a lei de 4 de setembro de 1850 que suprimiu definitivamente o tráfico, estatuindo penalidades graves para seus infratores.

O então Ministro do império tomou as medidas necessárias para a rigorosa aplicação do texto legal justamente conhecido como Lei Eusébio de Queiroz. Extinguia-se, assim, um problema que tantas dificuldades trouxera ao Governo imperial.

Hélio Vianna (“História Diplomática do Brasil”, págs. 106 e 107) sintetiza, com felicidade, outras questões que tivemos que enfrentar com a Inglaterra, nos primeiros anos da década de 1860:

“Além das divergências suscitadas pela questão do tráfico de africanos e da pretendida renovação de seu vantajoso Tratado de Comércio, outras sustentou o Império do Brasil contra a Inglaterra, algumas, aliás, baseadas em motivos de ordem exclusivamente pessoal, isto é, arbitrárias atitudes assumidas por seu ministro no Rio de Janeiro, William Dougal Christie.

Dois pequenos incidentes, que poderiam ser satisfatoriamente resolvidos sem dificuldade, levaram o país a romper relações com aquela potência européia, pela inabilidade e violência com que quis resolvê-los o referido diplomata.

O primeiro caso originou-se na pilhagem, nas costas do Rio Grande do Sul, da carga de uma embarcação inglesa aí naufragada em 1861. Apesar de terem as autoridades brasileiras tomado todas as providências para o necessário inquérito, conseguiram fugir para o estrangeiro os responsáveis pelo roubo.

O segundo incidente, simples ocorrência policial, verificou-se no Rio de Janeiro, no ano seguinte. Dois oficiais da marinha britânica, embriagados e à paisana, desrespeitaram uma autoridade brasileira, foram presos e, logo depois de conhecida sua condição militar, postos em liberdade.

Juntando os dois episódios, exigiu Christie o pagamento imediato de indenização pelo primeiro e amplas satisfações pelo segundo, inclusive a punição dos funcionários que julgava responsáveis. Não acedendo o Governo imperial às exigências do diplomata, determinou este que navios ingleses apresassem, fora do porto do Rio de Janeiro, algumas embarcações mercantes brasileiras.

O fato provocou, nos primeiros dias de 1863, enorme agitação popular, que só não chegou a produzir lamentáveis conseqüências pela atitude então assumida pelo Imperador D. Pedro II, que tomou sob sua responsabilidade a honrosa solução do incidente.

Determinando que se pagasse, sob protesto, a indenização pedida, pois o Brasil não discutiria questões de dinheiro quando se tratasse da honra nacional, mandou que o nosso ministro em Londres, Francisco Inácio de Carvalho Moreira, depois Barão do Penedo, pedisse satisfações ao governo inglês, pela ação de seu agente no Rio de Janeiro, aliás prontamente removido do cargo.

Não julgando satisfatórias as explicações que lhe foram dadas, rompeu o Brasil relações com a Inglaterra, deixando a sua capital o nosso representante e recebendo passaportes o substituto de Christie junto à corte de São Cristóvão.

Reconhecendo, porém, o governo brasileiro, a origem puramente pessoal do conflito, e levando em conta a antiga amizade brasileira e portuguesa com a Inglaterra, admitiu, pouco depois, que o caso fosse decidido por arbitramento do Rei dos Belgas, aliás tio e conselheiro da soberana inglesa, a Rainha Vitória.

O laudo de Leopoldo I foi inteiramente favorável ao Brasil, motivo pelo qual, reconhecendo a Inglaterra a precipitação com que agira o ministro Christie, incumbiu o ministro Edward Thornton de apresentar a D. Pedro II as escusas do governo de Sua Majestade britânica.

Encontrava-se o Imperador do Brasil em Uruguaiana, em plena guerra com o Paraguai, em 1865, quando foi procurado pelo agente inglês, que aí mesmo deu cumprimento à sua missão, reatando-se as relações com a Inglaterra, ficando inteiramente desfeito o incidente que dera causa ao rompimento”.

As questões do Pirara e do Amapá a que nos referimos ao sintetizar a diplomacia durante o período regencial, arrastavam-se, sem solução, depois da Maioridade. O Governo Imperial, em 1843, concordou em neutralizar a zona do Pirara aguardando melhor oportunidade para resolver o dissídio. Com relação ao Amapá, tanto as negociações entabuladas no Rio de Janeiro, em 1841 e 1842, quanto as levadas a cabo em Paris em 1846 e 1854, não tiveram resultados definitivos.

Sobre as negociações para pôr termo ao Tratado de Comércio de 1827 com a Inglaterra, já nos referimos ao tratar do assunto de maneira geral no capítulo referente ao 1º Reinado. A abertura do Amazonas será enfocada de maneira especial.

 

História

Regime social de sujeição e exploração do homem e de sua força de trabalho, entendida como propriedade privada, e através da escravidão foi que as metrópoles européias encontraram a formula ideal para explorar as terras americanas, e no Brasil a escravatura nasce com a colonização, sobrevive a ela e é oficialmente extinta em 1888 no final do império.

Os negros não são autóctones do continente africano, mas de povos invasores das diversas tribos Acas, Bacassequeres, Boximanes, Hotentotes, Cacuisses e Mucancalas que se encontravam espalhado pelas regiões lacustres ou desérticas e que ao emigrarem para Etiópia estabeleceram duas correntes que ao utilizarem o istmo de Suez e o Vale do Nilo deram origem aos povos Nigricianos, e uma outra que seguiu pelo estreito de Bab-al-Mandab e que ao atingirem as montanhas ao sul o oriente da região dos Lagos acabaram formando os povos do tipo Bandu.

E no momento em que as emigrações negras do norte da África cruzaram com a raça branca, elas formaram as populações Hamitas que invadiram as regiões dos Lagos e obrigaram os negros da raça Bandu e seus descendentes dos cruzamentos Bandus-Hamitas a um novo movimento migratório que invadiu o sul da África que era ocupado pelos aborígines Nigrilos que foram exterminados e escravizados pelos seus invasores, e com os cruzamentos realizados entre os Bantu e a população aborígines derivaram-se as atuais distinções etnográficas do sul da África deu origem para formação dos impérios do Congo, dos Vatuas e dos Maluas. E no momento em que o rei de Portugal cujo povo irrequieto e bravo de sangue mesclado de Iberos, Celticos e Judeus e que já haviam realizado através de seus navegadores o contorno da terra negra e batizado a sua costa, e estudado as reentrâncias das baias, istmos e penínsulas para expandir o seu domínio e alargar a sua civilização, e para isto o monarca ordenou que fosse penetrado o interior do continente negro para ser desvendado os seus segredos.

E para submeter às nações que ali habitavam foi organizada uma poderosa armada sob o comando de Diogo Cão com um grande número de condenados que ali deveriam ser deixados.

Ao regressar a Portugal, o experimentado navegador português levou em sua armada uma numerosa embaixada de negros da corte congolense para serem instruídos na religião católica segundo os costumes da corte lusitana, após passar um ano na corte, a embaixada de negros retornou as suas terras na expedição de Dom João de Souza que tinha em sua companhia numerosos frades franciscanos, dominicanos e evangelistas e diversos operários, comerciantes e agricultores para iniciarem a colonização africana em Angola. E ao chegarem em 29 de Março de 1491 sob imponentes festas com a presença do negro Caçula que havia sido educado e preparado na rigidez dos costumes da corte lusitana, e após a realização de uma missa campal onde o rei Manisonho que era tio do rei do Congo, recebeu a água lustral do batismo foi organizada uma expedição para penetrar até a embala do rei Manicongo onde a população negra não viram com bons olhos a penetração portuguesa no coração de sua terra, e por este motivo às numerosas tribos dos Mundequetes levantaram-se em armas ao se rebelarem contra os portugueses e o rei Manicongo que partiu com numerosos guerreiros e combatentes portugueses para derrotar os sublevados, e para se tornar o senhor absoluto de seu povo, desta maneira seguiu a posse pacifica do reino e futuro mercador do trafico de negros escravos para outras terras. Em decorrência das boas relações comerciais entre os negros e os portugueses em toda a margem do rio Zaire, o rei Dom Manoe lI no ano de 1513 oficializou o resgate dos negros pelos comerciantes, e baixou um regimento a Simão da Silveira seu lugar tenente junto ao rei Manicongo oficializando o trafico dos negros já iniciado pelos comerciantes do rio Zaire e adotado pelos missionários em benefícios de suas ordens religiosas.

Escravidão no Brasil
Um negociante de escravos Africano caminha para a costa, onde eles serão vendidos.

Com isto a caça ao negro pelo sertão africano tornou-se desabusada, pois todo negro que caísse no laço, eram vendidos aos traficantes estabelecidos em toda a costa do Congo que os embarcavam nos navios que chegavam a África para serem vendidos nos mais variados mercados

E com a morte dos reis Dom Manuel I de Portugal que foi sucedido por seu filho Dom João III, e de Dom Afonso rei do Congo que foi sucedido Dom Diogo, com isto desapareceram todos os liames morais ainda existente entre seus antecessores, e com isto o trafego se tornou absolutamente franco e imoral, e por conta disto os padres passaram a competir com os comerciantes de profissão em razão da falta de autoridades portuguesas para exercerem a direção da administração, e por causa do regimento emitido por Dom Manuel para Simão da Silveira os negros através de seu rei Dom Diogo acabaram perdendo o respeito aos portugueses e por esta razão passou a não efetuar o pagamento das mercadorias adquiridas junto aos colonizadores portugueses e ordenou o fechamento do mercado de escravos aos portugueses e abriu o mesmo para os negros de seu reino. E devido à ambição do trafico os portugueses sobrepujaram o tato político e substituíram a conquista pacifica pela ocupação militar para garantir o trafico negreiro naquele sobado.

ORIGEM DA ESCRAVIDÃO

A origem da escravidão humana perde-se no tempo e se acha oculta pela poeira dos séculos que envolvem a própria história do homem sobre a terra, é a luz do saber humano ainda não se projetou sobre o primeiro escravo, se foi branco ou negro, se asiático, africano ou europeu.

Todavia admite-se que tenha surgido com as primeiras lutas e teve origem no direito da força que foi corporificando e se espalhando entre os homens isolados, desde às famílias, às tribos e por fim às nações e aos estados organizados, pois a ferocidade do vencedor exaltada sobre o vencido desde a mais remota antigüidade adotavam a escravidão e legislavam sobre ela, e que se modificou com quando do advento do cristianismo e a evolução natural do direito.

Escravidão no Brasil
Escravidão – Escravo sendo Açoitado
Jean Baptiste Debret

A escravidão cresceu, desenvolveu-se, agigantou-se e envolveu todas as grandes potências marítimas que na época eram a França, Inglaterra, Espanha e Portugal em razão dos lucros que o mercado de escravo oferecia, e por conseqüência a África passou a ser o grande palco da escravidão do homem pelo homem quando criaram hordas de penetração ao interior desconhecido para o aprisionamento dos negros, e para legitimar a escravidão negra, criou-se o principio hediondo, imoral e mentiroso do resgate que despertou uma cobiça por um comércio altamente rendível, com isto Portugal passou a realizar junto aos Maometanos a troca dos negros por eles capturados em toda costa africana por prisioneiros que os portugueses faziam nas suas conquista pelos mares afora, com isto as Ilhas da Madeira e as Ilhas Canárias logo se tornaram no principal foco de comércio de escravos.

Escravidão no Brasil

Que logo se propagou para os mercados de Lisboa e de Sevilha, com isto mouros, espanhóis e portugueses defraudaram a bandeira do horrores em todos os rochedos da costa africana para apreensão dos negros dispersos

Pela orla marítima, e devido a estas conquistas a apanha de negros tornou-se tão desumana e barbara que levou aos próprios governos interessados pelas capturas a tomarem algumas providencias para que as mesmas fossem mais humanas, e com base nos poderes temporais romanos e por conta dos fatos o papa Pio II em 7 de Outubro de 1462 através de uma bula acabou censurando os métodos adotados na África quando do tratado despendido aos negros escravos, com isto a compra de escravos aos poucos foram se organizando com a aquiescência, o apoio e a proteção de todos os governos envolvidos na exploração do comércio de escravos, e devido aos novos descobrimentos com grandes extensões de terra aproveitáveis onde eram necessário o aproveitamento dos escravos para seu desenvolvimento, foi que levou o de reino de Portugal a estabelecer nas Ilha de São Tomé e em uma outra ilha no Golfo da Guiné alguns entrepostos a serviço do tráfico, onde no inicio os Mouros serviram como intermediários nos negócios realizados entre portugueses e os grandes fornecedores, e que com o decorrer do tempo os entendimentos passaram a ser realizados diretamente com os régulos em suas aldeias, que após o pagamento de um tributo autorizavam o próprios mercadores a efetuarem a caçada aos negros que após serem apanhados e durante o tempo de viagem eram conservados ligados uns aos outros.

Escravidão no Brasil

Com um pedaço de madeira semelhante a um bridão amarrados à boca para não gritarem e com as mãos presas atrás das costas e atados em uma corda que era presa em uma forquilha colocada em volta do pescoço e ligada por uma corda na cintura do condutor para evitar as fugas.

Escravidão no Brasil

E ao serem conduzidos para as feitorias, os negros eram abrigados em barracões durante um certo periodo que recebia o nome de refresco para serem embarcados para o novo mundo.

Logo após serem batizados pelo bispo de Luanda para livrarem os traficantes do pagamento de impostos quando as levas de escravos negros se destinavam para o Brasil, que nesta época eram considerados como coisas, pois eram vendidos como peças ao serem contados ou pesados, trocados, doadointer-vivos ou causa mortis, legados ou herdados é por si mesmo a mais fabulosa soma de sofrimentos, de dores e desgraças cujos costumes foram incorporados mais tarde ao código penal do império e utilizado nas grandes cidades, pois no interior, nas minas e nas senzalas os senhores aplicavam as suas próprias leis sobre os escravos de maneira arbitraria pois as leis continham disposições excepcionais que permitiam que os escravos sofressem, penas, castigos e torturas horrendos com ferro quente, ou mutilações em alguma parte do corpo para fazerem declarações, e a pena de morte contida no livro quinto das ordenações portuguesas, eram constantemente ampliadas pelas cartas régias expedidas pela corte para atender os casos nos engenhos e nas minas, é as sessões de torturas que eram impostos aos negros eram realizadas através de um verdadeiro arsenal que a imaginação humana esgotou os recursos na invenção de penas e tormentos para subjugar os negros, e para isto foram criado viramundos, algemas, gargalheiras, cadeiras ajustadas aos pulsos e ao tornozelos, pescoceiras de ponta curva, mascaras de ferro, focinheiras, açoites, palmatórias, troncos chinês, cinto de cadeado pendente, letras que eram levadas ao fogo para serem impressas na espádua do negro fujão.

E para tornar o negro manso e obediente ao serviço, o senhor do escravo quando comprava o escravo imediatamente aplicava uma sessão de tortura com o intuito de purifica-lo.

Escravidão no Brasil
Debret, Feitores castigando negros

E que as vezes chegava a mutilação do negro, e quando ele se insurgia o senhor de escravo preferia matar para que a insubordinação não se estendesse a toda a colônia. Porém o branco era egoísta e tímido, pois necessitava de companhia que o seguisse para lhe resguardar pelos caminhos, e para isto eles selecionavam e armava os pretos bons e fortes para suas segurança.

A Escravidão no Brasil

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, encontraram um povo inculto, os índios. Os portugueses chegaram no Brasil com o objetivo de obter riquezas, mas os índios viviam em uma economia de subsistência. Os portugueses buscavam ouro e prata. Mas os índios não tinham ouro e prata para oferecer. Assim, o que acabou despertando o interesse dos portugueses, foi a abundância de pau-brasil. Durante o período pré-colonial (1500 – 1530), os portugueses desenvolveram a atividade de exploração do pau-brasil, árvore abundante na Mata Atlântica naquele período. A exploração do pau-brasil foi possibilitada pela sua localização, pois as florestas estavam próximas ao litoral, além da ajuda dos índios, com os quais os portugueses desenvolviam o escambo. Em troca de mercadorias européias baratas e desconhecidas aos índios, estes extraíam e transportavam o pau-brasil para os portugueses até o litoral, onde ficavam as feitorias.

Os portugueses precisavam garantir uma mão-de-obra eficiente e que tornasse a produção colonial barata e rentável. A alternativa encontrada pelos colonos portugueses foi a mão-de-obra escrava, sendo os índios os primeiros povos a serem escravizados. A escravização do indígena aconteceu a partir do momento em que a exploração em torno da atividade de extração do pau-brasil não foi mais possível. Os índios que foram escravizados pelos portugueses mostravam-se mais eficientes na execução de tarefas a que já estavam adaptados no seu modo de vida, como a extração e o transporte de madeira, do que nas atividades agrícolas. O uso de indígenas como escravos perdurou até o século XVIII. Devido às dificuldades encontradas no processo de escravização dos indígenas, os portugueses encontraram como alternativa a utilização de escravos africanos, obtidos através do tráfico negreiro.

Embora o índio tenha sido um elemento importante para formação da colônia, o negro logo o superou, sendo sua mão-de-obra considerada a principal base, sobre a qual se desenvolveu a sociedade colonial brasileira.

Em 1530 inicia-se a produção de açúcar, artigo muito procurado na Europa.

Assim, o Brasil iniciou uma grande produção de açúcar em Recife. Os portugueses produziam o açúcar e os holandeses se encarregavam de o distribuir pela Europa.

Foi dessa forma que iniciou-se o Comércio Triangular: os portugueses e holandeses saiam de navio da Europa em direção a África. Lá trocavam manufaturas (principalmente aguardente) por negros escravos (esses eram capturados por outros negros). Os portugueses e holandeses chegavam no Brasil com negros escravos e esses trabalhariam na produção do açúcar nos engenhos do Nordeste. Os portugueses e holandeses voltavam para a Europa com açúcar e assim estava formado o Comércio Triangular, dando início à escravidão negra no Brasil. Enquanto a Europa importava produtos coloniais, trocava suas manufaturas (armas, pólvora, tecidos, ferros e rum) por mão-de-obra vinda da África. Os escravos eram a moeda com que os europeus pagavam os produtos vindos da América e das Antilhas para não precisar despender os metais preciosos, base de toda a política mercantilista.

Sob ponto de vista econômico, os escravos tinham uma dupla função: eram valor de troca (dinheiro) e valor de uso (força de trabalho).

A busca por escravos na África foi incentivada então por diversos motivos. Os portugueses tinham interesse em encontrar um meio de obtenção de altos lucros com a nova colônia. A resposta estava na atividade açucareira, uma vez que o açúcar tinha grande aceitação no mercado europeu. A produção de açúcar, por sua vez, exigia numerosa mão-de-obra na colônia e diante das dificuldades encontradas de obter essa mão-de-obra na colônia (pois não podiam contar com a mão-de-obra índigena), a alternativa encontrada foi o lucrativo negócio do tráfico de escravos africanos, iniciando-se assim a inserção destes no então Brasil colônia.

Os comerciantes de escravos portugueses vendiam os africanos como se fossem mercadorias aqui no Brasil. Os mais saudáveis chegavam a valer o dobro daqueles mais fracos ou velhos. O transporte era feito da África para o Brasil nos porões do navios negreiros. Amontoados, em condições desumanas, muitos morriam antes de chegar ao Brasil, sendo que os corpos eram lançados ao mar. Nas fazendas de açúcar ou nas minas de ouro (a partir do século XVIII), os escravos eram tratados da pior forma possível. Trabalhavam muito, recebendo apenas trapos de roupa e uma alimentação de péssima qualidade. Passavam as noites nas senzalas (galpões escuros, úmidos e com pouca higiene) acorrentados para não fugirem. Eram constantemente castigados fisicamente, sendo que o açoite era a punição mais comum no Brasil Colônia. Os escravos eram proibidos de praticar sua religião de origem africana ou de realizar suas festas e rituais africanos. Tinham que seguir a religião católica, imposta pelos senhores de engenho e adotar a língua portuguesa na comunicação. As mulheres negras também sofreram muito com a escravidão.

Jornada Diária do Trabalho Escravo

Antes de romper o sol, os negros eram despertados através das badaladas de um sino e formados em fila no terreirão para serem contados pelo feitor e seus ajudantes, que após a contagem rezavam uma oração que era repetida por todos os negros.

Escravidão no Brasil

Após ingerirem um gole de cachaça e uma xícara de café como alimentação da manhã, os negros eram encaminhados pelo feitor para os penosos labor nas roças, e as oito horas da manhã o almoço era trazido por um dos camaradas do sitio em um grande balaio que continha a panela de feijão que era cozido com gordura e misturado com farinha de mandioca, o angu esparramado em largas folhas de bananeiras, abóbora moranga, couve rasgada e raramente um pedaço de carne de porco fresca ou salgada que era colocada no chão, onde os negros acoconrocavam-se para encher as suas cuias e iam comer em silêncio.

Após se saciarem os negros cortavam o fumo de rolo e preparavam sem pressa o seus cigarros feitos com palha de milho, e após o descanso de meia hora os negros continuavam a labuta até às duas horas quando vinha o jantar, e ao por do sol eram conduzidos de volta à fazenda onde todos eram passados em revista pelo feitor e recebiam um prato de canjica adoçada com rapadura como ceia e eram recolhidos a senzala.

E em suas jornadas diárias, os negros também sofriam os mais variados tipos de castigo, nas cidades o principal castigo era os açoites que eram feitos publicamente nos pelourinhos que constituíam-se em colunas de pedras erguidas em praças pública e que continha na parte superior algumas pontas recurvadas de ferro onde se prendiam os infelizes escravos.

E cujas condenação à pena dos açoites eram anunciados pelos rufos dos tambores para uma grande multidão que se reunia para assistir ao látego do carrasco abater-se sobre o corpo do negro escravo condenado para delírio da multidão excitada que aplaudia, enquanto o chicote abria estrias de sangue no dorso nu do negro escravo que ficava à execração pública.

E um outro método de punição dado aos negros foi o castigo dos bolos que consistia em dar pancada com a palmatória nas palmas das mãos estendidas dos negros, e que provocavam violentas equimoses e ferimentos no apitélio delicado das mãos.

Escravidão no Brasil

Em algumas fazendas e engenhos, as crueldades dos senhores de engenho e feitores atingiram a extremas e incríveis métodos de castigos ao empregarem no negro o anavalhamento do corpo seguido de salmoira, marcas de ferro em brasa, mutilações, estrupos de negras escravas, castração, fraturas dos dentes a marteladas e uma longa e infinita teoria de sadismo requintado.

No sul do Brasil, os senhores de engenhos costumavam mandar atar os punhos dos escravos e os penduravam em uma trava horizontal com a cabeça para baixo, e sobre os corpos inteiramente nus, eles untavam de mel ou salmoura para que os negros fossem picados por insetos.

E através de uma série de instrumentos de suplícios que desafiava a imaginação das consciências mais duras para a contenção do negro escravo que houvesse cometido qualquer falha, e no tronco que era um grande pedaço de madeira retangular aberta em duas metades com buracos maiores para a cabeça e menores para os pés e as mãos dos escravos, e para colocar-se o negro no tronco abriam-se as suas duas metades e se colocavam nos buracos o pescoço, os tornozelos ou os pulsos do escravo e se fechava as extremidades com um grande cadeado, o vira mundo era um instrumento de ferro de tamanho menor que o tronco, porém com o mesmo mecanismo e as mesmas finalidades de prender os pés e as mãos dos escravos, o cepo era um instrumento que consistia num grosso tronco de madeira que o escravo carregava à cabeça, preso por uma longa corrente a uma argola que trazia ao tornozelo.

O libanto era um instrumento que prendia o pescoço do escravo numa argola de ferro de onde saía uma haste longa.

Escravidão no Brasil

Que poderia terminar com um chocalho em sua extremidade e que servia para dar o sinal quando o negro quando o negro andava, ou com as pontas retorcidas com a finalidade de prender-se aos galhos das árvores para dificultar a fuga do negro pelas matas, as gargalheiras eram colocadas no pescoço dos escravos e dela partiam uma corrente que prendiam os membros do negro ao corpo ou serviam para atrelar os escravos uns aos outros quando transportados dos mercados de escravos para as fazendas.

Através das algemas, machos e peias os negros eram presos pelas mãos aos tornozelos o que impedia do escravo de correr ou andar depressa, com isto dificultava a fuga dos negros, e para os que furtavam e comiam cana ou rapadura escondido era utilizado a mascara, que era feita de folhas de frandes e tomava todo o rosto e possuía alguns orifícios para a respiração do negro, com isto o escravo não podia comer nem beber sem a permissão do feitor, os anjinhos eram um instrumento de suplicio que se prendiam os dedos polegares da vitima em dois anéis que eram comprimidos gradualmente para se obter à força a confissão do escravo incriminado por uma falta grave.

O FIM DA ESCRAVIDÃO E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS

Resumo

O período imperial foi marcado por conflitos e ideologias sobre a escravidão brasileira, que tinham duas frentes políticas na elite, uma queria o fim da escravidão e estava ligada ao movimento abolicionista e a outra defendia a continuidade da escravidão. Os negros por sua vez, não ficaram parados lutaram de varias formas por sua liberdade. Entretanto, com o fim da escravidão os negros passaram a ser discriminados perante a sociedade, que os tinham como pessoas inferiores aos brancos. Portanto, nós ainda temos hoje resquícios do período imperial do Brasil.

Introdução

As formas que os escravos encontraram para lutarem pela sua liberdade, se deram de varias formas, tanto no movimento abolicionista, como a fuga para os quilombos e até ações judiciais. Este trabalho buscar analisar o fim da escravidão no Brasil e suas consequências para a sociedade brasileira. Como viveriam os negros diante de uma sociedade que maquiou uma ideologia de superioridade.

Durante os períodos colonial e imperial surgiram vários movimentos que queriam o fim da escravidão. Um desses foi o movimento abolicionista, que além de financiar a compra da carta de alforriar de negros, havia também o debate entra a elite brasileira que tentava achar uma solução para o fim da escravidão, uma delas foi embranquecer o Brasil, alegando que os negros eram incapazes de assumir os novos postos de trabalho que surgiriam posteriormente. Por outro lado, os negros não tinham consciência de classe, levados sempre a acreditar que eram inferiores aos brancos, mas isso foi mudando na medida em que alguns membros da elite brasileira como Joaquim Nabuco, José Bonifacio e outros, começaram a denunciar e questionar a elite brasileira sobre a escravidão. Só que grande parte dessa elite não queria o fim da escravidão, porém não se podia mais adiar, era preciso eliminar a escravidão do Brasil. Em 1888 é decretada a liberdade dos negros, mas isso não mudou a forma de pensar e de agir da elite brasileira.

Com o fim da escravidão no Brasil, muitos negros foram expulsos das fazendas e ficaram sem ter onde morar nem como sobreviver. A elite brasileira não queria que os negros assumissem os novos postos de trabalho que estavam surgindo no Brasil, à preocupação da elite era embranquecer o país com imigrantes vindos da Europa. Essa política de segregação racial fez com os negros vivessem as margens da sociedade. O objetivo desse trabalho é analisa a trajetória dos negros durante a abolição da escravatura e a transformação social cultural e política que os negros tiveram depois desse período. Durante todo tempo em que estiveram nas senzalas, sendo utilizados como escravos os negros sempre lutaram pela sua liberdade tendo Zumbi dos Palmares como um símbolo de resistência contra a escravidão dos negros desde período colonial até o império. O Quilombo dos Palmares e outros que existiram no Brasil, eram considerados apenas como um local onde os negros tentavam preserva a sua cultura e o seu modo de vida que tinham na África. Com isso os negros criaram um reduto de resistência contra a um sistema que massacrava um povo que por uma ideologia cultural e religiosa eram considerados inferiores aos brancos. Por outro lado, devido às lutas tribais na África muitos negros eram negociados pelos próprios conterrâneos do continente. A escravidão não só foi utilizada pelos brancos, mas também pelos quilombolas. A mesma muitas vezes se dava quando um negro fugia ou saia do Quilombo sem permissão, pois era considerado traidor, o castigo era se torna escravo dos descendentes de cor ou de luta, pois no local não só tinha negros, mais também índios, pardos e pessoas que estavam sendo perseguidas por algum motivo. Então os Quilombos se tornaram um refúgio em busca da liberdade.

O Quilombo não foi à única forma de luta pela liberdade, houve outros movimentos que fortaleceram ainda mais a questão abolicionista, que buscavam uma solução para o fim da escravidão no Brasil. Devido a esses movimentos que se expandiam a cada dia na sociedade brasileira e da pressão internacional que queria o fim da escravidão. O imperador D. Pedro II teve que criar mecanismo para amenizar a situação criando algumas leis, dando a entender que o fim da escravidão não era um problema do imperador e sim de toda uma sociedade escravocrata, onde o escravo era tratado como uma mercadoria de grande valor comercial, então alguns donos de escravos não queriam se desfizer de um negocio tão rentável, a não ser por meio de indenizações pagas pelo império.

O abolicionismo, entendendo-se por tal corrente de opinião e movimentos sociais e não política de governo baseou-se na Europa e nos Estados Unidos, em razões tiradas de determinadas prática do cristianismo e em razões geradas pelo Iluminismo Francês. (CARVALHO, 2005)

O movimento Iluminista surgiu na França com o propósito de impedir que o governo interferisse na economia do país, essas idéias liberais chegam ao Brasil por volta dos séculos XVI e XVII, que vai ser umas das bases do movimento abolicionista. O movimento abolicionista vai encontrar resistência de alguns senhores de escravos, pois mesmo com todas as implicações o comércio de negros era muito rentáveis e talvez por isso a sociedade brasileira não estivesse pronta para acabar com a escravidão. É notório que alguns senhores de escravos já estava querendo o fim da escravidão, e alguns negros recebiam benefícios dos seus senhores pelos trabalhos prestados, isso era mais notável principalmente nas cidades do que nas fazendas.

Outros escravos que sofriam maus tratos fugiam e muitos deles não iam para os Quilombos e sim para cidades, até mesmo de outras regiões do país, na ilusão de ter uma suposta liberdade e quando era capturado pela policia, brigavam na justiça por sua liberdade, muitos deles conseguiam sua liberdade depois de uma longa batalha na justiça. Isso para o um negro era uma vitória, devido ao fato de não ter que buscar refugio nos Quilombos, já que locais eram mal vistos pela sociedade brasileira, porque nas cidades o negro foragido conseguiria aprender algumas profissões, e com isso ganhar o seu dinheiro e comprar objetos e até mesmo escravos que eram vendidos nos mercados e praças de algumas capitais, dessa forma tornando-se um senhor de escravo, mesmo com a proibição do comércio de negros essas prática ainda estava muito presente no século XIX.

Se chegar ao fim da escravidão no Brasil não foi uma tarefa fácil, se buscou de várias maneiras alcançar esse objetivo, era preciso mudar a consciência política da elite brasileira. Para Joaquim Nabuco, não foi a filantropia que impulsionou o nosso abolicionismo e sim a razão política de José Bonifácio, (Carvalho,2005). O grande obstáculo da elite brasileira era que com o fim da escravidão os negros poderiam ocupar os postos de trabalho, mas essa mesma elite não queria ascensão dos negros na sociedade, devido a isso, preferiram embranquecer o Brasil criando uma política para financiar a passagem de Europeus para trabalhar no Brasil.

Enquanto os ex-escravos não teriam direitos nenhum, ou seja, iam viver a margem da sociedade. A forma como os negros foram tratados após a abolição, teve grandes conseqüências para a formação da nossa sociedade, que até então não eram citados como membros, não tinham os direito garantidos somente os negros que possuíssem algum tipo de bens, poderiam participar como membros da sociedade e não sofriam tanta discriminação.

Mesmo com o fim da escravidão ainda não conseguimos de fato a nossa liberdade definitiva, pois temos resquícios daquele período, à discriminação é uma deles.

A batalha de hoje se dá em duas frentes principais, a frente acadêmica e a frente do movimento pelo fim das discriminações raciais (CARVALHO, 2005). Essas duas frentes são políticas, a primeira se dá na argumentação teórica, a segunda se fundamenta nos movimentos negros que lutam pelo fim da discriminação social do negro, isso só será possível na mudança de mentalidade da sociedade brasileira, enquanto não houver essa mudança não poderemos chegar a uma sociedade justa e igualitária.

A elite branca brasileira já tinha em sua própria sociedade os elementos necessários para forjar sua ideologia racial. Tinha aprendido desde o período colonial a ver os negros como inferiores. Tinha também aprendido abrir exceções para alguns indivíduos negros ou mulatos (VIOTTI, 1998).

Essa ideologia da inferioridade dos negros esta presente no mundo contemporâneo devido a uma parte da sociedade que defende um tipo de comportamento que mascara a formação étnica do nosso país, e muitas vezes desvirtuam a luta dos negros por melhorias e participação dos mesmos na discussão sócio-política da sociedade como um todo. Os negros buscam demonstrar a sua capacidade de participação na transformação da sociedade, seja ela cultural, política ou social. No decorrer dos anos o que vimos foi uma transformação nas políticas públicas para a comunidade negra, como as cotas para se entrar nas Universidades, fortalecimento da cultura negra. Essas políticas são paliativas não resolvem o problema da questão racial do país. Para alguns movimentos negros, esse tipo de política é necessária em reparação ao erro do passado. Já outros grupos têm uma posição contrária às políticas raciais, só disseminam o preconceito e o racismo ainda mais, onde se perpetua uma visão negativa em relação aos negros diante de boa parte da população. Como citado acima à elite brasileira aprendeu a fazer concessões para se manter no poder, podemos perceber essas manobras em todo processo histórico Brasileiro, na chegada da família Real ao Brasil, no Império, na Independência e na Proclamação da República. Dessa forma a população muito pouco participou da transformação política desse país. Foram poucos os negros que se destacaram entre a elite brasileira, esses para se diferenciar dos demais eram chamados de pardos.

A ideologia da inferioridade dos negros que foi forjada durante séculos pelos europeus através do cristianismo, levou-o a viver sempre sobre a tutela dos brancos.

Esse processo ajudou a construir uma imagem negativa do negro, fazendo do mesmo um “marginalizado” diante da sociedade brasileira, muitas vezes não tendo chances de progredir economicamente e socialmente. O mito da democracia racial ainda é uma realidade no Brasil e no mundo. Uma sociedade que busca defende os direitos humanos e que se diz democrata, mas não consegue resolver os problemas sociais, como saneamento básico, segurança, saúde e educação.

Não pode ser chamada de uma democracia, pois a democracia é para poucos. O bom cidadão não é o que se sente livre e igual, é o que se encaixa na hierarquia que lhe é prescrita. (CARVALHO, 2005). Podemos perceber que a cidadania ainda está longe de ser uma realidade social, pois a cada dia é divulgado nos meios de comunicações agressões contra negros, sejam elas verbais ou físicas. Isso mostra o quanto a comunidade negra brasileira precisa lutar para conquistar de fato os seus direitos de cidadãos, porque não é com políticas paliativas que iremos resolver os problemas sociais da nação. É preciso que haja uma mudança de mentalidade das pessoas, que muitas vezes tem o negro como um “inimigo”, isso fica bem claro na Lei 10639 que regulamenta o ensino de História da África e dos Afro-brasileiros nas escolas publicas de todo o Brasil, que não saiu do papel, pois muitos professores recursão a ministrar esse tipo de conteúdo, deixando subtendido que a discriminação se apresenta de varias formas até na educação, onde pessoas que se dizem serem formadores de opinião, mas não têm o mínimo respeito por um povo que foi tirado de seu continente (africano) a força e trazido para um país cujo o nome seria Brasil, para serem explorados como escravos, e no momento não tem sequer o direito de divulgar a sua História.

A cultura da desigualdade persiste em nosso país, onde aqueles que se acham superiores por ter uma condição financeira melhor, e que teve condições de estudar são tratados como doutores ou até mesmo aqueles que possuem um emprego melhor, que demonstrar a sua autoridade sobre os menos favorecidos.

É sintomático da cultura da desigualdade que ele não seja considerado marginal como os que estão por fora e á margem da lei, mas por baixo dela. Entre os dois marginais labuta a multidões dos cidadãos sujeitos aos rigores da lei. (CARVALHO, 2005)

Esta citação se refere ao que se respeita no Brasil, pois os pobres, negros e todos aqueles que vivem nas favelas, são marginalizados pelo próprio estado e quando este vão luta pelos seus direitos através de protestos e organizações sociais são tratados com a violência institucionais. Como é que podemos dizer que o país é democrático? Se o cidadão brasileiro mais simples não tem sequer o direito de reivindicar melhores condições de vida. Na escravidão a luta da comunidade negra e por alguns seguimentos da elite brasileira era pela liberdade dos escravos, no mundo contemporâneo essas lutas se dão através da dignidade humana, pois a cada momento esses direitos são violados, gerando uma insatisfação da grande maioria da população.

Em Pernambuco todos os dias são noticiados na mídia falada ou escrita, casos de violência contra o cidadão ou cidadã. Isso ocorre frequentemente com os de pele mais escura, pois a sociedade brasileira aprendeu que o negro é o bandido, enquanto “os donos do poder” praticam ato de corrupção e muitas vezes nem sequer são julgados e muito menos condenados. Por outro lado temos ainda as diferenças religiosas, onde os membros do candomblé são discriminados por outras denominações religiosas. Que tentam difamar a religião dos negros que é uma herança dos nossos ancestrais africanos que tanto ajudaram a construir esse país, que não tiveram nem sequer o direito de manifestar a sua cultura religiosa, pois muitos foram obrigados a se converter ao cristianismo (católico), que era predominante no período colonial e se fortaleceu no império.

Diante desses fatos vem se discutindo a intolerância religiosa, pois ainda temos uma mentalidade do século passado, é preciso desmistificar essa idéia de que não presta e que tem ligação com o mal, pelo contrario o candomblé é uma denominação religiosa séria como as demais. Podemos perceber o quanto boa parte da sociedade brasileira por não conhecer ou até mesmo por uma ideologia religiosa discriminar a cultura negra com um argumento sem nenhum fundamento Histórico, sociológico ou religioso, pois reproduzem apenas aquilo que é dito pelo seu pastor. Por outro lado, no mundo contemporâneo vem surgindo cada vez mais movimentos contra o racismo, a intolerância religiosa em várias partes do mundo. No Brasil podemos citar o movimento Ecumênico que reúne algumas denominações religiosas. Sabemos que ainda é muito pouco, para um país que é multicultural, será que não poderemos viver em harmonia? Será que não acabaremos com o racismo que persiste desde o período colonial? Devemos sempre nos fazer essas perguntas, só assim, poderemos mudar o contexto histórico em que vivemos.

Conclusão

A truculência do estado contra as pessoas das comunidades carentes é visível, pois nestas localidades a maioria da população não tem instruções, então é mais fácil oprimir e manter-los em seu lugar. Essa violência está representada de varias maneiras, deste uma simples abordagem policial até no assassinato de pessoas inocentes que muitas vezes são confundidas com bandidos. A constituição brasileira garante o direito do cidadão, mas quando a comunidade vai luta pelos seus direitos, notamos o quanto a discriminação está presente. O fato de grande parte da população das favelas serem descentes de escravos, mostra que é preciso uma reconstrução da nossa Historiografia desmistificando a idéia de que o negro era inferior ao branco. Levando em consideração que os mesmo foram fundamentais para formação da nação brasileira, e que possam ser vistos como cidadãos, pois, ainda é muito forte a cultura branca em nosso país. Com diferenças étnicas, religiosa e cultural, criando um novo tipo “apartheid” no Brasil.

André José do Nascimento

Ms. Maria da Gloria de Medeiros

Referencia Bibliográfica

FRITAS, Décio. Palmares: A Guerra dos Escravos. Rio de Janeiro: Ed.Graal, 1982.
CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: Uma História das Ultimas Décadas da Escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
CARVALHO, José Murilo de. Pontos e Bordados: Escritos de História e Política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.
COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: Momentos Decisivos. São Paulo. Editora UNESP, 1998

 

COLONIZAÇÃO PORTUGUESA E A FRACASSADA TENTATIVA DE ESCRAVIDÃO DOS INDÍGENAS

Durante o período pré-colonial (1500 – 1530), os portugueses desenvolveram a atividade de exploração do pau-brasil, árvore abundante na Mata Atlântica naquele período. A exploração dessa matéria-prima foi possibilitada não só pela sua localização, já que as florestas estavam próximas ao litoral, mas também pela colaboração dos índios, com os quais os portugueses desenvolveram um tipo de comércio primitivo baseado na troca – o escambo. Em troca de mercadorias européias baratas e desconhecidas, os índios extraíam e transportavam o pau-brasil para os portugueses até o litoral.

A partir do momento em que os colonizadores passam a conhecer mais de perto o modo de vida indígena, com elementos desconhecidos ou condenados pelos europeus, a exemplo da antropofagia, os portugueses passam então a alimentar uma certa desconfiança em relação aos índios. A colaboração em torno da atividade do pau-brasil já não era mais possível e os colonos tentam submetê-los à sua dominação, impondo sua cultura, sua religião – função esta que coube aos jesuítas, através da catequese – e forçando-os ao trabalho compulsório nas lavouras, já que não dispunham de mão-de-obra.

A escravidão no Brasil inicia-se assim com os índios, paralelamente ao processo de desterritorialização sofrido por estes.

Diante dessa situação, os nativos só tinham dois caminhos a seguir: reagir à escravização ou aceitá-la.

Houve reações em todos os grupos indígenas, muitos lutando contra os colonizadores até a morte ou fugindo para regiões mais remotas. Essa reação indígena contra a dominação portuguesa ocorreu pelo fato de que as sociedades indígenas sul-americanas desconheciam a hierarquia e, conseqüentemente, não aceitavam o trabalho compulsório. Antes dos estudos etnográficos mais profundos (fins do século XIX e, principalmente, século XX), pensava-se que os índios eram simplesmente “inaptos” ao trabalho, tese que não se sustenta depois de pesquisas antropológicas em suas sociedades sem o impacto desestabilizador do domínio forçado.

Os índios assimilados, por sua vez, eram superexplorados e morriam, não só em decorrência dos maus-tratos recebidos dos portugueses, mas também em decorrência de doenças que lhes eram desconhecidas e que foram trazidas pelos colonos europeus, como as doenças venéreas e a varíola.

Diante das dificuldades encontradas na escravização dos indígenas, a solução encontrada pelos colonizadores foi buscar a mão-de-obra em outro lugar: no continente africano. Essa busca por escravos na África foi incentivada por diversos motivos. Os portugueses tinham interesse em encontrar um meio de obtenção de altos lucros com a nova colônia, e a resposta estava na atividade açucareira, uma vez que o açúcar tinha grande aceitação no mercado europeu. A produção dessa matéria-prima, por sua vez, exigia numerosa mão-de-obra na colônia e o lucrativo negócio do tráfico de escravos africanos foi a alternativa descoberta, iniciando-se assim a inserção destes no então Brasil colônia. Convém ressaltar que a escravidão de indígenas perdura até meados do século XVIII.

A ESCRAVIDÃO E O TRÁFICO NEGREIRO

A escravidão no Brasil iniciou-se ainda na primeira metade do século XVI, com início das atividades de produção de açúcar. Os colonizadores portugueses traziam os negros de suas colônias estabelecidas no continente africano para utilizar como mão-de-obra escrava nos engenhos.

O transporte de escravos era uma atividade altamente rentável na época. Os negros eram tratados como simples mercadorias, sendo submetidos a péssimas condições de higiene e conforto, amontoados nos porões dos navios negreiros. Durante a viagem entre a África e o Brasil, muitos ficavam debilitados e acabavam morrendo.

O escravos negros, raptados de sua terra natal (principalmente da África Setentrional, onde hoje estão, por exemplo, Angola, Moçambique e a República Democrática do Congo) e levados a um lugar estranho, eram controlados com mão-de-ferro pelos senhores de engenho, que delegavam aos feitores e outros agregados a fiscalização dos cativos. Os castigos físicos, como o açoitamento, estavam entre os métodos de intimidação que garantiam o trabalho, a obediência e a manutenção dos servos e se prolongaram pelos mais de 300 anos de escravidão no Brasil.

Uma grande estrutura de controle dos escravos também foi criada, tanto no nível da administração colonial quanto dos próprios senhores de escravos, com seus capitães-do-mato – profissionais especializados na recaptura de escravos fugitivos – e outros agregados, além da própria rede de informações informal que servia para controlar os fugitivos.

Como a condição de escravo era simplesmente determinada pelas características raciais dos subjugados no Brasil, era praticamente impossível a fuga e a reinserção social de eventuais fugitivos. O estigma da cor da pele foi determinante para o prolongamento da escravidão por mais de três séculos no país.

OS QUILOMBOS

No período de escravidão no Brasil (séculos XVII e XVIII), os negros que conseguiam fugir se refugiavam com outros em igual situação em locais bem escondidos e fortificados no meio das matas. Estes locais eram conhecidos como quilombos. Nestas comunidades, eles viviam de acordo com sua cultura africana, plantando e produzindo em comunidade. Na época colonial, o Brasil chegou a ter centenas destas comunidades espalhadas, principalmente, pelos atuais estados da Bahia, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Alagoas.

Na ocasião em que Pernambuco foi invadida pelos holandeses (1630), muitos dos senhores de engenho acabaram por abandonar suas terras. Este fato beneficiou a fuga de um grande número de escravos. Estes, após fugirem, buscaram abrigo no Quilombo dos Palmares, localizado em Alagoas.

Esse fato propiciou o crescimento do Quilombo dos Palmares. No ano de 1670, este já abrigava em torno de 50 mil escravos. Estes, também conhecidos como quilombolas, costumavam pegar alimentos às escondidas das plantações e dos engenhos existentes em regiões próximas; situação que incomodava os habitantes.

Esta situação fez com que os quilombolas fossem combatidos tanto pelos holandeses (primeiros a combatê-los) quanto pelo governo de Pernambuco, sendo que este último contou com os serviços do bandeirante Domingos Jorge Velho.

A luta contra os negros de Palmares durou por volta de cinco anos; contudo, apesar de todo o empenho e determinação dos negros chefiados por Zumbi, eles, por fim, foram derrotados.

Os quilombos representaram uma das formas de resistência e combate à escravidão. Rejeitando a cruel forma de vida, os negros buscavam a liberdade e uma vida com dignidade, resgatando a cultura e a forma de viver que deixaram na África.

OS IDEAIS DE LIBERDADE DE JOSÉ BONIFÁCIO

Desde que retornara da Europa o ilustre santista José Bonifácio se chocara e escandalizara com a sociedade de senhores e escravos que encontrara em sua terra: “inumana, injusta, imoral, corrompida e corruptora”, que se degradava e degradava o Brasil. Convencido da necessidade urgente de acabar com a chaga social da escravatura, no início de 1820 ele liberta os escravos da Chácara do Outeirinhos, de sua propriedade, onde pretende provar que se pode trabalhar a terra e lucrar sem escravos e senzalas. Nos dois anos seguintes toda a sua energia se voltou para a luta pela Independência, mas quando esta se concretizou, ele voltou para seus ideais abolicionistas. Logo após a Independência, em fins de 1822, ele escreve a Caldeira Brant, em Londres, solicitando-lhe a convocação de trabalhadores rurais ingleses que quisessem se estabelecer no Brasil. José Bonifácio pretendia com isso criar um exemplo prático que convencesse seus compatriotas de que o trabalho livre era muito mais produtivo e lucrativo que o escravo. Em janeiro de 1823 embarcam os primeiros 50 trabalhadores ingleses rumo ao Brasil.

A suas atitudes como cidadão Bonifácio soma um ato político: entrega à Assembléia Constituinte da qual fazia parte, para consideração, a sua famosa “Representação sobre a Escravatura”, a primeira manifestação pública a favor da abolição. O documento, de raciocínio lúcido e palavras sábias, revela toda a miséria social produzida pela escravidão até então e todo o atraso que ainda poderia produzir ao novo país que se formava, sugerindo os meios para extinguí-la sem causar qualquer choque na economia. Infelizmente, a Representação de Bonifácio bate de frente com a barreira do sistema político e dos interesses em jogo e, com exceção dos Deputados paulistas, todos o repudiam violentamente. Pouco depois se dá a dissolução da Assembléia Constituinte e a deportação dos irmãos Andradas a mando do Imperador. A Representação sobre a Escravatura, apesar de ser um verdadeiro monumento de civilização, contribuiu de forma decisiva para a decadência política de José Bonifácio.

A Representação de Bonifácio, apesar de não encontrar eco no meio político, foi uma boa semente no campo fértil de sua terra natal. O santista José Feliciano Fernandes Pinheiro dá liberdade a 300 escravos do Núcleo Colonial de S. Leopoldo, no Rio Grande do Sul, pertencente ao governo. No interior de São Paulo, Nicolau Vergueiro, português naturalizado, é o primeiro a importar trabalhadores livres para a agricultura no Brasil, criando uma sociedade de imigração e colonização. Em 1827 chegam os primeiros colonos alemães e, em 1829, se forma a Colônia Santo Amaro, perto da capital. Era o abolicionismo pacífico pregado por Bonifácio e que acabaria por tornar São Paulo a primeira e mais rica Província do Brasil.

1830 – 1840 – Cresce a imigração

A importação do trabalhador livre se desenvolve de forma acelerada, espalhando colônias na capital e em inúmeras regiões do interior de São Paulo, totalizando a entrada no país de 60.000 colonos europeus. Era sangue novo na terra, gente resoluta, que iniciava povoações e que ajudavam a criar a grandeza do Estado de São Paulo.

1831 – Proibido o tráfico de escravos

Em 7 de novembro de 1831 é promulgada a Lei que suspende o tráfico de escravos no Brasil, uma lei que tentava salvar as aparências e que foi ridicularizada por todos, pois não refletia a vontade nacional. Nos 15 anos que se seguiram, entraram no Brasil 300 mil escravos contrabandeados.

A PRESSÃO DA INGLATERRA CONTRA PORTUGAL – O INÍCIO DO FIM DA ESCRAVIDÃO

Os portugueses conquistaram a costa africana, com o apoio de alguns chefes tribais, e deram início à captura de homens e mulheres para o trabalho escravo. Os negros capturados vinham acorrentados em porões superlotados, úmidos e com pouca ventilação, pelo menos 40% deles morriam durante o projeto. Ao desembarcarem no Brasil, os negros eram reunidos em grandes galpões, e para serem vendidos melhoravam a aparência deles, dando-lhes refeições.

Havia leilões públicos de lotes de escravos e seus preços variavam conforme a demanda ou a caracterização do grupo, ou seja, a força de trabalho escravo, antes de começar a produzir, já rendia muito á Coroa Portuguesa.

Não deve haver dúvidas sobre a ênfase em relação à formação de vínculos entre senhores e escravos, vínculos responsáveis até por uma certa colonização do português pelo negro, e é indispensável reconhecer que ele nunca deixa de destacar o ambiente violento e despótico que cercava estes vínculos. Na verdade, este ambiente é realçado e detalhado a tal ponto, concretizando-se em torturas, estrupos, mutilações e, sobretudo na cotidiana redução da vontade do cativo à do seu mestre, que não podemos deixar de nos perguntar sobre o efetivo significado de uma sociedade assim dividida entre o despotismo e a confraternização, entre a exploração e a intimidade.

De certa forma, os negros foram à alavanca do comércio inglês, abrindo mercados e acumulando capitais com o lucro vindo pelo tráfico.

Os motivos que levam a Inglaterra ter interesse no tráfico de escravos é que obtêem lucros no comércio de negros e que a fim desse comércio será de grande importância para a implantação do sistema econômico que pretendem exportar para o Brasil – Império.

Sabendo que a Inglaterra foi o primeiro país a abolir a escravidão (1772) eles utilizaram o trabalho escravos nas suas Colônias da América, além de escravizarem egípcios e hindus durante muitos anos.

Em 1696, Portugal ensaia uma nova atividade no tráfico, mas perdido os franceses controlam o tráfico de 1701 a 1713, pelo Tratado de Utrcht.

As guerras e invasões para capturar escravos geravam instabilidade e a perda da população tinha efeitos econômicos negativos.

De outro lado, o preço que os europeus pagavam pelos escravos, sempre em alta, significava lucro para mercadores e governantes africanos que negociavam escravos.

As pressões inglesas para acabar com o tráfico negreiro a partir do fim do século XVIII se intensificaram ano a ano. Os ingleses começaram a se importar com o conceito de igualdade após 1750.

Isso porque, para ampliar o mercado consumidor de seus produtos manufaturados, era necessário multiplicar também o número de trabalhadores.

A Inglaterra queria o fim do tráfico, devido à concorrência do açúcar brasileiro com o produzido nas Antilhas.

As pressões da Inglaterra para que pusesse fim ao tráfico chocaram-se contra os interesses dos escravistas. Estes, fazendeiros ou traficantes, argumentando que a influência da Inglaterra lesava a soberania nacional, conseguiu propagar um forte sentimento antibritânico, que se difundiu pelas camadas populares.

Mas o tráfico continuou, e a Inglaterra não desistiu. Sentindo-se prejudicado por medidas protecionistas tomadas pelo Governo imperial, promulgou em 1845, o Bill Aberdeen.

Essa lei equiparava o tráfico negreiro à pirataria, dando a marinha o direito de apresentar os navios negreiros que encontrasse.

Os ingleses invadiram portos brasileiros, afundaram navios, incendiaram tumbeiros em alto-mar, mataram marinheiros portugueses e jogavam os negros às águas.

Os ingleses foram condenados por essas atribulações, mas estavam amparadas por um documento assinado em 1810.

A finalidade do documento era em acabar com o tráfico e abrir o campo para a repressão inglesa.

Os acontecimentos políticos obrigam a corte a voltar para Lisboa em 11821 e em 1822 o Brasil proclama sua independente.

Em 1826, para reconhecer a independência, exigiu que o tráfico cessasse até 1830. Como esta medida não foi adotada, passou a pressionar o governo. Por isso, em 07 de Novembro de 1831, foi promulgado a primeira lei proibindo o tráfico negreiro. Essa lei tornava livres todos os negros vindo da África, e ilegal o comércio de escravos. Mas não só não comprida como o tráfico aumentou.

Por isso, em Agosto de 1845, o parlamento inglês aprovou numa lei (Bill Aberdeen), que declarava ilegal o tráfico de escravos africanos e determinava que seus infratores fossem julgados pelos tribunais da marinha inglesa.

Isso quer dizer que, de 1845 a 1852, os ingleses capturaram e afundaram 105 navios nas costas brasileiras.

A Inglaterra estava gastando muito com as esquadras que perseguiam os traficantes. Na verdade todo o sentimento humanitário dos ingleses em favor da abolição pesava bem pouco.

Em 1826, criou-se uma barreira de intolerância aos ingleses. Brasil criou uma barreira de medo e ódio, porque, havendo o fim do tráfico, os ingleses dominariam o Brasil, como dominaram Portugal.

Mas, os ingleses sofriam com a oposição interna dos poderosos industriais exportadores do norte, além de perderem com a baixa nas exportações.

Dessa maneira, a Inglaterra vai obrigar o Brasil a tornar o único caminho capaz de enfrentar o seu imperialismo, quando decide que o tráfico não pode continuar.

A luta inglesa pelo fim do tráfico vai levar o Estado brasileiro à modernização.

Em 1850, a lei Eusébio de Queirós proibiu o tráfico de escravos.

Como houvesse muito contrabando de escravos, em 1854 a lei Nabuco de Araújo criou uma fiscalização mais severa e estabeleceu pesadas penas aos traficantes.

O fim do tráfico vai levar o Império, as fazer as pazes com a Inglaterra, onde surgirão relações com o capitalismo inglês, que permitirá uma modernização do país, aumentando o grau de dependência ao seu imperialismo.

Em 1850, a Lei Eusébio proibiu o tráfico negreiro. Com o preço dos escravos subindo, os produtores foram obrigados a encontrar alternativas mais baratas.

A eliminação do tráfico não modificou a estrutura da escravidão, mudou apenas a forma de abastecimento, dando incentivo ao comércio interno.

É dessa maneira que se afirma que o tráfico acabou, mas a escravidão continua.

A ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA

As razões que configuram a crise estrutural do escravismo fizeram com que, a partir de 1871, o movimento abolicionista se organizasse em pequenos grupos de boêmios e intelectuais influenciados por idéias liberais mais radicais. Mas, somente depois de 1880, segundo Nabuco, é que o abolicionismo aparece como um movimento que apresenta uma proposta política. Como vemos, a dinâmica radical anterior a esse movimento contra a escravidão partiu dos próprios escravos, através da quilombagem.

Nessas circunstâncias o povo, especialmente os grupos residentes nas áreas urbanas, acoitava os escravos fugidos. As leis contra esses atos não eram mais aplicadas. Em 1883, funda-se a Confederação Abolicionista, que atuará nacionalmente. O Clube Militar, em 1887, através do seu presidente, mostra as desvantagens de o Exército caçar negros fugidos, como queria o governo imperial. Portanto, foi o Clube militar, uma sociedade civil de militares, quem recusou o papel de capitão-do-mato, e não o Exército como instituição.

Por outro lado, somando-se a esses fatores, na última fase da escravidão, a simples fuga passiva dos escravos já era suficiente para desestabilizar o sistema ou condicionar psicologicamente os membros da classe senhorial e outras camadas sociais em desenvolvimento. Na fase do que chamamos escravismo tardio, a insegurança na compra de escravos e a pouca rentabilidade do seu trabalho eram suficientes para que os investidores transferissem seus capitais para a especulação.

Lei Saraiva-Cotegipe

Nas províncias de grande concentração de escravos como Rio de Janeiro e São Paulo, as tensões entre senhores e abolicionistas aumentavam. Fato que contribuiu para que em 28 de setembro fosse sancionada pelo imperador a Lei Saraiva-Cotegipe, conhecida também como Lei dos Sexagenários, que concedia liberdade aos escravos com 60 anos ou mais (mas estes eram obrigados a trabalhar para os senhores durante três anos ou até completarem 65 anos) e previa um aumento do Fundo de Emancipação, destinado a promover a imigração.

Princesa Isabel e a Lei Áurea

No dia 13 de maio de 1888, a assinatura da princesa Isabel deu vida a uma das mais importantes páginas da nossa história. Ao promulgar a Lei Áurea, a regente, filha de D. Pedro II, mostrou ao Brasil o sentido da liberdade e da igualdade entre os homens.

Na década de 1880, o Brasil era uma das últimas nações do mundo que mantinham a escravidão. Apesar de alguns avanços, ainda havia no país cerca de 700 mil escravos. Então, algumas das grandes vozes do império abraçaram a causa abolicionista. Homens como Joaquim Nabuco, Castro Alves e José do Patrocínio queriam acabar com essa situação vergonhosa.

Já os donos dos escravos, que eram os grandes latifundiários, responsáveis por quase toda a economia nacional, pressionavam para que a abolição não acontecesse, pois o trabalho nas fazendas dependia dessa mão-de-obra.

Mas, a princesa Isabel, decidida em seus ideais de liberdade, abraçou a luta abolicionista e fazia aparições públicas com uma camélia à mão, símbolo do movimento. Em 1871, assinou a Lei do Ventre Livre, que declarava não-escrava toda criança negra nascida daquele dia em diante.

O empenho da princesa regente foi fundamental para conquistar o apoio de deputados e senadores — no Senado, a Lei Áurea foi aprovada com apenas um voto contra.

No dia 13 de maio, cerca de 10 mil pessoas aguardavam em torno do Paço Imperial, no Rio de Janeiro, quando a princesa apareceu para anunciar publicamente o fim da escravidão no Brasil.

Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança nasceu no Rio de Janeiro, em 29 de julho de 1846. Segunda filha de D. Pedro II, ela se tornou a primeira na linha de sucessão ao pai após a morte de seu irmão mais velho, Afonso. A Redentora, como ficou conhecida, recebeu uma educação clássica, típica de um monarca. Dedicava-se à música, à pintura e à botânica — paixões que eram também de seu pai. Ao mesmo tempo, mostrou desde muito jovem um profundo interesse pelos assuntos relacionados ao império e ao governo da nação.

Como regente, além da Lei Áurea, esteve à frente de alguns dos mais importantes momentos políticos de sua época. Nas ausências do pai, sancionou (aprovou) leis relativas ao recenseamento (saber quantas pessoas vivem no país) — o primeiro do império —, e à construção de linhas férreas.

Fonte: www.geocities.com/www2.mre.gov.br/www.segal1945.hpg.ig.com.br/www.unicap.br/www.bibliotecavirtual.sp.gov.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fazenda Santa Gertrudes

Fazenda Santa Gertrudes

PUBLICIDADE No ano de 1821, o Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão comprou uma gleba de terras …

Fazenda Quilombo

Fazenda Quilombo

PUBLICIDADE Fundada na década de 1870, pelo Dr. Ezequiel de Paula Ramos e sua esposa …

Fazenda Morro Azul

Fazenda Morro Azul

PUBLICIDADE Enquanto a maioria das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+