Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Brasil  Voltar

Brasil

BRASIL, ENTRADA PARA O PARAÍSO

O Brasil não é somente um país, é uma imensidão, um mosaico de culturas criado delicadamente por numerosas etnias. Uma realidade próxima das dimensões de um universo.

Nas terminações empregadas para definir o Brasil, vão desde expressões de um "país com exuberante natureza", "o país mais autêntico", "o país que tem padecido ao longo da história a febre do ouro, da borracha e do café", ou bem como, "o país da Amazonia". Expressões, todas elas certas, porém nenhuma capaz de defini-lo corretamente.

Alvar Nunes Cabeça de Vaca, quem descobriu as impressionantes Barrancas do Cobre, ao norte do México, descobriria mais tarde, as Cataratas do Iguaçu.

Desembarcou involuntariamente na América, na Península de Miami, depois de sofrer um naufrágio. Desde então dedicaria sua vida a encontrar o reino e os tesouros de Sibila. Movido por estranho desejo, recorreria incansavelmente grande parte do Novo Mundo, até chegar ao Brasil.

Quem sabe se no Brasil encontra-se alguma entrada para o paraíso, ao tão ansiado tesouro de Cabeça de Vaca, ao Reino de Sibila. Talvez aceda a ella, no equilibrado encontro com a natureza, no rítmo de suas danças, nos rituais do candomblé, nos cantos em yoruba, em seus exóticos sabores, no frenesi do carnaval, ou talvez em suas magníficas costas e praias, onde a luz e o colorido dominam o ambiente. É por isso que estamos certos de que alguma porta de entrada ao paraíso encontra-se no Brasil.

Em nossas viagens por estas terras temos descoberto verdadeiras maravilhas e temos constatado, além de que o Brasil guarda zelosamente, com o Amazonas, a continuidade da existência. Se desaparecer o Amazonas, importante pulmão do planeta, desaparecerá com toda segurança a própria vida. Para que não aconteça, é tarefa de todos.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Brasil ocupa aproximadamente a metade da América Meridional, sendo o país mais extenso do Cone Sul e o quinto do mundo depois da Russia, China, Canadá e Estados Unidos. Tem froteiras ao Norte com Colombia, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa; ao nordeste com o Oceano Atlântico; ao sul com o Uruguai, Argentina e Paraguai e a oeste com Paraguai, bolívia e Peru. É dizer, que tem fronteiras com todos os paises que conformam o Cone Sul, a excesão do Chile e do Equador. A longetude total de suas linhas fronteriças é de 16.400 quilômetros e sua superfície total é de 8.511.965 quilômetros quadrados. Para ter uma idéia este vasto território, tem que dizer que entre o ponto mais setentrional e o mais meridional tem uma distância aproximada de 4.300 quilômetros e outros tantos, entre os extremos Leste e Oeste.

O Brasil é essencialmente um planalto de escassa altitude, carente de cordilheiras como as que podem ser vistas nos outros paises sul americanos. A costa atlântica carece de grandes acidentes, seguindo uma linha mais bem ondulada, onde sucedem-se várias ilhas de pequeno tamanho. Destaca-se a Ilha do Bananal, no rio Araguaia (afluente do Tocantins), sendo a maior ilha fluvial do mundo. Distante da costa encontra-se o grupo das Ilhas Fernando de Noronha.

O Planalto (Planalto Brasileiro) ocupa toda a porção central, representando cerca de 45% do território nacional. Limita-se a oeste com as cordilheiras andinas e ao norte com as terras altas das Guianas, onde encontra-se uma longa e densa serra com picos que alcançam os 2.000 metros de altura dos que o Roraima com 2.800 é o mais elevado. A borda meridional do planalto, acidentado por uma sucessão de terras altas –Planalto do Mato Grosso- tem fronteiras muito incertas, devido as águas pluviais que correm algumas vezes até a Bacia do Amazonas e outras bacias ao sul (o sistema fluvial do rio da Prata). Os limites orientais do planalto central, frente ao Oceano Atlântico, são conhecidos como Sistema Marítimo Oriental ou Atlântico, formado por uma série de serras que sucedem –se por vários quilômetros.

As terra de planaltos, de solo arenoso, compreendidas entre as diversas alienações montanhosas, denominadas chapadas. Por outro lado, a falta de linhas divisórias bem marcadas pelass águas, devido a quase absoluta horizontalidade do solo em extensas regiões, é a causa de que ficam cobertas pelas águas durante grande parte do ano. A esta região conhece-se por O Pantanal.

O Nordeste do país caracteriza-se por alojar as chamadas "caatingas", regiões semi desérticas, que padecem importantes períodos de seca, enquanto que a Leste encontra-se terras férteis, ricas em minerais.

No Brasil encontra-se a maior parte da chamada Amazonia, a vasta região (7 milhões de quilômetros quadrados), que caracteriza-se por suas abundantes precipitações, elevadas temperaturas e altos valores de umidade, que proporciam uma rica e variada flora e fauna. A Amazonia extende-se a Colombia, Peru, Venezuela e Bolivia.

O sistema fluvial do Brasil é um dos mais extensos da terra. As principais bacias são, além do Amazonas, a o Rio da Prata e a Bacia do Sul, constituida por vários rios. O rio Amazonas é o mais caudalosos e o segundo maior rio do mundo. Tem sua origem nos rios Maranhão e Ucayali no Peru, e que ao entrr no Brasil recebem o nome de Solimões, para mudar depois, para o rio Amazonas no momento de confluir com o Rio Negro. Com seus numerosos afluentes (Napo, Putumayo, Japurá, Rio Branco, Juara, Purus, Madeira, Tapajos, Xingu, etc.), conforma uma importante rede de navegação. Sua longetude é de 6.000 quilômetro (estima-se cerca de 1.100 rios tributários) e suas águas avançam lentamente, já que seu desnível é tão somente 20 milímetros por quilômetro. Sua largura ocila entre os 6 e os 225 quilômetros, enquantoque sua profundidade pode alcançar os 80 metros em alguns trechos.

O Brasil está dividido politicamente em Distrito Federal (Brasília) e 26 Estados (Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraiba, Paraná, São Paulo, Pernambuco, Piauí, Roraima, Rondonia, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins).

FLORA E FAUNA

A riqueza e diversidade da fauna e flora do Brasil, ostenta um dos primeiros lugares no mundo, quanto ao número de espécies de primatas, anfíbios e plantas, o terceiro em aves e, o quarto em espécies de mariposas e répteis. Neste breve apartado, tentaremos realizar uma rápida olhada a extraordinária diversidade de plants e animais que possui o Brasil.

O Pantanal, a região localizada no centro do país entre os estados do MatoGrosso e Mato Grosso do Sul, destaca-se por sua especial riqueza. Rodeado de terras altas, ao leste por montanhas da Serra do Maracujá, ao sul pela Serra da Bodoquena, ao oeste pelo Chaco do Paraguai e Bolívia, e ao norte pela Serra dos Parecis e do Roncador, o Pantanal recebe as correntes provocadas pela chuvas que sucedem-se entre as regiões altas, onde em tempo de chuva, entre os meses de outubro e março, os rios inundam grande parte da zona, formando as "cordilheiras", parcelas de terras secas, onde animais permanecem juntos. Nesta temporada, até que a água escorra, a princípios de fevereiro, as inscursões são muito difíceis. Sem dúvida, esta situação proporciona uma enorme riqueza de alimentos para os animais, que pastam em uma terra fértil. Na temporada de "secas", o verde que florece na savana (a vegetação do pantanal inclui savana e bosques), é a nota predominante. A abundância e diversidade de alimentos consiste um impressionante universo de aves, que baseiam-se sua alimentação em insetos, caracóis e peixes. Entre as mais de 600 espécies, destacam-se os falcões, cardinais, garças e garcinhas, pássaros carpinteiros, araras, ibisis, cegonhas, tucanos e o "tuiuiu" a cegonha de cor negra, símbolo do Pantanal. A pesar das aves serem os animais selvagens mais comum da área é também, um importante santuário de mamíferos e répteis como anaconda, iguanos, jacarés, ocelotes, macacos, tamanduás, antas ou capivara, o maior roedor do mundo. O gado vive estranha e harmoniosamente entre os diferentes animais selvagens.

O Amazonas é o bosque equatorial maior do mundo ocupando aproximadamente 45% da extensão total do Brasil. O ecossistema classifica-se em quatro camadas, sendo o maior em atividade o estrato mais alto, entre 20 e 40 metros de altitude, onde as plantas competem pelos raios de sol e habitam a maioria da aves e macacos. A densidade da selva e de todo estrato mais alto, impede o acesso aos raios solares dos estratos mais baixos, possibilitando assim, um importante ecossistema. A camada mais baixa está composto por plantas que requerem muito pouca luz, assim como, uma infinidade de formigas, cupins e inumeráveis insetos.

A é selva uniforme e as espécies variam d um lugar para outro. Estimam-se aproximadamente, 15.000 espécies entre mlhões de aves, centenas de mamíferos e de peixes e numerosas plantas sem classificação. Sobressaem os jacarés, anta, porco do mato, capivaras, macacos aranha, tatus, crocodilos, golfinhos de rio, tartarugas, serpentes, mosquitos, piranhas e enguias elétricas. O desflorestamento no Amazonas não significa outra coisa que a perda de todo um importante ecossistema de vida selvagem.

A região conhecida como Mata Atlântica redus-se a plantações de cana de açúcar e de café. Separada do Amazonas por terrenos mais secos esta zona aloja espécies endêmicas como o macaco aranha, mais de 115 espécies de aves, das quais 94 são únicas, enquanto que a vegetação distingue-se por suas madeiras como a "madeira do Brasil".

A região da Mata Araucária é a região montanhosa do sudeste, esteve povoada tempos atráz por altas árvores de araucárias. Desgraçadamente a exploração irracional tem transformado de forma irreversível a paisagem.

Nos anos setenta o Brasil foi vítima do chamado Plano de Integração Nacional (idealizado por militares), criando centenas de caminhos que provocaram um importante desmatamento. Nos anos 80 os governos recorreram a exploração dos recursos florestais, para pagar a dívida externa, incrementando o desflorestamento. Nos anos 90 o Brasil passou a ter uma importância, ao tomar consciência de que os danos causados no Pantanal e no Amazonas são muito sérias, sobre tudo, porque encontra-se em sua áreas cerca de 10% das espécies de plantas e animais de todo o mundo, e porque a região produz 20% do oxigenio e 20% da água fresca total da terra. Nestes momentos o país conta com 350 Parques Nacionais e Estações Ecológicas, que representam aproximadamente 300.000 quilômetros qudrados.

História

Antes da chegada dos portugueses o atual Brasil estava habitdo por cerca de três milhões de indígenas, que conformavam diversos grupos tribais. Não constituiam um conjunto coeso ou definido, muito menos centralizado, como sucedia em outras regiões da América Latina, mudando-se periodicamente em busca de terras mais ricas, razão pela qual, não deixaram importantes relíquias arqueológicas. Os índios brasileiros viviam em pequenos grupos dispersos por toda a selva e suas principais atividades eram a caça, a pesca e colheita de frutos. A musica, a dança, as poucas pertencentes, devido ao seu nomadismo, e a cosmo visão da existência do ponto de vista do desfrute, assim como, uma estrutura social em equilíbrio com o ecossistema, são os marcos que caracterizaram os antigos índios.

A Colônia e a Independência

O Brasil foi descoberto por Pedro Alvares Cabral, quem havia partido de Lisboa com treze barcos e 1.200 homens em busca da rota comercial das Índias, desembarcando em 22 de abril do ano de 1500, na atual Porto Seguro. Recebido pelos índios Tupi guarani, Alvares chamou aquela terra de "Terra de Vera Cruz". Permaneceu tão somente nove dias, partindo com seu homens e alguns troncos de pau- brasil (madeira do Brasil), madeira que produzia uma tinta d coloração vermelha. Este seria o único produto exportável, durante o século XVI, já que as seguintes expedições portuguesas ficaram fraudadas pelo encontro com aquelas terras.

Brasil foi um vice reinado português até o ano de 1822, quando proclamou a sua independência. O primeiro assentamento de europeus teve lugar no atual Porto de Santos em São Paulo, no ano de 1531, por ordem do Rei João III de Portugal, que posteriomente dividiria a costa em 12 capitanias. O primeiro governador do Brasil foi Tomé de Souza, no ano de 1549, centralizando a autoridade, fazendo perdurar as capitanias.

Durante o período colonial o Brasil esteve dominado pela influência de vários ciclos econômicos, de acordo com os produtos de exportação. O primeiro deles baseou-se na comercialização do "pau - brasil ", uma madeira, muito utilizada para a produção de tintas e pinturas. No século XVII o país converteu-se no principal produtor de açúcar, sendo este período da grande importação de escravos presecentes da África, para trabalhar nas plantações. Sendo depois a cana de açúcar substituida pela exploração do ouro e dos diamantes. A abolição da escravatura no Brasil teve lugar nos finais do século XIX, depois de numerosas insurreicões, entre ellas destaca-se a da Cabanagem, no estado do Pará.

No ano de 1807 Napoleão invade Portugal, onde o Reio João VI traslada sua corte ao Rio de Janeiro, no Brasil, onde continuaria reinando. Abrem-se os portos ao comércio internacional e a colônia vai consolidando-se aos poucos. Sem dúvida, a caida de Napoleão obriga o rei João VI a regressar a Portugal, para acalmar as convulsões revolucionárias, nomeando seu filho Pedro I, como Imperador do Brasil. Este, logo lograria a independência, dotando ao recém nascido país uma constituição. Sem dúvida, diversos tratos em favor dos portugueses, obrigaram-lhe a abdicar em favor do seu filho `Pedro II, no ano de 1831. Este último reinaria até o ano de 1889, quando foi deposto pelos republicanos. Durante este tempo Pedro II alimentou um sistema parlamentarista, entrou em guerra com o Paraguai, interferiu em assuntos argentinos e uruguaios, favoreceu a imigração maciva, aboliu a escravatura e forjou uma nação que desfez para sempre a monarquia. Em 1889 os republicanos, aproveitando o desconcerto do pís provocado pela epidemia de febre amarela, prepararam a conspiração contra Pedro II, que encontrava-se em Petrópolis a salvo da doença, dando um certeiro golpe militar e derrotando o imperador.

Depois da Independência

Durante a segunda metade do século XIX, a exportação do café era a principal atividade econômica, atividade que veria-se ressentida pelo "boom"da borracha, que provocou prosperidade e desenvolvimento as regiões do norte. O marechal Deodoro da Fonseca, proclamou a República, desenhava uma nova constituição.

Sem dúvida, a agitação revolucionária faria que os governos fossem depostos segundo fossem nomeados.

Entre os anos 1906 e 1908 o presidente Moreira sentou nas bases do desenvolvimento, uma construção e linhas de ferro, com desenhos de portos e com a grande exposição de 1908. Sua morte trancou seus futuros projetos e até o ano de 1930, os governos seguiram sucedendo-se, sem dúvida, nenhum presidente logará manter-se por mais de quatro anos no poder. Neste ano quando Getúlio Vargas, chefe dos liberais brasileiros, aproveitando a crise mundial toma o poder, depois de um golpe de estado, modificando a contituição em sentido autoritário. Durante a II Guerra Mundial, o Brasil aliou-se as potencias democráticas. Ao finalizar a guerra, as autoridades militares obrigaram Getúlio, renunciar, porém em 1951, voltaria a ser presidente. Foi no ano de 1954, quando foi deposto pela oposição, suicidando-se neste mesmo ano.

As Ditaduras Militares

A Vargas sucedeu, Café Filho de 1954 a 1955. Em 1955 Kubitschek foi eleito presidente e durante seu mandato contruiu Brasília, a nova capital. Sem dúvida, os militares elimiram-o no ano de 1960. Seguiram –no Jânio Quadros (1960-64). Em 1964 o poder foi assumido pelo marechal Catelo Branco, que modificaria profundamente a constituição, instaurando um regime ditatorial. Sucederam-no o Marechal Silva e o General Garrastazu.

A História Recente: A Democracia

Depois do período de ditaduras, o Brasil encaminharia-se a uma prudente democracia com os generais Geisal e Figueredo, no cargo até 1979.

Em 1985 celebrariam umas eleições presidenciais nas que saira vitorioso Tancredo Neves, que um mês depois morreria, deixando o país nas mãos de seu vice presidente José Sarney, que manteve-se no poder até o ano de 1990. Celebrdas as primeiras eleições presidenciais, pelo voto popular, depois de quase 30 anos, 82 milhões de votantes elegeram a Fernando Color de Mello, que terminaria sendo cassado por corrupção.

Hoje em dia, traz muitos problemas salvos, o Brasil apresenta-se ao mundo como um país aberto, concebido por e pelo turista. A vitalidade que desprende este povo, que sofreu infinidades de injustiças, é a que permite fazer uma aposta para o futuro. O Brasil deverá encarar a modernidade e as novas metas tecnológicas, com base políticas e sociais, que eleminem para sempre a injustiça que sofre a grande maioria.

Arte e Cultura do Brasil

Arquitetura

São numerosas as edificações da arquitetura brasileira que tem sido proclamadas pela UNESCO, como Patrimonio da Humanidade. Provavelmente, a cidade de Olinda, no estado de Pernambuco, seja o melhor exemplo da arquitetura portuguesa da época colonial.

Por outro lado, em Minas Gerais, Ouro Preto, encontra-se a peça mestra do arquiteto Antonio Francisco Lisboa, conhecido como "Aleijadinho", na Igreja do Bom Jesus, sendo o melhor espoente da época dourada do barroco brasileiro. Os restos das misssões jesuitas do século XVII, no Rio Grande do Sul, nas fronteiras entre Brasil, Argentina e Paraguai, são um notável exemplo de trabalho em madeira, enquanto que o centro urbano de Brasília tem sido considerado pela UNESCO como uma das melhores mostras da arquitetura moderna brasileira.

Quanto a arquitetura na região do Amazonas, a riqueza que proporcionou a exploração da borracha, provocou a construção de edifícios de influências européias.

Manaus é chamada de "Paris dos Trópicos", sobressaem o Teatro Amazonas, o Complexo Flutuante da Doca, o Palácio da Justiça, de influência francesa ou a Secretaria de Segurança, na Praça da Saudade, todos eles exemplos daquele afortunado período.

Pintura e Escultura

Os primeiros pintores da época colonial foram os missionários jesuitas e beneditinos, pintaram igrejas, claustros e objetos sagrados, sob a influência do estilo barroco europeu. A arte barroca brasileira tem seu cume no século XVIII, quando a abundancia do ouro trouxe numerosos artistas que mostraram seu talento criando belos trabalhos.

Nos séculos XIX e XX os artistas brasileiros seguiram s tendências internacionais do neo clássismo, romantismo, impressionismo (Funchal Garcia, Vicente Leite), academismo e modernismo (Emiliano di Cavalcanti ou Claúdio Portinari). Quanto a pintores de estilo nativo, destacam-se as obras de Vitor Meirelles e Rodolfo Amoedo.

Da escultura contemporânea distingue-se os trbalhos de Maria Martins, Bruno Giorgi e Vitor Brecheret, que alcançaram renome mundial.

Quanto as diferentes peças e intrumentos da arte indígena, têm em suas origens, finalidades religiosas e utilitárias. Sem dúvida, depois dos primeiros contatos com os estrangeiros, os indígenas foram transformando suas crenças, de acordo a demanda dos comerciantes, que percebia-se em seu artesanato um certo valor para venda nas principais cidades. Desgraçadamente, hoje em dia, a maioria dos indígenas produzem seu artesanato para vender aos turistas. Destacam-se os trabalhos realizados com plumas de diferentes aves, a cerâmica, como as dos índios Marajós ou Carajás ou a cestaria dos Kaxinawá.

Música

O Brasil é sinônimo de rítmo. Onde queira ir encontrará, gente escutando música, cantando ou dançando. Talvez a origem encontra-se nas profundas raizes africanas, onde a música é um ato coletivo, uma celebração e uma festa.

Os rítmos brasileiros apresentam uma grande diversidade, graças a influência exercida pelos três continentes. Influências que misturam-se e que fazem provocar novos rítmos. Destaca-se o Samba, uma mistura do rítmo do bolero com o rítmo africano (especialmente os procedentes do tam-tam de Angola). É o rítmo mais popular do Brasil, que fez su aparição, pela primeira vez no Carnaval do Rio de Janeiro, no ano de 1917. Nos anos 30 foram os anos dourados deste rítmo, que teve em Carmem Miranda, sua melhor representante.

Outro dos rítmos mundialmente conhecidos é a Bossa Nova, que tem sua origem nos anos 50. Mais que um estilo musical trata-se de um movimento com caráter de intelectualidade e com um novo plateamento na forma de cantar e de tocar os instrumentos. Seu fundador foi João Gilberto, seguido de Jobim, o compositor da famosa "Garota de Ipanema."

O Tropicalismo, surgido no final dos anos 60, provocou uma espécie de anistia para todas tradições musicais do passado. Neste rítmo mistura-se todos os rítmos.

A Música Popular Brasileira, paralela a todas estas propostas musicais, é difícil de classificá-la dada a variedade de influências recebidas. Seus máximos espoentes são Chico Buarque, que mistura os tradicionais rítmos do samba com rítmos modernos, Paulinho da Viola ou Milton Nascimento. Quanto a Música Regional é muito diversificada e variada. Destaca-se no nordeste, o forró, uma mistura de rítmos mexicanos e rítmos locais, que incorporam o acordeom europeu, a harmônica e a zabumba (de origem africana); o "trio elétrico" ou "frevo baiano", o carimbó, a música do Amazonas, o Afoxé, rítmo negro de origem religiosa e muito próximo ao Candomblé ou a Lambada, entre os rítmos mais recentes.

Gastronomia

O Brasil é um paraíso para os amantes da boa cozinha e apesar dos ingredientes básicos serem o arroz, o feijão e a farofa (farinha de mandioca). A gastronomia do país não esta reduzida somente a isto, já que incursiona por todo um mundo de possibilidades. Convidamos que descubra este surpreendente universo de sabores.

Os desjejuns no Brasil são conhecidos por "café da manhã". Consiste em uma boa chícara de café, frutas, pãezinhos e em algumas ocasiões fatias de presuntos e queijos, acompanhado de yourgute.

A comida é o prato principal do dia e a lista para eleger é infinita. Encontrando-se na região sul não deixe de provar os churrascos de carne, acompanhadas de polenta, os pescados de alto mar, preparado no forno em brasas, mocotó. que dizer, patas de vaca ou bem o barreado, uma carne cozida em fogo lento durante horas em uma panela de barro. No Rio de Janeiro as especialidades são igualmente infinitas. Se desejar os pescados pergunte pelas carapebas, peixes fritos de uma forma especial, que são uma delícia. Nesta região encontrará o prato nacional, a feijoada. Sua origem data da época da colônia e consiste em um caldo a base de feijão preto condimentado com alho, folhas de louro e cebola, agregando orelhas e língua de porco, carne seca, linguiças variadas, costelas, toucinho e traseiro e peito de ovelha.

Tudo é acompanhado de couve, farofa, massa de farinha de mandioca com manteiga e toucinho, laramja em pedaços e um pouco de molho de pimenta malagueta. Sem dúvidas, um prato para paladares exigentes e para fortes estomagos. Apesar da quantidade de ingredientes estamos certos de que ficará fascinado pelo sabor.

No Espirito Santo aconselhamos que solicite as muquecas capixabas, guisados de camarão ou de carangueijo, acompanhado de pirão e farinha de mandioca servida em água. Ainda tendo apetite, na região do nordeste prove os acarajés, prato de feijão ou os abarás, a base de especiarias e óleo de babaçu. Se neste momento já não pode mais, faltam o vatapá, típico prato de mariscos preparado com um espesso molho de pasta de mandioca, coco e azeite de dende. É o mais famoso dos pratos afro brasileiros e a maioria dos restaurantes preparam-o. Se entre todas esta recomendções não encontre uma de seu agrado, pode eleger entre os guisados de pescado, camarão, ostras ou das frigideiras, uma espécie de pastel de sabor suave a base de carangueijo. Tripas à sergipana, xinxim de galinha, guisado com sal, cebola e alho ralado, sarapatel, guisado de fígado de porco, sangue e rins ou a salada de palmitos em São Paulo, são outras das possibilidades.

Na região Amazônica o pescado é a base da alimentção. Com mais de duas mil espécies de peixes, a gastronomia da região oferece uma rica variedade de pratos de influências portuguesas, africanas e francesas. Não esqueça de provar os peixes pirarucu e tucunaré e o dourado. Muitos deles são temperados com o tucupi, um molho extraido da mandioca de sabor forte e ácido. O tacacá, uma espécie de caldo espesso de mandioca, pudim de peixe maranhense, acompanhado de arroz cuxá e molho de feito com folhas de gengibre, é uma delícia. A galinha com molho verde, o tutú, comida preparada a base de feijões cozidos e farinha de mandioca, feijão e couve e o frango com vagem são outras das especialidades da região.

Para acabar a comida, uma saborosa sobremesa. Os doces feitos a base de ovos, como a ambrosia, os papos de anjo ou de frutas, em forma de geléias cristalizadas são uma boa alternativa. As cocadas, os sorvetes e os refrescos preparados com frutas, como a cajamanga, cajá mirim, copuaçu, graviola, piguaio, aguaje, castanha ou pitangas, para os mais gulosos. O doce de mamão, de limão, de laranja, batata doce, ou o queijo de Minas, são um bom antecedente para beber um quente café mineiro.

Bebidas

É muito recomendável que beba água engarrafada e evite água da torneira. As alternativas são várias e estams convencidos de que ficará apaixonado pelos sucos de frutas. Servem geralmente com açúcar, água e gelo, podendo ser preparados com leite, conhecido como Vitamina. Existe quase todas as frutas abacate, banana, laranja, mamão, manga, zanoria, pitanga, maracujá, goiaba, etc. Em alguns locais costuma-se beber caldo de cana, que não é outra coisa que o suco extraido da cana de açúcar.

Quanto aos refrigerantes e bebidas engarrafadas encontrará quase em todos lugares. O mais comum é o Guaraná, preparado com a fruta amazônica do mesmo nome. As cervejas como da Antártica, seguida da Brahma, Skol, Kaiser e Malt 90, apresentam-se em garrafas de 600 ml. O café (cafezinho), serve-se muito forte, muito quente e sem leite e com açúcar, quanto aos chás não são muitos frequentes, a exceção na região do Rio Grande do Sul, onde os gauchos bebem mate, igual aos argentinos e uruguaios.

A cachaça, a pinga ou aguardente são licores nacionais. Existem mais de 100 marcas diferentes que variam de sabor e qualidade. A caipirinha, bebida por excelência, preparada com cachaça, limão, açúcar, gelo e um toque especial que somente os brasileiros sabem dar.

Compras

Dada a grande riqueza e variedades de artigos que podem ser encontrados no Brasil, realizar compras constitui em uma aventura. As lembranças típicas, como chaveiros, camisetas ou bijouterias abundam por todos os locais e, muito especialmente nos centros turísticos.

A maioria dos produtos artesanais produzidos no Brasil podem ser encontrados no Rio de Janeiro e em São Paulo, considerndo os centros de compras por excelência. Os preços são mais elevados, exceção da famosa Feira de Ipanema, um mercadinho de artesanatos muito típico, que celebra todos os domingos na Praça General Osório. Neste bazar, inaugurado no ano de 1975 e que agora é "menos hippie", poderá adquirir artigos de pele, pedras semi preciosas, pinturas gravadas ou artigos de couro. Em um dos seus postos mais populares vendem-se instrumentos de percusão. Não pode abandonar o Brasil sem ao menos uma fita K7, com as músicas regionais, popular e nacional. As melhores lojas de discos encontrará em São Paulo.

Os artigos brasileiros em pele, a preços muito competitivos, gozam de boa reputação. Sapatos, cintos, bolsas, malas, encontrará em Ipanema e Copacabana. As pinturas, os livros, vídeos do carnaval, tubo de guaraná (segundo alguns um afrodisíaco), litografias, cangas, biquines, amuletos, incensos, figuras de estilo afro-brasileiro, são algumas coisas que poderá comprar no Brasil. Quanto aos aparelhos elétricos os preços são similares aos da Europa, pelo qual desaconselhamos sua aquisição.

Nas lojas oficiais chamadas FUNAI, presentes nas principais cidades, pode-se adquirir a maioria de produtos eleborados pelos indígenas. Os preços são mais elevados, porém a qualidade é satisfatória. Fora das grandes cidades o melhor é aproximar-se das feiras de artesanatos e das lojas das cooperativas, que oferecem uma variada mercadoria a bons preços. Outra possibilidade, para compra de litografias e impressões de arte regional, são as boas lojas que encontram-se quase em todos os museus.

Salvador e Cachoeira, no Estado da Bahia, são notáveis por seus trabalhos em madeira. Nesta região a influência portuguesa deixa-se sentir pelos ricos e variados produtos, como são os brancos encaixes artesanais elaborados em fio de sisal, cigarros, trabalhos em metal, ourivessaria em ouro e prata e a cerâmica cozida, em miniatura. As figuras de Carranca, máscaras típicas utilizadas pela antigas embarcações que navegavam sobre o Rio São Francisco, são muito populares, assim como, os trabalhos de couro, antiguidades, pinturas e as fitas para os pulsos do "Senhor do Bonfim", para dar boa sorte. Na Bahia, os amuletos e as peças de magia e superstição abundam em todos cantos.

Os artesanatos do Ceará destacam.-se pelos preciosos encaixes de labirinto, uma técnica de fios que consiste em colocar os tecidos em um grande tear, em que as artesãs, pacientemente, dão uma puchada atrás da outra, criando delicadas mantas, blusas ou toalhas. Sobressaem além, as rendas, as redes bordadas à mão, figuras multicoloridas de cerâmica de pessoas, realizando atividades cotidianas, os chapéus, bolsas, mochilas, esteiras ou sapatilhas eleboradas com carnaúba, uma árvore parecida com a palmeira. Cachaça e rapadura, bebidas nacionais, eleboradas artesanalmente em alambiques tradicionais, pode-se encontrar em alguns mercados, como os que tem a cidade de Fortaleza.

No interior, em Pernambuco e particularmente em Caruaru, destaca-se a ampla e vasta gama de cerâmicas, assim como, os trabalhos realizados em pele.

O Estado de Minas Gerais é o melhor lugar, para adquirir pedras preciosas. Nos mercados ao ar livre, sobretudo o que realiza-se na Praça Liberdade, encontrará numerosos locais que oferecem antiguidades, grande variedades de pedras preciosas, arte e diversos artesanatos. Sem dúvida, aconselhamos realizar as compras de gemas e pedras preciosas nas grandes cidades e em estabelecimentos reconhecidos, que oferecem todas as garantias. Encontrando-se nesta região, não deixe de dar um passeio pelo mercado das flores e das comidas, um espetáculo de cores, cheiros e sons.

Na região do Amazonas a variedade e a riqueza da cultura indígena são componentes do artesanato da região. Destacam-se a cestaria e os têxtéis trançados geométricamente, os trabalhos feitos com plumas, as redes, as armas de caça e guerra como as dos Tucanos, Baniwa e Dessana ou os colares dos índios Sateré-Mawe. A população ribeirinha confecciona objetos com a massa do guaraná (fruta típica da região).

Em Porto Alegre pode-se adquirir bons artigos de pele, roupas, jóias, trabalhos em madeira e prata, vidros, couro, tecidos, macramê e têxtéis. Os objetos típicos da Argentina e Paraguai procedentes de Iguaçú, permitarão contemplar um autêntico e rico mostruário de artesanatos sul americanos. Figuras de fósseis, talhas e quadros gravados em madeira convidam a adentrar-se na arte nativa, natural e fascinante.

Em Brasília, a capital do país, pode-se adquirir os trabalhos realizados pelos índios Xavantes, artigos de palha e vime, tapeçarias e diversas talhas.

Rio de Janeiro é o centro por excelência, para realizar qualquer classe de compras. A cidade brinda ao turista uma extensa gama de artigos característicos de cda região. Quem desejar adquirir pedras preciosas e semi preciosas como ametistas, topázios, jades, olho de gato, granadas, ou água marinhas, tem uma parada obrigatória nas prestigiosas joalherias H. Stern. A Casa do Folclóre oferece a melhor coleção de artesanato do Rio, enquanto que a Feira São Sebastião (o Feriarte II) é famoso pela sua grande seleção de antiguidades, moedas e selos. Na Praça Marechal Ancoray encontrará porcelanas, prata, tapetes persas, livros raros e inclusive discos velhos. As lojas mais prestigiosas estão presentes no Centro Comercial Rio Sul (Rua Lauro Müller-116- Copacabana). Este luxuoso espaço conta com a maior oferta da cidade incluindo uma completa seleção de boutiques e lojas de roupas de primeira classe. Dispõe de 400 lojas, além de cinemas, restaurantes e um estacionamento para 1.000 carros.

População e Costumes

Brasil conta com uma população próxima dos 148 milhões de habitantes, ocupando o sexto lugar na lista dos paises mais povoados do mundo. Tem também, uma das taxas de crescimento demográfico mais elavada e que nos últimos 45 anos tem sido incrementada consideravelmente. Nos finais do século XIX, eram somente 14 milhões de brasileiros, em 1930 eram 30 milhões e em 1960, 71 milhões. Apesar deste forte crescimento, o Brasil é um dos paises com menos densidade populacional, somente 15 habitantes por quilômetro quadrado. Sem dúvidas, a população concentra-se, na costa do Atlântico e nas principais cidades.

Assim, três de cada quatro brasileiros vivem nas áreas urbanas, isto é, a terça parte vive nas nove áreas urbanas mais importantes do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e Belém. Na região metropolitana de São Paulo tem mais de 17 milhões de habitantes, enquanto que no Rio de Janeiro encontra-se cerca de 10milhões. Em Salvador a população é de dois milhões aproximadamente. Cabe destacar que a população brasileira é marioritariamente jovem, já que cerca da metade tem menos de 20 anos de idade.

O marco mais destinto da população brasileira é a mestiçagem, uma da mais ricas do mundo. A pesar de ter sido uma colônia portuguesa, a presença de escravos negros procedentes da África (a maioria de origem Yoruba e Quimbundu), de numerosas tribos nativas e de diferentes raças de imigrantes, como os holandeses, franceses, alemães, italianos, polacos e japoneses, foram misturando-se entre si, provocando um impressionante mosaico de raças, cores e costumes.

A maioria dos brasileiros tem alguma mistura de sangue europeu, africana, ameríndia e asiática, fazendo do Brasil o país com maior mistura de raças da América do Sul.

Quanto aos indígenas existem diferentes grupos com mais de 175 línguas e dialetos diferentes, onde os costumes e as crenças variam consideravelmente de um grupo a outro. Com a destruição do Amazonas, o desaparecimento das comunidades indígenas tem aumentado e, entre as causas principais encontra-se o terrível processo de aculturização que são submetidos. Hoje em dia, a população está calculada em menos de 200 mil indígenas, concentrados principalmente no Amazonas. Ainda que possa parecer inverossímel, estima-se que em torno de umas 40 tribos não tenham contato algum com o ocidente.

Quanto a religião, oficialmente o Brasil é um país católico, sentença difícil de manter, já que as crenças populares, nascidas de um forte e sólido sincretismo, estão presentes por todos os lugares. Estas crenças têm suas origens no animismo indígena, no catolicismo e nos cultos africanos trazidos pelos negros, durante o período da escravidão.

Entre estas crenças tem que destacar-se os cultos de origem afro-brasileiro: o Candomblé e a Umbanda.

O Candomblé é o culto de origem africana mais ortodoxo e recebe diferentes nomes no Brasil, assim como, no Rio é conhecido por Macumba, no Amazonas e no Pará como Babassue, enquanto que em Alagoas como Xango. Os rituais são praticados nas chamdas "casa de santo" ou "terreiro", presidida por um "pai" ou "mãe de santo", quem inicia os novatos e dirige o ritual em Yoruba. No candomblé não existem doutrinas bem definidas, pelo contrário, dão algumas pautas gerais que estão presentes em todas cerimonias. O candomblé tem sua base na crença de que cada pessoa tem um "orixá "(deus), desde o dia de seu nascimento, e que este cuidará de seu protegido durante toda a vida. O orixá de cada pessoa é identificado pelo pai, depois de lançar várias vezes as pequenas conchas (búzios). A posição das conchas é utilizada para interpretar a sorte, o futuro e as relações do passado com os deuses de cada pessoa. Igual a mitologia grega, cada orixá tem sua personalidade e sua particular história, podem ser masculinos ou femininos ou dos dois sexos (em determinados períodos). Para manter os deuses fortes e saudáveis é necessário oferecer comidas, cigarros ou perfumes, entre outras coisas, conforme as preferências dos orixás.

A Umbanda chamada também de magia branca, é uma mistura entre o candomblé e as crenças espirituais. Sua origem encontra-se em diversas influências, porém a mais importante pocede das crenças nativas e da religião africana Bantu. As cerimonias são conduzidas em português e nelas incorporam figuras de todas as crenças. A diferença do candomblé para a umbanda é que a umbanda é menos organizada e cada pai modifica a religião de acordo com seus critérios pessoais.

Por outro lado, alguns rituais e crenças indígenas popularizaram-se recentemente. Este é o caso da chamada União do Vegetal em São Paulo e do Santo Daime em Rondonia e Acre, que tem como centro de seus rituais a ayahuasca, uma bebida alucinógina (obtida das raizes das plantas: cipó jacube e a folha chacrona), utilizada pelos indígenas desde dos tempos antigos. Para muitos, a ayahuasca oferece moral e fortalece o espírito. O culto do Santo Daime foi fundado no ano de 1930 em Rio Branco por Raimundo Irineu Serra, conta com mais de 10.000 fiéis e com mais de 10 igrejas e comunidades no Brasil. A mais importante encontra-se no Céu do Mapiá no Amazonas e na Colônia Cinco Mil em Rio Branco.

Salvando as distâncias, dado o grande mosaico de culturas e de raças, pode-se dizer que os brasileiros são gente com bom sentido de humor, alegres, cordiais, gentis e hospitaleiros. A sensualidade, a sensibilidade e a intuição são outros marcos que distingue-os. Convidamos deixar levar-se pelos sentidos, para viver a experiência do encontro com os brasileiros. Descubrirá em seus costumes e condutas supersticiosas, traços de magia e um gosto pelos amuletos, como invocação a felicidade, a saude ou a fertilidade. O Brasil é um ponto de encontro dos povos jovens, de lendas e mitos anscestrais. O Brasil é em definitivo um país, quase um continente de grande riqueza folclórica, de profundas tradições e de gente que apesar de tudo, sempre sorri.

ENTRETENIMENTO

No Brasil não terá tempo para o aborrecimento, nem se quer para o descanso. As possibilidades para o desfrute são quase infinitas. E como bem dizem em alguns folhetos promocionais, Brasil é mais que Futebol, Carnaval ou Amazonas, Brasil é sinônimo de diversão, e as propostas são tão variadas e diversas que podem ser intermináveis.

Sol, Praia e Atividades Náuticas

Impressionantes e belas praias com temperaturas médias de 28 graus centígrados como Copacabana, Arpoador, Pepino e Barra no Rio de Janeiro, Porto da Barra em Salvador da Bahia, Prainha no Rio Grande do Norte, Tambaba na Paraíba, Prejuicas em Lençóis, Morro de São Paulo na Bahia, Jericoacora no Ceará, Parati no Estado do Rio, Joaquina em Florianópolis ou a Ilha do Mel no Paraná são alguns dos nomes mais relevantes. Os amantes das praias, além de tomar sol e descansar, podem praticar a maioria dos esportes náuticos. O surfing popular ao longo da costa, especialmente no sul, tem sua melhores áreas nas praias de Santa Catarina, próximo a Florianópolis, Saquarema no Rio ou Búzios e Itacoatiara em Niterói. Para quem gosta de windsurf, nada melhor que o Rio, São Paulo, Porto Seguro, Salvador e Belém, entre outros locais. Como é de se esperar, em um país com uma extensa costa litorânea, pode-se praticar outros esportes como a vela e o submarinismo, especialmente em Angra dos Reis no Rio, Porto Seguro na Bahia, Brasma em Recife ou Maceió em Alagoas, a dois quilômetros da costa e a 15 minutos da Baia de Pajuçara, uma piscina natural caprichosamente formada por bancos de coral.

Se gostar da pesca, aconselhamos viajar ao interior do país. Entre os lugares mais recomendáveis encontra-se o rio Araguaia no Tocantins e os abundantes rios da região do Pantanal, como o Taquari, Coxim. Aquidauana, Cuiabá e Paraguai.

Ar Livre

Para os amantes dos espaços abertos e da natureza, o Brasil oferece excelentes lugares para a prática do caminhadas, excursões, trekking e alpinismos, especialmente nos Parques Nacionais, entre os meses de abril e outubro. Existem numerosos lugares para escaladas, seja para principiantes ou experientes. Para citar um exemplo, no Rio, capital das escaladas, existem mais de 350 lugares, que são encontrados a menos de 40 minutos da cidade. Se está interessado, pode entrar em contato com as assossiações de excurssionistas, que dispõe de escritórios nas principais cidades do país.

Continuando com as atividades ecoturísticas, o Brasil é um privilegiado lugar para a observação da fauna e flora, locais como O Pantanal, Amazonas, Cataratas do Iguaçu ou Parques Nacionais como o de Aparados da Serra, para desfrutar do Canhão Itaimbezinho, Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, Parque Nacional de Caparro, Parque Nacional da Chapada da Diamantina, Parque Nacional de Lençóis Maranhenses, ou o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, são alguns dos locais indicados para as atividades alternativas.

Cidades

Se a sua, são as cidades e a arquitetura, o Brasil oferece locais de grande beleza e riqueza histórica, como é o caso das cidades de Salvador (especialmente o bairro do Pelourinho), Olinda, Alcântara, São Luis, Cachoeira, Goiás Velho, Ouro Preto, ssim como, outros povoados em Minas Gerais. Quanto a Museus, em quase todas as cidades encontrará algum. Para quem gostar dos Festivais, nada melhor que presenciar os da Boa Morte em Cachoeira, Bumba Meu Boi em São Luis, o Carnaval de Olinda, Círio de Nazaré em Belém, Cavalhadas em Pirinópolis, a Semana Santa de Goiás Velho ou o Ano Novo na Praia de Copacabana.

Música e Dança

Por outro lado, o Brasil é sinônimo de Música e Dança como as noites de Domingo no Pelourinho, rítmos de forró em Ilha do Mel no Paraná, ou Samba nos Carnavais. Em Salvador da Bahia além, de poder assistir a uma cerimonia de candomblé, aconselhamos que desfrute as danças chamadas capoeira, uma dança combate, herança dos escravos, que utilizavam-na como jogo, a base de movimentos acrobáticos. A dança é acompanhada de um Berimbau, arco de madeira com uma corda metálica e que serve como instrumento de percusão. Entre outras danças populares tem que destacar o Maculele, a dança dos trabalhadores de carnavais e o Samba de Roda, cuja coreografia conforma-se com a disposição em círculos dos participantes e um solista no centro.

Experiências Místicas e Esportistas

Se busca algo diferente, lembre-se que no Brasil pode assistir e viver novas experiências religiosas, como o Candomblé na Bahia, Colônia Cinco Mil em Rio Branco ou Vale do Amanhecer em Brasília; espetáculos esportivos, para aqueles que conformam-se como meros espectadores, no Rio há o legendário, imponente e popular Estádio do Maracanã, o maior campo de futebol do mundo. Todos os domingos enche-se de entusiasmadas multidões, que entrengam-se de corpo e alma a seus times. A pouca distância do estádio encontra-se as pistas de atletismo e o Maracãnazinho, um auditório dedicado a espetáculos musicais e circenses, entre outros. O beiseboll e o softboll (um tipo de beiseboll, jogado em um campo menor e sobre um terreno mais plano), praticado em toda comunidade americana do Rio. As corridas de cavalos têm lugar segundas e quintas-feiras pela noite, e sábados e domingos pela tarde. Entre os espetáculos marítimos cabe destacar as regatas anuais, que celebram em fevereiro (do Rio de Janeiro a Buenos Aires, na Argentina e em novembro (do Rio à Santos), respectivamente. O Iate Clube do Rio de Janeiro proporcionará toda a informação que necessite.

Outras Possibilidades

Se esta lista de entretenimentos não encontra-se o que anda buscando, não preocupe-se, já que no Brasil poderá desfrutar de outras possibilidades, como o teatro (em Players, no Rio, que representam produções em inglês de autores como Shakespeare, enquanto que a Escola Americana apresenta frequentemente versões de dramas e musicais da Broadway. O Teatro Municipal tem lugar óperas, bales e concertos ); também poderá desfrutar da música de Câmara no Planetariun e na Sala Cecília Meirelles; dos preciosos trajetos de trem como o de Cuiabá a Paranaguá no Paraná ou o trem de vapor de São João del Rei a Tiradentes, em Minas Gerais, dos bugges nas areias, em Natal, excursões em catamarã em São Luis à Alcântara, praias de nudismo em Tambaba, em João Pessoa; centros de águas termais no Parque das Águas, em Caxambu ou a pesca de piranhas no Pantanal, por citar outras atividades.

E quando o dia termina e a noite avança inexoravelmente, o Brasil transforma-se em uma perpétua festa. Não há que esquecer-se, que a vida noturna do Brasil gozada de merecida fama. O rítmo e o sabor do samba, presente ao longo de todo dia, cobre espaços reais, a partir da meia noite, prolongando-se até altas horas da madrugada. O samba cria um ambiente que exala barulho, diversão e rítmo.

Discotecas, Bares, Centros Noturnos e Diversão no Rio de Janeiro

Apesar da rica variedade de locais e estabelecimentos que oferece o Rio, o Carnaval é o ponto culminante da noite. O Desfile e outros eventos similares têm lugar na Avenida do Samba (Sambódromo), desenhada por Oscar Niemeyer construida em 1983. Este novo símbolo do Rio Étambém sede do Museu do Carnaval e Centro Educacional.

Entre os lugares mais recomendáveis do Rio para dançar e passar as noites, encontra-se O Vira Do Ipiranga – Rua Ipiranga – 54- Botafogo. Um local com excelentes músicos locais e bastante barato; Beco da Pimenta- Rua Real Grande – 176- Botafogo. Um fascinante local para o samba, o pagode e a música tradicional carioca, e também muito barato, e Salada-Salada, um pequeño restaurante na esquina da Rua Garcia D’Ávila e Barão da Torre, onde dança o samba nas sextas-feiras e aos sábados até altas horas da madrugad.

Além dos típicos locais com música e espetáculos de folclore brasileiro, também encontrará modernas discotecas, restaurantes, bares e clubes. Regine (junto ao Hotel Meridien), é um clube muito privado, um dos últimos locais da moda; Hipopótamos (Ipanema), é um clube privado com música americana; Mikonos (Leblon) oferece música e baile das 22 ás 4 horas; Help é a maior discoteca do Rio, com um grande ambiente e Oba-Oba é um cabaré, que oferece um espetáculo de samba todas as noites a partir das 23 horas. O Scala (Av. Afrânio Melo Franco), é outro dos clubes noturnos mais conhecidos da noite brasileira.

Frequentado por turistas e cariocas, oferece um exclusivo show; Rio Jazz (Gustavo Sampaio s/nº- Leme), é uma parada obrigatória para os amantes da vida noturna da cidade, oferece uma programação interessante, porém convém reservar com antecipação; e Mariuzinn (Rua Raul Pompéia- 103) uma discoteca de música eclética, aberta a partir das 23:30 horas de quartas-feiras aos sábados. Plataforma 1 exibe seus espetáculos às 23 horas, suas portas ainda permanecem abertas a partir das 21 horas. As Gafieiras, célebre desde 1920 pelo salto de suas bailarinas e sua música popular, oferece oss tradicionais bailes de salão.

A música dos grands cantores e os tacones das bailarinas brasileiras ressoam no Music-Halls do Rio, alguns de grande capacidade como o Canecão, com espaço para mais de 2.000 pessoas, e outros mais reduzidos como o Teatro Clar Nunes.

Sucos tropicais, coquetéis explosivos, batidas naturais e um sem fim de bebidas aromáticas absorvem o calor do sol e refrescam a noite. A Casa da Cachaça (bar do Hotel Sheraton) serve excelentes coquetéis e batidas, junto a praia de Ipanema, levanta-se o Terraço Brasil 1800(Ipanema), decorado com o mais puro estilo do país. Na mesma linha cabe apontar Chikoys Bar. O vinho e as porções correm por conta da Adega Pérola (Copacabana), que abre diariamente, exceção aos domingos.

FESTIVIDADES

Durante todo o ano o Brasil é uma terra em constante festa. Estamos certos de que sua viagem coinscidira com alguma festividade ou celebração e, o convidamos a desfrutar o máximo da oportunidade de descobrir outro dos marcos mais significativos, que caracterizam este povo.

O ano começa com grande júbilo o dia 1 de Janeiro, Dia do Ano Novo, quando todo mundo sai às ruas no rítmo do samba, salsas ou tropicalismos. O dia 6, celebra-se a Epifania. Destaca-se além, o primeiro dia do ano, a Festa de Iemanjá, no Rio e a Procissão do Bom Jesus dos Navegantes, em Salvador da Bahia.

Do dia 1 ao 20 a Folia de Reis, em Parati e no Rio de Janeiro, de 3 à 6 a Festa dos Reis, em Carpina e Pernambuco, de 6 a 15 a Festa de Santo Amaro em Santo Amaro e de 24 à 2 de Fevereiro, Nosso Senhor de Nazaré, em Nazaré, Bahia.

O mês de Fevereiro ou Março, quatro dias antes da quarta-feira de cinza, tem lugar o famoso Carnaval. O mais espetacular é o Carnaval do Rio de Janeiro. As Escolas de Samba inundam as ruas da cidade e são 4 dias, que é permitido "quase tudo". O rítmo da "batucada" na cidade funde-se em uma estranha mistura de cantos e danças, que têm seu momento culminante com a presença das "Escolas de Samba" que desfilam pela Avenida dos Desfiles, conhecida popularmente como "Sambódromo". Trocando para o Carnaval da Bahia, caracterizado pela presença dos "Trios Elétricos", que com suas iluminadas ormamentações, verdadeiros cenários móveis, transformam a cidade em uma apoteose de cor. Os "Blocos", grupos carnavalescos, dançam pelas principais avenidas vestidos com chamativas túnicas, enquanto que as Casas de Candomblé executam suas danças de rítmos "Afro-Baiano".

Outras festas turísticas no mês de Fevereiro são a Grande Vaquejada do Nordeste em Natal, Rio Grande do Norte, e o dia 2 a Festa de Iemanjá em Salvador da Bahia e, o primeiro sábado do mês, a Procura de Itamaracá, no Estado de Pernambuco.

Em Março a festa e a música estão presentes na Procissão do Encontro em Salvador da Bahia e depois da Semana de Páscoa, as Feiras dos Caxixis em Nazaré, Bahia. Já no mês de Abril a meados, distingue-se o Drama da Paixão de Cristo em Brejo da Mãe de Deus, em Pernambuco. O dia 15, as Cavalhadas em Pirinópolis, Goiás e o dia 21 o Dia de Tiradentes.

O mês de Maio abre o Dia do Trabalho e, em princípios de Junho, em Parati e no Rio de Janeiro festeja-se a Festa do Divino Espírito Santo. As Festas Juninas e o Bumba Meu Boi, que é celebrado ao longo do mês, em muitas regiões do país, principalmente em São Luís, Belém e nos Estados de Pernambuco e do Rio, destacam-se por sua majestosidade. Sobressai além, o Festival Folclórico do Amazonas em Manaus, enquanto que do dia 22 à 24, celebra-se São João, em Cachoeira, Bahia.

Em Julho distingue-se a Festa do Divino em Diamantina, Minas Gerais e a Regata de Jangadas Dragão do Mar, em Fortaleza, Ceará. Em meados de Agosto, a Festa de Nossa Senhora da Boa Morte, em Cachoeira, Bahia e o dia 15, a Festa e Iemanjá, em Fortaleza.

Setembro destaca-se por ser o mês pátrio, quando no dia 7 comemora-se o Dia da Independência, sem esquecer-se, do Festival de Cirandas em Itamaracá, em Pernambuco e a Cavalhada em Caeté, em Minas Gerais. O 12 de Outubro, o Dia de Nossa Senhora da Aparecida e o da Nossa Senhora do Rosário, em Cachoeira, festas que merecem especial atenção. As principais festividades do mês de Novembro é o dia 2, quando celebram Todos os Santos e o 15 Dia da Proclamação da República.

O último mês do ano acolhe o dia 4 até 6, a Festa de Santa Bárbara, o dia 8 a Festa de Nossa Senhora da Conceição em Salvador da Bahia e a Festa de Iemanjá, em Belém. O dia 25 é o Dia do Natal e o 31 o último dia do ano, que é celebrado com grandes doses de esperança, a espera de melhores tempos.

Festas Nacionais

As festas nacionais (feriados) são: 1 de Janeiro (Ano Novo), Carnaval (Fevereiro ou Março), Páscoa (Março ou Abril), 21 de Abril (Tiradentes), 1 de Maio (Dia do Trabalho), Corpus Cristis (Junho), 7 de Setembro (Dia da Independência), 12 de Outubro (Nossa Senhora da Aparecida), 2 de Novembro (Dia de Finados), 15 de Novembro (Proclamação da República), 25 de Dezembro (Natal).

Transportes

Avião

As principais cidades e capitais assim como, numerosas cidades do Brasil, estão conectadas por via aérea. As companhias com maior presença são a VARIG, VASP e TRANSBRASIL, que cobrem a maior parte do território nacional. Existem além, diversas linhas aéreas medianas e pequenas, além de empresas de aéreo-táxis (que operam as regiões do Amazonas e o Pantanal). É necessário assinalar que a maioria dos vôos realizam escalas e em muitos casos é necessário trocar de avião. Não é imprescindível comprar passagem de ida e volta, já que o preço é fixo por trajeto realizado. As principais linhas aéreas, especialmente a VARIG, oferece interessantes "Air Pass", com os quais pode realizar diversos trajetos a preços, que em ocasiões podem ser vantajosos. O Air- Pass podem constar de 5 cupons com validade máxima de 21 dias. Aconselhamos que pense antes de usar este meio de transporte, faça reserva com antecipação, já que na temporada alta é difícil conseguir vagas. Por outro lado, é imprescindível confirmar e reconfirmar os vôos para evitar surpresas.

O Aeroporto Internacionl Dois de Julho encontra-se a 30 km de Salvador da Bahia, enquanto que o Rio de Janeiro conta com o Aeroporto Internacional Galeão, na Ilha do Governador, 15 km ao norte do centro da cidade.

São Paulo tem três aeroportos: Aeroporto de Congonhas (para vôos nacionais), a 14 quilômetros ao sul da cidade; Aeroporto Internacional de São Paulo – Guarulhos, 30 quilômetros a leste da cidade e o Aeroporto Viracopos, a 97 km da capital do estado.

Barco

Na região do Amazonas os percursos em barcos ou em pequenas lanchas são muito frequentes e em alguns casos, o único meio de transporte, especialmente na temporada de chuvas, quando os caminhos envolvem-se intransitáveis. Existem nos principais rios da Bacia Amazônica, numerosos portos, onde partem todas as classes de embarcações.

Trem

Existem muito poucos trens de passageiros no Brasil. Os mais de 30.000 km de vias férreas são utilizadas principlmente para mercadorias. Sem dúvida, existem trajetos muito interessantes, como são o de Curitiba – Paranaguá, São Paulo- Santos, São João del Rei- Tiradentes, Joinville-Ilha de São Francisco do Sul ou o trajeto São Paulo- Corumbá, na fronteira com a Bolívia.

Ônibus

Este é sem dúvidas o meio de transporte mais econômico, mais utilizado e popular em todo Brasil (com exceção da região da Bacia Amazônica).

Existem duas classes de serviços: o "comum" e que, como seu nome indica é a mais frequente, e a "executiva", onde os assentos e espaços são mais cômodos, Os ônibus são novos, limpos, confortáveis, com vídeo e serviço sanitário. A maioria realizam paradas ao longo do trajeto, para comer e descançar.

Recomendamos que viaje no serviço executivo, já que o preço é muito econômico. Existem numeross e frequentes saidas, que conectam as principais cidades, porém os locais mais distantes, as frequencias são mais escassas. As passagens podem ser adquiridas nas centrais e terminais de ônibus (rodoviária), muitas delas equipadas com restaurantes, telefones, salas de espera e lojas, ou bem, em algumas das agências de viagem.

O terminal de Ônibus no Rio de Janeiro (Novo Rio Rodoviária), encontra-se na Avenida Francisco Bicalho em São Cristovão, a 20 minutos até o norte do centro da cidade, enquanto que a estação de Ônibus em Salvador da Bahia, encontra-se a uns 5 km do centro da cidade. Existem linhas urbanas que vão na mesma e que anunciam-se com o nome de Rodoviária.

O serviço de ônibus urbanos no Brasil é bastante bom. Circulam com frequência, cobrindo as principais rotas. Na maioria das cidades sobe-se pela port traseira, onde encontra-se um cobrador e desce pela porta dianteira.

O Rio de Janeiro conta com mais de seis mil ônibus, que correm suas ruas. Há mais de 270 linhas e desgraçadamente, não existe mapas onde indiquem os trajetos. Os climatizdos fazem as áreas ds praias como o centro, e que detem-se em todas as paradas de ônibus. Existem duas linhas de metro que funcionam das 6 às 23 horas, de segunda-feira aos sábados.

Automóveis

Este meio de transporte não é o mais indicado, pelo mais estado da maioria das estradas e pela forma anárquica de conduzir dos brasileiros. As principais empresas de aluguel de veículos internacionais têm escritórios nas cidades mais importantes do Brasil. É necessário possuir uma permissão internacional, acompanhado da permissão nacional, para dirigir no país.

Taxi

Nas principais cidades do Brasil os taxis dispõe de taxímetro. Porém, frequentemente, a tarifa está sujeita a recentes preços, mostrados em uma folha onde figuram as "tabelas", para atualizar os preços. É recomendável averiguar, se trata do original e não de cópias, assim como, de verificar se está ativado o taximetro, na hora de abordar o taxi. Nas saidas das estações de ônibus e aeroportos, só há uma central de taxis, onde pode-se adquirir as passagens par os trajetos.

Geralmente, a tarifa 1 (regular) aplica-se das 6 às 22 horas, e a tarifa 2, fora deste horário. Os taxis que não contam com taxímetro, é necessário acertar o preço antes do trajeto. Não há costume de deixar gorjetas.

Fonte: www.rumbo.com.br

Brasil

Cobrindo quase metade do continente sul-americano, o Brasil é o maior país da América Latina e o quinto maior do mundo. Se extendendo por 4.772km de norte a sul e 4.331km de leste a oeste, faz fronteira com todos os países da América do Sul, exceto Chile e Equador. Dono de grandes diversidades geográficas, econômicas e sociais, possui uma grande unidade nacional, sedimentada pela língua portuguesa falada em todas as regiões.

O povoamento do território, feito no sentido litoral para o interior, produziu sérias distorções, agravadas pelo processo de industrialização iniciado na década de 1930. Metrópoles superpopulosas no Sudeste contrastam com a baixa densidade populacional da Amazônia.

Mesmo tendo o maior PIB da América Latina, o país passa por duros períodos de recessão. O Plano Real, decretado em julho de 1994, ameniza o problema reduzindo a inflação e criando uma moeda mais estável. Mesmo assim, o modelo econômico não tem conseguido atenuar as fortes distorções regionais, alargando as camadas sociais mais pobres e tornando endêmico o desemprego. A falta de condições dignas para as camadas pobres, tais como moradia, saneamento básico, saúde pública e, principalmente, de um sistema de ensino eficiente, é o maior entrave para o desenvolvimento e a manutenção da paz social.

Caracterizada pela agricultura e mineração, além de um parque industrial e de serviços forte, a economia brasileira vem ampliando sua participação nos mercados mundiais. Apesar do estabelecimento de políticas fiscais duras, controle de inflação e liberação do câmbio para flutuação, contudo, a economia nacional vem crescendo a passos consideravelmente modestos se comparados à outras nações em desenvolvimento, como Argentina, Índia, Rússia e China.

DADOS GERAIS SOBRE O BRASIL

Geografia

Localização: leste da América do Sul, na orla do Oceano Atlântico
Área: total - 8.514.876,6 km², terra - 8.459.391 km², água - 55.455 km²
Fronteiras: Bolívia - 3.423 km, Peru - 2.995 km, Venezuela - 2.200 km, Colômbia - 1.644 km, Paraguai - 1.365 km, Argentina - 1.261 km, Guiana - 1.606 km, Uruguai - 1.068 km, Guiana Francesa - 730 km, Suriname - 593 km
Litoral: 7.491 km
Clima: principalmente tropical, mas equatorial na Amazônia e subtropical no sul.
Elevação: Ponto mais baixo - 0m orla do Oc. Atlântico Ponto mais alto - 3.014m Pico da Neblina
Recursos naturais: bauxita, ouro, minério de ferro, manganês, níquel, fosfatos, platina, urânio, petróleo, madeira
Uso da terra: arável: 6,93%; cultivo permanente: 0,89%; outros: 92,18% (2005)
Pessoas (2006 est.)
População: 193.946.886 habitantes
Principais cidades: São Paulo - 10.277.500; Rio de Janeiro - 6.094.200; Salvador - 2.672.500; Belo Horizonte - 2.375.300; Fortaleza - 2.374.900; Brasília - 2.231.100; Curitiba - 1.757.900; Manaus - 1.634.100; Recife - 1.501.000; Belém - 1.396.800hab. (2005 est.)
Principais metrópoles: São Paulo - 19.037.487; Rio de Janeiro - 11.570.524; Belo Horizonte - 5.391.284; Porto Alegre - 3.978.263; Recife - 3.599.181; Brasília - 3.454.961; Salvador - 3.350.523; Fortaleza - 3.349.826; Curitiba - 3.141.366; Campinas - 2.633.938 (2005 est.)
Índice de Desenvolvimento Humano: 0,792 - 69º no ranking mundial - 4º na América do Sul
Faixa etária: 0-14 anos: 25,8% 15-64 anos: 68,1% mais de 65 anos: 6,1%
Divisão por sexo (homem/mulher): no nascimento: 1,05 h/m até 15 anos: 1,04 h/m 15-64 anos: 0,98 h/m mais de 65 anos: 0,7 h/m total: 0,98 h/m
Taxa de crescimento populacional: 1,04% ao ano
Taxa de natalidade: 16,56‰
Taxa de mortalidade: 6,17‰
Mortalidade Infantil: 28,6‰
Fertilidade: 1,91 crianças por mulher
Expectativa de vida: total - 71,97 anos homem - 68,02 anos mulher - 76,12 anos
Grupos étnicos: branco 53,7%, mulato 38,5%, negro 6,2% (2000)
Religião: Católica Romana 73,6%, Protestante 15,4%, Espíritas 1,3% (2000)
Idioma: Português (oficial) 86,4% da população com mais de 15 anos alfabetizada. (2003 est.)

Governo

Nome oficial: República Federativa do Brasil
Organização política: República
Capital: Brasília
Divisões administrativas: 26 estados e 1 distrito federal* - Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal*, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins
Independência: 07/09/1822 (de Portugal)
Feriado Nacional: 07/09 Dia da Independência
Constituição vigente: 05/10/1988
Chefe de Estado: Presidente Luís Inácio LULA da Silva (desde 01/01/2003, reeleito em 2006)

Economia

PIB: Oficial - USD 850,3 bilhões
PPP - USD 1,616 trilhões - em paridade ao poder de compra norte-americano
Crescimento - 3,1% ao ano
Per capita (PPP) - USD 8.600
Composição 1º/2º/3º setor - 8% / 38% / 54%
Inflação anual: 4,2%
Desemprego: 9,6%
População abaixo da linha da pobreza:31% (2005)
Orçamento: receita: USD 140,6 bilhões despesa: USD 172,4 bilhões (2004)
Produção/consumo de eletricidade: 380,9 bi/391,7 bilhões de kwh (2004)
Exportações: USD 138 bilhões - EUA 19,2%, Argentina 8,4%, China 5,4%, Holanda 4,5%, Alemanha 4,2%
Principais exportações:equipamentos de transporte, minério de ferro, soja, calçados, café, veículos
Importações: USD 95,8 bilhões - EUA 17,5%, Argentina 8,5%, Alemanha 8,4%, China 7,3%, Japão 4,6%
Principais importações: maquinário, equipamentos elétricos e de transporte, produtos químicos, petróleo
Dívida externa: USD 177,7 bilhões

Transportes

Ferrovias: 29,252 km (2005)
Rodovias: 1.751.868 km (96.353 km pavimentados) - (2004)
Hidrovias: 50.000 km (2005)
Oleodutos: gás natural - 11.669 km, óleo cru - 5.212 km, derivados de petróleo - 4.755 km (2006)
Portos: Belém, Manaus, Paranaguá, Recife, Rio de Janeiro, Rio Grande, Santos, Sepetiba, Tubarão, Vitória
Aeroportos: 4,276 (714 com pistas pavimentadas) - (2006)

REGIÕES BRASILEIRAS

Região Norte

Com um relevo constituído por três grandes unidades: as planícies e terras baixas amazônicas; o planalto das guianas; e o planalto central, a maior região geográfica brasileira apresenta um clima equatorial, exceto no norte do Pará e no sul do Amazonas e de Rondônia, onde o clima é tropical. Nesta região, os aspectos naturais predominantes são, além do clima quente e úmido, a presença de uma floresta densa e heterogênea, e rios extensos e caudalosos drenando terras de altitude geralmente pouco elevada. Esta região também apresenta a maior bacia hidrográfica do mundo, a amazônica, formada pelo rio Amazonas, na foz do qual encontra-se a ilha de Marajó - maior ilha de água doce do mundo, com aproximadamente 50.000km², abrigo também do maior rebanho de búfalos do país - e de seus incontáveis afluentes.

Os primeiros habitantes do Norte, tal qual no resto do Brasil, foram índios, que viviam soberanos na região até a chegada dos colonizadores europeus. Esta área também foi parte de caminhos do Movimento das Bandeiras, na qual missionários buscavam a catequização dos locais. Na segunda metade do século XIX e início do século XX, muitos brasileiros de outras regiões, especialmente nordestinos, foram para o Norte a fim de trabalhar na extração da borracha. Durante as décadas de 60, 70 e 80, os governos militares implantaram um grande plano de integração dessa região com o restante do país, através da construção de uma extensa malha rodoviária (incluindo a Transamazônica) e instalação de parques industriais.

A economia da região baseia-se nas atividades industriais (especialemnte na região da Zona Franca de Manaus, criada em 1967 por um decreto do então presidente Castelo Branco com o objetivo de trazer o progresso para a região), de extrativismo vegetal e mineral (inclusive de petróleo e gás natural), e a agricultura, além das atividades turísticas.

Dados Gerais

Nome Oficial: República Federativa do Brasil
Capital do Brasil:
Brasília
Idiomas Oficiais:
Português
Moeda:
Real
Nacionalidade:
Brasileira
Principais Cidades:
Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro
Área:
8.514.876,599 km² (5º maior)
População: 196.655.014 habitantes (2011.)
Municípios: 5 561 (2000)
População Urbana: 69,87% (2000)
Crescimento demográfico: 2,86% ao ano (1991-2000)
Mortalidade infantil: 34,1‰ (2002)
PIB: R$ 89,8 bilhões
Participação nacional:
5,3% (2004)

Fonte: www.geocities.com

Brasil

História

O primeiro europeu a chegar nas terras que hoje formam o Brasil foi o espanhol Vicente Yáñez Pinzón no dia 26 de Janeiro de 1500.

Apesar disso oficialmente o Brasil foi descoberto em 22 de Abril de 1500 pelo navegador português Pedro Álvares Cabral, que, no comando de uma esquadra com destino à Índia, chegou ao litoral sul da Bahia, na região da atual cidade de Porto Seguro.

A partir de 1530, a Coroa Portuguesa implementou uma política colonizadora, inicialmente com as capitanias hereditárias, depois com o governo-geral, instalado em 1548.

A descoberta de metais preciosos nos últimos anos do Século XVII possibilitaria ao Reino português superar a crise econômico-financeira dando novo folgo à colonização do Brasil.

Com a decadência da mineração na segunda metade do Século XVIII, a agricultura exportadora voltou a ocupar uma posição de destaque na economia colonial.

Esse fenômeno foi chamado pelo historiador Caio Prado Jr. de “renascimento da agricultura”, estando ligado, de um lado, ao incremento demográfico do Século XVIII, e de outro, à grande alteração da ordem econômica inglesa em meados do século, com a Revolução Industrial.

No início do século XIX, com a transferência da Corte Portuguesa para o Brasil, fugindo das tropas de Napoleão Bonaparte, o regente Dom João VI abriu os portos do país, permitiu o funcionamento de fábricas e fundou o Banco do Brasil. Com isso, o país tornou-se Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves e Dom João VI, coroado rei. Logo depois voltou para Portugal, deixando seu filho mais velho, Dom Pedro I do Brasil, como regente do país.

Em 7 de Setembro de 1822, Dom Pedro proclamou a independência e reinou até 1831, quando foi sucedido por seu herdeiro, Dom Pedro II, que tinha apenas cinco anos. Aos catorze anos em 1840, Dom Pedro II teve sua maioridade declarada, sendo coroado imperador no ano seguinte. No final da primeira década do Segundo Reinado, o regime estabilizou-se. As províncias foram pacificadas e a última grande insurreição, a Revolta Praieira, foi derrotada em 1849. Nesse mesmo ano, o imperador extingue o tráfico de escravos. Aos poucos, os imigrantes europeus assalariados substituíram os escravos.

A independência do Brasil marcou o fim do tumultuado conflito entre as tentativas de Portugal para (re)colonizar o Brasil e deixou para depois a resolução dos imensos problemas da nova nação: a crise econômica, a guerra com Portugal, a necessidade de reconhecimento pelas nações estrangeiras e a elaboração da nova Constituição.

No contexto geopolítico, o Brasil se alia à Argentina e Uruguai e entra em guerra contra o Paraguai. No final do conflito, quase dois terços da população paraguaia estava morta. A participação de negros e mestiços nas tropas brasileiras na Guerra do Paraguai deu grande impulso ao movimento abolicionista e ao declínio da monarquia. Pouco tempo depois, em 1888, a princesa Isabel, filha de Dom Pedro II, assina a Lei Áurea, que extingue a escravidão. Ao abandonar os proprietários de escravos, sem os indenizar, o império brasileiro perde a última base de sustentação.

Em 15 de Novembro de 1889, ocorre a proclamação da república pelo marechal Manuel Deodoro da Fonseca e tem início a República Velha, terminada em 1930 com a chegada de Getúlio Vargas ao poder. A partir daí, a história do Brasil destaca a industrialização do Brasil e a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial ao lado dos Estados Unidos; o movimento militar de 1964, onde o general Castelo Branco assumiu a presidência.

O Regime Militar, a pretexto de combater a subversão e a corrupção, suprimiu direitos constitucionais, perseguiu e censurou os meios de comunicação, extinguiu os partidos políticos e criou o bipartidarismo. Após o fim do regime militar, os deputados federais e senadores se reuniram, em 1988, em assembleia nacional constituinte  e promulgaram a nova Constituição, que amplia os direitos individuais. O país se redemocratiza,  avança economicamente e cada vez mais se insere no cenário internacional.

Cultura

A cultura brasileira reflete os vários povos que constituem a demografia deste país sul-americano: indígenas, europeus, africanos, asiáticos, árabes etc. Como resultado da intensa miscigenação de povos, surgiu uma realidade cultural peculiar, que sintetiza as várias culturas.

Dentre os diversos povos que formaram o Brasil, foram os europeus aqueles que exerceram maior influência na formação da cultura brasileira, principalmente os de origem portuguesa. Durante 322 anos a País foi colônia de Portugal e houve uma transplantação da cultura da metrópole para as terras sul-americanas. Os colonos portugueses chegaram em maior número à colônia a partir do século XVIII, sendo já neste século o Brasil um país Católico e de língua dominante portuguesa.

As primeiras décadas de colonização possibilitaram uma rica fusão entre a cultura dos europeus e a dos indígenas, dando margem à formação de elementos como a Língua geral, que influenciou o português falado no Brasil, e diversos aspectos da cultura indígena herdadas pela atual civilização brasileira. A influência indígena faz-se mais forte em certas regiões do país em que esses grupos conseguiram manter-se mais distantes da ação colonizadora e em zonas povoadas recentemente, principalmente na Região Norte do Brasil.

A cultura africana chegou através dos povos escravizados trazidos para o Brasil num longo período que durou de 1550 à 1850. A diversidade cultural de África contribuiu para uma maior multiplicidade do povo brasileiro. Os próprios escravos eram de etnias diferentes, falavam idiomas diferentes e tinham tradições distintas. Assim como a indígena, a cultura africana fora subjugada pelos colonizadores, sendo os escravos baptizados antes de chegarem ao Brasil. Na colônia aprendiam o português e eram baptizados com nomes portugueses e obrigados converter-se ao catolicismo. Alguns grupos, como os escravos das etnias hauçá e nagô, de religião islâmica, já traziam uma herança cultural e sabiam escrever em árabe e outros, como os bantos, eram monoteístas. Através do sincretismo religioso, os escravos adoravam os seus orixás através de santos Católicos, dando origem às religiões afro-brasileiras como o Candomblé.

Os negros legaram para a cultura brasileira uma enormidade de elementos: na dança, música, religião, cozinha e no idioma. Essa influência faz-se notar em praticamente todo o País, embora em certas zonas (nomeadamente nos estados do Nordeste como Bahia e Maranhão) a cultura afro-brasileira seja mais presente.

Literatura

As primeiras manifestações literárias no país resumem-se basicamente à produção de textos narrativos sobre o país inseridos no contexto dos Descobrimentos.

A preocupação em produzir uma literatura genuinamente nacional começa a existir com a intenção nacionalista romântica, mas esta limita-se a buscar temáticas supostamente brasileiras (como o indigenismo e o regionalismo) e repetir as formas europeias. Algo semelhante ocorre com o Realismo e o Naturalismo, ainda que autores como Machado de Assis tenham sido considerados altamente inovadores.

Os vários movimentos modernos que explodem no início do Século XX (entre os quais destaca-se o antropofágico representado por Mário e Oswald de Andrade) têm por princípio rejeitar os valores europeus e buscar aquilo que é genuinamente nacional, digerindo a cultura estrangeira e devolvendo-a sintetizada à nacional.

Artes visuais

Até meados do século XIX a produção plástica das artes brasileiras possui pouco destaque, exceptuando o trabalho de Aleijadinho e Manuel da Costa Ataíde no Barroco mineiro. De mencionar ainda a produção de artistas estrangeiros que durante o período colonial estiveram no país registando as paisagens e hábitos locais, como Albert Eckhout.

A pintura brasileira do Século XIX é bastante académica, altamente influenciada pelo trabalho da Missão Artística Francesa (da qual faziam parte nomes como Jean Baptiste Debret e Nicolas-Antoine Taunay). A referida Missão foi responsável pela criação da Escola Imperial de Belas Artes. Desse período, destacam-se as pinturas históricas de Victor Meirelles e Pedro Américo.

Música

Alguns dos géneros musicais populares originários do Brasil mais conhecidos são o Choro, o Samba, a Bossa Nova e a Música Popular Brasileira. Como chorões podemos destacar Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Altamiro Carrilho. Exemplos de sambistas são Cartola e Noel Rosa. O maestro Tom Jobim, o poeta Vinícius de Moraes e João Gilberto, por outro lado, são nomes conhecidos ligados à Bossa Nova e cuja obra teve repercussão internacional, tendo sido gravada por nomes como Frank Sinatra e Stan Getz. Posteriormente à Bossa Nova, o movimento conhecido como Tropicália também teve um papel de destaque como música de vanguarda e experimental.

Mas o Brasil tinha também um papel importante na tradição clássica. Considera-se que o primeiro grande compositor brasileiro foi José Maurício Nunes Garcia, contemporâneo de Mozart e Beethoven. Carlos Gomes, autor da ópera O Guarani, adaptação do romance homônimo de José de Alencar, foi o primeiro compositor brasileiro a ter projeção internacional. No século XX destaca-se o trabalho de Heitor Villa-Lobos, responsável pela assimilação, por parte da música erudita, de diversos elementos da cultura popular, como os violões e determinados ritmos. Outros compositores importantes, na linha da música erudita são Guerra Peixe, Cláudio Santoro e Camargo Guarnieri. Na atualidade, destacam-se obras de compositores contemporâneos como Amaral Vieira, Edino Krieger e Osvaldo Lacerda.

Arquitetura

A arquitetura bandeirista e o barroco mineiro são consideradas por muitos estudiosos como expressões de estilos europeus que encontraram no Brasil uma manifestação e linguagem próprias, evidenciando-se das suas contrapartes metropolitanas. A primeira refere-se à produção realizada basicamente no que seria hoje o Estado de São Paulo, pelas famílias dos bandeirantes, inspirando-se numa estética próxima, ainda que bastante alterada, do maneirismo. A segunda corresponde a um tipo de barroco (ainda que muitos o considerem mais próximo do Rococó) representado especialmente pelas igrejas construídas por Aleijadinho.

A arquitetura brasileira teve o seu ponto culminante no movimento modernista, com a construção de Brasília, por Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.

A cultura brasileira é extremamente rica integrando as diversas influências recebidas do caldo de origens do povo brasileira que gerou uma “alma brasileira” tão única e original como imediatamente reconhecível nos sons, imagens, poemas e prosa brasileiros.

Fonte: vida.planetavida.org

voltar 1234avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal