Breaking News

Bile

PUBLICIDADE

Definição

A Bile é um líquido marrom-esverdeado a amarelado, produzido pelo fígado da maioria dos vertebrados, que ajuda na digestão de lipídios no intestino delgado.

A bile é um líquido produzido pelo fígado, que ajuda a digerir a gordura.

Nos humanos, a bile é produzida continuamente pelo fígado (bile do fígado) e armazenada e concentrada na vesícula biliar.

Depois de comer, essa bile armazenada é descarregada no duodeno.

A composição da bílis da vesícula biliar é: de 97% de água, 0,7% de sais biliares, 0,2% de bilirrubina, 0,51% de gorduras (colesterol, ácidos graxos e lecitina), e 200 meq/l de sais inorgânicos.

A bílis é amarela no sistema de quatro humor da medicina, o padrão da prática médica na Europa de cerca de 500 aC ao início do século XIX. Cerca de 400 a 800 ml de bílis são produzidos por dia em seres humanos adultos.

O que é Bile?

A bile desempenha um papel vital na digestão de gorduras e está presente na maioria dos mamíferos.

É formado no fígado, onde é composto principalmente de colesterol, lecitina, pigmentos e sais.

A maioria dos sais deste líquido é reabsorvida de volta ao corpo e são eletrólitos necessários.

Quando as pessoas ficam com gripe estomacal grave, por exemplo, elas podem começar a vomitar uma substância amarela, uma vez que seus estômagos estão vazios, que é principalmente composto desse fluido. Isso significa que os eletrólitos estão sendo perdidos rapidamente e as pessoas podem precisar de fluidos eletrolíticos para restaurar um equilíbrio saudável e evitar a desidratação.

Enquanto a bile é feita no fígado, entre as refeições é armazenada na vesícula biliar.

Nos seres humanos, quando comemos, é excretado no duodeno, ajudando a quebrar as gorduras. De certa forma, você pode comparar essa substância com um detergente, uma vez que possui propriedades de emulsificação. Emulsificação liga duas substâncias juntas. Por exemplo, quando você lava louça, o sabão que você usa liga-se às gorduras e graxas, ajudando você a remover o sabão e a graxa.

A bile emulsiona com gorduras para que estas possam ser absorvidas pelo intestino delgado. Essa substância necessária também permite que as pessoas absorvam vitaminas que são consideradas solúveis em gordura, como as vitaminas D, E e A. Sem ela, não conseguiríamos absorver as importantes vitaminas de que nosso corpo precisa.

Você não encontrará este líquido simplesmente agindo no fígado, na vesícula biliar e no duodeno. Quando a comida é parcialmente digerida, pelo estômago, ela é liberada no intestino de uma forma chamada quimo.

A vesícula biliar libera bile altamente concentrada para processar, digerir e sintetizar o quimo para completar o processo digestivo, separando o bom do ruim e reabsorvendo coisas como gorduras, sais e vitaminas.

Ocasionalmente a bile pode trabalhar contra o corpo em vez de para ele. Por exemplo, o alto teor de colesterol pode formar cálculos biliares na vesícula biliar, uma condição dolorosa que às vezes requer a remoção da vesícula biliar. Quando as pessoas precisam ter sua vesícula biliar removida, podem ter dificuldade em sintetizar e digerir as gorduras depois disso, porque as vias dos ductos biliares do fígado para a vesícula biliar são essencialmente inúteis.

Na medicina antiga, a bile era considerada um dos “humores” do corpo produzidos pelo fígado. Dizia-se que as pessoas com indigestão eram biliosas, e as que tinham problemas com a vesícula biliar frequentemente eram diagnosticadas como tendo uma “doença biliar”. Várias dietas foram prescritas para ajudar a reduzir os ataques biliosos. O mais sensato destes reduziu a ingestão de gordura e álcool.

Bile – Composição

A bile é um fluido que é produzido e liberado pelo fígado e armazenado na vesícula biliar.

A bile ajuda na digestão.

Ela decompõe as gorduras em ácidos graxos, que podem ser ingeridos no organismo pelo trato digestivo.

A bile contém:

Principalmente colesterol
Ácidos biliares (também chamados sais biliares)
Bilirrubina (um produto de degradação ou glóbulos vermelhos)

Também contém:

Água
Sais do corpo (como potássio e sódio)
Cobre e outros metais

O que é a Bílis da Vesícula Biliar?

Bile
Uma vesícula biliar saudável e outra com cálculos biliares

A bílis da vesícula biliar é um fluido corporal produzido pelo fígado para ajudar naturalmente na digestão da gordura.

Esta substância pode variar em sua descrição de laranja para verde a marrom ou pode até mesmo apresentar uma tonalidade marrom-amarelada.

Feita pelo fígado e armazenada na vesícula biliar, a bílis eventualmente entra no intestino delgado, onde então trabalha para ajudar a quebrar as gorduras que entram no corpo quando o alimento é ingerido.

A bílis da vesícula biliar é composta de vários outros ingredientes encontrados no corpo, como: sais biliares da vesícula biliar, sais inorgânicos, muco, lecitina, colesterol, bilirrubina e água.

Também conhecida como fluido hepático, a bile se acumula no corpo entre as refeições e é temporariamente armazenada dentro da vesícula biliar, que é diretamente conectada ao fígado. Eventualmente, esta substância é transferida para o intestino delgado através do ducto biliar da vesícula biliar onde, durante as refeições, ela ajuda a digerir as gorduras.

Complicações e condições múltiplas podem ocorrer se o ducto biliar da vesícula biliar ficar bloqueado e for incapaz de funcionar como pretendido. Uma dessas condições é a icterícia, que ocorre quando um bloqueio resulta em um acúmulo na corrente sanguínea da bilirrubina, que está presente na bile. Um dos sintomas mais conhecidos da icterícia é o amarelamento da pele e o branco dos olhos. Alguns com esta condição também relatam desconforto geral e coceira na pele. A icterícia também é conhecida como icterícia e requer tratamento médico para remover o bloqueio e reverter os sintomas.

O câncer do ducto biliar da vesícula biliar é o que ocorre quando os tumores se desenvolvem no ducto biliar. Estes tumores podem se formar na parte superior ou inferior do ducto e apresentar sintomas como dor de estômago, icterícia, perda de apetite, perda de peso não intencional, fadiga e fraqueza. Alguns também relatam sentimentos de náusea e vômito com esse tipo de câncer. Os resultados dos testes hepáticos também mostrarão anormalidades quando os tumores da via biliar da vesícula biliar começarem a se formar.

O câncer do ducto biliar da vesícula biliar afeta mais comumente pacientes com 65 anos ou mais. A remoção cirúrgica de tumores é o principal tratamento para este tipo de câncer, a menos que esteja em um estágio avançado, onde a cirurgia não pode ajudar. Quando isso acontece, os médicos sugerem que um tubo seja inserido no ducto com o objetivo de guiar a bile até o intestino delgado. Embora esse método não cure o câncer, ele pode ajudar a aliviar a dor, o desconforto e a icterícia que resultam do bloqueio do ducto biliar.

O que é a Bílis Amarela?

A bile amarela é um dos quatro humores, que formaram a base da antiga prática médica.

Acreditava-se que fosse um dos quatro líquidos contidos no corpo humano: sangue, água, bile negra e bílis amarela.

Acredita-se que a bílis amarela represente o elemento fogo, e acredita-se que uma quantidade desproporcional dela cause efeitos médicos adversos e mudanças no temperamento, como a raiva.

O humorismo era a teoria dominante do tratamento médico na Grécia e Roma antigas, bem como no mundo islâmico. A Europa medieval herdou este sistema do declínio do Império Romano e o reteve até o século XIX. Avanços na medicina durante este período levantaram dúvidas sobre a validade do humorismo. Em 1900, foi considerado errôneo.

O desenvolvimento de um sistema humorístico organizado e coeso é em grande parte creditado ao antigo médico grego, Hipócrates, que viveu entre 460 aC e 370 aC. As ideias em si podem ter vindo da antiga Mesopotâmia ou mesmo do Egito, com muitos eruditos creditando o médico egípcio Imhotep. Hipócrates adotou uma abordagem interdisciplinar da medicina, acreditando que os componentes do corpo, ou humores, poderiam se equilibrar se a natureza pudesse seguir seu curso.

Cada um dos humores está associado a um dos quatro elementos e a um dos quatro temperamentos. A bílis amarela, também chamada de ichor, representa o constituinte quente e seco do corpo humano e acreditava-se que incorporasse o elemento fogo. Acreditava-se que o corpo humano deve ser composto de todos os quatro elementos encontrados na natureza.

Acreditava-se que um excesso de qualquer humor produzisse mudanças no temperamento. A bílis amarela estava associada ao temperamento colérico ou irado.

Acreditava-se que uma quantidade insalubre de bile amarela dentro do corpo causasse doenças que provocassem aqueles afetados a se comportarem dessa maneira. Foi associado com a temporada de verão, e muita exposição ao clima de verão foi pensado para causar um desequilíbrio entre os humores, resultando em uma doença colérica.

Avanços na medicina revelaram que a bile é produzida pelo fígado e usada para digestão em vertebrados. Não é afetado por climas quentes e secos, como os antigos médicos teorizaram. O nome da cólera da doença infecciosa é retirado do termo choler, outra palavra para a bílis amarela. A cólera é uma infecção do intestino delgado, onde a bile auxilia na digestão, o que pode levar à desidratação.

O que é o Trato Biliar?

Bile
A bile é liberada no intestino delgado pelo trato biliar

O trato biliar é um sistema que cria, armazena, movimenta e libera bile no intestino delgado para auxiliar na digestão. Este sistema é conhecido às vezes como a árvore biliar, porque tem muitas ramificações perto do topo que conectam, terminam então com o duto biliar grosso. Este sistema é composto de ductos dentro e fora do fígado, veia porta, artéria hepática e vesícula biliar. O fígado em si, entretanto, é ocasionalmente excluído como parte da árvore biliar.

Uma parte essencial da maioria dos mamíferos, o trato biliar é um sistema complexo que segue um caminho simples. Esse caminho começa com dois ductos que são separados pelo que é conhecido como porta hepatis, uma pequena fissura que separa dois lobos e fica no lado direito do fígado. Esses dois dutos conectam-se para formar o ducto hepático comum. Esse ducto, então, deixa o fígado e se conecta com o ducto cístico, que então forma o ducto biliar comum e se une ao ducto pancreático, formando assim a ampola hepatopancreática e entrando no intestino delgado.

Embora o fígado seja às vezes deixado de fora da árvore biliar, ele desempenha um papel vital em seu processo. Quando certas substâncias, como cafeína ou nicotina, entram no sistema, o fígado as absorve e muda sua estrutura química para que elas se tornem solúveis em água. Uma vez feito isso, esses produtos químicos são excretados na bile, que então move os resíduos para longe do fígado e para a vesícula biliar. Na vesícula biliar, ela espera até que o alimento entre no sistema. Então a bile e as gorduras se emulsificam e são expelidas para o intestino delgado.

Diz-se que o trato biliar começa a se desenvolver durante as primeiras cinco semanas da gestação humana. Durante esse desenvolvimento, podem ocorrer muitas anomalias que podem causar problemas mais tarde na vida. Essas anomalias são tipicamente divididas em três categorias distintas de forma, número e posição.

A vesícula biliar, por exemplo, pode formar uma duplicata completa ou parcial; ductos cistohepáticos podem se formar, fazendo com que a bile seja drenada diretamente do fígado para a vesícula biliar; enquanto atresia biliar – conhecida como uma obliteração dos ductos biliares internos ou externos do fígado – também pode ocorrer.

Além de anomalias, o trato biliar é propenso a várias condições de saúde.

Cálculos biliares, icterícia e cirrose do fígado são todas queixas comuns.

O trato biliar também é propenso a infecções do trato intestinal e certos tipos de câncer.

O que é uma Obstrução Biliar?

Bile
Na digestão normal, a bile armazenada é liberada no intestino delgado

Obstrução biliar é uma condição potencialmente fatal causada por um bloqueio nos ductos biliares do sistema digestivo.

Bloqueios dos ductos biliares podem se desenvolver por várias razões e podem ser indicativos de uma condição secundária, como cálculos biliares ou um tumor.

O tratamento para uma obstrução é centrado na eliminação do bloqueio e geralmente envolve cirurgia.

A bile é uma substância composta de sais biliares, colesterol e resíduos, incluindo bilirrubina, que o sistema digestivo usa para digerir alimentos e gorduras.

Quando liberado pelo fígado, o líquido ácido viaja através dos ductos biliares até a vesícula biliar para armazenamento.

Depois que um indivíduo come, a bile armazenada é liberada no intestino delgado para ajudar na digestão. Se os ductos biliares estiverem bloqueados, a bile pode se acumular no fígado, o que aumenta os níveis de bilirrubina no sangue. O comprometimento do fluxo biliar e o acúmulo de bilirrubina podem levar a um amarelecimento da pele, uma condição conhecida como icterícia.

Várias situações podem levar ao desenvolvimento de uma obstrução biliar. A formação de tumores ou cistos dentro do ducto biliar pode criar uma obstrução que restringe o fluxo biliar adequado. Inflamação e trauma que afetam os ductos biliares ou tecidos adjacentes podem contribuir para o desenvolvimento de um bloqueio biliar. Além disso, a formação de cálculos biliares dentro da vesícula biliar também pode criar uma obstrução que prejudica o fluxo de bile.

Indivíduos que desenvolvem uma obstrução podem experimentar uma variedade de sinais e sintomas.

Um dos sinais mais comuns de obstrução biliar é o desenvolvimento de dor abdominal localizada no lado superior direito do abdômen. Indivíduos sintomáticos também podem sentir náuseas, vômitos e febre. A presença de urina escura e fezes claras também são indicativas de bloqueio biliar. Indivíduos com alta concentração de bilirrubina no sangue também podem desenvolver icterícia.

Existem vários testes diagnósticos que podem ser administrados para confirmar a presença de uma obstrução biliar.

Inicialmente, um exame físico e palpação da área abdominal podem ser realizados para avaliar qualquer distensão, sensibilidade ou outras anormalidades.

Exames de sangue podem ser solicitados para avaliar as enzimas hepáticas e os níveis de bilirrubina e fosfatase alcalina; resultados que indicam níveis acima do normal de qualquer uma dessas substâncias podem confirmar a presença de um bloqueio.

Os exames de imagem, incluindo tomografia computadorizada e ultra-som, podem ser realizados para avaliar a condição dos ductos biliares e determinar a presença e a extensão de qualquer bloqueio. A eliminação do bloqueio é fundamental para qualquer abordagem de tratamento para uma obstrução biliar.

Se o bloqueio é devido à presença de pedras, estas podem ser tratadas durante um procedimento conhecido como colangiopancreatografia retrógrada endoscópica. Usado para identificar e corrigir o estreitamento ou bloqueio das vias biliares, uma colangiopancreatografia retrógrada endoscópica é empregada para remover qualquer bloqueio e ampliar os ductos estreitos para permitir o fluxo biliar adequado. Quando o bloqueio é devido à presença de um tumor ou cisto, estes podem ser removidos e amostras de tecido tomadas para posterior análise laboratorial. Cirurgia também pode ser realizada para contornar o bloqueio e remover a vesícula biliar, se a obstrução é devido a cálculos biliares. Se houver infecção, antibióticos podem ser administrados para eliminar a infecção existente e impedir sua disseminação.

Indivíduos que têm história de cálculos biliares ou pancreatite podem ter um risco aumentado de desenvolver um bloqueio biliar. A lesão na região abdominal também pode aumentar as chances de uma obstrução do ducto biliar. Fatores adicionais que podem contribuir para a formação de uma obstrução incluem cirurgia aberta recente para remover a vesícula biliar, conhecida como colecistectomia aberta, e câncer do ducto biliar. Aqueles com imunidade comprometida que desenvolvem certas infecções também podem estar em maior risco de um bloqueio biliar.

Os sintomas associados a uma obstrução biliar não devem ser ignorados. Se não for tratada, a bilirrubina pode aumentar para níveis perigosos, levando ao desenvolvimento de uma infecção com risco de vida.

O prognóstico associado a essa condição depende do diagnóstico oportuno, do tratamento adequado e da causa da obstrução.

As complicações associadas a uma obstrução biliar incluem infecção, doença hepática e sepse.

Fonte: medlineplus.gov/www.vivo.colostate.edu/www.wisegeek.org/www.britannica.com/www.ncbi.nlm.nih.gov/courses.washington.edu/www.cancer.org/www.innerbody.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Sais Biliares

PUBLICIDADE O sal biliar é um produto químico produzido no fígado e armazenado na vesícula …

Ácidos biliares

PUBLICIDADE Definição O fígado excreta o excesso de colesterol na forma de ácidos biliares. Os …

Ducto Biliar

Ducto Biliar

PUBLICIDADE Definição O ducto cístico é o ducto curto que une a vesícula biliar ao ducto biliar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.