Breaking News
Home / Corpo Humano / Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo

PUBLICIDADE

Sistema Nervoso Autônomo – Definição

O sistema nervoso autônomo é uma rede complexa de células que controla o estado interno do corpo. Ele regula e apóia muitos processos internos diferentes, muitas vezes fora da consciência da pessoa.

sistema nervoso autônomo regula uma variedade de processos corporais que ocorrem sem esforço consciente.

O sistema autônomo é a parte do sistema nervoso periférico responsável por regular as funções involuntárias do corpo, como batimento cardíaco, fluxo sanguíneo, respiração e digestão.

Sistema Nervoso Autônomo – O que é

Sistema nervoso autônomo, nos vertebrados, a parte do sistema nervoso que controla e regula os órgãos internos sem qualquer reconhecimento ou esforço consciente por parte do organismo.

O sistema nervoso autônomo compreende dois conjuntos de nervos antagônicos, os sistemas nervoso simpático e parassimpático. O sistema nervoso simpático conecta os órgãos internos ao cérebro pelos nervos espinhais. Quando estimulados, esses nervos preparam o organismo para o estresse, aumentando a freqüência cardíaca, aumentando o fluxo sanguíneo para os músculos e diminuindo o fluxo sanguíneo para a pele.

Este sistema é dividido em três ramos: o sistema simpático, o sistema parassimpático e o sistema nervoso entérico.

O sistema nervoso autônomo também é composto por um terceiro componente conhecido como sistema nervoso entérico, que está confinado ao trato gastrointestinal.

A divisão parassimpática do sistema nervoso autônomo ajuda a manter as funções normais do corpo e conserva os recursos físicos. Essa divisão também executa tarefas como controlar a bexiga, diminuir a frequência cardíaca e contrair as pupilas dos olhos.

A divisão simpática do sistema nervoso autônomo regula as respostas de fuga ou luta. Essa divisão também executa tarefas como relaxar a bexiga, acelerar a frequência cardíaca e dilatar as pupilas dos olhos.

O termo sistema nervoso autônomo (SNA) refere-se a coleções de neurônios motores (gânglios) situados na cabeça, pescoço, tórax, abdome e pelve e às conexões axonais desses neurônios.

As vias autonômicas, junto com as vias motoras somáticas para o músculo esquelético e as vias neuroendócrinas, são os meios pelos quais o sistema nervoso central (SNC) envia comandos para o resto do corpo.

Existem também componentes do SNC do SNA, incluindo tronco encefálico e neurônios pré-ganglionares autônomos espinhais que se projetam para os neurônios motores autonômicos nos gânglios periféricos.

A esse respeito, os neurônios motores autônomos pré-ganglionares são claramente distintos dos neurônios motores somáticos que se projetam do SNC diretamente para o tecido inervado (músculo esquelético), sem qualquer gânglio intermediário.

Processos axonais pós-ganglionares de neurônios motores nos gânglios autônomos inervam órgãos e tecidos por todo o corpo (olhos, glândulas salivares, coração, estômago, bexiga urinária, vasos sanguíneos, etc.).

Os neurônios motores nos gânglios autônomos são às vezes chamados de “neurônios pós-ganglionares”. Essa terminologia tradicional é confusa e usamos o termo “motoneurônios autônomos” ou “motoneurônios finais” para as células ganglionares.

Gânglios autônomos complexos nas paredes do estômago e do intestino delgado são classificados separadamente como sistema nervoso entérico.

A maioria das vias neurais nos plexos entéricos carecem de entradas pré-ganglionares diretas e podem operar independentemente do controle central.

Na verdade, exclusivamente no SNA, os plexos entéricos contêm neurônios sensoriais primários que se conectam a redes extensas de interneurônios, bem como neurônios motores entéricos excitatórios e inibitórios.

Qual é o papel do sistema nervoso autônomo?

O papel principal do sistema nervoso autônomo é regular as funções corporais essenciais, como frequência cardíaca e respiração.

Essas funções são suficientemente importantes para que o controle voluntário seja mínimo. Um indivíduo pode controlar sua taxa de respiração, mas não pode pará-la completamente, porque a respiração será retomada assim que a consciência for perdida. Outras funções, como frequência cardíaca, digestão e temperatura corporal, estão sob controle ainda menos voluntário.

O sistema nervoso de uma pessoa é dividido em dois subsistemas: o sistema nervoso central, que é formado pela medula espinhal e cérebro, e o sistema nervoso periférico, que inclui todos os outros nervos.

A divisão subsequente do sistema nervoso periférico em sistemas autônomo e sensório-somático pode ser diferenciada, em parte, pelo grau de controle consciente necessário para o funcionamento.

As funções sensório-somáticas, como a atividade muscular e o processamento das informações sensoriais, estão sob grande parte do controle voluntário.

Funções autônomas, como respiração e circulação, podem ser modificadas conscientemente, mas geralmente são mais reflexivas e automáticas do que somáticas.

O Sistema Nervoso Autônomo regula a frequência cardíaca e a respiração

Os nervos que controlam os órgãos do músculo liso, como intestinos, músculos cardíacos, respiração e glândulas do corpo, constituem o sistema nervoso autônomo.

É dividido em três componentes principais: o sistema nervoso simpático, que ativa esses sistemas quando necessário; o sistema parassimpático, que o relaxa; e o sistema entérico, que regula o sistema digestivo.

O sistema autônomo também é responsável por monitorar as condições internas e direcionar recursos para ou para longe de órgãos específicos, conforme necessário para manter o corpo funcionando de maneira ideal.

Responder ao perigo é uma função secundária do sistema nervoso autônomo. O ramo simpático controla a resposta de luta ou fuga que permite a todos os animais, incluindo pessoas, responder às ameaças.

Quando o perigo é percebido, o sistema nervoso simpático se engaja e direciona o sangue para longe da periferia do corpo em direção ao coração, pulmões e cérebro.

O aumento da frequência cardíaca e da respiração irá energizar a pessoa e prepará-la para lutar ou escapar da situação.

Acalmar depois que o perigo passou é o domínio do ramo parassimpático do sistema nervoso autônomo. Embora o sistema nervoso autônomo seja principalmente reflexivo, alguns profissionais qualificados são capazes de recrutá-lo para aumentar o relaxamento e a concentração.

A respiração é a função autônoma mais facilmente controlável, e muitas pessoas são capazes de usar o controle da respiração para relaxar, reduzir o estresse e minimizar a dor.

Outros usam exercícios de ioga e meditação para aumentar a concentração e invocar uma sensação de calma, ativando o sistema parassimpático para diminuir a frequência cardíaca e aumentar a circulação.

História da definição e concepção funcional do Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo

O sentimento emocional tem sido tradicionalmente visto como algo distinto do pensamento racional.

O cérebro, trancado em sua caixa óssea, foi concebido como responsável pelo pensamento racional e por idéias que direcionam as interações comportamentais com o ambiente externo.

As emoções, mais viscerais do que racionais, estavam vinculadas às funções dos órgãos internos do corpo.

Temos “sentimentos viscerais”, o coração é a “sede do amor” e “desabafamos”.

Bichat (1771-1802) dividiu a vida em duas formas distintas, uma (vida relacional) governada pelo cérebro e a outra (vida orgânica, vegetativa) pelos gânglios abdominais.

A vida vegetativa era vista como ligada às paixões e independente da educação, governada por gânglios abdominais funcionando de forma independente, uma cadeia de “pequenos cérebros”.

Phillipe Pinel, um dos fundadores da psiquiatria e professor de Bichat, chegou a considerar que a doença mental era causada por função anormal desses gânglios, e a psiquiatria moderna ainda se refere a “funções vegetativas”.

Langley (1852-1925) cunhou o termo sistema nervoso autônomo. Langley observou a ausência de corpos celulares sensoriais (aferentes) nos gânglios autônomos e definiu o SNA como um sistema puramente motor.

No entanto, ele deu continuidade à tradição segundo a qual o sistema nervoso autônomo é vista como funcionando por direito próprio, com independência do sistema nervoso central (SNC.

Deve-se notar que Langley não aderiu completamente a esta simplificação.

Em sua introdução ao sistema nervoso autônomo (1903), ele escreveu que é possível “considerar como fibras autonômicas aferentes aquelas que dão origem a reflexos nos tecidos autonômicos e que são incapazes de dar origem diretamente à sensação”.

Além disso, a descoberta de neurônios aferentes primários que fazem parte do SNA, mas estão inteiramente fora do SNC, e não fazem conexão direta com o SNC, torna difícil conceber o SNA como um sistema inteiramente eferente.

Experimentos modernos mostraram que os neurônios nos gânglios autônomos não têm padrões de descarga embutidos suficientemente integrados para regular as funções fisiológicas, com a possível exceção dos neurônios dentro do sistema nervoso entérico do intestino delgado e grosso.

A descrição clássica do homem hexametônio resume o estado de um indivíduo após a separação mediada por drogas do SNA do controle funcional pelo cérebro.

Da mesma forma, quando o controle cerebral dos neurônios pré-ganglionares autônomos espinhais é removido (como na tetraplegia), as funções cardiovasculares, intestinais e da bexiga são profundamente prejudicadas. Assim, o SNA é melhor visto como um dos fluxos por meio do qual o SNC controla os órgãos do corpo, de modo que “vias autônomas periféricas” é um termo melhor, mas “sistema nervoso autônomo” está bem estabelecido.

As vias do SNA são divididas em divisões simpáticas e parassimpáticas (em torno da simpática) e plexos entéricos. Os corpos celulares pré-ganglionares para o fluxo simpático estão na medula espinhal torácica.

Os corpos celulares pré-ganglionares para o fluxo parassimpático estão no tronco cerebral (craniano) e na medula espinhal sacral (sacral). A ideia de que as divisões se opõem é uma simplificação enganosa.

Nenhuma das divisões é ativada em sua totalidade. Em vez disso, cada divisão consiste em uma série de vias funcionais discretas que podem ser ativadas a partir do SNC de forma independente ou em padrões, de acordo com o requisito específico da atividade diária específica que está contribuindo para a homeostase corporal.

A primazia do controle cerebral integrativo de todas as funções corporais foi reconhecida por Walter Cannon, mas sua ideia de que o cérebro ativa os nervos simpáticos difusa e não especificamente durante emergências corporais (“reação de luta ou fuga”) é uma simplificação exagerada.

Diferentes estados de emergência requerem diferentes padrões de atividade autonômica, e a vida diária normal (exceto emergências) também requer padrões de atividade autonômica.

O indivíduo funciona como um todo: existe apenas um sistema nervoso.

A informação sensorial (informação aferente visceral) relevante para o controle autônomo (por exemplo, grau de distensão da bexiga ou nível de pressão sanguínea) viaja nos nervos aferentes viscerais e entra no SNC por vias aferentes espinhais ou via aferentes vagais ou glossofaríngeas que se projetam no tronco cerebral inferior.

Fonte: www.scholarpedia.org/geocities.yahoo.com.br/Encyclopaedia Britannica/www.wisegeek.org/www.scholarpedia.org/www.verywellmind.com/qbi.uq.edu.au

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Sistema Nervoso Simpático

PUBLICIDADE Sistema Nervoso Simpático – Definição O sistema autônomo é composto de duas divisões, os …

Neuroanatomia

PUBLICIDADE Neuroanatomia – Definição A neuroanatomia trata da estrutura do sistema nervoso. Todos os sistemas nervosos consistem …

Sistema Nervoso Parassimpático

PUBLICIDADE Sistema Nervoso Parassimpático – Definição O sistema nervoso parassimpático é uma divisão anatomicamente definida do sistema …