Breaking News

Tato

PUBLICIDADE

 

Tato

“Cada dia temos a possibilidade de conhecer e deixar que nos conheçam também por dentro de nossa pele, através do tato e do contato, que despertam emoções profundas.”

Nossa pele é uma espécie de traje espacial que portamos numa atmosfera de gases ásperos, raios cósmicos, radiações solares e obstáculos de todo tipo. Há anos li que um menino tinha que viver numa bolha (desenhada pela NASA) devido a debilidade de seu sistema imunológico e de sua suscetibilidade às enfermidades. Todos somos este menino. A bolha é nossa pele. Mas esta pele também está viva, respira e excreta, nos protege das radiações perigosas e do ataque dos micróbios, metaboliza a Vitamina D, nos isola do calor e do frio, se repara a si mesma quando necessário, regula o fluxo sanguíneo, atua como um marco para nosso sentido do tato, nos guia na atração sexual, define nossa individualidade e contém toda a carne e os humores dentro de nós, onde devem estar.

Não só temos impressões digitais que são únicas, temos também uma disposição de poros que é única.

Nossa pele é o que se interpõe entre nós e o mundo. Basta refletir um pouco para nos darmos conta de que nenhuma outra parte de nós faz contato com algo alheio a nosso corpo. A pele nos aprisiona, mas também nos dá uma forma individual. O mais assombroso, talvez, é que pode reparar-se quando deve fazê-lo, e de fato está renovando-se todo o tempo.

Com seu peso entre seis e dez quilos, é o maior órgão do corpo e pode assumir uma grande variedade de formas: garras, espinhos, cascos, plumagens, escamas, cabelo. É submergível, lavável e elástica. Ainda que possa deteriorar-se com a idade, envelhece notavelmente bem. Para a maioria das culturas é o lugar ideal para praticar a pintura, a tatuagem e a decoração com jóias.

Mas, o mais importante: aloja o sentido do tato

A ponta dos dedos e a língua são mais sensíveis que as costas. Algumas partes do corpo são “cosquentas”, outras são “casquentas”. As partes mais pilosas são geralmente mais sensíveis à pressão, porque há muitos receptores sensoriais na base de cada pelo. Nos animais, desde o rato até o leão, os bigodes são especialmente sensíveis. O nosso também, mas em escala muito menor.

O sentido do tato não está na camada externa da pele, mas na segunda. A camada externa está morta, se desmancha com facilidade.

É por isso que nos filmes vemos ladrões passando lixa na ponta dos dedos antes de experimentar as combinações de um cofre: assim tornam mais fina a camada morta e deixam os receptores do tato mais próximos da superfície.

Em 1988, o New York Times publicou um artigo sobre o papel critico do contato no desenvolvimento infantil; nele se mencionava o “estancamento psicológico e físico de crianças privadas de contato físico, ainda que bem alimentadas e cuidadas”, o que era confirmado por um pesquisador que trabalhava com primatas e por outro que lidou com órfãos da Segunda Guerra Mundial. “Os bebês prematuros que foram massageados durante quinze minutos três vezes ao dia, aumentaram de peso quarenta e sete por cento mais rápido do que outros que se mantiveram isolados em suas incubadoras. (…)

Os bebês massageados também mostraram sinais de que seu sistema nervoso estava amadurecendo mais rápido: eram mais ativos e respondiam mais a rostos e sons. Em média, as crianças massageadas saíram do hospital seis dias antes dos outros, não massageados.” Oito meses depois, os bebês massageados obtiveram resultados melhores nos testes de capacidade mental e motriz do que os que ficaram nas incubadeiras.

Saul Shanberg, um neurologista que faz experimentos com ratos na Universidade de Duke descobriu que os cuidados que a mãe proporciona às suas crias, lambendo-as e penteando-as, produz nelas verdadeiras modificações químicas; quando a cria foi apartada da mãe, diminuíram seus hormônios de crescimento.

A ODC (a enzima que assinala que é hora que comecem certas mudanças químicas) caiu em todas as células do corpo, o mesmo acontecendo com a síntese protéica. O crescimento recomeçou somente quando a cria foi devolvida à mãe. Quando os experimentadores trataram de reverter os maus efeitos do isolamento, descobriram que uma massagem suave não servia, mas sim uma passagem mais forte de um pincel que simulava ser a língua da mãe; depois disso, a cria se desenvolvia normalmente.

Estes ratos privados temporariamente de contato materno e tratados com “lambidas” de pincel requeriam posteriormente muito contato, muito mais do que necessitavam habitualmente para responder com normalidade.

Shanberg iniciou seus experimentos com ratos como resultado de seu trabalho em pediatria, lhe interessava especialmente o enamismo psicosocial. Algumas crianças que vivem em lugares emocionalmente destrutivos deixam de crescer. Shanberg descobriu que nem sequer as injeções de hormônios de crescimento podiam estimular os corpos dessas crianças para que voltassem a crescer. Por outro lado, um cuidado terno e amoroso sim, o podia fazer. O afeto que recebiam das enfermeiras quando eram admitidos num hospital bastava para que voltassem ao caminho do crescimento. O assombroso é que o processo é totalmente reversível. Quando os experimentos de Shanberg com crias de ratas produziram idênticos resultados, este neurologista começou a pensar nos recém-nascidos humanos, tipicamente isolados e que passam grande parte de sua primeira vida sem contato com ninguém. Os animais dependem do fato de estar perto de sua mãe para a sobrevivência básica. Se se elimina o contato materno (que seja por quarenta e cinco minutos, nada mais, no caso das ratas) o bebê diminui sua necessidade de comida para manter-se com vida até que volte sua mãe. Isto acontece se sua mãe se afastou por um breve espaço de tempo ou se ela não mais voltar. Este metabolismo mais lento resulta numa parada do crescimento. O contato assegura o bebê que ele está a salvo parece oferecer ao organismo via livre para desenvolver-se normalmente. Em muitos experimentos se comprovou que os bebês que eram mantidos mais tempo nos braços se tornavam mais alertas e desenvolviam, anos depois, maiores aptidões cognitivas.

É um pouco como a estratégia que adota num naufrágio: primeiro nos colocamos um salva-vidas e buscamos auxilio. Os bebês e as crias dos animais chamam sua mãe com um grito agudo. Depois fazem uma reserva de água e comida, e tratam de conservar energia, interrompendo com isso as atividades normais de crescimento.

Nos experimentos realizados com primatas, na Universidade de Illinois, os investigadores descobriram que a falta de contato produzia danos cerebrais.

Descreveram três situações:

1) O contato físico não era possível, mas sim qualquer outra relação.
2)
Durante quatro das vinte e quatro horas do dia, se tirava a divisória, para que os macacos pudessem interatuar.
3) Isolamento total.
As autópsias do cerebelo mostraram que os macacos que haviam sido totalmente isolados tinham danos cerebrais; o mesmo podendo dizer-se dos animais parcialmente separados. Os que haviam levado uma vida normal não mostravam danos.

Por surpreendente que pareça, uma privação de contato físico, mesmo que relativamente pequena, pode causar dano cerebral, no que nos macacos se revelava freqüentemente por uma conduta anômala.

Todos os animais respondem ao tato, às carícias e, de qualquer forma, a vida mesma não poderia ter se desenvolvido sem o tato, isto é, sem os contatos físicos e as relações que se formam a partir daí.

Na ausência de contato, as pessoas de qualquer idade podem adoecer e sentirem-se mutiladas. Nos fetos, o tato é o primeiro sentido que se desenvolve, e no recém-nascido é automático, antes que os olhos se abram ou o bebê comece a captar o mundo. Pouco depois de nascer, ainda que não possamos ver nem falar, instintivamente começamos a tocar. As células do tato dos lábios nos possibilitam mamar, e os mecanismos de fechamento das mãos começam a buscar calor.

Entre outras coisas, o tato nos ensina a diferença entre eu e o outro, nos diz que pode haver algo fora de nós: a mãe. O primeiro conforto emocional é tocar nossa mãe e ser tocado por ela; e segue na memória como um exemplo definitivo de amor desinteressado, que nos acompanha por toda a vida.

Anteriormente, o critério para os bebês prematuros era não molestá-los mais que o necessário, e os fazia viver numa espécie de cela de isolamento.

Mas agora as provas sobre os benefícios do tato são tantas e tão eloqüentes que muitos hospitais incentivam o contato: “abraçou seu filho hoje”, perguntam num decalque. O tato parece ser tão essencial quanto à luz do Sol.

Tato

 

Ao contrário do que muitas pessoas pensam o órgão que representa o tato não são as mãos, esse sentido não se encontra em uma região específica, pois todo o corpo possui terminações nervosas responsáveis pela percepção do toque.

O tato é o primeiro sentido que desenvolve nos seres humanos.

É pelo tato que sentimos as propriedades dos corpos físicos: sua dureza e textura.

Existem três tipos de sensibilidade no tato:

Mecânica: É responsável pela percepção da pressão, movimentos leves e distensões da pele.
Térmica:
É responsável pela percepção do frio, calor. Reage a estímulos que vem de fora.
Dolorosa: É responsável por captar pressões fortes e vibrações:
os órgãos são os lábios, papilas mamárias, clitóris e o pênis.

Discute-se ainda o fato de existirem receptores nervosos diferenciados para vários tipos de pressão: pressão ligeira e intensa ou pressão breve e permanente – o que implicaria, talvez, a subdivisão deste sentido noutros.

Fonte: www.corpomente.cjb.net/www.corpomente.cjb.net/robertarosasoares.pbworks.com

 

 

 

Veja também

Epigástrio

PUBLICIDADE Epigástrio – Anatomia A parte do abdome superior imediatamente sobre o estômago. Epigástrio é …

Mesentério

PUBLICIDADE Definição de Mesentério O mesentério é um conjunto contínuo de tecidos localizados no abdômen. …

Músculo esquelético

Músculo Esquelético

PUBLICIDADE O sistema muscular é responsável pelo movimento do corpo humano, postura, movimento de substâncias …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.