Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Corpo Humano / Hormônios

Hormônios

PUBLICIDADE

Um hormônio  é qualquer membro de uma classe de moléculas de sinalização produzidas por glândulas em organismos multicelulares que são transportados pelo sistema circulatório para direcionar órgãos distantes para regular a fisiologia e o comportamento.

As hormonas possuem estruturas químicas diversas, principalmente de 3 classes: eicosanoides, esteroides e derivados de aminoácidos / proteínas ( aminas , péptidos e proteínas).

As glândulas que secretam hormônios compõem o sistema de sinalização endócrina.

O que são hormônios

Os seres vivos unicelulares, existindo em meio aquoso, retiram diretamente da água as substâncias nutritivas que lhes são necessárias (e que podemos reunir sob a denominação latina de increta), ao mesmo tempo em que aí lançam os produtos indesejáveis resultantes de sua atividade vital (os excreta). Ao conjunto destas operações, verdadeira contra – corrente de entrada e saída de material responsável pela vida da célula, denomina-se metabolismo.

Nos seres vivos dotados de maior organização e constituídos por mais de uma célula, como é o nosso caso, que possuímos milhares delas, criou-se o problema de como fazer chegar a todas o material nutritivo indispensável. A solução encontrada pela natureza foi a de permitir que carreguemos conosco a água onde nossas células efetuam seu metabolismo, posto que somos constituídos pela elevada percentagem de 73% de água.

Coube a Claude Bernard a criação do conceito de meio interno. Este meio interno é realmente como se tivéssemos aprisionado um pequeno mar interior para uso próprio.

O elemento cuja movimentação mais claramente se percebe no organismo humano é sem dúvida o sangue. Todavia, além dele, fora dos canais competentes em que circula, todo o resto do corpo está embebido em líquido. Para disciplinar a contínua atividade de entrada e saída de materiais nas células espalhadas pelo corpo humano, há logicamente necessidade de um sistema de controle, com o emprego de meios de comunicação capazes de avisar aos diversos territórios celulares que substâncias deverão ter prioridade em determinado momento, o que queimar ou depositar, quando parar de receber, quando aumentar a eliminação de detritos, em suma, a manutenção em níveis normais desse equilíbrio.

Tais avisos fazem-se através da circulação sanguínea por intermédio de substâncias especiais, verdadeiros mensageiros químicos, denominados hormônios.

Esta denominação é originária da palavra grega Hormao, que quer dizer “eu estimulo”.

Os hormônios constituem um grupo heterogêneo de substâncias apresentando em comum duas propriedades igualmente importantes. Em primeiro lugar o seu elevado poder de difusão e, paralelamente, a capacidade de atuar em quantidades mínimas. Os hormônios naturais produzidos no organismo humano são compostos químicos derivados quer de proteínas, quer de lipídios, dois dos principais grupos de alimentos (o terceiro é o dos glicídios). Tal origem os diferencia das vitaminas, igualmente relacionadas ao metabolismo e capazes de atuar em mínimas quantidades, mas que tem de ser recebidas de fora, já prontas, na alimentação.

Intervindo no metabolismo pela aceleração ou pela frenação de atividades químicas, os hormônios cumprem finalidades específicas. Isto é, existe para cada hormônio uma tarefa a desempenhar. Assim temos um “hormônio do crescimento” que atuando ao nível do esqueleto, promove o desenvolvimento que define a estatura do indivíduo. Mais conhecida é a “insulina”, principal responsável pela manutenção de uma taxa conveniente de glicose no sangue. A quantidade de urina que eliminamos é influenciada pelo “hormônio anti-diurético”. Nossas reservas de cloreto de sódio (sal de cozinha), intimamente relacionadas ao volume de água de nosso meio interno, são reguladas principalmente por um hormônio denominado “aldosterona”. Outros influem no metabolismo do iodo e do cálcio, alguns modificam a pressão arterial, e assim uma grande parte da nossa vida diária depende diretamente da participação silenciosa de tais mensageiros em movimentação constante.

Existe, entretanto, um setor no qual a atuação dos hormônios é realizada de maneira mais espetacular, uma vez que implica em modificações importantes e definitivas na estrutura e no funcionamento de diversos órgãos, repercutindo mesmo na conduta das pessoas e, além, disso, na atividade dos hormônios relacionados ao sexo.

Os denominados “esteróides sexuais” são simplificadamente a testosterona produzida no testículo (principal representante dos hormônios “androgênicos”) e o estradiol produzido no ovário (principal representante dos hormônios “estrogênicos”).

Em etapa precoce da vida embrionária aparece a atuação da testosterona do testículo fetal, promovendo a diferenciação do aparelho genital masculino e repercutindo mesmo no sistema hipotálamo-hipófise que vai ser responsável pelo feitio próprio na secreção dos hormônios estimulantes das gônadas, as “gonadotrofinas”. Produzidas na hipófise estas estimulinas atuam de maneira peculiar em testículos e ovários. Não é necessário avançar pormenores destas ações para compreendermos que os hormônios sexuais desempenham papéis significativos na fisiologia da vida diária, desde a promoção dos caracteres sexuais secundários (forma do corpo, distribuição de pelos, tom de voz, etc.) até as características de temperamento e sensibilidade.

Classificação Química dos Principais Hormônios

I – PROTEÍNAS
(Polipeptídeos)
Hipófiseposterior      1.  Vasopressina
     2.  Ocitocina
     3.  Hormônio anti-diurético
     4.  Alfa – melanotrofina  (alfa-MSH)
Hipófiseanterior      5.  Adrenocorticotrofina  (ACTH)
     6.  Somatotrofina  (STH)
     7.  Prolactina  (luteotrofina)
     8.  Hormônio folículo-estimulante  (FSH)
     9.  Hormônio luteinizante  (LH)
    10. Tireotrofina
Tireóide     11. Tireoglobulina
Paratireóides     12. Parato hormônio
Pâncreas     13. Insulina
    14. Glucagon
II – DERIVADOSPROTEICOS
(Aminoácidos modificados)
Medulaadrenal:     15. Adrenalina
    16. Nor-adrenalina
III – ESTERÓIDES
– Córtex adrenal
– Gônada
– Placenta
    17. Progestogênios
    18. Corticóides
    19. Androgênios
    20. Estrogênios

 

 

Definição

Os Hormônios são substância produzida por uma glândula e que atua sobre órgãos e tecidos situados à distância, depois de ter sido transportada pelo sangue.

Nos animais, os hormônios são o mais das vezes segregados pelas glândulas endócrinas, e asseguram correlações diversas entre os órgãos. A hipófise segrega vários hormônios que atuam sobre o crescimento e o funcionamento das outras glândulas endócrinas (o hormônio gonadotrópico influi principalmente sobre as funções sexuais).

A tireóide segrega a tirosina, que regula as combustões e o crescimento; os hormônios córtico-supra-renais, numerosos, intervêm nos diversos metabolismos e possuem ação antiinflamatória e tônica; os hormônios sexuais são segregados pelas gônadas (testículo ou ovário); a insulina é a secreção interna do pâncreas.

Nos vegetais, os hormônios intervêm no crescimento em altura, na florescência etc.

O que são

Os Hormônios são substâncias químicas produzidas por um grupo de células, numa parte do corpo e, secretadas na corrente sangüíneas, controlam ou ajudam no controle de outras células, em outra parte do corpo.

A secreção, como se faz diretamente na corrente sanguínea e não por ductos, como nas glândulas exócrinas, é denominada endócrina.

As glândulas responsáveis pela secreção dos hormônios, portanto, são classificadas como glândulas endócrinas.

TIPOS DE HORMÔNIOS

Podemos classificar os hormônios, quanto a natureza química dos mesmos, em 2 tipos:

1. Protéicos

São produzidos a partir de cadeias de aminoácidos. Geralmente são constituídos por pequenas proteínas ou fragmentos protéicos.

2. Esteróides

São sintetizados a partir do colesterol.

MECANISMOS DE AÇÃO DOS HORMÔNIOS:

Existem diversos mecanismos através dos quais os hormônios agem em suas respectivas células-alvo e fazem-nas executar alguma função.

Destes, 2 mecanismos são bastante importantes:

Ativação da adenilciclase e formação de AMP-cíclico intracelular

É o mecanismo geralmente utilizado pela grande maioria dos hormônios protéicos. O hormônio, uma vez ligado a um receptor específico localizado na membrana celular de uma célula-alvo, provoca a ativação de uma enzima intracelular (adenilciclase). Esta enzima converte parte do ATP intracelular em AMP-cíclico.

O AMP-cíclico, enquanto presente no interior da célula, executa na mesma uma série de alterações fisiológicas como: ativação de enzimas; alterações da mermeabilidade da membrana celular; modificações do grau de contração de músculo liso; ativação de síntese protéica; aumento na secreção celular.

Ativação de genes

É o mecanismo como agem, geralmente, os hormônios esteróides. Através deste mecanismo o hormônio, de encontro à sua respectiva célula-alvo, penetra em seu interior e então liga-se a um receptor específico. Ligado ao receptor o hormônio atinge o núcleo da célula, onde genes específicos seriam então ativados.

Com a ativação de determinados genes, moléculas de RNA mensageiro se deslocam para o citoplasma da célula e determinam a síntese de determinadas proteínas. Estas proteínas, então aumentam atividades específicas da célula.

PRINCIPAIS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS Hipófise (pituitária) Anterior

Produz e secreta dezenas de hormônios.

Os principais e mais bem conhecidos são: GH, TSH, ACTH, FSH, LH e PROLACTINA.

Hipófise (pituitária Posterior

Secreta os hormônios (produzidos no hipotálamo): OCITOCINA e ADH (hormônio anti diurético).

Tireóide

Produz e secreta: TIROXINA (T4), TRIIODOTIRONINA (T3) e CALCITONINA.

Paratireóides

Produzem e secretam: PARATORMÔNIO.

Pâncreas

Produzem e secretam: INSULINA e GLUCAGON.

Cortex das Supra Renais

Produzem e secretam dezenas de hormônios.

Os mais importantes são: ALDOSTERONA, CORTISOL, HORMÔNIOS ANDROGÊNIOS.

Testículos

Produzem e secretam o hormônio masculino TESTOSTERONA.

Ovários

Produzem e secretam os hormônios femininos: ESTROGÊNIO e PROGESTERONA.

Milton Carlos Malaghini

Principais hormônios

Adrenocorticotrofina Hipófise (anterior) Córtex supra-renal Ativa a secreção de hidrocortisona pela glândula supra-renal
Hormônio do crescimento Hipófise (anterior) Corpo inteiro Estimula o crescimento e o desenvolvimento
Hormônio folículo-estimulante (FSH) Hipófise (anterior) Glândulas sexuais Estimula o amadurecimento do óvulo na mulher e a produção de espermatozóides no homem
Hormônio luteinizante (LH) Hipófise (anterior) Glândulas sexuais Estimula a ovulação na mulher e a secreção de testosterona no homem
Prolactina Hipófise (anterior) Glândulas mamárias Estimula a produção de leite nos seios após o parto
Tireotrofina Hipófise (anterior) Glândula tireóide Ativa a secreção dos hormônios da tireóide
Hormônio estimulante dos melanócitos (MSH) Hipófise (anterior) Células produtoras de melanina Controla a pigmentação da pele
Hormônio antidiurético Hipófise (posterior) Rins Regula a retenção de líquidos e a pressão sangüínea
Oxitocina Hipófise (posterior) Útero

Glândulas mamárias

Ativa as contrações uterinas no parto
Estimula a lactação após o parto
Melatonina Pineal   Ainda não se
sabe ao certo,
embora seja
possível que as
células pigmentárias
e os órgãos sexuais
sejam afetados
Pode afetar a pigmentação da pele; pode regular os biorritmos (padrões de sono/vigília) e prevenir o jet lag
Calcitonina Tireóide Ossos Controla o nível de cálcio no sangue, depositando-o nos ossos
Hormônio tireoidiano Tireóide Corpo inteiro Aumenta a taxa metabólica do corpo; promove o crescimento e o desenvolvimento normais
Hormônio paratireoidiano Paratireóides Ossos, intestinos e rins Regula o nível de cálcio no sangue
Timosina Timo Glóbulos brancos do sangue Promove o crescimento e o desenvolvimento dos glóbulos brancos, ajudando o corpo a combater as infecções
Aldosterona Glândulas supra-renais Rins Regula os níveis de sódio e potássio no sangue para controlar a pressão sangüínea
Hidrocortisona Glândulas supra-renais Corpo inteiro Exerce um papel-chave na resposta ao estresse; aumenta os níveis de glicose no sangue e mobiliza as reservas de gordura; reduz inflamações
Adrenalina Glândulas supra-renais Músculos e vasos sangüíneos Aumenta a pressão sangüínea, a taxa cardíaca e metabólica e os níveis de açúcar no sangue; dilata os vasos sangüíneos. Também liberado durante a realização de exercícios físicos
Noradrenalina Glândulas supra-renais Músculos e vasos sangüíneos Aumenta a pressão sangüínea e o ritmo cardíaco; constringe os vasos sangüíneos
Glucagon Pâncreas Fígado Estimula a decomposição do glicogênio (carboidratos armazenados) em glicose (açúcar do sangue); regula o nível de glicose no sangue
Insulina Pâncreas Corpo inteiro Regula os níveis de glicose no sangue; aumenta o armazenamento de glicogênio; facilita a absorção de glicose nas células do corpo
Estrogênio Ovários Aparelho reprodutor feminino Promove o desenvolvimento e o crescimento sexual; mantém o funcionamento adequado do aparelho reprodutor feminino
Progesterona Ovários Glândulas mamárias
Útero
Prepara o útero para a gravidez
Testosterona Testículos Corpo inteiro Promove o desenvolvimento e o crescimento sexual; mantém o funcionamento apropriado do aparelho reprodutor masculino
Eritropoietina Rins Medula óssea Produz glóbulos sangüíneos vermelhos

 

HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS

HIPÓFISE

A Hipófise (ou Pituitária) é uma pequena glândula localizada em uma cavidade craniana chamada sela túrsica.

É dividida em 2 partes, uma bem diferente da outra: Hipófise Anterior (Adenohipófise) e Hipófise Posterior (Neurohipófise).

ADENOHIPÓFISE

Formada por tipos bastante variados de células, produz e secreta na circulação dezenas de hormônios.

Os mais importantes e bem conhecidos são:

HG (somatotropina)

Hormônio do crescimento – promove um crescimento na maioria dos tecidos do nosso corpo.

TSH (tireotropina)

Hormônio estimulante da tireóide – estimula as células foliculares tireoideanas a aumentarem a síntese e liberação dos hormônios tireoideanos.

ACTH (corticotropina)

Hormônio estimulante da córtex da supra-renal – estimula a córtex da glândula supra-renal a aumentar a síntese e liberação de seus hormônios.

FSH (gonadotropina)

Hormônio folículo-estimulante – estimula o crescimento e desenvolvimento dos folículos ovarianos (na mulher) e a proliferação do epitélio germinativo e espermatogênese (no homem).

LH (gonadotropina)

Hormônio luteinizante – um dos grandes responsáveis pela ovulação, mantém o corpo lúteo em atividade (na mulher) e estimula a produção de testosterona pelas células de Leydig (no homem).

PROLACTINA

Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias.

NEUROHIPÓFISE

ADH – hormônio anti diurético – produzido pelos núcleos supra-ópticos do hipotálamo, age no túbulo contornado distal e no ducto coletor do nefron, aumentando a permeabilidade à água nestes segmentos.

OCITOCINA – produzido pelos núcleos paraventriculares do hipotálamo, promove contração da musculatura lisa uterina (muito importante durante o trabalho de parto) e contração das células mio-epiteliais, nas mamas, contribuindo para a ejeção do leite (durante a fase de amamentação).

HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (GH)

É uma pequena proteína, produzida e secretada pela glândula hipófise anterior.

Durante a fase de crescimento, sob ação deste hormônio, quase todas as células nos tecidos aumentam em volume e em número, propiciando um crescimento dos tecidos, dos órgãos e, consequentemente, o crescimento corporal.

Alguns de seus principais e conhecidos efeitos nos tecidos são:

Aumento na síntese protéica celular – Isso ocorre porque o hormônio do crescimento aumenta o transporte de aminoácidos através da membrana celular, aumenta a formação de RNA e aumenta os ribossomas no interior das células. Tudo isso proporciona, nas células, melhores condições para que as mesmas sintetizem mais proteínas.

Menor utilização de glicose pelas células para produção de energia – promove, assim, um efeito poupador de glicose no organismo.

Aumento da utilização de gordura pelas células para produção de energia – ocorre, também, uma maior mobilização de ácidos graxos dos tecidos adiposos para que os mesmos sejam utilizados pelas células. Uma consequência disso é a redução dos depósitos de gordura nos tecidos adiposos.

Devido aos efeitos acima citados, observa-se um importante aumento na quantidade de proteínas em nossos tecidos. Em consequência do aumento das proteínas e de um maior armazenamento de glicogênio no interior das células, estas aumentam em volume e em número. Portanto observamos um aumento no tamanho de quase todos os tecidos e órgãos do nosso corpo.

CRESCIMENTO ÓSSEO

O efeito do hormônio do crescimento no crescimento ósseo ocorre de uma forma indireta: O hormônio do crescimento estimula nas células hepáticas e, em menor proporção, nos rins a produção de uma substância denominada somatomedina. A somatomedina estimula a síntese de substância fundamental na matriz óssea, necessária ao crescimento deste tecido. Portanto, um defict na produção de hormônio do crescimento acarreta também um defict no crescimento em estatura.

Embora o crescimento estatural cesse a partir da adolescência, o hormônio do crescimento continua a ser secretado por toda a vida. Ocorre apenas uma pequena redução em sua secreção após a adolescência. O crescimento estatural não mais ocorre, a partir desta fase, devido ao esgotamento da cartilagem de crescimento dos ossos longos, impedindo o crescimento dos mesmos em comprimento. Porém ossos mais membranosos, como os do nariz, continuarão a crescer lentamente.

CONTROLE DA SECREÇÃO

A quantidade de hormônio do crescimento secretada a cada momento depende de diversos fatores.

A regulação da secreção é feita através o Fator de Liberação da Somatotropina (GRF), produzida no hipotálamo. Este fator atinge a adeno hipófise através do sistema porta hipotálamo-hipofisário e estimula esta glândula a produzir e secretar maiores quantidades do hormônio do crescimento.

Um dos mais importantes fatores que influenciam a secreção de GRF pelo hipotálamo e, como consequência, maior secreção de GH pela hipófise, é a quantidade de proteínas no interior das células em nosso organismo. Quando as proteínas estão em quantidade baixa, como ocorre na desnutrição, o GRF é secretado em maior quantidade e, consequentemente, o GH também o faz. Como resultado haverá, nas células, um estímulo para que ocorra uma maior síntese de proteínas.

ANORMALIDADES NA SECREÇÃO DO GH

Uma insuficiência na secreção do GH desde a infância acarreta numa situação denominada nanismo. O indivíduo acaba ficando com uma baixa estatura e com seus órgãos internos, proporcionalmente, menores.

Uma hipersecreção anormal do GH desde a infância promove um crescimento exagerado de todos os tecidos e, inclusive, dos ossos longos. O resultado é uma condição denominada gigantismo.

Mas se a hipersecreção ocorrer somente após a adolescência, quando os ossos longos já estariam com sua capacidade de crescimento em comprimento esgotada, o resultado será um crescimento desproporcional em diversas vísceras, tecidos moles, órgãos internos e alguns ossos membranosos como os das mãos, pés, nariz e mandíbula. Tal condição é denominada acromegalia.

REGULAÇÃO DA SECREÇÃO

A secreção dos hormônios tireoideanos é controlada pelo hormônio hipofisário tireotropina (TSH): Um aumento na liberação de TSH pela adeno-hipófise promove, na tireóide, um aumento na captação de iodeto, na síntese de tireoglobulina e em diversas outras etapas na produção dos hormônios T3 e T4. Como resultado aumenta a síntese e liberação destes hormônios e o metabolismo basal celular, de um modo geral, aumenta. A secreção de TSH, por sua vez, é estimulada pelo fator de liberação da tireotropina (TRF), produzida pelo hipotálamo.

Ocorre um mecanismo de feed-back negativo no controle de secreção dos hormônios tireoideanos: na medida em que ocorre um aumento na secreção dos hormônios T3 e T4, o metabolismo celular aumenta. Este aumento promove, a nível de hipotálamo, redução na secreção de TRF, o que provoca, como consequência, uma redução na secreção de TSH pela adeno-hipófise e, consequentemente, redução de T3 e T4 pela tireóide, reduzindo o metabolismo basal celular.

HORMÔNIOS DA CORTEX DA SUPRA-RENAL

A supra-renal (ou adrenal), localizada acima de cada rim, com dimensões aproximadas de 5 cm. por 1 cm., apresenta 2 tecidos histologicamente e fisiologicamente bem distintos: medula e córtex.

A medula secreta adrenalina e nor-adrenalina e faz parte do sistema nervoso autônomo (simpático).

Já a córtex, importante glândula endócrina, produz e secreta dezenas de hormônios. Todos os hormônios secretados por este tecido são sintetizados a partir do colesterol e pertencem, portanto, ao grupo dos hormônios esteróides.

Os diversos hormônios produzidos pela córtex da adrenal, de acordo com seus efeitos, são divididos em grupos:

Mineralocorticóides: atuam no metabolismo de minerais, principalmente no controle dos íons sódio e potássio. O principal mineralocorticóide, responsável por pelo mentos 95% da função mineralocorticóide da supra-renal, é o hormônio aldosterona.

Outros mineralocorticóides bem menos importantes são: desoxicorticosterona e corticosterona.

Glicocorticóides: atuam no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras. O principal hormônio deste grupo é o cortisol.

Androgênios: produzem efeitos masculinizantes, semelhantes àqueles produzidos pela testosterona, secretada em grande quantidade pelas gônadas masculinas.

A córtex da adrenal é dividida em 3 camadas:

Zona glomerulosa
Zona fasciculada
Zona reticular

A aldosterona é produzida na zona glomerulosa; as zonas fasciculada e retitular produzem cortisol e androgênios.

ALDOSTERONA

Principal mineralocorticóide, controla os níveis plasmáticos dos íons sódio e potássio. Exerce seu efeito no túbulo contornado distal e no ducto coletor do nefron, aumentando a reabsorção de sódio e a excreção de potássio. Como este transporte é mais efetivo ao sódio do que ao potássio, mais cátions são reabsorvidos do que excretados nestes segmentos distais do nefron. A reabsorção de sódio provoca, por atração iônica, reabsorção também de cloretos. A reabsorção de sal (NaCl), por sua vez, reabsorve água (por osmose). Portanto, um aumento na secreção de aldosterona, pela supra-renal, promove nos túbulos renais um aumento na reabsorção de sal e água. Um aumento na reabsorção de sal e água promove, como consequência, um aumento no volume do líquido no compartimento extra-celular. Isto faz com que ocorra um aumento no volume sanguíneo e no débito cardíaco. Como consequência ocorre também um aumento na pressão arterial.

CONTROLE DA SECREÇÃO DE ALDOSTERONA

Existem diversos fatores que influem na secreção da aldosterona.

Os principais são:

Potássio: Um aumento no nível plasmático deste íon estimula a zona glomerulosa a aumentar a secreção de aldosterona.
Angiotensina:
Também exerce um importante efeito estimulante na secreção de aldosterona.
Sódio:
Quanto menor sua concentração no líquido extra-celular, maior é a secreção de aldosterona.
ACTH:
Estimula principalmente a secreção de cortisol, mas exerce também um pequeno efeito estimulador de aldosterona.

CORTISOL

Exerce importantes efeitos no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras. Além disso estabiliza membrana de lisossomas.

Efeitos no metabolismo dos carboidratos

O cortisol reduz a utilização da glicose pelas células, reduz a glicogênese e aumenta a glicogenólise. Como consequência aumenta a glicemia.

Efeitos no metabolismo das proteínas

O cortisol faz com que as células, de um modo geral, reduzam a síntese de proteínas e aumentem a lise das mesmas: Isso promove uma redução das proteínas e uma aumento na quantidade de aminoácidos circulantes.

No fígado ocorre o contrário: aumento na síntese e redução na lise protéica. Como consequência, aumento na quantidade de proteínas plasmáticas.

Efeitos nos metabolismo das gorduras

O cortisol aumenta a mobilização de ácidos graxos dos tecidos adiposos e a utilização das gorduras pelas células para produção de energia.

Efeitos na membrana dos lisossomas

O cortisol estabiliza a membrana dos lisossomas, dificultando seu rompimento durante uma lesão tecidual.

CONTROLE DA SECREÇÃO DE CORTISOL

Existem diversos fatores que influem na secreção de cortisol, muitos ainda não bem esclarecidos. Um importante e conhecido fator estimulante da secreção de cortisol relaciona-se com o stress. Qualquer condição que cause stress físico (lesões teciduais diversas, como fraturas, entorses, contusões musculares, traumas, queimaduras, etc.), dor, infecções, fome, sofrimento e outros, estimulam o hipotálamo a secretar o fator de liberação da corticotropina (CRF). Este fator estimula a hipófise anterior a aumentar a secreção de ACTH. O ACTH estimula a córtex da adrenal a aumentar a secreção de cortisol. O cortisol aumentado, com os efeitos acima descritos, propicia aos tecidos lesados condições necessárias para que os mesmos se restabeleçam o mais rapidamente possível das alterações, reduzindo portanto o stress.

HORMÔNIOS ANDROGÊNIOS

São bastante semelhantes ao hormônio masculino testosterona e são secretados, felizmente, em quantidades bastante baixas. Quando ocorre uma hiper-secreção anormal destes hormônios em crianças ou em mulheres, efeitos masculinizantes como puberdade precoce, pilificação, calvície em pessoas hereditariamente predispostas, voz mais grave, aumento nas dimensões do falo ou clítoris, além de outras alterações podem ser observadas.

PARATORMÔNIO E CALCITONINA

O paratormônio é produzido pelas glândulas paratireóides, localizadas posteriormente à glândula tireóide.

A calcitonina é produzida pelas células parafoliculares da tireóide (estas não fazem parte dos folículos tireoideanos).

Ambos os hormônios atuam no metabolismo do íon cálcio, sendo importantes no controle do normal nível plasmático deste íon.

Mais de 99% do cálcio presente em nosso corpo se encontra depositado em tecidos como ossos e dentes. Sendo assim, o cálcio na forma iônica dissolvida em nosso plasma corresponde a menos de 1% do total de cálcio que possuímos.

É muito importante que o nível de cálcio plasmático se mantenha dentro do normal, pois:

Em uma situação de hipercalcemia as membranas das células escitáveis se tornam menos permeáveis ao sódio, o que reduz a excitabilidade da mesma. Como consequência, ocorre uma hipotonia muscular esquelética generalizada. No músculo cardíaco ocorre um aumento da força contrátil durante a sístole ou mesmo uma parada cardíaca, devido à redução da excitabilidade das fibras de purkinje.

Em uma situação de hipocalcemia, ao contrário, as membranas celulares se tornam excessivamente permeáveis aos íons sódio. O aumento na permeabilidade ao sódio torna as membranas mais excitáveis. Os músculos esqueléticos se tornam mais hipertônicos, podendo ocorrer inclusive uma manifestação de tetania (hipocalcêmica). O músculo cardíaco se contrai com menos força.

Quando o nível plasmático de cálcio se torna abaixo do normal, as paratireóides aumentam a secreção de paratormônio. Este faz com que a calcemia aumente, retornando ao normal.

Quando o nível plasmático de cálcio se torna acima do normal, as células parafoliculares da tireóide aumentam a secreção de calcitonina. Esta faz com que a calcemia se reduza, retornando ao normal.

Desta forma estes 2 hormônios, juntos, controlam o nível plasmático de cálcio, mantendo-o dentro do normal e evitando, assim, uma hipercalcemia ou uma hipocalcemia.

O paratormônio é o mais importante hormônio responsável pelo controle do nível plasmático de cálcio em nosso organismo.

Vejamos alguns efeitos destes hormônios

NOS OSSOS

No tecido ósseo existe uma constante atividade osteoblástica (síntese de matriz, com impregnação de íons cálcio e fosfato na mesma) e uma constante atividade osteoclástica (lise do tecido ósseo com mobilização de íons cálcio e fosfato do tecido ósseo para os líquidos corporais). A atividade osteoblástica é feita por células chamadas osteoblastos; a atividade osteoclástica, por sua vez, pelos osteoclastos.

Um aumento na secreção de paratormônio promove, nos ossos, um aumento da atividade osteoclástica, o que transfere íons cálcio e fosfato destes tecidos para o sangue. Além disso, o paratormônio aumenta também a atividade da membrana osteocítica que, por meio de transporte ativo, transfere grande quantidade de íons cálcio dos ossos para o sangue. Ambos os eventos promovem uma elevação da calcemia.

Um aumento na secreção de calcitonina promove, nos ossos, um aumento da atividade osteoblástica. Através desta, ocorre uma maior síntese de tecido ósseo (matriz protéica), o que atrai grande quantidade de íons cálcio e fosfato do sangue para este novo tecido. Na matriz, cálcio e fosfato combinam-se entre sí e com outros íons, formando os diversos sais ósseos, que são responsáveis pela rigidez do tecido ósseo.

Os mais importantes sais ósseos são: fosfato de cálcio, carbonato de cálcio e hidroxiapatita. O aumento da atividade osteoblástica, portanto, promove uma redução da calcemia, pois uma considerável quantidade de cálcio migra do sangue para os ossos.

NO SISTEMA DIGESTÓRIO

Como diariamente todos temos uma pequena perda de cálcio através da diurese, é importante que também tenhamos, pelo menos, uma reposição desta perda através de nossa alimentação.

O cálcio, presente em diversos alimentos, é absorvido através da parede do intestino delgado (transporte ativo). Mas para que ocorra uma adequada absorção se faz necessário a presença de uma substância denominada 1,25-diidroxicolecalciferol.

Vejamos como se forma esta substância:

Na nossa pele existe, em abundância, um derivado do colesterol denominado 7-deidrocolesterol. Através da irradiação ultravioleta (pelos raios solares) grande parte desta substância é convertida em colecalciferol (vitamina D3). No fígado, o colecalciferol é convertido em 25-hidroxicolecalciferol. Este, nos rins, converte-se em 1,25-diidroxicolecalciferol (esta conversão também exige a presença de paratormônio).

Portanto, para que ocorra uma boa absorção de cálcio através de nosso sistema digestório, é necessário que:

O cálcio esteja presente no alimento.
Não haja falta de vitamina D3 em nosso organismo (para isso é necessária a exposição do corpo aos raios solares ou uma alimentação rica em fontes desta vitamina).
A presença do hormônio paratormônio (para que ocorra a conversão de 25-hidroxicolecalciferol em 1,25-diidroxicolecalciferol).

NO SISTEMA URINÁRIO

Nos túbulos contornados distais existe um mecanismo que reabsorve íons cálcio do lumen tubular para o interstício (e, consequentemente, para o sangue) ao mesmo tempo em que transporta íons fosfato em sentido contrário. Na presença de paratormônio este transporte aumenta, fazendo com que mais cálcio seja reabsorvido (reduzindo a perda urinária deste íon) ao mesmo tempo em que mais íons fosfato seja excretado (aumentando a perda urinária de fosfato).

INSULINA E GLUCAGON

O tecido pancreático é constituído por numerosos ácinos (ácinos pancreáticos), que são responsáveis pela produção das diversas enzimas secretadas através do ducto pancreático no tubo digestório. Tais enzimas constituem um tipo de secreção denominada secreção exócrina.

Além dessa função exócrina, o tecido pancreático secreta também hormônios, diretamente à corrente sanguínea. A secreção endócrina do pâncreas é feita através de milhares de grupamentos celulares denominados Ilhotas de Langerhans, distribuídas por todo o tecido pancreático.

Cada Ilhota de Langerhans é constituída por diversos tipos de células. Destacam-se as células alfa, que produzem o hormônio glucagon e as células beta, que produzem a insulina.

Ambos os hormônios, insulina e glucagon, são bastante importantes devido aos seus efeitos no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras.

INSULINA

Produzida pelas células beta das ilhotas de Langerhans, atua no metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras.

Efeitos da insulina no metabolismo dos carboidratos:

Aumento no transporte de glicose através da membrana celular
Aumento na disponibilidade de glicose no líquido intracelular
Aumento na utilização de glicose pelas células
Aumento na glicogênese (polimerização de glicose, formando glicogênio), principalmente no fígado e nos músculos
Aumento na transformação de glicose em gordura

Efeitos da insulina no metabolismo das proteínas:

Aumento no transporte de aminoácidos através da membrana celular
Maior disponibilidade de aminoácidos no líquido intracelular
Aumento na quantidade de RNA no líquido intracelular
Aumento na atividade dos ribossomas no interior das células
Aumento na síntese protéica
Redução na lise protéica
Aumento no crescimento

Efeitos da insulina no metabolismo das gorduras:

Aumento na transformação de glicose em gordura
Redução na mobilização de ácidos graxos dos tecidos adiposos redução na utilização de ácidos graxos pelas células.

GLUCAGON

Secretado pelas células alfa das ilhotas de Langerhans, é muito importante principalmente para evitar que ocorra uma hipoglicemia acentuada no organismo de uma pessoa.

Quando a concentração de glicose no sangue atinge valores baixos, as células alfa das ilhotas de Langerhans liberam uma maior quantidade de glucagon.

O glucagon, então, faz com que a glicose sanguínea aumente e retorne aos valores aceitáveis como normal.

Os principais mecanismos através dos quais o glucagon faz aumentar a glicemia são:

Aumento na glicogenólise (despolimerização do glicogênio armazenado nos tecidos, liberando glicose para a circulação)

Aumento na gliconeogênese, através da qual elementos que não são carboidratos (proteínas e glicerol) transformam-se em glicose.

O que é

Do Grego Hórmon: significa excitar, estimular; provocar algum tipo de reação em outra região do organismo. As glândulas devem trabalhar em harmonia para que os hormônios cumpram suas funções e mantenham o equilíbrio de sua saúde. Uma alimentação regular que possa ativar os receptores hormonais ou mantê-los em equilíbrio é fundamental. Com o passar do tempo nosso sistema endócrino sente o peso dos anos, dentre os diversos recursos que podemos buscar para que isto não aconteça estão os micronutrientes, mais conhecidos como oligoelementos.

Os hormônios são responsáveis por regular diversos processos orgânicos tais como o crescimento, a reprodução, o sono, o controle do peso e da imunidade.

Ele é na verdade secretado por uma variedade de glândulas que transportam mensagens químicas, estas mensagens caem na corrente sangüínea e vão fazer efeito em um outro local do corpo. A região cerebral do hipotálamo entra em cena primeiro, mandando uma série de informações para a hipófise, esta glândula bem no centro da massa cinzenta do cérebro rege a produção de hormônios das outras glândulas. Isto graças ao sistema de retroalimentação ou feedback. Tudo isto quer dizer que a hipófise ajusta seus comandos conforme as substâncias alheias que se encontram no sangue, ela é a regente, tem influência sobre todo sistema glandular. Os oligoelementos são importantes para que estas comunicações aconteçam harmoniosamente além de ajudarem as glândulas a manterem-se ativas e saudáveis.

Os hormônios quando usados com segurança e orientação do endocrinologista, podem significar uma vida mais produtiva e mais prazerosa por muito mais tempo para várias pessoas, como:

Atletas: para manter/auxiliar no treinamento de força e aumento de massa muscular; HIV Positivo: manutenção da massa muscular em detrimento dos efeitos colaterais das drogas utilizadas;
Homens e Mulheres: juventude, prazer sexual, forma física e outros; distúrbios do sono; obesidade; depressão; … E muitas outras aplicações.

É de fundamental importância o acompanhamento médico, principalmente por possuírem substâncias químicas que poderão sobrecarregar ou comprometer a função hepática, além do que o excesso de um pode provocar a queda do outro ou ainda inibir a função da glândula secretadora do hormônio. O erro pode ser perigoso, mas o acerto uma dádiva em muitas situações. Para as pessoas que são inseguras quanto ao uso, ou tiverem casos de câncer na família, hepatite, problemas hepáticos ou ainda renais, o ideal é fazer a ativação dos receptores e usar conjuntamente os oligoelementos (bases de minerais traços combinado em sua formulação original com vitaminas), precursores hormonais e ainda suplementos nutricionais especiais como o Noni Pure® (morinda citrifólia), o Kollagen® (precursor de colágeno) que ajudam na melhor performance da hipófise e conseqüentemente melhores níveis de liberação do hGH.

Procure um endocrinologista nos seguintes casos:

Ganhar ou perder peso sem motivo;
Notar caroços estranhos ou deformidades na região de uma glândula;
Se for atleta e quiser aumentar o teor muscular com uso de anabolizantes;
Se for portador do vírus HIV e estiver perdendo massa muscular devido ao uso dos medicamentos indicados para o tratamento;
E o corpo ficar inchado regularmente;
Se sentir extremo cansaço;
Apresentar constantemente falhas de memória e raciocínio;
Apresentar queda de libido prolongada;
Se fez ou faz uso de anabolizantes;
Se tem diabéticos na família;
Se o crescimento da criança está estacionado ou atrasado;
Se faz uso de hormônios por conta própria, inclusive anticoncepcionais e medicamentos para emagrecer;
Se está no climatério (menopausa) – mulheres, ou andropausa – homens.
Se tiver mais de 40 anos e quiser frear o desgaste do sistema glandular/endócrino.

Hormônios – Onde ficam as glândulas produtoras?

Hipotálamo

Região cerebral que não é bem uma glândula, mas está no topo da hierarquia. Emite diversas informações sobre o organismo para a hipófise, provocando a liberação dos seus hormônios.

Pineal

É a menor glândula do corpo e produz a melatonina, hormônio relacionado com o sono.

Hipófise

É a glândula que mais produz hormônios, dividida em lobo anterior e lobo posterior. O primeiro fabrica a somatrotofina (GH), a tireotrofina (TSH), o adrenocorticotrófico (ACTH), o folículo estimulante (FSH), o luteinizante (LH) e a prolactina (LTH). O lobo posterior faz a ocitocina e o antidiurético (ADH).

Tireóide

A mais conhecida das glândulas. Produz a tridotironina (T3), a tiroxina (T4) e a calcitonina. É a de maior incidência em distúrbios.

Paratireóides

São 4 pequenas glândulas responsáveis pela produção do paratormônio.

Pâncreas

Espécie de glândula mista – fabrica o suco pancreático que age na digestão da comida – libera os hormônios insulina e glucagon.

Supra-renais

Também são conhecidas como adrenais. Em cada uma das glândulas existe o córtex e a medula – o primeiro produz os glicocorticóides (o principal é o cortisol).

Já a medula faz a adrenalina e a noradrenalina.

Ovários

Glândula feminina que produz estrógeno e progesterona.

Testículos

Glândula masculina que produz os hormônios andrógenos – sendo a testosterona o principal deles.

 

Principais hormônios humanos

GLÂNDULA HORMÔNIO FUNÇÃO
Adeno-hipófise ou lobo anterior da hipófise

Adrenocorticotrófico
(ACTH)
Estimula o córtex adrenal.
Tireotrófico (TSH)
ou tireotrofina
Estimula a tireóide a secretar seus principais hormônios. Sua produção é estimulada pelo hormônio liberador de tireotrofina (TRH), secretado pelo hipotálamo.
Somatotrófico (STH)
ou Hormônio do
Crescimento (GH)
Atua no crescimento, promovendo o alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e o desenvolvimento da massa muscular. Também aumenta a utilização de gorduras e inibe a captação de glicose plasmática pelas células, aumentando a concentração de glicose no sangue (inibe a produção de insulina, predispondo ao diabetes).
Gonadotróficos

(sua produção é estimulada pelo hormônio liberador de gonadotrofinas – GnRH – secretado pelo hipotálamo)

Folículo estimulante (FSH)   Na mulher, estimula o desenvolvimento e a maturação dos folículos ovarianos. No homem, estimula a espermatogênese.
Luteinizante (LH)   Na mulher estimula a ovulação e o desenvolvimento do corpo lúteo. No homem, estimula a produção de testosterona pelas células instersticiais dos testículos.
Prolactina ou hormônio lactogênico Estimula a produção de leite pelas glândulas mamárias. Sua produção acentua-se no final da gestação, aumenta após o parto e persiste enquanto durar o estímulo da sucção.
Neuro-hipófise ou lobo posterior da hipófise

(não produz hormônios; libera na circulação dois hormônios sintetizados pelo hipotálamo)

Antidiurético (ADH) ou vasopressina Regula o volume de urina, aumentando a permeabilidade dos túbulos renais à água e, conseqüentemente, sua reabsorção. Sua produção é estimulada pelo aumento da pressão osmótica do sangue e por hemorragias intensas. O etanol inibe sua secreção, tendo ação diurética.
Ocitocina

Na mulher, estimula a contração da musculatura uterina durante o parto e a ejeção do leite.

No homem, provoca relaxamento dos vasos e dos corpos eréteis do órgão reprodutor masculino, aumentando a irrigação sangüínea.

Lobo intermédio da hipófise Hormônio melanotrófico ou melanocortinas (MSH) ou intermedinas Estimulam a pigmentação da pele (aceleram a síntese natural de melanina) e a síntese de hormônios esteróides pelas glândulas adrenal e gonadal. Ainda interferem na regulação da temperatura corporal, no crescimento fetal, secreção de prolactina, proteção do miocárdio em caso de isquemia, redução dos estoques de gordura corporal (*) etc.

(*) A leptina, hormônio secretado pelas células do tecido adiposo, ao ser liberada na circulação periférica, atua sobre o hipotálamo, inibindo o apetite. A ligação da leptina aos receptores hipotalâmicos estimula a secreção de MSH que, por sua vez, se liga a outros neurônios, responsáveis pela diminuição do apetite. Entretanto, a perda de peso observada com o tratamento com MSH sugere também sua ação direta na mobilização dos depósitos de gordura.

Tireóide Tiroxina (T4) e triiodotironina (T3) Regula o desenvolvimento e o metabolismo geral.
Calcitonina Regula a taxa de cálcio no sangue, inibindo sua remoção dos ossos, o que diminui a taxa plasmática de cálcio.
Paratireoídes Paratormônio Regula a taxa de cálcio, estimulando a remoção de cálcio da matriz óssea (o qual passa para o plasma sangüíneo), a absorção de cálcio dos alimentos pelo intestino e a reabsorção de cálcio pelos túbulos renais, aumentando a concentração de cálcio no plasma.
Pâncreas Insulina

(Ilhotas de Langerhans – células beta)

Aumenta a captação de glicose pelas células e, ao mesmo tempo, inibe a utilização de ácidos graxos e estimula sua deposição no tecido adiposo. No fígado, estimula a captação da glicose plasmática e sua conversão em glicogênio. Portanto, provoca a diminuição da concentração de glicose no sangue.
Glucagon

(Ilhotas de Langerhans – células alfa)

Ativa a enzima fosforilase, que fraciona as moléculas de glicogênio do fígado em moléculas de glicose, que passam para o sangue, elevando a glicemia (taxa de glicose sangüínea).
Adrenais ou Supra-renais

córtex Glicocorticóides (principal:
Cortisol)
Estimulam a conversão de proteínas e de gorduras em glicose, ao mesmo tempo que diminuem a captação de glicose pelas células, aumentando, assim, a utilização de gorduras. Essas ações elevam a concentração de glicose no sangue, a taxa metabólica e a geração de calor. Os glicorcoticóides também diminuem a migração de glóbulos brancos para os locais inflamados, determinando menor liberação de substâncias capazes de dilatar as arteríolas da região; conseqüentemente, há diminuição da reação inflamatória.
Mineralocorticóides (aldosterona) Aumentam a reabsorção, nos túbulos renais, de água e de íons sódio e cloreto, aumentando a pressão arterial.
Andrógenos Desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos.
medula Adrenalina Promove taquicardia (batimento cardíaco acelerado), aumento da pressão arterial e das freqüências cardíaca e respiratória, aumento da secreção do suor, da glicose sangüínea, da atividade mental e constrição dos vasos sangüíneos da pele.
Testículos

Testosterona (andrógeno) Promove o desenvolvimento e o crescimento dos testículos, além do desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários masculinos, aumento da libido (desejo sexual), aumento da massa muscular e da agressividade.
Ovários Estrógenos Promove o desenvolvimento dos caracteres sexuais femininos e da parede uterina (endométrio); estimula o crescimento e a calcificação óssea, inibindo a remoção desse íon do osso e protegendo contra a osteoporose; protege contra a aterosclerose (deposição de placas de gorduras nas artérias).
Progesterona Modificações orgânicas da gravidez, como preparação do útero para aceitação do óvulo fertilizado e das mamas para a lactação. Inibe as contrações uterinas, impedindo a expulsão do feto em desenvolvimento

Fonte:www.bragafilho.com.br/www.geocities.com/ togyn.br.tripod.com/www.sogab.com.br/ www.senado.gov.br/www.afh.bio.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fratura de Úmero

PUBLICIDADE Definição A fratura do úmero é uma lesão no osso do braço que liga o ombro …

Vértebras Torácicas

PUBLICIDADE Definição Vértebras torácicas são os doze segmentos vertebrais (T1-T12) que compõem a coluna torácica. Essas …

Coluna Vertebral

Coluna Vertebral

PUBLICIDADE Definição Uma série de vértebras que se estende do crânio até a parte inferior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+