Breaking News
Home / Corpo Humano / Neurotransmissores

Neurotransmissores

PUBLICIDADE

Neurotransmissores – Definição

Neurotransmissores são substâncias químicas que possuem ação direta sobre a membrana pós-sináptica, produzindo nela um potencial pós-sináptico, na condução do estímulo nervoso.

Eles são produzidos tanto no SNC como no Sistema Nervoso Periférico.

O córtex, vários centros sub-corticais e o tronco cerebral são os locais de produção no SNC.

O ciclo de produção/ação dos neurotransmissores pode assim ser resumido: síntese no interior do neurônio transporte axonal liberação na fenda sináptica recapatação

Os receptores pós-sinápticos são fundamentais no reconhecimento funcional dos neurotransmissores e n a ativação dos cirucuitos excitatórios ou inibitórios

Neurotransmissores podem ter mesma função em sistemas diferentes ou funções diferentes em sistemas diferentes.

O que são neurotransmissores?

Os neurotransmissores são substâncias químicas que transportam informações através da fenda sináptica entre os neurônios.

Essas substâncias químicas são fabricadas pelo corpo e utilizadas para enviar uma ampla variedade de mensagens, desde um sinal para relaxar um músculo até uma recompensa química por se engajar em uma tarefa específica.

Muitos foram identificados por pesquisadores que trabalham com o cérebro e o sistema nervoso e muitos outros ainda precisam ser identificados e compreendidos com firmeza.

Eles são muito difíceis de ver em ação na natureza, o que tem complicado o estudo desses produtos químicos únicos.

Os neurotransmissores são produtos químicos fabricados pelo corpo,
que transportam informações através das sinapses no cérebro e enviam sinais para qualquer
parte do corpo quase que instantaneamente

Esses produtos químicos são produzidos dentro do corpo celular de um neurônio. Eles viajam ao longo do axônio do neurônio e fixam residência nas vesículas, que são essencialmente pequenas cápsulas cheias de neurotransmissores. Quando o neurônio recebe o impulso correto, uma vesícula se abre para liberar o neurotransmissor correspondente, e a substância química viaja pela sinapse para os receptores localizados nos dendritos de um neurônio ou neurônios vizinhos.

Alguns neurotransmissores têm uma ação excitatória, o que significa que ativam os neurônios com os quais entram em contato. Outros são inibitórios, desligando o neurônio.

Quando um neurônio recebe uma mensagem de um neurotransmissor, ele pode, por sua vez, transmiti-la aos neurônios vizinhos. Todas essas ações ocorrem em frações de segundo, permitindo que o cérebro envie e receba mensagens quase instantaneamente de e para qualquer parte do corpo. O sistema nervoso é extremamente complexo e sofisticado, razão pela qual tem sido um desafio para os pesquisadores entendê-lo totalmente.

Existem três tipos principais de neurotransmissores: monoaminas, aminoácidos e peptídeos. Alguns exemplos incluem dopamina, serotonina, GABA, acetilcolina, oxitocina, insulina e adrenalina.

Cada produto químico desempenha uma função específica no corpo e no sistema nervoso.

Muitas drogas que alteram a mente são capazes de imitar ou suprimir as ações de vários neurotransmissores para criar uma variedade de efeitos, e algumas drogas podem causar mudanças estruturais permanentes se forem usadas por períodos prolongados de tempo.

Os medicamentos prescritos geralmente são projetados para trabalhar com ou contra neurotransmissores específicos.

Certos neurotransmissores desenvolveram sistemas dentro do cérebro e do sistema nervoso que permitem a transmissão de volume em grande escala dos produtos químicos. A dopamina está associada à transmissão de volume. Ele desempenha um papel no sistema de recompensa do corpo e está fortemente envolvido no processo de adição. Sistemas semelhantes estão envolvidos no processo de aprendizagem, controle das emoções e uma variedade de outras tarefas.

Neurotransmissores – Corpo

Os neurotransmissores são frequentemente chamados de mensageiros químicos do corpo. Eles são as moléculas usadas pelo sistema nervoso para transmitir mensagens entre neurônios, ou de neurônios para músculos.

A comunicação entre dois neurônios acontece na fenda sináptica (a pequena lacuna entre as sinapses dos neurônios). Aqui, os sinais elétricos que viajaram ao longo do axônio são brevemente convertidos em químicos por meio da liberação de neurotransmissores, causando uma resposta específica no neurônio receptor.

Neurotransmissores

Um neurotransmissor influencia um neurônio de uma das três maneiras: excitatória, inibitória ou modulatória.

Um transmissor excitatório promove a geração de um sinal elétrico chamado potencial de ação no neurônio receptor, enquanto um transmissor inibitório o impede. Se um neurotransmissor é excitatório ou inibitório depende do receptor ao qual ele se liga.

Os neuromoduladores são um pouco diferentes, pois não estão restritos à fenda sináptica entre dois neurônios e, portanto, podem afetar um grande número de neurônios ao mesmo tempo. Os neuromoduladores, portanto, regulam as populações de neurônios, ao mesmo tempo que operam em um curso de tempo mais lento do que os transmissores excitatórios e inibitórios.

Existe 2 tipos básicos de Neurotransmisores:

a – Excitatórios: promovem fenômenos de liberação (exaltação funcional de determinados circuitos neuronais).
Exemplo:
 noradrenalina/estado de alerta, stress/; dopamina/humor/motricidade extrapiramidal; serotonina/ ciclo sono vigília/humor; acetilcolina/cognição/contração muscular.

b – Inibitório: provocam fenômenos de bloqueio/inibição (diminuição funcional de determinados grupos neuronais).
Exemplo:
 endorfinas/dor; melatonina/ciclo sono vigília; ácido gama amino butírico=gaba/inibição de descargas elétricas excessivas geradoras de crises epilépticas.

A maioria dos neurotransmissores são pequenas moléculas de amina, aminoácidos ou neuropeptídeos.

Existem cerca de uma dúzia de neurotransmissores de pequenas moléculas conhecidos e mais de 100 neuropeptídeos diferentes, e os neurocientistas ainda estão descobrindo mais sobre esses mensageiros químicos.

Esses produtos químicos e suas interações estão envolvidos em inúmeras funções do sistema nervoso, bem como no controle de funções corporais.

Principais neurotransmissores

O primeiro neurotransmissor a ser descoberto foi uma pequena molécula chamada acetilcolina. Ele desempenha um papel importante no sistema nervoso periférico, onde é liberado por neurônios motores e neurônios do sistema nervoso autônomo. Ele também desempenha um papel importante no sistema nervoso central na manutenção da função cognitiva.

Danos aos neurônios colinérgicos do SNC estão associados à doença de Alzheimer.

O glutamato é o transmissor excitatório primário no sistema nervoso central. Por outro lado, um transmissor inibitório principal é seu derivado ácido gama-aminobutírico (GABA), enquanto outro neurotransmissor inibitório é o aminoácido chamado glicina, que é encontrado principalmente na medula espinhal.

Muitos neuromoduladores, como a dopamina, são monoaminas. Existem várias vias de dopamina no cérebro, e esse neurotransmissor está envolvido em muitas funções, incluindo controle motor, recompensa e reforço e motivação.

A noradrenalina (ou norepinefrina) é outra monoamina e é o neurotransmissor primário do sistema nervoso simpático, onde atua na atividade de vários órgãos do corpo para controlar a pressão arterial, frequência cardíaca, função hepática e muitas outras funções.

Os neurônios que usam a serotonina (outra monoamina) se projetam para várias partes do sistema nervoso. Como resultado, a serotonina está envolvida em funções como sono, memória, apetite, humor e outras.

Também é produzido no trato gastrointestinal em resposta aos alimentos.

A histamina, a última das principais monoaminas, desempenha um papel no metabolismo, no controle da temperatura, na regulação de vários hormônios e no controle do ciclo sono-vigília, entre outras funções.

Neurotransmisores – Cérebro

cérebro humano contém cerca de 86 bilhões de neurônios. Esses bilhões de células cerebrais se comunicam passando mensagens químicas na sinapse, o pequeno intervalo entre as células, em um processo chamado neurotransmissão. Essas mensagens químicas são moléculas únicas chamadas neurotransmissores.

Existem muitos tipos de neurotransmissores no cérebro, mas eles têm algumas coisas em comum.

Os neurotransmissores são endógenos – produzidos dentro do próprio neurônio.

Quando uma célula é ativada, esses produtos neuroquímicos são liberados na sinapse a partir de bolsas especializadas agrupadas perto da membrana celular, chamadas de vesículas sinápticas.

Receptores específicos em células vizinhas podem, então, captar os neurotransmissores, que podem aumentar ou diminuir o sinal transmitido por um determinado circuito.

Fonte: qbi.uq.edu.au/www.ufba.br/www.wisegeek.org/www.medicalnewstoday.com/www.verywellmind.com/adalbertotr1.com/dana.org/www.ncbi.nlm.nih.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Nós musculares

PUBLICIDADE Nós musculares – O que são O fenômeno dos nós musculares não é incomum. Essencialmente, os nós …

Córtex auditivo

PUBLICIDADE Córtex auditivo – Definição O córtex auditivo executa uma variedade de funções que nos permitem segregar …

Hipotálamo

PUBLICIDADE O que é o hipotálamo? O hipotálamo é a pequena estrutura em forma de cone dentro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.