Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Corpo Humano / Nervos Cranianos

Nervos Cranianos

PUBLICIDADE

Definição

Os nervos cranianos são 12 pares de nervos que podem ser vistos na superfície ventral (inferior) do cérebro.

Alguns desses nervos trazem informações dos órgãos dos sentidos para o cérebro; outros nervos cranianos controlam os músculos; outros nervos cranianos estão ligados a glândulas ou órgãos internos, como o coração e os pulmões.

Nervo craniano – anatomia

Nervo craniano, em vertebrados, qualquer um dos nervos pareados do sistema nervoso periférico que conectam os músculos e os órgãos dos sentidos da cabeça e da região torácica diretamente ao cérebro.

Nos vertebrados superiores (répteis, aves, mamíferos) existem 12 pares de nervos cranianos, cada um dos quais é atribuído um numeral romano e um nome:

Nervo craniano I: o nervo olfativo
Nervo craniano II: o nervo óptico
Nervo craniano III: o nervo oculomotor
Nervo craniano IV: o nervo troclear
Nervo craniano V: o nervo trigêmeo
Nervo craniano VI: o nervo abducente
Nervo craniano VII: o nervo facial
Nervo craniano VIII: o nervo vestibulococlear
Nervo craniano IX: o nervo glossofaríngeo
Nervo craniano X: o nervo vago
Nervo craniano XI: o nervo acessório
Nervo craniano XII: o nervo hipoglosso

Os vertebrados inferiores (peixes, anfíbios) têm 10 pares.

Um 13º par, um plexo (rede ramificada) conhecido como nervo terminal, é algumas vezes também reconhecido em humanos, embora não se saiba se é uma estrutura vestigial ou um nervo funcional.

Os nervos cranianos são compostos de neurônios motores, neurônios sensoriais ou ambos. Eles são nomeados por sua função ou estrutura; por exemplo, o nervo trigêmeo consiste de três ramos primários, enquanto o nervo vestibulococlear serve os órgãos de equilíbrio e audição.

O nervo vago é um dos mais importantes. Ele se estende a muitos dos órgãos do tórax e do abdome superior.

Quais são os nervos cranianos?

Os nervos cranianos são 12 pares de nervos que emergem do tronco cerebral para inervar várias áreas da face e algumas outras regiões do corpo. O rosto precisa ser capaz de um número de movimentos diferentes que exigem precisão e controle, tornando necessário ter vários nervos para lidar com diferentes tipos de movimentos. Esses nervos se encaixam em vários buracos no crânio que foram projetados especificamente para acomodá-los; os buracos podem ser vistos quando uma pessoa examina de perto um crânio.

De I a XII, os nervos cranianos são o nervo olfativo, nervo óptico, nervo oculomotor, nervo troclear, nervo trigêmeo, nervo abducente, nervo facial, nervo vestibulococlear (também conhecido como nervo vestibular auditivo), nervo glossofaríngeo, nervo vago, nervo acessório da coluna vertebral (ou nervo acessório) e nervo hipoglosso. Um mnemônico comum usado para lembrar os nomes é “nos topos altos do velho Olimpo, um finlandês e o alemão viram alguns saltos”, também algumas vezes interpretados como “nos topos altos do velho Olimpo, um famoso vocal alemão viu alguns saltos”.

A função do nervo olfativo é lidar com o sentido do olfato, através do bulbo olfatório localizado atrás do nariz. O nervo óptico é responsável pela visão, enquanto o nervo oculomotor é um dos nervos que movimenta o olho. O nervo troclear também está envolvido no movimento dos olhos, enquanto o nervo trigêmeo é usado para mastigar e fornece feedback sensorial sobre o toque e a dor no rosto e na cabeça.

Nervos Cranianos
Nervos cranianos

O nervo abducente controla o movimento dos olhos, enquanto o nervo facial é parcialmente responsável pelo gosto junto com os movimentos faciais. O vestibulococlear está envolvido no senso de equilíbrio. O nervo glossofaríngeo pega gostos nas costas da língua e é responsável por alguns dos movimentos musculares envolvidos na deglutição. O vago lida com a entrada das vísceras e o nervo acessório espinhal é responsável pelos movimentos da cabeça. O 12º, o hipoglosso, é responsável por movimentar a língua.

Aprender todos os nervos cranianos pode parecer intimidante no início, mas à medida que as pessoas estudam a anatomia facial, elas se familiarizam com as diferentes áreas que esses nervos inervam, tornando mais fácil lembrar qual nervo faz o quê. Muitos gráficos ilustrando os nervos podem ser encontrados on-line, juntamente com imagens que mostram os caminhos que os nervos levam a várias áreas do rosto e da cabeça. Danos a esses nervos podem causar uma ampla variedade de problemas, incluindo paralisia, paralisia e interferência na visão, olfato, paladar e tato.

Quais são os nervos no cérebro?

Existem muitos nervos diferentes no cérebro, conhecidos como nervos cranianos, que são responsáveis por várias funções e movimentos do corpo. Cada nervo desempenha um papel individual, mas muitos dos nervos trabalham juntos para realizar funções corporais mais complicadas. Alguns dos nervos do cérebro são os nervos faciais, o nervo trigêmeo e o nervo olfatório. Algumas das funções dos nervos cranianos incluem mastigação, movimento dos olhos e sensações faciais.

O nervo olfativo é um dos nervos cranianos no cérebro. Este nervo é responsável pelo sentido do olfato. As células do nervo olfativo são únicas porque estão constantemente se regenerando. Este é o único nervo no corpo humano que possui essa habilidade.

O nervo óptico é o segundo dos nervos cranianos no cérebro. Este nervo liga o cérebro ao olho e é responsável por transportar impulsos luminosos. Os próximos dois nervos do cérebro são chamados nervos oculomotor e troclear. Esses nervos ajudam a controlar certos movimentos oculares. O nervo abducente também ajuda com alguns movimentos oculares.

Nervos Cranianos
Nervo Acessório

O nervo trigêmeo é também um dos nervos do cérebro. Este é o nervo que é o principal responsável pelas sensações no rosto. O nervo trigêmeo não é apenas um nervo sensitivo, mas também serve como um nervo motor, ajudando a tornar a mastigação possível. Este nervo contém três ramos conhecidos como o nervo oftálmico, o nervo maxilar e o nervo mandibular. Se ocorrer dano ao nervo trigêmeo, pode ocorrer dormência parcial ou completa da face.

Outros nervos no cérebro incluem o nervo facial, o nervo vestibulococlear e o nervo glossofaríngeo. O nervo facial auxilia na capacidade de saborear e ajuda a controlar alguns dos músculos da face que são responsáveis pelas expressões faciais. O nervo vestibulococlear auxilia no equilíbrio e na audição. O nervo glossofaríngeo ajuda a controlar alguns dos músculos que são usados para engolir e auxilia na capacidade de saborear.

O nervo vago, nervo acessório da coluna vertebral e o nervo hipoglosso também estão entre os nervos cranianos no cérebro. O nervo vago ajuda nas funções motoras e sensoriais, auxiliando nos processos de digestão, frequência cardíaca e funcionamento glandular. O nervo acessório espinhal ajuda a controlar os músculos envolvidos nos movimentos da cabeça. O nervo hipoglosso é responsável por controlar os movimentos musculares da língua.

Quais são os 12 nervos cranianos?

Nervos são encontrados em todo o corpo humano, e alguns dos nervos mais importantes se originam no cérebro. Doze nervos cranianos existem em humanos.

Cada nervo serve uma função sensorial, motora ou dupla.

Constituem os 12 nervos cranianos: oculomotor, troclear, abducente, acessório, hipoglosso, olfatório, óptico, vestibulococlear, facial, trigêmeo, glossofaríngeo e vago.

Três dos 12 nervos cranianos acima mencionados operam principalmente para receber estímulos do ambiente externo e, portanto, estão associados aos sentidos. O primeiro desses nervos sensoriais é o nervo óptico, que transmite impulsos visuais ao cérebro que acabarão ajudando a pessoa a enxergar. Este nervo craniano está localizado no canal óptico. O nervo responsável pela transmissão do olfato – o nervo olfatório – é encontrado em uma área ao redor da cavidade nasal. Esses dois nervos são os dois únicos dos 12 nervos cranianos que emergem da porção cerebral do cérebro. Os nervos cranianos nos canais auditivos, denominados nervos vestibulococleares, têm dupla função, pois carregam impulsos sonoros relacionados ao equilíbrio e à audição.

Dos 12 pares de nervos cranianos, cinco são nervos motores que ajudam o cérebro a direcionar os movimentos do corpo. Os movimentos oculares são auxiliados pelos nervos oculomotores, pelos nervos trocleares e pelos nervos abducentes, todos localizados na fissura orbital do crânio. O último se origina na ponte do cérebro, com os dois primeiros originados no mesencéfalo. Os nervos acessório e hipoglosso enviam impulsos do cérebro que controlam os músculos da parte superior do corpo e a língua, respectivamente. Esses nervos motores finais se originam em torno da coluna e da medula do cérebro.

Os quatro nervos cranianos restantes possuem capacidades sensoriais e motoras. O nervo trigêmeo deriva da ponte, assim como o nervo facial. Os nervos trigêmeos transmitem impulsos faciais ao cérebro e enviam impulsos para a boca que ajudam a instigar a mastigação. Por outro lado, os nervos faciais enviam impulsos do cérebro que controlam os movimentos faciais e transmitem impulsos da boca para o cérebro. O nervo glossofaríngeo localizado na medula ajuda o cérebro a controlar os músculos relacionados à produção de saliva, à deglutição e ao reflexo do coração, além de transportar impulsos para o cérebro da faringe e da boca, relacionados ao paladar. Finalmente, o nervo vago da medula controla os músculos da garganta e fornece informações sensoriais sobre temperatura, pressão e sabor.

Memorizar 12 itens distintos pode ser difícil. Portanto, muitos estudiosos criaram um mnemônico para os nervos cranianos para ajudar a reter a informação. Um dispositivo popular de retenção de memória envolve a composição de uma frase em que cada palavra contém a letra ou letras iniciais de cada nervo. Alguns exemplos incluem “No topo da torre do Velho Olimpo, um alemão de vestes finas viu alguns lúpulos” e “o velho Opie ocasionalmente experimenta trigonometria e se sente muito sombrio, vago e hipoativo”.

O que é o sétimo nervo craniano?

Os nervos cranianos são nervos que se originam no cérebro e não na medula espinhal. Existem 12 nervos emparelhados. O sétimo nervo craniano, o nervo facial, origina-se no tronco encefálico entre a ponte e a medula. Controla o movimento dos músculos da expressão facial. Está envolvida no transporte do paladar dos sensores na língua para o cérebro e fornece fibras pré-ganglionares parassimpáticas para a região da cabeça e pescoço.

A maior porção do sétimo nervo craniano é composta de fibras motoras branquiais. Essas fibras se originam no núcleo do nervo facial na ponte, uma parte do tronco cerebral. As fibras motoras branquiais vão da ponte até os músculos da face, onde controlam os movimentos envolvidos em expressões faciais, como sorrir e franzir a testa. Piscar também é controlado em parte por esse nervo. Também enerva os músculos digástrico e estilo-hióideo, que estão localizados abaixo do queixo.

A porção motora visceral do sétimo nervo craniano enerva as glândulas submandibulares e sublinguais, duas das glândulas salivares da boca. O nervo facial controla a produção de saliva dessas glândulas. Também controla a produção de lágrimas através da glândula lacrimal no olho.

O ramo sensorial especial do nervo facial transmite sensações gustativas da parte posterior da língua para o cérebro. Também inerva a orofaringe, a parte da garganta que começa na base da língua e inclui a tonsila e o palato mole. O ramo sensorial geral, a outra parte do sétimo nervo craniano envolvida em estímulos sensoriais, transporta sinais sensoriais de uma pequena área da pele atrás da orelha.

Se uma pessoa for capaz de mover voluntariamente o rosto em expressões típicas, como franzir a testa, sobrancelhas erguidas ou sorrir, o nervo facial estará funcionando normalmente. Assimetrias não intencionais, como apenas um lado da boca levantando um sorriso, podem indicar danos ao sétimo nervo craniano.

Gosto geralmente é testado esfregando a língua com uma substância com sabor, e se a parte anterior da língua não for capaz de provar, também pode ser um sinal de dano potencial do nervo facial.

Lesões no sétimo nervo craniano, como as que ocorrem na paralisia do nervo facial, podem causar fraqueza nos músculos faciais. Paralisia facial é outro possível distúrbio envolvendo esse nervo. A paralisia facial pode ser causada pela doença de Lyme ou por alguns tipos de vírus.

Qual é o oitavo nervo craniano?

Nervos no cérebro são chamados nervos cranianos. Existem 12 pares deles, cada um com funções sensoriais ou motoras específicas. Um desses nervos é o nervo vestivulococlear, também conhecido como o oitavo nervo craniano. É composto por dois ramos sensoriais, o nervo vestibular e o nervo coclear ou auditivo. A audição é a função do nervo coclear, enquanto o sentido da posição do corpo vem do nervo vestibular.

O oitavo nervo craniano surge do tronco encefálico, que está conectado à medula espinhal e está localizado na base do crânio. Viaja da parte interna da orelha para o cérebro. No ouvido interno estão as células receptoras que recebem vibrações de som e ruído do lado de fora, que então estimulam o nervo coclear a enviar esses sons para o cérebro para interpretação. Os movimentos da cabeça também afetam o fluido dentro da orelha e estimulam o nervo vestibular a enviar informações ao cérebro sobre o sentido de equilíbrio ou posição do corpo.

Lesões ou danos em qualquer ramo do oitavo nervo craniano freqüentemente resultam em vários sintomas. Quando o nervo coclear é afetado, as manifestações incluem zumbido ou zumbido nos ouvidos, deficiência auditiva e surdez. A perda auditiva geralmente se deve à exposição ao ruído, à otite média ou à inflamação da parte média da orelha, à impactação ou bloqueio da cera do ouvido e à presbiacusia. Presbiacusia é um termo que se refere à perda auditiva provocada pela velhice. Alguns bebês também podem nascer com defeitos no nervo coclear e tornarem-se surdos por toda a vida.

Quando o ramo vestibular do oitavo nervo craniano é afetado por lesão ou doença, os sintomas geralmente incluem tontura, náusea, ataxia, vômito e nistagmo.

Ataxia significa instabilidade ou instabilidade ao fazer movimentos voluntários. O nistagmo denota movimentos oculares rápidos anormais e involuntários. Os pacientes afetados também apresentam vertigem ou a falsa sensação de que o ambiente está girando. As causas freqüentemente incluem tumores, doenças degenerativas, neurite vestibular e intoxicação por medicamentos ou álcool.

O diagnóstico de lesões nesse nervo é freqüentemente feito por um neurologista, um médico que trata doenças do sistema nervoso. Ele geralmente leva a história médica e familiar do paciente e, em seguida, realiza testes especiais para avaliar as funções do oitavo nervo craniano. Outras ferramentas de diagnóstico que também podem ser úteis incluem a ressonância magnética ( MRI ) e tomografia computadorizada (TC). O tratamento geralmente depende da causa dos sintomas do paciente.

O que é o nervo vestibulococlear?

O nervo vestibulococlear é um nervo sensitivo que conduz a informação auditiva e vestibular do ouvido interno para o cérebro. As funções auditivas gerenciam a audição, enquanto as funções vestibulares servem para manter o equilíbrio e a consciência da posição do corpo. Esse nervo fornece informações puramente sensoriais e é o oitavo nervo craniano. Todos os 12 nervos cranianos surgem do tronco encefálico, uma área próxima à base do cérebro, logo acima da medula espinhal, e viajam para fornecer movimento e sensação ao rosto e pescoço.

Uma vez referido como o nervo auditivo ou acústico, o nervo vestibulococlear começa na medula oblonga, ou na parte inferior do tronco encefálico. Em seguida, ele viaja ao lado do nervo facial e entra no ouvido interno através do meato acústico interno, um orifício no osso temporal do crânio. Aqui, ele se divide nos nervos coclear e vestibular, que fornecem sinais de audição e equilíbrio, respectivamente.

O nervo coclear se estende para a cóclea, um tubo ósseo em forma de caracol no ouvido interno responsável pela audição. Vibrações sonoras do mundo exterior entram no ouvido e são transmitidas através do fluido no tubo da cóclea. Quando essas vibrações físicas atingem o órgão de Corti na cóclea, as vibrações se chocam com as células ciliadas, que são pequenas projeções ciliadas. As células ciliadas amplificam a força das vibrações e as convertem de movimento físico em impulsos elétricos. Os impulsos são então transmitidos para o gânglio espiral, um grupo de células nervosas que emergem do nervo coclear, e depois repassados através do nervo vestibulococlear até o cérebro, onde o som é processado.

O ramo vestibular do nervo viaja em direção aos canais semicirculares, que se combinam com a cóclea para formar o labirinto da orelha interna. Os canais semicirculares são um conjunto de três tubos loopy que registram a posição do corpo monitorando o movimento do fluido dentro deles. O nervo vestibular recebe informações sensoriais dos canais semicirculares através do gânglio de Scarpa, um aglomerado de células nervosas emergindo do final do nervo. Essa informação posicional é então levada ao cérebro, que pode processar a informação e ajudar o corpo a alcançar o equilíbrio.

Se o nervo vestibulococlear estiver danificado, um paciente pode apresentar perda auditiva, náusea, tontura grave, dificuldade para manter o equilíbrio e zumbido no ouvido. A neurite vestibular ocorre quando há uma infecção viral do ramo vestibular do nervo e a neuronite vestibular refere-se a uma infecção das células no gânglio de Scarpa. Não está claro para os cientistas onde essas infecções geralmente começam – nos nervos ou gânglios – ou qual vírus é normalmente o culpado.

Alguns pesquisadores propuseram que o vírus geralmente pertence à família do herpes ou pode ser parte de uma infecção sistêmica ou do corpo inteiro. Se o nervo coclear também estiver envolvido, é chamado labirintite.

O que é o nervo glossofaríngeo?

O nervo glossofaríngeo é também chamado de nono nervo craniano. Os nervos cranianos são nervos vitais que surgem do cérebro que ajudam o cérebro a controlar os músculos, processar os cinco sentidos e controlar as glândulas do corpo. Como o próprio nome indica, o nervo glossofaríngeo se origina no cérebro próximo à base do crânio, sai do crânio através de um grande buraco chamado forame jugular e termina na parte posterior da boca e da garganta. O nervo glossofaríngeo permite a percepção do paladar na porção mais posterior da língua, proporciona sensações de dor e toque na garganta e na língua e exerce controle sobre os músculos usados durante a deglutição.

É difícil avaliar o nervo glossofaríngeo sozinho, mas os médicos tipicamente examinam o reflexo de vômito e o gosto na língua posterior para determinar a função glossofaríngea. As lesões isoladas do nono nervo são extremamente raras. Tumores na junção entre o cerebelo e a ponte no tronco encefálico podem danificar o oitavo nervo, que media o equilíbrio e a audição, bem como o nono nervo. Massas próximas ao forame jugular podem comprimir o nono, décimo e décimo primeiro nervos. A difteria pode causar paralisia do nono nervo. Os surtos de inconsciência associados à deglutição, chamada síncope de andorinha, são complicações raras de lesões do nono e décimo nervos.

Anormalidades do nervo glossofaríngeo causam dificuldade de deglutição. Os pacientes afetados notarão um gosto prejudicado do terço posterior da língua e do palato. Pode haver sensibilidade reduzida ao toque ou dor na parte posterior da língua, palato e garganta. O reflexo de vômito está ausente nesses casos.

Disfunção da glândula parótida leva à diminuição da produção de saliva e boca seca.

Com crises que duram de segundos a minutos, a neuralgia do glossofaríngeo é uma condição na qual ataques recorrentes de dor excruciante ocorrem no ouvido, garganta, amígdalas e língua. A causa da nevralgia é a irritação do nervo glossofaríngeo devido à pressão de vasos sanguíneos próximos, tumores, tumores, ou infecções na base do crânio, boca ou garganta. Atividades de desencadeamento para as crises de dor incluem engolir, falar, rir, tossir ou mastigar. Batimentos cardíacos lentos e desmaios ocorreram com episódios severamente dolorosos. Quando um tratamento cirúrgico não é óbvio, os medicamentos anti-convulsivos, como gabapentina, fenitoína e carbamazepina, e alguns antidepressivos, como a amitriptilina, são eficazes no controle dos sintomas.

Em operações neurocirúrgicas próximas à base do crânio, existe o risco de lesões nos nervos cranianos, incluindo o nervo glossofaríngeo, que pode ser evitado com o monitoramento durante o caso. Estimulação elétrica de troncos nervosos e registros eletromiográficos facilitam a identificação dos nervos cranianos antes do início da operação. Essas técnicas também monitoram os nervos cranianos durante a remoção cirúrgica dos tumores localizados na base do crânio. À medida que a remoção do tumor progride, o cirurgião pode certificar-se de que o trauma cirúrgico no nervo não aconteça, observando as alterações relacionadas à magnitude, forma e contorno das respostas.

O que é o nervo troclear?

O nervo troclear, também conhecido como o quarto nervo ou o quarto nervo craniano, está localizado perto do cérebro e serve ao músculo oblíquo superior do olho. Ele tem várias características únicas, pois contém o menor número de axônios de qualquer um dos 12 nervos cranianos e é o mais longo. Além disso, de todos os nervos cranianos, é o único que se origina no lado oposto do corpo do músculo que serve, e é o único que sai da parte de trás do tronco cerebral.

Existem dois nervos trocleares, um para cada olho, e eles são encontrados não apenas em humanos, mas em todos os vertebrados que possuem mandíbula.

A função do nervo troclear se concentra em um único músculo que trabalha para mover o olho. O movimento possibilitado pelo músculo oblíquo superior do olho inclui rolar o olho para cima e para baixo e movê-lo em direção ao nariz, ou “cruzar” os olhos. O músculo em si se liga à parte de trás do globo ocular, mas um tendão que se estende a partir dele se liga à parte superior do globo ocular e exerce pressão através de uma estrutura semelhante a uma polia. Essa estrutura explica o nome do nervo, troclear, que significa “polia” em latim.

O papel desse nervo no controle dos movimentos do olho é o motivo pelo qual os danos nos nervos trocleares podem levar a problemas de visão. Em particular, uma lesão no nervo troclear em um olho pode impedir a capacidade do olho de se mover em sincronia com o outro olho, muitas vezes causando visão dupla. Esta condição é também referida como paralisia do nervo troclear. É frequentemente diagnosticada pela tendência do paciente de manter a cabeça inclinada para aliviar a visão dupla.

Alfred Bielschowsky, um oftalmologista da Alemanha, desenvolveu o teste de inclinação da cabeça usado para diagnosticar a paralisia do nervo troclear. A maioria do trabalho de Bielschowsky foi realizada na primeira metade do século XX. Embora a inclinação da cabeça possa ser causada por outras condições, o teste de inclinação da cabeça de Bielschowsky permanece em uso hoje como uma ferramenta de diagnóstico. Mais comumente, a paralisia do nervo troclear ocorre como resultado de traumatismo craniano, embora também tenha sido diagnosticada em conjunto com condições como esclerose múltipla, diabetes e aterosclerose.

Dados exatos sobre a frequência da paralisia do nervo troclear são incertos, porque muitos pacientes simplesmente compensam a visão dupla através do movimento da cabeça. Para aqueles que não são mais capazes de alcançar resultados aceitáveis com compensação, o tratamento geralmente envolve cirurgia. As inovações cirúrgicas desenvolvidas na década de 1970 melhoraram muito as opções e a eficácia do tratamento.

O que é o Nervo Vago?

O nervo vago, que vai do tronco encefálico até os órgãos do tórax e do abdome, envia e recebe mensagens para controlar o funcionamento do sistema digestivo, do coração, dos pulmões e de algumas glândulas. O nervo mais longo do crânio, tem múltiplos ramos que influenciam muitos órgãos. Os receptores sensoriais transmitem informações vitais através deste nervo dos órgãos e do ouvido para o cérebro. Os impulsos nervosos do cérebro controlam as contrações musculares dos órgãos digestivos, pulmões e coração como parte do sistema nervoso autônomo. Esse nervo também é chamado de nervo craniano X, pois é o décimo dos 12 pares de nervos cranianos.

Muitos aspectos da digestão são controlados pelo nervo vago. Em primeiro lugar, é estimulado pelo cheiro, visão e sabor da comida ao entrar na boca. Isso coloca em movimento a liberação de ácidos estomacais e sucos digestivos. Ramos do nervo influenciam a deglutição, enquanto outros controlam o peristaltismo, a contração dos músculos do sistema digestivo que movimentam a comida. A excreção de resíduos é influenciada pelos ramos do nervo que atingem o cólon e os rins.

A frequência cardíaca e a pressão sanguínea são influenciadas por esse nervo. Como parte do sistema nervoso parassimpático, seus efeitos são reduzir a frequência cardíaca e a pressão arterial. Nos pulmões, o nervo vago atua para contrair os brônquios, fazendo com que os músculos lisos se contraiam. Um ramo do nervo controla os músculos que movem as pregas vocais dentro da laringe, e os danos podem causar rouquidão ou outras alterações na voz.

Estimulação do nervo vago é um tratamento que foi aprovado em alguns países para crises epilépticas. Um implante envia impulsos elétricos para o cérebro através deste nervo. Pacientes com epilepsia que sentem uma crise iminente podem ativar o sistema na tentativa de impedir que isso aconteça. Embora apenas uma pequena porcentagem dos pacientes não tenha mais convulsões, a estimulação do nervo vago diminui a frequência das convulsões em aproximadamente dois terços das pessoas que o utilizam. Pesquisas indicam que o tratamento pode ser útil em pacientes que sofrem de depressão que não respondem à medicação, bem como no tratamento da insuficiência cardíaca.

Durante períodos de estresse extremo, o nervo vago pode ser superativado. Isso faz com que o ritmo cardíaco e a pressão sanguínea caiam o suficiente para que o suprimento de sangue suficiente para o cérebro seja interrompido. O resultado é a síncope vasovagal – ou desmaio – causada pela estimulação súbita do nervo.

Uma pessoa afetada se sentirá quente, nauseada e tonta antes de perder a consciência. Muitas coisas, além do estresse, podem desencadear a síncope vasovagal, inclusive permanecer parado por longos períodos de tempo, ver sangue ou procedimentos médicos, ou levantar-se muito rapidamente.

Anatomia e terminologia do nervo craniano

Os nervos espinhais emergem sequencialmente da medula espinal, com o nervo espinhal mais próximo da cabeça (C1) emergindo no espaço acima da primeira vértebra cervical. Os nervos cranianos emergem do sistema nervoso central acima desse nível.

Cada nervo craniano está emparelhado e está presente em ambos os lados. A numeração dos nervos cranianos é baseada na ordem em que eles emergem do cérebro, de frente para trás (tronco cerebral).

Os nervos terminais, nervos olfativos (I) e nervos ópticos (II) emergem do cérebro ou do prosencéfalo, e os dez pares restantes surgem do tronco encefálico, que é a parte inferior do cérebro. Os nervos cranianos são considerados componentes do sistema nervoso periférico.

No entanto, em um nível estrutural, os nervos olfativo, óptico e terminal são mais precisamente considerados parte do sistema nervoso central.

Os doze nervos cranianos são mostrados na figura abaixo, seguidos por breves descrições.

Nervos Cranianos
Esta é uma visão superior de um cérebro.

As localizações dos 12 nervos cranianos no cérebro são identificadas: o nervo olfativo, nervo óptico, nervo oculomotor, nervo troclear, nervo trigêmeo, nervo abducente, nervo facial, nervo vestibulococlear, nervo glossofarengeano, nervo vago, nervo acessório espinhal e hipoglosso nervo.

Devido à importância clínica dos nervos cranianos, discutiremos as principais funções de cada um e alguns dos sintomas comuns observados quando os nervos são danificados:

Nervo Craniano 1 (CN I): Olfativo

Função principal: Sensorial – Cheiro (olfato)

Lesão: perda do olfato no lado afetado

* Nota: A perda do olfato não necessariamente confirma uma lesão CN I como uma infecção do trato respiratório superior, etc., também pode diminuir o olfato.

Nervo Craniano 2 (CN II): Ótica

Função Principal: Sensorial – Visão

Lesão: cegueira no lado afetado e perda do reflexo de luz pupilar (descrito posteriormente)

Nervo Craniano 3 (CN III): Oculomotor

Função principal: Motor somático para quatro dos seis músculos extrínsecos que movem o olho

Inervação da ANS: Parassimpático ao esfíncter do músculo pupilar para constrição da pupila

Lesão: desvio do olho que causa visão dupla, dilatação da pupila e perda do reflexo de luz pupilar

Nervo Craniano 4 (CN IV): Troclear

Função principal: Motor somático ao músculo ocular oblíquo superior

Lesão: desvio dos olhos causando visão dupla

Nervo Craniano 5 (CN V): Trigêmeo

Função principal: Sensorial – Senso geral da face e da testa (incluindo sensação de grande parte da boca e dos 2/3 anteriores da língua)

Motor: Motor somático aos músculos da mastigação (músculos mastigatórios)

Lesão: Perda de sensibilidade no rosto e testa ou aumento da sensibilidade à dor conhecida como neuralgia do trigêmeo. (Descrito depois). Além disso, a fraqueza muscular dos músculos da mastigação

Nervo Craniano 6 (CN VI): abducente

Função principal: Motor somático ao músculo lateral do músculo reto

Lesão: desvio medial do olho causando visão dupla

Nervo Craniano 7 (CN VII): Facial

Função principal: Sensorial – Gosto dos 2/3 anteriores da língua e Motor – Somatic Motor para os músculos da expressão facial

Inervação da ANS: Parassimpático para glândulas salivares e glândulas lacrimais

Lesão: Paralisia facial freqüentemente chamada de paralisia facial ou de Bell. Diminuição da capacidade de paladar (particularmente nos 2/3 anteriores da língua). Salivação e lacrimejamento diminuídos (lacrimejamento)

Nervo Craniano 8 (CN VIII): Vestibulococlear

Este nervo é composto de fibras de dois ramos: o nervo vestibular e o nervo coclear, cada um com funções específicas

Função Major: Sensorial – O ramo vestibular sente o equilíbrio. Ramo coclear se para audição.

Lesão: Vestibular – Se apenas o ramo vestibular estiver danificado, resultará em perda de equilíbrio e tontura (vertigem). Coclear – Se apenas o ramo da cóclea estiver danificado, isso resultaria em perda de audição. Se a lesão ocorrer após os dois ramos convergirem, você poderá ter uma combinação dos sintomas acima.

Nervo Craniano 9 (NC IX): Glossofaríngeo

Função principal: Motor somático para engolir os músculos da garganta e Sensorial – Sabor para o 1/3 posterior da língua e Sensorial da faringe, corpo carotídeo e seio carotídeo

Inervação da ANS: Parassimpático para glândulas salivares

Lesão: dificuldade em engolir, perda do paladar (principalmente 1/3 posterior da língua), diminuição da capacidade de sentir e responder às alterações da pressão arterial e diminuição da salivação

Nervo Craniano 10 (NC X): Vago

Função Major: Motor – Motor Somático para os músculos da garganta envolvidos na deglutição e fala e Sensorial – Gosto da língua posterior. Além disso, sensorial da garganta, órgãos torácicos e abdominais

Inervação da ANS: Parassimpático para os órgãos torácicos e abdominais, regulando coisas como freqüência cardíaca e respiratória e peristaltismo gastrointestinal, etc.

Lesão: dificuldade para engolir e desvio da cavidade da fala rouca para longe do lado da lesão

Nervo Craniano 11 (CN XI): Acessório

Função Major: Motor somático para os músculos esternocleidomastoideo e trapézio

Lesão: fraqueza muscular e dificuldade para virar a cabeça e elevar a escápula

Nervo Craniano 12 (NC XII): Hipoglosso

Função Major: Motor – Motor Somático para os músculos da língua e da garganta

Lesão: desvio da língua para o lado da lesão; dificuldade em manipular comida com a língua e dificuldade para engolir.

Fonte: faculty.washington.edu/courses.lumenlearning.com/www.wisegeek.org/www.britannica.com/radiopaedia.org/www.ncbi.nlm.nih.gov/pathology.duke.edu/content.byui.edu

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fratura de Úmero

PUBLICIDADE Definição A fratura do úmero é uma lesão no osso do braço que liga o ombro …

Vértebras Torácicas

PUBLICIDADE Definição Vértebras torácicas são os doze segmentos vertebrais (T1-T12) que compõem a coluna torácica. Essas …

Coluna Vertebral

Coluna Vertebral

PUBLICIDADE Definição Uma série de vértebras que se estende do crânio até a parte inferior …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+