Breaking News
Home / Corpo Humano / Mucosa gástrica

Mucosa gástrica

PUBLICIDADE

Definição

A mucosa gástrica é a camada de membrana mucosa do estômago que contém as glândulas e as cavidades gástricas e que reveste o interior do estômago.

Em humanos, tem cerca de 1 mm de espessura e sua superfície é lisa, macia e aveludada.

A mucosa gástrica é composta de três camadas: epitélio, lâmina própria e muscular da mucosa.

O que é Mucosa gástrica?

A mucosa gástrica é uma camada do estômago composta de epitélio, lâmina própria e muscular da mucosa.

O epitélio cobre a superfície da mucosa gástrica e consiste de uma única camada de células colunares que secretam um fluido espesso, escorregadio e claro chamado muco, bem como um fluido alcalino.

Muco e fluido alcalino fornecem proteção ao epitélio contra lesão mecânica e ácido gástrico.

A superfície da mucosa gástrica também contém numerosas aberturas de dutos chamadas fossas gástricas, nas quais uma ou mais glândulas gástricas estão vazias.

A mucosa gástrica é dividida em três regiões, incluindo a região glandular cardíaca localizada logo abaixo do esfíncter esofágico inferior, a região glandular oxíntica localizada no corpo e no fundo do olho, e a região glandular pilórica localizada no antro.

Ambas as regiões glandular cardíaca e pilórica contêm principalmente células glandulares secretoras de muco, mas esta última também contém células gastrina (células G), que secretam o hormônio gastrina.

O oxíntica (formação de ácido) região glandular contém três tipos de células, incluindo as células secretoras de muco do pescoço da mucosa, parietal ou células que secretam oxínticas ácido clorídrico e fator intrínseco, e pepsinogénios secretoras péptica ou células principais.

Mucosa gástrica
A região glandular pilórica da mucosa gástrica secreta gastrina

A gastrina promove a secreção de ácido clorídrico e pepsinogénios, estimulando as células parietais e as células pépticas.

O ácido clorídrico decompõe os alimentos, mata os microrganismos mais ingeridos e catalisa a conversão do pepsinogênio inativo em pepsina ativa, responsável pela digestão das proteínas.

Os pepinogênios estão contidos nos grânulos de zimogênio nas células pépticas ou principais e são liberados por exocitose.

A presença de ácido clorídrico fornece as condições acídicas necessárias para a conversão do pepsinogénio em pepsina. O fator intrínseco liga a vitamina B12 e permite que ela seja absorvida no íleo.

Os fatores básicos que estimulam as secreções gástricas são a acetilcolina, a gastrina e a histamina.

A acetilcolina estimula a secreção de muco pelas células mucosas, ácido clorídrico pelas células parietais ou oxínticas e pepsinogênio pelas células pépticas ou principais.

A gastrina e a histamina exercem seus efeitos apenas nas células parietais ou oxínticas.

Durante a função gástrica normal, as células epiteliais da superfície são normalmente esfoliadas no lúmen. Essas células são substituídas por células regenerativas, que têm a capacidade de se diferenciar em células epiteliais colunares e de migrar para sua nova localização. Além disso, essas células são células-tronco colunares intercaladas entre as células do colo mucoso. O estômago usa essas células para reparar danos epiteliais à superfície.

Existem também células do sistema neuroendócrino difuso (DNES) dispersas entre as outras células epiteliais da mucosa gástrica. As células DNES são tipos de células endócrinas em diversos locais do corpo. Essas células secretam substâncias semelhantes a hormônios.

O que é Mucosa?

A mucosa, também conhecida como membrana mucosa, é uma camada de células macias, úmidas e rosadas que reveste diversas passagens e cavidades do corpo com aberturas expostas ao ambiente externo.

É comumente encontrada nos tratos digestivo, respiratório, reprodutivo e urinário do corpo.

O termo “mucosa” é a forma singular da membrana mucosa; mais de uma mucosa requer o uso do termo “mucosa”.

A membrana mucosa é assim chamada porque segrega o muco. Esta é uma substância viscosa e escorregadia que age como a secreção protetora da membrana.

Um dos principais constituintes do muco é a glicoproteína mucina, que é produzida por células epiteliais especializadas chamadas células caliciformes na membrana mucosa. É este componente que é responsável pela textura do muco, uma vez que é notavelmente responsável pela formação de material gelatinoso.

A mucosa – ou melhor, o muco que ela segrega – é mais frequentemente associada às narinas do nariz. A membrana, no entanto, pode ser encontrada em vários outros locais do corpo. Isso inclui o abertura exterior do tubo digestivo, genitália, orelhas, pálpebras, boca e lábios.

O principal objetivo da mucosa é fornecer a área onde ela está localizada com lubrificação. Isso diminui a restrição de substâncias ou materiais que vão de um lugar para outro no corpo. Ele também atua como um escudo protetor contra agentes nocivos, prendendo-os para interromper suas atividades pretendidas.

A mucosa nasal, que provê o revestimento mucoso das narinas entre outras partes da cavidade nasal, é provavelmente o tipo mais conhecido dessa membrana.

Impede que agentes como poeira, bactérias, alérgenos e poluentes entrem no sistema respiratório. A mucosa nasal também inclui a mucosa olfatória, que pode ser encontrada na cavidade nasal superior e contém as terminações nervosas necessárias para o sentido do olfato.

A mucosa intestinal é outro tipo notável da membrana mucosa.

Ele reveste a camada mais interna dos intestinos do corpo e é, na verdade, uma combinação de três tipos de tecido: o epitélio, a lâmina própria e a mucosa muscular.

Quando os seres humanos comem alimentos, a membrana mucosa intestinal entra em contato direto com ela e é amplamente responsável por dividir os alimentos em partes pequenas o suficiente para a absorção. Também desempenha um papel na secreção de muco, entre outras substâncias.

Estrutura do estômago

A comida começa a ser digerida e absorvida no estômago, embora a absorção seja principalmente limitada à água, álcool e algumas drogas. O estômago é uma bolsa expansível e musculosa e mantém o alimento ingerido dentro dele, contraindo o esfíncter muscular pilórico. A comida pode ficar no estômago por 2 horas ou mais. A comida é quebrada quimicamente, pelo suco gástrico, e mecanicamente, pela contração das três camadas de músculo liso na camada externa muscular. A comida quebrada no final deste processo é chamada de quimo.

O suco gástrico é secretado pelas glândulas mucosas gástricas e contém ácido clorídrico, muco e enzimas proteolíticas, pepsina (que decompõe as proteínas) e lipase (que decompõe as gorduras).

Quando o estômago está vazio e não distendido, o revestimento é lançado em dobras chamadas rugas. Depois de comer, essas dobras se achatam e o estômago é capaz de se distender bastante.

Sistema digestivo humano – Mucosa gástrica

A superfície interna do estômago é revestida por uma membrana mucosa conhecida como mucosa gástrica.

A mucosa é sempre coberta por uma camada de muco espesso que é secretada por altas células epiteliais colunares.

O muco gástrico é uma glicoproteína que serve a dois propósitos: a lubrificação das massas alimentares para facilitar o movimento dentro do estômago e a formação de uma camada protetora sobre o epitélio de revestimento da cavidade do estômago.

Essa camada protetora é um mecanismo de defesa que o estômago tem contra ser digerido por suas próprias enzimas de polimerização de proteínas, e é facilitado pela secreção de bicarbonato na camada superficial da mucosa subjacente.

A acidez, ou concentração de íons hidrogênio, da camada mucosa mede pH7 (neutro) na área imediatamente adjacente ao epitélio e se torna mais ácida (pH2) no nível luminal. Quando o muco gástrico é removido do epitélio superficial, pequenos buracos, chamados foveolae gastricae, podem ser observados com uma lupa.

Existem aproximadamente 90 a 100 cavidades gástricas por milímetro quadrado (58.000 a 65.000 por polegada quadrada) de epitélio de superfície. Três a sete glândulas gástricas individuais esvaziam suas secreções em cada cavidade gástrica.

Abaixo da mucosa gástrica está uma fina camada de músculo liso chamada muscularis mucosae, e abaixo dela, por sua vez, está o tecido conjuntivo frouxo, a submucosa, que prende a mucosa gástrica aos músculos das paredes do estômago.

A mucosa gástrica contém seis tipos diferentes de células.

Além das altas células epiteliais de superfície colunar mencionadas acima, existem cinco tipos de células comuns encontradas nas várias glândulas gástricas:

1) As células mucóides secretam muco gástrico e são comuns a todos os tipos de glândulas gástricas. As células mucóides são o principal tipo celular encontrado nas glândulas gástricas nas áreas cardíaca e pilórica do estômago. Os pescoços das glândulas no corpo e partes fúndicas do estômago são revestidos de células mucoides.

2) Células zimogênicas, ou principais, estão localizadas predominantemente nas glândulas gástricas do corpo e porções fúndicas do estômago. Estas células secretam pepsinogénio, a partir do qual se forma a enzima proteolítica (digerindo proteínas) pepsina. Existem duas variedades de pepsinogênio, conhecidas como pepsinogênio I e pepsinogênio II. Ambos são produzidos nas células mucosas e zimogênicas nas glândulas do corpo do estômago, mas as glândulas mucosas localizadas em outras partes do estômago produzem apenas pepsinogênio II. Esses estímulos que causam a secreção de ácido gástrico – em particular, a estimulação do nervo vago – também promovem a secreção dos pepinogênios.

3) As células da gastrina, também chamadas de células G, estão localizadas em todo o antro. Estas células endócrinas secretam o hormônio estimulante do ácido gastrina como uma resposta à acidez reduzida do conteúdo gástrico quando o alimento entra no estômago e distensão gástrica. A gastrina entra então na corrente sanguínea e é transportada na circulação para a mucosa do corpo do estômago, onde se liga a locais receptores na membrana externa das células parietais. O complexo gastrina-receptor que é formado desencadeia uma reação de consumo de energia moderada pela presença da enzima ATPase, ligada à membrana que leva à produção e secreção de íons de hidrogênio nas células parietais.

4) Células parietais ou oxínticas, encontradas nas glândulas do corpo e porções fúndicas do estômago, secretam íons de hidrogênio que se combinam com íons de cloreto para formar ácido clorídrico (HCl). O ácido que é produzido drena para o lúmen da glândula e depois passa para o estômago. Este processo ocorre apenas quando um ou mais tipos de receptores na membrana externa da célula parietal estão ligados à histamina, gastrina ou acetilcolina. As prostaglandinas, substâncias semelhantes a hormônios presentes em praticamente todos os tecidos e fluidos corporais, inibem a secreção de ácido clorídrico. As drogas omeprazol (Losec ™ ou Prilosec ™) e lansoprazol (Prevacid ™) também inibem a secreção ácida pelas células parietais e são usadas como tratamento para a úlcera péptica. As células parietais produzem a maior parte da água encontrada no suco gástrico; eles também produzem glicoproteínas chamadas fator intrínseco, que são essenciais para a maturação das células vermelhas do sangue, absorção da vitamina B12 e a saúde de certas células do sistema nervoso central e periférico.

5) Células endócrinas chamadas de células enterocromafins, por causa de suas características de coloração, estão espalhadas por todo o corpo do estômago. Células tipo enterocromafina secretam várias substâncias, incluindo o hormônio serotonina.

Mecanismos de defesa da mucosa gástrica: uma breve revisão.

No estômago, vários mecanismos de defesa da mucosa protegem o estômago contra o ácido clorídrico e agentes nocivos.

A proteção pré-epitelial é composta pela barreira muco-bicarbonato. O muco e o bicarbonato, secretados pelas células do muco, criam um gradiente de pH que mantém a superfície da célula epitelial a um pH quase neutro.

Em humanos, a secreção de bicarbonato é um processo ativo e é ativada pela estimulação vagal e distensão fúndica.

Vários mecanismos no nível das células epiteliais contribuem para uma barreira mucosa intacta. Surfactantes em membranas celulares apicais evitam que agentes solúveis em água no lúmen gástrico atinjam e danifiquem o epitélio.

Os sulfidrilos não protéicos no epitélio são capazes de se ligar aos radicais livres reativos.

A rápido renovação celular e o processo de restituição contribuem para um revestimento epitelial intacto.

Na proteção subepitelial, o fluxo sangüíneo da mucosa é essencial para suprir o epitélio com nutrientes e oxigênio e para descartar íons de hidrogênio e agentes nocivos que permeiam a mucosa.

As prostaglandinas podem manter o fluxo sanguíneo e prevenir lesões endoteliais vasculares causadas pelo etanol.

Vários agentes foram estabelecidos como protetores da mucosa gástrica.

As prostaglandinas possuem ações citoprotetoras diretas, enquanto sucralfato, antiácidos contendo alumínio, carbenoxolona e bismuto são irritantes suaves que induzem a liberação de prostaglandinas endógenas da mucosa.

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/www.humpath.com/www.wisegeek.org/www.britannica.com/www.histology.leeds.ac.uk/www.biology-online.org

Veja também

Mesentério

PUBLICIDADE Definição de Mesentério O mesentério é um conjunto contínuo de tecidos localizados no abdômen. …

Músculo esquelético

Músculo Esquelético

PUBLICIDADE O sistema muscular é responsável pelo movimento do corpo humano, postura, movimento de substâncias …

Arterial Renal

Artéria Renal

PUBLICIDADE Definição A maioria das pessoas tem duas artérias renais, que são vasos sanguíneos importantes que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.