Breaking News
Home / Corpo Humano / Sistema Imunológico

Sistema Imunológico

PUBLICIDADE

sistema imunológico consiste de um sistema complicado de células especializadas de vários órgãos, defendendo o corpo de invasores externos a ele, como os vírus (gripe, por exemplo), bactérias, parasitas e câncer.

A resposta imunológica é desencadeada por uma sustância estranha ao corpo chamada antígeno. Este pode ser um vírus ou uma bactéria, ou mesmo células ou tecidos de outras pessoas, introduzidos por transfusão de sangue ou transplante. Para os alérgicos, uma resposta imunológica pode ser desencadeada por alergenos, como a caspa de animais domésticos ou o ácaro da poeira.

No caso de certas doenças autoimunes, como o lúpus eritematoso sistêmico ou a artrite reumatóide, o “auto” (o “eu” corporal) não se reconhece, considerando a si mesmo como uma substância estranha.

Esses fatos demonstram como é complicado e fascinante o sistema imune.

Os órgãos considerados como parte do sistema imune incluem os tecidos linfóides; as células linfóides são encontradas nas amígdalas, adenóides, timo, baço, placas de Peyer do intestino delgado, apêndice,gânglios linfáticos e medula óssea. As células do sistema imunológico são produzidas na medula óssea. Um tipo dessas células, chamadas linfócitos ou células B, originam os plasmócitos, que fabricam os anticorpos que lutam contra as substâncias “não-auto”. Outro tipo de célula, as células T, são importantes porque migram ao timo e são “educadas”.

As células T são subdivididas em T auxiliares ou T suppressoras, que ajudam ou suprimem as células B a fazer anticorpos, ou células T citotóxicas, que ajudam a matar vírus e tumores. As células “assassinas” naturais são também linfócitos e, similarmente às células T citotóxicas, matam células tumorais e estão envolvidas na regulação do sistema imune (a chamada imunorregulação.

Outras células do sistema imunológico incluem os leucócitos que comem partículas, ou fagócitos, também chamados macrófagos. Estes derivam dos monócitos e neutrófilos, também chamados de granulócitos.

Estas células têm substâncias em seus grânulos que podem destruir organismos e ajudar a controlar a inflamação.

Outros granulócitos são os basófilos e os eosinófilos, que ajudam a combater os parasitas, e também promovem a inflamação na asma e na rinite alérgica. Os mastócitos são outro tipo de células granulares, sendo encontrados na pele, mucosa nasal, intestinos e em outros lugares. São células muito importantes da reação alérgica. Várias células do sistema imunológico secretam substâncias chamadas citocinas, que recrutam outras células, ativam e promovem o crescimento celular e matam células nocivas.

Células do sistema imunológico

Linfócitos B: transformam-se em plasmócitos, que fazem os anticorpos
Células T auxiliares (TH): 
produzem a imunidade celular (mediada por células)
Células Th6:
 ajudam no auto-reconhecimento
Células Tb: 
parece que “ligam” a reação alérgica
Células NK (“assassinas naturais”): 
matam células cancerosas
Macrófagos: 
comem partículas e processam os antígenos
Basófilos e mastócitos:
 glóbulos brancos do sangue que liberam histamina e outros mediadores, como parte da reação alérgica
Eosinófilos: 
glóbulos brancos que ajudam a matar os parasitas, e que também estão envolvidas na asma e na resposta alérgica

Sistema Imunológico – Como funciona

Nosso sistema imunológico é essencial para nossa sobrevivência. Sem um sistema imunológico, nosso corpo estaria aberto a ataques de bactérias, vírus, parasitas e muito mais.

É o nosso sistema imunológico que nos mantém saudáveis enquanto navegamos por um mar de patógenos.

Essa vasta rede de células e tecidos está constantemente à procura de invasores e, uma vez que um inimigo é localizado, um ataque complexo é montado.

O sistema imunológico está espalhado por todo o corpo e envolve muitos tipos de células, órgãos, proteínas e tecidos. Crucialmente, ele pode distinguir nosso tecido de tecido estranho – eu e não-eu.

Células mortas e defeituosas também são reconhecidas e eliminadas pelo sistema imunológico.

Se o sistema imunológico encontra um patógeno, por exemplo, uma bactéria, vírus ou parasita, ele desenvolve uma chamada resposta imunológica.

Sistema Imunológico – Imunidade

sistema imunológico de cada pessoa é diferente, mas, como regra geral, torna-se mais forte durante a idade adulta, pois, nessa época, fomos expostos a mais patógenos e desenvolvemos mais imunidade.

É por isso que adolescentes e adultos tendem a ficar doentes com menos frequência do que crianças.

Depois que um anticorpo é produzido, uma cópia permanece no corpo para que, se o mesmo antígeno aparecer novamente, ele possa ser tratado mais rapidamente.

É por isso que com algumas doenças, como a catapora, você só pega uma vez, pois o corpo tem um anticorpo da catapora armazenado, pronto e esperando para destruí-lo na próxima vez que ele chegar. Isso é chamado de imunidade.

Existem três tipos de imunidade em humanos chamados: inata, adaptativa e passiva.

Imunidade inata

Todos nós nascemos com algum nível de imunidade a invasores. O sistema imunológico humano, semelhante ao de muitos animais, atacará invasores estrangeiros desde o primeiro dia.

Essa imunidade inata inclui as barreiras externas do nosso corpo – a primeira linha de defesa contra patógenos – como a pele e as membranas mucosas da garganta e do intestino.

Essa resposta é mais geral e não específica. Se o patógeno consegue se esquivar do sistema imunológico inato, a imunidade adaptativa ou adquirida é ativada.

Imunidade adaptativa (adquirida)

Esta proteção contra patógenos se desenvolve à medida que passamos pela vida. À medida que somos expostos a doenças ou vacinados, construímos uma biblioteca de anticorpos para diferentes patógenos. Isso às vezes é chamado de memória imunológica porque nosso sistema imunológico se lembra dos inimigos anteriores.

Imunidade passiva

Esse tipo de imunidade é “emprestado” de outra fonte, mas não dura indefinidamente. Por exemplo, um bebê recebe anticorpos da mãe através da placenta antes do nascimento e no leite materno após o nascimento.

Essa imunidade passiva protege o bebê de algumas infecções durante os primeiros anos de vida.

Imunizações

imunização introduz antígenos ou patógenos enfraquecidos a uma pessoa de tal forma que o indivíduo não fica doente, mas ainda produz anticorpos. Como o corpo salva cópias dos anticorpos, ele está protegido se a ameaça reaparecer mais tarde na vida.

O que é imunidade?

imunidade é conferido pelo sistema imunológico, uma complexa rede de células, tecidos e produtos químicos que lutam contra infecções e matam organismos quando invadem o corpo.

Existem três categorias de proteção imunológica, todas as quais ajudam a proteger o corpo contra doenças infecciosas. Pode ser inato ou adquirido, ativo ou passivo e natural ou artificial.

Essas categorias podem se misturar e combinar para produzir, por exemplo, proteção imunológica passiva natural ou passiva artificial.

A categoria de proteção inata ou adquirida refere-se ao tipo de resposta imune que é montada pelo sistema imune. Uma resposta imune inata não é específica do patógeno ao qual o sistema está respondendo e ocorre quase imediatamente quando um organismo infeccioso invade o corpo. Em contraste, uma resposta imune adquirida é específica para o patógeno e pode levar vários dias para se formar. A resposta imune adquirida também envolve o desenvolvimento da memória imunológica, um estado no qual o sistema imune pode rapidamente montar uma resposta a um organismo infeccioso que encontrou anteriormente.

proteção imunológica ativa ou passiva é determinada pela forma como a proteção é conferida. A proteção ativa é conferida pelo contato com um organismo infeccioso ou uma vacina.

Isso provoca uma resposta imunológica ativa na pessoa que entra em contato com o organismo. A imunidade passiva refere-se ao fato de que um indivíduo está protegido, mesmo que seu próprio sistema imunológico não tenha montado uma resposta. Por exemplo, a transferência transplacentária de anticorpos da mãe para o filho é um tipo de proteção imunológica passiva. Outro exemplo é a transferência de anticorpos da mãe para o filho no leite materno.

A terceira categoria, imunidade natural ou artificial, refere-se ao fato de a proteção ter se desenvolvido com ou sem intervenção. Por exemplo, a transferência transplacentária de anticorpos é um processo natural, porque ocorreu apenas por meio de uma interação entre a mãe e o feto. Se, após o nascimento do bebê, fosse administrada uma injeção de anticorpos, seria um exemplo de proteção artificial, pois os anticorpos foram retirados de um indivíduo, purificados e injetados em outro. A vacinação é outro exemplo de proteção imunológica artificial e também um exemplo de proteção adquirida ativa.

A vacinação e os tratamentos imunológicos passivos não são as únicas maneiras de conferir proteção imunológica. Pode ser melhorado de muitas outras maneiras, como foi demonstrado ao longo da história.

Por exemplo, melhorias no saneamento, dieta e controle de pragas contribuíram para a redução da gravidade das doenças e o aumento da expectativa de vida que as pessoas nos países desenvolvidos desfrutam agora, em comparação com a de várias centenas de anos atrás.

Sistema Imunológico – Função

Sistema Imunológico
Sistema Imunológico

sistema imunológico tem como função reconhecer agentes agressores e defender o organismo da sua ação, sendo constituído por órgãos, células e moléculas que asseguram essa proteção.

Entre as células do sistema imunológico, encontramos os glóbulos brancos, ou leucócitos.

Existem vários tipos de glóbulos brancos, com funções imunológicas específicas e diferenciadas, nomeadamente: os linfócitos, os neutrófilos polimorfonucleares, os eosinófilos, os basófilos e os monócitos.

Por sua vez, os linfócitos podem ser de dois tipos: linfócitos T e linfócitos B.

Os linfócitos B diferenciam-se em plasmócitos, em resposta a elementos estranhos (os antigénios) e estes sintetizam anticorpos para combater os elementos invasores.

Este tipo de resposta imunológica designa-se por Imunidade Humoral.

Os linfócitos T são responsáveis pela resposta imunológica designada como Imunidade Celular.

Podem ser linfócitos T4 (também conhecidos como células CD4) ou auxiliadores e são o elemento vigilante que alerta o sistema imunológico para a necessidade de lutar contra o visitante indesejado através da síntese de substâncias químicas (as citocinas); e linfócitos T8 (também conhecidos como células CD8) ou citotóxicos que são aqueles que destroem as células que estiverem infectadas.

O sistema imunológico conta ainda com os macrófagos, que resultam da diferenciação dos monócitos.

Os macrófagos digerem as células mortas e os elementos invasores, agindo sobretudo nos órgãos afetados.

Os glóbulos brancos são produzidos na medula óssea, um dos órgãos primários do sistema imunológico, juntamente com o timo.

Os órgãos secundários são o baço, as amígdalas e os adenóides e o sistema linfático, que inclui ou gânglios linfáticos.

A entrada do VIH no corpo e a sua multiplicação acelerada provocam uma diminuição dos linfócitos T auxiliadores (as células CD4), que são, precisamente, aqueles que dão ordens aos outros «soldados» para atuar contra os inimigos.

Com o sistema imunológico enfraquecido, o seropositivo fica mais vulnerável aos microorganismos causadores de certas doenças, as chamadas doenças oportunistas, que, regra geral, não atormentam as pessoas com um sistema de defesa forte.

Quais são as linhas de defesa do sistema imunológico?

Sistema Imunológico

As linhas de defesa do sistema imunológico são compostas por três componentes principais: o sistema imunológico inato, o adaptativo e o adquirido.

Cada sistema é criado separadamente e funciona como um sistema de defesa independente e um sistema simbiótico trabalhando em conjunto com os outros. Os sistemas são dispostos em camadas de forma que, se as ameaças passarem por uma linha de defesa, a próxima linha será acionada para responder. Dos três componentes que constituem as linhas de defesa do sistema imunológico, cada um atua na capacidade defensiva ou ofensiva contra patógenos como vírus, bactérias e outros corpos estranhos.

Todo ser humano nasce com um sistema imunológico inato. Como parte integrante do sistema imunológico, a imunidade inata também é conhecida como imunidade não específica, devido ao seu papel mais passivo e generalizado no sistema imunológico. Barreiras físicas, como a pele e as membranas mucosas, são o principal componente do sistema imunológico inato.

Essas são as primeiras linhas de defesa do corpo, evitando que os patógenos entrem no corpo em primeiro lugar. A imunidade inata é considerada um membro defensivo da equipe do sistema imunológico, usando ferramentas como a inflamação para sinalizar a outros sistemas imunológicos para montar uma resposta.

O próximo na linha de defesa do corpo contra patógenos é o sistema imunológico adaptativo. Se bactérias, vírus ou outros corpos estranhos passarem pelas barreiras físicas do corpo, certas células conhecidas como natural killer ou células T atacam os patógenos diretamente. Quando o corpo sinaliza a presença de toxinas, bactérias, células danificadas do corpo, vírus ou outras moléculas estranhas, as células assassinas e suas células auxiliares associadas procuram e destroem a ameaça antes que ela tenha a chance de criar doença, doença ou crescimento anormal. A imunidade adaptativa é considerada um componente ofensivo nas linhas de defesa do sistema imunológico, cujo nome vem da capacidade de se adaptar adequadamente em resposta a uma variedade de ameaças.

A imunidade adquirida abrange vários fatores individuais. Imunizações e anticorpos criados após exposição prévia a um patógeno se enquadram na imunidade adquirida, criando outra linha de defesa do sistema imunológico. Considerados um componente ofensivo e defensivo do sistema imunológico humano, certos tipos de imunidade adquirida são temporários ou passivos. Por exemplo, bebês recém-nascidos tomam emprestado imunidade de suas mães, primeiro por meio da placenta durante a gravidez e depois do nascimento por meio do colostro no leite materno da mãe. Mais tarde, conforme a criança amadurece e experimenta a exposição a certos patógenos, o sistema imunológico adaptativo auxilia o sistema imunológico adquirido criando células de memória ou anticorpos.

Isso permite que o sistema imunológico adquirido estabeleça defesas permanentes contra certos tipos de ameaças.

Qual é a conexão entre o sistema imunológico e o sistema nervoso?

sistema imunológico e o sistema nervoso estão conectados de algumas maneiras conhecidas.

Esses dois sistemas aparentemente diferentes do corpo interagem um com o outro com mais frequência do que a maioria das pessoas imagina. As glândulas adrenais são um elo comum.

Produtos químicos e hormônios produzidos pelas células dos dois sistemas são outra conexão. Além disso, a pesquisa mostrou que o cérebro tem a capacidade de usar células nervosas para se comunicar diretamente com o sistema imunológico.

Por conta própria, o sistema imunológico e o sistema nervoso têm duas funções diferentes. O sistema imunológico é responsável por proteger o corpo de bactérias, vírus e outros patógenos estranhos que tentam invadir.

O sistema nervoso retransmite informações de todo o corpo para o cérebro, permitindo o movimento, a fala e o funcionamento dos órgãos. Devido à diferença entre esses dois sistemas, uma conexão entre eles geralmente não parece provável.

As glândulas adrenais são conhecidas pelos hormônios que produzem em resposta ao estresse. Esses hormônios desencadeiam a liberação de energia armazenada pelo corpo.

Os hormônios corticosteróides também têm a capacidade de afetar os glóbulos brancos e os anticorpos. Embora as glândulas supra-renais não façam parte do sistema imunológico, elas unem esses sistemas porque os hormônios produzidos afetam ambos os sistemas.

Os neuropeptídeos são um tipo de hormônio liberado pelas células nervosas. Junto com outros hormônios e substâncias químicas, sua função é levar mensagens aos órgãos e outras células do sistema nervoso.

Esses produtos químicos e hormônios também ligam o sistema imunológico e o sistema nervoso, porque eles também podem transmitir mensagens às células do sistema imunológico. Além disso, as linfocinas, como as interleucinas, têm a capacidade de retransmitir informações do sistema imunológico para o sistema nervoso.

A pesquisa mostrou que o cérebro conecta o sistema imunológico e o sistema nervoso também.

O cérebro pode usar células nervosas para enviar mensagens diretamente ao sistema imunológico para desencadear uma resposta imunológica. Os cientistas descobriram redes de fibras nervosas conectadas à medula óssea, ao baço e a alguns outros órgãos do corpo. Além disso, as células do sistema imunológico também podem enviar mensagens sobre antígenos estranhos ao cérebro. A partir daí, o cérebro pode sinalizar ao sistema nervoso para reagir. Também é provável que o cérebro use esses sinais para guiar as células do sistema nervoso a locais em todo o corpo onde são necessárias para ajudar nas respostas imunológicas.

Embora algumas conexões tenham sido descobertas entre o sistema imunológico e o sistema nervoso, pode haver muitas outras que ainda não foram descobertas. As funções do corpo ainda guardam muitos mistérios, especialmente com esses dois sistemas. A pesquisa contínua é uma parte importante da descoberta de ligações entre esses sistemas.

Fonte: www.alergias.med.br/www.geocities.com/kidshealth.org/www.wisegeek.org/www.roche.pt/www.gandaiabr.net/ioh.medstudents.com.br/www.medicalnewstoday.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Nós musculares

PUBLICIDADE Nós musculares – O que são O fenômeno dos nós musculares não é incomum. Essencialmente, os nós …

Córtex auditivo

PUBLICIDADE Córtex auditivo – Definição O córtex auditivo executa uma variedade de funções que nos permitem segregar …

Hipotálamo

PUBLICIDADE O que é o hipotálamo? O hipotálamo é a pequena estrutura em forma de cone dentro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.