Breaking News
Home / Corpo Humano / Miologia

Miologia

PUBLICIDADE

Miologia – Definição

Miologia é o estudo do sistema muscular, incluindo o estudo da estrutura, função e doenças musculares.

sistema muscular consiste em músculo esquelético, que se contrai para mover ou posicionar partes do corpo (por exemplo, os ossos que se articulam nas articulações), músculo liso e cardíaco que impulsiona, expele ou controla o fluxo de fluidos e substância contida.

Miologia – O que é

Miologia é a ciência ou ramo da anatomia que lida com músculos.

sistema muscular é composto de músculo esquelético, que contrata para mover ou posição partes do corpo (por exemplo, os ossos que se articulam), lisa e músculo cardíaco que impulsiona, expulsa, ou controla o fluxo de fluidos e substância contida.

Miologia olha para a estrutura Miologiafísica dos músculos, estudando os diferentes tipos de fibras musculares, a forma de músculos saudáveis, os nervos que inervam diversos músculos, as funções de músculos específicos, e as conexões entre os diferentes grupos musculares.

Também de interesse são as doenças degenerativas envolvendo os músculos, a recuperação da lesão muscular, os resultados dos procedimentos de miotomia (dissecação ou corte de músculos) em que os músculos são cortados, e o impacto de alterações do sistema nervoso em função do músculo.

A miotomia também pode estudar grupos musculares específicos, como na motricidade oral, que é usado para entender os músculos da face e da garganta, com o objetivo de ajudar as pessoas distúrbios da fala correta.

Miologia – Músculos

Miologia

miologia é o estudo dos músculos. Vários médicos integram um pouco de miologia em seu treinamento, porque compreender o sistema musculoesquelético é a chave para abordar muitos problemas de saúde, e a miologia também é um tópico de interesse para massoterapeutas, personal trainers e fisioterapeutas que trabalham com os músculos de um diariamente. Para pessoas com um interesse casual pela estrutura muscular, várias livrarias oferecem livros que apresentam visões gerais dos músculos e de suas funções.

Ao discutir o estudo dos músculos humanos, as pessoas geralmente dizem apenas “miologia humana“.

Para outros tipos de organismos vivos, um qualificador é inserido, como na miologia aviária, o estudo da musculatura das aves. A estrutura muscular em diferentes animais é radicalmente diferente, refletindo diferentes estruturas esqueléticas, estilos de vida, hábitos e funções. Por exemplo, gatos e humanos têm um músculo trapézio, mas o músculo parece radicalmente diferente nessas diferentes espécies de animais.

Um miologista examina a estrutura física dos músculos, estudando os diferentes tipos de fibras musculares, a forma dos músculos saudáveis, os nervos que inervam vários músculos, as funções de músculos específicos e as conexões entre diferentes grupos de músculos.

Também são de interesse as doenças degenerativas envolvendo os músculos, a recuperação de lesões musculares, os resultados dos procedimentos de mitomia em que os músculos são cortados e o impacto dos distúrbios do sistema nervoso na função muscular. Os miologistas também podem estudar grupos musculares específicos, como na miologia oral, que é usada para entender os músculos do rosto e da garganta com o objetivo de ajudar as pessoas a corrigirem distúrbios da fala.

O treinamento em miologia é uma parte importante da educação médica e da educação de muitos profissionais de saúde aliados, incluindo bodyworkers.

Alguns alunos aprendem sobre musculatura por meio de dissecação, na qual têm a oportunidade de examinar pessoalmente o funcionamento interno do sistema musculoesquelético, enquanto outros podem aprender com livros didáticos, prosecções, software de anatomia interativo e outras ferramentas, dependendo de restrições financeiras ou éticas.

Amostras de biópsia retiradas de músculos que parecem estar fracos ou desordenados também podem ser do interesse de um miologista. Essas amostras podem ser examinadas ao microscópio para observar as células, determinar quais tipos de fibra muscular estão presentes e descobrir se há ou não anormalidades no músculo. Muitos miologistas também estão muito interessados nas atividades que aumentam ou reduzem os músculos, aplicando seus conhecimentos em programas de treinamento para atletas e pessoas em recuperação de lesões musculares ou cirurgias em que os músculos foram lesados.

Quais são os diferentes órgãos do sistema muscular?

Miologia

Os diferentes órgãos do sistema muscular incluem: músculos cardíacos, músculos lisos e músculos esqueléticos.

Um músculo completo – consistindo de fibras musculares, tecido conjuntivo, tecido nervoso e tecido sanguíneo – é considerado um órgão por si só. Existem cerca de 600 órgãos no sistema muscular, e esses músculos constituem cerca de 40% do corpo.

Esses órgãos podem ser divididos em quatro grupos principais: os músculos da extremidade inferior, os músculos do tronco, os músculos da extremidade superior e os músculos da cabeça e pescoço.

Usando o processo de contração, os órgãos do sistema muscular são responsáveis por governar quase todos os movimentos do corpo. Mesmo os movimentos involuntários, como a contração dos pulmões para respirar ou do coração para a circulação sanguínea, são guiados pelos músculos.

O deslocamento dos olhos, a respiração e o sorriso são todos causados pelos órgãos do sistema muscular. Além do movimento, os órgãos do sistema muscular também controlam a postura e a temperatura corporal.

Os músculos podem aquecer o corpo, produzindo calafrios, que são contrações muito rápidas, espásticas e muitas vezes involuntárias, destinadas a aumentar o metabolismo e a temperatura corporal em condições frias.

Os músculos esqueléticos, com a ajuda dos tendões, revestem os ossos e as articulações. Eles são os órgãos mais abundantes no sistema muscular.

Alguns músculos esqueléticos são minúsculos e outros podem ser massivos; o tamanho também varia, porque esses músculos assumem qualquer forma necessária para se conformar à estrutura do esqueleto.

Os músculos que têm a forma de triângulos são chamados de deltóides e os músculos mais largos são chamados de músculos latíssimos.

Os músculos esqueléticos do tipo trapézio e os que se assemelham a um losango são chamados de músculos trapézios e músculos rombóides, respectivamente.

Trabalhando em séries, os músculos esqueléticos garantem que a ação física coordenada, como caminhar, piscar, balançar a cabeça e virar, ocorra sintetizando os movimentos de puxar e empurrar dos ossos, caixa torácica, coluna vertebral e crânio. Esses músculos se estendem sobre o esqueleto como uma malha infinita de elásticos, permitindo a extensão e a contração. Mais do que uma façanha física, o movimento dos músculos esqueléticos começa com a comunicação com o cérebro. As fibras musculares no esqueleto têm receptores nervosos que captam e interpretam os sinais do cérebro, instruindo os músculos a executar o movimento. Além de controlar o movimento motor, os músculos esqueléticos também suportam as articulações, que são onde os ossos se encontram.

As contrações rítmicas dos músculos cardíacos, que cobrem a parede do coração, são responsáveis pelas batidas do coração. Todos os órgãos cardíacos do sistema muscular são involuntários e se contraem automaticamente. Os músculos lisos revestem a maioria dos órgãos internos restantes, como o útero nas mulheres, a bexiga e partes do sistema digestivo, permitindo que o estômago e os intestinos se contraiam à medida que os alimentos passam, de modo que o que é consumido pode passar pelos diferentes estágios da digestão.

Como os músculos do coração, os músculos lisos também são automáticos.

Músculos Esqueléticos

Têm a cor vermelha devido a um pigmento muito semelhante àquele dos glóbulos vermelhos, a hemoglobina muscular ou mioglobina. A forma deles é extremamente variável; há músculos em fita (músculos retos do abdome) em leque (grande peitoral), em cúpula (diafragma), denteados (grande denteado).

Todos os músculos se podem reunir, não obstante, em dois grandes grupos: os músculos longos, os quais, mesmo quando pequenos, desenvolveram-se em comprimento, e os músculos largos, nos quais prevalece a largura sobre as outras dimensões. Os músculos longos se acham principalmente nos membros, enquanto os largos prevalecem nas paredes do abdome e do tórax.

Os músculos longos têm a forma de fuso, com uma parte central mais grossa chamada ventre, e duas extremidades mais delgadas; as extremidades se continuam por um cordão branco nacarado: o tendão. Os tendões não são constituídos por tecido muscular, mas por tecido conjuntivo bastante resistente. São os tendões que se inserem nos ossos.

Há músculos que têm mais de um tendão, embora tendo um só ventre (dizse então que o músculo é monocaudado, bicaudado, etc.). Outros, ao contrário, têm vários ventres, que, de um lado, têm origem em tendões separados e parecem músculos independentes, mas, do oposto, confluem em um só; estes músculos tomam um nome que indica o número dos seus ventres (bíceps do braço e da coxa, tríceps do braço e da perna, quadríceps da coxa).

Há enfim, músculos que têm dois ventres, um depois de outro, como se fossem dois músculos consecutivos (músculo digástrico).Observando-se a musculatura dos membros, é fácil perceber que os músculos se agrupam entre si para realizar uma determinada função; distinguem-se assim grupos e ações antagônicas.

Por exemplo, o bíceps dobra o antebraço sobre o braço, enquanto o tríceps, situado da parte oposta, o distende. No antebraço distinguem-se os músculos da face anterior, que dobram os dedos, e os músculos da face posterior que, ao contrário, os distendem.

Certos músculos, enfim, têm uma curiosa conformação circular: tais são os esfíncteres, dos quais a contração assegura o fechamento de certos orifícios (esfíncter anal, esfíncter da uretra e da bexiga), e os músculos orbiculares. A estes últimos pertencem o orbicular da boca (que arredonda os lábios e os faz salientes para fora, como no ato de assobiar e na pronúncia da vogal U) e o orbicular das pálpebras (que permite fechar os olhos).

Os músculos largos não se podem inserir mediante tendões, que são cordões redondos; inserem-se por meio de lâminas ditas aponeuroses, que têm estrutura análoga aos tendões.

Por vezes, os músculos estão recobertos por faixas, delgadas lâminas conjuntivas que se podem inserir sobre os ossos do mesmo modo que o músculo, e mandar septos para o interior; para dividir as massas musculares ao longo de tais septos caminham vasos e nervos.

Os próprios tendões podem ser recobertos por formações características: as bainhas fibrosas e as bainhas mucosas.

As bainhas fibrosas representam uma proteção do tendão, e, por vezes, inserindo-se nos ossos, formam uma polia sobre a qual o tendão desliza para mudar de direção.

As bainhas mucosas contêm um líquido que favorece o escorregamento do tendão. Estas formações se acham, na verdade, nos pontos em que os tendões têm necessidade de ser lubrificados e de ser o seu movimento facilitado, isto é, em geral, aí onde o tendão está em contato com o osso.

Fonte: www.geocities.com/www.bionetonline.org/www.wisegeek.org/www.lincx.com.br/www.myology.org.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Córtex auditivo

PUBLICIDADE Córtex auditivo – Definição O córtex auditivo executa uma variedade de funções que nos permitem segregar …

Hipotálamo

PUBLICIDADE O que é o hipotálamo? O hipotálamo é a pequena estrutura em forma de cone dentro …

Sistema Nervoso Simpático

PUBLICIDADE Sistema Nervoso Simpático – Definição O sistema autônomo é composto de duas divisões, os …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.