Breaking News
Home / Corpo Humano / Sinapses

Sinapses

PUBLICIDADE

Definição de Sinapses

Sinapse não é uma palavra velha. Ele foi cunhado em um livro de fisiologia de 1897, do grego sol – “juntos” + haptein “junção” – é o espaço através do qual as células nervosas podem “se unir” para se comunicar de uma célula para outra ou de um neurônio para um músculo. Quando um impulso químico ou elétrico dá aquele pequeno salto através de uma de suas sinapses, que você tem em todo o seu sistema nervoso, seu corpo pode fazer o que seu cérebro manda.

A sinapse é aquele pequeno espaço entre duas células, onde elas podem passar mensagens para se comunicar. Um único neurônio pode conter milhares de sinapses.

Sinapse é o local de transmissão de impulsos nervosos elétricos entre duas células nervosas (neurônios) ou entre um neurônio e uma glândula ou célula muscular (efetor).

As sinapses permitem a comunicação química entre neurônios e outras células por meio do uso de neurotransmissores.

Uma conexão sináptica entre um neurônio e uma célula muscular é chamada de junção neuromuscular.

Sinapse é uma região onde os impulsos nervosos são transmitidos e recebidos, abrangendo o terminal do axônio de um neurônio que libera neurotransmissores em resposta a um impulso, uma lacuna extremamente pequena através da qual os neurotransmissores viajam e a membrana adjacente de um axônio, dendrito, músculo ou glândula célula com as moléculas receptoras apropriadas para captar os neurotransmissores.

O que é uma sinapse?

Uma sinapse é uma conexão que permite a transmissão de impulsos nervosos.

As sinapses podem ser encontradas nos pontos onde as células nervosas se encontram com outras células nervosas e onde as células nervosas fazem interface com as células glandulares e musculares.

Em todos os casos, esta conexão permite a movimentação unilateral de dados. O corpo humano contém trilhões dessas conexões e, a qualquer momento, um grande número dessas conexões está ativo.

Sinapses

Os dendritos trazem informações para o neurônio, enquanto os axônios atuam para canalizar informações para longe dele

Compreender a anatomia de uma célula nervosa pode ser útil para aprender sobre sinapses. Cada célula nervosa consiste em um corpo celular, com axônios e dendritos anexados.

Essas estruturas ramificadas transportam informações de e para o corpo celular. Os dendritos trazem informações, com o uso de receptores em suas pontas que coletam informações de outras células.

Os axônios trazem informações enviando sinais através da sinapse entre a célula nervosa e outra célula.

Na maioria dos casos, a conexão é química, o que significa que os neurotransmissores são passados ao longo da conexão, ao contrário de uma sinapse elétrica, na qual os sinais elétricos são transmitidos.

No caso de uma sinapse química, os produtos químicos são liberados pelas vesículas nas extremidades dos axônios de uma célula nervosa.

Essas vesículas se abrem em resposta a sinais que entram na célula nervosa por meio de seus dendritos, e a abertura resulta na liberação de neurotransmissores que se conectam com receptores na célula de destino.

As sinapses químicas assumem a forma de uma estrutura chamada fenda sináptica, que na verdade é uma pequena lacuna entre as células, enquanto as sinapses elétricas envolvem o contato célula a célula com o propósito de transmitir dados. A velocidade com que os impulsos viajam pelas conexões pode variar, dependendo da célula e do tipo de sinais.

Depois que o neurotransmissor se move através da conexão, ele é quebrado por enzimas para garantir que o sinal seja transmitido apenas uma vez e para limpar o caminho para o próximo neurotransmissor.

As sinapses podem transportar uma grande variedade de tipos de informações, desde uma mensagem do cérebro para fazer algo até um sinal de uma extremidade para alertar o cérebro sobre uma situação em andamento.

Os neurônios são muito responsivos à entrada sensorial e podem enviar de volta informações sobre a entrada sensorial ao cérebro em velocidades notáveis.

Os neurônios dentro do cérebro também podem processar e embaralhar informações rapidamente para que o cérebro possa responder em uma fração de segundo, às vezes antes que o dono do cérebro tenha consciência de um evento.

Qual é a função de uma sinapse?

Sinapses
SINAPSE E TRANSMISSÃO SINÁPTICA

Uma sinapse fornece uma conexão entre os neurônios que permite que as informações sensoriais fluam entre eles.

A informação sensorial viaja ao longo de uma projeção especializada de um neurônio até chegar a uma sinapse, que atua como um terminal de junção.

É a função dessa conexão permitir que os impulsos sensoriais viajem em uma única direção, dividam os impulsos entre vários neurônios ou mesclem os impulsos em um único neurônio.

Existem três tipos de sinapses: axodentríticas, que são encontradas nos dendritos; axossomáticos, que são encontrados em corpos celulares, e axoaxônicos, que são encontrados em axônios.

O sistema nervoso, que é um sistema de células, tecidos e órgãos que transmitem e processam informações sensoriais de e para diferentes partes do corpo, é parcialmente formado por sinapses.

Existem dois tipos distintos de conexões: químicas e elétricas.

Uma sinapse química transmite informações sensoriais ao liberar moléculas chamadas neurotransmissores ao lado de outro neurônio.

As moléculas então se ligam aos locais receptores do neurônio receptor.

Uma sinapse elétrica conduz impulsos elétricos entre os neurônios e pode conduzir informações sensoriais mais rapidamente do que as sinapses químicas.

As sinapses podem ser divididas em três partes básicas. O primeiro é chamado de terminação pré-sináptica que contém organelas celulares, mitocôndrias e neurotransmissores.

A segunda parte é chamada de terminação pós-sináptica, que contém receptores que permitem a ligação de neurotransmissores. As terminações pós-sinápticas podem ocorrer em dendritos, axônios e corpos celulares.

A terceira parte é um espaço denominado fenda sináptica que divide as terminações pré-sinápticas e pós-sinápticas.

Os neurônios são células especiais, às vezes chamadas de células nervosas ou neurônios, e se comunicam entre si por meio de sinapses. Normalmente, um neurônio tem um corpo celular denominado soma, que tem forma bulbosa e contém organelas. Os neurônios transmitem impulsos por meio de duas projeções especializadas chamadas dendritos e axônios.

Os dendritos são projeções semelhantes a ramos que transportam impulsos para o corpo celular do neurônio ou soma. Os axônios, de formato longo e estreito, transportam impulsos para fora do soma.

Existem muitos tipos diferentes de neurônios no corpo e eles são classificados pela direção na qual enviam as informações. Os neurônios sensoriais ou aferentes respondem ao toque, som e luz e transportam as informações sensoriais para o sistema nervoso central. Os neurônios motores, ou eferentes, recebem sinais do sistema nervoso central e os enviam aos músculos e glândulas.

Os interneurônios, também conhecidos como neurônios de retransmissão, neurônios conectores, neurônios do circuito local ou neurônios de associação, conectam neurônios sensoriais a neurônios motores.

O que são neurotransmissores?

Neurotransmissores são substâncias químicas que transportam informações através da fenda sináptica entre os neurônios.

Esses produtos químicos são produzidos pelo corpo e são utilizados para enviar uma ampla variedade de mensagens, desde um sinal para relaxar um músculo até uma recompensa química por se engajar em uma tarefa específica.

Muitos foram identificados por pesquisadores que trabalham com o cérebro e o sistema nervoso e muitos outros ainda precisam ser identificados e compreendidos com firmeza.

Eles são muito difíceis de ver em ação na natureza, o que tem complicado o estudo desses produtos químicos únicos.

Esses produtos químicos são produzidos dentro do corpo celular de um neurônio. Eles viajam ao longo do axônio do neurônio e fixam residência nas vesículas, que são essencialmente pequenas cápsulas cheias de neurotransmissores. Quando o neurônio recebe o impulso correto, uma vesícula se abre para liberar o neurotransmissor correspondente, e a substância química viaja pela sinapse até os receptores localizados nos dendritos de um neurônio ou neurônios vizinhos.

Alguns neurotransmissores têm uma ação excitatória, o que significa que ativam os neurônios com os quais entram em contato. Outros são inibitórios, desligando o neurônio.

Quando um neurônio recebe uma mensagem de um neurotransmissor, ele pode, por sua vez, transmiti-la aos neurônios vizinhos. Todas essas ações ocorrem em frações de segundo, permitindo que o cérebro envie e receba mensagens quase que instantaneamente de e para qualquer parte do corpo. O sistema nervoso é extremamente complexo e sofisticado, razão pela qual tem sido um desafio para os pesquisadores entendê-lo plenamente.

Existem três tipos principais de neurotransmissores: monoaminas, aminoácidos e peptídeos. Alguns exemplos incluem dopamina, serotonina, GABA, acetilcolina, oxitocina, insulina e adrenalina.

Cada produto químico desempenha uma função específica no corpo e no sistema nervoso.

Muitas drogas que alteram a mente são capazes de imitar ou suprimir as ações de vários neurotransmissores para criar uma variedade de efeitos, e algumas drogas podem causar mudanças estruturais permanentes se forem usadas por períodos prolongados de tempo.

Os medicamentos prescritos geralmente são projetados para trabalhar com ou contra neurotransmissores específicos.

Certos neurotransmissores desenvolveram sistemas dentro do cérebro e do sistema nervoso que permitem a transmissão de volume em grande escala dos produtos químicos.

A dopamina está associada à transmissão de volume. Ele desempenha um papel no sistema de recompensa do corpo e está fortemente envolvido no processo de adição.

Sistemas semelhantes estão envolvidos no processo de aprendizagem, controle das emoções e uma variedade de outras tarefas.

Sinapses – Excitatórias ou Inibitórias

Sinapses
Sinapses

As sinapses podem ser excitatórias ou inibitórias, controlando as reações do corpo do animal em relação a um estímulo. Cada neurônio pode apresentar dezenas de dendrites, através das quais outros neurônios estabelecem centenas de sinapses. Cada um desses neurônios pré-sinápticos pode produzir um tipo diferente de neurotransmissor, tal como diferentes zonas do neurônio pós-sináptico podem apresentar diferentes receptores.

Pode-se, então, concluir que cada neurônio é capaz de receber uma grande variedade de mensagens químicas. Se a sua resposta a essa mensagem for uma despolarização da membrana, a sinapse é excitatória. Se, pelo contrário, a sua resposta for uma hiperpolarização da membrana, então a sinapse é inibitória.

Como funcionam as sinapses inibitórias e qual a sua importância?

Em vertebrados os neurotransmissores inibitórios mais comuns são o ácido gama-amino-butírico (GABA) e a glicina. Em sinapses inibitórias a membrana pós-sináptica possui canais iónicos de cloro, controlados quimicamente, que causam a hiperpolarização da membrana e diminuem a probabilidade desta gerar um potencial de ação.

Cada neurônio “decide” se irá ou não gerar um potencial de ação após somar todos os estímulos que recebe (excitatórios e inibitórios), e é este o mecanismo que permite a integração de informação que apenas o tecido nervoso consegue obter. Cada neurônio pode receber até 1000 estímulos sinápticos mas apenas produz uma resposta, um potencial de ação formado no seu axónio.

Na esmagadora maioria dos neurônios, a região de “tomada de decisão” está localizada no corpo celular, junto à base do axónio, local não isolado por células da Glia e extremamente rica em canais iónicos controlados eletricamente. Assim, se a soma de todos os estímulos sinápticos recebidos pela célula atingirem este local e causarem uma diferença de potencial suficiente para causar a despolarização da membrana, o axónio dispara um potencial de ação.

Esta “soma” de estímulos pode ser espacial ou temporal:

Soma espacial: Resulta da adição de estímulos simultâneos de sinapses localizadas em diversos locais da célula pós-sináptica
Soma temporal: 
Resulta da adição de estímulos de uma mesma sinapse em rápida sequência.

Uma doença autoimune incapacitante que afeta as sinapses motoras é a miastenia grave, que atinge cerca de 1 em cada 200000 pessoas.

Os principais sintomas desta doença são a fraqueza muscular e a incapacidade de manter esforços físicos continuados.

Fonte: www.geocities.com/www.dana.org/faculty.washington.edu/www.albany.edu/Encyclopaedia Britannica/www.wisegeek.org/www.bem.fi/www.slideshare.net/vitalrecord.tamhsc.edu/www.khanacademy.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Interneurônio

Interneurônio

Definição de Interneurônio PUBLICIDADE Um interneurônio é qualquer neurônio que tenha seu corpo celular, axônio e dendritos …

Sistema anaeróbio

PUBLICIDADE Definição O sistema anaeróbico fornece ao corpo energia explosiva de curto prazo sem a necessidade de …

Suco gástrico

Suco gástrico

PUBLICIDADE Definição Suco gástrico é um fluido digestivo que compreende uma mistura de substâncias, incluindo pepsina …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.