Breaking News
Home / Corpo Humano / Vértebras Torácicas

Vértebras Torácicas

PUBLICIDADE

Definição

Vértebras torácicas são os doze segmentos vertebrais (T1-T12) que compõem a coluna torácica.

Essas estruturas têm muito pouco movimento porque estão firmemente presas às costelas e ao esterno (esterno).

Como há muito pouco movimento, as vértebras na região torácica da coluna geralmente não são fontes de dor nas costas.

Visão Global

A coluna vertebral geralmente consiste de 33 vértebras: 24 vértebras pré-sacrais (7 cervicais, 12 torácicas e 5 lombares) seguidas pelo sacro (5 vértebras sacrais fundidas) e o cóccix (4 vértebras coccígeas frequentemente fundidas).

As 24 vértebras pré-sacrais permitem o movimento e, portanto, tornam a coluna vertebral flexível.

A estabilidade é fornecida pelos ligamentos, músculos e a forma dos ossos.

As abreviações C., T., L., S. e Co. são usadas para as regiões, e algumas vezes são seguidas por V. para vértebra ou N. para nervo.

Esta coluna dá o suporte principal para o seu corpo, permitindo que você fique em pé, dobre e torça, enquanto protege a medula espinhal contra lesões.

Músculos e ossos fortes, tendões e ligamentos flexíveis e nervos sensíveis contribuem para uma coluna saudável. No entanto, qualquer uma dessas estruturas afetadas por tensão, lesão ou doença pode causar dor.

O que são as Vértebras Torácicas?

As vértebras torácicas são 12 pequenos ossos circulares que têm um centro oco que os faz parecer um pouco com donuts.

As vértebras são ossos; os torácicos formam a seção intermediária da coluna vertebral, também chamada de coluna vertebral ou coluna lombar.

Estes 12 ossos estão empilhados um em cima do outro.

Vértebras torácicas são ligadas a 12 pares de costelas que envolvem a parte frontal do corpo, onde 10 dos 12 pares também se ligam ao esterno, ou osso do peito. A proteção de órgãos vitais, como o coração e os pulmões, é alcançada pela fixação das costelas ao esterno e às vértebras torácicas, formando a cavidade torácica.

Dois pares das 12 costelas que formam a cavidade torácica não estão presas ao esterno; portanto, são frequentemente descritos como costelas “flutuantes”.

A caixa torácica é o termo comum usado para se referir a essa cavidade da qual as vértebras torácicas fazem parte.

Estrutura, suporte e movimento para todo o corpo é fornecido pela coluna vertebral, que é composta de um total de 33 vértebras que formam uma corrente no meio das costas. Esse design permite alguma flexibilidade. Uma pessoa pode dobrar e inclinar o tronco para um lado e para a frente ou para trás, porque a coluna vertebral é flexível.

Vértebras Torácicas
A coluna vertebral se origina na base do crânio

Vértebras Torácicas
A caixa torácica inclui 12 pares de costelas, o esterno e 12 vértebras

Vértebras Torácicas
O cóccix, ou cóccix, é o segmento mais baixo da coluna vertebral

Existem cinco seções ou divisões na coluna vertebral, começando na base do crânio e estendendo-se ao cóccix.

Sete vértebras compõem a primeira divisão, que é referida como coluna cervical ou osso do pescoço. Estes se situam no topo da segunda divisão, que é a coluna torácica. Após a coluna torácica é a coluna lombar, que é composta por cinco vértebras. Em seguida, a espinha sacral consiste de cinco vértebras e, finalmente, o cóccix, composto de quatro vértebras, totalizando 33 pequenos ossos.

Qualquer dano à coluna vertebral é potencialmente muito grave, porque as vértebras coletivamente formam o alojamento da medula espinhal, uma extensão do sistema nervoso central. O cérebro envia e recebe informações vitais através da medula espinhal. Funções de movimento, sensação e vida vital, como a respiração, envolvem a medula espinhal. Se for mesmo ligeiramente danificado, em particular a divisão cervical, pode resultar em paralisia ou morte, porque a respiração e o batimento do coração podem ser afetados.

Embora as divisões mais facilmente danificadas da coluna vertebral sejam a cervical e a lombar, as vértebras torácicas podem sofrer lesões graves em colisões de automóveis de impacto lateral.

Toda a coluna vertebral pode ser violentamente deslocada para um lado do corpo, resultando em lesões que podem afetar a medula espinhal. A lesão das vértebras torácicas pode comprometer a proteção que a cavidade torácica oferece para órgãos como o coração, os pulmões e as principais artérias e veias.

O que é a espinha torácica?

A coluna torácica é uma área no meio superior da coluna que contém 12 vértebras conhecidas como vértebras torácicas.

Essas vértebras são referidas com o “T” inicial e um número refletindo sua posição na coluna, sendo T-1 a vértebra torácica mais alta e T-12 a mais baixa.

O tamanho das vértebras aumenta nas costas, com a parte inferior da coluna torácica sendo mais larga que a parte superior da coluna torácica. Esta área da coluna executa várias funções importantes no corpo.

A coluna vertebral como um todo fornece suporte para o corpo, bem como um invólucro de proteção para a medula espinhal que transporta impulsos nervosos para que eles possam ser transmitidos para as extremidades.

No caso da coluna torácica, as vértebras fornecem pontos de articulação para as costelas. A medula espinhal, costelas e esterno juntos criam uma gaiola sólida que protege o conteúdo do tórax. Quando as pessoas caem, são comprimidas ou são colocadas em perigo, esses ossos são projetados para limitar os danos ao conteúdo do tórax, mantendo o coração e os pulmões funcionando.

Vértebras Torácicas
A caixa torácica, com algumas das vértebras torácicas visíveis na parte inferior

Vértebras Torácicas
Seções da espinha

Além de atuar como o ponto de fixação das costelas, a coluna torácica também fornece saídas para vários nervos. Esses nervos viajam para fora de vértebras individuais e fornecem uma rota para que os sinais do cérebro atinjam o restante do corpo, enquanto a entrada do corpo é enviada de volta pelos nervos até o cérebro.

As lesões da coluna torácica ocorrem mais comumente quando as pessoas caem, estão envolvidas em acidentes de carro ou sustentam ferimentos de impacto na coluna vertebral, como visto quando as pessoas são atingidas por trás.

As lesões podem incluir fraturas, sendo as fraturas por compressão causadas por pressão na coluna especialmente comuns. A coluna torácica também pode se deslocar em alguns tipos de lesões. Os danos na espinha podem, por sua vez, apertar os nervos e, em alguns casos, levar a perda permanente da sensação ou paralisia do paciente.

As condições degenerativas também podem atacar essa parte da coluna. Artrite e outras condições articulares podem erodir as vértebras e os discos que fornecem uma almofada entre as vértebras podem ficar comprimidos e finos com o tempo. Condições como escoliose e cifose podem envolver a coluna torácica.

Diagnóstico e tratamento de doenças da coluna vertebral geralmente requer exames de imagens médicas para examinar a coluna vertebral. Os pacientes podem precisar de aparelhos para corrigir ou apoiar a coluna e, em alguns casos, a cirurgia é necessária para fixar as vértebras ou discos.

Resumo

Vértebras, juntamente com discos intervertebrais, compõem a coluna vertebral.

Estende-se do crânio ao cóccix e inclui as regiões cervical, torácica, lombar e sacral.

A coluna tem vários papéis principais no corpo que incluem: proteção da medula espinhal e nervos espinhais ramificados, suporte para tórax e abdômen e permite flexibilidade e mobilidade do corpo.

Os discos intervertebrais são responsáveis por essa mobilidade sem sacrificar a força de suporte da coluna vertebral.

A região torácica contém 12 vértebras, denominadas T1-T12. Os discos intervertebrais, juntamente com as lâminas, pedículos e processos articulares das vértebras adjacentes, criam um espaço através do qual os nervos espinais saem. As vértebras torácicas, como um grupo, produzem uma curva cifótica. Vértebras torácicas são únicas em que eles têm o papel adicional de fornecer anexos para as costelas.

Vértebras típicas consistem em um corpo vertebral, um arco vertebral, bem como sete processos. O corpo tem a maior parte da força colocada nas vértebras.

Corpos vertebrais aumentam de tamanho de superior para inferior. O corpo vertebral é constituído por osso trabecular, que contém a medula vermelha, circundada por uma fina camada externa de osso compacto. O arco, junto com o aspecto posterior do corpo, forma o canal vertebral (espinhal), que contém a medula espinhal. O arco é formado por pedículos bilaterais, segmentos cilíndricos do osso que conectam o arco ao corpo, e a lâmina bilateral, segmentos ósseos, formam a maior parte do arco, conectando os processos transverso e espinhoso.

Uma vértebra típica também contém quatro processos articulares, dois superiores e dois inferiores, que entram em contato com os processos articulares inferior e superior das vértebras adjacentes, respectivamente. O ponto em que as facetas superior e articular se encontram é conhecido como faceta ou articulação zigapofisária. Estes mantêm o alinhamento vertebral, controlam a amplitude de movimento e suportam o peso em certas posições. O processo espinhoso se projeta posterior e inferiormente a partir do arco vertebral e se sobrepõe às vértebras inferiores em vários graus, dependendo da região da coluna vertebral. Por fim, dois processos transversais se projetam lateralmente do arco vertebral de maneira simétrica.

Vértebras Torácicas

Vértebras torácicas típicas têm várias características distintas daquelas típicas de vértebras cervicais ou lombares.

T5-T8 tendem a ser os mais “típicos”, pois contêm características presentes em todas as vértebras torácicas.

A principal característica das vértebras torácicas é a presença de facetas costais.

Existem seis facetas por vértebra torácica: duas nos processos transversos e quatro demifacetas.

As facetas dos processos transversais articulam-se com o tubérculo da costela associada. Os demifacetos são bilateralmente pareados e localizados nos aspectos posterolateral superior e inferior das vértebras. Eles estão posicionados de modo que o demifacet superior das vértebras inferiores se articule com a cabeça da mesma costela que se articula com o demifacet inferior de uma costela superior.

Por exemplo, os T4 inferiores e os T5 superiores se articulam com a cabeça da costela 5.

O comprimento dos processos transversos diminui à medida que a coluna desce. O posicionamento das costelas e processos espinhosos limita grandemente a flexão e extensão das vértebras torácicas.

No entanto, T5-T8 tem a maior capacidade de rotação da região torácica. Vértebras torácicas têm facetas articulares superiores que se enfrentam na direção póstero-lateral. O processo espinhoso é longo, relativo a outras regiões, e é dirigido posteroinferiormente. Esta projeção aumenta gradualmente à medida que a coluna desce, antes de diminuir rapidamente de T9-T12. A altura do disco intervertebral é, em média, a menor das regiões vertebrais.

Existem três vértebras atípicas encontradas na região torácica:

As facetas costais superiores do T1 são facetas costais “inteiras”. Sozinhos articulam-se com a primeira costela; C7 não tem facetas costais. T1, no entanto, tem demifacetos inferiores típicos para articulação com a segunda costela. O T1 também tem um processo espinhoso longo, quase horizontal, semelhante aos da vértebra cervical, que pode ser tão longa quanto a vértebra proeminente de C7.

T11 e T12 são atípicos, pois contêm um único par, faceta costal “inteira”, que se articula com as 11 e 12 costelas, respectivamente. Eles também não têm facetas nos processos transversais. Varia de acordo com o indivíduo, mas T10 pode assemelhar-se à natureza atípica das 11 e 12 vértebras. Quando esse é o caso, T9 não possui um demifacet inferior, pois não seria necessário articular com as 10 costelas.

Além disso, T12 é único em que representa uma transição da vértebra torácica para a lombar. É torácica por conter facetas costais e facetas articulares superiores que permitem rotação, flexão e rotação. É lombar, pois possui processos articulares que não permitem rotação, apenas flexão e extensão. Também contém processos mamilares, pequenos tubérculos localizados na superfície posterior dos processos articulares superiores, que permitem a fixação dos músculos intertransversos e multífidos.

Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/radiopaedia.org/www.spine-health.com/www.wisegeek.org/www.kenhub.com/www.dartmouth.edu/mayfieldclinic.com/www.emory.edu

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Fratura de Úmero

PUBLICIDADE Definição A fratura do úmero é uma lesão no osso do braço que liga o ombro …

Coluna Vertebral

Coluna Vertebral

PUBLICIDADE Definição Uma série de vértebras que se estende do crânio até a parte inferior …

Escroto

Definição O escroto (ou saco escrotal) é uma parte da genitália externa masculina localizada atrás e embaixo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.