Breaking News
Home / Corpo Humano / Flora Intestinal

Flora Intestinal

PUBLICIDADE

Flora Intestinal – O que é

O intestino é considerado um segundo cérebro. Ele tem a mesma origem embriológica nos mesmos tecidos que geram o cérebro.

O cérebro possui 100 bilhões de neurônios e nosso intestino tem 100 milhões de neurônios.

flora intestinal formado por uma comunidade complexa de microorganismos que vivem nos tratos digestivos de humanos e outros animais.

Nos seres humanos, a microbiota intestinal possui o maior número de bactérias e o maior número de espécies em comparação com outras áreas do corpo. Nos seres humanos, a flora intestinal é estabelecida a um ou dois anos após o nascimento e, nesse momento, o epitélio intestinal e a barreira da mucosa intestinal que segrega desenvolveram de forma tolerável e, mesmo, de suporte, a flora intestinal e isso também proporciona uma barreira aos organismos patogênicos.

A composição da microbiota do intestino humano muda ao longo do tempo, quando a dieta muda, e como a saúde geral muda.

Bactérias e outros organismos vivem dentro dos intestinos. Eles ajudam a digerir os alimentos. Vitaminas como a biotina e a vitamina K são produzidas pela microflora intestinal. Também chamada de flora intestinal, microflora intestinal, flora intestinal e microflora.

Alimentos benéficos para a flora intestinal

Iogurte
Aveia
Kefir
Leite fermentado
Água
Chia
Ômega 3
Cápsulas com probióticos

Alimentos maléficos para a flora intestinal

Açúcar
Gordura saturada
Estresse
Agrotóxicos
Aditivos químicos
Leite

Flora Intestinal – Função

Flora Intestinal

microflora intestinal tem uma importante função no sistema defensivo do organismo, como na resistência à colonização (efeito barreira), que se refere a capacidade da bactéria pertencente a microflora normal de impedir a adesão e a permanência de organismos patogênicos no intestino.

Os fatores indiretos que influenciam no efeito barreira envolvem a interação entre a flora intestinal e o hospedeiro. Por exemplo, a passagem rápida do alimento pelo intestino dificulta a colonização de micro-organismos patogênicos e o contato que o indivíduo tem com micro-organismos no início da vida é fundamental para o equilíbrio da microflora na vida adulta.

Já os mecanismos diretos da resistência à colonização envolvem as relações ecológicas entre as populações bacterianas, como:

Competição: quando dois ou mais grupos lutam por determinado nutriente ou fator ambiental que não está disponível em quantidade suficiente para atender a demanda de todos os habitantes. Por exemplo, há um tipo de lactobacilo que vive aderido em no epitélio não-secretor do pré-estômago de rato. Se uma dose de antibiótico é aplicada e elimina os lactobacilos, uma levedura ou outro micro-organismo pode passar a colonizar esse espaço agora livre;

Amensalismo: um micro-organismo secreta um composto tóxico que inibe outro. Secretores de ácidos graxos de cadeia curta inibem, por exemplo, bactérias patogênicas, como a Salmonella; ? Predação: uma bactéria maior se alimenta de uma menor;

Parasitismo: um tipo de micro-organismo infecta ou parasita outro. Assim como o efeito barreira, o sistema imune no intestino também tem importância no controle de populações bacterianas nocivas. Há dois tipos de respostas do sistema imune no intestino: proteção e supressão de proteínas alimentares, prevenindo a hipersensibilidade e as alergias; e a indução de anticorpos, protegendo contra os agentes patogênicos em geral. O antígeno (uma bactéria patogênica) é identificado por macrófagos e células dendríticas, que absorvem o antígeno as quais apresentam fragmentos desse antígeno para o linfócito T-auxiliar. Esta última induzirá outro tipo de linfócito, o linfócito B, a produzir o anticorpo adequado para aquele antígeno.

Microbiota intestinal (flora intestinal)

Nosso trato gastrointestinal é o lar de não menos do que 1.012 a 1.014 microrganismos, ou seja, 2 a 10 vezes mais do que o número de células que constituem o nosso corpo.

Essa coleção de bactérias, vírus, parasitas e fungos não patogênicos compõe nossa microbiota intestinal (ou flora intestinal).

Seu papel está se tornando cada vez mais conhecido, e os pesquisadores agora estão tentando esclarecer a relação entre desequilíbrios na microbiota e certas doenças, particularmente doenças autoimunes e inflamatórias.

Compreendendo o papel da microbiota intestinal

Flora intestinal humana

A microbiota é um conjunto de microrganismos – bactérias não patogênicas, vírus, parasitas e fungos, conhecidos como microrganismos comensais – que vivem em um ambiente específico.

Existem diferentes microbiotas no corpo, na pele, na boca, na vagina, etc.

A microbiota intestinal é a mais extensa, com 1012 a 1014 microrganismos: 2 a 10 vezes mais do que o número de células que constituem o nosso corpo, pesando 2 kg!

A microbiota intestinal é encontrada principalmente no intestino delgado e no cólon – os ácidos do estômago tornam a parede do estômago praticamente estéril.

É distribuído entre o lúmen do trato gastrointestinal e o biofilme protetor formado pelo muco intestinal em sua parede interna (epitélio intestinal).

A presença de microrganismos no intestino é conhecida há mais de um século e cedo se presumiu que existia uma simbiose genuína entre o nosso corpo e esta flora. No entanto, até recentemente, recursos técnicos limitados estavam disponíveis para estudar essa interação em detalhes: apenas uma minoria das espécies bacterianas que constituem a microbiota poderia ser cultivada in vitro.

O desenvolvimento de técnicas de sequenciamento de alto rendimento para material genético deu um novo ímpeto a esta pesquisa, e há uma tendência real hoje em pesquisa com o objetivo de descrever a natureza das interações hospedeiro-microbiota, interações entre os microrganismos e seu impacto em termos de saúde.

Assim, o papel da microbiota intestinal está se tornando cada vez mais claro. Sabe-se agora que desempenha um papel nas funções digestivas, metabólicas, imunológicas e neurológicas. Consequentemente, a disbiose, ou seja, o comprometimento qualitativo e funcional da flora intestinal, é uma via séria para a compreensão da causa de certos distúrbios, particularmente aqueles com mecanismos autoimunes ou inflamatórios subjacentes.

Este se tornou um tema central na pesquisa biológica e médica.

As três categorias da flora intestinal

Existem três classificações da flora intestinal:

Flora essencial ou benéfica: também chamada de bactéria amigável ou probiótica. Toda a superfície do sistema digestivo é coberta e dominada por essas bactérias benéficas. Eles controlam todas as outras bactérias do sistema digestivo. Bactérias amigáveis fornecem uma barreira natural e nos protegem contra todos os tipos de bactérias invasoras, parasitas, fungos, vírus e toxinas que estão nos alimentos e bebidas que consumimos todos os dias. Bactérias benéficas produzem substâncias semelhantes a antibióticos que mantêm as populações de fungos sob controle e lutam contra vírus e bactérias “más”.

Flora Oportunista: existem cerca de 500 espécies desta flora conhecidas pela ciência. Em uma pessoa saudável, seu número é limitado e controlado pelas bactérias benéficas.

Flora de transição: são diferentes tipos de micróbios que ingerimos todos os dias nos alimentos e líquidos que consumimos. Quando o intestino está bem protegido pelas bactérias benéficas, esse grupo de flora passa pelo nosso trato digestivo sem nos prejudicar. Mas quando a população da flora benéfica é danificada e não funciona adequadamente, a flora de transição pode causar doenças.

Flora benéfica tem muitas funções importantes

Bactérias benéficas estimulam o crescimento adequado de células no sistema digestivo.

Mas eles fazem muito mais:

Eles ajudam na digestão e absorção dos alimentos, produzindo diferentes enzimas que decompõem proteínas, carboidratos, fibras e gorduras. As boas bactérias também produzem substâncias que transportam vitaminas, minerais e outros nutrientes dos alimentos e suplementos que ingerimos, através da parede intestinal e para a corrente sanguínea.

As bactérias benéficas também produzem nutrientes de curta duração no corpo, incluindo: vitaminas K2, B1, B2, B3, B6 e B12, ácido fólico, ácido pantotênico e alguns aminoácidos.

Sem uma composição saudável da flora, o corpo terá carência de nutrientes, que não serão produzidos ou absorvidos adequadamente.

Além disso, boas floras desempenham um papel fundamental em manter nosso sistema imunológico saudável, protegendo o intestino de espécies invasoras e reprimindo o crescimento de microorganismos prejudiciais que normalmente são encontrados no intestino em pequenos números.

A boa flora também treina o sistema imunológico para responder apenas a organismos ruins – os anticorpos (células que atacam as toxinas invasoras) aprendem a reconhecer as bactérias prejudiciais, mas deixam as espécies úteis em paz; este mecanismo é desenvolvido cedo na infância.

Bactérias amigáveis ??também podem influenciar a “tolerância oral”, na qual o sistema imunológico é menos sensível a substâncias estranhas (incluindo aquelas produzidas por bactérias intestinais), uma vez que foram ingeridas. Essa tolerância pode diminuir uma resposta imune exagerada, como as que ocorrem com alergias e doenças autoimunes.

O papel da flora na digestão

A flora benéfica nos ajuda a digerir e absorver os alimentos que comemos. Eles produzem enzimas que ajudam a quebrar os carboidratos. Uma vez decompostos nos intestinos, os nutrientes precisam passar pela parede intestinal para o sangue. A flora benéfica ajuda nesse processo, de modo que as vitaminas e os minerais podem viajar para outros tecidos do corpo.

Uma forma de bactérias boas, as lactobactérias, vivem no intestino delgado. Eles nos ajudam a digerir os laticínios e a lactose, o açúcar encontrado no leite. O outro tipo importante de bactérias boas, as bifidobactérias, vivem no cólon. Entre outras coisas, eles produzem vitaminas B, regulam os movimentos intestinais e produzem antibióticos para matar as bactérias nocivas.

Alguns alimentos contêm flora benéfica e enzimas naturais que ajudam nossos intestinos a decompor os alimentos. No entanto, muitos alimentos processados não contêm nenhuma flora ou enzimas úteis.

Resumo

A flora intestinal é o maior reservatório da flora humana.

É um fator essencial em certos distúrbios patológicos, incluindo falência de órgãos multissistêmicos, câncer de cólon e doenças inflamatórias intestinais e distúrbios extra-intestinais, como alergia, asma e até obesidade.

Os prebióticos e probióticos são conhecidos por ter um papel na prevenção ou no tratamento de algumas doenças. No entanto, descobriu-se que as bactérias são úteis no tratamento de doenças e, portanto, na promoção da saúde humana de forma segura e natural.

Fonte: www.inserm.fr/www.aboutkidshealth.ca/cdn1.vectorstock.com/en.wikipedia.org/www.rc.unesp.br/www.tummycalm.com/www.cancer.gov

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Nós musculares

PUBLICIDADE Nós musculares – O que são O fenômeno dos nós musculares não é incomum. Essencialmente, os nós …

Córtex auditivo

PUBLICIDADE Córtex auditivo – Definição O córtex auditivo executa uma variedade de funções que nos permitem segregar …

Hipotálamo

PUBLICIDADE O que é o hipotálamo? O hipotálamo é a pequena estrutura em forma de cone dentro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.