Breaking News
Home / Corpo Humano / Sistema Digestório

Sistema Digestório

PUBLICIDADE

Sistema Digestório – Definição

sistema ou aparelho digestivo é um tubo longo em que se encontram órgãos como boca, estômago e intestinos provido de comportas e barreiras que abrem e fecham em admirável sincronia, dando o ritmo necessário a cada etapa do processo.

Além disso, entram em ação coadjuvantes como o fígado e o pâncreas, responsáveis pela produção de enzimas que ajudam a quebrar a comida mastigada em partículas menores.

Nutrientes como carboidratos, gorduras e proteínas contêm moléculas complexas que têm de ser partidas para serem assimiladas por nossas células.

Essa tarefa cabe a enzimas chamadas hidrolíticas, porque dividem essas longas cadeias moleculares acrescentando a elas moléculas de água.

O que é o sistema digestivo?

sistema digestivo descreve órgãos e glândulas dentro do corpo que trabalham juntos para realizar a digestão dos alimentos. Com a ajuda dessas glândulas, o corpo é capaz de decompor os alimentos para que os nutrientes neles contidos possam ser absorvidos pela corrente sanguínea. Depois que o corpo tira tudo o que pode usar dos alimentos, o trato digestivo converte o restante em resíduos que são eliminados do corpo.

Alguns dos órgãos mais proeminentes do sistema digestivo incluem boca, estômago, intestinos e reto.

Uma ilustração de um estômago humano, um órgão importante do sistema digestivo

Comer é a primeira etapa da digestão e normalmente é motivado pelo apetite. Na maioria dos casos, o apetite é estimulado pela reação das glândulas salivares ao aroma da comida próxima.

Os alimentos são primeiro decompostos na boca, pela mastigação. O alimento engolido então se move através do esôfago, onde é finalmente depositado no estômago. Uma vez no estômago, as enzimas e os ácidos atuam para quebrar o alimento em um líquido chamado quimo, de modo que ele possa facilmente passar para o intestino.

A porção intestinal do sistema digestivo inclui os intestinos delgado e grosso. Dentro do intestino delgado, o pâncreas, o fígado e a vesícula biliar atuam sobre os alimentos para ajudar a facilitar a digestão e maximizar a absorção de nutrientes. Uma série de dutos permite que esses órgãos interajam com o conteúdo do intestino delgado.

O intestino delgado também tem milhões de minúsculas protuberâncias chamadas vilosidades, que ajudam os nutrientes a passar do intestino para a corrente sanguínea.

Partes dos alimentos que não podem ser completamente digeridos pelo corpo deixam o intestino delgado e são depositados no intestino grosso.

O reto é usado para dissipar resíduos no final do sistema digestivo

Converter alimentos não digeridos em resíduos é a principal função do intestino grosso. Este trato intestinal inclui o reto, o cólon e o ceco. O ceco é a parte do intestino grosso onde o alimento não digerido chega primeiro, antes de seguir para o cólon. Dentro do cólon, as bactérias ajudam a transformar alimentos não digeridos em resíduos.

Depois que os alimentos são convertidos em resíduos, eles passam para o reto.

O corpo usa o reto e o Orifício final do intestino grosso para remover os resíduos. Dentro do reto, as fezes são alojadas até serem expelidas pelo Orifício final do intestino grosso. Isso é provocado por contrações musculares voluntárias e involuntárias que fazem com que as fezes sejam empurradas do reto para fora através da abertura anal.

Se os processos do sistema digestivo tiverem ocorrido corretamente, a digestão normalmente leva cerca de 24 horas. Isso tende a variar com cada indivíduo e, para alguns, o processo digestivo pode levar até 72 horas. Quando a digestão leva mais tempo do que isso, geralmente ocorre constipação e podem ser necessários laxantes para provocar a evacuação.

Como funciona o sistema digestivo?

Um diagrama do sistema digestivo

sistema digestivo humano é uma sequência de órgãos que usam meios mecânicos e químicos para ingerir alimentos, quebrá-los, extrair nutrientes e energia e ejetar resíduos na forma de urina e fezes.

Esse sistema evoluiu gradativamente ao longo de centenas de milhões de anos e é a única maneira natural de os humanos obterem energia para o movimento e o pensamento.

É capaz de lidar com uma variedade de fontes alimentares, tanto animais como vegetais, mas tende a lidar melhor com os alimentos quando cozinhados. Como a comida cozida existe há tanto tempo, a humanidade como espécie está ligeiramente “estragada” a seu favor, e muitas pessoas adoecem se consumirem alimentos que não receberam o cozimento adequado.

A boca é a entrada para o sistema digestivo humano. Os dentes rangem os alimentos, quebrando-os mecanicamente, enquanto as três glândulas salivares liberam saliva contendo a enzima amilase, que decompõe o amido e a gordura quimicamente. A saliva torna os alimentos mais fáceis de engolir, umedecendo-os, bem como evita a erosão do esmalte dos dentes pela modulação do pH.

Depois de entrar no corpo pela garganta, o alimento desce pelo esôfago, sendo transportado não pela gravidade, mas por contrações musculares. É por isso que é possível comer pendurado de cabeça para baixo.

O interior do esôfago é muito úmido, o que ajuda a decompor os alimentos e evitar danos ao resto do sistema.

Depois de passar pela porção do esôfago do sistema digestivo, os alimentos e as bebidas chegam ao estômago, onde são posteriormente divididos em pedaços administráveis.

Como os nutrientes dos alimentos devem ser consumidos pelas células, eles devem ser divididos em porções muito pequenas para serem entregues. O principal agente da digestão no estômago são os sucos gástricos, que são produzidos em grandes quantidades e podem ser muito ácidos. Um agente secundário são as contrações musculares no estômago.

Depois do estômago, o alimento decomposto segue para o intestino delgado, a área onde ocorre a maior parte da extração de nutrientes. À medida que o alimento passa pelo intestino delgado, ele é misturado à bile, que é produzida pelo fígado, bem como aos sucos pancreáticos, que talvez venham do pâncreas, sem surpresa. Esses dois líquidos ajudam no processo digestivo, quebrando os nutrientes dos alimentos a ponto de serem absorvidos pelo sangue. O intestino interno é o lar das famosas vilosidades, minúsculas extrusões vivas que reúnem nutrientes em uma escala fina.

Os componentes finais do sistema digestivo são o intestino grosso ou cólon, o Orifício final do intestino grosso e o trato urinário, que separam a matéria líquida da matéria sólida e os encaminha para suas respectivas portas de saída.

É claro que o sistema digestivo humano não é 100% eficiente, e muitos nutrientes sobram nesse “lixo”, que serão consumidos alegremente pelas bactérias ou enviados por uma usina de processamento de lixo.

Sistema Digestório – Órgãos

1 – A BOCA

A destruição físico-química dos alimentos começa na boca, com a formação do chamado bolo alimentar.
A destruição física ocorre com a mastigação. A destruição química é indicada pelas glândulas salivares e enzimas presentes na boca.
Os órgãos do olfato e também do paladar ajudam a estimular as três glândulas salivares.
As glândulas salivares secretam mucus e uma enzima digestiva chamada amilase salivar (ptialina).
O mucus molha os alimentos e permite que eles passem facilmente pelo esôfago (tubo que liga a boca ao estômago)
A amilase inicia a digestão química dos carboidratos (amidos, presentes principalmente em massas).
Deixar de mastigar completamente os alimentos torna esta etapa ineficaz e dificulta o trabalho das outras seções do sistema digestivo.
Liquidificar os alimentos supera essa deficiência.

2 – -O ESÔFAGO

O esôfago é um tubo com aproximadamente 25 cm de comprimento nos adultos. Ele tem uma participação real no processamento dos alimentos, é uma passagem da boca para o estômago.

O esôfago se contrai e se relaxa progressivamente de modo parecido com o de apertar um tubo de pasta de dentes.

Esses movimentos ? chamados peristálticos ? levam o alimento ao estômago mesmo com a pessoa de cabeça para baixo. Sua missão é resistir à abrasão de quaisquer partículas alimentares maiores.

Quando bolo alimentar está para entrar no estômago, se abre uma válvula situada no terminal inferior do esôfago: O esfíncter inferior do esôfago.

O resto do tempo ele permanece fechado para impedir que o conteúdo estomacal venha tubo acima, o que causaria queimaduras.

Após o alimento passar pelo esfíncter para dentro do estômago, começa a parte principal do processo digestivo.

3 – ESTÔMAGO

O estômago é constituído por uma membrana mucosa que contém milhares de glândulas gástricas microscópicas. Essas glândulas secretam ácido clorídrico, enzimas e muco, substâncias que vão compor o que se chama de suco gástrico.

Ao cair no estômago, o bolo alimentar é banhado pelo suco gástrico. Este é um ácido tão forte que queimaria o interior do órgão, não fosse a camada de muco, de cerca de 2 milímetros que o reveste.

A digestão das proteínas começa no estômago, onde duas enzimas- renina e pepsina ? decompõe as grandes moléculas em componentes mais simples. Mais tarde, a digestão das proteínas prossegue, sob a ação de outras enzimas ? a tripsina no suco pancreático e a peptidase no suco intestinal. Toda molécula de proteína é constituída de muitos aminoácidos, quando essas moléculas são decompostas nos diferentes aminoácidos pelas enzimas, então a digestão das proteínas se completa.

As principais enzimas contidas no suco gástrico são a pepsina (que age nas proteínas) a lipase (que atua nas gorduras).

Cerca de três contrações peristálticas por minuto vão misturando o suco gástrico ao bolo alimentar, até deixá-lo cremoso como iogurte.

O fígado produz a bilis, outra substância ácida, com sais que ajudam a quebrar as gorduras. Do pâncreas vem o suco pancreático, que contém mais lipase e amilase (esta, mais concentrada que na saliva).

Os alimentos são mantidos na cavidade estomacal pelo músculo do esfincter piloro (outra válvula do aparelho digestivo), até que esta etapa do processo digestivo termine, isso em média, leva três horas para a maioria dos alimentos. O bolo alimentar então passa através do piloro para o intestino delgado.

4 – O INTESTINO DELGADO

A saída do estômago se dá através da válvula piloro. Ela libera aos poucos o bolo para o duodeno, a primeira seção do intestino delgado.

O intestino delgado é constituído por três seções: o duodeno, o jejuno e o íleo.

A maior parte da digestão química, ocorre no duodeno, a primeira seção.

O bolo alimentar que não é de natureza ácida; passa para essa área, na qual um problema relativamente moderno às vezes ocorre: a úlcera duodenal.

É geralmente aceito que uma prolongada hiperacidez é uma das principais causas dessas úlceras, além do stress e outros fatores emocionais como ansiedade e principalmente o desgaste causado por alimentos insuficientemente mastigados. A liquidificação dos alimentos pode superar esse problema.

Na segunda seção do intestino delgado, o jejuno, é onde o alimento finalmente começa a ser absorvido. Nesse momento, o organismo libera líquido para facilitar o processo.

Assim como o mucus que forra o estômago, o intestino delgado também contém milhares de glândulas microscópicas que secretam sucos digestivos.

A estrutura multi-pregueada das paredes do intestino delgado é coberta por milhares de pequenos ?dedos? chamados vilosidades.

Cada uma das vilosidades contém uma rica rede de capilares para absorver os açúcares e aminoáciodos que são os produtos da digestão dos carboidratos e das proteínas.

Como o intestino é pregueado, possui uma enorme superfície que permite uma rápida absorção dos alimentos pelo sangue e pelo sistema linfático.

Cada vilosidade contém um vaso linfático chamado glândula láctea que absorve os lipídeos e materiais gordurosos do bolo alimentar,

A vilosidade por sua vez é coberta por células chamadas microvilosidades que aumentam ainda mais a área de absorção dos nutrientes.

Os sucos pancreáticos (produzidos pelo pâncreas) e a bilis (produzida pela fígado) e estocada na vesícula biliar), vão se armazenar no terço médio do duodenoo através dos dutos.

Outro problema relativamente moderno que ocorre aí é a icterícia que é o resultado do bloqueio de um ou mais desses dutos. Isto é frequentemente devido à inabilidade de digerir adequadamente os alimentos, de modo que a liquidificação pode ajudar a evitar esse problema, pelo suprimento de alimentos já parcialmente digeridos.

5 – O FÍGADO, A VESÍCULA BILEAR E O PÂNCREAS

A maioria das pessoas não entendem bem a importância desses três órgãos no processo digestivo.

O fígado produz a bílis, que é estocada na vesícula. Pelo fato de que as gorduras se decompõem em grandes glóbulos, estes devem ser quebrados em pequenas partículas capazes de serem absorvidas.

Esta é a função da bílis. As gorduras do bolo alimentar desencadeiam secreções do hormônio cholecystokinin, o qual, por sua vez, estimula a contração da vesícula para começar o fluxo de bílis.

Este hormônio também estimula a liberação de enzimas pelo pâncreas.

Além da produção de bílis, as células do fígado têm outras importantes funções.

Elas desempenham o papel mais importante no metabolismo de todas as espécies de alimentos, ajudam a manter normal a concentração de glicose no sangue, iniciam os primeiros passos do metabolismo das proteínas e das gorduras e sintetizam várias espécies de componentes proteicos. As células do fígado também ajudam a desintoxicar várias substâncias, como produtos com bactérias e certas drogas. Elas também estocam ferro, vitaminas A, B-12 e D.

O suco pancreático é também muito importante na digestão. Ele contém enzimas que digerem todos as três principais espécies de alimentos ? a proteína, a gordura e o amido. Ele também contém sódio, bicarbonato e substância alcalina que neutralizam o suco gástrico. Além disso, o pâncreas é a sede das ilhotas de Langerhans, que são as células que fabricam a insulina.

Muito pouca digestão de carboidratos ocorre na boca ou no estômago, pois, como foi mencionado antes, a maioria de nós absorve os alimentos tão rapidamente que a amilase salivar normalmente tem pouco tempo para fazer seu trabalho e o suco gástrico não possui enzimas necessárias para a digestão dos carboidratos.

É quando o alimento chega no intestino delgado que os sucos pancreáticos e intestinais vão digerir esse amido em açúcares.

O processo começa quando a enzima, amilase pancreática, transforma o amido em um açúcar: a maltose.

Então, as três enzimas intestinais maltose, sucrase e lactase diferem os açúcares, pela transformação dos mesmos em açúcares simples, principalmente glicose. A maltase digere a maltose (açúcar do malte), a sucarase digere a sacarose (açúcar da cana) e a lactase digere a lactose (açúcar do leite).

A digestão da gordura também não acontece antes do intestino delgado, e ainda sendo o pâncreas envolvido no processo. A lipase gástrica, uma enzima do suco gástrico, faz a digestão de parte da gordura no estômago, mas a maior parte segue não digerida até que a bilis no intestino delgado quebra os grandes glóbulos das gorduras. Então uma enzima pancreática, estepsina ou lipase pancreática decompõe as moléculas em ácidos gordurosos e glicerol (glicerina).

6 – O INTESTINO GROSSO

No intestino grosso, qualquer material que tenha escapado da digestão, no intestino delgado será afetado pelas bactérias assim como nutrientes adicionais poderão ser liberados aqui da celulose e outras fibras.

As bactérias nesta fase são responsáveis pela síntese da vitamina K – necessária para o tempo normal de coagulação e funções do fígado ? e para a produção de algumas das vitaminas do complexo B que, uma vez formadas, são absorvidas pela corrente sanguínea.

Qualquer coisa que não seja absorvida aqui é excretada como lixo e novamente, a liquidificação é útil para este fim, desde que favorece a nutrição que é mais facilmente e completamente absorvida.

Quando o bolo chega ao intestino grosso, ocorre uma grande reabsorção de água pelo organismo. Isso faz com que, a partir daí, ele vá tomando consistência pastosa.

Ao entrar em contato com o colo (ou cólon, seção intestinal entre o íleo e o reto), encontra as bactérias responsáveis pelo mau cheiro do produto final.

As feses são formadas principalmente por celulose (fibra vegetal não digerível), além de células mortas do tubo digestivo, que se regenera constantemente, e outras moléculas grandes demais para serem absorvidas.

Da boca ao orifício final do intestino grosso, o bolo completa uma de cerca de 7,5 metros em um adulto.

7 – O METABOLISMO

Metabolismo é o uso que o corpo faz do que foi ingerido, absorvido e canalizado para as células.

Os alimentos são usados de um dos dois modos ? ou como uma fonte de energia ou fabricando compostos químicos complexos que habilitam o corpo ao seu diversificado funcionamento.

Os alimentos devem ser processados e absorvidos pelas células, e submeter-se a muitas mudanças antes que uma ou outra dessas coisas possam acontecer.

As reações químicas que liberam energia das moléculas alimentares constituem o processo de catabolismo; esta é a única maneira que o corpo tem para suprir-se da energia que necessíta para realizar suas múltiplas funções.

O processo de transformar as moléculas de alimentos num complexo químico de componentes é chamado anabolismo.

Juntos, o catabolismo e o anabolismo constituem o processo chamado metabolismo. A taxa metabólica basal (basal metabólico Rate ? BMR) é o número de calorias que deve ser disponibilizada a cada dia, simplesmente para manter um indivíduo vivo e funcionando. Nutrição adicional é necessária para habilitá-lo (ele ou ela) a ter energia para trabalhar e outras atividade. Quanto mais ativo é uma pessoa, mais alimento ele ou ela devem metabolizar

Este é por sí só o melhor argumento para a liquidificação dos alimentos. A liquidificação habilita o corpo a utilizar sua energia ao máximo, por tomar todos os nutrientes facilmente absorvíveis e digeríveis, com o mínimo de esforço da parte do sistema.

Uma vez que nós eliminamos de nossa dieta os alimentos que nos afetam de maneira adversa, e nos acostumemos aos alimentos de alto valor nutricional, teremos pela frente um longo caminho que nos livrará de muitos problemas de saúde que nos têm perturbado e que nós temos aceitado como ?parte da vida?.

Quando o corpo recuperar sua saúde, ele produzirá novamente suas próprias enzimas e estará livre de problemas digestivos e poderá ingerir gradualmente uma larga gama de alimentos.

Até que isto aconteça poderá haver poucas questões que a liquidificação proposta em meu regime não seja a resposta para aqueles difíceis problemas de assimilação e digestivos e que certamente não mais ocorrerão.

Fonte: /orbita.starmedia.com/www.geocities.com/www.wisegeek.org/www.corpohumano.hpg.ig.com.br/biologia.htm/www2.uerj.br/www.niddk.nih.gov

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Córtex auditivo

PUBLICIDADE Córtex auditivo – Definição O córtex auditivo executa uma variedade de funções que nos permitem segregar …

Hipotálamo

PUBLICIDADE O que é o hipotálamo? O hipotálamo é a pequena estrutura em forma de cone dentro …

Sistema Nervoso Simpático

PUBLICIDADE Sistema Nervoso Simpático – Definição O sistema autônomo é composto de duas divisões, os …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.