Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Jordânia  Voltar

Jordânia

 

História

A terra que se tornou a Jordânia faz parte da região do Crescente Fértil ricamente histórica.

Sua história começou por volta de 2000 aC, quando amorreus semitas estabelecido em torno do rio Jordão, na área chamada Canaã.

Subsequentes invasores e colonos inclumamelucos, turcos otomanos e, íram hititas, egípcios, israelitas, assírios, babilônios, persas, gregos, romanos, árabes muçulmanos, cruzados cristãos, finalmente, os britânicos.

Jordânia

No final da I Guerra Mundial, o território que agora compreende Israel, a Jordânia, a Cisjordânia, Gaza e Jerusalém foi concedido ao Reino Unido pela Liga das Nações, como o mandato para a Palestina e Transjordânia.

Em 1922, os britânicos dividiram o mandato, estabelecendo o semi-autônomo Emirado da Transjordânia, regido pelo príncipe Hashemita Abdullah, continuando a administração da Palestina sob um alto comissário britânico.

O mandato sobre a Transjordânia acabou em 22 de maio de 1946; em 25 de maio, o país se tornou independente do Reino Hachemita da Transjordânia. Ele continuou a ter um relacionamento tratado especial de defesa com o Reino Unido até 1957, quando o tratado foi dissolvida por mútuo consentimento.

O mandato britânico sobre a Palestina terminou em 14 de maio de 1948, e o Estado de Israel foi proclamado. Estados árabes vizinhos, incluindo a Transjordânia, mudou-se para ajudar os nacionalistas palestinos contrários a este desenvolvimento, resultando em guerra aberta entre os Estados árabes eo Estado de Israel recém-fundada.

Os acordos de armistício de 03 de abril de 1949, estabeleceram linhas de armistício de demarcação entre a Jordânia e Israel, deixando a Jordânia o controle da Cisjordânia. Os acordos expressamente, que as linhas de demarcação do armistício estavam sem prejuízo de futuros assentamentos territoriais ou linhas de contorno.

Em 1950, o país foi rebatizado o Reino Hachemita da Jordânia para incluir aquelas porções da Palestina anexadas pelo Rei Abdullah. Jordan estabeleceu três províncias na Cisjordânia: Nablus, al-Quds (Jerusalém), e al-Khalil. Embora reconhecendo jordaniano administração sobre a Cisjordânia, os Estados Unidos mantiveram a posição de que a soberania final foi objeto de acordo futuro.

Jordânia assinou um pacto de defesa mútua maio 1967 com o Egito, e participou em junho de 1967 guerra entre Israel e os Estados árabes de Síria, Egito e Iraque. Depois de repelir o ataque árabe, Israel estendeu seu controle até o rio Jordão, incluindo Jerusalém Oriental da Jordânia controlada.

Em 1988, a Jordânia renunciou todas as reivindicações para a Cisjordânia, mas reteve um papel administrativo pendente de um acordo final sobre a Cisjordânia.

O governo dos EUA considera a Cisjordânia como território ocupado por Israel e acredita que o seu estatuto final deve ser determinado através de negociações diretas entre as partes interessadas sobre a base das resoluções do Conselho de Segurança 242 e 338.

A guerra de 1967 levou a um aumento dramático no número de palestinos que vivem na Jordânia. Sua população de refugiados palestinos - 700, 000 em 1966 - cresceu por outro 300.000 da Cisjordânia.

O período após a guerra de 1967 viu um aumento no poder e importância dos elementos de resistência palestinos (fedayeen) na Jordânia. Diferentes com as políticas do Governo jordaniano, o fedayeen fortemente armada constituía uma ameaça crescente para a soberania ea segurança do Estado Hachemita. As tensões entre o governo e os fedayeen aumentou até luta aberta eclodiu em junho de 1970.

Outros governos árabes tentaram encontrar uma solução pacífica, mas em setembro, dando continuidade as ações fedayin na Jordânia - incluindo a destruição de três aviões internacionais seqüestrados e mantidos em deserto a leste de Amã - levou o governo a tomar medidas para recuperar o controle sobre seu território e população. Na luta que se seguiu pesada, uma força de tanques sírios (camuflada como uma força palestina) inicialmente tomou posições no norte da Jordânia para apoiar o fedayeen.

Em setembro de 22, chanceleres árabes reunidos no Cairo tinha arranjado um cessar-fogo começando no dia seguinte. Violência esporádica continuou, no entanto, até que as forças jordanianas obtiveram uma vitória decisiva sobre os fedayeen em julho de 1971, expulsando-os do país.

Desde então, os fedayeen não apresentaram uma ameaça para o Governo jordaniano.

Nenhuma luta ocorreu ao longo do rio Jordão 1967 linha de cessar-fogo durante a guerra de outubro de 1973 entre árabes e israelenses, mas a Jordânia mandou uma brigada para a Síria para lutar contra unidades israelenses em território sírio. Jordânia não participou da Guerra do Golfo de 1990-91.

Com exceção de um período de tensão fronteira com a Síria em 1980, foi em paz de fato com todos os seus vizinhos.

Em 1991, a Jordânia concordou, juntamente com a Síria, Líbano e representantes palestinos, participar de negociações de paz diretas com Israel patrocinadas por os EUA ea Rússia.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Jordânia

Jordânia, aventuras sem limites

Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa terra que conserva as marcas profundas de civilizações milenares.

Fechar os olhos para sentir o silêncio das vozes da humanidade que descansa misteriosa baixo as ruínas. O viajante terá a oportunidade de visitar lugares que já estavam ali há mais de 10.000 anos, descer até o Mar Morto ou admirar a sedutora paisagem do Vale do Jordão, entrar nos castelos de árabes e cruzados e mergulhar nas páginas da história até o mundo Greco-Romano das místicas cidades da Decápolis onde o esplendor da Grécia e Roma convivem com uma moderna Jordânia cheia de vida com seus Teatros, avenidas de magníficas colunas, templos e banhos.

Nas áridas regiões do meio leste o viajante poderá aventurar-se em desertos e desenterrar os enigmas que guardam suas ardentes areias, ter contato com os beduínos e as tribos nômadas, que acampam suas barracas enquanto que repõe silenciosos seus rebanhos e camelos, e porquê não, seguir as pegadas de Laurence da Arábia.

Porém em Jordânia tem também espaços para relaxar e tomar um banho ao mesmo tempo que se admiram paisagens impressionantes como os arrecifes de corais do Mar Vermelho ou desfrutar dos agradáveis balneários que se encontram em numerosos lugares.

A variedade e beleza de Jordânia se fundem com a tradição de hospitalidade que fará estrangeiro desfrutar desta terra amável e milenária, que goza das modernas estruturas que existem hoje em dia no mundo.

História

Situada entre duas grandes civilizações, a egípcia ao oeste e a mesopotâmica ao leste, o território Jordão foi um ativo ponto de cruze. As últimas escavações encontraram vestígios de civilizações que se remontam as idades da pedra, bronze e ferro. Edomitas, Moabitas e Amonitas, se estabeleceram nestas terras.

Os árabes Nabateos se fixaram no sul e fizeram de Petra sua capital. Nos tempos bíblicos o território Jordão formou parte da Palestina com os nomes de Idumea e Moab. Mais tarde, no século II d.C., foi controlado pelos romanos até a chegada do Império Bizantino.

Os árabes se apoderaram de toda a zona no século VII, o território foi depois conquistado pelas cruzadas que terminaram unindo-se ao reino de Jerusalém.

Em 1118 os árabes reconquistaram de novo o país, que passou logo ao domínio de Egito. No século XVI esteve nas mãos dos turcos até que foram derrotados na I Guerra Mundial.

Pelo tratado de Versalhes Grã Bretanha recebeu um fideicomisso sobre Palestina, separada sem mas discussão em um estado árabe e outro judio, e o território que compreendia a Transjordânia, zona criada em 1920 por razões políticas.

Em 1946 o Emirado de Transjordânia foi governado por Emir Abdullah, avó do Rei Hussein, depois de seu assassinato lhe sucedeu seu filho Talal e a este Hussein.

Na guerra da Liga Árabe com Israel, Transjordânia ocupou a porção antiga de Jerusalém e aquele, a nova. Em 1939 a nação adotou o nome de Reino Hachemita de Jordânia. Em 1958 formou junto com Iraque a Federação Árabe. Depois da ocupação por Israel de Cisjordânia (1967) na Guerra dos Seis Dias, perdeu sua parte de Jerusalém e os territórios ao oeste do rio Jordão anexados pelo Estado Israelita.

Nos anos setenta os palestinos, particularmente os pertencentes a Organização Nacional para a Libertação da Palestina (OLP), entraram em uma luta mais ativa contra a ocupação israelense. Naquele tempo Jordânia perdeu amigos em outros países por associar-se a OLP.

O mundo associava a OLP com fenômenos terroristas, imagem que só recentemente foi diminuindo considerando finalmente a esta organização como um sério elemento na busca da paz no Oriente Médio.

Na Guerra do Golfo Jordânia pareceu apoiar a Iraque e um grande número de palestinos a Saddam Hussein. A luta deles contra USA e seus aliados, que incluía alguns países árabes, supôs um grande risco para a paz. Ao final do conflito Jordânia evitou o total desamparo e acabou sendo considerada pela comunidade internacional como um país que cooperou ativamente no assentamento do problema.

Jordânia se recuperou do conflito e agora olha seus problemas, o extremismo islâmico e a luta pela democracia. É uma Monarquia Constitucional com sistema parlamentar de duas câmaras. A Câmara Baixa é eleita mediante votação popular. As liberdades de religião, de imprensa, de palavra, de associação e a propriedade privada estão garantidas pela constituição.

Localização Geográfica

Assentado sobre os alicerces da antigüidade o Reino Hachemita de Jordânia, dominado pelo fértil Vale do Jordão, é uma ponte entre o mar e o deserto, o leste e o oeste. Tem uma superfície de uns 98.000 quilômetros quadrados, cobertos na maior parte pelo deserto e a estepe. O rio Jordão corta a meseta na fronteira do oeste, desembocando no Mar Morto.

Este rio, o mais importante do país, forma um profundo vale onde se encontram a maioria das principais cidades. É a zona mais montanhosa do país. A partir de ali e até os limites com Síria, ao norte, estão os desertos. Limita ao noroeste com Iraque, ao oeste e sul com Arábia Saudita, ao sudoeste com o Golfo de Aqaba e a oeste com Israel.

Flora e Fauna

No deserto, além do místico camelo capaz de suportar a sede como ninguém, podem-se encontrar uma grande variedade de curiosos animais como o zorro do deserto, a rata das areias, lebres e uma infinidade de pequenos roedores. As colinas do nordeste do Mar Morto são o lar do javali, o castor, e a cabra, ainda que também podemos ver gazelas e antílopes na Reserva Natural de Shaumary no leste.

No Oásis de Azraq centenas de espécies de aves migratórias se reconfortam numa época do ano, enquanto no Golfo de Aqada nadam uma enorme variedade de peixes tropicais, num vasto e formoso paisagem de coral.

Os bosques de pinos do norte dão passo as ladeiras cultivadas do Vale do Jordão onde domina o cedro, a oliva e o eucalipto. Ao sul em direção ao Mar Morto, a vegetação dá caminho ao barro e as salinas.

Uma pequena parte do país é suscetível de cultivo, e o rebanho também é pobre. A flor nacional de Jordânia é o Íris Negro.

Arte e Cultura

O islã proíbe qualquer representação gráfica de seres humanos ou animais, esta particular característica tem dominado a arte em todo o mundo árabe. Apesar de que os artistas jordanos desenvolveram uma pintura figurativa ao estilo tradicional do ocidente fazem já cem anos, os visitantes ainda que se impressionam ao admirar a elaborada finura que exibem os complicados desenhos geométricos que adornam mesquitas e manuscritos, assim como a extravagante caligrafia de língua árabe.

Jordânia se desenvolveu rapidamente entrando em cena a arte, incluindo a artistas femininas de grande categoria, entretanto o terreno literário ao que refere a gêneros modernos como a novela, resulta novo ao mundo árabe e pouco desenvolvido.

As primeiras obras começam a aparecer no século XIX. O que caracteriza a esta região é uma tradição poética altamente estruturada e complexa, influenciada pelo Alcorão. Os escritores árabes modernos provêm de um contexto literário muito diferente dos escritores ocidentais.

A música árabe reflete a harmônica conjunção do bom gosto que surge da união de instrumentos ocidentais. A música popular é misteriosa e atrativa, a escutará onde queira que vá.

Os beduínos confeccionam tecidos, sua arte destaca sobre todo na vestimenta das mulheres. O colorido e os vistosos desenhos, que mudam segundo as tribos, são tremendamente cativadores por si só.

Locais Turísticos

Dividimos o país em 4 zonas. Iniciaremos o percorrido pelo Noroeste, pela cidade de Amman, para continuar por uma breve viajem pelo Castelos do Deserto.

Continuaremos até o Mar Morto, para transladarmos depois a Região do Sul, onde encontra-se uma impressionante Petra e a plácida Aqaba.

O Noroeste

AMMAN

Amman, uma das cidades mais antigas do mundo, é a capital do Reino Hachemita de Jordânia. Foi construída sobre sete colinas, ainda que na atualidade somam ao menos dezenove. A cidade cobre as colinas (denominadas jabal) com um manto de edifícios brancos, bêges e ocres, que lhe conferem um aspecto cromático peculiar e devido a pedras nativas usadas na construção é conhecida por muitos como a Cidade Branca.

Possui uma história fascinante: em tempos da Bíblia era conhecida como Rabbath Ammon. A capital dos Ammonitas, corria o ano 1200 a.C. Mais tarde, durante o reinado de Ptolemy Philadelphus (283-246 a.C.) a cidade foi reconstruída e chamada Philadelphia. Quando a conquistou o Rei Herodes em 30 a.C. passou a formar parte do império romano e chegou a ser considerada um membro da "Decápolis" ao ser incluída entre as dez cidades Greco-Romanas do primeiro século antes de Cristo.

Amman é uma dinâmica cidade com uma população de mais de um milhão de habitantes e um atrativo centro comercial e administrativo em constante crescimento.

A cidade está coroada pela Cidadela, uma colina em que se encontram vários lugares de grande interesse para o viajante: as ruínas do Templo de Hércules, construído em tempos do imperador Marco Aurélio (161-180 d.C.); o Palácio de Omayyad (720 d.C.) e a Igreja Bizantina, construída ao redor dos séculos VI ou VII e cuja localização está marcado pelas colunas corínteas. Também nesta colina encontra-se o Museu Arqueológico Nacional, que contêm restos dos primeiros assentamentos na região fazem 700.000 anos.

Ao pé da Cidadela está o Teatro Romano, construído em 170 d.C. e que conta com uma lotação de 6.000 assentos. O Odeon é um pequeno teatro romano restaurado que se utiliza para concertos. Perto dali o viajante curioso pode admirar no Museu do Folclore e no Museu da Tradição, a ampla gama de artigos que recriam o mundo jordano através dos trajes, objetos musicais, jóias tradicionais etc. Quanto aos artistas contemporâneos jordanos, podemos encontrar seus trabalhos na Galeria de Arte Nacional.

Não podemos esquecer da Nimphaeum, a ornamental fonte dedicada as ninfas da água.

A cidade de Amman é amistosa e segura, se transforma ao tempo em antiga e moderna, ativa e misteriosa. Nela o explorador encontrará um lugar perfeito para percorrer, fazer compras, visitar os restaurantes, cafés, clubes noturnos, e hotéis de todas as tarifas. O Ministério de Turismo que encontra-se na cidade informa ao visitante de todo que ocorre em Amman.

JERASH

Jerash, Gerasa nos tempos antigos, está situada em um formoso vale verde na terra bíblica de Galaad. Um passeio por esta cidade pode-se converter em uma viagem ao tempo. Trata-se de uma das cidades Greco-Romanas melhor conservadas do mundo pelo que é conhecida como a "Pompéia do Leste" e forma parte, como Amman, de uma antiga "Decápolis".

Ao aproximar-se a cidade a viajante encontra-se com O Arco de Adriano, a impressionante porta de três arcos, construída para comemorar a entrada do Imperador Adriano na cidade no ano de 129 d.C. Entrando na vila destacam as areias do Hipódromo onde eram realizadas as corridas de carruagens.

Ao final do caminho se levanta grandioso o Templo de Zeus, construído em 162 d.C. Ao lado encontra-se o Teatro do Sul, mostra a expansão e prosperidade da cidade a princípios do segundo século, e que conta com uma impressionante acústica, o teatro é utilizado atualmente e pode albergar a 3.000 espectadores.

Ao entrar na Praça Oval e passeando pela Rua das Colunas, ou O Cardo surpreendemos inúmeras ruínas, que constituem assombrosas relíquias de antigas civilizações, como O Fórum, donde costumavam reunir-se figuras públicas.

Uma das mais fascinantes rotas dentro de Jerash é a procissão em direção ao Templo de Artemis. Deixando por um lado a uma igreja bizantina do século VI, que forma parte da procissão, devemos passar por Propylaeum, a porta da catedral, formada por duas colunas.

O caminho inclui as escadas que se levantam até a praça do templo onde encontram-se os restos de um altar ao ar livre. Algumas escadas mais, que nos levam através de 22 colunas coríntias para chegar finalmente ao templo de Artemis, filha de Zeus e irmã de Apolo, onde podemos admirar as colunas coríntias que o rodeiam.

Ainda podemos ver, em alguns lugares da cidade, vestígios dos caminhos gastos pelas carroças da época. Dentro desta interessante vila se encontraram restos de assentamentos que datam das Idades de Bronze, Ferro, Helenística, Romana e Bizantina, assim como dos períodos Ameya e Abasida.

A antiga comunidade revive para os visitantes de hoje com noturnos espetáculos de luz e som durante os meses de verão e com o espetacular Festival Anual de Arte e Cultura que se celebra no mês de julho.

Pella é um dos pontos arqueológicos mais importantes da região, cuja maior parte de estruturas visíveis datam das épocas Romana, Bizantina e Islâmica. De comparável importância é a cidade de Umm Quais, conhecida como Gadara na antigüidade.

O ponto mais alto de Gadara encontra-se a 378 m sobre o nível do mar, proporcionando esplêndidas vistas sobre a zona norte do Vale do Jordão, o Mar de Galiléia (Lago Tiberiades), a garganta do Yarmouk e os Altos do Golán. Nos dias claros, o pico nevado do monte Hermón se tornam visíveis atrás do Mar de Galiléia e dos Altos do Golán.

Ao noroeste de Gadara encontra-se a antiga Abila, mais rural que as anteriores, onde templos Romanos, igrejas Bizantinas e antigas mesquitas se mesclam entre oliveiras e campos de trigo. As escavações indicam que o lugar estava habitado a 5.000 anos a princípios da idade de bronze e parece ter sido utilizado pelo homem de modo contínuo desde então.

A cidade de Umm el Jimal, situada a borda da árida e preta zona basáltica do noroeste jordano, contrasta com o esplendor do resto das cidade Greco-Romanas da Decápolis. É um dos mais impressionantes e arcaicos monumentos das antigas civilizações. A cidade está cheia dos restos de numerosas casas de basalto negro, assim como de igrejas, um edifício militar Romano e os restos de um forte.

Ao oeste de Jerash, na aldeia de Ajlun, sobre o pico da montanha encontra-se o Castelo de Ajlun, mostra da arquitetura militar Árabe-Islámica do século XII construído 1184 por Izzdin Usama, um dos generais do caudilho árabe Salah-Al-Din (Saladino), e utilizando como base de operações para a expulsão das Cruzadas de Jordânia em 1189.

Mas perto de Amman encontra-nos Iraque el Amir, lugar cuja antigüidade se remonta a 4.000 anos a.C. e aonde o visitante achará uma cidade helénica cuidadosamente restaurada.

MADACA

A cidade dos mosaicos, encontra-se ao sul de Amman. A cidade moabita de Medeba, mencionada na bíblia. Ali se encontraram uma das maiores coleções de mosaicos do mundo, chegando a ter, alguns deles, mais de 1.400 anos. A maior parte dos mosaicos pertencem a época Bizantina e Omeya, de grande prosperidade.

Uma das experiências que não deve perder o viajante que chega a Madaba é admirar o magnífico mapa mosaico da Palestina, possivelmente o mais antigo da Terra Santa, que data do século VI e descansa na Igreja Greco Ortodoxa de São Jorge. Na redondeza encontra-se o lugar mais venerado de Jordânia, o histórico Monte Nebo, com uma impressionante vista do Vale de Jordão e do Mar Morto desde onde Moisés observou a Terra prometida e onde se crê está sua tumba.

Na cidade pode-se visitar O Palácio Incendiado, onde recentes escavações revelam a existência de vários mosaicos que decoravam os solos de uma grande residência incendiada na época Bizantina e que depois foi abandonada.

As escavações continuam atualmente pelo que muitos dos acessos estão fechados ao público. A Igreja de al-Khadir do século VI e a Igreja da Virgem da mesma época, assim como a Igreja dos Apóstolos são uma visita obrigatória a cidade de Madaba. Sem esquecer do passeio cultural pelo Museu da cidade.

Ao sul da Madaba encontra-se a Fortaleza de Mukawir, a antiga Maquero, construída por Herodes o grande, e que passou depois ao poder a Herodes Antipas.

Ali foi preso João Batista e ali é onde ocorreu a célebre dança de Salomé em honra a Herodes, que a obsequiou com a cabeça do Batista para satisfazer seus desejos.

Umm-Er-Rasas é um assentamento murado ao sudeste de Madaba, com uma impotente torre Bizantina de 15 m de altura e os restos de uma igreja adornada com um formoso pavimento da época Omeya.

KERAK

A maior parte da cidade está dentro das muralhas da antiga cidade e dos cruzados e está dominada pelo forte. Kerek está na rota das antigas caravanas que viajavam do Egito a Síria em tempos dos reis bíblicos, e que também foram utilizadas pelos gregos e romanos. O Forte se encontra restaurado. Ainda é possível ver as caixas de águas. O museu está baixando por um trecho de escadas e guarda uma das muitas cópias da estela de Mesha e uma tradução do seu texto.

OS CASTELOS DO DESERTO

Ao leste de Amman, no largo deserto, se encontram misteriosos monumentos históricos: castelos, fortes, torres, banhos, granjas, lugares de descanso de caravanas e palácios fortificados conhecidos tradicionalmente como Castelos do Deserto. Entre eles destacam a beleza dos afrescos e a cúpula zodiacal dos banhos de Qasr Amra, a enigmática fortaleza do Qasr Kharanah, o forte Romano transformado no Palácio residencial Omeya em Qasr-El-Hallabat, o Palácio revestido de ladrilho em Qasr-Musahatta, a inacabada escultura de tijolos de Qasr Tuba, o Oasis Azraq, e o forte Romano Qasr Azraq, utilizando por Laurence da Arábia como quartel general da revolução árabe.

Ao longo da Auto-estrada Real encontram-se dois autênticos castelos das Cruzadas do século XII, Karak e Shobak.

O MAR MORTO

É considerado como o ponto mais baixo do mundo, e se pode chegar pelo leste desde Amman, através de uma curta estrada de 55 km que nos oferece uma paisagem sem igual. O sol cai sobre as águas do Mar Morto enchendo-o de brilho, e a majestuosidade de suas colinas ao fundo convertem este lugar num paraíso único do seu gênero que deleitará ao visitante.

Não existe vida nas suas águas devido ao excesso de sal e minerais, o que em troca, se enche de poderes curativos reconhecidos desde a antigüidade. Nos arredores se encontram as águas termais de Zerqa Ma’ain.

A Região Sul

PETRA

Petra, a cidade rosada, é considerada como uma das mais belas do oriente. Utilizada como refúgio dos árabes Nabateos, nômades beduínos que procediam do norte da Arábia e a criaram partindo de cavernas nas rochas como cidade fortificada há mais de 2.000 anos, se torna para o visitante o ponto turístico por excelência.

Pode-se chegar a cidade caminhando, a cavalo ou em carruagem através do "Siq", uma imensa greta na arenosa Nubia de um quilômetro de longitude. Ao final do passadiço se erguem imensas as colossais ruínas de Khazneh (El Tesouro), utilizado para recriar o filme "Indiana Jones e a última Cruzada".

Um dos restos mais suntuosos da antigüidade, com 43 m de altura e 28 de largura, talhado em rocha sólida, partindo de uma lateral da montanha e rodeado de grutas, templos, tumbas e um teatro Romano com 7.000 assentos.

Outros monumentos que não devemos perder são o Mosteiro, Anfiteatro, Qasr el-Bint, câmaras funerárias, salas de banquetes, depósitos e condutos de água, banhos escadas, salas de culto, mercados, portas com arcos, edifícios públicos e ruas pavimentadas.

Nos arredores o visitante encontrará também restos de culturas da Idade da Pedra nas escavações das aldeias de Beidha e Basta, assentamentos dos edomitas bíblicos, e também poderá explorar os restos espalhados da fortaleza dos Legionários Romanos em Udruh.

WADI RUM

Também conhecido como o Vale da Lua, pois seu solo se assemelha a uma paisagem lunar, possui o encanto do deserto, surpreendente por sua beleza natural e formações majestosas do terreno. Tem sido habitado por gerações sendo hoje residência de muitas tribos beduínas que se caracterizam especialmente por sua sincera hospitalidade.

Este lugar desafia ao visitante a um safari em camelo ou em veículo 4 x 4 através das suas passagens e reviver assim os dias de Laurence da Arábia, no lugar onde David Lean rodou o filme que narra sua aventura, e como não, convida também aos alpinistas que se atrevem, a escalar seus escarpados picos de granito e arenisca.

AQABA

Aqada constituí um pequeno povoado de pescadores sobre o Mar Vermelho ao sul de Rum. Neste lugar o deserto se transforma em um balneário cálido e ensolarado beirado de palmeiras e montanhas que vão mudando de cor com o passar das horas e enche de formosura refrescado pela brisa do norte envolvido placidamente nas águas do Golfo de Aqaba. O lugar perfeito para terminar a viagem por este excitante país e relaxar para recorda-lo.

Por sua estratégica posição foi ponto de união das rotas da Ásia, África e Europa, o que lhe a dotado de uma rica história. Resulta de especial interesse medieval e arqueológico a primitiva cidade islâmica de Ayla. Não esquecer de visitar o forte de Aqada, construído no século XVI pelo Sultão Mamluk Qansau Al-Ghauri e o museu residência de Sharif Hussein Bin Ali, bisavó do Rei Hussein.

Fonte: www.rumbo.com.br

Jordânia

Capital: Amman
Idioma: árabe
Moeda: dinar jordaniano
Clima: árido
Fuso horário (UTC): +2 (+3)

Pontos turísticos

Petra

Encravada no deserto, a cidade era a antiga capital do povo nabateu há 2000 anos atrás e é considerada uma das jóias da arqueologia. Para se chegar na cidade é necessário passar por um desfiladeiro de 1.2 km, para poder apreciar os edifícios escavados na própria rocha, como o Tesouro, o Monastério e o Local do Sacrifício.

Jarash

Com origem anterior à chegada dos romanos, é somente sob o domínio desses que se desenvolve, tendo sido um importante porto comercial para as mecadorias que vinham da Índia. As ruínas romanas foram parcialmente reconstruídas, com arcos gigantes, avenidas ladeadas de colunas colossais, anfiteatros e banhos.

Madaba

Conhecida principalmente por seus magníficos mosaicos da era bizantina, sendo o mais famoso o Mapa de Mabada, com dois milhões de peças que mostra o Nilo, o Mar Morto e Jerusalém. O local está sendo restaurado como um Parque Arqueológico, que inclui as igrejas do século VII da Virgem e a do Profeta Elias, e o Hall do Hipódromo com mosaicos impressionantes.

Fonte: www.geomade.com.br

Jordânia

Se não fosse a má reputação do Oriente Médio no quesito paz, a Jordânia estaria bombando com o turismo. Isso porque o país abriga a magnífica cidade de Petra, com seus monumentos esculpidos diretamente na rocha de um grande cânion no deserto.

O lugar foi a capital do povo nebateu, que viveu na região há 2 mil anos.

A visão é espetacular: entre penhascos e desfiladeiros, espalham-se construções grandiosas de uma cidade que, no seu apogeu, chegou a ter 30 mil habitantes.

Muitos dos resquícios históricos de Petra ainda estão, até hoje, soterrados pelas areias do deserto. Mas o que já veio à tona é fascinante o suficiente não é à toa que o diretor Steven Spielberg tenha rodado o filme Indiana Jones e a Última Cruzada por lá.

Hoje a capital é Amã, 300 quilômentros ao norte, mas Petra continua sendo o grande tesouro desse país pobre, que mais parece uma pequena peça em um gigante e complicado quebra-cabeças. Com apenas 89,2 mil quilômetros quadrados, a Jordânia faz fronteira com a Síria, o Iraque, a Arábia Saudita, Israel e a Cisjordânia.

Mas, apesar da vizinhança, é um lugar bastante pacífico, onde o rei Abdullah sucessor do rei Hussein, que morreu em 1999, depois de quase 47 anos de poder se empenha em controlar o fundamentalismo islâmico e manter o equilíbrio entre a maioria palestina e as tribos beduínas naturais do país, de 5,5 milhões de habitantes.

O povo é para lá de hospitaleiro, a ponto de convidar você para entrar em casa sem querer vender nada em troca da gentileza. E, se você esquecer suas coisas na rua, é bem provável que vá encontrá-las intactas horas depois.

Ou seja: vida de Indiana Jones, só no cenário. Todo o resto é moleza.

Jordânia
Beduínos e Spielberg no coração do deserto

História

Jordânia é um país do Médio Oriente, limitado a norte pela Síria, a leste pelo Iraque, a leste e a sul pela Arábia Saudita e a oeste pelo Golfo de Aqaba (através do qual faz fronteira marítima com o Egito), por Israel e pelo território palestino da Cisjordânia.

O país abriga a magnífica cidade de Petra, com seus monumentos esculpidos diretamente na rocha de um grande cânion no deserto. O lugar foi a capital do povo nebateu, que viveu na região há 2 mil anos.

A visão é espetacular: entre penhascos e desfiladeiros, espalham-se construções grandiosas de uma cidade que, no seu apogeu, chegou a ter 30 mil habitantes. Muitos dos resquícios históricos de Petra ainda estão, até hoje, soterrados pelas areias do deserto. Mas o que já veio à tona é fascinante o suficiente não é à toa que o diretor Steven Spielberg tenha rodado o filme Indiana Jones e a Última Cruzada por lá.

Hoje a capital é Amã, 300 quilômentros ao norte, mas Petra continua sendo o grande tesouro desse país pobre, que mais parece uma pequena peça em um gigante e complicado quebra-cabeças. Com apenas 89,2 mil quilômetros quadrados, a Jordânia faz fronteira com a Síria, o Iraque, a Arábia Saudita, Israel e a Cisjordânia.

Fonte: viajeaqui.abril.com.br

Jordânia

Tido como um oásis de estabilidade no meio do Oriente Médio, este pequeno reino tenta escapar da imagem do terrorismo de seus vizinhos, que acaba de sombrear sua reputação.

Jordânia sempre foi, entre os países de língua árabe, o mais ocidentalizado.

Embora Petra seja a inegável atração principal da Jordânia, este pequeno país do Oriente Médio tem o poder de encantar qualquer viajante, a despeito do nível de exigência. Para começar, você encontrará vários lugares citados na Bíblia. Um deles é o Monte Nebo, onde Moisés teria visto a Terra Prometida antes de morrer.

Outro é nada menos que o lugar onde Jesus Cristo teria sido batizado, que, segundo as descobertas mais recentes, estaria na margem jordaniana do Rio Jordão.

Dos romanos, restaram as ruínas de um imenso teatro na capital, Amã, e a impressionante Jerash, uma das mais preservadas cidades dos césares na região.

Os cavaleiros das Cruzadas, por sua vez, deixaram o Castelo de Karak. Para relaxar entre uma aula e outra de história, aproveite as praias de Aqaba, no Mar Vermelho, ou as águas salgadas do Mar Morto, 400 metros abaixo do nível do mar - onde boiar, além de divertidíssimo, dizem ser ótimo para a saúde.

Caso você nunca tenha ouvido falar, Petra é uma cidade quase mítica que permaneceu perdida durante mil anos. Só no início deste século é que as escavações começaram a descobrir as fachadas elegantemente greco-romanas esculpidas nas encostas de seus morros. Para chegar até lá você precisa passar por um canyon estreitíssimo que serpenteia por dois quilômetros até que você aviste a primeira e mais famosa das fachadas de Petra - o Tesouro.

A primeira visão do Tesouro, de revesgueio, surgindo no final da fenda, é daquelas coisas que pedem um "Uau" -- e não há quem não solte um, mesmo nessas línguas desprovidas de vogais tipo alemão ou uzbequistanês.

As ruínas de Petra já seriam impressionantes onde quer que estivessem - mas a sua localização logo depois do canyon estreitinho e interminável é o que faz da viagem a Petra uma aventura saída diretamente dos livros de Tintim.

Não é por acaso que a seqüência final de "Indiana Jones e a Última Cruzada" foi filmada aqui; o difícil é acreditar que isto já existia, que não foi o pessoaldo Spielberg que construiu e depois deixou para trás.

Fonte: www.proximodestino.tur.br

Jordânia

Nome oficial: Reino de Hachemita da Jordânia (Al-Mamlaka al-Urdonnyia al-Hashemiya).
Nacionalidade: jordaniana.
Data nacional: 25 de maio (Independência).
Capital da Jordânia: Amã.
Cidades principais: Amã (963 490), Az-Zarqa (344 524), Irbid (208 201), As-Salt (187 014) (1994).
Área: 92.342 km² (112º maior)
População: 5,350 milhões (2005).
Idiomas Oficiais: Árabe.
Moeda: Dinar Jordaniano.
Religião: islamismo 92% (sunitas), cristianismo 8% (1995).

Geografia

Localização: oeste da Ásia. 
Hora local: +5h. 
Área: 97 740 km2. 
Clima: árido subtropical.

População

Total: 6,7 milhões (2000), sendo árabes palestinos 60%, árabes jordanianos 37,7%, circassianos 1%, armênios 1%, chechênios 0,3% (1996). Densidade: 68,55 hab./km2. 
População urbana: 73% (1998). 
População rural: 27% (1998).
Crescimento demográfico: 3% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 4,86 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 69/71,5 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 26 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 10,2% (2000). 
IDH (0-1): 0,721 (1998).

Política

Forma de governo: Monarquia parlamentarista. 
Divisão administrativa: 5 províncias. 
Principais partidos: Centristas Independentes, Frente de Ação Islâmica, Partido Nacional Constitucional (NCP). 
Legislativo: bicameral - Senado, com 40 membros apontados pelo rei; Casa dos Representantes, com 80 membros eleitos por voto direto. Com mandatos de 8 e 4 anos, respectivamente. 
Constituição em vigor: 1952.

Economia

Moeda: dinar jordaniano. 
PIB: US$ 7,4 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 3% (1998). 
PIB indústria: 26% (1998). 
PIB serviços: 71% (1998). 
Crescimento do PIB: 5,4% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 1 150 (1998). 
Força de trabalho: 1 milhão (1998). 
Agricultura: legumes e verduras, frutas, amêndoas. 
Pecuária: ovinos, caprinos, aves. 
Pesca: 552 t (1997). 
Mineração: sal de fosfato, sais de potássio. 
Indústria: química, refino de petróleo, alimentícia, produtos minerais não metálicos. 
Exportações: US$ 1,8 bilhão (1998). 
Importações: US$ 3,8 bilhões (1998). 
Parceiros comerciais: Iraque, Alemanha, Índia, Itália, Arábia Saudita, EUA.

Defesa

Efetivo total: 104,1 mil (1998). 
Gastos: US$ 537 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Jordânia

A Jordânia é um país na Arábia.

A capital é Amã.

A principal religião é o Islamismo (Sunita).

A língua nacional é o Árabe.

Após a Primeira Guerra Mundial e a dissolução do Império Otomano, o Reino Unido recebeu um mandato para governar a maior parte do Oriente Médio. A Grã-Bretanha separou uma região semi-autônoma na Transjordânia da Palestina no início dos 1920s, e a área ganhou sua independência em 1946; ela adotou o nome de Jordania em 1950.

O governante do país por muito tempo foi o Rei Hussein (1953-1999). Um líder pragmático, ele navegou com sucesso pelas pressões competitivas das grandes potências (EUA, URSS e Reino Unido), pelos vários países Árabes, por Israel, e por uma grande população interna Palestina. A Jordânia perdeu a Cisjordânia para Israel na guerra de 1967 e derrotou os rebeldes Palestinos que tentavam derrubar a monarquia em 1970.

O Rei Hussein em 1988 abandonou permanentemente as afirmações da Jordania sobre a Cisjordânia. Em 1989, ele reinstituiu as eleições parlamentares e deu início a uma liberalização política gradual; os partidos políticos foram legalizados em 1992. Em 1994, ele assinou um tratado de paz com Israel.

O Rei Abdallah II, filho mais velho do Rei Hussein, assumiu o trono após a morte de seu pai em Fevereiro de 1999. Desde então, ele consolidou seu poder e implementou algumas reformas econômicas e políticas. A Jordânia aderiu à Organização Mundial do Comércio em 2000, e começou a participar da Associação Europeia do Livre Comércio em 2001.

Em 2003, a Jordania firmemente apoiou a Coalizão da derrubada de Saddam no Iraque e, após o surto de violência de insurgentes no Iraque, absorveu milhares de Iraquianos deslocados. Eleições municipais foram realizadas em Julho de 2007 sob um sistema em que 20% dos assentos em todas as câmaras municipais foram reservados para cotas das mulheres.

As eleições parlamentares foram realizadas em Novembro de 2010 e viram os candidatos independentes pró-governamentais ganharem a grande maioria dos assentos. Começando em Janeiro de 2011, na sequência da agitação na Tunísia e no Egito, milhares de Jordanianos se manifestaram em marchas semanais em Amã e outras cidades da Jordania para pressionar por reformas políticas e protestar contra a corrupção governamental, o aumento dos preços, a pobreza galopante e o alto desemprego.

Em resposta, o Rei ABDALLAH substituiu seu primeiro-ministro e formou duas comissões - uma para propor reformas específicas para as leis eleitorais e políticas dos partidos da Jordânia, e a outra para considerar limitadas emendas constitucionais.

Em um discurso televisionado em Junho de 2011, o rei anunciou planos para transferir a autoridade de nomear futuros primeiros-ministros e ministros ao parlamento; em um anúncio posterior, ele esboçou uma revisão da lei dos partidos políticos destinada a encorajar uma maior participação política.

Os manifestantes e elementos da oposição geralmente reconheceram essas medidas como passos na direção certa, mas muitos continuaram a pressionar por maiores limites na autoridade do rei e a lutar contra a corrupção no governo. Em Setembro de 2011, um decreto real aprovou emendas constitucionais aprovadas pelo Parlamento que visavam reforçar um Judiciário mais independente e que criavam um tribunal constitucional e uma comissão eleitoral independente para supervisionar as próximas eleições municipais e parlamentares, marcadas para Abril de 2012 e o outono de 2012, respectivamente.

O Rei Abdallah em Outubro de 2011 dissolveu o parlamento Jordaniano e substituiu o primeiro-ministro em resposta à insatisfação pública generalizada com o desempenho do governo e à crítica crescente no primeiro-ministro por causa de preocupações públicas sobre o seu relatado envolvimento em corrupção.

O Reino Hachemita da Jordânia é uma terra Árabe de desertos rochosos e colinas escarpadas a leste do Rio Jordão. Sua fronteira ocidental tem sido fluida desde a guerra Árabe-Israelense de 1948-49, quando as forças da Jordânia capturaram Jerusalém Oriental e uma área do centro-leste da Palestina, que ficou conhecida como a Cisjordânia.

Em 1950, a Jordânia anexou formalmente a Cisjordânia, acrescentando 2.270 milhas quadradas (5.879 km quadrados) ao seu território. Esta adição aumentou grandemente a população da Jordânia, a riqueza nacional, áreas urbanas, e terras aráveis.

Na Guerra dos Seis Dias de 1967, as tropas Israelenses capturaram a Cisjordânia, e ela tem sido ocupada desde então. Israel anexou Jerusalém Oriental, que também levou em 1967, mas continuou a tratar a Cisjordânia como um território Jordaniano. A Jordania fez o mesmo, continuando a fornecer fundos para as cidades da Cisjordânia e a pagar funcionários e professores que tinham sido empregados da Jordânia em 1967.

Em 1988, no entanto, o Rei Hussein I da Jordânia fez uma reviravolta e cortou todos os laços administrativos e legais para a Cisjordânia. O território da Jordânia foi novamente oficialmente limitado à terra a leste do Rio Jordão, como tinha sido antes de 1950.

Terra

A Jordânia faz fronteira com a Síria ao norte; no leste com o Iraque; a leste e ao sul com a Arábia Saudita; e a oeste com Israel e com a ocupada Cisjordânia Palestina. Ela tem um trecho de 10 milhas de costa no Mar Vermelho, que inclui o porto de Aqaba.

A maioria da Jordânia é um planalto semi-árido, que se torna cada vez mais desértico em direção ao leste e ao sul. Apenas 6 por cento da terra suporta lavouras, pastagens, ou florestas, e a maioria está localizada ao longo da margem leste do Rio Jordão. O Rio Jordão, que separa a Jordânia de Israel e da Cisjordânia Palestina, ocupa uma profunda depressão - abaixo do nível do mar em lugares - e flui para o sul para o Mar Morto, que é compartilhado pela Jordânia e Israel.

O clima da Jordânia é semelhante ao de outras terras do Leste do Mediterrâneo. Os invernos são chuvosos e relativamente frios, especialmente nas terras altas, enquanto as outras estações são extremamente quentes e secas. No Vale do Jordão, as temperaturas do verão podem chegar a 120 °F (49 °C). As chuvas nas planícies orientais são de aproximadamente 8 polegadas (20 cm) por ano. Isso torna a terra fértil o suficiente para os nômades do deserto pastarem os seus rebanhos. Na porção ocidental do país, a precipitação anual é de cerca de 15-25 polegadas (38-64 cm).

População

A Jordânia é um país de mais de 4 milhões de pessoas. A maioria deles são Árabes. Aqueles que são descendentes de nômades Beduínos Árabes constituem a elite dirigente tradicional. Mas seu controle político tem sido contestado nos últimos anos por uma população em rápida expansão dos ex-Palestinos.

Um grande número de Árabes Palestinos fugiram para a Jordânia durante as guerras Árabe-Israelenses de 1948, 1967 e 1973. Muitos destes refugiados foram integrados na sociedade Jordaniana. Os cidadãos de origem Palestina, que somam agora mais de 2 milhões, não foram afetados pela decisão do falecido Rei Hussein em 1988 para terminar a reivindicação da Cisjordânia para a Jordania. Desde a Guerra do Iraque em 2003, centenas de milhares de Iraquianos fugiram da violência em sua terra natal buscando refúgio na Jordânia.

Além de Árabes, a Jordânia tem pequenas comunidades de Circassianos e de Curdos. Os Circassianos são Muçulmanos Europeus que imigraram para a Jordânia do Cáucaso Russo nos 1800s. Os Curdos são pessoas pastoris não-Árabes relacionadas com os antigos Persas.

Sobre 92 por cento das pessoas da Jordânia são Muçulmanos Sunitas, e 8 por cento são Cristãos. O Árabe é a língua oficial. Muitos Jordanianos educados também falam o Inglês. Quase 80 por cento da população vivem agora em áreas urbanas. A maior parte do resto vivem em aldeias rurais. Menos de 5 por cento são nômades. Amã, a capital, é a maior cidade do país, com mais de 960 mil pessoas. Outras cidades incluem El Zerqa, Irbid, e o porto de Aqaba.

Modo de Vida

Apesar das diferenças entre os moradores das cidades, das vilas, e os Beduínos nômades, os Jordanianos estão unidos por sua religião, idioma e tradições históricas. Certos valores e costumes tradicionais, incluindo a hospitalidade, a honra pessoal e a lealdade para com os parentes ainda são importantes. Muitas das principais famílias da Jordânia, mesmo aquelas que várias gerações removeram da vida do pastoreio tradicional nômade no deserto, se orgulham de suas origens e conexões Beduínas.

Cerca de 20 por cento dos Jordanianos vivem em aldeias de pequena agricultura. As casas dos moradores são construções com telhado plano feitas de tijolos de pedra ou terra-cozido. Um quarto na casa é usado para o gado e ferramentas agrícolas.

A maioria das aldeias têm uma ou mais pequenas praças, ou sahah, onde mercados abertos e eventos sociais são realizados. Prédios de apartamentos grandes têm sido construídos nas cidades maiores, mas a maioria das pessoas da cidade vivem em habitações familiares. A pequena minoria Beduina da Jordânia ainda leva uma vida nômade, pastoreando ovelhas, cabras, camelos e cavalos.

Os Beduínos vivem em tendas em acampamentos temporários do deserto.

A vestimenta Jordaniana varia de roupas no estilo Ocidental nas cidades ao traje Árabe tradicional nas aldeias e nos acampamentos do deserto dos nômades Beduínos. A roupa masculina Árabe consiste em uma capa preta ou marrom chamada de abayyah, e da kafiyyah, uma touca de pano dobrado. Vestes brancas e negras soltas são usadas pelos Beduínos errantes do deserto. A maioria das mulheres Jordanianas usam xales coloridos, casacos bordados alegremente, e saias longas. Muitos homens nas cidades vestem a tradicional kafiyyah juntamente com ternos ao estilo Ocidental.

A comida que os Jordanianos comem é semelhante ao que é consumido em outros países Árabes. Aperitivos são feitos de grão de bico ou purê de berinjela misturados com óleo de gergelim, suco de limão e especiarias. Os pratos principais consistem frequentemente de cordeiro ou de frango, que é combinado com abóbora, berinjela, ou quiabo e servido com arroz de castanha e pinho. Um pão chato e redondo é comido com esses pratos. As sobremesas preferidas são as baklavas doces e os bolos katayif.

Educação

Mais de 90 por cento dos adultos Jordanianos podem ler. As crianças Jordanianas são obrigadas a freqüentar a escola por um período mínimo de nove anos. As instituições de ensino superior incluem faculdades de professores, escolas técnicas, a Universidade da Jordânia, e a Yarmouk University.

Economia

A Jordania é pobre em recursos naturais. Sua economia em desenvolvimento foi ferida pela ocupação Israelense da Cisjordânia, que foi a região mais produtiva da Jordania de 1949-1967. Para apoiar a grande população de refugiados Palestinos e para financiar a expansão econômica, a Jordania requer grandes quantidades de ajuda externa.

A ajuda dos países Árabes ricos em petróleo foi cortada quando a Jordânia se recusou a participar da aliança militar anti-Iraque na Guerra do Golfo de 1991. Durante a crise do Golfo, a economia Jordaniana foi devastada por um afluxo de refugiados, o corte da ajuda, e um embargo internacional sobre o comércio com o Kuwait e o Iraque (principais parceiros comerciais da Jordânia). A Guerra do Iraque de 2003 também teve um impacto econômico negativo.

Cerca de 5 por cento da força de trabalho está envolvida na agricultura. As terras mais produtivas estão no Vale do Jordão, onde milhares de acres foram trazidos sob irrigação desde 1967. Alguma agricultura sem irrigação também ocorre em áreas de sequeiro favorecidas com chuvas suficientes. As culturas principais são o trigo, cevada, lentilhas e várias frutas e legumes. Cerca de 94 por cento da terra é entregue ao pastoreio nômade.

Outros 12 por cento da força de trabalho estão envolvidos na mineração e manufatura. Fosfato é o principal recurso mineral. Ele é amplamente utilizado, junto com potássio, na fabricação de fertilizantes, e é responsável por grande parte da renda da Jordânia a partir de exportações. Outras indústrias transformadoras são em pequena escala, com ênfase em itens de consumo. Amman, El Zerqa e Irbid são os centros de produção principais. Aqaba é o único porto de mar.

Visão Geral

A economia da Jordânia está entre as menores do Oriente Médio, com um abastecimento insuficiente de água, petróleo e outros recursos naturais, subjacente à forte dependência do governo da assistência estrangeira. Outros desafios econômicos para o governo incluir crônicas altas taxas de pobreza, o desemprego, a inflação, e um grande déficit orçamentário.

Desde que assumiu o trono em 1999, rei Abdallah implementou importantes reformas econômicas, como a abertura do regime de comércio, a privatização de empresas estatais, e eliminar alguns subsídios de combustível, que na última década estimulou o crescimento econômico, atraindo o investimento estrangeiro ea criação de alguns postos de trabalho .

A desaceleração econômica global e tumulto regional, no entanto, têm pressionado o crescimento do PIB da Jordânia, afetando setores orientados para a exportação, construção e turismo. Em 2011, o governo aprovou dois pacotes de ajuda econômica e um suplemento orçamental, em grande parte para melhorar as condições de vida das classes médias e pobres.

Finanças da Jordânia também foram prejudicadas por uma série de ataques gasodutos de gás natural no Egito, fazendo com que Jordan para substituir mais caros óleos combustíveis pesados para gerar eletricidade. Um afluxo de ajuda externa, especialmente de países do Golfo, ajudou a compensar um pouco esses gastos extra-orçamentários, mas o défice orçamental é provável que se mantenha elevada, em mais de 11% do PIB em 2012 excluindo doações.

Amã provavelmente continuará a depender fortemente da ajuda externa para financiar o déficit em 2012. Setor financeiro da Jordânia tem sido relativamente isolado da crise financeira internacional por causa de sua exposição limitada aos mercados de capitais internacionais. Jordan está atualmente a explorar a geração de energia nuclear para evitar escassez de energia.

Governo

A Jordânia é uma monarquia constitucional em que o monarca detém o equilíbrio de poder. O rei tem o poder de dissolver as duas casas da Assembleia Nacional, que consiste de um Senado nomeado e de uma Câmara de Deputados popularmente eleita. Até 1988, a Câmara incluiu membros que representavam os territórios ocupados por Israel na Cisjordânia. O poder executivo é exercido pelo rei e por um Conselho de Ministros, que ele nomeia.

O rei assina todas as leis, nomeia juízes, aprova emendas à Constituição, e comanda as forças armadas. Ele também pode vetar leis, mas seu veto pode ser derrubado pela maioria de dois terços de ambas as casas legislativas. A carta nacional aprovada em 1991 reintroduziu um sistema multipartidário; as primeiras eleições multipartidárias da nação desde 1958 foram realizadas em 1993.

História

Nos tempos bíblicos, a área que hoje abrange a Jordania continha os reinos Semitas de Moabe, Edom, Amom, e Gilead. Mais tarde, os Gregos (no século 4 aC) e os Romanos (do 1 ao século 4 dC) governaram esta terra. Durante os 700s, a área foi conquistada pelos seguidores Árabes do profeta Maomé e se tornou parte do império Muçulmano. Os invasores Árabes introduziram o Islã para as pessoas da região. A Jordania foi dominada pelos Turcos Otomanos de 1516-1918.

Mandato da Palestina

A terra que é agora a Jordania foi parte do império Turco Otomano até através da Primeira Guerra Mundial. Perto do fim da guerra, ela foi libertada por um exército Árabe Britânico-liderado e passou a fazer parte do Reino da Síria de curta-duração. Em 1920, a Liga das Nações deu à Grã-Bretanha um mandato para administrar as terras em ambos os lados do Rio Jordão.

Os Britânicos logo perceberam, no entanto, que as terras e os povos nos dois lados do rio eram diferentes. Assim, eles dividiram o território de mandato em 1922. A terra relativamente fértil no lado ocidental do Jordão, com uma população de vilas e cidades Árabes e colonos Judeus, tornou-se a Palestina administrada pelos Britânicos.

A terra estéril, principalmente no lado oriental, com uma população de deserto Árabe e Beduínos errantes, tornou-se o semi-independente Emirado da Transjordânia ("além do Jordão"), sob o governo do Emir Abdullah ibn Hussein. Hussein era um membro da família Hashemita, que reivindica a descendência de Maomé.

Independência

A Transjordânia ganhou a independência total em 1946 e juntou-se no ataque Árabe a derrotar o novo Estado de Israel. Durante a guerra Árabe-Israelense de 1948-49, o exército da Transjordania capturou a região da Cisjordania. A Cisjordânia passou a fazer parte da Transjordânia em 1950. O nome do país foi logo mudado para o Reino Hachemita da Jordânia, para refletir o fato de que não existia somente um pouco além do Rio Jordão, mas em ambos os lados dele.

O Rei Abdullah foi assassinado em 1951. Depois de um breve reinado do filho de Abdullah, Talal, o Rei Hussein I (filho de Talal) veio ao trono da Jordânia. O Rei Hussein, que assumiu o poder total na idade de 18 anos, enfrentou muitos problemas. A ocupação Israelense da Cisjordânia do Rio Jordão - depois da Guerra Árabe-Israelense de 1967 - resultou em graves perdas econômicas. Encargos adicionais foram impostos por milhares de novos refugiados e o surgimento do forte nacionalismo Palestino.

A partir de 1967, o Rei Hussein tentou acabar com a ocupação Israelense da Cisjordânia e de encontrar uma solução justa para o "problema Palestino". Ele também se esforçou para manter o controle de seu reino - uma tarefa difícil, já que os Palestinos formavam uma grande parte da população.

As relações de Hussein com a Organização de Libertação da Palestina (OLP) variaram da cooperação à hostilidade. Em 1970, diante da crescente agitação Palestina, o exército Jordaniano pôs abaixo um levante Palestino e expulsou os líderes da OLP do país. Mas em 1974, sob a pressão Árabe, o rei concordou em reconhecer a OLP como único representante para os direitos dos Palestinos. Com efeito, o seu rompimento dos laços da Jordânia com a Cisjordânia, em 1988, reconheceu que os moradores da Cisjordânia consideravam a OLP seu verdadeiro representante. Eleições para uma nova legislatura que já não incluía membros da Cisjordânia foram realizadas em 1989.

Eventos recentes

A Jordania tem seguido geralmente uma política pró-ocidental, mas não condenou a invasão Iraquiana do Kuwait de Agosto de 1990. O acordo entre Israel e a OLP de 1993 libertou Hussein de sua responsabilidade pelo destino do povo Palestino. Em 25 de Julho de 1994, a Jordânia e Israel terminaram seu estado de guerra de 46-anos; em 26 de Outubro de 1994, eles assinaram um tratado de paz formal.

O processo de paz não conseguiu produzir dividendos econômicos para a Jordânia, no entanto. Hussein morreu em 7 de Fevereiro de 1999. Seu filho mais velho foi rapidamente coroado Rei Abdullah II. Ele permitiu que as tropas dos EUA manobrassem posições defensivas na Jordânia na Guerra do Iraque em 2003 e empurrou para os esforços do pós-guerra para acabar com o conflito Israelense-Palestino.

No início de 2011, a Jordania foi apanhada na onda de descontentamento que varreu o mundo Árabe. Os manifestantes protestavam contra o elevado desemprego e os custos crescentes dos alimentos e de combustível, e buscavam as reformas políticas.

Em um esforço para apaziguá-los, o rei nomeou um novo primeiro-ministro, introduziu reformas econômicas, e prometeu criar um governo de maioria parlamentar. Mas o ritmo lento da reforma provocou manifestações ulteriores.

Fotos

Jordânia
Uma antiga escadaria e gasto em Petra

Jordânia
Uma visão do Wadi Rum, o maior barranco ou vale na Jordânia

Jordânia
Algumas das ruínas da cidade greco-romana de Gerasa, atual Jerash

Jordânia
O "Tesouro" edifício (Al-Khazneh) em Petra foi esculpida na face do penhasco vermelho-colorido no século 2 aC

Jordânia
Uma vista do centro de Amã, como visto da Cidadela

Jordânia
O "Mosteiro" (El-Deir) em Petra

Jordânia
O "Mosteiro" (El-Deir) em Petra

Jordânia
A Rua de Fachadas em Petra é composta de 44 túmulos

Jordânia
Vista aérea de Amã

Richard W. Bulliet

Fonte: Internet Nations

Jordânia

A história antiga da Jordânia está intimamente ligada à história bíblica e não pode ser separada da Palestina. A partir de 1500 aC. AC, as tribos hebraicas começaram a se estabelecer na região. Rei Davi se reúne Judá e Jerusalém Israel tornou-se a capital de um grande Estado palestino (- cento XI.). A região foi conquistada pelos assírios (XI-s.), seguida pelos babilônios. Os nabateus estabeleceram um reino com capital Petra.

Então veio a dominação grega (-. IV s) e romana (século primeiro.), Que terminou o reino Nabataean de Petra tomado com (106). Jordan ficou sob o controle de Sassânida persas, bizantinos, antes de ser conquistada pelos árabes (634) durante a Batalha de Yarmouk. Dependente Omayyad califas abássidas depois que foi conquistada pelos cruzados (Reino Latino de Jerusalém, 1118-1187). Saladino restaurou o controle dos muçulmanos na região, com a captura de Jerusalém (1187).

Após a queda do califado de Bagdá, os mamelucos do Egito assumiu o controle da Jordânia (XI cento.) Não Antes que parte para mais de quatro séculos do Império Otomano. No final do c XIX., A Sublime Porta favorecido assentamentos emigração Jordan Circassian.

Durante a I Guerra Mundial, o Sharif de Meca, Hussein Ibn Ali (rei do Hijaz em 1916), e seu filho tomou a cabeça da revolta árabe e lutou forças turcas para o lado dos britânicos (que enviam conselheiros, incluindo Coronel TE Lawrence, Lawrence da Arábia, que irá auxiliá-Faisal). Em troca desta revolta o britânico prometeu a criação de um Estado unificado árabe e Oriente independente.

Enquanto isso, eles assinaram acordos com a França segredos (Sykes-Picot de 1916), prevê a divisão do Oriente árabe entre as potências aliadas, enquanto prometendo criar uma "pátria judaica na Palestina" (Declaração de Balfour, 02 de novembro . 1917). Para atenuar o alcance deste dupla traição, Londres, em 1921, deu Transjordânia a um filho de Hussein, o Emir Abdullah. A área estava sob o Mandato Britânico da Palestina, enquanto desfruta com uma administração autônoma.

Sem questionar seus laços com a Grã-Bretanha, o emirado ganhou sua independência em 1946 e tornou-se, em 1949, o Reino Hachemita da Jordânia. Após a proclamação do Estado de Israel (14 de Maio de 1948), a Legião Árabe, sob o comando do britânico Glubb Pasha, tomou parte ativa na guerra árabe-israelense (1948-1949), depois que Abdullah anexo a Cisjordânia ea Faixa de Gaza.

Suspeito por nacionalistas palestinos tentam menos para libertar a Palestina para implementar o plano de partilha decidida pela ONU, Abdallah foi assassinado em 20 de Julho de 1951, no Al-Aqsa em Jerusalém por um palestino perto do Mufti de Jerusalém, Haj Amin Husseini.

Durante o breve reinado do seu filho Talal (1951-1952) parlamento revisou a constituição em uma direção mais liberal. Deposto pelo parlamento para "incapacidade mental", Talal deu o trono a seu filho Hussein.

O jovem rei começou países de modernização (industrialização, a criação de cooperativas agrícolas, educação). Movimento de oposição à política pró-ocidental que abalou o país 1954-1956, Hussein respondeu, devolvendo o chefe do seu exército, Glubb Pasha (1956), ao assinar com o Egito de Nasser um acordo militar (1956) e acabar com a presença de tropas britânicas (1958). Na proclamação da união sírio-egípcia que dá origem a República Árabe Unida (RAU), o rei Hussein respondeu por concluindo com seu primo Faisal II, uma união escuro árabe com a queda da monarquia Hachemita Bagdá.

Numerosos incidentes fronteiriços entre a Jordânia e Israel relacionado com o desenvolvimento da ação palestina, dificuldades accrurent do regime jordaniano.

Depois da guerra de 1967, na qual a Jordânia participou in extremis, a Cisjordânia foi ocupada por Israel. Esta perda agravou a tensão entre a Jordânia e os palestinos. Em setembro de 1970 ("Setembro Negro"), uma das organizações palestinas violento confronto contra as tropas reais, e acabou em um ano mais tarde, eliminando qualquer presença na Jordânia da resistência palestina. Se este confronto aparentemente fortaleceu o trono, ela ajudou a isolar Jordânia (com que muitos países árabes rompeu relações diplomáticas) e para enfatizar a natureza autoritária do regime (formação de um partido único de unidade nacional Jordan, 1971).

Relações com os países árabes começaram a melhorar em 1974, quando Hussein reconhecido, como seu encontro de cúpula pares árabe em Rabat, a OLP como único representante do povo palestino. Jordan fortemente manifestado a sua oposição à Acordos de Camp David (1978), mas recusou-se, no entanto, para colocar de imediato para o acampamento da oposição incondicional política egípcia.

No conflito entre o Iraque o Irã (1980-1988), ela apoiou o Iraque. Lorsqu'éclata Intifada, o rei Hussein para cortar qualquer suspeita sobre seus projetos na Cisjordânia, decidiu cortar todos os laços com a Cisjordânia Administração (1988).

Durante a crise do Golfo (1990-1992) Jordan, condenando a anexação do Kuwait pelo Iraque defendeu uma solução pacífica e se recusou a participar da coalizão militar contra o Iraque. Os efeitos desta crise e do embargo imposto ao Iraque (um dos principais parceiros comerciais da Jordânia) teve um impacto negativo sobre a economia.

Após a assinatura do acordo entre a OLP e Israel (Setembro de 1993), o rei Hussein criticou o nome de uma solução global, Jordânia iniciou negociações com Israel que levaram à assinatura do um tratado de paz (Outubro de 1994).

Fonte: www.lajordanie.com

Jordânia

Nome oficial: Reino Hashemita da Jordânia (Hashemite Kingdom of Jordan)
Capital: Amã
Data Nacional: 25 de maio
Dias de descanso: sexta-feira e sábado
Chefe de Estado: Rei Abdullah II
Chefe de Governo: Primeiro-Ministro Marouf al-Bakhit
Ministro dos Negócios Estrangeiros: Dr. Abdelelah M. Al-Khatib
População: 6,053 milhõest (2007)
Densidade Demográfica: 64 hab/km² (2006)
População Rural/Urbana: 21% e 79%, respectivamente (2006)
PIB: US$ 12,5 bilhões (2006)
PIB per capita: US$ 5.100 (2006)

Composição do PIB

Agricultura: 3,6% (2006)
Indústria: 
30,5% (2006)
Serviços: 
65,9% (2006)
Valor do Comércio Exterior: 
US$ 7,68 bilhões (2002)

Valor do Comércio com o Brasil

Total do Comércio Bilateral (2002): US$ 27,8 milhões.
Total do Comércio Bilateral (2006): 119 milhões. 
Exportações (2006): 
US$ 5,5 milhões. 
Importações (2003): US$ 113,4 milhões.

Principais produtos de exportação: manufaturados, potassa, farmacêuticos, maquinaria e peças de transporte.

Principais produtos de importação: maquinaria e peças de transporte, bens manufaturados, alimentos orgânicos.

Principais Produtos da Pauta Comercial com o Brasil (2006):

Exportações: chassis com motor para automóveis; preparações alimentícias e conservas de bovinos, carnes de frango congeladas, pasta química de madeira, açúcares, chapas e tiras, de ligas alumínio.
Importações: 
inseticidas, caixas de papel ou cartão, medicamentos e produtos terapêuticos.

Fonte: www2.mre.gov.br

Jordânia

Terra bíblica mais do que o milênio passado, uma riqueza inestimável histórico, mas a Jordânia é um estado jovem, cuja prosperidade é incrivelmente rápido.

Um brilho de sua herança cultural, que continua a ser a jóia da natureza inesquecível Petra acrescenta a visões grandiosas. Assim, a beleza mineral de Wadi Rum às margens do Mar Morto, o Vale do Jordão para os castelos do deserto, na Jordânia, a lendária hospitalidade é oferecido como faz um país excepcional.

Nome oficial: Reino Hachemita da Jordânia
Área: 92.300 km²
População: 6.407.085 habitantes.
Capital: Amã
Principais cidades: Amman
Línguas oficiais: árabe
Moeda: Dinar jordaniano

História

De todos os estados do desmembramento do Império Otomano, a Jordânia é um cuja construção é o mais artificial e cuja consistência territorial foi o mais mutável.

Transjordânia Em setembro de 1922, a Transjordânia (leste do Jordão) foi colocada sob mandato britânico confiada ao Abdullah Emir, um filho do emir de Meca Husayn. A criação desta nova entidade territorial preenche os desejos da Grã-Bretanha, confiando um Hachemita, acho que honrar a promessa feita durante a guerra para o Husayn Emir criar um reino árabe em troca de sua aliança contra a Istambul.

Este novo território se estende o domínio britânico do istmo entre o Golfo Pérsico eo Mediterrâneo. Além disso, o buffer território Transjordânia entre a Síria sob a tutela francesa e da Península Arábica diz que o poder dos sauditas.

A fronteira noroeste, o que, em parte, a seguir o curso da Yarmouk corresponde a fronteira entre as áreas sob mandato francês e montadas sob mandato britânico. Outras fronteiras permanecem obscuros longo. A saída do Mar Vermelho em Aqaba é adquirido, em 1925, esta janela Marítima Jordan vai chegar a 6 a 25 km com um arranjo mais tarde (1965) com Riyadh. Com o Iraque, a fronteira é definida em 1932.

A anexação da Cisjordânia

Linha do Tempo (1948)

Como as fronteiras ocidentais, eles têm flutuado com as muitas vicissitudes do conflito árabe-israelense. Em 1949, após os acordos de armistício posteriores à guerra árabe-israelense, a Transjordânia anexou a Cisjordânia (Samaria e em partes da Judéia), que foi realizada pela Legião Árabe. Torna-se o reino da Jordânia. Território ganho é pequeno, mas potencialmente importante 5878 km2 de terra boa desfrutando de um clima mediterrânico, além do estepe 88.000 km2 ou deserto da Transjordânia. A população do reino é profundamente transformada.

Havia então alguns beduínos 375.000, principalmente resolvido, a anexação da Cisjordânia consideravelmente infla os números: 460.000 a 350.000 Cisjordanianos são adicionados refugiados palestinos. Jordan passa em poucos meses 375.000-1200000 h. Se qualquer parte da burguesia palestina contribui para a vitalidade e prosperidade do novo estado, a massa de refugiados amontoados em campos e favelas na periferia das cidades, incluindo a capital Amã.

Uma política ativa de assimilação é realizada, com o objetivo de integrar os palestinos, que são concedidos automaticamente a nacionalidade jordaniana. Oposições entre beduínos e palestinos continuam fortes, no entanto, e será agravada após a guerra de 1967.

A reorientação

A Guerra dos Seis Dias foi devastadoras consequências para a Jordânia. O reino é amputado da Cisjordânia, onde 5,7% do território jordaniano, com foco naquele momento 47% da população, 48% dos estabelecimentos industriais, a maior parte da produção agrícola. A anexação israelense também provoca a perda dos Lugares Santos, um destino turístico único e uma importante fonte de divisas para a economia.

Oriente Jordânia tem de lidar com um novo afluxo de refugiados palestinos (cerca de 300.000) e do reino em suas novas fronteiras, a população está crescendo dramaticamente: 1,4 milhões em 1968, 4 4 milhões em 1997?.

No entanto, a posição de Amã para a Cisjordânia ocupada evoluiu: Jordânia reconhece o nascimento de uma autoridade palestina, e em julho de 1988, a Jordânia anunciou "quebrar laços jurídicos e administrativos", com território anexado em 1949.

O reino permanentemente para o oeste fronteira Jordânia, e sua base de terra é limitada à parte oriental da estepe vale e planalto e deserto no leste. Em 1994, a Jordânia assinou um tratado de paz com Israel. Em 1999, a morte do rei Hussein, confirma a chegada ao poder de seu sucessor designado, o príncipe herdeiro Abdullah.

Após ter designado por sua vez, seu meio-irmão Hamza, o príncipe herdeiro do trono Hachemita e nomeou Abdel Raouf Rawabdeh a direção do governo, o rei Abdullah, que prometeu continuar com a política implementada por seu falecido pai, deve enfrentar uma situação complexa dominada pelo bloqueio do processo de paz entre israelenses e palestinos e pela crise econômica no país. Além disso, uma disputa opõe Israel, que põe em causa os acordos comerciais entre os dois países para o abastecimento de água.

O governo israelense estava contando com pouca chuva e alta demanda de considerar a redução de 60% da oferta da Jordânia. No final do primeiro semestre de 2000, Abdullah II aceita a renúncia do primeiro-ministro Abdel Raouf Rawabdeh cujo governo fortemente criticado pela maioria dos membros também é acusado de corrupção, nepotismo e abuso de fundos públicos. Refere-se Ali Abu Ragheb para formar o novo gabinete e realizar as reformas necessárias para a recuperação econômica do país.

Geografia

Localizado no nordeste da Península Arábica, Jordânia (91.840 km2), está essencialmente ocupada pelo deserto. É limitado a leste ea sul pela Arábia Saudita para o norte-leste pelo Iraque, a norte pela Síria e Israel, a oeste.

West Jordan é montanhoso. É atravessada de norte a sul ao longo de uma fenda que abriga o Vale do Jordão (Ghor depressão), o site do Mar Morto e do leito seco do Wadi Araba no sul em direção ao Golfo do Aqaba, no Mar Vermelho. Aqaba é a tomada mar apenas do Jordão.

Esta fenda faz a fronteira entre Israel e Jordânia ao norte e ao sul do Mar Morto.

No centro, separa o território em duas regiões distintas: a oeste, na Cisjordânia, formada por planaltos calcários de Samaria e Judéia, domina o mais baixo vale do Jordão alguns 100 km, a leste, a Transjordânia, planalto deserto inteiro, calcário norte, sul cristalino, pontuado por algumas colinas vulcânicas, cobrindo cerca de 9/10 território.

O maior rio do país, a Jordânia, leva a sua fonte nas montanhas do Anti-Líbano depois da fronteira entre Israel e Síria, cruza entre o Lago Tiberíades e Jordânia.

Ele recebe na sua margem esquerda o seu principal afluente, o Yarmouk. Em seguida, ele flui em um sinuoso na depressão de Ghor, às vezes 20 km de largura, antes de ir jogar no Mar Morto a 390 metros abaixo do nível do mar no inverno, ele transborda dos seus bancos e Ghor inunda o, que abrange aluvião fértil.

O rio Jordão divide o país em duas zonas climáticas. Na Cisjordânia, o clima é mediterrâneo. Que gradualmente se torna deserto na Transjordânia.

Bandejas Transjordânia dominar a fenda por um íngreme 1200-1500 canyons sou muito esculpidas por rios que correm para o Jordão. Superfícies são marga calcária ou giz de alta para o norte, sul de arenito, que se inclinam suavemente para o leste.

A precipitação é bastante abundante no norte (500-600 mm / ano) para permitir que as culturas de cereais em uma paisagem salpicada país, como na região de Irbid, através de oliveiras. Sul de Madaba, as condições se deterioram e de Kerak, ele cai mais de 200 mm por ano.

Economia

Desde a sua criação, o governo jordaniano não foi capaz de garantir uma sólida base econômica. Este pequeno país, pouco povoado, sem fronteiras estáveis está intimamente sujeita à sua vizinhança. A criação do Estado de Israel faz um colapso de seus mercados tradicionais direto do porto mediterrâneo de Haifa.

A guerra de 1967 por oito anos provoca o fechamento do Canal de Suez e ao porto de Aqaba tráfego é de cerca de África.

Rotas terrestres são dependentes vizinhos árabes: Síria, Iraque, Arábia Saudita. Ele também deve contar com a incerteza constante sobre movimentos populacionais e do volume da força de trabalho. O país absorveu sucessivas ondas de refugiados palestinos depois da Guerra do Golfo, com o retorno dos palestinos se estabeleceram em Kuwait.

Ao mesmo tempo, a força de trabalho mais qualificada foi elaborado pelos países produtores de petróleo e vizinhos, paradoxalmente, a Jordânia tem sido usado há anos, um substituto mão de obra estrangeira.

Perturbador também é a incerteza sobre o nível de recursos disponíveis. Sem óleo, Jordan não tem suprimentos suficientes. Se irrigada do Vale Jordan pode superar o clima áspero, não é o mesmo para os planaltos sequeiro onde os rendimentos variam na proporção de 1 para 5. Além disso, a Jordânia tem apenas recursos minerais limitados ea exploração de fosfatos (6,3 milhões de toneladas em 1990 nas áreas de El-Hasa, El-El-Abiad e Chidiya) é altamente dependente de curso mundo. Recursos hídricos, já escassos, irá surgir no futuro próximo como uma restrição rígida, difícil de superar. Atualmente, jordanianos são forçados a usar água fóssil a partir de águas subterrâneas.

Sob essas condições, a economia da Jordânia é o epítome de uma economia assistida.

A assistência financeira externa é essencial: ele é fornecido pelos países árabes vizinhos, especialmente países ricos em petróleo da península Arábica, que durante a década de 1980, alimentados jordaniano financiar US $ 1,5 bilhão por ano. Jordan também conta com as contribuições de trabalhadores estrangeiros expatriados que, durante o mesmo período, desde que um montante equivalente.

Esses recursos são, obviamente, muito volátil e ligado a mudanças na política regional. Se a guerra civil libanesa e da guerra Irã-Iraque beneficiou Jordânia, em Aqaba fazer uma grande zona portuária, o país parceiro comercial do do Iraque, sofreram o impacto dos efeitos da Guerra do Golfo.

A dívida é significativamente inflacionados: é duas vezes o valor do produto nacional anualmente.

Turismo

Amã e norte

Amã é a capital desde 1921 e tem cerca de um terço da população. Antiga capital dos amonitas, que chamou Rabbath-Amom, que era então chamado de Filadélfia pelo greco-romanos. Apelidado de "cidade branca", Amman, como Roma, está construída sobre sete colinas, que ainda são seus principais atrativos naturais.

A arquitetura foi modernizada e agora a cidade tem muitos excelentes hotéis e equipamentos turísticos, especialmente na área de Jabal (montes). No centro, o souk, animada, e vale uma visita e oferece uma cidade mais tradicional. Amã tem muitas ruínas romanas, gregas e Otomano, incluindo o teatro romano famoso que data do século II dC. BC, no centro. Jebel el Qalat (cidadela), abriga o Museu Arqueológico, a Galeria Nacional de Belas Artes e do Museu de bijuterias e popular.

Sal: O sal é o velho "Gilead" bíblico. Hoje, é uma pequena cidade localizada em um exuberante Amã oeste. Ele manteve todo o charme da cidade da Transjordânia era uma vez. Ele tem realmente a atmosfera, o ambiente, o tom e sabores de uma cidade árabe, com suas ruas estreitas, escadarias souk numerosos, burros e cafés. Tolerância e hospitalidade oriental típico garantida. Aos 24 quilômetros de Amã, Iraque al-Amir é o único palácio grego ainda de pé no Oriente Médio.

Jerash: menos de uma hora de Amã pela estrada para o norte, entre as belas montanhas da antiga região de Gileade. Jerash é um site greco-romana, perfeitamente preservados pelas areias do deserto.

A cidade é famosa por seu Arco do Triunfo, o Hipódromo, um grande oval Fórum Romano, seus teatros, banhos e pórticos, sua ponte e sua ampla avenida alinhada com colunas que conduzem ao Templo de Artemis. De som e luz mostra são organizados em quatro línguas (Inglês, Francês, alemão e árabe). Outros idiomas no pedido.

O Sul

O Mar Morto: o Mar Morto, o ponto mais baixo da Terra, 392 metros abaixo do nível do mar, brilha dia e noite em um deserto irreal. Ela teria engolido as cidades bíblicas de Sodoma e Gomorra. O Jordão termina no Mar Morto, que forma a fronteira natural entre a Jordânia ea região sob o controle da Autoridade Nacional Palestina.

Reis rota entre as três rotas possíveis entre Amã e Aqaba, Estrada dos Reis é certamente o mais bonito e passa por locais que merecem uma visita. Madaba e Monte Nebo, onde Moisés morreu, dois locais foram prósperas igrejas bizantinas com mosaicos preservados praticamente intacta. Um pouco afastado da Rota dos Reis, Mukawir é uma pequena aldeia perto das ruínas de Herodes Antipas Machaerus, onde Salomé fez a sua famosa dança.

O morro vizinho, Qasr al-Meshneque, onde São João Batista foi decapitado, oferece uma esplêndida vista sobre o Mar Morto, e até Jerusalém eo Monte das Oliveiras. Não muito longe de lá, você vai ver as fontes termais em Zarqa principal. Esta região montanhosa é caracterizado por profundos desfiladeiros, cachoeiras, serpenteando entre pedras e pequeno oásis branco abrigar pássaros e flores silvestres.

Mais ao sul, ao longo da Rota dos Reis sempre, Kerak é uma cidade medieval murada bonita com um castelo. Antes de chegar em Petra, e as cidades de Mazar Mutah, edomita Tafila Qasr Buseirah Shaubek e Castelo, uma magnífica fortaleza construída pelos cruzados no topo de uma colina, também merecem uma visita.

Fonte: www.asie-planete.com

Jordânia

Nome completo: O Reino Hachemita da Jordânia
População: 6,3 milhões (ONU, 2011)
Capital: Amã
Área: 89.342 km ² (34.492 milhas quadradas)
Grande língua: Árabe
Principal religião: o Islã
Expectativa de vida: 72 anos (homens), 75 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 Jordânia dinar = 1.000 fils
Principais exportações: fosfatos, fertilizantes, produtos agrícolas
RNB per capita: 4.380 dólares EUA (World Bank, 2011)
Domínio da Internet:. Jo
Código de discagem internacional: 962

Perfil

O Reino Hachemita da Jordânia é um país pequeno, com poucos recursos naturais, mas desempenha um papel crucial na luta por poder no Oriente Médio.

Significado da Jordânia resulta em parte de sua localização estratégica, no cruzamento das que cristãos, judeus e muçulmanos chamam a Terra Santa. É um importante aliado de os EUA e, em conjunto com o Egito, um dos dois únicos países árabes que fizeram a paz com Israel.

O reino do deserto emergiu da Primeira Guerra Mundial-I divisão do Oriente Médio pela Grã-Bretanha e França.

A população na época foi em grande parte composta de tribos que haviam tomado parte na Grande Revolta Árabe contra o Império Otomano.

Jordânia
Patrimônio cultural da Jordânia, como a cidade de pedra de Petra, é popular entre os turistas

Hoje, os habitantes originais - conhecido como East Bank jordanianos - são superados em número pelos descendentes dos refugiados palestinos de Israel e da Cisjordânia.

O primeiro governante da Jordânia, o Hachemita Abdullah I, nasceu em Meca, e desempenhou um papel de liderança na Grande Revolta Árabe.

A morte em Fevereiro de 1999 do rei Hussein, que governou por 46 anos, deixou a Jordânia ainda está lutando para a sobrevivência econômica e social, bem como a paz regional.

Pedidos de reforma

Seu filho, Abdullah II enfrenta a tarefa de manter a estabilidade, acomodando as chamadas para a reforma. Um projeto para longo prazo a mudança política, econômica e social - conhecido como Agenda Nacional - ainda não foi implementado, e as revoltas da Primavera Árabe populares de toda a região encontrou alguma ressonância nos protestos de rua.

Reputação da Jordânia como um dos países mais seguros da região sofreu um golpe no final de 2005, quando dezenas de pessoas foram mortas em ataques suicidas a bomba em hotéis na capital. Iraque baseado militantes islâmicos assumiram a responsabilidade. O rei disse que a Jordânia tinha sido alvo por causa de sua localização e as suas posições.

Ao contrário de países árabes para o sul e leste, Jordan não tem petróleo próprio. Seus recursos são limitados a fosfatos e produtos agrícolas. A economia depende em grande parte de serviços, turismo e ajuda externa, de que os EUA são o principal fornecedor. Jordan se orgulha do seu serviço de saúde, uma das melhores da região.

Jordânia
O Mar Morto - visto de Israel e olhando de frente para a Jordânia - é uma das águas mais salgada do mundo

Uma cronologia dos principais eventos:

1922 - O Conselho da Liga das Nações reconhece Transjordânia como um estado sob supervisão britânica.

1946 - As Nações Unidas reconhecem a Jordânia como um reino independente e soberano.

1948 - Estado de Israel criado no mandato britânico da Palestina. Milhares de palestinos fogem árabe-israelense de combate a Cisjordânia e Jordânia.

1950 - Jordânia anexos Cisjordânia.

1951 Julho - O rei Abdullah assassinado por atirador palestino com raiva de sua aparente conluio com Israel no esculpir-se da Palestina.

1952 Agosto - Hussein proclamado rei depois que seu pai, Talal, é declarado mentalmente incapaz para governar.

1957 - As tropas britânicas completar sua retirada do Jordão.

1967 - Israel toma o controle de Jerusalém e da Cisjordânia, durante a Segunda Guerra dos Seis Dias, grande afluxo de refugiados na Jordânia.

1970 - Grandes confrontos sair entre as forças governamentais e os guerrilheiros palestinos, resultando em milhares de mortos na guerra civil lembrado como o Setembro Negro.

1972 - Tentativa de golpe militar frustrada.

1974 - O rei Hussein reconhece OLP como único representante legítimo do povo palestino.

1986 - Hussein rompe laços políticos com a OLP e as ordens de seus principais escritórios de fechar.

Hussein apoia revolta

1988 - Hussein publicamente apóia o levante palestino, ou Intifada, contra Israel.

1989 - Manifestações violentas em várias cidades mais aumentos de preços.

1989 - Primeira eleição geral desde 1967, impugnada apenas por candidatos independentes por causa da proibição de partidos políticos em 1963.

1990 - Jordânia vem sob pressão econômica e diplomática grave como resultado da crise do Golfo após a invasão do Kuwait pelo Iraque.

Acordo de paz assinado

1994 - Jordânia tratado de paz com Israel sinais, terminando estado 46 anos oficial da guerra.

1996 - Alimentação de preços após tumultos subsídios removidos de acordo com o plano econômico supervisionados pelo Fundo Monetário Internacional.

1997 - As eleições legislativas boicotadas por diversos partidos, associações e figuras principais.

1998 - O rei Hussein tratamento de câncer linfático nos Estados Unidos.

De janeiro de 1999 - Depois de seis meses de tratamento rei Hussein volta para casa para um despertar de boas-vindas, mas voa de volta para os EUA logo depois para continuar o tratamento.

Rei Hussein morre

Fevereiro de 1999 - O rei Hussein morre. Mais de 50 chefes de Estado comparecer ao seu funeral. Seu filho mais velho Príncipe Abdullah sucede ao trono.

Setembro de 2000 - A sentenças judiciais militares seis homens à morte por planejar ataques contra alvos israelenses e norte-americanos.

Março de 2001 - O rei Abdullah e presidentes Bashar al-Assad da Síria e do Egito, Hosni Mubarak inaugurar uma US $ 300 milhões (£ 207m) linha elétrica que liga as grades dos três países.

Janeiro de 2002 - Tumultos em erupção no sul da cidade de Maan, os piores distúrbios públicos em mais de três anos, após a morte de um jovem sob custódia.

Agosto de 2002 - com a Qatar Spat mais de um programa no Qatar baseado TV Al-Jazeera que Jordan diz insultado a sua família real. Jordânia fecha escritório da Al-Jazeera em Amã e recorda o seu embaixador no Qatar.

Setembro de 2002 - Jordânia e Israel concordar em um plano para tubulação de água do Mar Vermelho para o Mar Morto encolhendo. O projeto, que custou US $ 800 milhões, é o maior empreendimento as duas nações conjunta até à data.

Outubro de 2002 - Sênior diplomata dos EUA Laurence Foley é morto a tiros diante de sua casa em Amã, em primeiro assassinato de um diplomata ocidental na Jordânia. Dezenas de ativistas políticos são arredondados para cima.

Junho de 2003 - Primeiras eleições parlamentares sob o rei Abdullah II. Candidatos independentes leais ao rei a vitória de dois terços dos assentos.

Agosto de 2003 - ataque a bomba em embaixada da Jordânia na capital iraquiana Bagdá mata 11 pessoas e fere mais de 50.

Setembro de 2003 - retrai Central da Jordânia Banco sua decisão de congelar as contas pertencentes aos líderes do Hamas.

Outubro de 2003 - Um novo gabinete é nomeado na sequência da demissão do primeiro-ministro Ali Abu al-Ragheb. Faisal al-Fayez é nomeado primeiro-ministro. O rei também nomeia os três ministros do sexo feminino.

Fevereiro de 2004 - O rei da Jordânia, Abdullah e presidente da Síria, Bashar al-Assad lançar o projeto da Barragem Wahdah em uma cerimônia no Rio Yarmuk.

Terror

Abril de 2004 - Oito militantes islâmicos são condenados à morte por matar um funcionário do governo dos EUA em 2002.

Autoridades apreendem carros cheios de explosivos e prender vários suspeitos, disse a ser ligado à Al-Qaeda e de ataque a bomba química de planejamento em inteligência serviços HQ em Amã.

Março de 2005 - Jordânia retorna seu embaixador em Israel depois de uma ausência de quatro anos. Amã recordou a sua enviado em 2000, após a eclosão da revolta palestina.

Abril de 2005 - Um novo gabinete toma posse, liderado pelo primeiro-ministro Adnan Badran, depois que o governo anterior se demite em meio a relatos de infelicidade do rei sobre o ritmo das reformas.

Agosto de 2005 - Três mísseis são disparados a partir do porto de Aqaba. Dois deles perder um navio naval EUA, um terceiro um terras em Israel. Um soldado jordaniano é morto.

Novembro de 2005 - Sessenta pessoas são mortas em atentados suicidas em três hotéis internacionais de Amã. Al-Qaeda no Iraque reivindica a responsabilidade. A maioria das vítimas são jordanianos. Um dia de luto foi declarado.

Junho de 2006 - O primeiro-ministro do Iraque anuncia que jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, o líder da Al-Qaeda no Iraque, foi morto em um ataque aéreo.

De agosto de 2006 - O rei Abdullah critica os Estados Unidos e Israel sobre o conflito no Líbano.

Julho de 2007 - Primeiras eleições locais desde 1999. O principal partido da oposição, a Frente de Ação Islâmica, retira depois de acusar o governo de fraude eleitoral.

Novembro de 2007 - As eleições parlamentares fortalecer a posição de líderes tribais e outros pró-governamentais candidatos. Fortunas do declínio Frente de Ação Islâmica oposição. Político moderado Nader Dahabi nomeado primeiro-ministro.

De agosto de 2008 - O rei Abdullah visita Iraque. Ele é o primeiro líder árabe a visitar o país desde a invasão dos EUA em 2003.

De julho de 2009 - Frases tribunal militar um militante da Al-Qaeda à morte por seu envolvimento na morte de 2.003 diplomata dos EUA Laurence Foley, em Amã.

Parlamento dissolvido

Novembro de 2009 - O rei dissolve Parlamento a meio caminho através de seu mandato de quatro anos

2009 Dezembro - King Abdullah nomeia novo primeiro-ministro para empurrar através de reformas econômicas.

2010 Maio - Nova lei eleitoral introduzida. Pro-reforma ativistas dizem que pouco faz para tornar o sistema mais representativo.

2010 Outubro - Líder do grupo militante islâmico preso por planejar ataques contra o exército.

2010 novembro - as eleições parlamentares, boicotadas pela oposição Frente de Ação Islâmica. Tumultos sair depois, é anunciado que os candidatos pró-governo ganharam uma vitória arrasadora.

2011 Janeiro - protestos de rua da Tunísia que derrubar o presidente encorajar manifestações semelhantes em outros países, incluindo a Jordânia.

2011 Fevereiro - Num contexto de protestos em grande escala nas ruas, o rei Abdullah nomeia um novo primeiro-ministro, o ex-general do exército Marouf Bakhit, e carrega-lo com a realização de reformas políticas.

2011 Outubro - Protestos continuam com o verão, embora em menor escala, o que levou o rei Abdullah para substituir o primeiro-ministro Bakhit com Awn al-Khasawneh, um juiz do Tribunal Internacional de Justiça.

2012 Abril - O primeiro-ministro Awn al-Khasawneh renuncia de forma abrupta, não têm sido capazes de satisfazer tanto as exigências para a reforma ou estabelecimento temores de que habilita a oposição islâmica. Rei Abdullah nomeia ex-primeiro-ministro al-Fayez Tarawneh para sucedê-lo.

2012 Outubro - O rei Abdullah chama eleições parlamentares antecipadas para janeiro. Braço político da Irmandade Muçulmana, a Frente de Ação Islâmica, decide continuar a boicotá-las em protesto em tamanhos desiguais do eleitorado e da falta de poder parlamentar real. O rei Abdullah nomeia Ensour, um ex-ministro e advogado da reforma democrática, como primeiro-ministro.

O rei Abdullah também nomeia novo embaixador em Israel, preenchendo um lugar que está vago há dois anos.

2012 novembro - Confrontos entre manifestantes e partidários do rei acompanhar manifestações de massa em Amã contra o levantamento de subsídios a combustíveis, em que pede o fim da monarquia são ouvidas. Três pessoas são mortas.

2013 Janeiro - Pro-governamentais candidatos vitoriosos nas eleições parlamentares que são boicotadas pela Frente de Ação principal oposição islâmica.

Abdullah Ensour renuncia para dar lugar a um novo primeiro-ministro, a ser eleito pelos deputados.

Fonte: news.bbc.co.uk

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal