Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Jordânia  Voltar

Jordânia

 

JORDÂNIA, AVENTURA SEM LIMITES

Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa terra que conserva as marcas profundas de civilizações milenares.

Fechar os olhos para sentir o silêncio das vozes da humanidade que descansa misteriosa baixo as ruínas. O viajante terá a oportunidade de visitar lugares que já estavam ali há mais de 10.000 anos, descer até o Mar Morto ou admirar a sedutora paisagem do Vale do Jordão, entrar nos castelos de árabes e cruzados e mergulhar nas páginas da história até o mundo Greco-Romano das místicas cidades da Decápolis onde o esplendor da Grécia e Roma convivem com uma moderna Jordânia cheia de vida com seus Teatros, avenidas de magníficas colunas, templos e banhos.

Nas áridas regiões do meio leste o viajante poderá aventurar-se em desertos e desenterrar os enigmas que guardam suas ardentes areias, ter contato com os beduínos e as tribos nômadas, que acampam suas barracas enquanto que repõe silenciosos seus rebanhos e camelos, e porquê não, seguir as pegadas de Laurence da Arábia.

Porém em Jordânia tem também espaços para relaxar e tomar um banho ao mesmo tempo que se admiram paisagens impressionantes como os arrecifes de corais do Mar Vermelho ou desfrutar dos agradáveis balneários que se encontram em numerosos lugares.

A variedade e beleza de Jordânia se fundem com a tradição de hospitalidade que fará estrangeiro desfrutar desta terra amável e milenária, que goza das modernas estruturas que existem hoje em dia no mundo.

História

Situada entre duas grandes civilizações, a egípcia ao oeste e a mesopotâmica ao leste, o território Jordão foi um ativo ponto de cruze. As últimas escavações encontraram vestígios de civilizações que se remontam as idades da pedra, bronze e ferro. Edomitas, Moabitas e Amonitas, se estabeleceram nestas terras.

Os árabes Nabateos se fixaram no sul e fizeram de Petra sua capital. Nos tempos bíblicos o território Jordão formou parte da Palestina com os nomes de Idumea e Moab. Mais tarde, no século II d.C., foi controlado pelos romanos até a chegada do Império Bizantino.

Os árabes se apoderaram de toda a zona no século VII, o território foi depois conquistado pelas cruzadas que terminaram unindo-se ao reino de Jerusalém.

Em 1118 os árabes reconquistaram de novo o país, que passou logo ao domínio de Egito. No século XVI esteve nas mãos dos turcos até que foram derrotados na I Guerra Mundial.

Pelo tratado de Versalhes Grã Bretanha recebeu um fideicomisso sobre Palestina, separada sem mas discussão em um estado árabe e outro judio, e o território que compreendia a Transjordânia, zona criada em 1920 por razões políticas.

Em 1946 o Emirado de Transjordânia foi governado por Emir Abdullah, avó do Rei Hussein, depois de seu assassinato lhe sucedeu seu filho Talal e a este Hussein.

Na guerra da Liga Árabe com Israel, Transjordânia ocupou a porção antiga de Jerusalém e aquele, a nova. Em 1939 a nação adotou o nome de Reino Hachemita de Jordânia. Em 1958 formou junto com Iraque a Federação Árabe. Depois da ocupação por Israel de Cisjordânia (1967) na Guerra dos Seis Dias, perdeu sua parte de Jerusalém e os territórios ao oeste do rio Jordão anexados pelo Estado Israelita.

Nos anos setenta os palestinos, particularmente os pertencentes a Organização Nacional para a Libertação da Palestina (OLP), entraram em uma luta mais ativa contra a ocupação israelense. Naquele tempo Jordânia perdeu amigos em outros países por associar-se a OLP. O mundo associava a OLP com fenômenos terroristas, imagem que só recentemente foi diminuindo considerando finalmente a esta organização como um sério elemento na busca da paz no Oriente Médio.

Na Guerra do Golfo Jordânia pareceu apoiar a Iraque e um grande número de palestinos a Saddam Hussein. A luta deles contra USA e seus aliados, que incluía alguns países árabes, supôs um grande risco para a paz. Ao final do conflito Jordânia evitou o total desamparo e acabou sendo considerada pela comunidade internacional como um país que cooperou ativamente no assentamento do problema.

Jordânia se recuperou do conflito e agora olha seus problemas, o extremismo islâmico e a luta pela democracia. É uma Monarquia Constitucional com sistema parlamentar de duas câmaras. A Câmara Baixa é eleita mediante votação popular. As liberdades de religião, de imprensa, de palavra, de associação e a propriedade privada estão garantidas pela constituição.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Assentado sobre os alicerces da antigüidade o Reino Hachemita de Jordânia, dominado pelo fértil Vale do Jordão, é uma ponte entre o mar e o deserto, o leste e o oeste. Tem uma superfície de uns 98.000 quilômetros quadrados, cobertos na maior parte pelo deserto e a estepe. O rio Jordão corta a meseta na fronteira do oeste, desembocando no Mar Morto. Este rio, o mais importante do país, forma um profundo vale onde se encontram a maioria das principais cidades. É a zona mais montanhosa do país. A partir de ali e até os limites com Síria, ao norte, estão os desertos. Limita ao noroeste com Iraque, ao oeste e sul com Arábia Saudita, ao sudoeste com o Golfo de Aqaba e a oeste com Israel.

FLORA E FAUNA

No deserto, além do místico camelo capaz de suportar a sede como ninguém, podem-se encontrar uma grande variedade de curiosos animais como o zorro do deserto, a rata das areias, lebres e uma infinidade de pequenos roedores. As colinas do nordeste do Mar Morto são o lar do javali, o castor, e a cabra, ainda que também podemos ver gazelas e antílopes na Reserva Natural de Shaumary no leste. No Oásis de Azraq centenas de espécies de aves migratórias se reconfortam numa época do ano, enquanto no Golfo de Aqada nadam uma enorme variedade de peixes tropicais, num vasto e formoso paisagem de coral.

Os bosques de pinos do norte dão passo as ladeiras cultivadas do Vale do Jordão onde domina o cedro, a oliva e o eucalipto. Ao sul em direção ao Mar Morto, a vegetação dá caminho ao barro e as salinas.

Uma pequena parte do país é suscetível de cultivo, e o rebanho também é pobre. A flor nacional de Jordânia é o Íris Negro.

JORDÂNIA - ARTE E CULTURA

O islã proíbe qualquer representação gráfica de seres humanos ou animais, esta particular característica tem dominado a arte em todo o mundo árabe. Apesar de que os artistas jordanos desenvolveram uma pintura figurativa ao estilo tradicional do ocidente fazem já cem anos, os visitantes ainda que se impressionam ao admirar a elaborada finura que exibem os complicados desenhos geométricos que adornam mesquitas e manuscritos, assim como a extravagante caligrafia de língua árabe.

Jordânia se desenvolveu rapidamente entrando em cena a arte, incluindo a artistas femininas de grande categoria, entretanto o terreno literário ao que refere a gêneros modernos como a novela, resulta novo ao mundo árabe e pouco desenvolvido. As primeiras obras começam a aparecer no século XIX. O que caracteriza a esta região é uma tradição poética altamente estruturada e complexa, influenciada pelo Alcorão. Os escritores árabes modernos provêm de um contexto literário muito diferente dos escritores ocidentais.

A música árabe reflete a harmônica conjunção do bom gosto que surge da união de instrumentos ocidentais. A música popular é misteriosa e atrativa, a escutará onde queira que vá.

Os beduínos confeccionam tecidos, sua arte destaca sobre todo na vestimenta das mulheres. O colorido e os vistosos desenhos, que mudam segundo as tribos, são tremendamente cativadores por si só.

JORDÂNIA - LOCAIS TURÍSTICOS

Dividimos o país em 4 zonas. Iniciaremos o percorrido pelo Noroeste, pela cidade de Amman, para continuar por uma breve viajem pelo Castelos do Deserto.

Continuaremos até o Mar Morto, para transladarmos depois a Região do Sul, onde encontra-se uma impressionante Petra e a plácida Aqaba.

O NOROESTE

AMMAN

Amman, uma das cidades mais antigas do mundo, é a capital do Reino Hachemita de Jordânia. Foi construída sobre sete colinas, ainda que na atualidade somam ao menos dezenove. A cidade cobre as colinas (denominadas jabal) com um manto de edifícios brancos, bêges e ocres, que lhe conferem um aspecto cromático peculiar e devido a pedras nativas usadas na construção é conhecida por muitos como a Cidade Branca.

Possui uma história fascinante: em tempos da Bíblia era conhecida como Rabbath Ammon. A capital dos Ammonitas, corria o ano 1200 a.C. Mais tarde, durante o reinado de Ptolemy Philadelphus (283-246 a.C.) a cidade foi reconstruída e chamada Philadelphia. Quando a conquistou o Rei Herodes em 30 a.C. passou a formar parte do império romano e chegou a ser considerada um membro da "Decápolis" ao ser incluída entre as dez cidades Greco-Romanas do primeiro século antes de Cristo.

Amman é uma dinâmica cidade com uma população de mais de um milhão de habitantes e um atrativo centro comercial e administrativo em constante crescimento.

A cidade está coroada pela Cidadela, uma colina em que se encontram vários lugares de grande interesse para o viajante: as ruínas do Templo de Hércules, construído em tempos do imperador Marco Aurélio (161-180 d.C.); o Palácio de Omayyad (720 d.C.) e a Igreja Bizantina, construída ao redor dos séculos VI ou VII e cuja localização está marcado pelas colunas corínteas. Também nesta colina encontra-se o Museu Arqueológico Nacional, que contêm restos dos primeiros assentamentos na região fazem 700.000 anos. Ao pé da Cidadela está o Teatro Romano, construído em 170 d.C. e que conta com uma lotação de 6.000 assentos. O Odeon é um pequeno teatro romano restaurado que se utiliza para concertos. Perto dali o viajante curioso pode admirar no Museu do Folclore e no Museu da Tradição, a ampla gama de artigos que recriam o mundo jordano através dos trajes, objetos musicais, jóias tradicionais etc. Quanto aos artistas contemporâneos jordanos, podemos encontrar seus trabalhos na Galeria de Arte Nacional.

Não podemos esquecer da Nimphaeum, a ornamental fonte dedicada as ninfas da água.

A cidade de Amman é amistosa e segura, se transforma ao tempo em antiga e moderna, ativa e misteriosa. Nela o explorador encontrará um lugar perfeito para percorrer, fazer compras, visitar os restaurantes, cafés, clubes noturnos, e hotéis de todas as tarifas. O Ministério de Turismo que encontra-se na cidade informa ao visitante de todo que ocorre em Amman.

JERASH

Jerash, Gerasa nos tempos antigos, está situada em um formoso vale verde na terra bíblica de Galaad. Um passeio por esta cidade pode-se converter em uma viagem ao tempo. Trata-se de uma das cidades Greco-Romanas melhor conservadas do mundo pelo que é conhecida como a "Pompéia do Leste" e forma parte, como Amman, de uma antiga "Decápolis". Ao aproximar-se a cidade a viajante encontra-se com O Arco de Adriano, a impressionante porta de três arcos, construída para comemorar a entrada do Imperador Adriano na cidade no ano de 129 d.C. Entrando na vila destacam as areias do Hipódromo onde eram realizadas as corridas de carruagens. Ao final do caminho se levanta grandioso o Templo de Zeus, construído em 162 d.C. Ao lado encontra-se o Teatro do Sul, mostra a expansão e prosperidade da cidade a princípios do segundo século, e que conta com uma impressionante acústica, o teatro é utilizado atualmente e pode albergar a 3.000 espectadores.

Ao entrar na Praça Oval e passeando pela Rua das Colunas, ou O Cardo surpreendemos inúmeras ruínas, que constituem assombrosas relíquias de antigas civilizações, como O Fórum, donde costumavam reunir-se figuras públicas.

Uma das mais fascinantes rotas dentro de Jerash é a procissão em direção ao Templo de Artemis. Deixando por um lado a uma igreja bizantina do século VI, que forma parte da procissão, devemos passar por Propylaeum, a porta da catedral, formada por duas colunas. O caminho inclui as escadas que se levantam até a praça do templo onde encontram-se os restos de um altar ao ar livre. Algumas escadas mais, que nos levam através de 22 colunas coríntias para chegar finalmente ao templo de Artemis, filha de Zeus e irmã de Apolo, onde podemos admirar as colunas coríntias que o rodeiam.

Ainda podemos ver, em alguns lugares da cidade, vestígios dos caminhos gastos pelas carroças da época. Dentro desta interessante vila se encontraram restos de assentamentos que datam das Idades de Bronze, Ferro, Helenística, Romana e Bizantina, assim como dos períodos Ameya e Abasida.

A antiga comunidade revive para os visitantes de hoje com noturnos espetáculos de luz e som durante os meses de verão e com o espetacular Festival Anual de Arte e Cultura que se celebra no mês de julho.

Pella é um dos pontos arqueológicos mais importantes da região, cuja maior parte de estruturas visíveis datam das épocas Romana, Bizantina e Islâmica. De comparável importância é a cidade de Umm Quais, conhecida como Gadara na antigüidade. O ponto mais alto de Gadara encontra-se a 378 m sobre o nível do mar, proporcionando esplêndidas vistas sobre a zona norte do Vale do Jordão, o Mar de Galiléia (Lago Tiberiades), a garganta do Yarmouk e os Altos do Golán. Nos dias claros, o pico nevado do monte Hermón se tornam visíveis atrás do Mar de Galiléia e dos Altos do Golán.

Ao noroeste de Gadara encontra-se a antiga Abila, mais rural que as anteriores, onde templos Romanos, igrejas Bizantinas e antigas mesquitas se mesclam entre oliveiras e campos de trigo. As escavações indicam que o lugar estava habitado a 5.000 anos a princípios da idade de bronze e parece ter sido utilizado pelo homem de modo contínuo desde então.

A cidade de Umm el Jimal, situada a borda da árida e preta zona basáltica do noroeste jordano, contrasta com o esplendor do resto das cidade Greco-Romanas da Decápolis. É um dos mais impressionantes e arcaicos monumentos das antigas civilizações. A cidade está cheia dos restos de numerosas casas de basalto negro, assim como de igrejas, um edifício militar Romano e os restos de um forte.

Ao oeste de Jerash, na aldeia de Ajlun, sobre o pico da montanha encontra-se o Castelo de Ajlun, mostra da arquitetura militar Árabe-Islámica do século XII construído 1184 por Izzdin Usama, um dos generais do caudilho árabe Salah-Al-Din (Saladino), e utilizando como base de operações para a expulsão das Cruzadas de Jordânia em 1189.

Mas perto de Amman encontra-nos Iraque el Amir, lugar cuja antigüidade se remonta a 4.000 anos a.C. e aonde o visitante achará uma cidade helénica cuidadosamente restaurada.

MADACA

A cidade dos mosaicos, encontra-se ao sul de Amman. A cidade moabita de Medeba, mencionada na bíblia. Ali se encontraram uma das maiores coleções de mosaicos do mundo, chegando a ter, alguns deles, mais de 1.400 anos. A maior parte dos mosaicos pertencem a época Bizantina e Omeya, de grande prosperidade. Uma das experiências que não deve perder o viajante que chega a Madaba é admirar o magnífico mapa mosaico da Palestina, possivelmente o mais antigo da Terra Santa, que data do século VI e descansa na Igreja Greco Ortodoxa de São Jorge. Na redondeza encontra-se o lugar mais venerado de Jordânia, o histórico Monte Nebo, com uma impressionante vista do Vale de Jordão e do Mar Morto desde onde Moisés observou a Terra prometida e onde se crê está sua tumba.

Na cidade pode-se visitar O Palácio Incendiado, onde recentes escavações revelam a existência de vários mosaicos que decoravam os solos de uma grande residência incendiada na época Bizantina e que depois foi abandonada. As escavações continuam atualmente pelo que muitos dos acessos estão fechados ao público. A Igreja de al-Khadir do século VI e a Igreja da Virgem da mesma época, assim como a Igreja dos Apóstolos são uma visita obrigatória a cidade de Madaba. Sem esquecer do passeio cultural pelo Museu da cidade.

Ao sul da Madaba encontra-se a Fortaleza de Mukawir, a antiga Maquero, construída por Herodes o grande, e que passou depois ao poder a Herodes Antipas.

Ali foi preso João Batista e ali é onde ocorreu a célebre dança de Salomé em honra a Herodes, que a obsequiou com a cabeça do Batista para satisfazer seus desejos.

Umm-Er-Rasas é um assentamento murado ao sudeste de Madaba, com uma impotente torre Bizantina de 15 m de altura e os restos de uma igreja adornada com um formoso pavimento da época Omeya.

KERAK

A maior parte da cidade está dentro das muralhas da antiga cidade e dos cruzados e está dominada pelo forte. Kerek está na rota das antigas caravanas que viajavam do Egito a Síria em tempos dos reis bíblicos, e que também foram utilizadas pelos gregos e romanos. O Forte se encontra restaurado. Ainda é possível ver as caixas de águas. O museu está baixando por um trecho de escadas e guarda uma das muitas cópias da estela de Mesha e uma tradução do seu texto.

OS CASTELOS DO DESERTO

Ao leste de Amman, no largo deserto, se encontram misteriosos monumentos históricos: castelos, fortes, torres, banhos, granjas, lugares de descanso de caravanas e palácios fortificados conhecidos tradicionalmente como Castelos do Deserto. Entre eles destacam a beleza dos afrescos e a cúpula zodiacal dos banhos de Qasr Amra, a enigmática fortaleza do Qasr Kharanah, o forte Romano transformado no Palácio residencial Omeya em Qasr-El-Hallabat, o Palácio revestido de ladrilho em Qasr-Musahatta, a inacabada escultura de tijolos de Qasr Tuba, o Oasis Azraq, e o forte Romano Qasr Azraq, utilizando por Laurence da Arábia como quartel general da revolução árabe.

Ao longo da Auto-estrada Real encontram-se dois autênticos castelos das Cruzadas do século XII, Karak e Shobak.

O MAR MORTO

É considerado como o ponto mais baixo do mundo, e se pode chegar pelo leste desde Amman, através de uma curta estrada de 55 km que nos oferece uma paisagem sem igual. O sol cai sobre as águas do Mar Morto enchendo-o de brilho, e a majestuosidade de suas colinas ao fundo convertem este lugar num paraíso único do seu gênero que deleitará ao visitante.

Não existe vida nas suas águas devido ao excesso de sal e minerais, o que em troca, se enche de poderes curativos reconhecidos desde a antigüidade. Nos arredores se encontram as águas termais de Zerqa Ma’ain.

A REGIÃO SUL

PETRA

Petra, a cidade rosada, é considerada como uma das mais belas do oriente. Utilizada como refúgio dos árabes Nabateos, nômades beduínos que procediam do norte da Arábia e a criaram partindo de cavernas nas rochas como cidade fortificada há mais de 2.000 anos, se torna para o visitante o ponto turístico por excelência. Pode-se chegar a cidade caminhando, a cavalo ou em carruagem através do "Siq", uma imensa greta na arenosa Nubia de um quilômetro de longitude. Ao final do passadiço se erguem imensas as colossais ruínas de Khazneh (El Tesouro), utilizado para recriar o filme "Indiana Jones e a última Cruzada".

Um dos restos mais suntuosos da antigüidade, com 43 m de altura e 28 de largura, talhado em rocha sólida, partindo de uma lateral da montanha e rodeado de grutas, templos, tumbas e um teatro Romano com 7.000 assentos.

Outros monumentos que não devemos perder são o Mosteiro, Anfiteatro, Qasr el-Bint, câmaras funerárias, salas de banquetes, depósitos e condutos de água, banhos escadas, salas de culto, mercados, portas com arcos, edifícios públicos e ruas pavimentadas.

Nos arredores o visitante encontrará também restos de culturas da Idade da Pedra nas escavações das aldeias de Beidha e Basta, assentamentos dos edomitas bíblicos, e também poderá explorar os restos espalhados da fortaleza dos Legionários Romanos em Udruh.

WADI RUM

Também conhecido como o Vale da Lua, pois seu solo se assemelha a uma paisagem lunar, possui o encanto do deserto, surpreendente por sua beleza natural e formações majestosas do terreno. Tem sido habitado por gerações sendo hoje residência de muitas tribos beduínas que se caracterizam especialmente por sua sincera hospitalidade. Este lugar desafia ao visitante a um safari em camelo ou em veículo 4 x 4 através das suas passagens e reviver assim os dias de Laurence da Arábia, no lugar onde David Lean rodou o filme que narra sua aventura, e como não, convida também aos alpinistas que se atrevem, a escalar seus escarpados picos de granito e arenisca.

AQABA

Aqada constituí um pequeno povoado de pescadores sobre o Mar Vermelho ao sul de Rum. Neste lugar o deserto se transforma em um balneário cálido e ensolarado beirado de palmeiras e montanhas que vão mudando de cor com o passar das horas e enche de formosura refrescado pela brisa do norte envolvido placidamente nas águas do Golfo de Aqaba. O lugar perfeito para terminar a viagem por este excitante país e relaxar para recorda-lo.

Por sua estratégica posição foi ponto de união das rotas da Ásia, África e Europa, o que lhe a dotado de uma rica história. Resulta de especial interesse medieval e arqueológico a primitiva cidade islâmica de Ayla. Não esquecer de visitar o forte de Aqada, construído no século XVI pelo Sultão Mamluk Qansau Al-Ghauri e o museu residência de Sharif Hussein Bin Ali, bisavó do Rei Hussein.

Fonte: www.rumbo.com.br

Jordânia

Capital: Amman

Idioma: árabe

Moeda: dinar jordaniano

Clima: árido

Fuso horário (UTC): +2 (+3)

Pontos turísticos

Petra

Encravada no deserto, a cidade era a antiga capital do povo nabateu há 2000 anos atrás e é considerada uma das jóias da arqueologia. Para se chegar na cidade é necessário passar por um desfiladeiro de 1.2 km, para poder apreciar os edifícios escavados na própria rocha, como o Tesouro, o Monastério e o Local do Sacrifício.

Jarash

Com origem anterior à chegada dos romanos, é somente sob o domínio desses que se desenvolve, tendo sido um importante porto comercial para as mecadorias que vinham da Índia. As ruínas romanas foram parcialmente reconstruídas, com arcos gigantes, avenidas ladeadas de colunas colossais, anfiteatros e banhos.

Madaba

Conhecida principalmente por seus magníficos mosaicos da era bizantina, sendo o mais famoso o Mapa de Mabada, com dois milhões de peças que mostra o Nilo, o Mar Morto e Jerusalém. O local está sendo restaurado como um Parque Arqueológico, que inclui as igrejas do século VII da Virgem e a do Profeta Elias, e o Hall do Hipódromo com mosaicos impressionantes.

Fonte: www.geomade.com.br

Jordânia

Se não fosse a má reputação do Oriente Médio no quesito paz, a Jordânia estaria bombando com o turismo. Isso porque o país abriga a magnífica cidade de Petra, com seus monumentos esculpidos diretamente na rocha de um grande cânion no deserto.

O lugar foi a capital do povo nebateu, que viveu na região há 2 mil anos.

A visão é espetacular: entre penhascos e desfiladeiros, espalham-se construções grandiosas de uma cidade que, no seu apogeu, chegou a ter 30 mil habitantes.

Muitos dos resquícios históricos de Petra ainda estão, até hoje, soterrados pelas areias do deserto. Mas o que já veio à tona é fascinante o suficiente não é à toa que o diretor Steven Spielberg tenha rodado o filme Indiana Jones e a Última Cruzada por lá.

Hoje a capital é Amã, 300 quilômentros ao norte, mas Petra continua sendo o grande tesouro desse país pobre, que mais parece uma pequena peça em um gigante e complicado quebra-cabeças. Com apenas 89,2 mil quilômetros quadrados, a Jordânia faz fronteira com a Síria, o Iraque, a Arábia Saudita, Israel e a Cisjordânia.

Mas, apesar da vizinhança, é um lugar bastante pacífico, onde o rei Abdullah sucessor do rei Hussein, que morreu em 1999, depois de quase 47 anos de poder se empenha em controlar o fundamentalismo islâmico e manter o equilíbrio entre a maioria palestina e as tribos beduínas naturais do país, de 5,5 milhões de habitantes.

O povo é para lá de hospitaleiro, a ponto de convidar você para entrar em casa sem querer vender nada em troca da gentileza. E, se você esquecer suas coisas na rua, é bem provável que vá encontrá-las intactas horas depois.

Ou seja: vida de Indiana Jones, só no cenário. Todo o resto é moleza.

Jordânia
Beduínos e Spielberg no coração do deserto

História

A Jordânia é um país do Médio Oriente, limitado a norte pela Síria, a leste pelo Iraque, a leste e a sul pela Arábia Saudita e a oeste pelo Golfo de Aqaba (através do qual faz fronteira marítima com o Egito), por Israel e pelo território palestino da Cisjordânia.

O país abriga a magnífica cidade de Petra, com seus monumentos esculpidos diretamente na rocha de um grande cânion no deserto. O lugar foi a capital do povo nebateu, que viveu na região há 2 mil anos.

A visão é espetacular: entre penhascos e desfiladeiros, espalham-se construções grandiosas de uma cidade que, no seu apogeu, chegou a ter 30 mil habitantes. Muitos dos resquícios históricos de Petra ainda estão, até hoje, soterrados pelas areias do deserto. Mas o que já veio à tona é fascinante o suficiente não é à toa que o diretor Steven Spielberg tenha rodado o filme Indiana Jones e a Última Cruzada por lá.

Hoje a capital é Amã, 300 quilômentros ao norte, mas Petra continua sendo o grande tesouro desse país pobre, que mais parece uma pequena peça em um gigante e complicado quebra-cabeças. Com apenas 89,2 mil quilômetros quadrados, a Jordânia faz fronteira com a Síria, o Iraque, a Arábia Saudita, Israel e a Cisjordânia.

Fonte: viajeaqui.abril.com.br

Jordânia

Tido como um oásis de estabilidade no meio do Oriente Médio, este pequeno reino tenta escapar da imagem do terrorismo de seus vizinhos, que acaba de sombrear sua reputação.

A Jordânia sempre foi, entre os países de língua árabe, o mais ocidentalizado.

Embora Petra seja a inegável atração principal da Jordânia, este pequeno país do Oriente Médio tem o poder de encantar qualquer viajante, a despeito do nível de exigência. Para começar, você encontrará vários lugares citados na Bíblia. Um deles é o Monte Nebo, onde Moisés teria visto a Terra Prometida antes de morrer.

Outro é nada menos que o lugar onde Jesus Cristo teria sido batizado, que, segundo as descobertas mais recentes, estaria na margem jordaniana do Rio Jordão.

Dos romanos, restaram as ruínas de um imenso teatro na capital, Amã, e a impressionante Jerash, uma das mais preservadas cidades dos césares na região.

Os cavaleiros das Cruzadas, por sua vez, deixaram o Castelo de Karak. Para relaxar entre uma aula e outra de história, aproveite as praias de Aqaba, no Mar Vermelho, ou as águas salgadas do Mar Morto, 400 metros abaixo do nível do mar - onde boiar, além de divertidíssimo, dizem ser ótimo para a saúde.

Caso você nunca tenha ouvido falar, Petra é uma cidade quase mítica que permaneceu perdida durante mil anos. Só no início deste século é que as escavações começaram a descobrir as fachadas elegantemente greco-romanas esculpidas nas encostas de seus morros. Para chegar até lá você precisa passar por um canyon estreitíssimo que serpenteia por dois quilômetros até que você aviste a primeira e mais famosa das fachadas de Petra - o Tesouro.

A primeira visão do Tesouro, de revesgueio, surgindo no final da fenda, é daquelas coisas que pedem um "Uau" -- e não há quem não solte um, mesmo nessas línguas desprovidas de vogais tipo alemão ou uzbequistanês.

As ruínas de Petra já seriam impressionantes onde quer que estivessem - mas a sua localização logo depois do canyon estreitinho e interminável é o que faz da viagem a Petra uma aventura saída diretamente dos livros de Tintim.

Não é por acaso que a seqüência final de "Indiana Jones e a Última Cruzada" foi filmada aqui; o difícil é acreditar que isto já existia, que não foi o pessoaldo Spielberg que construiu e depois deixou para trás.

Fonte: www.proximodestino.tur.br

Jordânia

Nome oficial: Reino de Hachemita da Jordânia (Al-Mamlaka al-Urdonnyia al-Hashemiya).

Nacionalidade: jordaniana.

Data nacional: 25 de maio (Independência).

Capital da Jordânia: Amã.

Cidades principais: Amã (963 490), Az-Zarqa (344 524), Irbid (208 201), As-Salt (187 014) (1994).

Área: 92.342 km² (112º maior)

População: 5,350 milhões (2005).

Idiomas Oficiais: Árabe.

Moeda: Dinar Jordaniano.

Religião: islamismo 92% (sunitas), cristianismo 8% (1995).

GEOGRAFIA

Localização: oeste da Ásia.
Hora local: +5h.
Área: 97 740 km2.
Clima: árido subtropical.

POPULAÇÃO

Total: 6,7 milhões (2000), sendo árabes palestinos 60%, árabes jordanianos 37,7%, circassianos 1%, armênios 1%, chechênios 0,3% (1996). Densidade: 68,55 hab./km2.
População urbana: 73% (1998).
População rural: 27% (1998).
Crescimento demográfico: 3% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 4,86 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 69/71,5 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 26 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 10,2% (2000).
IDH (0-1): 0,721 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: Monarquia parlamentarista.
Divisão administrativa: 5 províncias.
Principais partidos: Centristas Independentes, Frente de Ação Islâmica, Partido Nacional Constitucional (NCP).
Legislativo: bicameral - Senado, com 40 membros apontados pelo rei; Casa dos Representantes, com 80 membros eleitos por voto direto. Com mandatos de 8 e 4 anos, respectivamente.
Constituição em vigor: 1952.

ECONOMIA

Moeda: dinar jordaniano.
PIB: US$ 7,4 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 3% (1998).
PIB indústria: 26% (1998).
PIB serviços: 71% (1998).
Crescimento do PIB: 5,4% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 1 150 (1998).
Força de trabalho: 1 milhão (1998).
Agricultura: legumes e verduras, frutas, amêndoas.
Pecuária: ovinos, caprinos, aves.
Pesca: 552 t (1997).
Mineração: sal de fosfato, sais de potássio.
Indústria: química, refino de petróleo, alimentícia, produtos minerais não metálicos.
Exportações: US$ 1,8 bilhão (1998).
Importações: US$ 3,8 bilhões (1998).
Parceiros comerciais: Iraque, Alemanha, Índia, Itália, Arábia Saudita, EUA.

DEFESA

Efetivo total: 104,1 mil (1998).
Gastos: US$ 537 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal