Breaking News
Home / Turismo / Jammu y Cachemira

Jammu y Cachemira

PUBLICIDADE

Este estado abrange três regiões: Jammu, Cachemira e Ladakh e nelas existe uma grande variedade étnica, religiosa e linguística.

Jamu

Jamu é a segunda povoação maior do estado e pátria dos Dogra, que atualmente exploram pequenas granjas, sijs e Hindus. A cidade de Jamu conta como máximos atrativos com o Templo de Ranbireshwara que contém os grandes lingas de vidro, o Templo Raghunath cujo interior é coberto de folhas de ouro, a Galería de Arte Dogra na que expõe-se uma formosa coleção de pinturas em miniatura, o Forte Bahy e o Palácio Amar Mahal construido seguindo os padrões da arquitetura francesa.

Nos arredores de Jamu pode-se visitar Basohli, berço do estilo Pahari de pintura em miniatura, os Lagos Sulinsar e Mansar, o Templo Vaishno Devi dedicado às três deusas mães do hinduismo que é visitado todo ano por milhares de peregrinos, Riasi com uma gravura que conserva antigos afrescos e Rammagar o palácio das cores com pinturas murais de estilo Pahari.

Cachemira

O Vale de Cachemira oferece um espetáculo digno de contemplar pela beleza. As casas flutuantes do Lago Dal são uma verdadeira maravilha; foram construidas pelos britânicos ante a proibição do soberano de Cachemira de que puderam ser proprietários de terras. Pode-se percorrer à bordo dos shikara, taxis flutuantes.

Srinagar a capital de Cachemira, está situada no Lago Dal e o rio Jhelum. É uma cidade realmente curiosa cujos habitantes são diferentes aos do resto da Índia. Para impregnar-se deste ambiente deve percorrer os diferentes canais observando tanto as casas flutuantes como os barcos habilitados como moradas e os jardins mongóis que extendem-se pelo Bolevard Road e que estão construidos simétricamente com um coso de água central e fontes, divididos em terraços com diferente vegetação.

São de interesse também em Srinagar a Mesquita de Hazrat Bal, a que guarda um cabelo do profeta, o Lago Nagin considerado como o mais formoso dos lagos, o Forte Hari Parbat cujo interior não pode ser visitado e o Templo de Sankaracharya dedicado Shiva.

Vale de Cachemira

Dentro do Vale-se deve visitar a Jama Masjid construida em 1402 com formosas colunas de cedro, a Mesquita de Shah Hamadan, totalmente de madeira com muros de papel marché, Bund com prédios coloniais britânicos, Pahalgam estação de montanha desde a que parte-se para visitar o Glacial de Kolahoi, Gulmarg, estação que na primavera enche de flores e oferece instalações adequadas, para praticar golfe, esqui e pesca e Sonamarg a menor das três estações, que serve como ponto de partida para visitar o Lago Gangabal.

Ladakh

A paisagem muda bruscamente ao entrar em Ladakh dos verdes vales à uma região árida, rochosa, que recebe o nome de terra de lua. O Himalaia é uma poderosa barreira que impede a passagem das nuvens, pelo que unicamente nas zonas imediatas aos rios encontra-se vegetação. Em Drass um pequeno povo de casas de adobe habitam os Dard, étnica caucasiana com língua própria diferente as outras faladas na Índia.

Kargil é na atualidade uma cidade de passeio, seus moradores são muçulmanos ortodoxos e desde aqui pode-se ascender às cumes de Num, 7.100 m. e Kun, 7.070 m. ou realizar rotas até os desertos de pedra.

A partir daqui as povoações muçulmanas ficam atrás e começam as budistas: Mulbekh conta com dois gompas e uma escultura Chamba, imagen de um futuro Buda, excavada na rocha. Ascendendo pela estrada alcança-se o porto mais alto da zona, o Fatu La de 4.094 m. de altitude, onde encontra-se o Mosteiro Lamayuru, típico gompa ladakhis pendurado no alto de uma colina com uma aldeia aos pés.

Na antiguidade constava de cinco edifícios nos que viviam 400 monges, mas hoje em dia só conserva-se um onde moram uns 30 monges. Dali a Leh, centro turístico de grande encanto.

Destacam nesta povoação o Palácio que é uma reprodução de menor tamanho do Potala de Lhasa no Tibet, a Gompa que guarda interessantes manuscritos e pinturas e o Centro de Desenvolvimento Ecológico onde estudam recursos naturais e culturais adaptados à região. Resulta muito agradável passear pelas ruas e contemplar os mercadores de legumes com suas cofias de turquesas e colares de coral.

São muito interessantes também nesta região três mosteiros, a Gompa de Shey, o mais antigo, com seu Buda de 12 m., a Gompa de Tikse onde pode-se seguir as cerimônias religiosas às seis e meia da manhã e ao meio dia, pode-se visitar a biblioteca com uma importante coleção de livros Tibeteanos e a Gompa Hemis, o mais rico dos três e o menos acolhedor, é especialmente atrativo durante o Festival que celebra-se na segunda semana de junho ou nos primeiros dias de julho com bailes de máscaras.

Fonte: www.rumbo.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Locais Turísticos de Burkina Faso

UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

Hino Nacional de Burkina Faso

Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

Bandeira de Burkina Faso

PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.