Galiléia

PUBLICIDADE

Galiléia – História

história de Galileia remonta a tempos antigos, com uma rica mistura de culturas e influências ao longo dos séculos.

Galiléia constitui grande parte do norte de Israel, totalizando um terço de todo o país.

Dividida em três áreas: Baixa Galiléia, Alta Galiléia e Galiléia Ocidental, a Galiléia tem uma paisagem montanhosa com planícies férteis e uma aparência quase toscana.

O famoso Mar da Galileia e o Rio Jordão estão localizados aqui, assim como muitas bonitas aldeias agrícolas que ficam ao lado de ruínas antigas e colinas e vales incríveis que são mencionados ao longo da história como locais de batalhas e eventos famosos.

Baixa Galiléia é a região menos montanhosa da Galiléia, estendendo-se desde o Vale de Jezreel (Vale do Armagedom no Cristianismo) e as encostas orientais do Monte Carmelo até o Mar da Galiléia.

Inclui o deslumbrante Monte Tavor em forma de corcunda, as ruínas de Megido, Nazaré, a maior cidade árabe de Israel e cidade natal de Jesus, e o Monte Gilboa, conhecido pela sua paisagem bonita e colorida.

Mais a norte, a Alta Galileia é mais remota, mais encantadora e muitas vezes ainda mais deslumbrante! Um retiro popular para os israelenses que fogem de férias, a Alta Galiléia apresenta cidades pitorescas como Rosh Pina, cidades religiosas importantes como Safed e atividades de lazer incríveis como caiaque no rio Jordão, espeleologia, canyoning, passeios de jipe e muito mais.

O Vale de Hula é um dos melhores locais para observação de aves do mundo, enquanto as colinas remotas desta região abrigam muitos retiros, spas e pousadas pitorescas.

Na verdade um lago, o Mar da Galiléia é o lago de água doce mais baixo do mundo. Há milhares de anos que o país tem assentamentos em torno de suas costas, e as ruínas de assentamentos antigos hoje estão ao lado de algumas das comunidades pioneiras e mais antigas estabelecidas em Israel, incluindo alguns dos mais antigos kibutzim e moshavim. No próprio lago, o homem pratica windsurf, vela e até pesca.

Voltando em direção à costa do Mediterrâneo, a Galiléia Ocidental é a região do extremo noroeste de Israel, aproximadamente a costa do Mediterrâneo ao norte de Haifa e a área do interior.

A região inclui o antigo porto cruzado de Akko, as grutas de Rosh Hanikra e paisagens muito mais bonitas, praias rurais pitorescas e ótimos retiros, caminhadas e natureza.

Embora não façam parte oficialmente da Galiléia, as Colinas de Golã são a área além da Alta Galiléia, mais ou menos tudo a leste do Mar da Galiléia. O Golã inclui a montanha mais alta de Israel, o Monte Hermon, onde você pode esquiar no inverno, e a incrível Reserva Natural de Gamla.

Aqui está uma breve visão geral:

GaliléiaGaliléia

Antiguidade: A região que hoje é conhecida como Galiléia tem uma história antiga que remonta aos tempos bíblicos. Ela fazia parte do território de Israel e foi uma das regiões onde Jesus Cristo viveu e pregou.

Influências Culturais: Ao longo dos séculos, a Galileia foi influenciada por várias culturas e civilizações, incluindo a hebraica, a fenícia, a grega e a romana. Essas influências moldaram a paisagem cultural e arquitetônica da região.

Idade Média: Durante a Idade Média, a Galileia foi palco de várias disputas entre diferentes governantes e impérios, incluindo os cruzados e os impérios muçulmanos. Ela mudou de mãos várias vezes ao longo desse período.

Domínio Otomano: No século XVI, a Galileia passou a fazer parte do Império Otomano, juntamente com outras regiões do Oriente Médio. Durante esse período, a região experimentou certa estabilidade e desenvolvimento sob o governo otomano.

Período Moderno: Após o colapso do Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial, a Galileia ficou sob o domínio britânico, como parte do Mandato Britânico da Palestina. Durante esse tempo, surgiram tensões étnicas e políticas entre a população judaica e árabe na região.

Estado de Israel: Após a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto, o Estado de Israel foi estabelecido em 1948, e a Galileia tornou-se parte desse novo estado. Desde então, a região tem sido uma parte importante de Israel, com uma mistura de comunidades judaicas, árabes e outras.

Desenvolvimento Contemporâneo: Nos tempos modernos, a Galileia continua a ser uma região de importância histórica e cultural. Ela é conhecida por sua beleza natural, suas cidades antigas e suas comunidades diversificadas. O turismo é uma parte significativa da economia local, com visitantes vindos de todo o mundo para explorar seus locais históricos e paisagens pitorescas. Além disso, a Galileia também desempenha um papel vital na política e na sociedade de Israel, representando uma diversidade étnica e religiosa dentro do país.

Galiléia é uma região de colinas, de verdes vales, de passagem para centenas de aves migratórias, de terras bíblicas, de ruinas, de quibutizim e de uma tranquilidade insuspeitável.

A Região de Galiléia tem fronteiras com Líbano, Síria e Jordânia e divide-se em dois: a Alta e a baixa Galiléia.

A Alta Galiléia

Alta Galiléia distingue-se pelas suas montanhas, pelos sua flora alpina que mistura-se com a flora mediterrânea e por alguns florescientes quibutizim. Desenvolveremos, brevemente, seus principais locais de interesse.

Safed (Zefat) é a capital da região e encontra-se no alto de uma colina de 900 m. Aqui o clima é extremo, mas bem vale a pena, pois é, talvez, o mais interessante da zona.

Safed alcançou seu apogeu com a chegada dos judeus espanhóis e europeus, expulsados pela Inquisição.

O mais importante encontra-se na cidade antiga, nos arredores da Praça Megnim, onde se localizam as Sinagogas de Isaac Abuhav, de Rabi Ha Bannai e de Yosef Caro, lugares santos muito venerados, igual que a Sinagoga de Isaac Luria do século XVI, com belos afrescos e a Sinagoga sefardí Haari, com preciosas portas e vitrais.

O antigo bairro mulçumano tem-se convertido na residência de artistas e pintores judeus e é uma boa zona para passear. Em Safed distingue-se, além, a Mesquita Vermelha, uma das construções mamelucas mais antigas de Israel e o Museu da Imprensa, onde se exibem velhos artefatos.

Para o norte de Zefat encontra-se Hazor, o recinto arqueológico maior do país. Trata-se das ruinas da fortaleza construida por Salomão. Ressaltam a acrópoles, o acampamento, os templos e moradias.

O museu encontra-se à entrada do quibutiz Ayelet Hasahar.

Para o norte encontra-se o Vale de Hula, onde tempos atrás as águas do Jordão se estancavam na zona, dando vida a uma rica flora e fauna. Na atualidade há alguns quibutizim nos arredores, que organizam excursões pela zona. Banyas, a diferença de Hula é um fértil vale e um dos pontos mais importantes da Alta Galiléia.

A cidade encontra-se ao pé do monte Hermóm e é a antiga Cesarea de Filipo, onde Jesus confirmou que ele era o Messias. Distingue-se a cascata, onde pode-se banhar e as ruinas do Castelo de Nimrod, 3 Km. ao norte desde onde se obtém belas panorâmicas.

O Golánou os Altos do Golám está povoado maioritariamente por drusos e o mais destacado é o monte Hermão, com 2.766 m. o mais alto do país e, que durante os meses de inverno põe em funcionamento a estação de esqui, provida de boas instalações e as bodegas de Golam Heights, onde se produz o melhor vinho do país.

A Baixa Galiléia

baixa Galiléia encontra-se ao sudoeste do Lago Tiberiades.

Galiléia – Localização

GaliléiaGaliléia

Galiléia é uma região no norte de Israel limitada ao sul pelo Vale de Jezreel; ao norte pelas montanhas do Líbano; a leste pelo Mar da Galiléia, o Rio Jordão e as Colinas de Golã; e a oeste pela cordilheira costeira.

No período romano, sua área norte era conhecida como Alta Galiléia e sua parte sul como Baixa Galiléia. A Bíblia Hebraica o associa às áreas colonizadas pelas tribos de Zebulon, Naftali e Aser.

Após a dissolução da Monarquia Unida, fez parte do reino de Israel até a sua conquista pelos assírios no século VIII aC. A sua população diminuiu devido às deportações assírias, mas cresceu lentamente nos séculos seguintes. Os hasmoneus a conquistaram no final do século II ou início do século I aC.

É famosa como a região natal de Jesus. Após as duas revoltas judaicas contra Roma (66-70 e 132-135 dC), a Galiléia tornou-se o centro da população judaica da Palestina e o lar do movimento rabínico à medida que os judeus se moviam da Judéia para o norte.

No campo dos estudos bíblicos, a esmagadora maioria da literatura sobre a Galiléia foi motivada pelo interesse no Jesus histórico e no judaísmo primitivo. Por esta razão, este artigo concentra-se principalmente na Galiléia do século I d.C, embora inclua alguma discussão de períodos anteriores e do judaísmo rabínico inicial.

Os principais tópicos de investigação incluem a composição étnica da sua população, a natureza do judaísmo galileu, o impacto económico do domínio romano e herodiano e a extensão da cultura helenística e romana.

As escavações arqueológicas nas últimas décadas melhoraram muito o nosso conhecimento da área, que antes era limitado às informações fornecidas pelo historiador judeu Josefo, pelas fontes rabínicas e pelo Novo Testamento.

Fonte: www.rumbo.com.br/www.oxfordbibliographies.com/www.touristisrael.com/www.shutterstock.com

Veja também

Pontos Turísticos da Jordânia

PUBLICIDADE Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa …

Pontos Turísticos de Israel

PUBLICIDADE Pontos Turísticos de Israel – Atrações Sua lista de desejos de Israel deve incluir todas as …

Pontos Turísticos do Iraque

PUBLICIDADE Recentemente Iraque tem vivido uma história, que conseguiu impactar o mundo, e que tem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.