Breaking News
Home / Turismo / Tel Aviv

Tel Aviv

TEL AVIV (TO AVIV)

PUBLICIDADE

A 95 Km. de Haifa, Tel Aviv (“A Colina da Primavera”), centro neufrálgico da atividade comercial, dos movimentos culturais e da política, é uma cidade moderna. A área metropolitana conta perto de um milhão e meio de habitantes. Tel Aviv é o centro da vida noturna e, sem dúvida, o lugar ideal para os amantes da noite.

Fundada em 1909 por um grupo de imigrantes que compraram a terra aos turcos, a cidade tem sido testemunha importante dos últimos episódios da história de Israel. Como é lógico, Tel Aviv não possui ruinas ou monumentos importantes e, além de seu palpitante ritmo, há que destacar sua aproximidade a Jaffa, um dos portos mais antigos do mundo.

As principais avenidas da cidade são: Rehov Ha Yarqom onde se concentram os hotéis e embaixadas, Rehov Allenby que se caracteriza pela abundância de lojas, Rehov Bem Yehuda distinguida pelos numerosos escritórios de linhas aéreas e agências de viagem e Rehov Dizengoff, cheia de cafeterias, sem esquecer as vibrantes ruas do centro.

São duas as praças mais importantes: a Praça Magem David, onde nacem 6 artérias e a Praça Dizengoff, que acolhe no centro a Fonte de Água e Fogo, um espetáculo de água e música. Desta praça nascem diversas avenidas e ruas peatonais.

Museus de Tel Aviv

Para dar-se uma idéia de o que pode ver-se em Tel Aviv, o mais aconselhável é começar fazendo uma visita ao Museu Haaretz. , dispõe de diversas salas onde se exibem numerosas peças de cerâmica, vidro, cobre ou numismática.

O museu conta com um pavilhão dedicado à história da cidade, onde pode-se obteer uma idéia mais clara de o que há em Tel Aviv. O Museu esta situado em um antigo assentamento arqueológico. (Horário: domingos às quintas-feiras das 9.00 às 14.00 horas. Quartas-feiras das 9.00 às 18.00 horas Sábados das 10.00 às 14.00 h).

Museu de Arte

Oferece arte nacional e internacional, especialmente pintura do século XX. (Horário: domingos às quintas-feiras das 10.00 às 18.00 h. As terças-feiras até às 22.00 horas e nas sextas-feiras e festivos das 10.00 às 14.00 horas).

Museu Haganah das Forças Armadas

Armas utilizadas pela Haganah, forças de defesa clandestina em tempos do mandato britânico na guerra da independência. (Horário: domingos a quinta-feira das 9.00 às 15.00 horas. Sextas-feiras e festivos de 9.00 às 12.30 horas:)

Museu da Diáspora

Alojado na Universidade de Tel Aviv é um dos maiores museus do país. Trata-se de um percurso pelos exílios que tem sofrido os judeus, há mais de 2.000 anos. Conta com uma impactante sala dedicada ao holocausto da Segunda Guerra Mundial. (Horário: domingos às quintas-feiras das 10.00 às 17.00 horas. Quartas-feiras das 10.00 às 19.00 horas. Sextas-feiras das 9.00 às 14.00 horas).

Museu de Cera

Situado no observatório da Torre Shalom. Uma interessante proposta sobre a história de Israel. (Horário: domingos às quintas-feiras das 10.00 às 18.00 horas. Sextas-feiras até às 15.00 horas).

Museu Beit Bialik

Para quem está interessado na vida e obra do poeta israelita Bialik.

Casa de Bem Gurião

Antiga residência de Bem Gurião, quem proclamara a soberania de Israel, no ano de 1948. Objetos pessoais e uma extensa biblioteca.

Salão da Independência

Alojado no Museu Bíblico, é o lugar onde Bem Gurióm leu o escrito da independência.

Casa Rokach

Uma das primeiras construções de Tel Aviv. Destaca pela sua cúpula dourada. Abre só aos sábados das 10.00 às 14.00 horas.

Além dos museus, é aconselhável visitar a Torre Shalom, o edifício mais alto de Tel Aviv e sede de numerosas instituções e empresas e, desde onde se obtém excelentes panorâmicas e o Parque Hayarkon, ao longo do rio, um bom lugar para descansar. Uma vez finalizada a vista a estes locais, é tempo para o entretenimento.

São várias as alternativas, desde assistir a algum dos espetáculos que oferecem os teatros da cidade, como o Teatro Bat Dor, a Nova Ópera de Israel, Teatro Habima, um dos centros mais importantes da arte dramática ou Auditório Mann, sede da Orquestra Filarmônica de Israel ou bem, perder-se em algum dos interessantes mercados da cidade. Se distingue o Zoco Ha Carmel, envolto em uma atmosfera oriental, o Mercado Bezalel e a zona peatonal de Nachalat Biniamim, que se instala as terças-feiras e sextas-feiras.

A outra alternativa para entretener o espírito é dar-se um bom banho nas praias da costa, que extende-se por perto de 6 Km. As mais recomendadas são a Frishman, a Nordauou a Gordon. Porém, aconselhamos dar um passeio pelo litoral, iniciando no Jardim Charles Clore e continuar para o norte, fazendo algumas paradas no Delfinarium, no Complexo Comercial Kikar Atarim e na Marina de Tel Aviv.

Se dispõe de tempo, aconselhamos aproximar-se-a Ramat Gan, ao norte de Tel Aviv para visitar o Parque Nacional e o Museu do Diamante Oppenheimer, onde se descreve o processo desta importante indústria.

JAFFA (YAFO)

Apesar de que a antiga Jaffa (Yafo em hebreu, quer dizer “A Bela” ou Yaffa para os árabes) está anexada a Tel Aviv, vale uma especial atenção, não só por ser o lugar preferido pelos habitantes, para passear e por curiosidade, sim, porque é um dos portos mais antigos do mundo. Segundo a Bíblia foi fundada pelo filho de Noé, posterior ao Dilúvio Universal. Porém as descobertas mais antigas datam da época dos fenícios, ao redor, do ano 1.600 aC.

Jaffa é uma cidade com ruas em forma de labirinto, que se dispersam desde o mar Mediterrâneo para o interior. É aconselhável iniciar o percurso pela Torre do Relógio (1906), perto da Praça da Hagana, onde encontram-se construções dos tempos anteriores. Muito próximo, a Mesquita O Mamudiya do século XIX e a Fonte de Solimán. Porém, antes de visita-la, há que desfrutar de uma deliciosa pita na famosa padaria Abú Elafia. Daqui há que caminhar para o Mercado Ha Pishpeshim, onde encontram-se numerosos antiquários.

Não há que deixar de visitar o Museu de antigüidades alojado no Palácio Mahmud e que oferece interessantes coleções de peças arqueológicas dos períodos grego e romano, aladas nas escavações da colina de Jaffa. Desde seus jardins e desde o pequeno anfiteatro se obtém belas panorâmicas do porto.

Daqui há que caminhar até a bela Igreja de São Pedro, junto à Praça Kedumim, onde se tem descoberto restos de muralhas da época de Ramsés II. O passeio pelas ruelas dos arredores é tudo uma delícia. Logo se vê o farol, onde localiza-se a Casa de Simóm o Curtidor e segundo se diz, foi o lugar onde Pedro recebeu a mensagem divina de evangelizar aos pagãos.

Daqui pode-se dar um passeio pelo porto, desde onde se ve a Rocha de Andrômeda (onde nasceu a lenda) ou bem, desfrutar de uma boa comida em algum dos restaurantes. Se dispõe de tempo aconselhamos caminhar pelo chamado Sendero do Horóscopo, onde as ruas do velho bairro, levam os nomes dos sinais do Zodíaco.

A COSTA DO MEDITERRÂNEO

Ao longo do litoral do Mediterrâneo encontram-se diversas cidades e centros turísticos de importância. Iniciaremos por um rápido circuito para o sul de Tel Aviv até Ashkelon, fazendo algumas incursões pelo interior, para depois percorrer os pontos mais importantes do litoral do norte. Para ter uma idéia há que dizer que, de Tel Aviv até a fronteira com Líbano, há perto de 117 Km.

AO SUL DE TEL AVIV

As primeiras praias que aparecem ao sul de Tel Aviv são as de Bat Yam. Mais de 3 Km. de areia fina resguardada por um bom número de restaurantes e cafeterias. É um excelente lugar para a prática do windsurf e para a navegação.

Rishom Le Zion

Nesta cidade se crê que em 1898 se compôs e se cantou pela primeira vez o hino nacional, com motivo da visita de Teodoro Herzl. Na atualidade é uma importante cidade do país e são dois os locais, que não deve perder: o Museu da Cidade, a frente da Grande Sinagoga e, que descreve a história de Rishom e as Bodegas do Carmelo Oriental, uma belas bodegas, onde se produz o vinho mais famoso do país.

Ramlé

Esta cidade foi fundada no ano 716 sobre “dunas de areia” pelo califa Solimám o Malek e reconstruida completamente pelos mamelucos no ano de 1267. É a única cidade fundada pelos árabes em Palestina. Tem conservado sua identidade e o mais importante dela é sua Mesquita, a Praça Principal onde encontra-se a Torre Quadrada e a Mesquita Branca do século XIV. Destacam, além, as Cisternas, interessantes estanques subterrâneos construidos por Solimán.

Rehovot

A 24 Km. de Tel Aviv, Rehovot é célebre por acolher o famoso centro de investigação científica Instituto Weizmann, com mais de 2.000 investigadores. Seu fundador Chaim Weizmanm foi o primeiro presidente do Estado de Israel, no ano de 1949. Nas vastas extensões, que ocupa o instituto pode-se visitar a Casa de Weizmann.

Ashdod

A 40 Km. de Tel Aviv, Ashdod é um importante centro turístico, graças a suas belas e tranquilas praias. Além de descansar na praia, de desfrutar de sua excelente gastronomia e dos bailes tradicionais, é imprescindível fazer uma visita ao mercado (somente as quartas-feiras).

Ashkelon

20 Km. mais para o sul localiza-se Ashkelon, outro dos lugares de veraneio mais solicitados. É um bom local para a prática das atividades náuticas e aconselhamos a visita às ruinas de uma antiga igreja bizantina e ao Parque Nacional, que acolhe interessantes ruinas romanas.

AO NORTE DE TEL AVIV

Nesta zona encontram-se importantes centros turísticos, junto a cidades milenárias. É uma das zonas mais visitadas do país

Herzliya

A 15 Km. ao norte de Tel Aviv, Herzliya, constitui um importante centro turístico e residêncial do país. Foi fundada por imigrantes norte americanos no ano de 1924 e distinguem-se suas praias, seus elegantes bares e cafeterias, o Museu de Arte e o bairro de Pituaj, sede de diversos estudos de cinema.

Netanya

São três os aspectos que fazem de Netanya um local interessante: suas fábricas de telhado de diamante, seus quibutizim e moshavim e seus 12 Km. de limpas praias. Encontra-se a 30 Km. de Tel Aviv e, além de descansar e desfrutar do bom ambiente, há que visitar o Museu da Legião Judia, que exibe todo o relacionado com a legião, que participou na II Guerra Mundial, o Museu de Hasharon, alojado em um moshav e que conta com uma modesta coleção de peças arqueológicas e o Centro Nacional de Diamantes, uma das fábricas mais importantes do país e um bom lugar para fazer compras. Além, nada melhor que desfrutar das praias, do ambiente, das festas e festivais e do descanso.

Cesarea

A 45 Km. ao norte de Tel Aviv, Cesarea é um dos locais mais antigos de Israel. Foi um importante porto fenício e recebeu o nome em homenagem do imperador César Augusto, quando Herodes recebeu esta terra para edificar a cidade.

Foi um dos maiores porto de Oriente, capital de Judéia, província romana, capital intelectual bizantina e importante centro das cruzadas. Depois do domínio dos mamelucos a cidade caiu no esquecimnto e foi até o ano de 1940, quando uns pescadores a descobriram, começando a ser escavada pelos membros do quibutiz Sdot Yan.

Cesarea encontra-se a 3 Km. da estrada principal que vai a Haifa. São imprescindíveis a visita aos Aquedutos construidos pelos romanos, no século II, e pelo qual se transportava a água desde o monte Carmelo, ao Teatro Romano, uma impressionante construção bem restaurada e à Fortaleza das Cruzadas, de estilo gótico, no centro do local arqueológico e, construida pelos cruzados sobre o antigo templo dedicado a Augusto.

Cesarea, além, conta com o único campo de golfe que existe em todo o país. No antigo porto de Herodes abundam os restaurantes e cafeterias entre restos antigos e colunas romanas.

Dor e Zijrom Yaacov

Tantura Dor (chamada Dora pelos fenícios) encontra-se resguardada em uma pequena baia e distingue-se pelos recentes descobertas da época romana, e pela sua modesta, mas interessante Museu de Arqueologia Submarina que exibe diversos objetos.

Daqui pode-se viajar a Zijrom Yaacov, uma cidade residencial fundada no ano de 1882 e célebre pelos seus bons vinhos. Aqui encontram-se os restos do Barão Rothschild.

Haifa

A 95 Km. de Tel Aviv, Haiffa é a terceira cidade de Israel, com mais de 250 mil habitantes e, sem lugar a dúvidas, é uma das cidades mais tolerantes do país. Povoada por judeus, mulçumanos, drusos, cristãos e da fé Bahai (sincretistas das três religiões sem cultos públicos nem sacramentos), todos eles convivem em paz. Um feito a ter em conta é que Haifa é a única cidade de Israel, na que funcionam os ônibus aos sábados.

Segundo o Antigo Testamento, no Monte Carmelo se refugiou o profeta Elias no século IX aC. Posteriormente, a cidade se desenvolveu em tempos helênicos, foi destruida pelos árabes, recuperada pelas cruzadas e ocupada por mamelucos e turcos, para depois cair no esquecimento. A partir do século XVIII Haifa recuperaria sua importância.

Na atualidade dispõe de belas praias sem esquecer seus museus e salas de arte, que a convertem em um importante centro cultural. São três as zonas mais importantes: O Ha´ir, onde localiza-se o porto, Ha Carmel, a zona residencial e de hotéis de luxo nas ladeiras do monte e Hadar Ha Carmel, na parte mais alta, outro belo bairro residencial.

Na zona do porto, onde encontram-se os bairros mais antigos de Haifa destaca a Torre Dagão, um local subterrâneo, que acolhe o Museu do Trigo e um modesto Museu de Arqueologia e o Museu da Imigração Clandestina, frente da famosa Gruta de Elías, no interior de um bosque, onde se descreve a história do êxodo do ano 1947.

Em Hadar Ha Carmel, na zona intermediária do monte, encontra-se uma bonita zona residencial, onde distingue-se o Parque Gam Haem, um dos locais de passeio mais frequentado e provido de um pequeno zoológico, o Museu Beit Pinhas, com salas dedicadas à fauna e flora da zona e o Museu Arqueológico Reubem e Edith Hecht, nos edifícios da Universidade (desenhada por Oscar Niemeyer), o museu mais importante de Haifa.

Em Hadar Ha Carmel, no alto da cidade é uma das zonas mais interessantes. O Santuário Bahai e os Jardins Persas são os locais mais distinguidos. Este templo de estilo ocidental e interior oriental é o principal santuário da relii bahai, que afirma a existencia dum só Deus, de acuerdo às profecias de todos os grandes mestros da religióm musulmana, cristã, budista e judía. O templo encontra-se no centro de uns belos jardins de estilo persa.

Se dispõe de tempo é aconselhável visitar o Monastério Carmelita, reconstruido no século. XIX sobre as antigas ruinas do mosteiro original (sobressaem os afrescos de seu interior), o Museu de Haifa com interessantes coleções de arte israelita e instrumentos musicais de diversas épocas e a Casa dos Artistas, onde expõe o último dos artistas do país. Além, só fica desfrutar das belas panorâmicas que se obtém desde os alto do Monte Carmelo e das barulhentas praias.

São João de Acre (Akko)

A 22 Km. de Haifa, a antiga São João de Acre ou Akko, é uma cidade cativante que não pode deixar de ser visistada. Suas Mesquitas, suas muralhas, suas profundidades e seus coloridos mercados a converte-se em um privilegiado lugar.

Akko foi na antiguidade um importante porto condiciado por sírios e persas, foi a capital dos cristãos durante um século (depois da queda de Jerusalém no século XII), destruida pelos mamelucos, reconstruida pelos turcos e reduzida a uma fortaleza prisão pelos ingleses, Akko distingue-se na atualidade pela sua atmosfera oriental, pelos seus atrativos lugares, pelos suas tranquilas praias e pela sua boa cozinha.

Para descobrir a cidade tem que começar pela Mesquita de O Jazzar, um dos poucos santuários do islão, em Israel aberto ao público não mulçumano. Construida sobre as ruinas da Igreja de Santa Cruz no século XVIII, destaca a sala de oração, com belos murais e cerâmica que descrevem oAlcorão, o púlpito de mármore, as colunas do pátio trazidas de Cesarea e o mausoleu, com os restos de Ahmad O Jazzar.

Na frente da Mesquita encontra-se a Cidadela Subterrânea nas ruinas do castelo medieval das cruzadas do século XVIII. São várias as salas comunicadas entre si, por uma série de corredores subterrâneos e a Cripta ou Sala do Conselho de Guerra, é o principal elemento do conjunto.

Do antigo porto persa do século IV aC. tão só subsiste a Torre das Moscas, mas ainda se respira o ambiente de velhos tempos. Não deixe de dar um passeio pelas Muralhas e pelas ruelas do centro da cidade, pelos “jan”, antigos albergues, para as caravanas de viajantes e camelos (o mais importante é o Jam O Umdan), assim como, visitar e perder-se pelo Zoco O Abiadou Bazar Branco, com inumeráveis postos, pelo antigo mercado turco e pela rua do mercado da Praça Farhi, onde a maioria dos habitantes fazem suas compras. Respeito a praias, a mais importante é a praia Púrpura (Argaman) com excelentes infra estruturas.

Nahariya

Muito perto de Akko, Nahariya foi uma das primeiras colônias judias de Galiléia. Na atualidade é um dos locais de praia mais procurado, graças a sua fina areia e a sua boa agitação das ondas, para a prática do windsurfing. Nos finais dos anos 50 encontraram restos de um templo cananeo e de um templo fenício dedicado a Astarté, a Deusa do amor e da fecundidade, razão pela qual os recéns casados procuram estas praias, para passar sua lua de mel. Além de sol, praia, boa comida, acolhedores parques, em Nahariya destaca o Museu Municipal, com interessante peças arqueológicas e a Igreja Bizantina, com belos mosaicos.

Rosh Hanikra

Antes de chegar aos impressionantes acantilados de Rosh Hanikra é aconselhável fazer uma parada no Parque Nacional Achziv, onde há formosas praias e as ruinas de um antigo porto fenício.

Rosh Hanikra, na fronteira com Líbano, é uma série de brancos acantilados e grutas criadas pela força do mar às que pode-se chegar por um teleférico. No alto encontra-se um restaurante, onde se obtém excelentes panorâmicas. Ainda pode-se ver o antigo túnel, por onde passava a estrada de ferro que unia Beirute com Haifa.

Fonte: www.rumbo.com.br

Tel Aviv

Tel Aviv-Yafo, geralmente chamado de Tel Aviv , é a segunda maior cidade de Israel com uma estimativa de 405.500 habitantes. A cidade está localizada na costa do Mediterrâneo em Israel. É a maior e mais populosa cidade da região metropolitana de Gush Dan , lar de 3.850.000 pessoas. O atual prefeito é Ron Huldai .

Tel Aviv, fundada em julho de 1906 , foi fundado oficialmente no segundo dia de Páscoa de 1909 , nos arredores da antiga cidade portuária de Jaffa. O crescimento de Tel Aviv logo ultrapassou feita Jaffa na população; Finalmente, ambas as cidades foram fundidos em um único município em 1950 , dois anos após a criação do Estado de Israel.

Desde 2003 , a “Cidade Branca” arquitetônico Bauhaus foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco , como se compreende a maior concentração de edifícios do movimento moderno no mundo. É o centro da economia global de Israel, que abriga a Tel Aviv Bolsa de Valores e muitos escritórios de empresas e pesquisa e desenvolvimento, área de referência conhecido popularmente como “Silicon Wadi”.

Também é considerada a capital cultural de Israel, devido ao seu caráter cosmopolita e moderno e um grande centro de artes cênicas. Em 2008, Uma pesquisa realizada pela consultoria Mercer sobre o custo de vida, Tel Aviv classificada como a cidade mais cara do Médio Oriente e 14 mais caro do mundo.

História


Porto de Tel Aviv.

A cidade foi estabelecido na Convenção de judeus de Jaffa , que teve lugar em Julho de 1906, em que, motivada pela baixa qualidade de vida dos judeus daquela cidade, para a qual o decreto conhecido como adicionado muhram de acordo com a que os habitantes judeus de Yafo teve que mudar de casa todos os anos.

Por 1909 o terreno foi adquirido para iniciar a construção da nova cidade, que deve seguir as linhas arquitetônicas do movimento Cidade Jardim Inglês, com a intenção de criar uma cidade de abundantes características modernas, espaçosas e com espaços verdes, que pode oferecer alternativa para o -Yafo cheia.

O primeiro terreno adquirido composta por 60 lotes, que foram sorteados entre as famílias em causa o segundo dia de Páscoa de 1909, a data adotada como o aniversário oficial da cidade.

O bairro foi construído pela cooperativa Ahuzat Bait – e que foi o primeiro nome dado. A proibição do bairro qualquer indústria fez a expansão do núcleo teve duas vertentes: o norte e oeste residencial, industrial. no final de 1930 o desenvolvimento da “zona de Yarkon mouthe”, conhecido como “começou Yarkon Peninsula “usina primeiro foi estabelecido de leitura pelo Sde Dov no norte de Yarkon mouthe e após o desenvolvimento da parte sul da boca Yarkon que se parece com uma península .

o “Tel Aviv International Trade Fair” chamado de “o Orient Fair “foi construído para os países em salas polivalentes de estilos arquitetônicos que caracterizam a cidade, especialmente o Estilo Internacional. na parte nordeste do centro de exposições internacionais, é construiu a primeira ” Maccabiah Stadium “, em 1932. em 1937 o ” Wauchope Ponte “foi construído na boca Yarkon o nome de Arthur Grenfell Wauchope era os Altos Comissários para a Palestina e Transjordânia. O foi projetado para ligar a energia da leitura com a Feira Internacional.

Em 14 de maio de 1948 , em Tel Aviv, Ben Gurion proclamou o nascimento do Estado de Israel . Tel Aviv foi a capital provisória até 1950, quando a capital foi transferida para Jerusalém . A cidade tornou-se o paradigma da modernidade, em Israel, e é o núcleo da Zona Central do país, onde a maioria da população está concentrada. Posteriormente, a cidade foi unificada com Jaffa , agora formando um único município.

Tel Aviv sofreu vários atentados em sua história; durante a Segunda Guerra Mundial foi bombardeada pela aviação italiana 9 setembro de 1940; durante a guerra de independência de Israel foi bombardeado pelo Egito; em 1991 , durante a Guerra do Golfo , ele foi atingido por mísseis Scud disparados pelo Iraque ; em novembro de 2012 , durante o conflito que levou Israel a Gaza , a cidade recebeu vários ataques aéreos, que deixaram seis mortos e dezenas de feridos, em agosto de 2014, e sua área metropolitana era frequentemente bombardeado de Gaza.

Arquitetura


Museu Bauhaus, em Tel Aviv

Tel Aviv é a cidade com mais arquitetura Bauhaus. Há mais edifícios construídos no estilo Bauhaus do que em qualquer outra parte do mundo, incluindo qualquer cidade na Alemanha. O estilo nasceu na década de 30 arquitetos judeus europeus que fugiam do regime nazista .

Desde 2003, ” La Ciudad Blanca “é considerado patrimônio da humanidade , e são mais de 1500 edifícios Estilo Internacional contabilizados e sujeitos a diferentes planos para a restauração e preservação.

Apesar de uma onda de novos estilos arquitetônicos, incluindo rascacielos- moderno o modelo dominante de Tel Aviv a partir do ar continua a ser a profusão de “pequenos edifícios de teto branco quadradão e plana” que refletem a tradição Bauhaus cidade, muitos cujas doutrinas foram integrados em arquitetura contemporânea em todo o mundo.

Em Tel Aviv é a Iarkon parque, que é o mais famoso parque de Israel. É ainda maior que o Central Park, em Nova York (350 hectares). Tel Aviv tem uma estação no maior ônibus do mundo.

Fonte: es.wikipedia.org

Veja também

Hino Nacional da República Democrática do Congo

Debout Congolais PUBLICIDADE Debout Congolais (Levanta congolês) é o hino nacional da República Democrática do …

Locais Turísticos da República Democrática do Congo

BRAZZAVILLE PUBLICIDADE É um lugar muito interessante, muito verde, com uma Basílica, Mercados e o …

República Democrática do Congo

PUBLICIDADE O território que hoje leva o nome de República Democrática do Congo tem sido habitada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.