Pontos Turísticos da Coreia do Sul

PUBLICIDADE

Coreia do Sul é um país incrível para explorar. Agora, uma das coisas que mais adoro no país é a sua diversidade. Não só tem vistas incríveis e costas protegidas, mas também alguns dos melhores lugares da Coreia do Sul, espalhados por todo o país.

Começaremos o percurso pela capital, Seul para depois continuar pelo Centro e Sul da República da Coréia. Concluiremos em uma rápida visita pela Ilha de Chejudo.

Norte

Seul

É o maior atrativo do país. Tem-se convertido em uma moderna cidade cosmopolita salpicada de restos antigos como templos, pagodas, etc., os quais dão-lhe esse peculiar marco de atemporalidade.

Da Torre Namsan, em cima da montanha de mesmo nome, pode-se divisar a cidade de Seul.

Entre os lugares que destacamos para o visitante está o Palácio de Kyongbok, construido em 1392 e, devastado por um incêndio em 1592 durante a invasão japonesa, finalmente, foi reconstruido em 1867.

Ali também encontra-se o Museu Folclórico Nacional, o Museu Nacional e não longe dali, os Reais e Ancestrais Altares de Chongmyo, envoltos em um parque cheio de árvores, que acolhem os anscestrais tablilhas dos 27 reis e rainhas da Dinastia Yi.

Outro dos palácios importantes de Seul é o Palácio de Changdok, um dos mais conservados, residência da família real da Coréia. Ali encontra-se o Jardim Secreto com pavilhões, tanques e preciosas pontes de pedra dignas de admiração.

O Museu de Arte Moderna encontra-se no Palácio Toksu. O Parque da Págoda aloja à famosa Págoda Koryo de 10 andares e o Sino de Seul.

Para o sul do rio Ham encontra-se o Estádio Olímpico, que tem capacidade para 100.000 espectadores.

A capital que tem capital até no nome. Seul, a cidade dos palácios e arranha-céus.

Seul é uma cidade com enormes áreas de prédios e letreiros luminosos despontando no horizonte, rios de cabecinhas negras correndo pelas calçadas das ruas de grande movimento, complexos de shopping centers imensos abertos quase 24 horas e uma sede de consumo e de produção high-tech muito considerável.

Mas também pode ser traduzida por seus parques sossegados como o Namsan ou por seus acolhedores templos budistas, como o Jogyesa, o maior da cidade.

Os sul-coreanos são discrestos e envergonhados, chegam a rir de nervoso quando você pede uma informação em inglês na rua.

E olha que pedir informações sobre ruas é uma constante numa cidade onde elas não têm nome.

No emaranhado de ruelas da região de Insadong, a cultura hi-tech dá lugar à “velha Ásia”. Ali não há luminosos, nem espigões, nem magazines gigantescos.

Apenas tavernas de comida tradicional coreana, casas de chá apinhadas de ervas perfumadíssimas, antiquários e galerias de arte.

A rua principal do bairro é a Insadong-gil, mas é nos bequinhos que a cortam que estão os restaurantes de comida de vó coreana.

Absolutamente tudo o que se pede para comer na Coréia do Sul vem acompanhado de kimchi, o célebre picles de repolho (há, acredite, um Kimchi Museum no subsolo do Coex Mall, o maior shopping da cidade).

Outra iguaria local é a ppeondaegi.

Estranha palavra para algo ainda mais esquisito: larva de bicho-da-seda frita. Parecem baratas e vêm em saquinhos de amendoim. Uma delícia, a julgar pela cara de satisfação dos fregueses. Para beber, o seju, um parente turbinado do saquê, é destilado na Coréia do Sul há pelo menos 700 anos.

A cultura coreana é tão impenetrável para nós quanto a japonesa, com a diferença de que somos bem menos familiarizados com ela. Comparar Seul com Tóquio faz sentido e é até inevitável, uma vez que o país esteve sob domínio japonês por 30 anos (1910-45).

As Aproximidades de Seul

Por outro lado, um dos atrativos de tremendo interesse histórico da península são as Fortalezas da Montanha de Seul. Os seus muros podem chegar até os 7 metros de altitude e encontram-se muito bem conservadas.

A fortaleza norte, caracterizada pelas suas maciças portas chama-se Pukhansansong e a sul Namhansansong, perto da cidade de Songnam, ao leste de Seul, ambas constituem um espetáculo incomparável para o turista.

Perto dali, encontram-se os Túmulos Reais da Dinastia Yi, envolvidos por esculturas talhadas em granito, que representam animais místicos e reais.

Suweon

Esta cidade fortificada tem sido recentemente reconstruida e representa um legado histórico incomparável. Dali pode visitar a aldeia Tradicional Coreana, que representa modelos de vivenda tradicionais que incluem atelieres e templos.

A aldeia de Panmunjom é interessante, por ser o lugar onde pactuaram a trégua na linha de cessar de fogo, nos finais da Guerra da Coréia e onde ainda discutem sobre a reunificação da Coréia.

Chuncheon (O Norte da Coréia)

Na zona dos lagos do norte da Coréia está Chuncheon, capital da província de Kangwon-do.

Uma impressionante zona montanhosa onde desfrutará da formosa paisagem dos lagos Soyang e Paro e os Parques Nacionais de Sorak-sam e Odae-san.

Cascatas, templos, ermitas, estátuas budistas, misturados com uma exuberante natureza, são a atração diária daqueles que desfrutam com os mistérios asiáticos.

Uma excursão interessante muito popular é a visita ao Observatório da Unificação, desde onde poderá desfrutar das melhores vistas da Coréia do Norte e as Montanhas Diamante.

Centro

Podemos iniciar o percurso na capital da província de Chung Cheong Nam, Taejon. Perto dali encontram-se numerosos templos e formosos parques nacionais.

O maior Buda de pedra do país que data do ano 968, encontra-se em um templo perto de Nonsam e é famoso pela sua estrutura de granito de 18 metros de altitude. Se quiser fazer uma excursão de filme, pode-se chegar através de uma ponte de cordas de aço entre as paisagens rochosas que levar-lhe-ão a descobrir as maravilhas que oferece o Parque Provincial Taedun-san.

Outro Buda de 33 metros de altitude encontra-se em um dos maiores templos da Coréia. O Templo Popju-sa, construido recentemente sobre outro.

Encontra-se rodeado das inacreditáveis vistas do Parque Nacional Sogri-san.

Conta a lenda que três mil damas arrojaram-se ao rio Paek, desde uma colina em Puyo, última capital do reino Paekje (hoje ergue-se ali um museu), para não ser capturadas pelos invasores durante o império Paekje.

Dali pode-se visitar Kongju, onde nos anos 70 encontraram um importante túmulo. A cidade está rodeada de templos entre montanhas de bosques e arroios cristalinos.

Kyongju

Nesta cidade encontrará magníficas vistas de beleza sem igual e relíquias históricas nos seus templos, estátuas budistas e desenhos nas rochas.

O lugar mais interessante é o Parque dos Túmulos, que conta com 20 túmulos reais.

Nas montanhas que vão desta cidade a Pohang, na costa leste pode-se encontrar numerosas relíquias do reino Silla.

Frente à costa sul da praia Taebam está a pequena ilha rochosa de Taewaeng-am.

Taegu

Em Taegu encontra-se um dos maiores mosteiros e mais populares do país. Não pode deixar de vê-lo.

No meio do Mar Oriental que separa Coréia do Japão encontra-se a misteriosa ilha de Ullung-do, à qual poderá chegar através de um Ferry, desde a cidade de Pohang, na costa leste.

O sul

Pusan

É o porto principal da Coréia e a segunda cidade em importância. Desde a torre que leva o nome da cidade, poderá contemplar belas vistas. Cerca dali encontra-se um dos maiores templos da Coréia, entre impressionantes paisagens de montanhas, o Togdo-sa.

No meio docaminho da paisagem de montanha que extende-se ao longo da costa sul da Coréia encontra-se Yeosu.

Dali poderá chegar a uma inacreditável zona de ilhas e penínsulas que formam parte do Parque Nacional Hallyo.

No sul também poderá visitar a moderna cidade de Kwangju e o Porto pesqueiro de Mogpo, na ponta sudoeste da Coréia continental.

Ilha de Chejudo

Dali poderá chegar à ilha Chejudo, que conta com uma história própria e um vulcão chamado Halla, na montanha mais alta da Coréia do Sul e outro conhecido por Sogwipo, no qual também há uma impressionante catarata de nome Chong-bang. Ali contar-lhe-ão algo sobre o enígma das pedras dos avôs, talhadas na rocha de lavra “harubang”.

Cheju é a capital da ilha onde achará casas feitas de pedra de lavra. Também gozará da possibilidade de chegar a outras muitas pequenas ilhas de beleza natural.

Outra ilha interessante, célebre pelas suas algas, é a ilha de Wando ligada a terra firme por uma ponte.

Pontos Turísticos da Coréia do Sul – Locais

Korean Folk Village

A vila possui exemplos de construções dos mais variados estilos de todo o país, assim como lojas de artesanato, um templo budista, uma escola confucionista e uma praça de mercado.

Gyeongju

Por mil anos, até o século X, foi a capital da dinastia Silla.

Atualmente a cidade parece um museu a céu aberto. São templos, tumbas, palácios, castelos e jardins espalhados por toda a cidade.

O Parque Tumuli, no centro da cidade, possui uma enorme área murada com vinte tumbas reais. Próximo ao parque, o Cheomseongdae é um pilar de pedra, e é considerado um dos mais antigos observatórios no leste asiático.

Palácio Gyeongbokgung

Como residência da família real durante a Dinastia Joseon, o palácio foi apelidado de “um lugar onde o novo rei pode desfrutar de uma prosperidade de grandes bênçãos”.

Os visitantes podem passear pelos jardins do palácio e explorar uma infinidade de edifícios que foram restaurados e mantidos, cada um com sua finalidade única.

Se você usar um Hanbok (vestido tradicional coreano), poderá entrar de graça – tornando o palácio um destino digno de IG também.

Torre N de Seul

Se Taiwan tem Taipei 101 e a Malásia tem KL Tower, então a Coreia do Sul tem N Seoul Tower.

Uma atração turística obrigatória, a torre apareceu nos dramas K “My Love from the Star” e “Legend of the Blue Sea”.

Situada no topo da montanha Namsan, a torre oferece uma vista deslumbrante da paisagem urbana à noite. Os hóspedes podem apreciar a vista a partir do mirante ou de um dos restaurantes ou cafés.

Ilha Namiseom

Originalmente no topo de uma colina, a “Ilha Nami” foi transformada no que era durante a construção da Barragem de Cheongpyeong.

A ilha é pequena o suficiente para os hóspedes passearem em meio dia e é imperdível para os fãs do popular drama K, “Winter Sonata”.

Lotte Mundo

Aberto o ano todo, o Lotte World está localizado no centro de Seul, tornando-o facilmente acessível por transporte público.

O parque possui passeios e atrações internas e externas, com o Lotte World Tower Seoul Sky e o Lotte World Shopping Mall nas proximidades.

Aldeia Hanok de Bukchon

A poucos passos do Palácio Gyeongbokgung, do Palácio Changdeokgung e do Santuário Jongmyo, a Vila Bukchon Hanok era o lar dos parentes da família real.

As casas tradicionais, chamadas hanok, hoje funcionam como centros culturais, pousadas, restaurantes e casas de chá.

Myeong-dong

Myeong-dong é o destino preferido de jovens coreanos e turistas que procuram as últimas tendências e pechinchas em beleza e moda.

O trecho de um quilômetro é repleto de diversas lojas de departamentos, lojas duty free, lojas de diversas marcas, barracas de comida e restaurantes.

Palácio Changdeokgung

Designado Patrimônio Mundial da UNESCO em 1997, o palácio foi construído durante a dinastia Joseon e serviu como residência real para vários reis.

Os edifícios foram projetados e construídos para se integrarem perfeitamente aos lagos, formações rochosas e vegetação circundantes.

O Jardim da Manhã Calma

O Garden of Morning Calm é um jardim botânico que mostra o melhor que a natureza da Coreia tem a oferecer.

Desde jardins temáticos, um pinhal até canteiros de flores e pastos verdejantes, a folhagem é tão deslumbrante que este ponto turístico serviu frequentemente de cenário para vários dramas e filmes coreanos.

Yeonnam-dong

Yeonnam-dong é a última atração em Seul, já que o bairro antes “normal” se tornou um centro para estudantes, artistas e designers.

Repleta de lojas exclusivas, restaurantes chiques, cafés aconchegantes e boutiques da moda – há muito para os visitantes descobrirem, explorarem e comprarem.

Há também becos modernos com murais coloridos que seriam ótimos para adicionar ao feed do Instagram.

Museu Kimchikan

Este é um museu único dedicado a ensinar aos visitantes o processo de fabricação do Kimchi, que foi designado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Aqui, os hóspedes podem sujar as mãos, passar pelo processo de decapagem e levar para casa o que fizeram.

Existem passeios e aulas disponíveis em inglês, japonês e chinês para hóspedes internacionais.

Fonte: www.rumbo.com.br/www.geomade.com.br/www.traveloka.com

Veja também

Pontos Turísticos da Jordânia

PUBLICIDADE Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa …

Pontos Turísticos de Israel

PUBLICIDADE Pontos Turísticos de Israel – Atrações Sua lista de desejos de Israel deve incluir todas as …

Pontos Turísticos do Iraque

PUBLICIDADE Recentemente Iraque tem vivido uma história, que conseguiu impactar o mundo, e que tem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.