Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Turismo / Idioma do Japão

Idioma do Japão

PUBLICIDADE

Não há nenhuma teoria fundamentada que determine à que família linguística o Nihongo (língua japonesa) pertença. Sua estrutura é completamante diferente das línguas de origem Indo-Européias, tais como o Inglês e o Francês.

Atualmente, a língua japonesa é composta por três sistemas de escrita: Kanji (caracteres chineses), Hiragana e Katakana (caracteres fonéticos japoneses).

Escolha uma opcões para saber um pouco mais sobre a escrita japonesa.

Idioma do Japão

Idioma do Japão

Idioma do Japão

Hiragana

Hiragana é um sistema de caracteres fonéticos composto por 46 “letras” que representam os sons utilizados no Nihongo (língua japonesa). O Hiragana é utilizado como partícula, conjunção e desinência de adjetivos e verbos. Ele também é utilizado combinado ao kanji, o que possibilita diferenciar a escrita chinesa da japonesa.

Logo abaixo temos as vogais e as sílabas.

Idioma do Japão
Idioma do Japão
Idioma do Japão

Katakana

O Katakana, assim como o hiragana, também é um sistema de caracteres fonéticos composto por 46 “letras”. Atualmente, o Katakana é utilizado, em sua maioria, para representar palavras de origem estrangeira, nomes de pessoas e países estrangeiros, nomenclaturas científicas e onomatopéia, tais como sons emitidos por animais.

Idioma do Japão
Idioma do Japão

Idioma do Japão

Kanji

Na escrita japonesa, além do kana (hiragana e katakana), utilizam-se os caracteres conhecidos como kanji, que foram “importados” da China, há aproximadamente 1500 anos. Estes ideogramas, muitos com origem pictográfica, são muito mais complexos do que a escrita Hiragana e Katakana, o que o possibilita ter formas diferentes significados e formas de leitura.

A maioria dos Kanji’s tem de três a seis formas diferentes de pronúncias, fazendo com que o idioma japonês torne-se mais difícil de aprender. No entanto, são os Kanji’s os responsáveis pelo charme desse idioma.

Devido à infinidade de kanjis, houve uma necessidade de se escolher um padrão mínimo para viabilizar o uso desses ideogramas. Por isso o governo japonês criou uma lista com 1945 Kanji, conhecidos como Joyo Kanji, que seriam utilizados no dia-a-dia japonês. Sendo assim, a maioria dos jornais e meios de comunicação se limita a usar apenas os Kanjis contidos nessa lista.

Leituras de Kanji – On e kun

O Kanji foi originalmente criado para ser a forma escrita da língua chinesa, sendo que para cada Kanji haveria um único som, ou seja, cada ideograma teria uma única forma de leitura em chinês. Entretanto, ao serem trazidos para o Japão, os japoneses começaram a utilizá-los não só para representar as palavras já existentes no país, como também para utilizá-los na forma chinesa. Em japonês, um Kanji tanto pode possuir uma leitura em japonês (chamado de Kun’yomi – leitura na forma KUN), quanto em Chinês, em sua forma original (chamado de On’yomi – leitura na forma ON). Muitos desses Kanji’s são utilizados atualmente.

On’yomi e Kun’yomi são os nomes dados as duas maneiras de se ler um Kanji. Em outras palavras, o On’yomi é a maneira de se ler e o Kun’yomi representa o significado. Normalmente o On’yomi vem escrito em katakana e o Kun’yomi em hiragana.

Idioma do Japão

Leitura On (on-yomi) – chinesa
Leitura Kun (kun-yomi) – japonesa

Para formar muitas palavras na língua japonesa, podemos fazer uso de alguns recursos como juntar dois ou mais Kanji’s ( Kanji + Kanji…) ou Kanji + Hiragana. Quando utilizamos a fórmula Kanji + Kanji, podemos utilizar o On’yomi de um e o Kun’yomi de outro, e vice e versa.

Para exemplificar melhor, vejamos os seguintes exemplos:

Idioma do Japão

Okurigana

Quando escrevemos verbos e adjetivos em wago (japonês nativo), utilizamos o Kanji na raiz ou origem da palavra (parte que não se modifica) e o Hiragana no final (para flexionar o verbo ou adjetivo). O hiragana utilizado desta maneira é chamado de Okurigana.

Tabemasu Idioma do Japão
(verbo comer flexionado tanto no presente como no futuro)

Tabemashita Idioma do Japão
verbo comer flexionado no passado

Chiisai Idioma do Japão
adjetivo – pequeno

Okii Idioma do Japão
adjetivo – grande

Algumas vezes o okurigana também é utilizado para esclarecer palavras ambíguas, como por exemplo:

Idioma do Japão

Fonte: www.japaoonline.com.br

Idioma do Japão

Por pesquisa diligente, tem-se agora evidência conclusiva para as relações genéticas dos principais idiomas do mundo. O inglês, junto com outros idiomas falados na Europa, na Rússia e na Índia, pertence família lingüística indo-européia.

Em contraste, não há nenhuma evidência conclusiva relacionando o japonês a uma única família de idiomas.

A hipótese mais proeminente insere o japonês na família de Altaic que inclui o turco tungusic, mongol, e coreano – com a relação mais íntima para o coreano. Segundo Roy Andrew Miller, o idioma de Altaic original foi falado no Transcaspian, estepe do país, e os oradores desse idioma empreenderam migrações volumosas antes de 2.000 a.C., difundindo essa família lingüística do oeste da Turquia para o leste do Japão. Porém, tal hipótese é incompatível com algumas características principais do japonês.

Assim sendo, alguns estudantes consideram os idiomas do sul do Pacífico na família de Austronesian como pistas de relação genética. Vários lingüistas históricos japoneses acreditam na hipótese de uma teoria “híbrida” que o enquadra à família de Altaic, com influências lexicais dos idiomas da Austronesian possivelmente. Também é importante notar que na ilha do norte de Hokkaido, as pessoas de Ainu, que são física e culturalmente diferentes do resto dos japoneses, falam um idioma que aparentemente não se relaciona a uma única família lingüística.

Com a introdução do sistema de escrita chinês, que começou aproximadamente há 1.500 anos, os japoneses iniciaram o registro do seu idioma extensivamente por poesia e prosa.

O idioma daquela época, que era chamado japonês velho, teve várias características modificadas no decorrer do tempo. Por exemplo, Susumu Ono tem discutido que o japonês velho apresentava oito vogais em vez das cinco que nós temos hoje. Também havia várias características gramaticais e morfológicas que não mais vigoram.

A transição do japonês velho para o japonês moderno ocorreu por volta do décimo segundo século d.C. para o décimo sexto século d.C. O sistema de escrita japonês é escrito tradicionalmente na vertical, com as linhas a partir do lado direito da página. Enquanto esse modo de escrita ainda é predominante, há outro modo que é idêntico ao inglês, no qual se inicia a partir do lado esquerdo no topo, em linhas horizontais.

O japonês é escrito usando dois sistemas de ortografia: caracteres chineses e caracteres silábicos. Os caracteres chineses, ou kanji, foram trazidos da China há aproximadamente 1.500 anos. Antes da sua introdução,o japonês era restritamente um idioma falado. Caracteres chineses são sem dúvida o sistema mais difícil devido ao número transparente de caractere, a complexidade de ambos na escrita e leitura de cada caractere. Cada caractere é associado a um significado. Existem milhares de caracteres atestados, mas, em 1946, o governo japonês identificou 1.850 caracteres para uso diário.

Em 1981, aumentou-se a lista para 1.945 caracteres e a nomearam de Lista de Joyo Kanji (kanji para uso diário)

Os caracteres na lista de uso diário são aprendidos nas escolas primárias e secundárias, e os jornais geralmente limitam o uso de caractere a essa lista.

A maioria dos caracteres é associada a pelo menos duas leituras: a leitura japonesa nativa e a leitura que simula a pronúncia chinesa original do mesmo caractere. Se o mesmo caratere entrasse no Japão em períodos diferentes ou de regiões de dialeto diferentes da China, o caractere poderia ser associado a várias leituras chinesas que representariam períodos históricos diferentes e diferenças dialetais.

Por exemplo, o caractere “ir” tem quatro leituras diferentes: a leitura japonesa e três leituras originalmente chinesas distintas.

O segundo sistema de escrita é o silábico, ou kana, que foi desenvolvido pelos japoneses há aproximadamente 1.000 anos, originado de certos caracteres chineses. Cada silabarismo representa uma sílaba no idioma e, assim como também carateres chineses distintos, representa um som mas não significado.

Idioma do Japão

Há dois tipos de sílabas: hiragana e katakana. Cada um contém o mesmo jogo de sons. Por exemplo, o “ka” em japonês pode ser representado pelo hiragana ou pelo katakana, ambos originados do caractere chinês. Hiragana é freqüentemente usado em combinação com um caratere chinês.

Por exemplo, o caractere representa a raiz de um verbo aproximado e a inflexão é escrita com hiragana. Katakana é usado para escrever palavras de empréstimo de idiomas ocidentais como inglês, francês, e alemão. É comum achar kanji, hiragana, e katakana sendo usados na mesma oração. Junto com carateres chineses e silábicos, são empregados às vezes alfabetos romanos para, para exemplo, nomes de organizações.

Companhias como Honda, Toyota, e Sony usam freqüentemente alfabetos romanos para o nome da marca em anúncios.

Idioma do Japão
Escrita milenar

Idioma do Japão

Há várias teorias sobre o desenvolvimento dos kanjis, e nenhuma delas é concreta. Uma das teorias informa que há uns 5.000 a 6.000 anos atrás, um historiógrafo chinês Ts’ang Chieh viu através do kanji uma idéia de como expressar símbolos de coisas por escrito, obtendo inspiração a partir da impressão do pé de pássaros em um campo de neve.

Outra teoria diz que começou quando Fu Hsi, um dos três imperadores da época, mudou o registro oficial do método de “nós de corda” para método de “carta”. Ambas as teorias são, provavelmente, ao invés de opiniões legendárias, fatos históricos confiáveis.

Porém, o fato seguro é que a carta de kanji mais antiga é a inscrição em ossos de animais e em cascos de tartarugas que foram introduzidos durante os dias do vigésimo segundo imperador de Shang (Yin) – há aproximadamente 1100 a.C.

Seis categorias de formação do kanji levam a sua origem em pictografia. Porém eles passaram por várias mudanças até alcançarem as formas atuais, como combinação ou consolidação de cartas diferentes, emparelhando significado e pronúncia. Essas seis categorias são chamadas de “rikusho”.

Idioma do Japão

  • Shokei (pictografia)
  • Shiji (ideografia simples)
  • Kai’i (combinação ideográfica)
  • Keisei (fonética ideográfica)
  • Tenchu (derivado)
  • Kashaku (empréstimos fonéticos)
  • 1. Shokei (pictografia)

    São caracteres originados de desenhos ou imagens.

    Idioma do Japão

    2. Shiji (ideografia simples)

    São caracteres originados de símbolos devido a dificuldade de serem expressos através de desenhos ou imagens.

    Idioma do Japão

    3. Kai’i (combinação ideográfica)

    Idioma do Japão

    São caracteres originados de outras combinações já existentes.

    Por exemplo, o caractere de descanso é uma estrutura resultante da combinação do caractere de homem em repouso ao lado do caractere de árvore.

    Outro exemplo seria a combinação de duas árvores lado a lado gerando o caractere de floresta.

    4. Keisei (fonética ideográfica)

    Idioma do Japão

    São caracteres originados de um elemento que representa um certo objeto e um outro elemento representando sua fonética.

    5. Tenchu (derivado)

    Existem várias explicações para essa categoria e uma delas diz que alterando um caractere puro ou juntando-se com outro deu-se origem a um novo caractere.

    Idioma do Japão

    6. Kashaku (empréstimos fonéticos)

    Essa é a categoria em que a pronúncia é de maior prioridade do que o significado. Também é usado para palavras importadas.

    Idioma do Japão

    Idioma do Japão
    Escrita em madeira

    Idioma do Japão
    Escrita em casco de animal

    Idioma do Japão
    Escrita em casco de tartaruga

    Conteúdo Relacionado

     

    Veja também

    Locais Turísticos de Burkina Faso

    UAGADUGU (OUAGADOUGOU), A CAPITAL PUBLICIDADE É a capital de Burkina Faso e foi fundada há mais de …

    Hino Nacional de Burkina Faso

    Une Nuit Seule PUBLICIDADE Une Nuit Seule (também conhecido como L’Hymne de la Victoire ou Ditanyè) …

    Bandeira de Burkina Faso

    PUBLICIDADE A Bandeira de Burkina Faso é formada por duas listras horizontais, de igual largura, sendo a …

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

    300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+