Coreia do Norte

PUBLICIDADE

Nome oficial: República Popular Democrática da Coreia
Continente: 
Ásia
Capital: Pyongyang
Área: 
120 540 km ²
Países fronteiriços: China, Coréia do Sul, Rússia
Rios principais: Yalu, Tumen e Taedong
Mares: Mar do Japão, China Mar e Mar Amarelo
O grupo majoritário:
 Coreano (99%)
Grupos minoritários: chineses, japoneses
Sistema político centralizado estado unitário sob Comunista
Língua oficial: 
coreano
Leis da língua: leis e decretos sobre leis Hangul e escola
Rios principais:
 Yalu, Tumen e Taedong
Mares: Mar do Japão, China Mar e Mar Amarelo

Coreia do Norte – História

A península coreana tem sido habitado desde o Paleolítico e teria permitido que a imigração da Manchúria e da China do Norte entre o sétimo eo sexto século aC.

Segundo a lenda coreana, o mais antigo estado foi o Choson (o “Manhã Calma”), que cobriu a Coreia do norte-oeste e sul da Manchúria, que foi conquistada pela China em 108-107 aC, que criou quatro “commanderies” Lolang, Xuantu, e Lindun Zhenfan.

Os reinos Paekche no sudoeste da península, fundada em 18 aC, e Silla, no sudeste, fundada em 57 aC, surgiram os séculos III e IV, enquanto a influência China foi enfraquecida. Na costa sul, um estado terceiro, chamado de Kaya, rivalizava com os outros, mas foi o Koguryo, no século V, tornou-se o mais poderoso.

A península coreana foi habitada por povos de um ramo Tungusic da família de línguas Ural-altaica que migraram das regiões do noroeste da Ásia.

Alguns desses povos também povoaram as partes do nordeste da China (Manchúria); coreanos e manchus ainda mostram semelhanças físicas.

Os coreanos são racialmente e linguisticamente homogêneos.

Coreano é uma língua Ural-altaica e está relacionado para o japonês e remotamente relacionado para o húngaro, o finlandês, estoniano, e mongol. Embora existam dialetos, o coreano falado em toda a península é mutuamente compreensíveis. Na Coréia do Norte, o alfabeto (hangul) é usado exclusivamente, ao contrário da Coréia do Sul, onde uma combinação de hangul e caracteres chineses é usado como a linguagem escrita.

Religiões tradicionais da Coréia são o Budismo e Xamanismo. Missionários cristãos chegaram tão cedo quanto o século 16, mas não foi até o século 19 que eles fundaram escolas, hospitais e outras instituições modernas em toda a Coréia.

Os principais centros de século 19, a atividade missionária incluído Seul e Pyongyang, e havia uma população relativamente grande cristã no norte antes de 1945.

Embora grupos religiosos existam na Coréia do Norte, a evidência mais disponível sugere que o governo restringe severamente a atividade religiosa.

Segundo a lenda, o deus-rei Tangun fundou a nação coreana em 2333 aC.

Até o primeiro século dC, a península coreana foi dividida em reinos de Silla, Koguryo e Paekche.

Em 668 dC, o reino de Silla unificou a península. A dinastia Koryo – de que missionários portugueses no século 16 derivou o nome ocidental “Coréia” – conseguiu o reino Silla em 935. A dinastia Choson, governada por membros do clã Yi, suplantado Koryo em 1392 e durou até 1910.

Durante a maior parte de sua história, a Coréia foi invadida, influenciado, e disputado por seus vizinhos maiores. A Coréia estava sob a ocupação mongol de 1231 até o início do século 14 e foi saqueada por piratas japoneses em 1359 e 1361.

O unificador do Japão, Hideyoshi, lançou grandes invasões da Coreia em 1592 e 1597.

Quando as potências ocidentais perseguiram “canhoneira” a diplomacia na Coréia, em meados do século 19, os governantes da Coréia adotaram uma política de portas fechadas, ganhando a Coréia o título de “Reino Eremita”.

Embora a dinastia Choson pagasse fidelidade ao tribunal chinês e reconheceu a hegemonia da China na Ásia Oriental, a Coreia foi independente até o final do século 19.

Naquele tempo, a China procurou bloquear crescente influência japonesa na península coreana e pressão russa para ganhos comerciais lá. Esta competição produziu a guerra sino-japonesa de 1894-1895 e na Guerra Russo-Japonesa de 1904-05. O Japão saiu vitorioso de ambas as guerras e em 1910 anexa a Coréia como parte do crescente império japonês.

A administração colonial japonesa foi caracterizada por um rígido controle de Tóquio e os esforços implacáveis para suplantar o idioma coreano e sua cultura.

Organizou a resistência coreana durante o período colonial – como o Movimento de Independência 01 de marco de 1919, – foi vencida, e no Japão permaneceu firmemente no controle até o final da II Guerra Mundial, em 1945.

O Japão se rendeu em agosto de 1945, e a Coréia foi libertada. No entanto, a rendição do Japão inesperadamente cedo levou à divisão imediata da Coreia em duas zonas de ocupação, com os EUA a administração da metade sul da península e da URSS assumindo a área ao norte do paralelo 38.

Esta divisão era para ser temporário e para facilitar a rendição japonesa, até que os EUA, Reino Unido, União Soviética, China e poderiam arranjar uma administração de tutela.

Em uma reunião no Cairo, foi acordado que a Coréia seria livre “no devido momento,” em uma reunião posterior em Yalta, decidiu-se estabelecer uma tutela de quatro poder sobre a Coréia.

Em dezembro de 1945, uma conferência foi convocada em Moscou para discutir o futuro da Coreia. A tutela de cinco anos foi discutida, e uma comissão conjunta soviético-americano foi estabelecido.

A comissão se reuniu intermitentemente em Seul, mas permaneceu um impasse sobre a questão do estabelecimento de um governo nacional.

Em setembro de 1947, sem solução à vista, os Estados Unidos apresentaram a questão coreana para a Assembleia Geral da ONU.

Esperanças iniciais para um sistema unificado, independente a Coréia rapidamente foi evaporado com a política da Guerra Fria e a oposição interna ao plano de tutela resultou no estabelecimento 1948 de duas nações separadas com diametralmente opostas sistemas políticos, econômicos e sociais e do início da guerra em 1950.

A unificação da península coreana

O Koguryo foi capaz de controlar a maior parte da península da Coreia e Manchúria. Em meados do século VI, Silla conquistou Kaya e territórios capturados nos arredores de Seoul e do vale Han, enquanto o Paekche Koguryo e gradualmente perdem porções de seus territórios. Estes estados manteve uma forte cultura distinta. Por exemplo, o Koguryo destacou na arte da guerra, mas o Silla estabelecer instituições sociais e políticas mais sustentáveis do Paekche teve relações com a China e Japão, e desenvolveu uma grande civilização, mas ele era fraco e politicamente militarmente.

Em 668 dC, o aliado Silla com os chineses da Dinastia Tang e auxiliado por seu exército, teve naquele ano, derrotando o Paekche Koguryo e, em 660, e estabeleceu o primeiro estado a península coreana unificada depois reconquistada 735 nos dois protetorados estabelecidos pelos chineses.

Budismo apareceu na península, no século IV, tornou-se uma força poderosa no século VI e inspirou a vida altamente intelectual e artística de Silla. Mas a escrita, cultura e instituições políticas chinesas também teve uma grande influência, porque todos os estados adotaram a escrita chinesa coreana para transcrever suas respectivas línguas.

No entanto, a cultura da Silla era o principal veículo de período de desenvolvimento da Coréia. No século X, uma forma de Estado tipicamente coreano, fortemente hierarquizada, já estava bem estabelecida, e apesar de várias mudanças e problemas posteriores, esta forma de governo permaneceu no local até os tempos modernos.

Coreia do Norte – Perfil

Os primeiros povoadores da península da Coréia eram segundo acredita-se, as tribos migratórias originárias do centro e norte da Ásia. Estes povos trouxeram consigo um idioma, uma cultura e uma religião animista.

O primeiro reino coreano chegou a consequência de uma aliança entre as tribos do norte, devido às constantes guerras com os chineses por volta do primeiro século da nossa era.

Quatro séculos depois unificou-se a metade norte. Na metade sul dominavam, durante o século III os reinos de Pilla e Paekje. Começava o período dos três reinos que duraria quatro séculos.

China sempre influiu sobre Coréia, sobretudo, no referente à religião, como o budismo, enquanto que Coréia influia sobre o Japão.

No século XIX houve uma série de conflitos entre os senhores rivais aparecendo a dinastia Koryo, que também recebeu as ameaças de outros reinos como o dos mongóis, até que esta finalmente caiu.

O neo confucionismo deslocou o budismo, com a dinastia nova de Yi Song-Gye.

No fim da Idade Média reinou Sejão, que inventou uma escrita fonética incrementando o alfabetismo. A invasão japonesa a finais do século XVI foi um desastre para Coréia.

Os seguintes anos vieram novas lutas contra os chineses e invasões dos manchúes, como conseqüência, Coréia isolou-se durante um século e foi conhecida como o Reino Eremita.

Os japoneses ocuparam a Coréia explorando-a até a Segunda Guerra Mundial. Pouco depois foi ocupada pelos russos no Norte e os norte-americanos no Sul.

Isto levou a Coréia a um conflito político que levou à guerra de Coréia e deixou o país em ruinas. A península da Coréia ficou dividida e durante muitos anos as duas Coréias estiveram enfrentadas.

A República Democrática Popular da Coréia, governada por Kim Il-sung, tinha dois inimigos: USA e Japão, terminada a guerra contra a outra Coréia, a Guerra Fria continuava. Em 1994 os presidentes das duas Coréias iam encontrar-se, mas a morte surpreendeu a Kim Il-sung, antes da entrevista. Kim Il-sung tinha pensado ser sucedido pelo seu filho Kim Jong Il.

Sabe-se pouco deste posto, que não deixa-se ver muito, o que tem criado numerosas intrigas palaciegas sobre todo ocidente. O principal problema do país atualmente é a fome.

Os países implicados na antiga contenda estão tentando reunir-se para elaborar um novo acordo de paz na Península da Coréia.

Coreia do Norte – Localização

Coreia do Norte é oficialmente chamado de República Popular Democrática da Coreia (em coreano: Chosun Minjujuui Iinmin Konghwaguk ou simplesmente Cho-Sol, isto é, “Manhã Calma”).

É um país no leste da Ásia, localizado ao norte da península coreana, limitado a norte pela China, a leste pela Rússia, a leste com o Mar do Japão, da Coréia do Sul no sul e oeste pelo Mar Amarelo. A área de terra é 120,538 km ², 40% na Itália, 99 268 km ² contras para a Coreia do Sul.

A capital e maior cidade da Coréia do Norte é Phyongyang (Ou tradicionalmente Pyongyang). Principal cidade industrial do país, Pyongyang tem 1,5 milhões de habitantes (estimativa de 1990).

Outras principais cidades são Tchongjin (265 000 habitantes), centro industrial e porto no Nordeste; Wonsan (215 000 habitantes), vestindo o Mar do Japão, no sul, e Kaesung (140 000 habitantes), perto da fronteira sul-coreana.

No lado administrativo, a Coreia do Norte é composto por nove províncias: Hamgyong do Norte, do Sul Hamgyong, Yangkang, Chagang, Norte Pyongan do Sul Pyongan, Kangwon, Hwanghae do Norte, do Sul Hwanghae três cidades e do estatuto especial: Pyongyang e Kaesung Nampho.

Coreia do Norte – Geografia

A Coreia forma uma península que se estende cerca de 1 100 km a partir do continente asiático. Para oeste é ladeada pelo mar Amarelo (a que os coreanos chamam mar Oriental) e pela baía da Coreia, e para o leste é banhada pelo Mar do Leste(mar do Japão). A península termina no estreito da Coreia, e no mar da China Meridional (a que os coreanos chamam mar do Sul), no sul.

A parte norte da península, incluindo a Coreia do Norte, tem um terreno composto principalmente por colinas e montanhas, separadas por vales profundos e estreitos, a norte e a leste, e planícies costeiras principalmente a oeste. O ponto mais elevado da Coreia é o Paektu-san, com 2 744 m. Os rios principais são o Tumen e o Yalu, que desenha a fronteira norte com a Manchúria chinesa.

O clima é relativamente temperado, com a precipitação mais forte no verão, durante uma curta estação chuvosa chamada jangma, e invernos que podem ser por vezes muito frios.

A capital e maior cidade da Coreia do Norte é Pyongyang, e as outras cidades importantes são Kaesong no sul, Sinuiju no noroeste, Wonsan e Hamhung no leste e Chongjin no norte.

Coreia do Norte – Economia

Coreia do Norte tem uma economia planificada de estilo soviético. As relações económicas com o exterior são mínimas e o país recebe ajuda alimentar da ONU.

Relatos de melhoras económicas estão associadas às novas alianças estratégicas e a incrementação das transações com a China.

Atualmente, 80% da energia e 20% dos alimentos são procedentes da China. As principais atividades são a indústria pesada e a agricultura. Contudo, após o fim da URSS, e depois de consecutivas más colheitas, a economia parou de crescer.

Coréia do Norte, uma das economias mais centralmente dirigidas e menos aberto do mundo, enfrenta crônicos problemas econômicos.

No setor industrial o capital vai além da simples observação, como resultado de anos de falta de investimento, falta de peças de reposição e manutenção pobre.

Despesas em grande escala militar puxa os recursos necessários para investimento e consumo civil.

Tanto os setores Industrial e produção de energia estagnaram durante anos em uma fração do pré-1990.

Frequentes falhas relacionados com o tempo de colheita e a agravada escassez crônica de alimentos causados por em andamento de problemas sistêmicos, incluindo a falta de terras aráveis, as práticas agrícolas coletivas, baixa qualidade do solo, adubação insuficiente e escassez persistente de tratores e combustível.

Grandes entregas de ajuda internacional de alimentos permitiram o povo da Coreia do Norte de escapar da fome generalizada desde que a fome foi ameaçada em 1995, mas a população continua a sofrer de subnutrição prolongada e más condições de vida.

Desde 2002, o governo permitiu que os “mercados de agricultores” do setor privados começasse a vender uma ampla gama de produtos.

Ele também permitiu que algumas agriculturas privada – em caráter experimental – se esforçassem para aumentar a produção agrícola.

Em dezembro de 2009, a Coréia do Norte realizou uma redenominação de sua moeda, coroando a quantidade de won da Coreia do Norte que podem ser trocados por novas notas, e limitou a troca de uma janela de uma semana.

A repressão simultânea em mercados e uso de moeda estrangeira cedeu grave escassez e também da inflação, forçando Pyongyang para aliviar as restrições de fevereiro de 2010.

Em resposta ao afundamento do Cheonan destroyer sul-coreano e o bombardeio de Yeonpyeong Island, o governo da Coréia do Sul cortou mais ajuda, comércio e atividades de cooperação bilateral, com excepção das operações no Complexo Industrial de Kaesong.

Em preparação para 2012, o 100 º aniversário do nascimento de Kim Il-sung, a Coréia do Norte continuou os esforços para desenvolver as zonas econômicas especiais com a China e manifestou vontade de permitir a construção de um gasoduto trilateral que levará gás natural da Rússia para a Coreia do Sul.

O governo norte-coreano, muitas vezes destacou sua meta para 2012 de se tornar uma “forte e próspera” nação e atrair investimento estrangeiro, um fator-chave para a melhoria do padrão de vida em geral.

No entanto, o controle político firme permanece preocupação primordial do governo, o que provavelmente irá inibir mudanças no sistema atual da Coréia do Norte econômica.

Coreia do Norte – Política

República Popular Democrática da Coreia é uma ditadura socialista rigidamente centralizada, com o poder concentrado nas mãos de uma só pessoa, que fora Kim Il-sung desde o final da década de 1940 até a sua morte, em 1994, e que é agora seu filho, Kim Jong Il. Já foi chamada “a primeira monarquia comunista”.

Pela estrutura política, que centraliza o poder decisório de todos os setores da sociedade num só organismo, o Partido, pode-se bem afirmar que a Coreia do Norte é o último país estalinista do planeta, pois adota um sistema de governo muito similar àquele adotado na União Soviética durante a ditadura de Josef Stalin. Como tal, promove repressões políticas aos opositores, prendendo-os, torturando-os, executando-os ou enviando-os aos campos de trabalho forçado, os chamados goulags.

A Coréia do Norte assinou com os EUA em 1999 um acordo pelo qual os norte-coreanos abriam mão do seu programa nuclear em troca de combustível enviado, porém sob a administração de George W. Bush os EUA descumpriram sua parte do acordo, o que combinado com um crescimento das hostilidades da potência norte-americana, levou a Coréia do Norte a acelerar o seu programa nuclear.

O país afirmou ter o direito de testar tais mísseis, pois é um país soberano. O Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou dia 15 de julho daquele ano uma resolução impondo sanções à Coréia do Norte por seus testes de mísseis. Em 9 de Outubro de 2006, a Coréia do Norte teria realizado um teste subterrâneo de um artefato nuclear.

Coreia do Norte – Arte e Cultura

O sistema de escrita coreano, chamado Hangul, foi inventado no século XV pelo rei Sejong, o Grande para substituir a escrita Kanji ou seja o sistema de caracteres chineses e conhecidos na Coreia como Hanja, uma especie de hieróglifo que não estão em uso como escrita oficial no Norte.

Coreia do Norte continua a usar a romanização McCune-Reischauer do coreano, contrastando com o Sul que reviu a romanização no ano 2000.

A Coreia tem uma herança budista e confucionista, com comunidades cristãs e do Chondogyo tradicional (a “Via Celeste”). Pyongyang, a capital da Coreia do Norte, era o centro de atividade cristã antes da Guerra da Coreia.

Kim II-sung promoveu em grande medida as artes e a cultura tradicional coreana, e embora as suas razões tinham sido objeto de debate, pelo desmesurado engrandecimento de todo coreano, há quem opina que a verdadeira Coréia está no norte.

O budismo tem desempenhado um papel muito importante na arte coreana. As belas obras artísticas e a arquitetura encontram-se nos templos e túmulos budistas.

Os murais das paredes dos antigos túmulos são principalmente da Dinastia Choson.

Não é preciso fazer menção ao renconhecimento da beleza artística da cerâmica coreana. A tradição e a técnica da elaboração das porcelanas tem sido transmitida de geração em geração.

A música tradicional coreana interpreta-se com instrumentos típicos, como o kayagum e o komungo. O canto folclórico mais popular é o pansori, uma canção na qual conta-se diferentes histórias.

Coreia do Norte – Flora e Fauna

Existe uma variada e rica fauna graças às especiais condições climáticas da Península Coreana, com mais de 210 famílias com 3.347 espécies.

A península está dividida em três regiões botânicas: a região norte caracterizada pela abundante flora alpina com abetos, pinhos, robles, hayas, cedros e abedules.

Na região central abundam os pinhos e plantas de folhas caducas como hayas, robles e castanhos, fresnos, sauces, tilos, bananas e rododentros. Na região do sul existe uma variedade de camélias, azaléias e gincos.

Também há abundância de brejos e plantas medicinais como o famoso ginseg.

A fauna do país está representada pelo urso preto, ratos campestres mandarines, pássaros carpinteiros, veados e uma grande variedade de faisões.

Existem perto de 379 espécies de aves (das que 226 são migratórias), 130 de peixes, 14 de anfibios e 25 de répteis.

O animal mais representativo é o tigre, apesar de já não existir na realidade, permanece em inumeráveis lendas e mitos.

Outro animal importante é o cão de Chindo, original da ilha de Chindo, ao sudeste da Coréia.

Coreia do Norte – Clima

Coreia do Norte tem um clima continental muito mais duras do que na Coréia do Sul, o paralelo 38 desempenha o papel de alguma forma, de uma mudança de fronteira.

Todo o clima da Coreia do Norte é governada por um terreno latitude, ea presença das monções.

Clima continental com 4 estações extremas, o inverno é especialmente longo e frio.

A Primavera é fresca e soalheira com temperatura média de 10ºC.

O Verão é quente, por vezes com chuva no final do dia e a temperatura média é de 24ºC, com temperaturas e a umidade são muito altas..

O Outono é variável com temperatura média de 19ºC.

O Inverno é frio, com céu limpo e temperatura média de -4ºC.

clima é semelhante ao da Manchúria, com verões quentes e invernos frios.

A temperatura média do inverno em Wonsan, no sul, é – 3,9 ° C, mas é muito mais baixa no norte e no Gaema bordo, onde atinge – 20 ° C em Janeiro.

Precipitação anual varia entre 800 e 1300 mm, dependendo da região.

Ice aparece no final da costa nordeste por várias semanas no Golfo da Coréia permanece vários meses na costa norte do Mar do Japão.

Coreia do Norte – Festividades

Os dias festivos oficiais são o 1 de Janeiro Ano Novo, 16 de Fevereiro aniversário de Kim Jong, 15 de Abril aniversário de Kim II, 25 de Abril Dia das Forças Armadas, 1 de Maio Dia do Trabalho, 9 de Setembro Dia da Fundação Nacional e 10 de Outubro Dia dos Trabalhadores Coreanos.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br/www.tlfq.ulaval.ca/www.cia.gov/www.dinosoria.com

Veja também

Pontos Turísticos da Jordânia

PUBLICIDADE Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa …

Pontos Turísticos de Israel

PUBLICIDADE Pontos Turísticos de Israel – Atrações Sua lista de desejos de Israel deve incluir todas as …

Pontos Turísticos do Iraque

PUBLICIDADE Recentemente Iraque tem vivido uma história, que conseguiu impactar o mundo, e que tem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.