Pontos Turísticos da Índia

PUBLICIDADE

ÍNDIA, A MAGIA DO ALÉM

A Índia é fascinante. Terra onde convivem numerosas etnias e diversas culturas em entornos naturais de grande beleza, cativa e seduz, como um delicado amante, todo aquele que a visita.

Desde os nevados cumes do Himalaia até os vales férteis do interior passando pelas intrincadas selvas e os dourados desertos, as paisagens indiananas são formosas.

Nessa inusitada beleza une-se uma fauna única no mundo com misteriosos tigres, impressionantes rinocerontes de um chifre só, búfalos, leões asiáticos, panteras, milhares de cervos e milhões de aves que sobrevoam os céus durante a época da migração. Alem disso, a Índia conta com paradisíacas praias de areia fina e ilhas virgens de águas transparentes que fazem as delícias dos amantes do mar.

Hindus, muçulmanos, jainistas, sijs, cristãos e outros muitos fieis de diversas crenças convivem numa sociedade multi-racial oferecendo um espetáculo que resulta surpreendente aos olhos ocidentais.

Turbantes e saris de brilhantes cores, templos, mesquitas, igrejas, palácios, peregrinos que tomam banho nas águas sagradas, enquanto as fogueiras funerárias ardem ao lado, bazares com vida própria cheios dos mais variados produtos, festivais e cerimônias que celebram a cada um dos meses do ano, tudo isso embrulhado em uma hospitalidade, amabilidade e simpatia que caracteriza o povo indiano.

São estes os elementos que fazem com que os estranhos entrem, sem perceberem e nem sentirem que fazem parte deste misterioso mosaico.

Não duvide e deixe-se envolver por esta mágica fascinante que somente a Índia é capaz de provocar.

Calcutá

Calcutá, no centro de uma grande área metropolitana e se espalhando, é a capital do Estado de Bengala Ocidental. Calcutá começou como um posto comercial Inglês em 1690.

Ela cresceu em importância devido à sua localização em um afluente do Ganges, o Rio Hooghly, que deságua na Baía de Bengala. Em 1773, Calcutá se tornou a capital da Índia Britânica.

Embora a sede do governo foi transferida para Delhi em 1912, Calcutá continua a ser um importante porto e cidade industrial, produzindo papel, ferro e aço, bens de couro e juta.

Ela é também um centro da vida cultural e intelectual Indiana. A Universidade de Calcutá é a maior universidade da Índia, e a Biblioteca Nacional contém uma coleção de mais de 8 milhões de livros.

A própria Calcutá fornece um estudo de contrastes. Largas avenidas alinhadas com modernos prédios espaçosos estão ao virar das esquinas das estreitas ruas laterais desordenadas. A principal avenida de Calcutá, Chowringhee, é um centro de atividades e entretenimento, com cinemas e lojas. No sub-solo, um sistema de metrô ultramoderno espalha as pessoas rapidamente ao redor da cidade.

No centro da ala oriental da extensa rede ferroviária da Índia, Calcutá fornece transporte, serviços financeiros, e oficinas de serviços para a região.

O Maidan, um parque enorme no centro de Calcutá, oferece áreas para esportes, fazer piquenique, e simplesmente relaxar. No Maidan está o Memorial Victoria, abrigando artefatos que destacam a vida e a história dos Indianos e da era colonial Britânica. Outras atrações populares são o zoológico de Calcutá, o Museu Indiano – um dos melhores museus da Ásia – e jardins botanicos que contêm uma figueira grande o suficiente para proporcionar sombra para mais de 200 pessoas.

Mumbai

Mumbai, a capital do Estado de Maharashtra, é o centro da Grande Bombay. Como Calcutá, é uma cidade moderna e cosmopolita, com muitos dos problemas de Calcutá. Originalmente uma aldeia de pescadores, foi adquirida em 1500 pelos Portuguêses, que cederam-na aos Britânicos em 1661. O desenvolvimento de linhas ferroviárias e de uma indústria têxtil na década de 1860 começou um importante período de crescimento de Mumbai. Hoje, é o maior porto da Índia, na costa oeste.

O porto de Mumbai, que se abre para o Mar Arábico, encontra-se no extremo leste da Ilha de Bombaim, em que a própria cidade é construída. Um arco de pedra enorme, o Portal para a Índia, está na entrada do porto e é o marco mais conhecido de Mumbai.

Um dos pontos turísticos mais marcantes de Mumbai é a Marine Drive, uma rodovia multipistas. Ela é especialmente espetacular quando suas luzes em chamas são vistas à noite a partir da crista de Malabar Hill, a zona residencial mais elegante da cidade. Outras atrações incluem os Museus Príncipe de Gales e Victoria e Albert, o jardim zoológico, e os extensos jardins que rodeiam as Torres do Silêncio.

A seção da cidade conhecida como o Forte é o centro cultural e comercial de Mumbai. Suas avenidas largas e grandes edifícios dão-lhe a aparência de uma cidade Européia.

Aqui estão localizados a maioria dos estabelecimentos de negócios da cidade, bancos, teatros, a Universidade de Bombaim, os edifícios do governo do estado, e a estação ferroviária Victoria Terminus.

Para o norte está a área industrial da cidade, com instalações para o processamento da grande quantidade de algodão cru trazida da paisagem circundante.

Chennai

Chennai (antiga Madras), a capital de Tamil Nadu, é a principal cidade do sul da Índia. Mais espaçosa do que as outras grandes cidades da Índia, ela é um porto importante, bem como um centro de transporte importante. A cidade deu seu nome para os coloridos tecidos Madras produzidos em fábricas locais e exportados para países de todo o mundo.

Além de tecidos, as indústrias da cidade incluem fundições de ferro, fábricas de bicicletas, e obras de engenharia. Chennai foi fundada em 1639, quando a Companhia das Índias Orientais adquiriu a área em torno da atual cidade de um rajá local, ou príncipe. Os Britânicos construíram um posto comercial, chamado Fort Saint George, em torno do qual um estabelecimento comercial próspero se desenvolveu gradualmente.

No início dos 1800s, Chennai tinha se tornado uma das capitais administrativas da Índia Britânica. Devido à sua localização na Baía de Bengala, os Britânicos desenvolveram Chennai como um importante porto e começaram a construção de um porto artificial. A cidade atualmente se estende por cerca de 10 mi. (16 km) ao longo da costa da baía.

Suas magníficas praias e a Marina, uma unidade de esplêndidas praias que se estendem por 4 mi. (6,4 km), são as principais atrações.

A Marina começa no sul na Catedral de Saint Thomé, onde os restos mortais do apóstolo Tomé são ditos estarem enterrados. Ela continua passando pela Universidade de Madras, os edifícios do governo do estado, e o Fort Saint George, até atingir sua extremidade norte no porto da cidade. Chennai também é conhecida pelos seus belos templos Hindus, seus Jardins Horticulturais, e sua coleção de arte Indiana na Galeria de Arte Nacional e no Museu do Governo do Estado.

Delhi

Uma cidade com raízes antigas, hoje Delhi é dividida em duas seções contrastantes. Nova Deli, a capital da Índia desde 1931, foi construída no século 20, enquanto Old Delhi remonta aos 700s. Como Shahjahanbad, tornou-se uma das principais cidades do Império Mogul (1526-1857).

As duas partes de Delhi formam a maior cidade do noroeste da Índia. Delhi é um grande centro industrial e comercial. A cidade fica na margem oeste do Rio Jumna, um afluente do Ganges, e os Hindus consideram o lugar onde estes dois rios se encontram como um local sagrado.

Old Delhi é uma mistura de lindos monumentos e favelas superlotadas. Novas fábricas surgiram entre o labirinto de ruas estreitas e tortuosas, mas a cidade antiga ainda é dominada por edifícios antigos, como o Forte Vermelho do século 17. Não muito longe do Forte Vermelho está a grande mesquita Jama Masjid, que se eleva por 201 pés (61 m).

A principal via de Old Delhi é a Chandni Chauk (ou Chowk) – a “Rua da Prata”. Hoje, como nos tempos antigos, ourives ainda praticam seus artesanatos ao longo desta rua, mas agora ela está repleta de lojas de todos os tipos. Entre a Velha Deli e Nova Deli se encontra o Raj Ghat, um santuário reverenciado. Aqui, o Mahatma Gandhi, que liderou a luta pela independência da Índia, foi cremado em 31 de Janeiro de 1948.

Em contraste com a parte antiga, Nova Delhi é uma cidade moderna, planejada com avenidas largas, amplos parques públicos, e edifícios governamentais de grande porte.

Uma longa avenida arborizada chamada de Caminho Raj leva para a casa do presidente da Índia. A avenida é usada para desfiles e procissões oficiais. A residência presidencial, o Rashtrapati Bhavan, e a Casa do Parlamento são atrações turísticas populares.

O principal shopping center de Nova Delhi é o Connaught Place, uma rua circular em torno de um parque. A Universidade de Delhi, a Central do Instituto de Pesquisa Agrícola, a National Art Gallery, o Museu Nacional, outros museus e teatros estão entre as muitas instituições culturais de Delhi.

Delhi é importante também como o centro de transporte noroeste da Índia e rede de comunicações. As indústrias incluem a manufatura de pano de algodão e lã, o processamento de alimentos, fundições de ferro, plantas de impressão, e moinhos de farinha e usinas de açúcar. Houve consideráveis novas construções antes de Delhi hospedar os Jogos da Commonwealth de 2010.

Turismo na Índia

Norte

Delhi consiste de duas partes: de um lado um, Nova Deli, capital da Índia e sede do governo, com amplas avenidas três pistas, parques espaçosos e arquitetura no estilo característico Lutyen , e “Velho” Delhi outro lado, uma cidade centenária, repleta de ruas estreitas, templos, mesquitas e bazares.

Uttar Pradesh: Leste da cidade de Nova Deli é o estado de Uttar Pradesh por onde corre o rio Ganges sagrado. A maravilhosa cidade de Benares (Varanasi), que também é a primeira das cidades sagradas do hinduísmo, é construída nas margens do rio. A própria cidade é um labirinto de ruas sinuosas ladeadas por templos e santuários.

Rajasthan: No sudeste do triângulo é Jaipur, a ponto de saída do estado do deserto de Rajasthan. Conhecida como a “Cidade Rosa”, devido à cor característica de seus edifícios, Jaipur é uma cidade de avenidas largas e muitos palácios e arejados. O Palácio Amber (o palácio de âmbar), fora da cidade é particularmente bonita como a fachada oriental do Palácio dos Ventos (Palácio dos Ventos) dentro da cidade.

Himachal Pradesh: pelo menos 320 km ao norte de Delhi é a cidade de Simla, a maior de todas as estações de colina, rodeada por florestas de pinheiros e delicadamente perfumada rica e admirável Kulu Valley (Vale Kulu).

Oeste

Mumbai: A principal cidade no oeste da Índia é Bombaim, a capital do estado de Maharashtra, um porto e centro comercial agitado, onde arranha-céus de vidro e indústrias modernas bazares adjacentes e ruas para animação agitado.

Gujarat: Norte de Bombaim é o estado de Gujarat, famosa por suas sedas também famosos, porque é o local de nascimento de Mahatma Gandhi e o último refúgio do leão asiático, encontrado nas profundezas da floresta Gir. Ahmedabad, norte do estado, é a cidade têxtil líder da Índia, produzindo sedas conhecidos mundialmente.

Goa: Sul do Estado de Maharashtra é o estado de Goa. A costa, a 100 km de extensão, oferece algumas das melhores praias do subcontinente. O estado de Goa estava sob o domínio Português até 1961, permitindo-lhe oferecer uma encantadora mistura de culturas indígenas e latim. O Panaji capital é um dos mais relaxante e elegante na Índia.

O Sul

O Sul é a região da Índia que foi menos afetada pelas incursões de culturas estrangeiras através dos séculos. É aqui que reside a herança indígena que sobreviveu na sua forma mais pura.

Chennai: A capital regional é Chennai (antiga Madras), a quarta maior cidade da Índia e capital do estado de Tamil Nadu. Chennai é o berço da civilização Dravidian antiga, uma das mais antigas culturas do mundo bastante distintas.

Kerala: No oeste fica o estado de Kerala, onde estão localizados a maioria dos resorts de praia importantes da Índia. Entre os Kovalam incluem melhor que oferece praias naturais com comodidades modernas, incluindo bangalôs de luxo e um número de hotéis. Apenas a poucos quilómetros de distância é Trivandrum, capital do estado com o seu Templo Padmanabhaswamy famoso.

Oriente

Calcutá: A maior cidade e do ponto central da Índia Oriental Calcutá, a capital de Bengala Ocidental. Construído como um posto de troca pelos britânicos no século 17, tem crescido rapidamente para se tornar uma metrópole vibrante. Sua herança colonial é refletido nos edifícios do Chowringhee Street e Clive, agora chamado de Jawaharlal Nehru Road e Netaji Estrada Subhash.

Darjeeling: ao norte de Calcutá, é possível fazer uma das viagens de trem mais bonitas que podem ser dadas ao mundo: o “trem de brinquedo” de Darjeeling. A última parte da linha ferroviária através da selva plantações, chá e florestas de pinheiros.

Darjeeling está localizado na encosta de uma montanha que desce gradualmente para o vale abaixo e oferece uma vista magnífica do Kanchenjunga (8.586 metros), o terceiro pico mais alto do mundo.

Centro da Índia

RAJASTHAN

Rajastham é conhecido como a Terra de Reis. Habitado pelos rajput, este território desértico com paisagens rochosas e onduladas dunas, conta com formosos palácios rodeados de jardins, lagos e perus reais, podendo percorrer nos lombos de elefantes belamente adornados.

Jaipur

A capital do estado é Jaipur, a cidade rosa que deve seu nome a cor da areia calcária com que construiram-se os edifícios da cidade antiga. O desenho agradável desta vila deve-se ao maharaja Jai Sigh II, que iniciou a construção em 1728 e conseguiu que seu arquiteto Vidyadhar Chakravarty misturasse com certos estilos tão diversos como o hindu, jaina, mongol e persa.

A cidade antiga conserva parte da muralha e está dividida por amplas avenidas de mais de 30 m. de largura em nove bairros retangulares que simbolizam as nove partes do universo.

Passeando por suas ruas aprecia-se o maravilhoso encanto dos edifícios laranjas e rosas, seus moradores vestidos com brilhantes roupas e lugares tão formosos como o Hawa Mahal, Palácio dos Ventos, de cinco andares de altura com janelas talhadas semi-octogonais, o Palácio da Cidade, residência da família real de Jaipur, recinto lotado de palácios, jardins e outros edifícios entre os que destaca o Chandra Mahal, de sete andares de altura em cujo interior fica o Museu do Haharaja Sawai Mam Singh II no que pode-se contemplar tapetes, esmaltes, armas, pinturas com miniaturas, canhões e roupas de marajá, o Jantar Mantar o Observatório, com um relógio de sol de 30 m. de altura e outros instrumentos astronômicos de grande interesse, o Museu Central e os Jardins Ram Niwas que contém um pequeno zoo com uma criação de crocodilos e outras espécies. Tendo oportunidade não perca o Festival de elefantes que é celebrado no mês de março, onde pode-se contemplar estes animais em procissão formosamente enfeitados.

Arredores de Jaipur

Nos arredores de Jaipur pode-se visitar Amber, antiga capital das tribos Mina, na que pode-se ver (uma vez percorrido o trajeto de elefante), o palácio-fortaleza que destaca-se a Sala de Audiências Públicas; o Templo de Kali; as dependências do marajá, a Sala da Vitória e o Palácio dos Espelhos cujos muros estão decorados com pequenos espelhos.

Galta com formosos templos e fontes sagradas, o Forte Nahargarh desde o que pode-se admirar formosas paisagens, o Forte Jaigarth com seus depósitos de água, sua zona residêncial e o teatro de títeres.

Um pouco mais longe encontram-se Alwar com importantes restos históricos procedentes dos princípios do século XVIII e Bharatpur onde está situada uma importante reserva de aves com mais de 328 espécies registradas, Deeg com suas fortificações e palácios, Dholpur com o jardim do imperador Babul, o Lago Mach Kund, artificial, e a Reserva Nacional de Sariska onde pode-se contemplar touros azuis, veados moteados, queixadas, sambares, porém sobretudo, tigres, já que nesta reserva é onde desenvolve-se o Projeto Tigre.

Destacam também nesta zona norte Shekhavati com formosas mansões chamadas “havelis” que também pode-se ver em Nawalgarh, Fathepur e Ramgarh e Churu com uma arquitetura muito bela.

Bikaner

Bikaner está situada no centro de uma região desértica. Destacam as esculturas do Lalbagh Palace e a Sala de Audiências de sua Fortaleza.

A 28 quilômetros levanta-se o Templo de Karni Mata no que venera-se os ratos e onde estes animais correm a vontade em grande número.

Kishangarh

Kishangarh tem formosos palácios e lagos como o Palácio da Cidade, o Phool Majal e o Palácio de Pajhela com uma importante coleção de pinturas da escola desta cidade.

Nos arredores pode-se ver os Cenotáfios de Karkeri, em mármore, o Templo de Krishna, o Palácio Runpangarh, a Fortaleza de Kuchaman, ainda habitada, o Lago salgado de Sambhar e as canteiras de Makrana.

Ajmer

Ajmer, a uns 135quilômetros de Jaipur, é um oásis que encontra-se às márgens do lago artificial Ana Sagar. É um importante centro de peregrinação já que é o lugar santo muçulmano mais apreciado da Índia.

Todo dia preparam-se mais de 6.000 quilos de arroz com leite que reparte-se entre os visitantes do Santuário de Dargah, onde encontra-se o túmulo do santo Khwaja Muin-ud-din Chishti.

Também são interessantes a Mesquita Adhai-din-ka-johnpra, o Palácio de Akbar sede do Museu com uma estupenda coleção de esculturas e o Templo Nasiyan, jainista.

Pushkar

A 14 quilômetros fica Pushkar, lugar de peregrinação hindu que convém visitar em outubro ou novembro durante a Feira do Gado na que são os principais protagonistas os camelos chegando a alcançar os 50.000 membros desta espécie.

Não muito longe encontra-se o Parque Nacional Ranthambhor que conta com 42 tigres salvos pelo Projeto Tigre; Chaksu, com um templo dedicado à deusa da varíola e Tonk, com formosas mansões de estilo colonial, entre as que destaca a Sunheri Kothi, cujo interior está cheio de vidros coloridos e espelhos.

Kota

Para o sul do estado os principais lugares de interesse são Kota, Bundi e Jhalawar. Kota é um importante centro militar e industrial no que merecem ser visitados o Palácio e o Forte, impressionante complexo arquitetônico que conta com numerosos edifícios os quais situam-se o Museo do Governo com uma coleção de ídolos de pedra e o Museu Rao Madho Singh com uma coleção de armas, tecidos e afrescos, realmente magnífica.

Nos arredores de Kota encontra-se o conjunto arquitetônico de Bardoli com restos de numerosos templos, Jhalara-Patam com um impressionante Templo do Sol do século X, Jhalawar cujos templos contam com formosas esculturas e a Reserva de Dara onde pode-se contemplar ursos, leões e cervos.

Bundi

Bundi, a 39 quilômetros de Kota, conserva ainda um ar medieval que aprecia-se sobretudo no Forte Taragarh e o Palácio.

O conhecido como Forte Estrela conta com depósitos talhados na rocha de grande tamanho e um famoso canhão instalado na maior de suas aldeias, a Bhim Burj.

No Palácio pode-se admirar formosos afrescos e pinturas, embora sua deterioração avança com rapidez. É muito formoso tambén o Nawai Sagar, lago artificial, cujo centro fica um templo dedicado a Varuna, deus ário da água.

Udaipur

Udaipur é a cidade mais romântica do Rajasthán com formosas fortalezas e belos palácios. Percorrer a parte antiga é toda uma delícia; pode-se começar pelo Lago Pichola em cuja márgem oriental está situado o Palácio da Cidade, o maior complexo arquitetônico do estado todo. Este complexo conta com numerosos edificios, o setor principal é a sede de um museu que inclui o Mor Chowk, com mosaicos de perus reais, o Manak Mahal com figuras de cristal e porcelana, o Krishna Vilas no que expõe miniaturas e o Moti Mahal com trabalhos com espelhos, entre outros.

A escassa distância levanta-se no Templo Jagdish de estilo ário- indiano e o Museu Bhartiya Lok Kala com uma atrativa mostra de artes populares que inclui máscaras, instrumentos musicais, vestes, bonecas e títeres.

Resulta realmente formoso percorrer de canoa as ilhas do lago com seus palácios, hoje convertidos em hotéis.

Nos arredores de Udaipur pode-se visitar Eklingi com suas formosos templos, Nathdwara onde pode-se adquirir pinturas sobre tela muito originais e de boa qualidade, o Lago Rajsamand coberto por arcos enfeitados e o Lago Jaisamad, o maior lago artificial da Ásia, que conta com palácios de verão e uma reserva natural.

Três Fortalezas

Neste estado destacam três fortalezas com fama de não ter sido nunca tomadas pelo inimigo: Kumbhalgarh está rodeada por treze montanhas e conta com umas muralhas de 12 quilômetros de perímetro e com templos, palácios, canalizações de água e jardins, além de uma reserva natural, na que pode-se ver panteras, ursos, antílopes entre outras espécies. Mandalgarh, construido pelo rana Kumbla. Chittorgarh atualmente reduzido a ruinas nas que ainda pode-se apreciar os diferentes palácios e torres.

Ranakpur

Para o noroeste de Udaipur levanta-se o complexo jainista de Ranakpur formado por impressionantes templos. O principal é o Templo das Quatro Caras, Chaumukha que conta com 29 salas sustentadas por 1.444 colunas todas diferentes. Estes templos não podem ser visitados de pés calçados e nem com artigos de pele.

Jodhpur

No oeste de Rajasthán destacam Jodhpur, a segunda cidade em importância depois de Jaipur, que é a porta de entrada ao Deserto de Thar. A cidade antiga está rodeada por uma muralha de 10 quilômetros onde abrem-se oito portas. Dentro desta parte antiga levanta-se a 120 m. de altura o Forte Meherangarh que conta com diferentes edifícios entre os que destacam entre outros o Palácio da Pérola, o do Prazer e o da Flor nos que expõe-se diferentes peças da realeza indiana como cadeiras de elefentes, pinturas em miniatura, instrumentos musicais, armamento raiput, palanquines, berços, vestimentas e móveis.

Também vale a pena visitar o Jaswant Thanda, monumento comemorativo em mármore branco, a Torre do Relógio, os Jardins Umaid, o Palácio Umaid Bhawan, residência do marajá Umaid Singh que atualmente é um hotel, não deixe de passear pelos bazares.

Arredores de Jodhpur

Nos arredores de Jodhpur são interessantes Mandore com amplos jardins e cenotáfios dos governadores de Jaipur e Osian, oásis no Deserto de Thar lotado de perus reais que transitam entre os templos Hindus e jainas. Muito formoso também é o Lago e Palácio de Baisamand onde pode-se contemplar uma reserva de aves. Nagaur, a 90 quilômetros de Jodhpur, tem uma fortaleza-palácio convertido em hotel e em fevereiro celebra-se uma feira de gado na que realizam-se corridas de camelos.

Jaisalmer

O percurso por Rajastham finda em Jaisalmer. Esta cidade conta com uma fortaleza que está situada em pleno deserto e parece sacada de uma lenda antiga, sobretudo, quando os raios do sol refletem-se na pedra pelo que tem recebido o sobrenome da Cidade Dourada. Nesta vila pode-se admirar também as havelis, residências do estilo colonial de grande beleza entre as que destacam a Patwon ki Haveli e a Salim Singh ki Haveli, templos jainistas e o Tanque de Gadi Sagar que mantinha água à cidade.

Não deixe de visitar o bosque petrificado de Aakal, a 17quilômetros de Jaisalmer e Lodurva, antiga capital dos Bhatti.

Leste da Índia

BIHAR

Bihar encontra-se na zona setentrional da Planície do Ganges. Embora seja um dos estados menos desenvolvidos da Índia é famoso, porque nele cresceram jainismo e especialmente, o budismo.

Patna

Patna, capital de Bihar, é uma cidade agradávelque para passear é uma delícia, enquanto contemplam-se o Golghar, imenso paiol de 25 m. de altura que apenas tem sido utilizado como armazém de grão à que pode-se chegar por uma escada proporcionando uma panorâmica muito formosa e um eco fabuloso, o Museu Municipal com uma boa coleção de restos arqueológicos, Kumrahar, para o sul da cidade é, na realidade, a escavação de Pataliputra, a antiga capital de Ashoka do século III a.C. da que conservam-se a sala da assembléia e os restos do mosteiro budista Anand Bihar, Har Mandir, templo sij muito antigo com um museu desta crença e a Biblioteca Oriental Khudabaksh fundada em 1900 com uma excelente mostra de manuscritos árabes e persas, pinturas mongóis e jóias como um Alcorão escrito em um livro de 2.5 cm. de largura e os únicos livros conservados após o saque da Universidade moura de Córdoba.

Na parte moderna da cidade pode-se caminhar pelo Maidan, espaço verde que divide a cidade em dois, visitar Bankipur bairro com edificios coloniais como a Residência do governador, a Escola de Mulheres ou o Palácio do Marajá e cruzar a Ponte Mahatma Gandhi, uma das maiores do mundo.

Arredores de Patna

Nos arredores de Patna encontram-se Vaisali, uma das primeiras repúblicas asiáticas e Madhubani conhecida por sua pintura popular.

Também perto levantam-se vários monumentos mongóis de importância como o Choti Dargah e o Bari Dargah, todos dois situados em Maner, o Mausoléu do Imperador Shar Shah construido no centro de um tanque de 300 m. de diâmetro, situado em Sasaram e o Ram Rekha Ghat que conserva uma pegada de Rama em Buxar.

Nalanda

Nalanda foi um importante centro budista, onde desde o século V até o 1199, ano em que foi saqueada e incendiada pelos muçulmanos. Lá funcionava a Sri Mahavhara Arya Bhikshu Sanghasya, a Universidadee monástica que contava com 10.000 monges, 2.000 professores, entre eles Buda e Mahavira e uns 10.000 alunos do mundo todo.

Na atualidade pode-se contemplar suas amplas ruinas entre as que destacam a Grande Estufa à que rodeam outras estufas votivas e o Museu Arqueológico. Em 1951 criou-se o Centro de Investigação Nava Nalanda Mahavira sobre o budismo e a literatura pali.

Rajgir

Rajgir é uma cidade sagrada tanto para budistas como para jainistas já que Buda residiu nela durante doze anos e Mahavira, o último jain tirthankara foi professor durante 14 anos.

Na atualidade as ruinas estão bastante acabadas mas pode-se dar um agradável passeio pelo Venuvana, o jardim dos bambus, onde habitavam Buda e seus discípulos como tanque Karanda onde banhava-se o deus, e que hoje conta com um pequeno zoo e um templo thai.

Também em Rajgir pode-se ver o Nipponzam Myohoji, um templo japones onde pode-se comer deliciosa comida nipona, os templos da Colina Vaibhara com 22 mananciais de água quente, a Grota Pippla e a Saptapani, na que celebrou-se o primeiro conselho budista; a Colina Grdhrakuta onde Buda pronunciou a maioria de suas palestras e o Vishwa Shanti Stupa, edificado pelos budistas japoneses em homenagem à paz do mundo.

Gaya

Gaya é um importante lugar de peregrinação já que acredita-se que Vishnú concedeu à esta cidade o poder de liberar os homems do pecado. Bodhgaya é o lugar onde Buda encontrou a iluminação sob uma figueira, a Árvore Bodhi, que na atualidade vive só o galho que foi trasplantado de Sri Lanka. No lugar onde permaneceu sentado o deus encontra-se o Vajrasana, o trono do diamante.

Do lado da árvore iluminada Ashoka levantou o Templo Mahabodhi em cujo centro levanta-se uma impressionante imagen dourada de Buda e que tem sido restaurado em múltiples ocasiões.

É curioso o Museu com diferentes ídolos de pedra. Pavapuri é sagrado para os jainistas já que o Jalmandir assinala o lugar onde foi incinerado Mahavira no 477 a.C.

O Sul de Bihar

O sul de Bihar é principalmente industrial. As cidades mais interessantes são Chotanagpur onde habitam grande variedades de tribos; Ranchi com mansões coloniais e um templo fortificado do XVII; e Jamshedpur, famosa pela siderurgia e seus espaços verdes.

A montanha de Parasnath considera-se um lugar ideal para alcançar o nirvana, conta com numerosos templos jainas entre os que destacam o de Samosavan, Bhomia Baba e Parasvanath.

Norte da Índia

Esta região berço de grandes impérios passados, tem conseguido reunir o mais moderno com o mais antigo. É uma região de contrastes de grande beleza.

NOVA DELHI

Delhi é a capital da Índia desde 1912 e a terceira cidade mais povoada do país. Dividida em dois, a parte antiga e a moderna, nesta cidade pode-se admirar fortes, palácios, túmulos e templos dos mais variados estilos, junto a edifícios governamentais de estilo colonial, indústrias modernas, comércios de todo tipo e zonas residenciais com todas as comodidades.

Orientar-se nesta extensa cidade não é difícil, a parte mais interessante está situada a márgem oeste do rio Yamuna, ali encontram-se a antiga Delhi e a Nova Delhi.

A Delhi Antiga é uma cidade murada do século XVII. Inicia-se o percurso desde um dos monumentos mais antigos, o complexo de Qutab Minar, cuja construção iniciou-se em 1199.

Este complexo caracteriza-se por combinar estilos hindus com elementos islâmicos. Su alminar, o mais alto do mundo, alcança uma altura de 72,.5 metros, dispostos em cinco andares de diâmetro decrescentes.

Ao pé do alminar encontra-se a Porta Alai Darwaza, de tijolos vermelhos e amarelos, que era a entrada da mesquita. Também aqui encontra-se o túmulo do Sultão Iltutamish e o mausoléu de Imam Zamin.

Perto deste complexo encontram-se outras mostras das construções islâmicas como o Alai Darwaza, portão de areia calcária vermelha construido em 1310 e os restos da Mesquita de Quwwatu’l Islão construida com materiais procedentes de 27 templos hindus que foram desmanchados com esta finalidade. Junto a esta mesquita levanta-se a Coluna de Ferro, de sete metros de altura, realmente curiosa já que os cientistas ainda não têm encontrado explicação para a pureza deste ferro, que não oxida durante 2.000 anos.

Para o oeste de Qutb Minar fica a cidade de Mehrauli além de visitar monumentos importantes como o Túmulo de Adham Khan, de areia calcária vermelha, a Cisterna de Shamsi e o Mausoléu ode Jamali, com teto de brilhantes coloridos, pode-se passear pelo tumultuado e extenso bazar tradicional.

De Mehrauli à outra das cidades de Delhi, a terceira, Tughlaqabad. Murada com 13 portões, conta com um lago artificial, cujo centro encontra-se o túmulo do primeiro soberano tughluq.

Jahanpanah quarta cidade que tem como principais monumentos a Mesquita dos Khirki construida em 1380, a elevada plataforma Bijai Mandal e a Mesquita Begampuri, com uma impressionante fachada e numerosas cúpulas.

Atravessando a segunda cidade, Siri, em direção norte, chega-se ao Túmulo de mizam-ud-din Aulia, onde além do altar do santo com um tanque de água, encontram-se outras sepulturas de interesse.

Muito perto fica o Mausoléu de Hazrat Inayat Khan santo sufi moderno, que às sextas pela noite atuam cantores qawali.

Para o leste encontra-se o Mausoléu de Humayun construido pela esposa entre 1557 e 1565. Este mausoléu ajardinado, desproporcionalmente sob planta octogonal e com dupla elevação de cúpulas, serviu de modelo para o Taj Mahal. Para o norte deste mausoléu levanta-se Purana Quila forte antigo encravado, na original cidade de Delhi com sólidos muros e três grandes portões que contam além, com uma torre octogonal, Sher Mandal de dois andares, onde Humayun foi capturado e torturado até a morte. No lado sul da fortaleza encontra-se o Zoo cujo máximo atrativo é um tigre branco.

A Porta da Índia é um arco de triunfo construido em pedra de 42 m. de altura no que figuram os nomes de 90.000 soldados do exército indiano, que morreram durante a I Guerra Mundial.

Junto à Porta encontra-se a residência oficial do presidente da Índia, o Rashtrapati Bhavan. Este edificio conta com 340 quartos e um formoso jardim de estilo mongol ocupando no total uma superfície de 130 hectares.

Perto dos jardins ficam o Museu de Arte Moderna, onde pode-se contemplar retratos de Tagore, Shergil e Roy junto a outras mostras de arte indiana, o Museu Nacional com uma excelente mostra de bronzes, terracotas e talhas de madeira da época Maurya, assim como miniaturas, murais e vestes de diferentes tribos indianas e o Museu dos Artesanatos onde expõem-se telas, cerâmicas e objetos em metal e madeira.

Este museu faz parte do complexo “Vida nos Povos” onde pode-se percorrer a Índia rural sem sair da capital do país.

Junto ao Centro Internacional da Índia pode-se passear pelos Jardins Lodi, podendo admirar vários mausoléus hindo-muçulmanos e o Mausoléu Safdarjang, uma das últimas mostras da arquitetura mongol.

No extremo norte de Nova Delhi encontra-se Connaught Place, o centro financeiro e turístico da cidade.

Junto à comércios, escritórios, hotéis e restaurantes destacam os barracos onde pode-se adquirir os mais variados produtos. Desde a Praça pode-se passear por Parliament Street até Jantar Mantar, edificios cor salmão que foram um importante observatório astronômico, onde pode-se contemplar o relógio do sol conhecido como o Príncipe das Esferas. Perto em Lowe Ridge, situa-se o Templo Lakshmi Narayan templo moderno construido em 1938 pelo industrial Birla em homenagem à Vishnu e sua esposa Laxmi, deusa da abundância.

Resulta muito animada também Shahjahanabad, a última cidade histórica, com estreitas ruas e portas muito formosas, como as de Cachemira, Delhi, Turkmam e Ajmeri. A rua principal desta cidade, Chandni Chowk é na realidade um animado e colorido bazar onde pode-se adquirir produtos tradicionais; tem fama os de prata, artesanato e os deliciosos doces.

Dali a Red Fort, a Fortaleza Vermelha, cujos muros de areia calcária vermelha extendem-se ao longo de doisquilômetros. Sua construção iniciou-se em 1638 e findou em 1648 sendo uma construção tipicamente indiana cheia de jardins e pavilhões onde apresenta-se uma agradável paz. Todas as noites recriam-se momentos da história da Índia, através de um impressionante espetáculo de luz e som. O acesso principal ao forte é a Porta de Lahore, que conduz à uma Praça porticada cheia de pequenos comércios.

Entre Chandni Chauk e o Forte Rolho destacam três edificios religiosos, o Lal Mandir de culto jainista, o Gauri-Sanckar que homenageia Shiva e o Sij Gurdwara levantado em homenagem a Tegh Bhadur, guru sij assassinado por negar-se abraçar o Islão.

Alinhados frente ao rio Yamuna levantam-se os palácios, a maioria de mármore. O Diwan-i-Am, Salão de Audiências Públicas, era o lugar onde o imperador escutava os problemas dos súditos.

No Diwan-i-Khas Salão de Audiências Privadas encontrava-se o Trono do Peru Real de ouro maciço com incrustações de pedras preciosas, que foi transladado ao Irã por Nadir Shah em 1739.

Os Banhos Reais contam com três salas coroadas por cúpulas com uma fonte no centro. A Mesquita da Pérola, Moti Masjid, está construida na totalidade em mármore. Também são interessantes o Rang Mahal, palácio pintado e o Nahri-Bahisht, com formosos jardins.

Se os palácios resultam impressionantes não é menos Jami Masijd, a Grande Mesquita. Iniciada sua construção em 1644 por Shah Jaham é a maior da Índia, com uma capacidade para 25.000 pessoas.

Consta de três portas de grande tamanho, quatro mirantes e dois minaretes de 40 m. de altura, listados alternando areia calcária vermelha e mármore branco. Os não muçulmanos não podem chegar até ela de 12:.30 ás 14.00 horas, e as mulheres devem ir acompanhadas por “parentes masculinos responsáveis”. Perto encontra-se o Sansad Bhavan, o Parlamento, que conta com uma coluna circular de 171 metros de diâmetro.

São também de interesse a Igreja de São Jaime com esculturas artísticas, o Túmulo da Princesa Roshanara rodeada de jardins, o Raj Ghat formoso parque onde encontra-se uma plataforma de mármore preto, que indica o lugar onde o Mahatma Gandhi foi incinerado, após seu assassinato e onde também foram incinerados Pandit Nehru e Indira Gandhi. Todas às sextas-feiras tem lugar uma cerimônia comemorativa.

Metcalfe Ho se, construida como residência britânica em 1835, a Feroz Shah Kotla palácio-fortaleza que levanta a Coluna Ashoka de 13 metros de altura onde estão inscritos seus edictos, o Museumehru onde pode-se contemplar objetos e documentos pessoais do primeiro ministro e durante a temporada turística realiza-se um espetáculo de luz e som sobre sua vida e o movimento independentista, a Casa do Tíbet com uma mostra de objetos cerimôniais cedidos pelo Dalai Lama, o Museu Internacional de Bonecas com 6.000 bonecas de 85 países diferentes e a Casa de Culto Bahai onde crentes de qualquer religião podem orar neste edificio em forma de flor de lótus, rodeado de tanques e jardins que resultam especialmente formosos ao anoitecer.

Oeste da Índia

MAHARASHTRA

Este estado de grande tamanho e numerosa povoação, tem em sua capital, Bombai, o centro vital aliás, o resto da zona possui interessantes atrativos.

Bombai

Situada na costa oeste, Bombai é o principal motor da ecomomia indiana. É uma cidade moderna, rica e industrializada onde habitam todo tipo de grupos étnicos e religiões.

Costuma-se começar o percurso pela cidade na Porta da Índia, inaugurada em 1924, um arco do triunfo de basalto amarelo com enfeites muçulmanos no que reune-se a povoação na tarde-noite.

Está situada no Afrango Bunder desde onde saem as lanchas para visitar Elephanta Ilhand. Detrás desta zona encontram-se a Igreja de St. John, conhecida também como a Igreja Memorial de Afganistão já que construiu-se em memória dos mortos, durante a primeira guerra britânica contra Afganistão, o Museu Príncipe de Gais no que pode-se ver arqueologia, pinturas, miniaturas, baixo-relevos e imágens de Buda e que contém a Jehangir Art Gallery com exposições de arte moderna, a Universidade, com sua Torre do Relógio de 80 m. de altura e o Tribunal Supremo de estilo inglês temprano. Não deixe de passear no entardecer por Sassoon Dock, quando os barcos pesqueiros chegam no porto, é um espetáculo muito formoso.

O centro financiero de Bombai encontra-se em Flora Fontain, chamada hoje a Praça dos Mártires. Perto está a Catedral de Santo Thomas inaugurada em 1718. Em volta do Hornimam Circle pode-se contemplar vários edifícios de interesse como a Casa da Moeda com fachada jônica, a Prefeitura e as ruinas do Castelo da cidade.

Para passear é ideal Marine Drive, construido em 1920 acima de terra desecada, onde encontra-se o Aquário Taraporewala com peixes de água doce e salgada e Chowpatty Beach, a praia da cidade onde pode-se desfrutar com diversos espetáculos nas ruas.

São também interessantes Mani Bhavan, a casa onde viveu de 1917 a 1934 o Mahatman Gandhi, Malabar Hill o antigo quartel general do governo britânico, o Walkeshwar, templo hindu centro de peregrinações e cujo cume encontram-se os Jardins Suspensos, as Torres do Silêncio nas que os parsis deixam seus mortos para serem devorados pelos urubus, o Parque Kamala Nehru no que crianças encenam o poema “O Sapato da Anciã”, o Templo Jainista de mármore e decorado com espelhos, o Templo Mahalaxmio mais antigo da cidade, o Hipódrono e os Jardins Vitória nos que encontra-se o Zoo e o Vitória and Albert Museum.

Arredores de Bombai

Nos arredores de Bombai destacam Elephanta Ilhand onde levantam-se quatro templos escavados em grutas; Kanheri e suas grutas budistas; o Parque nacional de Krshnagiri Upavam e praias como Juhu, Mãori e Aksa.

Puné

Puné está situada a 170 quilômetros de Bombai e foi capital do Império Mahrata além da sede de numerosos novimentos reformistas Hindus.

Destacam nesta cidade o Museu Rajá Kelkar onde expõe-se uma coleção privada na que pode-se contemplar uma curiosa mostra dos mais diversos objetos como portas esculpidas de diferentes palácios, cerâmicas, lâmpadas de azeite, miniaturas, descasca-nozes de latão e correntes de latão entre outros, o Palácio do Aga Khan, antiga prisão situada em um palácio com arcos italianos, o Mausoléu de Shinde, o Templo de Pataishwar, escavado na rocha, o Mausoléu de Mahadhi, o Templo de Parvati, o mais famoso da cidade e o santuário muçulmanos Qamarali Darves com sua pedra de levitação.

Arredores de Puné

Nos arredores de Puné pode-se visitar a Fortaleza do Leão, a Rajdah, Torna, Purander e Shivneri, todas estas fortalezas devem-se a Shivaji; as estações de montanha de Lonavala, Khandala, Mahableshwar e Panchgani, todas elas em formosos paradas naturais e Matheran, pequena vila de grande encanto onde não pode entrar carro.

Kolhapur

Kolhapur é chamada também a Benarés do Sul por ser um importante centro de peregrinação.

Seus máximos atrativos são o Palácio do Maharajá que acolhe o Museu Shahaji Chhatrapati no que expõe exóticos pertences dos marajás desde vestes até cinzeiros passando por lâmpadas de pé de pata de avestruz, o Templo de Mahalkshmi, do século X e o Templo de Kotiteerth situado no centro de um lago.

Nos arredores destaca Panhala com um forte e grutas-templo budistas; Ratnagiri onde pode-se degustar deliciosos mangas; o balneário de Ganpatipule e Sholapur com sua prefeitura belamente decorada.

Aurangabad: De influência muçulmana, Aurangabad conta com abundantes monumentos do estilo mongol como o Bibi ka Mapbara, uma cópia não muito afortunada do Taj Mahal, ou o Sunehri Mahal, palácio dourado. Também, em torno da cidade, encontram-se 12 grutas cavadas nos séculos III e XI.

Ellora

Ellora conta com 34 grutas nas que estão cavados templos de três religiões diferentes, budista, brahamânica e jainistas com mais de 10 séculos de antigüidade. Destacam a quinta, esculpida como um mosteiro de enormes dimensões e a décima, o Santuário de Sutarki-Jhopari, cabana do carpinteiro, na que pode-se contemplar uma colossal estátua de Buda situada na frente de uma grande estufa do grupo budista. Das brahmânicas, a 15 chamada Dasavatara, a caverna das dez transformações, de dois andares com formosos relevos, a 16, o Templo de Kailasha, a mais famosa do conjunto, com 32 m. de altura e 1.700 m. quadrados de área conta no interior com um liga e maravilhosas esculturas e a 29, Dumar Lena com outro liga. A gruta jainista mais conhecida é a 32, Indra, também de dois andares de altura localizada no Templo de Kailasha.

Ajanta

De maior antigüidade que as de Ellora, as 30 Grutas de Ajanta são budistas, cinco são templos e 24 mosteiros. No seu interior pode-se contemplar magníficas pinturas e esculturas que representam a vida de Buda.

Destacam a 1, com uma colossal figura de Buda e pinturas de mulheres, a 2 que conta com pinturas no teto, a 9 cuja entrada está franqueada por dois Budas, a 10, a mais antiga e de maior tamanho, a 16 e a 17, onde podem contemplar-se as pinturas mais formosas do complexo e a 26 com excelentes esculturas.

OUTROS LUGARES DE INTERESSE NESTA ZONA

Nagpur é famosa por suas laranjas e por ser o lugar escolhido pelos dirigentes indianos para passar o inverno.

Ramtek conta com vários templos de 600 anos de antigüidade.

Wardha é o lugar eleito por Gandhi em 1933 para fundar o Povo de Serviço e no Centro de Ciência para os Povos, Magam Sangrahalaya, explica-se a filosofía de Gandhi para desenvolver a ecomomia rural.

Em Sevagram pode-se visitar o ashram do Mathama.

Nagzira conta com um atrativo zoo com duas grandes reservas aquáticas e no Parque nacional de Nawegaon pode-se contemplar estes animais no seu habitat natural.

Chandrapur destaca-se pela fortaleza e numerosos templos e desta cidade chega-se ao Parque Natural de Tadoba famoso pelos crocodilos e por ser considerado sagrado pelas tribos locais.

Após ultrapassar uma espessa selva com todo tipo de animais chega-se a Chikalda, a estação de montanha mais apreciada da região.

Nasik é uma cidade santa com numerosos ghats e 2.000 templos. A cada 12 anos celebra-se nesta vila o Sinhastha Mela à que acodem milhares de peregrinos. Sagrado é também o Templo de Trimbakeshwar.

Shirdi é outro lugar de peregrinação, nesta ocasião do culto muçulmano.

Para desfrutar de praias formosas e tranquilas tem que visitar Kihim, Murud e Ganapathipule.

GOA: Neste estado misturam-se as culturas latinas e indianas em um entorno paradisíaco de praias e sol. Se poder, visite este estado durante seus carnavais, são magníficos.

Pajim:

Pajim, capital de Goa, centra sua vida em volta da Praça Largo da Igreja, a Praça da Igreja, na que está situada a Igreja da Imaculada Conceição de estilo barroco. Passear por esta cidade é uma delícia, as ruas são tranquilas e as casas estão pintadas de diferentes cores. Além da Igreja destacam-se como monumentos o prédio do Secretariado, antiga residência do vice-rei e a Fortaleza Águada, que em nossos dias é uma cadeia.

Margao

A segunda cidade em importância de Goa é Margao com enormes mansões construidas pelos grandes coronéis. Vasco da Gama é um importante centro industrial,

Marmagoa é o porto de Goa e um dos portos naturais mais belos da Índia e Mapusa conta com um mercado tradicional muito curioso.

Antiga Goa

Visitar a Antiga Goa é submergir-se na Goa, da dominação portuguesa do século XVI. Se percorrer os 8 quilômetros desta vila pode-se contemplar a Catedral de Santa Catarina, a maior igreja cristã da Ásia, de estilo barroco, muito formosa, a Igreja de São Francisco de Assís, com sólidos contrafortes e teto de estuque em cuja decoração misturam-se motivos indianos e europeus, a Basílica do Bom Jesus, onde conservam-se as relíquias de São Francisco Xavier, em um túmulo italiano de alabastro e mármore florentino, a Igreja de São Caetano, cópia pequena de São Pedro de Roma, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário com murais indianos, o Templo de Mangesh dedicado a Shiva, o Shanta Durga que rende culto a Parvati e o Templo Nagesh.

As praias e ruas de Goa são excelentes, areias finas e águas transparentes como as de Candolim, Calangute, Anjuna, Vagator situada ao pé da fortaleza Chapora, Siridao famosa por suas conchas, Colva de areias prateadas e Betul, onde pode-se comer os maravilhosos mexilhões de Goa e outros deliciosos moluscos.

GUJARAT: Este estado costeiro tem sabido unificar os avanços modernos, com as tradições oferecendo um espetáculo quanto menos surpreendente.

Ahmedabad

A principal cidade de Gujarat é Ahmedabad conhecida como o “Manchester do Oriente” por sua industria têxtil.

Na fortificada cidade antiga encontram-se os principais edificios oficiais: a Teen Darwaja, a porta tríplece, a Jami Masij que sustenta-se graças a 260 colunas, Manek Chowk onde pode-se adquirir tecidos de brilhantes cores e jóias de prata, Doishiwada-ni-Pol bairro composto de formosas havelis, a Mesquita de Sidi Saiyad com suas janelas talhadas em pedra, o Dada Harini Vav, o Poço Escada, poço construido em 1499 com uma escada que baixa até o fundo e a Mesquita de Sidi Bashir e os Minaretes Trémulos; quando movimentam-se as paredes do interior de um dos minaretes o outro faz a mesma coisa.

Para conhecer o verdadeiro ambiente da cidade é imprescindível percorrer o Bazar Khamassa aos domingos pela manhã, onde pode-se encontrar qualquer objeto que puder imaginar, e visitar durante o entardecer o Museu Vechaar Utensil no que pode-se contemplar utensílios de metal, bronze e latão e findar com um jantar típico do estado no Restaurante Vishalla desfrutando também com música popular ou um teatro de títeres.

São de interesse também o Museu Calico da Indústria Têxtil com tecidos de diferentes períodos históricos, o Museu Mehta de Miniaturas, o Shreias Folk no que pode-se contemplar diferentes mostras de tradições populares, o ashram de Gandhi chamado o Hridey Kunj lotado de objetos pessoais do Mathama, a Universidade Gujarat Vidyapith centro da vida cultural e a Khadi Gramudyog Bhandar, loja na que pode-se adquirir tecidos feitos à mão seguindo os ensinamentos de Gandhi, seu fundador.

Arredores de Ahmadabad

Nos arredores de Ahmadabad encontra-se no Templo do Sol de Modhera situado no centro de um tanque; Kaccha, distrito desértico coberto de sal cuja principal cidade, Bhuj, conta com um palácio, cujas paredes de mármore estão cobertas de espelhos e uma excelente cerâmica que pode adquirir-se nos taieres, onde modela-se; Banni, povoado de cabanas redondas que bordeam um grande pátio; Bhujodi habitada por tecedores que vendem seus formosos trabalhos a bom preço; Jammargar, cidade fortificada e o Palácio Lakhota em Kotho.

Outros lugares de interesse dentro de Gujarat são Dwarka, cidade fundada por Krishna há 5.000 anos com o Templo de Dwarkadish e sua agulha cônica de 50 m. de altura com o máximo atrativo; Porbandar, cidade natalícia de Gandhi; Somnath, templo no que pode-se escutar os cimbais durante a oração; o monte Shatrunjaya no que levantam-se 863 templos jainistas; Hawa Mahal, residência de estupendos escultores; Chitravara famosa pela confecção de chais de senhora; Sulat conhecida pela talha de diamantes e a fabricação de fio de ouro; e Baroda, cidade na que junto a um complexo petrolífero levantam-se antigos monumentos como o Palácio Laksmi Vilas.

O SUL DA ÍNDIA

TAMIL NADU

Este estado tem desenvolvido uma cultura própria que pode contemplar-se ao longo de seu território, tanto nos monumentos como no artesanato, música e dança.

As paisagens naturais são extraordinariamente belas e suas cidades formosas.

Madrás

Madrás é a quarta cidade mais importante da Índia e a porta de entrada para conhecer o estado de Tamil Nadu.

Esta vila conta com uma importante comunidade cristã e a cultura tamul desenvolve-se tanto em sua cozinha, principalmente vegetariana, sua língua ou o cinema que está muito promovido nesta cidade.

A influência britânica deixa-se sentir em Madrás em lugares como o Secretariado, sede do governo do estado, a Assembléia Legislativa, a Igreja de Santa Maria, a mais antiga de culto anglicano da Índia, o Museu de São Jorge com uma mostra de objetos pertencentes à Companhia das Índias Orientais, a Sala Rajaji da antiga casa de Governo de estilo neo-clássico, a Catedral de São Jorge consagrada em 1816, a Feitoria de Gelo em onde armazenava-se o gelo importado da América, a Igreja de Santo Tomás construida no lugar onde foi martirizado o santo e a Sociedade Teosófica com livros de todas as religiões.

São também interessantes os dos Parques Zoológicos da cidade, Guindy Deer e Snake onde pode-se contemplar numerosas espécies de répteis, a Marinha praia de areia branca com um aquário, a Universidade com edificios de estilo indo-islâmico, Mylapore bairro hindu com templos, residências brahamânicas e mercados animados.

Para desfrutar como arte devem-se visitar o Museu do Teatro e o de Belas Artes com coleções de história natural, antigüidades e esculturas de Buda, situados no mesmo edifício que o Museu do Estado de Madrás, a Galería do Bronze com uma excelente mostra de bronzes da dinastia Chola, a Academia de Música com um estupendo programa do inverno, Kalakshetra, escola onde aprende-se as artes indianas e Cholamandalam, vila povoada por artistas modernos indianos que expõem nas ruas.

Pondichery

Ao longo da história Pondichery esteve habitada por franceses, holandeses e britânicos que viviam em um lado do canal que divide a cidade, na chamada cidade branca, enquanto que os indianos habitavam o outro lado, na cidade preta.

Destacam a Raj Nivas, residência do sub-governador, a Igreja do Sagrado Coração, gótica, ambas situadas em volta do Parque do Governo, onde também levantam-se outros edificios oficiais e o Bairro Francês com passeios marítimos que lembram da Costa Azul.

Nos arredores de Pondichery pode-se visitar o Ashram Sri Aurobindo no que habitou o famoso filósofo hindu, Auroville desenhada por Roger Auger para integrar o entorno no modo de vida de seus moradores e Arikamedu onde tem-se descoberto restos arqueológicos greco-romanos.

Outros Lugares de Interesse em Tamil Nadu

As estações de montanha Kodaikanal e Ootacamund situadas a 2.500 m. de altura; Chidambaram, templo dedicado ao deus da dança que é honrrado no mês de dezembro por dançarinos que interpretam a dança cósmica; Mandurai, onde durante as festas de Shiva tem lugar a grande gala naval no tanque de Vandiyur, os lugares sagrados onde honrram-se os elementos da matéria: Templo de Ekamranatha, terra, Tiruanaikka, água, Arunachaisvara, fogo e Kalahasti ar. Os templos rupestres escavados nas rochas mais importantes encontram-se em Mamallapuram.

Os principais lugares onde se cultiva a cultura tamul são Vijayamangalam, Tingalur, Sembattur, Chettipatti e Kalugumalai.

Dos centros antigos escavados na rocha conservam-se em bom estado os de Mangulam e Sittannavasal. Mostras próprias dos muçulmanos tamules, estão situados em Arcot, Valikandapuram e Vellore.

Kanchipuram

Kanchipuram, antiga capital dos Pallavas e os Chola, conta com mais de 150 templos entre os que destacam Kailashanatha, do 725, Vishnú Vaikuntaperumal, do 750, o de Shiva Ekambareshwara composto por mandapas, tanques e esculturas, e Brihadesvara de 13 andares em forma de pirâmide é o de maior tamanho dentro dos templos antigos da Índia.

São interessantes também o Museu Arqueológico e o Museu Tanjore com esculturas chola em bronze.

Arredores de Kanchipuram

Nos arredores de Kanchipuram destacam Tiruchirappalli com um animado mercado; o Templo de Madurai, templo- cidade com ruas, tanques e lojas que rodeiam o templo principal; Chidambaram com um complexo arquitetônico em volta do templo dedicado ao dançarino cósmico Shiva Nataraja e o Templo de Ramanathaswamy que conta com a passagem mais comprida do mundo.

ANDHRA PRADESH

Andhra Pradesh carateriza-se por suas três zonas bem diferenciadas: planícies férteis na costa, montanhas arborizadas e vales áridos ao sudoeste.

Antigo lar dos reinados de Andhra tem a telugu como língua oficial e principal centro de sua cultura.

Hyderabad

Hyderabad, capital do estado, é em nossos dias uma cidade moderna com uma parte antiga muito interessante. Charminar é um dos símbolos da vila.

Este santuário de grande tamanho tem quatro andares de altura e junto aos elevados alminares aparecem outros em miniatura, todos eles belamente enfeitados.

De lado levanta-se a impressionante Mesquita Mecca Masijd, uma das maiores do mundo. Por volta destes edificios acontece um animado bazar, onde pode-se adquirir livros em urdu, pérolas de rio e outros muitos objetos. É muito curioso o Museu Nacional com uma excelente coleção de antigüidades e outras mostras originais como miniaturas extraídas de diferentes corais.

Em Hyderabad-Secunderabad encontram-se a maioria dos edifícios de influência britânica sede dos escritórios do governo. Golkonda, a cidade fortificada, conta em seu interior com cenotáfios, funerárias, palácios e mausoléus da família real Qutb Shahai.

Arredores de Hyderabad

Nos arredores de Hyderabad pode-se visitar Mukhaligam com um grupo de templos construidos pelos Reis Gangas; o Templo de Srikurmam que contém um ídolo com forma de homem-tartaruga; Salihundam com estufas búdicas; os templos de Biccavolu e Masulipatnam; Vijayawada cheia de templos rupestres; e Amaravati importante local budista.

São também interessantes Warangal onde levanta-se uma impressionante fortaleza com quatro portas; o Templo de Hanumankonda construido com blocos de granito; o Templo de Ramappa cujas esculturas representam formosas dançarinas; o Templo do Deus Bhadrachalam, os templos de mavabrahama e Kurnool; osTemplos de Attirala, cholas; Tirupati centro de peregrinação multitudinar e Chandagiri Mahal e a Fortaleza.

Nagarjunakonda

Nagarjunakonda é um ativo centro de escavações dos restos da antiga capital dos Ikshavakus. A febril atividade responde à necesidade de transladar os restos a uma ilha, na que está sendo reconstruida no tamanho natural, já que esta zona vai ficar coberta pela água da presa Nargajunasagar. São interessantes também os restos arqueológicos de Amaravati, Gudinallam, Chezerla e Pitigayakula.

KARNATAKA

Karnataka é, geologicamente, uma das zonas mais antigas da terra. Conta com paisagens muito diferenciados, a árida Meseta do Decán, os elevados cumes dos Ghats e a exuberante vegetação de Malnad.

Este estado está habitado por gentes muito diferentes com cultura próprias que oferecem um mosaico étnico muito atrativo.

Bangalore

Bangalore, capital do estado, é principalmente uma cidade industrial e comercial com uma apreciável influência britânica. Porém, seus máximos atrativos encontram-se nos arredores, onde as paisagens são extraordinariamente belas como nos montes Nandi e o Parque Nacional Bannarghatta no que habitam búfalos, queixadas, elefantes, panteras, cervos moqueados, ursos preguiças, numerosos macacos e centenas de aves de diferentes espécies.

Mysore

Mysore é famosa por seu jazmim de intenso perfume que impregna as ruas desta cidade. Também é conhecida por suas talhas em madeira de sândalo e suas sedas.

Em seus arredores pode-se visitar Shrirangapattam, lugar onde morreu o “Tigre de Mysore” e onde levanta-se o Daria Daulat, palácio de verão do sultão rodeado por um formoso jardim, o Templo de Somnathpur em cujo pátio exterior estão esculpidos passagens do Ramaiana e do Mahabharata, os templos de Badami e Aihole, cavados na rocha, os de Belur e Halebid, excelentes mostras da arquitetura exterior, a Gomateswara, impressionante escultura de 17 m. e meio situada em uma colina de 120 m. de altitude, Hampi com umas excelentes ruinas medievais entre as que destaca o Templo de Virupaksha.

Bjapur e Gulbarga

São dignas de visitar-se também Bjapur com a mesquita Gol Gumbad cujo cúpula pode-se comparar a de São Pedro de Roma e Gulbarga que conta com a impressionante Jami Masjid de 35.000 m. quadrados de superfície.

Como paisagens naturais de excepcional beleza destacam as Cascatas de Jog, os Lagos do Sharavati, o Lago Krishnaraja Sagar, onde confluem os rios Hemavati e Kaveri e as praias de Karwar, Thandrabail e Sulatkal.

Se tem oportunidade não perca as kambala, carreiras de búfalos. São um espetáculo único no mundo.

KERALA

Kerala é terra de coqueiros, plantações de café e chá, cultivos de pimientão e árvores da borracha. Todo se aproveita neste estado no que os contrastes são seu maior encanto.

Trivandrum, capital do estado, é uma moderna cidade que conta com aeroporto internacional e que está ligada com o resto das cidades importantes do país por uma boa rede de trens e ônibus.

Sua principal atração é o Templo de Sri Padmanabhaswany levantando em homenagem a Vishnú.

Esta industrializada capital e as principais cidades como Cochin, Quilon, Kottayam, Trichur, Calicut e Cannanore contrastam fortemente com as zonas rurais onde é pacífica e vive-se de acordo a um profundo sentimento religioso que percebe-se em templos austeros, como os de Kathakali, Ettumãoor e Irinjalkuda.

Para desfrutar de formosas paisagens naturais tem que visitar a Praia de Kovalam, a Reserva Periyar Game, onde pode-se contemplar tigres, elefantes, búfalos, leopardos e várias espécies de macacos e as Ilhas Lakshadweep, 27 ilhas coralinas das que somente 10 estão habitadas e onde pode-se praticar a pesca em entornos paradisíacos, mergulho, diferentes esportes aquáticos sempre que não seja época de monções ou simplesmente desfrutar com um cruzeiro ou nadar em praias de sonho

Por último não deixe de assistir alguma representação teatral já que este estado é famoso por sua arte popular e folclórica, e nem de assistir a algum festival dos muitos que celebram-se nos que os elefantes ricamente ataviados colocam uma nota pitoresca realmente original.

Fonte: www.rumbo.com.br/Internet Nations/www.asie-planete.com/www.happydayturismo.com.br/www.nomismatike.hpg.ig.com.br

Veja também

Pontos Turísticos da Geórgia

PUBLICIDADE Locais Turísticos da Geórgia Geórgia conta com algumas cidades de grande riqueza cultural, tranquilas e …

Pontos Turísticos do Chipre

PUBLICIDADE O Chipre, situado no cruzamento de três continentes – Europa, Ásia e África – …

Pontos Turísticos da Coreia do Norte

PUBLICIDADE Ao viajar para a Coreia do Norte, você adorará visitar pontos turísticos populares e desfrutar …