Israel

PUBLICIDADE

Nome oficial: Estado de Israel
Forma de governo:
 República parlamentarista
Nacionalidade: israelense.
Capital:
 Jerusalém (não reconhecida pela ONU), Telaviv (sede da maioria das embaixadas estrangeiras)
Cidades principais: Jerusalém, Telaviv, Haifa, Rishon Leziyyon, Holon
Idioma: hebraico (oficial), árabe
Religião: judaísmo 80,6%, islamismo 14,6% (maioria sunita), cristianismo 3,2%, drusos 1,6% (1997)
Localização:
 oeste da Ásia
Área: 
20.770 km²
Clima:
 mediterrâneo
Moeda:
 Novo Shekel
Data nacional:
 28 de abril (Independência)

Israel – História

história de Israel é longa e complexa, com raízes que remontam milhares de anos.

povo de Israel (também chamados de “povo judeu”) têm sua origem a Abraão, que estabeleceu a crença de que há um só Deus, o criador do universo.

Abraão, seu filho Yitshak (Isaac), e neto Jacó (Israel), são referidos como os patriarcas dos israelitas.

Todos ostrês patriarcas viveram na Terra de Canaã, que mais tarde veio a ser conhecido como a Terra de Israel. Eles e suas mulheres foram enterradas no HaMachpela Ma’arat, o Túmulo dos Patriarcas, em Hebron (Gênesis, capítulo 23).

nome de Israel deriva do nome dado a Jacó (Gênesis 32:29).

Seus 12 filhos foram os núcleos de 12 tribos que mais tarde evoluiu para a nação judaica.

O nome judeu deriva Yehuda (Judá), um dos 12 filhos de Jacó (Rúben, Shimon, Levi, Yehuda, Dan, Naftali, Gade, Aser, Yisachar, Zevulun, Yosef, Binyamin) (Êxodo 01:01). Assim, os nomes de Israel, israelenses ou judeus se referiam as pessoas de uma mesma origem.

Os descendentes de Abraão cristalizaram-se em uma nação cerca de 1300 aC, após o êxodo do Egito, sob a liderança de Moisés (Moshe em hebraico).

Logo após o Êxodo, Moisés transmitiu ao povo desta nação emergente, a Torá, e os Dez Mandamentos (Êxodo 20).

Depois de 40 anos no deserto do Sinai, Moisés conduziu-os para a Terra de Israel, que é citado na Bíblia como a terra prometida por Deus aos descendentes dos patriarcas, Abraão, Isaac e Jacó (Gênesis 17:8).

povo de Israel moderna partes dias a mesma língua e cultura moldada pela herança judaica e religião passou por gerações, começando com a fundação pai Abraão (cerca de 1800 aC).

Assim, os judeus tiveram presença contínua na terra de Israel durante os últimos 3.300 anos.

Estado de Israel na terra de Israel começou as conquistas com Josué (cerca de 1250 aC).

O período de 1000-587 aC é conhecido como o “Período dos Reis”.

Os reis mais notáveis foram o rei Davi (1010-970 aC), que fez de Jerusalém a capital de Israel, e seu filho Salomão (Shlomo, 970-931 aC), que construiu o primeiro templo em Jerusalém, conforme prescrito no Tanach (Antigo Testamento ).

Em 587 aC, o exército babilônico Nabucodonosor capturou Jerusalém, destruiu o Templo e exilou os judeus para a Babilônia (atual Iraque).

O ano 587 aC marca um ponto de viragem na história da região.

A partir deste ano, a região era governada ou controlada por uma sucessão de impérios superpotências da época, na seguinte ordem: babilônico, persa, grego helenístico, impérios romanos e bizantinos, islâmicos e cristãos cruzados, Império Otomano e do Império Britânico.

Israel – Origem

Tem indícios da presença humana em Canaã desde a era paleolítica, para o ano 100.000 aC. habitou no monte Carmelo o homem conhecido como “protocromanhão” e para o ano 8.000 fez seu aparecimento a agricultura e a criação de gado, momento no que se inicia a extensão dos povos, dando lugar a manifestações artísticas e religiosas. A Terra Santa se converte assim, na cúspide do desenvolvimento cultural do homem atual.

No há nada como ler os textos do Antigo Testamento para conhecer a fundo a história de Israel e do povo Judeu. Este tem suas orígens quando o Patriarca Abraham, junto a doce tribos nômades de Caldea (Mesopotâmia), partem para Canaán, a Terra Prometida, para estabelecer-se nela. A fome obriga-os a emigrar para Egito, onde são cruelmente dominados. Foi Moisés quem liberou o povo da escravidão, dando passo ao êxodo para a terra Prometida. Durante 40 anos se avança para Canaán. Durante o caminho o povo recebe as Tábuas da Lei no Monte Sinai.

Saúl, o primeiro rei de Israel do ano 1004 ao 967 aC., foi derrotado pelos filisteos, sucedendo -lhe David (depois de vencer a Golias), que converte Jerusalém na capital do reino.

Depois de sua morte lhe sucederia o rei Salomão, o rei sábio.

Com a morte deste, o reino divide-se em dois: ao norte dez tribos fundam Israel com capital em Samaria, enquanto que as duas tribos restantes fundam o Reino de Judá, com capital em Jerusalém.

Este último permaneceria fiel à dinastia de David.

Para o século VI aC. o rei Nabucodonosor de Babilônia destruiu Jerusalém e o Templo de Salomão, deportando aos judeus a Babilônia (a primeira diáspora judia) A meados desse século, o Rei dos Persas, Ciro, conquista Babilônia e autoriza aos hebreus a regressar a Jerusalém, que reconstroem o Segundo Templo.

De 336 ao 168 aC. Palestina é dominada por Alexandre Magno ao vencer os Persas. E já no ano 63 os romanos se apoderam de toda a região, à que chamam Judéia, constituindo parte da Província Romana de Síria.

Durante o reinado de Herodes os partos invadem Judéia e Herodes procura ajuda em Roma. Graças à intervenção de Otávio e Marco Antonio, é proclamado rei dos judeus e se lança à reconquista.

Durante seu reinado edifica palácios, fortalezas, engrandece o Segundo Templo e inicia um importante desenvolvimento urbano.

Já em nossa era, do ano 66 ao 73, os judeus se subelevam, o que provoca que o imperador Tito arrase o templo (momento no que os zelotes se suicidam em Massada).

Com isto se põe fim à soberania judia e se inicia a segunda diáspora do povo judeu. Sucede-se a segunda grande revolta, entre os anos 132 e 135, sendo a repressão mais cruel, proibindo a entrada aos judeus.

Judéia se transforma em uma província romana do ano 70 ao 395. Com a conversão de Constantino, o cristianismo se converte na religião oficial e Teodosio o Grande obriga os judeus a aceita-la.

No século IV, ao ficar dividido o império romano em oriental e ocidental, Terra Santa fica abaixo da administração bizantina, correspondendo seu governo ao Patriarcado de Jerusalém.

Entre o século VII e o século XI é conquistada pelos árabes e passa ao controle da dinastia Omeya (até o ano 750), de Absi até o 969 e de Fátima de Egito até o ano 1091.

Com esta última se inicia uma série de guerras e perseguições religiosas. É o tempo, quando numerosos árabes se instalam na região. No ano 1071 os seléucidas turcos ocupam terra Santa.

Do ano 1099 ao 1291, as cruzadas cristãs conquistam a Terra Prometida, sem dúvida, do ano 1516 ao 1917 Palestina fica anexada ao império otomano. Em princípio o país formava parte da província de Damasco, mas foi dividida em vários distritos. Jerusalém conserva certa autonomia, mas dependendo diretamente de Constantinopla.

Entre os anos 1917 e 1948 Palestina está a baixo mandato britânico. A Declaração Balfour do ano 1917 e a Sociedade de Nações, reconhece o direito dos judeus a uma moradia nacional na Palestina, fazendo fincar pé em que devem respeitar-se os direitos das outras comunidades civis e religiosas já estabelecidas.

As migrações de judeus dispersos por todos os locais do mundo vinham-se realizando desde finais do século XIX e foram proibidas pelo mandato britânico, durante e depois do holocausto.

A regularização da terra é remitida à ONU, que no ano de 1947, através da Comissão Especial UNSCOP declara a criação de dois estados: um judeu e o outro árabe, mas estes últimos se opõem à decisão, ameaçando às comunidades judias, pelo que o Estado Árabe não chega a ver a luz.

No ano de 1948 David Bem Gurióm proclama o Estado de Israel. Imediatamente Egito, Iraque, Líbano, Síria, Jordânia e Arábia Saudita declaram a guerra, invadindo o recente estado.

No ano de 1949 Egito ocupa a Franja de Gaza, enquanto que Jordânia se anexa Cisjordânia (Judéia e Samaria) e Jerusalém Leste. No ano de 1952 Os Israelitas e os Sírios aceitam um cessar fogo imposto pela ONU.

Em 1956, durante a Guerra de Suez, Israel, com a ajuda dos exércitos britânico e francês, ocupa a península do Sinai. No ano de 1967 tem lugar a chamada “Guerra dos Seis Dias”, quando Israel se enfrenta com os países árabes, apoderando-se dos Altos do Golán, Cisjordânia, Jerusalém Leste e da Franja de Gaza.

Em 1973, durante a celebração do Yom Kippur (Dia do Perdão), os egípcios e os sírios aproveitam para atacar Israel. Os primeiros pelo Canal de Suez e os segundos pelos Altos do Golán.

É a chamada Guerra Yom Kippur. Esta situação se resolve parcialmente, no ano de 1979, quando Israel devolve o Sinai a Egito, após os acordos de Camp David, sendo um dos primeiros passos para atingir a paz.

Egito reconhece a Israel.

Em 1986 Espanha reconhece oficialmente a existência do Estado de Israel e aceita o intercâmbio de embaixadores.

Em 1987, o dia 9 de dezembro, se inicia a “intifada” com as primeiras manifestações violentas nos territórios. Em 1988 Yaser Arafat reconhece perante a ONU o direito à existência do estado de Israel, mas solicita igual, o reconhecimento da Palestina.

Em 1991 se celebra, em Madri no dia 30 de outubro, a Conferência de Paz no Oriente, constituindo o primeiro passo para atingir a paz na região. Isto provoca no ano de 1993 a assinatura do acordo de paz entre Yaser Arafat, líder da OLP (Organização para a Liberação de Palestina) e Isaac Rabin, primeiro ministro de Israel (assassinado brutalmente em novembro de 1995), no que se declara a Autonomia de Jericó e Gaza.

Nas recentes eleições do ano 1996 tem sido eleito como primeiro ministro o conservador Benjamím Netanyahu, que espera concretiCzar os acordos definitivos, para estabelecer a paz na região.

Israel, A Terra Prometida

IsraelIsrael

Israel, a Terra Santa, a Terra Prometida, um país de infinitos caminhos, tudo um mundo de surpresas.

Viajar em Israel é fazer um percurso pelos cenários da Bíblia, do Antigo e do Novo Testamento, uma odisséia pelo tempo, uma travessia por um crisol onde confluem diversas e variadas culturas (onde a complexidade étnica, religiosa, política e social é a nota característica) que procuram afanosamente uma senda nova, que conduza à convivência pacífica.

E é que Israel é a capital das religiões monoteístas mais importantes, que professa o homem, um importante centro de culto. Para muitos é o encontro, com um Deus viajante, em procura da humanidade e para outros a procura de Deus.

Porém, Israel é mais do que isso. Em suas terras se respira algo invencível, algo mágico, algo que pertence a tempos distantes e que se percebe em seus diversos ambientes.

Um lugar onde o sagrado se envolve com o cotidiano e próximo, para deixar-se tocar em suss paisagens tão variadas, em seus delicados aromas e em seus fundos silêncios.

Desde a Antiga Jerusalém até a moderna Tel Aviv, desde as costas do Mediterrâneo até o insondável Deserto do Neguev, desde o Lago Tiberiades até os férteis vales de Galiléia, desde as praias de corais do Mar Vermelho, até as profundidades do Mar Morto (o ponto mais baixo do planeta), desde as regiões, como Samaria, Judéia, até os zocos árabes, desde o passado ao presente, em uma só palavra, Israel é, a terra Prometida.

Israel – Perfil

Um país densamente povoado na costa oriental do Mar Mediterrâneo, Israel é o único Estado do mundo, com uma população maioritariamente judaica.

Ele foi preso em conflito com os palestinos e seus vizinhos árabes sobre a propriedade da terra considerada sagrada por judeus, cristãos e muçulmanos desde a sua criação em 1948.

A divisão do antigo mandato britânico da Palestina ea criação do Estado de Israel nos anos após o fim da II Guerra Mundial foi o ponto culminante do movimento sionista, cujo objetivo era uma pátria para os judeus espalhados por todo o mundo.

Após a pressão do Holocausto nazista cresceu para o reconhecimento internacional de um Estado judeu, e, em 1948, Israel declarou sua independência depois de uma votação da ONU de dividir a Palestina.

Grande parte da história da região, desde que o tempo tem sido um dos conflitos entre Israel de um lado e os palestinos – representados pela Organização de Libertação da Palestina – e os vizinhos árabes de Israel, por outro.

Centenas de milhares de palestinos foram deslocadas no conflito, em 1948, durante o qual os vizinhos árabes de Israel veio em auxílio do Conselho Superior palestino.

Israel perdeu um por cento de sua população na luta, que terminou em uma série de armistícios inquietos.

Israel tem desenvolvido a partir de um estado agrário percorrem linhas coletivistas numa economia oi-tech nos últimos 60 anos. Ele absorveu imigrantes judeus da Europa, o resto do Oriente Médio, América do Norte e, mais recentemente, a ex-União Soviética e da Etiópia ao longo do caminho.

Sua vida política foi, no entanto dominada pelo conflito com seus vizinhos árabes, incluindo guerras regionais em larga escala em 1948, 1967 e 1973, e muitos conflitos de menor escala, incluindo o 1956 invasão do Egito e as guerras do Líbano de 1982 e 2006.

As relações com os palestinos têm sido o fator chave para a política externa e de segurança. Os palestinos na Cisjordânia e Jerusalém Oriental viveram sob ocupação israelense desde 1967.

Os assentamentos que Israel construiu na Cisjordânia são o lar de cerca de 500.000 pessoas e são considerados ilegais sob a lei internacional, embora Israel contesta isso.

Israel – Nação

Antiguidade

Período Bíblico: Israel tem uma história antiga registrada na Bíblia Hebraica, com figuras como Abraão, Moisés e Davi.
Reinos de Israel e Judá: Por volta do século X a.C., os reinos de Israel e Judá foram estabelecidos na região, com Jerusalém como sua capital.

Período Romano e Diáspora Judaica:

Domínio Romano: Em 63 a.C., os romanos conquistaram a região e a anexaram ao seu império.
Diáspora Judaica: Após uma série de revoltas judaicas contra o domínio romano, os judeus foram dispersos por todo o Império Romano no século I d.C.

Idade Média e Moderna:

Período Bizantino e Islâmico: A região passou por mudanças de domínio, incluindo o Império Bizantino e, posteriormente, a conquista muçulmana no século VII.
Domínio Otomano: A partir do século XVI, a região foi governada pelo Império Otomano até o final da Primeira Guerra Mundial.
Declaração Balfour e Mandato Britânico: Durante a Primeira Guerra Mundial, a Declaração Balfour de 1917 expressou o apoio britânico a um “lar nacional judeu” na Palestina. Após a guerra, a Liga das Nações concedeu um mandato à Grã-Bretanha sobre a região.

Fundação do Estado de Israel:

Partilha da Palestina: Em 1947, as Nações Unidas propuseram a partilha da Palestina em um estado judeu e um estado árabe.
Independência de Israel: Em 14 de maio de 1948, Israel declarou sua independência, o que levou a uma guerra entre os recém-criados Estado de Israel e seus vizinhos árabes.
Guerras Árabe-Israelenses: Israel travou várias guerras com seus vizinhos árabes, incluindo a Guerra de 1948, a Guerra dos Seis Dias em 1967 e a Guerra do Yom Kippur em 1973.

Tempos Modernos:

Conflito Israel-Palestina: O conflito israelense-palestino continua sendo uma questão central na região, com disputas territoriais, questões de segurança e questões de direitos humanos.
Acordos de Paz: Apesar dos conflitos, Israel assinou tratados de paz com o Egito em 1979 e com a Jordânia em 1994.

Israel é uma nação com uma rica herança cultural e religiosa, e sua história é uma mistura complexa de tradições antigas e modernas, desafios e conquistas.

Israel – Geografia

Israel ocupa a parte sul do Levante, fachada oriental do Mediterrâneo. Seu território, limitado a norte pelo Líbano para o norte-leste pela Síria, a leste pela Jordânia e pelo Egito ao sudoeste.

O Estado de Israel, na porção sul da parte dianteira da montanha no Oriente Médio, justapõe três unidades de terreno paralelo: a estreita faixa de planícies costeiras, eixo montanhoso e uma depressão linear. Clima muda gradualmente a partir da área do Mediterrâneo, ao norte, uma área de deserto no sul.

Territórios ocupados em 1967 (Cisjordânia e Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental) foram passar a área de 27.800 km². Alongada de norte a sul, o país chegou a 450 km na sua maior extensão, as Colinas de Golã a Eilat, no golfo de Aqaba, e 135 km de largura máxima, a Faixa de Gaza, no extremo sul do o Mar Morto.

A planície costeira, aluvial, limitado por uma duna costeira, é interrompida pela lei de Haifa, Monte Carmelo. No norte, uma planície estreita abre o compartimento de Akko (Saint Jean d’Acre). No sul, a planície costeira alarga-se gradualmente, de 5 a 20 km na planície de Sharon, entre Haifa e Tel Aviv, até 40 km nas planícies da Judéia, ou Shefela.

O eixo central montanhosa é bastante variado. O corte transversal da planície de Esdrelon, ou Emeq Yizreel separa os elos da Galiléia, no norte – onde fica o Monte Meron (1.208 m), o ponto mais alto do país, perto de Safed – o afloramento calcário Monte Carmelo e as colinas de Samaria e Judéia.

Ao sul, o Neguev combina planalto monótono, enormes “crateras” (na verdade, os circos erosão estrutura plissada) Makhtesh Qatan, Makhtesh Gadol e Makhtesh Ramon (1.035 m na borda sul-ocidental), então a borda da blindagem Arábica.

Para o leste, uma série de depressões pontilham a fenda que se estende ao norte do Rift do Leste Africano: Jordan Valley – expandiu no Lago Kinneret (Mar da Galiléia), que é de 210 m abaixo do nível mar livre – Mar Morto (cuja superfície é de 396 m abaixo do nível do mar), vale seco de Wadi Arava, no fundo do Golfo de Eilat (ou golfo de Aqaba). Nordeste, Israel, desde 1967, assumiu o controle da basáltica Golan Heights e encostas do sudoeste do Monte Hermon (2.214 m).

Israel tem quatro regiões geográficas. O Deserto de Negev, uma região em forma de triângulo no sul que ocupa mais da metade do país, tem baixas colinas que se tornam mais e mais estéreis para o sul.

A planície costeira do Mediterrâneo, onde a maioria da população vive, varia na largura de 9,5-16 mi. (15 a 25 km).

A leste da planície costeira, estendendo-se no comprimento do país, está uma faixa central de colinas, com uma altura média de 610 m, conhecida no norte como os Montes da Galiléia.

A Planície de Esdrelon forma a fronteira sul da Galiléia. Ao sul da planície, a faixa central forma um planalto de terras altas na área da Cisjordânia. A leste das colinas centrais encontra-se o vale do Rio Jordão.

Com sua forma longa e estreita, o país tem 470 km de comprimento e mede 135 km em seu ponto mais largo. Embora pequeno em tamanho, Israel apresenta a variedade topográfica de um continente, e nele se encontram desde montanhas cobertas de florestas e verdes vales férteis até desertos montanhosos; a planície costeira e o vale do Jordão semi-tropical, sem falar no Mar Morto, o ponto mais baixo da Terra.

Aproximadamente metade da área do país é semi-árida.

A área de Israel, dentro das fronteiras e linhas de cessar-fogo, inclusive os territórios sob o autogoverno palestino, é de 27.800 km². Com sua forma longa e estreita, o país tem cerca de 470 km de comprimento e mede 135 km em seu ponto mais largo. Limita-se com o Líbano ao norte, a Síria a nordeste, a Jordânia a leste, o Egito a sudoeste e o Mar Mediterrâneo a oeste.

A distância entre montanhas e planícies, campos férteis e desertos, pode ser coberta em poucos minutos. A largura do país, entre o Mar Mediterrâneo a oeste e o Mar Morto, a leste, pode ser cruzada de carro em cerca de 90 minutos; e a viagem desde Metula, no extremo norte, a Eilat, o ponto mais meridional, leva umas seis horas.

Israel – Clima

clima de Israel se caracteriza por muito sol, sendo que a estação das chuvas vai de novem-bro a abril. O índice anual de precipitação pluvial varia de 50-125 cm no norte a apenas 2,5 cm no extremo sul.

As condições climáticas regionais são bastante variadas: na planície costeira, o verão é quente e úmido e o inverno, ameno e chuvoso; nas regiões montanhosas, o verão é cálido e seco, sendo o inverno modera-damente frio, com chuvas e às vezes um pouco de neve; no vale do Jordão, o verão é quente e seco e o inverno é agradável; finalmente no sul, nas regiões semi-áridas, o dia é muito quente e a noite bastante fria.

Grande parte de Israel tem um clima Mediterrâneo, com invernos amenos e úmidos e verões quentes e secos. Ambas temperatura e precipitação mudam dramaticamente do norte ao sul. Nas montanhas do norte, as temperaturas de Janeiro caem muitas vezes para 40 °F (4 °C); a precipitação média anual excede frequentemente 102 cm. Em contraste, o Negev recebe nenhuma chuva no verão e ocasionais chuvas súbitas no inverno. As temperaturas de Agosto no sul do Negev freqüentemente ultrapassam 38 °C.

Israel – Economia

A maior proporção da força de trabalho de Israel é empregada nos serviços públicos e na comunidade. Israel tem mais de 200 assentamentos coletivos chamados kibbutzim, mas eles são a casa de menos de 3 por cento da população. Um kibbutz é um estabelecimento em que a maioria da propriedade é de propriedade coletiva e as decisões são tomadas por representantes eleitos.

Na maioria desses assentamentos, os membros comer em um refeitório comum, e as crianças são cuidadas durante o dia em viveiros coletivos e escolas.

Os Kibutzim têm estado na vanguarda do desenvolvimento agrícola, social, e industrial de Israel.

As principais culturas de frutas cítricas e de vegetais de Israel são populares no mercado Europeu no inverno. O trigo e a cevada são também importantes. As aves são a criação mais amplamente levantada.

Os únicos recursos naturais de importância têm sido o potássio e fosfatos.

Recentes descobertas de enormes jazidas de gás natural na costa norte melhoraram muito as perspectivas de energia do país. A indústria Israelense inclui o processamento de alimentos, a lapidação de diamantes, e a produção química, têxtil, cerâmica, cimento e de máquinas. Software, máquinas, diamantes, produtos agrícolas e produtos químicos são as exportações chave.

Apesar de seu contínuo estado de guerra, Israel desenvolveu um padrão de vida relativamente elevado.

O país tem uma economia mista: as plantas de propriedade privada empregam cerca de 75 por cento da força de trabalho; as indústrias de propriedade estatal e aquelas de propriedade da Histadrut (Federação Geral do Trabalho) empregam o restante. O desenvolvimento de Israel tem sido grandemente assistido pela ajuda estrangeira dos Estados Unidos e contribuições financeiras da comunidade Judaica mundial.

Israel – Flora e Fauna

A riqueza da fauna e da flora de Israel é conseqüência de sua localização geográfica, assim como da diversidade topográfica e climática. Mais de 380 pássaros diferentes, cerca de 150 espécies de mamíferos e répteis, e cerca de 3.000 variedades vegetais (entre as quais 150 nativas) são encontradas em seu território. 150 reservas naturais e 65 parques nacionais, num total de quase 1.000 km², espalham-se pelo país.

Israel possui uma variada geografía, dando lugar a uma rica gama de meios naturais que alojam uma extensa gama de espécies de animais e plantas.

O país apresenta três zonas claramente diferenciadas: para o leste, por toda a franja fronteriça, a região da savana subtropical, onde encontra-se o Vale da Arábia que se caracteriza pelos suas altas temperaturas, pelos suas extensas planícies povoadas de acácias.

Aqui pode-se ver gazelas arábes, gatos monteses, hienas, ratos de areial, jerbillos, jerbos, camechuelos tromperos, suimangas paistinas e alondras ibis., para o norte da zona mediterrânea, que se caracteriza pelos suas espécies arbústivas distinguem-se orquídeas, tojos, gladiolas, jaras e outras espécies típicas dos carrascais. Nesta zona há que mencionar a presença da tartaruga grega.

Aqui pode ver-se uma rica variedade de aves como cernícalos, currucas, jilgueros, tórtolas e golondrinas. O mamífero mais destacado é a mangosta. E para o sul, a estepe do Neguev, onde a característica predominante é a presença do deserto e das áridas estepes, que dão lugar a gramíneas, terebintos (um dos mais antigos da terra Santa), lírios negros e gamones.

A fauna está representada por gazelas comuns, lebres, cornejas cenicientas, alcaravanes, ortegas, hubaras e cogujadas comuns, sem esquecer o temível lobo.

Em Israel há que destacar, além, os belos “wuadis”, impressionantes gargantas causadas por antigos cursos de água e que dão lugar a uma flora efêmera, segundo sejam as precipitações pluviais.

Distinguem-se plantas parasitas, azufaifos (uma planta muito espinhosa), e a vegetação própria dos wuadis convertidos em palmerais. Respeito à fauna distinguem-se a cabra de Nubia, damanes de roca, lagartos cola de látigo, moscaretas, cornejas, camachuelos e estorninos de Tristram.

Nas águas do Mediterrâneo predominam os camarões, salmonetes, chicharros, salmonetes do Nilo, sargos, sardinhas, bonito, cavalas, mújol, mero, peixe limão e sepias. Não há que esquecer, por outro lado, o espetacular arrecife de coral do Mar Vermelho. Eilat constitui um privilegiado ponto de observação das aves migratórias, além de destacar pelas cosechas de cítricos que dão fama a Israel, pelos seus inovadores sistemas de irrigação e técnicas de cultivo. Os “triunfadores do deserto” obtém importantes cosechas de sandías, melões, pomelos, laranjas, uvas, pêssegos, maças, pimentões, berinjelas, pepinos, tomates e abacates.

Israel – Cultura

Desde a sua criação, Israel tem colocado grande ênfase no desenvolvimento da língua e cultura Hebraica. Grupos de cantores e danças populares atraem um grande número de participantes.

Israel conquistou uma reputação sólida na música clássica, devido ao alto nível de desempenho da Orquestra Filarmônica de Israel. Israel tem cerca de 250 instituições culturais que atuam no teatro, dança, música, literatura, cinema, artes visuais e folclore.

Vários milênios de história, a reunião de judeus de mais de 70 países, uma sociedade composta por comunidades multi-étnicas vivendo lado a lado, e um fluxo constante de comunicação internacional via satélite ou por cabos – tudo isso contribui para a formação da cultura israelense que reflete elementos internacionais, embora sempre em busca de sua própria identidade.

A expressão cultural é tão variada quanto o próprio povo, expressando-se através da literatura, do teatro, de concertos, programas de rádio e televisão, espetáculos, museus e galerias, para todos os gostos e interesses.

As línguas oficiais de Israel são o hebraico e o árabe, mas nas ruas pode-se escutar muitos outros idiomas. O hebraico, idioma da Bíblia, fora durante séculos usado apenas para liturgia e literatura; seu renascimento como língua falada iniciou-se há um século atrás, com a renovação da vida judaica na Terra de Israel.

Israel – Festividades

O Sabbath, dia de descanso em Israel, começa com a caída do sol na sexta-feira pela tarde e conclui ao anoitecer do sábado. Durante este dia, todas os estabelecimentos comerciais judeus, negócios, escritórios e instituções fecham, igual que nas Festas maiores, que também começam a tarde anterior e terminam na noite do dia seguinte.

Nestes dias não funciona a maior parte do transporte público (exceto os taxis) e muitos lugares de diversão fecham embora alguns restaurantes, cinemas e pubs mantém suas portas abertas. O calendário hebreu, igual que o mulçumano, está baseado no ano lunar, pelo que as festas judias variam de um ano a outro. Para os cristãos o Dia do Senhor é o domingo e para os mulçumanos, o dia de descanso é a sexta-feira.

As principais festas judias são:

Tu Bi´Shvat, Ano Novo dos Árboles (em janeiro ou fevereiro).

Purim, Festa das Sortes (fevereiro ou março). Em algumas cidades festeja-se com coloridos disfarces, desfiles e jogos para celebrar a caída de Amán, quando a rainha Esther liberou os judeus do cativeiro de Babilônia.

Primeiro Dia de Pésaj, Páscoa Judia (março ou abril). Festa que celebra o êxodo do povo judeu, igual que a colheita da primavera. Durante sete dias se come pão sem levedura.

Dia 7o. de Pésaj (abril): Yom Haatzmaut, Dia da Independência de Israel e Reunificação de Jerusalém (abril-maio). Todo o país sai à rua para bailar, comer e desfrutar dos espetáculos ao ar livre.

Shavout (maio ou junho): A Festa das Semanas que recorda a entrega das Tábuas no Monte Sinai.

Tisha B´Ab (julho ou agosto): Festa em memória do Holocausto.

Rosh-Hashaná (setembro): O Ano Novo Judeu, aniversário da criação e celebração do Dia do Juizo.

Yom Kipur (setembro ou outubro): Dia do Perdão. Dia no que o país se paraliza por completo, pois é a solenidade mais importante para os judeus. Dias de jejum, abstenção, reconciliação e perdão.

Primeiro Dia de Sucot (setembro e outubro): Dia de Tabernáculos e tem lugar cinco dias depois do Dia do perdão. Esta festa se prolonga por sete dias, para comemorar a viagem pelo deserto do Sinai, após a fuga de Egito.

Simchat Torá (setembro e outubro): Alegria da Lei Com esta festa se finaliza a entrada do ano novo. Le-se em voz alta as leituras da Torá.

Primeiro Dia de Janucá (novembro ou dezembro).

Festa da Luz, quando os judeus recuperam Jerusalém e consagram de novo o Templo.

Além destas festas, há que destacar os preciosos festivais que têm lugar em Israel. Destacam, o Festival do Cor, Som e Natureza na terra das Mil Grutas, que festeja-se em abril nas Grutas de Beit Guvrin, música todo o tempo sem parar, durante uma semana, a beira do Mar de Galiléia; os Festivais de Danças Populares em Carmiel e Haifa; o Festival de Corais em Arad; a Festa da Cerveja em Eilat; os Festivais de Cinema em diversas cidades; o Festival das Flores em Holão; as Festas de Canções Populares na Reserva Natural Jurshat Tal; o Teatro de Vanguarda em Akko; Harp Contest, quando Tel Aviv recebe os melhores arpistas do mundo; o Festival Dramático Inglês em Tel Aviv; a Festa dos Cítricos em Netania; o Festival Cinematográfico de Jerusalém; o Festival Internacional de Jazz em Eilat e o Festival de Israel em Jerusalém, com a presença de artistas de todo o mundo, o mais importante acontecimento cultural do país. São vinte dias de espetáculos de teatro, música e dança.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/ www.rumbo.com.br/Internet Nations/www.asie-planete.com/news.bbc.co.uk/www.palestinefacts.org

Veja também

Pontos Turísticos da Jordânia

PUBLICIDADE Viajar a Jordânia é remontar-se no tempo, e gozar a possibilidade de viver uma aventura numa …

Pontos Turísticos de Israel

PUBLICIDADE Pontos Turísticos de Israel – Atrações Sua lista de desejos de Israel deve incluir todas as …

Pontos Turísticos do Iraque

PUBLICIDADE Recentemente Iraque tem vivido uma história, que conseguiu impactar o mundo, e que tem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.