Pontos Turísticos do Butão

PUBLICIDADE

Com um manifesto nacional baseado na felicidade e coesão comunitária cumulativa, o país só recentemente saiu das sombras. E embora ainda possa ser difícil conseguir vistos e autorizações para viajar para cá, os tesouros que o aguardam realmente fazem o administrador valer a pena.

No leste, aldeias altas escondem-se entre as nuvens e os poderosos picos do Himalaia.

No oeste, as cidades vestem o fundo do vale com dzongs caiados (tradicionais mosteiros-fortalezas do Butão).

Enquanto isso, relíquias budistas totêmicas e locais reverenciados de antigos gurus podem ser encontrados nas colinas, mosteiros altos descem em cascata dos cumes e há trilhas de caminhada tão maravilhosas que você dificilmente acreditará que sejam reais.

Então, não importa se você é um abutre cultural, um amante da história ou apenas um aventureiro em busca de um dos cantos menos explorados do mundo, você pode ter certeza de que o belo Butão tem o que você precisa!

Vamos explorar os melhores lugares para visitar no Butão:

Taktsang

Cortados diretamente pelas elevações verticais das montanhas do Butão, logo ao norte da encantadora cidade de Paro, as salas de tirar o fôlego do mosteiro de Taktsang são talvez as mais fotografadas e lendárias de todo o Himalaia.

Construído pela primeira vez no final do século XVII, o local marca o lendário local onde Guru Padmasambhava teria meditado durante três anos inteiros.

Hoje, o venerado Guru é aclamado como o patrono do Butão e a figura que trouxe o Budismo à nação.

Os visitantes vêm e exploram esta história fascinante entre os claustros precariamente empoleirados e as salas de oração com topos dourados de Taktsang: o incrível Ninho do Tigre do Vale do Paro.

Paro

Paro fica situada no coração de um amplo vale no extremo oeste do Himalaia butanês.

Um lugar bonito, cujas estradas pavimentadas e casas em enxaimel bem pintadas desmentem a sua construção moderna (Paro foi em grande parte reconstruída na década de 1980, com todas as obras seguindo a arquitetura tradicional da região), abriga as elevações caiadas do grande Rinpung Dzong.

Parte mosteiro, parte fortaleza, esta grande cidadela de muralhas com topo de madeira é um dos melhores exemplos da arquitetura militar-religiosa do país.

Acima é onde os viajantes encontrarão o Museu Nacional do Butão, escondido em uma antiga torre de vigia em uma colina.

Trongsa

Quando se trata dos complexos dzong caiados de branco do Butão, poucos conseguem corresponder ao tamanho e à beleza deslumbrante do Trongsa Dzong.

Sim, esta mistura colossal de salões em enxaimel e salas de oração altas fica em um afloramento escarpado acima do rio Mangde.

Já foi a sede ancestral da dinastia Wangchuck, que hoje é a família real do Butão.

E embora a mecânica do estado tenha se transferido em grande parte para Thimphu, este grande palácio ainda mantém grande importância política e religiosa e exibe um mosaico de belíssima arquitetura dos séculos XV e XVI, típica da região.

Thimbu

Abrangendo os meandros do rio Raidak em sua pequena fenda no meio do Himalaia ocidental do Butão, Timphu é um lugar curioso.

Com os seus antigos templos e complexos monásticos, ela exala um encanto budista milenar, enquanto a recente chegada do tráfego motorizado e dos negócios modernos lhe dá a energia e o talento de uma nova capital.

Os pontos de referência também são abundantes, desde Changangkha Lhakhang, do século XV, até a grande efígie de bronze do Buda Sakyamuni, com vista para as montanhas.

Além disso, não perca o colossal Trashi Chhoe Dzong, que hoje é a sede do governo do Butão.

Jacar

O pequeno e sonolento Jakar fica no meio do incrivelmente lindo Vale Choekor – uma área aclamada como Pequena Suíça por suas vistas deslumbrantes de florestas de abetos e colinas alpinas.

Um centro religioso e porta de entrada para as belezas orientais do distrito de Bumthang, é salpicado de lindos mosteiros caiados de branco.

No topo da cidade, o grande Jakar Dzong vigia, representando um dos maiores mosteiros fortificados do país, enquanto locais como o Kurje Lhakhang abaixo contam histórias do mestre indiano do século VIII, Guru Rinpoche, que ajudou a levar o budismo a esta região remota. canto das montanhas há tantos séculos.

Punakha

Cercada por extensos vales de arrozais e terraços agrícolas, a antiga capital de Punakha fica a cerca de três horas de carro de Thimphu.

Todo viajante que chegar aqui, no coração da cordilheira do Himalaia, será instantaneamente atraído para o enorme complexo do Palácio da Grande Felicidade.

Este é um dos edifícios mais emblemáticos de todo o Butão e a residência de inverno da sua ordem budista nacional.

Ao redor estão aglomerados de vilarejos agrícolas tradicionais, como a encantadora cidade de adobe de Ritsha, que exala um caráter rústico e é repleta de casas de chá que vendem curry.

Gangteng

O grande Mosteiro de Gangteng emerge das florestas de abetos e abetos do distrito de Wangdue Phodrang, no centro do Butão.

É inquestionavelmente um dos locais religiosos mais venerados aqui, conhecido pela sua veneração ao rei terchen Pema Lingpa – um dos grandes patronos espirituais do país.

Localizado em um alto penhasco de pedra que se ergue acima da cidade de mesmo nome (Vila Gangteng), o grande mosteiro é uma verdadeira maravilha de se ver.

Confira os frontispícios de madeira esculpida e as gárgulas garuda carrancudas, tudo antes de seguir para as famosas trilhas de caminhada do grande Vale Phubjika – o reduto do raro guindaste preto.

Trashigang

A extremidade oriental da estrada lateral elevada que atravessa o coração do Butão, Trashigang pode ser encontrada nos picos acima dos meandros do rio Drangme Chhu.

Talvez a cidade mais importante dos distritos orientais do país, é encimada pelo seu próprio dzong de tirar o fôlego: uma mistura de telhados dourados e paredes caiadas de branco que fica bem acima das copas das florestas e sobre o fundo dos vales alpinos abaixo.

No próprio centro, os visitantes descobrirão um bazar folclórico, onde todas as barracas e vendedores se aglomeram em torno de uma elaborada roda de orações públicas.

Bumthang

Conhecida pelos habitantes locais pelo seu nome oficial – Vale Chokhor – a palavra Bumthang (que na verdade se refere a todo o centro do Butão) tornou-se o apelido de fato deste trecho de montanhas no extremo norte do país.

Lar de uma série de mosteiros verdadeiramente impressionantes, é na verdade um dos principais destinos para testemunhar a arquitetura tradicional dzong.

Você pode começar com uma viagem às poderosas muralhas de Jakar Dzong, antes de visitar o mosteiro próximo de Tamshing Goemba.

Depois, há locais religiosos mais misteriosos em Shinyer Village, sem mencionar o tradicional centro de artes e ofícios de Chhumey – o lugar para comprar lã do Himalaia!

Phuentsholing

Situada bem na beira das montanhas, onde a grande falange dos picos do Himalaia começa a se erguer contra a fronteira indiana, a pequena e próspera Phuentsholing é uma das cidades mais promissoras do Butão.

Enriquecido graças à sua facilidade de acesso e conexões estreitas com a cidade de Jaigaon, em Bengala Ocidental, é um centro de comércio e vendas.

Os mercados apimentam o seu centro, enquanto há um caráter distintamente construído na aparência do lugar – é improvável que você veja tantas estruturas de concreto e estradas pavimentadas em qualquer outro lugar do país! Phuentsholing também é um ótimo lugar para ver o portão da fronteira indiana e as patrulhas descontraídas que são comuns lá.

Wangduephodrang

Outra cidade montanhosa de tirar o fôlego, envolta pelos picos esculpidos do Himalaia, outra poderosa fortaleza dzong do século XVII.

Sim, Wangduephodrang tem seu próprio complexo de mosteiro-cidadela, que pode ser encontrado olhando carrancudo para a pequena cidade em sua plataforma enevoada no meio dos picos.

Infelizmente, toda a estrutura sofreu imensamente após um incêndio destrutivo em 2012. Os projetos de reconstrução no local ainda estão em andamento, embora continue a ser uma grande parada na Estrada Lateral entre o Vale Phobjikha e Bumthang.

Mongar

Um dos trampolins preferidos no leste no caminho para o centro provincial de Trashigang, Mongar ocupa seu próprio topo de colina no planalto do Himalaia butanês.

Os visitantes desfrutam de vistas maravilhosas desde o início, com vales extensos e amplos maciços montanhosos cobertos de abetos que se desdobram por todos os lados.

Acrescente a isso a reputação de Mongar como um centro educacional e seu animado mercado diário, repleto de produtos tecidos e óleos orgânicos de limão, e é fácil ver por que tantas pessoas optam por ficar um pouco.

Lhuntse

Lhuntse (ou Lhuntshi, como também é conhecido) é outra joia do leste do Butão.

Escondido em um vale íngreme de florestas verdejantes e cumes cobertos de neblina, seu cenário é puro drama.

E há o pequeno dzong em seu centro, que se ergue em uma escarpa de rocha arborizada como um poderoso palácio de Game of Thrones.

No entanto, essa cidadela em enxaimel é apenas uma parte da atração, porque Lhuntse também é conhecida por seus excelentes produtos de lã locais e como um excelente ponto de partida para as trilhas de caminhada que serpenteiam pelas montanhas até as aldeias de Gangzur e Khoma. – ambas fotos da vida rústica do Butão.

Kilung Lhakhang

O pequenino Kilung Lhakhang é apenas um pontinho no mapa.

Situado entre o verdejante Himalaia, perto do mencionado Lhuntse, é um lugar fora do comum, para dizer o mínimo.

No entanto, há uma história profunda e fascinante para aprender aqui, com uma reverenciada relíquia de um shopping center que supostamente realizou milagres.

A própria localização também vale a pena ver, com a cidade se espalhando pelas cordilheiras em uma mistura de antigas casas de Tshanglas e construções de concreto com telhado de estanho.

Tang

Tang é a seção mais difícil de chegar do já mencionado Vale Bumthang; um lugar de bela vegetação e encostas salpicadas de abetos, onde um punhado de impressionantes relíquias budistas continua a magnetizar monges e viajantes intrépidos.

O Mebar Tsho (ou o chamado Lago Ardente) é uma das grandes delícias daqui, sendo um local associado aos milagres de Pema Lingpa no século XIV.

O museu de Ogyen Choling também merece uma visita, onde existem coleções de artesanato local e alojamentos preservados de antigos monges budistas para ajudar a desvendar as profundas ligações entre esta nação e a sua fé religiosa.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br/www.thecrazytourist.com

Veja também

Pontos Turísticos do Iêmen

PUBLICIDADE Aberto ao turismo de forma amável. O Iêmen oferece um paraíso de lendas e história única. …

Pontos Turísticos da Geórgia

PUBLICIDADE Locais Turísticos da Geórgia Geórgia conta com algumas cidades de grande riqueza cultural, tranquilas e …

Pontos Turísticos do Chipre

PUBLICIDADE O Chipre, situado no cruzamento de três continentes – Europa, Ásia e África – …