Breaking News
Home / Turismo / Irã

Irã

 

História

A região hoje chamada Irã foi ocupado pelos medos e persas em 1500 o BC, até que o rei persa Ciro, o Grande, derrubou os medos e se tornou governante do Império Aquemênida (persa), que chegou do Indo ao Nilo em seu apogeu Pérsia em 525 aC, caiu para Alexander em 331-330 aC, e uma sucessão de outros governantes: os selêucidas (312-302 aC), os partos de língua grega (247 aC - 226 dC), o sassânidas (224-c 640.) , e os muçulmanos árabes (em 641). Até o meio-800s Pérsia tornou-se um centro internacional científica e cultural.

No século 12, foi invadida pelos mongóis. A dinastia Safavid (1501-1722), com quem a religião dominante tornou Islã xiita, seguido, e foi então substituída pela dinastia Qajar (1794-1925).

Irã

A antiga nação do Irã, historicamente conhecida no Ocidente como Pérsia e uma vez um grande império em seu próprio direito, foi invadida com freqüência e teve seu território alterado ao longo dos séculos.

Invadido por árabes, turcos seljúcidas, mongóis, e outros - e, muitas vezes apanhados em assuntos de grandes potências - O Irã sempre reafirmou sua identidade nacional e se desenvolveu como uma entidade política distinta andcultural. Achados arqueológicos têm colocado o conhecimento da pré-história do Irã no Paleolítico Médio vezes (100.000 anos atrás). As primeiras culturas sedentárias data de 18,000-14,000 anos atrás.

O sexto milênio aC viu uma sociedade bastante sofisticado agrícola e centros proto-urbana da população. Muitas dinastias governaram o Irã, a primeira de que estava sob o Achaemenians (559-330 aC), uma dinastia fundada por Ciro, o Grande. Após o período helenístico (300-250 aC), veio a Parthian (250 aC-226 dC) eo sassânida (226-651) dinastias.

O sétimo século conquista árabe-muçulmano do Irã foi seguido por conquistas pelos turcos seljúcidas, os mongóis, e Tamerlão. O Irã passou por um renascimento sob a dinastia Safavid (1502-1736), a figura mais proeminente do que foi Shah Abbas. O conquistador Nadir Shah e seus sucessores foram seguidos pela dinastia Zand, fundada por Karim Kahn, e mais tarde o Qajar (1795-1925) e as dinastias Pahlavi (1925-1979).

História iraniana moderna começou com um levante nacionalista contra o Xá (que permaneceu no poder), em 1905, a concessão de uma Constituição limitada em 1906, e da descoberta do petróleo em 1908. Em 1921, Reza Khan, um oficial iraniano do cossaco persa Brigada, assumiu o controle do governo.

Em 1925, fez-se Shah, governando como Reza Shah Pahlavi por quase 16 anos e instalando o novo Pahlavi dinastia. Sob seu reinado, o Irã começou a modernizar e secularizar a política, eo governo central reafirmou sua autoridade sobre as tribos e províncias. Em setembro de 1941, após a ocupação Aliados (Reino Unido, União Soviética) do oeste do Irã, Reza Shah foi forçado a abdicar.

Seu filho, Mohammad Reza Pahlavi, tornou-se Shah e governou até 1979. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Irã era um elo vital na linha de alimentação Allied para Lend-Lease suprimentos para a União Soviética.

Depois da guerra, as tropas soviéticas estacionadas no noroeste do Irã não só se recusou a retirar, mas revoltas lastreados que estabeleceram curta duração, regimes pró-soviéticos separatistas nas regiões do norte do Azerbaijão e do Curdistão. Estes foram terminou em 1946. A revolta Azerbaijão desmoronou após pressão dos EUA e da ONU forçou uma retirada soviética e as forças iranianas com a revolta curda.

Em 1951, o premiê Mohammed Mossadegh, um nacionalista militante, forçou o Parlamento a nacionalização da indústria do petróleo a propriedade britânica.

Mossadegh foi oposto pelo Xá e foi removido, mas rapidamente voltou ao poder. O Xá fugiu do Irã, mas voltou quando partidários deram um golpe contra Mossadegh em agosto de 1953. Mossadegh foi preso pela pró-armyforces Shah.

Em 1961, o Irã iniciou uma série de reformas econômicas, sociais e administrativas que ficou conhecido como Revolução Branca do Xá. O núcleo do programa foi a reforma agrária. Modernização e crescimento econômico a decorrer a um ritmo sem precedentes, alimentada por vastas reservas de petróleo do Irã, o terceiro maior do mundo.

Em 1978, tumulto doméstico varreu o país como resultado da oposição religiosa e política ao regime do Xá e programas - especialmente Savak, a segurança interna e odiado serviço de inteligência. Em janeiro de 1979, o Xá deixou o Irã, ele morreu no estrangeiro vários anos depois.

Em 1 de fevereiro de 1979, exilado líder religioso aiatolá Ruhollah Khomeini retornou da França para dirigir uma revolução resultando em uma república, nova teocrático guiado por princípios islâmicos. Voltar no Irã após 15 anos de exílio na Turquia, Iraque, e da França, tornou-se líder nacional do Irã religiosa.

Após a morte de Khomeini em 3 de junho de 1989, a Assembléia dos Especialistas - um corpo eleito de clérigos seniores - escolheu o atual presidente da república, Ali Khamenei, para ser seu sucessor como líder religioso nacional em que provou ser uma transição suave.

Em agosto de 1989, Ali Akbar Hashemi-Rafsanjani, o presidente da Assembleia Nacional, foi eleito presidente por uma maioria esmagadora. Ele foi reeleito 11 junho de 1993, com uma maioria mais modesto, de cerca de 63%, alguns observadores ocidentais atribuiu o número de eleitores reduzida para desencanto com a deterioração da economia.

Geografia

Irã, um país do Oriente Médio ao sul do Mar Cáspio e no norte do Golfo Pérsico, é de três vezes o tamanho do Arizona. Faz fronteira com o Iraque, Turquia, Azerbaijão, Turcomenistão, Armênia, Afeganistão e Paquistão.

As montanhas de Elburz na ascensão norte a 18.603 pés (5.670 m) no Monte Damavend. De noroeste a sudeste, o país é atravessado por um deserto 800 milhas (1.287 km) de comprimento.

Governo

O Irã tem sido uma teocracia islâmica desde a monarquia Pahlevi foi derrubado em 11 de fevereiro de 1979.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Irã

IRÃO, A ANTIGA PÉRSIA

Quando a princípios do século XX o petróleo surgiu pela primeira vez das entranhas da terra entre as montanhas do sul de Pérsia, este país se transformou profundamente. Pouco depois o velho império fundado por Ciro o Grande, no século III a. C. tomou o nome do Irão.

A sociedade Iraniana tem-se desenvolvido entre a herança de um passado milenar, onde vivia-se no rítmo do deserto e da oração, e uma atualidade vertiginosa.

O Irão moderno goza de uma grande variedade étnica cultural e religiosa. A etnia maioritária é de origem ário ("Iraniana" procede de "ário"), cuja religião é o Islão Chiíta.

A estabilidade política desta região é muito recente; as zonas fronteriças estão ocupadas por minorias separadas do resto do povo: baluches perto de Paquistão; árabes de religião muçulmana Sunnita e Kurdos perto do Iraque; na faixa turânica, quer dizer habitada por gentes de origem turca, vivem os azarbaijanes e os turcos, imigrados do Turkmenistão durante a Revolução soviética. A conservação das diferentes etnias tem-se visto favorecida pelas caraterísticas do território, montanhoso e desértico.

Duas minorias tem um peso econômico considerável: a dos armênios, e a pequena comunidade judia. Nos Zargos habitam os qashgai, luros, bajtiares e kurdos. São muito numerosos os grupos religiosos, sendo a povoação predominantemente muçulmanos chiítas. Também há sunnitas, cristãos, judeus, persas (religião de Zaratrusta) e nestorianos.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Banhado ao norte pelo Mar Cáspio e ao sul pelo Golfo Pérsico e o Mar de Omão, Irão encontra-se submerso na Ásia Ocidental, ocupando uma superfície de 1.648.195 km quadrados. Tem fronteiras ao oeste com Iraque, ao noroeste com Turquia, ao norte com as Repúblicas de Armênia, Azerbaijão e Turkmenistão e com o Mar Cáspio, ao leste com Afganistão, ao sudeste com Paquistão e ao sul com o Golfo Pérsico e o Mar de Omã.

O território está formado por um conjunto de elevados planaltos, abrigados por importantes cadeias montanhosas que alongam-se para o noroeste: os montes Zagros ao oeste e o Elburz ao norte.

A aridez dos planaltos limita-se as possibilidades agrícolas e por isso a povoação conserva tradições de caráter nômade. Abundam os lagos salgados como o Urnia e entre os rios mais importantes encontra-se o Karun, que é em parte navegável, o Sefid Rud, o Mand e o Karkeh.

As depressões desérticas chaman-se Kavir, a mais ampla é o Dasht-e-Kavir, ao nordeste do país, enquanto que Dasht-e-Lut, para o sudeste, é inóspito e estéril.

As terras baixas exteriores às cadeias montanhosas como Khuzestão, abrangem planícies aluviais fertilizadas pelas águas procedentes das montanhas, sendo mais ricas em água.

Irão conta com um bom número de ilhas no Golfo Pérsico. Entre as mais significativas encontra-se Minoo, Jark, Saad, Sheij, Kish, Farur, Siri, Abu Mussa, Hengam e Lavan. Os portos mais importantes, situados no Golfo Pérsico, são Abadan, Bandar-e Imam Jomeini, Mahshahr, Deilam, Genaveh, Busher, Bandar Lengeh e Bandar Abbas.

FLORA E FAUNA

Embora os grandes desertos que cobrem parte do território do país, os bosques ocupam perto de 11 por cento da superfície, somando a ampla vegetação que encontra-se nos grandes oásis.

A fauna e a flora variam consideravelmente, segundo a região e o clima: nos bosques do norte pode-se ver carvalhos, bordos, faias, freixos e buxos, enquanto que as montanhas estão cobertas de arbustos selvagens, como o tragacanto, goma, ruiva e anileira. Nas regiões temperadas, nas márgens do Kevir, encontram-se árvores de banana, pinheiro, olmeiro, cipreste e nogueira, entre outros.

Quanto à fauna, esta é muito variada: nas montanhas habitam tigres, lobos, ursos, cervos, queixadas, panteras, raposas, leopardos, chacais e lebres; os desertos acolhem diferentes tipos de serpentes, asnos selvagens e zebras sem raias (espécie endêmica do Irão), enquanto que nas ladeiras das montanhas pode-se ver gazelas, carneiros, bodes e ovelhas de monte. As planícies são propícias para a criação de ovelhas, bodes, vacas, mulas, asnos, cavalos, camelos e búfalos.

Quanto às aves, predominam os patos selvagens, gansos, cegonhas, gralhas, rolinhas, gorriones, nambús, faisões, pombas, urogalos, águias, falcões, gaviões, urubus e diversas espécies de aves marinhas.

O esturjão, que produz o melhor caviar do mundo, é o peixe mais significativo do país.

História

Pérsia ocupou sempre uma posição de encruzilhada. Por ser lugar obrigatório de passagem de todos os povos, que deslocavam-se, foi muitas vezes atacada. Sua história é por isso uma sucessão ininterrupta de invasões e sangrentas conquistas. Porém, cada ocupação aportou, com sua bagagem de destruições, novos elementos de civilização.

Uma cultura heteróclita, mas específicamente a Pérsia nasceu assim, dotada da capacidade de assimilar os invasores, que embora viessem da Grécia, Arábia, ou Ásia Central, sucumbiram à seus encantos, adotando seus costumes, forma de vida e língua.

Medos e Persas, pertencentes a tribos de raça aria procedentes do norte do Mar Cáspio, se estabeleceram em tempos pré-históricos na maior parte do território do atual Irão. Os medos fizeram-se no noroeste e os persas no sudoeste.

A primeira organização política que surgiu em território iraniano foi o Reinado de Elam (No atual Juzestão), com capital em Suasa, conquistada pelos assírios, em 645 a.C. Entretanto, medos e persas fundaram seus reinados, com capitais em Ecbatão e Persépole, respectivamente.

A nação persa entrou na história durante o reinado de Ciro, que depois de ter-se liberado da autoridade dos medos, no 550 a.C., fundou a dinastia dos aqueménidas e construiu um vasto império.

O Império Persa foi uma justaposição de povos diversos. Passou por muitas mãos entre elas as de Dario (I, II e III), Artajerjes (I e II) e Alexandro Magno, sofreu as Guerras Médicas, esteve de novo em diferentes mãos, selúcidas, partos, sasánidas, sustentava-se contra os romanos e os imperadores bizantinos, até que o território foi conquistado pelos árabes entre os anos 636 e 641, formando parte do Império Muçulmano.

Com isto tudo, o país não se arabizou e, à partir de 821, as dinastias locais, apoiadas pela aristocracia indígena, tomaram o poder. Foi conquistado no século X pelos turcos selúcidas, enquanto que no século XIII ficou devastado pela invasão dos mongóis de Gengis Jan, que assimilaram a cultura conquistada como tinha acontecido em parte com os árabes e turcos.

No século XIV os timuries de Tamerlão, invadiram o norte do império, o resto do território divide-se em diversos principados. No século XVI um chefe da tribo turca de Azerbaiyão funda a dinastia dos Safawies, que consolida a unidade do território e instaura o Islão Chiíta, como religião oficial. Porém, tudo isso sucumbe ante o domínio afganistão à princípios do século XVIII.

Nadir Sha, conquistador da Índia do noroeste estabelece uma ordem passageira, até que a dinastía Qayar, cujo chefe Aga Muhammad Jam, toma o título de Sha e inicia a dinastia que governará até 1925, tomando Teerã por capital.

O século XIX, agitado pelo movimento batista, afirmar-se cada vez mais a influência ocidental. Grã Bretanha e Rússia dividem Pérsia em duas zonas de influência.

Durante a primeira Guerra Mundial, embora que declarou-se neutra, Pérsia foi invadida por tropas turco-alemas e anglo-russas.

Em 1923, Reza Jan, convertido depois em Reza Pahlevi, fica dono do poder, dando começo a uma era de reformas. Durante a Segunda Guerra Mundial, declara sua neutralidade, mas forças anglo-russas ocupam o território militarmente, designando como novo Xá a Muhammad Reza Palehvi, filho do anterior.

A presença dos aliados favorece a difusão de ideias progressistas e a formação de novos partidos políticos. Terminada a guerra Rússia apoia a rebelião das povoações do Azerbaiyão iraniano, que tiveram como consequência, uma crise mundial até 1946, quando retiraram-se as tropas soviéticas.

Em 1951, subiu Mossadeg ao poder e decretou a nacionalização do petróleo. Não teve sucesso e seu poder caiu voltando às concessões petrolíferas. Em 1953, regresa o Xa e a política orienta-se de novo para as potências ocidentais.

Suprimem-se os partidos políticos e iniciam-se reformas, que incluim a concessão do voto às mulheres. Em 1969 começa a crise com Iraque. Em 1975 instaura-se o partido único e se consegue uma primeira reconciliação com Iraque.

Em 1979 uma Revolução de inspiração religiosa derrota o regime imperial para substitui-lo por uma República Islâmica. A oposição articula-se no movimento do Irão Livre, cujos efetivos encontravam-se no clero, a intelectualidade e os estudantes. Finalmente, em 1979 o movimento popular junto ao estudiantil dirigido primeiro desde Paris e, depois no interior pelo ayatolá Komeini, que regressou do exílio na França, derrota após lutas sangrentas o Xa, que teve que exilar-se, para depois morrer no Cairo, em 1980.

Desde a grande revolução islâmica de fevereiro de 1979, Irão é uma República Islâmica, declarada oficialmente em 1 de abril de 1979. O fundador da República e líder da revolução foi o Imam Komeini, que faleceu em junho de 1989. A Assembléia de Espertos escolheu o ayatolá Seyyed Ali Jamenei, como Líder da República Islâmica do Irão.

Na cúspide do sistema, situa-se o Líder, depois do Líder, a autoridade oficial suprema é o Presidente da República. É responsável pelo desenvolvimento da Constitução e preside o Poder Executivo. O Presidente é eleito por sufrágio universal, direto e secreto.

O Maylis (Parlamento) expressa a vontade popular, mediante seus 270 deputados, e é a principal instituição do estado para a tomada de decisões à nível nacional.

Nas últimas eleições presidenciais, de maio de 1997, com 90 % da participação cidadã, resultou eleito como Sr. Presidente da República Islâmica o Hoyatolislam Seyyed Mohammad Jatami.

De acordo com a lei, os partidos políticos no Irão são livres para participar em atividades políticas, sempre que acatem a Constitução. Existem, até o momento, uma dúzia de organizações políticas legalizadas.

Arte e Cultura

As primeiras produções artísticas da cultura remontam-se ao V milênio a.C. e consistem em figurinhas de barro e vasilhas de cerâmica feitas sem torno e decoradas com pinturas que imitam o trançado do vime.

O conhecimento da metalurgia dá lugar ao desenvolvimento de uma notável indústria do bronze. A arte do metal, assim como, o da cerâmica, desenvolvem-se notavelmente através das diferentes épocas.

A arquitetura e os baixo-relevos, especialmente os que sobrevivem em Persépole, Naqsh-e Rostam e Passárgada, demostram a grande habilidade dos antigos construtores. As edificações dos templos dos sasánidas distinguem-se por seus tetos abovedados, pelo uso de pedras e morteiros e por suas louças elaboradas em barro, prata e ouro. Com a aparecimento do Islão, extenderam-se consideravelmente as manifestações artísticas, como a literatura, a arquitetura, a cerâmica, os tecidos, a cristaleria, a pintura e a miniatura.

O artesanato iraniano goza de fama mundial, especialmente a fabricação de tapetes. O tapete iraniano é um símbolo da arte e indústria deste povo e suas orígens remontam-se aos inícios da cultura persa. A maestria na preparação de tecidos originou-se pela necessidade de manter aquecidas as casas na terras altas e poupar combustível.

Sua evolução enriqueceu tanto as cores e desenhos, que ninguém pode competir com eles. Esta maestria tem permanecido com a passagem dos séculos e hoje em dia os tapetes persas ornamentam os chãos de palácios, museus de prestígio, coleções particulares, etc.

Quanto à figuras literárias, Firdusi (o paradisíaco), que viveu no século X, está considerado como o criador da poesía épica da literatura neo-persa. Sua obra principal é o Shahname (Livro dos Reis), que relata em uns sessenta mil versos duplos, antigas lendas épica persas. Destacam, também, Jayyam, poeta filósofo, Hafiz, lírico e gnóstico e Sadi, poeta lírico. Já neste século distingue-se Hedayat, considerado o maior prosista persa contemporâneo.

Locais Turísticos

Para descobrir as belezas que Irão oferece ao visitante, temos dividido o país em 8 zonas. Começaremos nosso percurso pelo Norte do Irão, fazendo uma parada em Teerã. Continuaremos pelos pontos de turismo, da Costa do Mar Cáspio, para realizar, seguidamente, um salto para a Região de Azerbaiyão. Daqui viajaremos pela Região do Oeste e Noroeste do país. Faremos o Centro e Sul do Irão, para findar nosso percurso pelos Pontos de Turísticos no Golfo Pérsico e por suas Ilhas.

O NORTE DO IRÃO

A região do Teerã, que extende-se entre as márgems do Mar Cáspio e as ladeiras orientais dos Zagros, está formada por várias comarcas naturais: as estreitas planícies marginais de Mazandarão e de Gorgão, parte dos Alborz e o conjunto das terras altas, que situadas ao sul da cadeia, descem para a bacia desértica de Dasht-e-Kavir. As planícies costeiras tem um clima suave e recebem abundantes águas. Para o nordeste do Teerã encontra-se um lugar belíssimo, o Pico Damavand, com uma altura de 5.678 m. na cordilheira de Alborz.

TEERÃ

Teerã domina o país desde o pé dos montes Alborz, significa lugar quente e, em verdade trata-se de uma região, onde faz muito calor. Nos séculos XII e XIII foi um grande subúrbio de Rei, a antiga capital da Pérsia. A 6 quilômetros do Teerã pode-se visitar as ruinas desta mística cidade, destruida pelos mongóis, no ano 1220.

O desenvolvimento urbanístico do Teerã não se produziu até que Aga Muhammed, da Dinastia dos Qayar, a convertiu em capital da Pérsia devido a sua aproximidade com a região de Mazandarão, onde acampava sua tribo, durante o verão. Esta circunstância e sua favorável situação geográfica, nas rotas de comunicação entre o Mediterrâneo e o Oriente tem impulsionado seu crescimento demográfico, convertendo-a no centro econômico e cultural do país.

A cidade do Teerã divide-se urbanisticamente em quatro setores, cada um dos quais exerce funções diferentes: comerciais, administrativas, residênciais e indústriais. No centro fica o núcleo ou zona antiga, de aspecto oriental, como Palácio de Ark, o Bazar e diferentes edifícios religiosos; ao norte encontram-se os bairros administrativos, com edifícios públicos e bancos; a zona residêncial tem ido ganhando em troca, as ladeiras dos montes, de clima mais suave no verão; os bairros indústriais encontram-se no sul e oeste, tendo seu coração na estação ferroviária da que partem três linhas de ferro, entre elas a que vai ao Golfo Pérsico.

Entre os edifícios históricos mais admiráveis encontram-se a Escola Superior de Teología de Shahid Motahari, a Mesquita de Sepahsalar, construida nos finais do século XIX e um dos melhores exemplos da arquitetura persa, especialmente por seus mosaicos, os Palácios de Saad-Abad, um dos complexos culturais mais modernos do país e Niavaram Sahebgaranieh, com influências arquitetônicas européias e com preciosos jardins, a Mesquita Imam, podendo chegar -se desde o Bazar, o maior mercado do Irão, no coração da cidade e o Palácio Golestan, do século XVIII, onde foram coroados diversos reis e a Biblioteca Nacional.

Uma das construções mais emblemáticas do Teerã é o Monumento à Liberdade (Bory-e Azadi), uma impressionante construção em forma de "Y" virada que comemora o 2500 aniversário do Império Persa. No alto do edifício encontra-se o Museu Histórico do Irão, desde o que se obtém excelentes panoramas da capital.

Entre os museus destacam o de Reza Abbasi, que aloja rica coleção de pinturas, caligrafía e livros.

Divide-se em duas seções: Arte Pré-islâmica e Islâmica e a coleção abrange peças desde o 6000 a.C. até o século XX. O Museu de Tapetes oferece um esplêndido percurso da arte do tecido desde o 1700 até nossos dias. Um verdadeiro paraíso, para quem gosta de tapetes persas. O Museu das Artes Decorativas do Irão compreende quatro andares, que acolhem inumeráveis peças de mármore, têxteis, jóias espelhos, caixas, trabalhos em madeira, trabalhos em laca, em metal, assim como, diversa cerâmica.

Para os amantes dos cristais, vidro e cerâmica, nada melhor que ir ao Museu de Abguineh. Se dispõe de tempo, não deixe de chegar até o Museu da Arte Contemporânea, com uma excelente coleção de trabalhos de diferentes artistas deste século, e no Museu Arqueológico do Irão, talvez um dos museus mais distintos do país e, onde poderá admirar as peças que se eram da antiga Persépole e no Museu de Jóias.

Teerã conta com diversos parques onde pode-se descansar, desfrutando sossegadamente do ir e vir dos habitantes da capital. Os mais belos encontram-se ao norte da cidade e aconselhamos-lhe, ir para o Parque Yamshidieh, com mais de 15 mil árvores, ao Parque Melat, desenhado originariamente pelos britânicos, ao Parque Niavaran, um dos lugares mais pacíficos da cidade e o Parque Shatranj, onde pode-se ver numerosos capitalenses treinando xadrez.

GHOM

A 125 km. no sul da capital em rota para Isfahan, encontra-se Ghom, uma velha cidade com muita história. O Santuário de Astane, em homenagem a Fátima, a filha do sétimo Imam, possui uma formosa e impressionante cúpula de ouro. Embora a entrada esteja restrita aos não muçulmanos, pode-se contentar com um tentador olhar no seu impressionante umbral. As fotografías estão proibidas, onde o visitante terá que guardar na memória tão assombrosa visão.

As ruas da cidade de Ghom oferecem muita vida. Abundam as lojas do artesanato, especialmente em volta do Santuário.

SEMNAN

Lugar obrigatório de passagem, na antiga rota, entre Teerã e Mashhad, Semnam descansa a márgem norte de Dasht-é Kavir. Embora tenha sofrido múltiplas invasões, a cidade está bem conservada e exemplo disso é a Mesquita Yame, que conta com um impressionante portão do século XV, que rodeia o mihrab e a Mesquita Imã Jomeini (XVIII), um dos melhores exemplos da arquitetura daquele período.

Se dispor de tempo, aconselhamos ir ao povoado de Damghan, só para ver a mesquita mais antiga do país, Masyed-e Tarikhune, do ano 700 d.C.

A COSTA DO MAR CÁSPIO

Com uma longitude de uns 600 km, a costa norte do Irão, no Mar Cáspio, surpreende o turista com montanhas, cidades e pequenos povos cheios da veneranda hospitalidade de seus habitantes e de um atrativo cultural e visual sem igual. Márgems de areias finas, parques e bosques, rios grandes e pequenos fazem desta zona um lugar prazeroso e ideal.

Desde Astara no norte do litoral do Mar Cáspio, até Sari, no nordeste do país, se desprega uma série de cidades e centros turísticos, que convidam o visitante fazer um percurso típicamente de feriados.

PELO LITORAL

Entre os povos e lugares de interesse destaca Rasht, a cidade mais importante da costa e que oferece ao visitante uma pequena coleção de riquezas arqueológicas, especialmente no Museu Rasht. Desde aqui pode-se viajar a Masulé, 50 km. ao sudoeste, provavelmente o povo mais belo de toda a zona. Para o norte de Rasht encontra-se Bandar-e Anzalí, onde vale a pena passar um visto no porto, o principal nesta zona.

Continuando para o leste, desde Rasht, encontra-se Ramsar, um lugar tranquilo e ideal para o descanso. Depois aparecem os povoados de Chalus, popular por seus mercados e grande atividade e Noshahr, o segundo porto em importância do Irão no Mar Cáspio.

Continuando pelo litoral e sempre em direção leste, distingue-se Babolsar com suas lindas praias e Sari, com preciosos tesouros arquitetônicos, como o Mausoléu Emamzade Yahya do século XV, notável por suas portas de madeira, o Túmulo Bory-é Soltam Zein-ol-Abedin e o Mausoléu Emamzade Abbas.

Já no outro extremo (desde onde iniciamos) ressaltam Gorgan, onde poderá admirar a Mesquita Yame e a Túmulo Emamzade Nur e a pequena cidade de Gonbad-e-Kavus, célebre por acolher a Túmulo Gombad-e Kavus, do século XI.

O NOROESTE DO IRÃO, AZERBAIYÃO

A histórica terra de Azerbaiyão é um dos lugares mais antigos da civilização no planalto iraniano. O valor turístico da região, constitui a assombrosa paisagem de montanhas, especialmente as de Sabalam e Sahan.

ARDABIL

Ardabil encontra-se a70 km. das costas do Mar Cáspio e a 220 km. ao noreste do Tabriz. Distingue-se por seu belo Santuário Baghe Sheij Seifodin, em homenagem de um célebre líder sufi. Pelo demais a cidade não reveste maior interesse.

TABRIZ

Uma das cidades mais interessantes da zona é Tabriz, situada a 1.348 m. de altitude, num oásis dominado pelas ladeiras da montanha Sahand e a márgems do rio Talkeh, onde extende-se majestosa. Foi fundada provavelmente depois da conquista árabe e mais tarde fez-se capital do império mongol persa, que engrandeceu-a convertindo-a num grande centro cultural e artístico.

Sua decadência foi definitiva, após as invasões, após a diminuição do tráfego comercial com Rússia, pelo translado da capital do Teerã e após as sacudidas sísmicas que recebeu. A Mesquita Azul (1465) e a Cidadela (séculoXIV), junto com a Universidade e um Museu que, entre outras coisas, aloja magníficas cerâmicas das épocas salyughi e mongol, representam os lugares de maior interesse cultural.

A cidade conta com grandes e belos jardins e no centro, como não poderia deixar de ser, um ativo Bazar e a antiga Fortaleza acrescentam caráter urbano. Suas atividades indústriais centram-se no setor têxtil e no curtido de peles. Seu artesanato de tapetes têm notável importância.

ORUMIYEH

Situado ao oeste do lago de mesmo nome, Orumiyeh é uma povoação que conta com mais de 3.000 anos de existência. Para muitos, este é o lugar onde nasceu Zoroastro. Depois da conquista por parte dos árabes, foi conquistada pelos mongóis. Com o tempo foi recebendo importantes comunidades de cristãos. Nestes momentos constitui a região com mais cristãos, de todo o Irão (principalmente ortodoxos e católicos).

Entre seus lugares de interesse há que destacar seu animado Bazar Masyed-e Yame, que data do século XIII, o Túmulo Se Gombad, com formosas decorações, a Igreja de Santa Maria e o impressionante Templo de São Tadeu (Ghara Kelisa), chamado também a "Igreja preta".

Talvez seja a igreja mais interessante do Irão. Segundo a tradição a primeira construção foi edificada no ano 68 d.C. (nada indica que foi assim). Porém, foi reconstruida no século XIII. O mais destacável é o altar do século X e os elaborados trabalhos em pedra.

A REGIÃO DO OESTE

HAMADAN

Hamadan, tem um ilustre passado dada sua situação privilegiada (uma das mais altas do país), foi capital de numerosos povos. Como rezam os folhetos turísticos Hamadam é mais velha que a história mesma. É uma das cidades mais antigas, não só do Irão, mas do mundo. Possui uma importante indústria oleira e uma paisagem natural digna de ver-se.

Entre seus importantes monumentos encontra-se o Leão de Pedra, do século IV, o impressionante Túmulo de Avicena com sua estátua e uma biblioteca que contém uma série de manuscritos antigos, o Túmulo de Baba Taher, o célebre poeta místico, construido num formoso parque, o Túmulo de Esther e Mordecai, um dos lugares sagrados para os judeus, já que contém os restos da Esther, que aparece no Antigo Testamento.

O edifício está feito de tijolo e pedra e contém antigas caixas de madeira, e manuscritos do Velho Testamento. Destacam além, os diversos santuários, monumentos e mesquitas que conservam a cidade, como são Ganj Nameh, nos arredores, uma pedra que exibe duas inscrições que datam da época de Dario e do Rei Jashayarsha, a Cúpula de Alavid, o monumento islâmico mais importante de Hamadam e a Torre de Ghorban, construida com tijolos em forma cônica na parte superior.

Caverna de Alisadr

A cidade de Hamadam possui, um precioso mundo de grutas e cavernas. Uma das mais importantes e fascinantes é a Caverna de Alisadr, com estalagmites e estalactites que formam figuras caprichosas. No interior da caverna fluem diversas correntezas de água. Os turistas podem percorrer os amplos recintos, a ilha terceira e quarta, a grande estalactite e realizar um breve passeio de bote.

Outros Pontos de Interesse da Província de Hamadan

Outras cidades de certa importância da Província de Hamadam são Malayer, a 90 km. da capital e uma das cidades mais antigas da região, Nahavand (150 km. ao sul de Hamadan), um dos primeiros centros das tribos árias, Twiserkam (100 km. ao sul), com interessantes vestígios, Kabudarahang (50 km. ao norte de Hamadan), no centro de uma importante região agrícola e Assadabad, berço do líder militar Seyed Yamaleddin.

KERMANSHAH

Kermanshah é um lugar ideal para deter-se e desde ali visitar os numerosos lugares de interesse que possui a zona. A maioria da povoação é kurda, seu clima é moderado e no inverno mais bem frio. São interessantes os baixo-relevos de Bisotun, no antigo caminho entre Mesopotâmia e Pérsia, a 33 km. da cidade, Taq-é Bostan, chamado também Arco do Jardim, uma das inscripções mais antigas da época dos sasánidas e uma série de legados como a Tábua de Dario I, um interessante painel de pedra ao lado e a Escultura de Heracles.

Se dispor de tempo aconselhamos-lhe, ir nas ruinas do Templo de Anahita, no povoado de Kangavar, a 90 km. ao leste de Kermanshah.

SANANDAJ

Sanandaj foi a antiga capital do Kurdistão. Não possui grandes jóias arquitetônicas, mas bem vale a pena uma visita, sobre tudo, para desfrutar da amabilidade e hospitalidade do povo kurdo. A cidade conta com um modesto Museu da Cidade e com a Mesquita Yame, do século XIX e com belos mosaicos.

AHVAZ

Ahvaz encontra-se no sul de Hamadam e Arak, em direção ao Golfo Pérsico. Pode-se chegar a ela desde Teerã pela estrada que vai Ghom. Desde ali debe tomar direção Arak para passar depois por Jorram Abad e continuar para o sul.

Em si, Ahavz não possui grandes atrativos, mas constitui o melhor ponto de partida para visitar os Restos Arqueológicos de Suasa, que tem suas orígens no século IV antes de Cristo e que possui uma conservada Acrópolis e os Restos Arqueológicos de Choqazambil, onde encontra-se o melhor exemplo dos templos piramidais chamados "ziggurat", próprios dos grupos elemitas.

Restos Arqueológicos de Choqazambil

No centro da abraçadora planície de Juzestão encontra-se Choqazambíl, perto da velha cidade de Suasa. Só pode chegar a este lugar por meio de um tortuoso caminho de terra. Declarada patrimônio mundial pela Unesco tem sido respeitada pela guerra entre Irão e Iraque, razão pela que está cheia de postos de controle.

As fotografías estão proibidas, embora semelhante grandeza é patrimônio absoluto dos olhos. O Ziggurat de Choqazambíl é impressionante. Alcança-se como uma montanha em forma de pirâmide e que originalmente ascendia a 50 m. e tinha 5 níveis concêntricos, porém, os três andares, que ficam parecem conservados por arte da magia. Choqazambíl, o que fica do reinado elamita, foi fundada com objetivo cerimonial por Dur Untash no século XIII a. C., e cada tijolo do povoado leva escrito seu nome em forma de a.

A REGIÃO DO NORDESTE

MASHHAD

A cidade santa de Mashhad localiza-se numa vasta planície da fértil Província de Jorasão. É uma cidade mística de peregrinos e sua importância tem como orígem um acontecimento histórico o martírio do Imam Reza, oitavo Imã dos Chiítas do mundo, acontecido no ano 817, no povo de Sanabad, hoje Mashhad.

Na época dos Tymorides o Mausoléu Haram-e Motahhar-e Imã Reza foi de grande importância e alguns edifícios foram acrescentados à construção principal, adornada por uma capela de ouro e dois minaretes que completam sua beleza. Todo a frente e algumas cúpulas estão decoradas com o belo mosaico de cor azul. Não visitar Mashhad, se viajar ao Irão, é como viajar ao México e não visitar Teotihuação.

Cerca do Mausoléu encontra-se a famosa Mesquita de Gohar Shad, com uma impressionante cúpula de cor azul de mais de 50 metros de altura, do século XV.

Outros lugares de interesse são o Túmulo de Nader, de estilo italiano, o Museu Moghaddas, com peças únicas, o Museu Ghods-e Raçavi, com a exibição maior do Alcorão, o Mausoléu Gombad-e Sabz, chamado também o "Dono Verde" e o Santuário Baghe Jaye Rabi, uma formosa construção do século XI. Não deixe de realizar deliciosos passeios pelo grande e tradicional Bazar-e Reza.

A Mashhad pode-chega-ser de avião, trem e carro, pelo caminho que conduz desde Teerã para Semnan, bordeando a região desértica de Dasht-e Kavir ou, então, desde Teerã, mas pelo caminho que bordea o litoral do Mar Cáspio.

CENTRO E SUL DO IRÃO

ISFAHAN

Isfahan, a pérola arquitetônica do Irão, a cidade do místico Sha Abbas, é o lugar com mais afluência turística do país e uma das cidades mais bonitas do Oriente Médio. A Praça de Naqsh-e Shah é uma maravilha já que trata-se de um enorme pátio real situado ao redor de um campo de polo do que só ficam as colunas de pedra das portarias.

Em volta tem galerias de dois andares com colunas para os espectadores das procissões reais, das exibições e os encontros de polo (os mais populares). A Mesquita do Imã goza de um celestial portal com complicados nichos em forma de estalactites.

O edifício inteiro está decorado com jogos de baldosas de cores indescifráveis e indescritíveis. Outra das construções emblemáticas é a Mesquita de Sheij Lotfollah, que distingue-se por não ter minaretes.

Um dos prazeres quase obrigatórios em qualquer visita à cidade de Isfaham é perder-se por suas ruas labirínticas. Todas as especiarias do Oriente, desde o açafrão à menta e do cardamono ao cominho, assaltam o olfato do visitante, cheiros que misturam-se com os sons dos trabalhos provenientes do Bazar e que advertem de uma atividade paciente e harmoniosa. O mercado de Isfaham é um dos mais belos e tradicionais do país, o melhor lugar para fazer as compras, graças a sua rica variedade do artesanato.

A rua principal da cidade chama-se Chahár Bagh e significa "Quatro Jardins", certamente, honra seu nome. Nesta mesma rua localiza-se a Madrasa Chahar Bagh, que funciona desde princípios do século XVIII. Por outro lado, Isfaham tem fama também por suas Pontes, destacando o Sio Se Pol (com 33 arcos) com um salão de chá no mais profundo de suas entranhas, sobre o rio Zayandé Rud. O bairro cristão de Yolfá é um subúrbio da cidade, onde assentaram-se os armênios convidados pelo Xa Abbas e, que conta com nada menos que 12 igrejas e a Catedral, todas elas do século XVII.

SHIRAZ

Shiraz (para o sul de Isfahan, em direção Bandar-e Busherr), é a capital da Província de Fars. É uma histórica e muito bela cidade, berço dos famosos poetas persas Hafez e Saadi. Os túmulos destes poetas, rodeados de formosos jardins, são visitados diariamente pelos amantes da literatura. A fama da cidade extendeu-se por todo o mundo islâmico medieval, graças aos versos de seus poemas.

No fértil vale muitas tribos nômades vivem ainda na região, no fértil vale de Shiraz onde abundam os vinhedos, e os tapetes multicoloridos que tecem, enfeitam os postos do Bazar mais elegante do Irão, Bazar-é Vakíl, que por suas bóvedas lembra mais uma catedral. O Santuário do Sha Cheragh é digno de admiração com sua formosa cúpula e por ser lugar de peregrinação de chiítas e o Santuário de Imamzadeh Hamzeh, com um precioso e único pátio.

A avenida central da cidade está bordeada por uma majestosa calçada de bananas, e uma enorme cidadela de tijolos, permanece como o eixo central da cidade.

Existe um lugar especial que recomendamos ao visitante, o Salão do Xa do jardim coligado ao Mausoléu de Hafez com seus almofadões nos cantos das paredes, lagos transparentes e uma bóveda de ciprestes, que provoca uma visão persa do paraíso.

Outras visitas que não deve perder são a Mesquita de Yame Atigh, a construção mais antiga da cidade do século IX, a Mesquita de Nassirolmolk, com pinturas ornamentais numa cúpula formada por figuras geométricas, o Portal da Mesquita de Narenyestam e o Portão da Mesquita de Vakil, um dos mais elaborados e complicados, da cidade.

PERSÉPOLE (TAJTEDYAMSHID)

Fundada há mais de 2.500 anos por Dario o Grande, e capital de um império que extendia-se desde a Índia ao Mar Egeu e desde Egito ao Mar preto, Perséopolis constitui um ponto culminante na arquitetura Iraniana.

As ruinas encontram-se ao pé de uma colina onde salientam umas colossais colunas de mármore temperadas pelo tempo e coroadas por capitais de cabeça de touro, além de umas escalinatas de pedra arenosa.

Em seus dias, tinha tetos de cedro libanês sobre as paredes de adobe, portas cobertas de ouro e em volta da cidade, um muro de 18 metros. Persépole foi concebida como uma vitrina do esplendor imperial mais do que como sede de governo. Foi o cenário de Noruz que marcava a chegada da primaveira atraindo milhares de visitantes, que montavam ali suas lojas e que deixaram nos gastados baixo-relevos de pedra, a mostra de compridas procissões de gente levando tributos ao imperador.

Alexandre Magno incendiou e saqueou Persépole, deixando-a misteriosa e dormida para a contemplação do viajante de tempos futuros. As ruinas de Persépole podem ser visitada num dia, partindo desde Shiraz. Desde esta mística cidade pode-se visitar outras ruinas como as de Nagsh-e Rostam e Passárgada.

YAZD

Yazd localiza-se ao sul do Teerã, em direção Kermam - Bandar-e Abbas. Trata-se de uma das cidades mais antigas do Irão e um vivo exemplo da típica cidade do deserto. Yazd possui uma animada atividade social e é conhecida por seu artesanato, embora o desenvolvimento da indústria mecanizada nas últimas décadas.

Sua arquitetura, de uma grande criatividade, está determinada pelas condições climáticas adversas do deserto, ventos e temperaturas extremas. Talvez o lugar mais interessante seja a Mesquita de Yomeh, uma construção do século XIII muito bem conservada.

Distingue-se por seu impressionante portão com dois altos minaretes finamente decorados com mosaicos. Porém, Yazd possui outros pontos muito interessantes como são a Mesquita de Amir Chajmagh, a Escola Teológica Zendan-e Eskandar ou a Maghbare-ye Davazdah Emam, Túmulo dos 12 Imãos do século XI.

Yazd é também um importante centro para os iranianos zoroastras, que têm habitado esta cidade, durante muitos séculos. As povoaçãoes de Meybod, Taft, Bafgh, Ardekam e Mehrz, nesta província, têm alguns monumentos muito atrativos para ver e desfrutar.

KERMAN

Kermam é uma cidade com uma comprida e turbulenta história. Encontra-se às márgems do deserto, quer dizer, na fronteira da região chamada Kavir-e Lut. Graças à altitude, as temperaturas no verão são mais suaves que em outros lugares do país.

Em Kerman o turista pode desfrutar do belo e variado artesanato da zona, especialmente no Bazar-é Vakíl, um dos mais antigos do Irão. Outros lugares de obrigatória visita são o Museu Mardom Shenasi-ye Ganj´ali, alojado num histórica casa de banhos, Hammam-e Ebrahim Jan, outro tradicional e frequentado lugar para tomar um banho típico, a Mesquita Yame, do século XIII com uma bela torre e a Mesquita Eman, provida de um particular mirhab e dos restos de um antigo minarete.

Para o leste da cidade, concretamente em Shohada, encontra-se o lugar conhecido como Gombad-é Jabaliye, cujas orígens desconhecem-se. É notável pelo tipo de construção em pedra, diferente ao habitual tijolo e o que é verdade é que o lugar foi um centro de reunião dos zoroastras.

BAM

Bam encontra-se nas proximidades de Kerman, a 200 km. ao sudeste, no meio de um oásis de clima tropical, de campos de cítricos e palmeiras datileiras. A cidade não apresenta grande importância, mas conforme a gente avança, emergem, no meio do oásis, as impressionantes ruinas bem conservadas da antiga Argue Bam.

Rodeada de uma muralha, a lendária cidade conserva-se quase intacta, constituindo um dos melhores exemplos "vivos" do desenho urbanístico e das relações sociais de outros tempos. Foi construida na base de uma suave colina e ainda pode-se ver perfeitamente as sinuosas ruas do bazar, os muros da mesquita, as zonas residênciais e os bairros populares. O único que precisa Argue Bam são os tetos de suas construções.

LOCAIS TURÍSTICOS NO GOLFO PÉRSICO

BANDAR-E BUSHEHR

Bander-e Bushehr, para o sul da cidade de Shiraz, é um porto comercial e naval de considerável importância. Nela pode-se admirar a Antiga Cidade, que conta com uma interessante arquitetura de estilo Bandari (que carateriza-se por seus finos acabados) e o chamado Shahrdari, sede da Prefeitura, também do mesmo estilo.

BANDAR-E LENGE

Bandar-é Lengé, um pequeno povoado pesqueiro ideal para navegar, localiza-se para o sul de Bandar-e Bushehr. Não possui hotéis, mas encontra-se muito perto de Bandar-e Kong, desde onde partem os trens para a pequena Ilha de Kish.

BANDAR-E ABBAS

Bandar-é Abbas é um dos portos mais ativos do Irão. Está situado a márgem do Golfo Pérsico ao sul da cidade de Kerman, depois de passar pelo povoado de Hayi Abad, no estreito de Hormoz. Foi fundado no século XVII por Sha Abbas e sem dúvida, é um dos lugares de praia mais animados do Irão. Por outro lado, é um imenssorável ponto de partida para visitar algumas ilhas do Irão, localizadas no Golfo Pérsico. As possibilidades de entretenimento são infinitas.

CHABAHAR

Mais para o sul de Kermam e Bam, e depois de deixar os povoados do Irãoshar e Nikshahr, localiza-se Chabahar, uma pequena povoação de pescadores a márgem leste da costa do Golfo Pérsico iraniano. A região é conhecida pela aspereza do clima (recomenda-se ir no inverno) e por suas pobres comunicações, o que converte-a num lugar de paz e tranquilidade sem igual.

AS ILHAS DO GOLFO PÉRSICO

Dezesseis das ilhas que encontram-se no Golfo Pérsico pertecem ao Irão, das quais once estão habitadas. As mais interessantes são as ilhas de Hormoz, Gheshm, Jark e Kish. Aconselha-se visitá-las no inverno, pois o calor e a umidade são incômodos durante o resto do ano. Podendo-se chegar até elas, através de trens ou voando às ilhas de Kish ou Jark.

Compras

O artesanato iraniano é muito variado. Estamos convencidos que perderá a cabeça quando descubrir, nos inumeráveis bazares, toda a riqueza de peças e artesanato que oferece Irão. A lista pode ser interminável. Além dos famosos tapetes persas e o caviar, aconselhamos-lhe à levar algumas peças de olaria, cerâmica, esmalte, miniatura, mosaicos de madeira, vidraçarias, relevos, artesanatos de esteira, de marfim, de prata e de pedras preciosas.

Se ainda dispõe de espaço, tempo e dinheiro, adquira miniaturas de bronze, trabalhos em cobre, objetos de marquetaria (caixas, quadros), telas estampadas, joalheria em prata e ouro, espadas, dagas, cachimbos de água, artigos de couro e ante (especialmente casacos), garrafas de vidros coloridos, roupas de lã e seda, livros da arte, selos, conjuntos de chá, frutos secos, como pistaches, amendôas, nozes ou passas e especiarias como o açafrão.

A IHO (Organização Iraniana dos Artesãos) conta com três grandes armazéns em Teerã (Neyatollahi, Vali-ye Asr e Hotel Bozorg-é Azadi) e outro em Kerman. Exceto nestes estabelecimentos, a norma é pechinchar.

População e Costumes

O Irão atual já não é a Pérsia da antigüidade. O feito de chamar-se Irão não somente obedece ao desejo dos persas de reconhecer sua orígem indo-européia, mas também ao incluir sob uma denominação só todos os povos que compõe, continuando as bases de uma civilização "universal" sobre aquelas montanhas e planaltos, onde se assentaram os antigos dominadores aqueménidas.

A história deste país tem influenciado notavelmente seus habitantes. Seu particular caráter é fruto de uma mistura de civilizações, sua grande espiritualidade, sua vivacidade intelectual, seu misticismo, a poesia, a imaginação e as atitudes particulares deste povo são o resultado de uma rica herança cultural.

A vida nas cidades desenvolve-se no meio do caminho entre a modernidade e as tradições. Frente cidades como Teerã, que representam o Irão de hoje, encontram-se povos remotos ligados aos "qanat", escavações sob terra que suministram água.

Os povos, onde o trabalho diário é muito duro, vestem de festa durante as celebrações religiosas e com ocasião dos rituais matrimoniais muçulmanos. Também surgem cidades em meio dos oásis, como aneladas ilhas entre os desertos, as estepes e as desoladas montanhas.

Irão conserva um folclore muito rico, graças à presença de diversos grupos étnicos nômades, que têm vivido até hoje em dia em condições de total autonomia e independência: Kurdos e Loríes no oeste, Baluches no leste e sudeste, Turcos no nordeste, Bajtiares, que acampam nas montanhas entre Isfahão e Juzestão ou os Qashqai, no Fars, ao sul do país. Cada etnia tem seu "jan" (chefe), e sua autoridade religiosa, o "mulla", cujo âmbito abarca inclusive as questões jurídicas. No sul pode-se ver o típico castelo de um jam e em volta as lojas pretas dos súditos, num espaço salpicado de bodes, bois e camelos. A loja preta é essencial para a vida dos nômades. Durante o dia pode-se ver os tapetes pindurados na parede que serão extendidos para dormir durante a noite.

Na atualidade Irão conta com uma povoação aproximada de 60 milhões de habitantes os quais 58 % vive nas cidades e o resto em pequenas aldeias.

GASTRONOMIA

A gastronomia do Irão é singelamente deliciosa. Não deve-se esquecer que os persas tem aportado um bom número de pratos à gastronomia mundial. Nas cidades e pequenas povoações pode-se comer em restaurantes caraterísticos e aconselhamos-lhe que visite as típicas casas de chá e os restaurantes tradicionais, onde além de degustar excelentes pratos, poderá desfrutar da música nativa e de diferentes atuações folclóricas. Também encontrará, especialmente nas grandes cidades, restaurantes que servem pratos ao estilo ocidental.

O desjejum serve-se entre 7:00 h. e 9:30 h. O almoço à partir das 12:00 h. até as 14:00 h, enquanto que o jantar serve-se entre 18:00 e 21:00 horas. Inclusive algumas comilanças começam cedo e terminam o mais tarde às 23:00 h. Porém, os restaurantes dos principais hotéis contam com horários mais flexíveis.

Entradas

O iogurte, produto onipresente em todos as casas persas, consome-se só ou acompanhado com pepinos ou com musir (alhos tenros), mas nunca com açúcar. O iogurte líquido com hortelã, menta ou espinafre, cuja denominação original é "DUGH", é simplesmente delicioso.

Outros produtos lácteos como o queijo e a nata servem-se no desjejum, acompanhados do pão persa: sansag, taftun, barbari, lavash, pita, etc. O pão, o queijo e sabzi (verduras frescas) constituem um bom tira gosto entre as comidas.

Pratos Principais

Os pratos persas tem sua base nas verduras, as legumes, a carne e o arroz, oferecendo uma variedade extensa de comidas para todo tipo de gosto. Porém, o prato nacional iraniano por excelência é o Chelo Kabab. Seus ingredientes, arroz fino e comprido com carne magra de primeira qualidade, são processados cuidadosamente.

O arroz, cozido e seco ao vapor, serve-se numa bandeija preferencialmente de porcelana e decora-se com açafrão, enquanto que a carne, em tiras compridas, prepara-se em forma de brochetas ao carvão. Este prato vai acompanhado de manteiga, uma gema de ovo e de sumac (baias selvágens). O arroz também serve-se acompanhado de frango, peixe branco, verduras, frutos secos e um monte de molhos ("Joresth").

Os molhos mais importantes são:

Ghorme Sabzi, carne, verduras, feijão e especiarias

Gheime, carne de cordeiro, lentilhas em pure, batatas-doces, tomate e especiarias

Joresht Lubia, carne, feijão da vagem, verduras, tomate e especiarias

Joresht Fesenyon, vaca, cordeiro ou frango, nozes moidas, xarope de romã e especiarias

Recomendamos-lhe que experimente o Yuye Kabab, deliciosas brochetas de frango à barbacoa.

Confeitarias

Além dos pratos principais, existe uma extensa variedade de sobremesas, doces e agridoces, assim como, muitos tipos de produtos da confeitaria oriental. Recomendamos especialmente o Falude e os sucos naturais de frutas como melão, melancia, romã, amoras, etc.

Frutas

Abundantes no país, consomem-se com muita frequência. Melões, damascos e maçãs costumam ser consumidos em grandes quantidades em todas as comidas.

Não esqueça de esperimentar as deliciosas uvas (angur) das que existem até setenta variedades diferentes.

Bebidas

Entre as bebidas mais típicas destaca o chayo, chá que nunca mistura-se com leite e que serve-se em todos os lugares como um gesto de hospitalidade (pode-se acrescentar açúcar). Encontrará, também, sucos de frutas, bebidas refrescantes engarrafadas, cerveja iraniana (mao-shair) e água mineral. É importante dizer que a água do Teerã é uma das melhores do país.

ENTRETENIMENTO

Uns dos incentivos de viajar ao Irão inclui o valor espiritual deste país de velha história. A hospitalidade de suas gente permite ao viajante observar uma cultura diferente amavelmente, aprendendo mais sobre a humanidade e sobre os mesmos.

As visitas as mesquitas, santuários e ruinas, ligam-nos com um maravilhoso passado. Esta viagem espiritual inclui também um universo natural de paisagens únicas e de aventura, de desertos, montanhas e praias.

Para quem gosta das atividades aquáticas, Irão oferece inumeráveis lugares onde pode-se praticar a navegação e o esqui aquático, especialmente em Amir Kabir Dam e ao longo das costas do Golfo Pérsico e o Mar Cáspio.

Para os amantes dos esportes da montanha, como sendeirismo, ascensões, escalada ou esqui, Irão oferece belos locais. Para o norte do Teerã encontram-se os complexos de Shemshak e Shahrestanak, com diferentes pistas a altitudes de 2.500 à 3.000 metros. Para os escaladores recomenda-se viajar o norte do Teerã, onde encontra-se o monte Towchal (3.975 m.).

Os mais experientes deverão recorrer à montanha Damavand, com uma altitude superior aos 5.000 metros. Entre as paragens de montanha mais recomendadas para realizar caminhadas (no que requer certa experiência) encontram-se as montanhas Alborz, as montanhas Hamadam e as Azerbaiyão, que escondem belas paiságens de lagos e crateras.

Se o seu é observar mais que praticar, não deixe de ir numa partida de Polo ou uma corrida de cavalos. Se preferir, pode recorrer a alguma das piscinas públicas ou então, descansar nas belas praias da costa do Mar Cáspio.

Quanto à vida noturna, é difícil encontrar clubes noturnos, bares ou discotecas em algumas cidades, mas é incrivel o que pode-se conseguir portas adentro, com um pouco de improvisação e engenho. Os iranianos organizam suas festas em casa e o estrangeiro pode gozar da hospitalidade destas pessoas.

FESTIVIDADES

Irão conta seus dias em três calendários diferentes. O primeiro é o calendário persa, calendário solar de orígem zoroástrica, que conta com 365 dias, divididos em 12 meses, de 31 dias os 6 primeiros, de 30 os 5 seguintes e de 30 e 29 o último mês se é bissesto. O segundo é o calendário lunar, em vigor em todos os países muçulmanos e que regem as festas religiosas.

O ano divide-se também em 12 meses, mas conta com 354 dias, pelo que a diferença entre ambos calendários incrementa-se constantemente (agora a diferença é de uns 40 anos, embora comecem no ano da Hégira).

Existe um dia de diferença entre Irão e o resto dos países árabes neste calendário, porque a visibilidade da lua no Irão é possível um dia mais tarde, no entanto as festas religiosas começam um dia depois em relação ao resto dos países muçulmanos. O terceiro calendário é o calendário gregoriano, igual que ocidente. As datas dos três calendários aparecem sempre nos diários.

Os dias festivos religiosos regem-se segundo o calendário lunar muçulmano, por tanto variam cada ano. As festas nacionais dependem do calendário solar persa e são datas fixas em relação ao calendário gregoriano. Como em todos os países muçulmanos o dia de descanso semanal é a sexta-feira.

As festas mais importantes são: Ramadan, mês de jejum para os muçulmanos; Eid e Fetr, que festeja o fim do Ramadan; Moharram, comemoração do aniversário do martírio do terceiro Imã, Hossein (mês de luto); 9 de Setembro, Aniversário do Nascimento do Profeta Maomé; 11 de fevereiro, Comemoração da Vitória da Revolução Islâmica e Aniversário da tomada de poder pelo Imã Komeini, em 1979, e a derrota da monarquia persa; 21 a 24 de março (Noruz), celebra-se o Ano Novo Iraniano, costuma durar duas semanas para os estudantes e 5 dias para as instituções públicas; 1 de abril, Dia da República Islâmica e que marca o final das festas do Noruz e 4 de Junho, Aniversário da Morte do Imã Komeini, em 1989.

Transportes

Avião

As linhas aéreas Irão Air e Irão Asseman, tem vôos diários entre Teerã e as cidades mais importantes do país. Existem programas de vôos que facilitam aos passageiros a volta no mesmo dia. O vôo direto da companhia aérea Irão Air, desde Madrid, tem uma duração aproximada de 8 horas e meia com escala, em Atenas. Nos aeroportos há um controle exaustivo da bagagem faturada, de mão e revisão pessoal. Irão Air conta com numerosos vôos entre diversas cidades.

Utilizar o avião oferece aos turistas a possibilidade de chegar rapidamente aos distantes cantos do país. Dadas as importantes distâncias entre os pontos turísticos, o avião é o meio de transporte mais recomendado. É conveniente reconfirmar com antecipação os vôos que estejam à realizar-se.

Trem

O trem no Irão está quase recém estabelecido já que começou funcionar em 1938 (à exceção dos 17 km. da linha férrea entre Teerã e Ray, construida em 1886). F.C. do Irão conta com 5.802 km. de estradas de ferro e as principais linhas vaõ do Teerã a Gorgan, Yolfa, Razi, Mashhad, Kerman, Bandar-e Imam Komeini e Jorramshahr.

Existem dois tipos de classe: primeira e segunda, em compartimentos de quatro e seis passageiros respetivamente. Os assentos convertem-se em belinches durante as viagens na noite. Se pensa utilizar este meio de transporte é aconselhável adquirir as passagens com antecipação e enterar-se da hora de saída. Se dispõe de tempo convidamos-lhe que realize o trajeto entre Teerã e Mashhad, que discorre por belas e variadas paiságens.

Ônibus

Existem numerosas cooperativas de ônibus que ligam as principais cidades do país.

Há duas classes: luxo e super. As unidades são novas e confortáveis, providas de ar condicionado, e sugerimos viajar em classe super (com seus três assentos por fila).

Algumas cidades contam com mais de uma estação de ônibus, pelo que é recomendável informar-se previamente do lugar onde partem os ônibus, de acordo com nosso destino final.

Teerã conta com três estações de ônibus: terminal e-gharb (Estação Oeste), próxima ao aeroporto, desde onde partem os ônibus que vão Tabriz, Ramsar e Chalus; terminal e-yonub (Estação do Sul), perto da estação do trem, para os destinos de Isfahan, Kerman, Zahedan, Yazd, Shiraz e Ghom e a terminal e-shargh (Estação do Leste), para Babdsar, Gorgam e Sari.

Carro

As estradas entre as grandes cidades estão muito bem pavimentadas. Existem alguns treichos de autovia pelas que se circula bastante bem. Não há que esquecer que Irão conta com as melhores estradas do Oriente Médio. A velocidade máxima é de 110 km/h em autovias, 80 km nas estradas, durante o dia e 70 km durante a noite.

Nas zonas urbanas é de 50 km/h. Se pensa realizar alguma travessia pelo deserto é conveniente informar-se sobre as estações de serviço de gasolina que encontrará ao longo do caminho. A gasolina é muito barata. No Irão dirige-se pela direita. Nas principais cidades do Irão encontrará escritórios de aluguel de veículos.

Transporte Público e Taxis

Nas principais cidades existe sistema de ônibus públicos que chegam a todos os cantos. Porém recomendamos utilizar o serviço de taxi que é muito econômico.

Estes reconhecem-se pela cor laranja (taxis compartidos) e os da cor azul funcionam como taxis normais. Existe um bom número de tele-taxis.

Fonte: www.rumbo.com.br

Irã

Nome oficial: República Islâmica do Irã (Jomhuri-ye Eslami-ye Iran).
Nacionalidade: iraniana.
Data nacional: 11 de fevereiro (Dia da Pátria).
Capital: Teerã.

Cidades principais: Teerã (6.758.845), Mashhad (1.887.405), Esfahan (1.266.072), Tabriz (1.191.043), Shiraz (1.053.025) (1996).

Idioma: persa (oficial), turco, curdo, árabe.

Religião: islamismo 99,1% (xiitas 93,4%, sunitas 5,7%), bahaísmo 0,6%, cristianismo 0,1%, zoroastrismo 0,1%, judaísmo 0,1% (1991).

GEOGRAFIA

Localização: sudoeste da Ásia. 
Hora local: +6h30. 
Área: 1.648.196 km2. 
Clima: árido subtropical (maior parte) e subtropical de altitude (Zagros). 
Área de floresta: 15 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 67,7 milhões (2000), sendo iranianos 66%, azeris 20%, curdos 5%, árabes 4%, lures 1%, outros 4% (1996). 
Densidade: 41,08 hab./km2. 
População urbana: 61% (1998). 
População rural: 39% (1998).
Crescimento demográfico: 1,7% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 2,8 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 68,5/70 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 35 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 23,1% (2000). 
IDH (0-1): 0,709 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista. 
Divisão administrativa: 28 províncias. 
Principais partidos: embora a Constituição permita sua formação, nenhum foi reconhecido desde a dissolução do Partido Islâmico Republicano (oficial), em 1987. 
Legislativo: unicameral - Assembléia Consultiva Islâmica, com 290 membros eleitos por voto direto para mandato de 4 anos. 
Constituição em vigor: 1979.

ECONOMIA

Moeda: rial iraniano. 
PIB: US$ 113,1 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 25% (1998). 
PIB indústria: 37% (1998). 
PIB serviços: 38% (1998). 
Crescimento do PIB: 3,6% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 1.650 (1998). 
Força de trabalho: 19 milhões (1998). 
Agricultura: trigo, cevada, beterraba, frutas, pistache, nozes, tâmara, cana-de-açúcar. 
Pecuária: ovinos, caprinos, aves. 
Pesca: 380,2 mil t (1997). 
Mineração: petróleo, gás natural, minério de cobre, zinco, minério de ferro. 
Indústria: extração e refino de petróleo, têxtil, alimentícia, equipamentos de transporte. 
Exportações: US$ 12,6 bilhões (1998). 
Importações: US$ 12,9 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido, Coréia do Sul, Grécia.

DEFESA

Efetivo total: 540 mil (1998). 
Gastos: US$ 5,6 bilhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Irã

O Irã é um país da Ásia Central.

A capital é Teerã [Teheran].

A religião oficial é o Islã (Xiita).

As línguas principais são o Persa, línguas Turcas e Curdas.

Conhecido como a Pérsia até 1935, o Irã tornou-se uma república Islâmica em 1979, após a monarquia governante ser derrubada e o Xá Mohammad Reza Pahlavi ser forçado ao exílio. Forças conservadoras clericais estabeleceram um sistema teocrático de governo com a autoridade política final atribuída a um erudito religioso referido geralmente como o Líder Supremo, que, segundo a Constituição, responde somente para a Assembleia de Peritos - um órgão de clérigos de 86-membros eleitos popularmente.

As relações EUA-Irã têm sido tensas desde que um grupo de estudantes Iranianos ocupou a embaixada dos Estados Unidos em Teerã em 4 de Novembro de 1979, e a manteve até 20 de Janeiro de 1981. Durante 1980-88, o Irã travou uma guerra sangrenta e indecisiva com o Iraque que eventualmente expandiu-se para o Golfo Pérsico e levou a confrontos entre a Marinha dos Estados Unidos e forças militares Iranianas, entre 1987 e 1988.

O Irã tem sido designado um estado patrocinador do terrorismo por suas atividades no Líbano e no resto do mundo e continua sujeito às sanções economicas dos Estados Unidos, ONU, e União Européia e controles de exportação por causa de seu envolvimento com o terrorismo e suas ambições nucleares.

Após a eleição do reformador Hojjat ol-Eslam Mohammad Khatami como presidente em 1997 e um Majles (Legislativo) reformista em 2000, uma campanha para promover a reforma política em resposta à insatisfação popular foi iniciada.

O movimento fracassou quando políticos conservadores, através do controle de instituições não-eleitas, impediram as medidas reformistas de serem promulgadas e aumentaram as medidas repressivas. Começando com as eleições municipais gerais em 2003 e continuando através das eleições parlamentares em 2004, os conservadores restabeleceram o controle sobre as instituições do governo eleito do Irã, que culminaram com a inauguração de Agosto de 2005 do ultraconservador Mahmud Ahmadinejad como presidente.

Sua controversa reeleição em Junho de 2009 provocou protestos por todo o país por acusações de fraude eleitoral. O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma série de resoluções (1696 em Julho de 2006, 1737 em Dezembro de 2006, 1747 em Março de 2007, 1803 em Março de 2008 e 1835 em Setembro de 2008) apelando para o Irã suspender o enriquecimento de urânio e atividades de reprocessamento e cumprir com suas obrigações e responsabilidades da AIEA (Agencia Internacional da Energia Atomica).

As resoluções 1737, 1477 e 1803 sujeitam um número de indivíduos Iranianos e entidades envolvidas nos programas nuclear e de mísseis balísticos do Irã à sanções. Além disso, várias entidades Iranianas estão sujeitas às sanções dos Estados Unidos sob as denominações da Ordem Executiva 13382 pelas atividades de proliferação e às denominações da EO 13224 por apoio do terrorismo.

Em meados de Fevereiro de 2011, militantes da oposição realizaram os maiores comícios anti-regime desde Dezembro de 2009, impulsionados pelo sucesso das revoltas na Tunísia e no Egito. A participação manifestante foi provavelmente de dezenas de milhares e forças de segurança foram mobilizadas para dispersar os manifestantes.

Protestos adicionais em Março de 2011 não conseguiram obter uma participação significativa em grande parte por causa da robusta resposta da segurança, embora o descontentamento ainda arde.

O Irã, conhecido durante séculos como Pérsia, está situado em um dos cruzamentos principais que ligam a Europa e o Oriente Médio com a Ásia Central. O nome Irã significa "terra dos Arianos" - uma referência aos colonos originais do país, Persas do estoque Aryano que uniram o país e fundaram um grande império mais de 2.500 anos atrás.

No seu auge, nos séculos sexto e quinto A. C., o Império Iraniano (ou Persa) governava quase metade do antigo mundo civilizado. A antiga Pérsia grandemente influenciou a organização política, ciência, arte e religião Européia e Asiática. Mas depois de muitas guerras e invasões - pelos Gregos, Árabes, Turcos e Mongóis - o Império Iraniano entrou em colapso, e o país entrou num longo período de declínio.

A descoberta do petróleo em 1908 deu ao Irã o meio para adicionar uma base industrial à sua predominantemente economia agrária. Após uma série de reformas sociais, econômicas e administrativas serem instituídas em 1961, o desenvolvimento avançou com velocidade quase estonteante. Muitas das mudanças trouxeram influências Ocidentais ao Irã, ofendendo os Muçulmanos conservadores, que em 1979 ajudaram a derrubar o autocrático xá, ou rei, que tinha incitado a modernização.

Terra

O Irã tem uma longa faixa costeira ao longo do Golfo Pérsico, e faz fronteira terrestre com o Azerbaijão, Armênia, Turcomenistão, Iraque, Turquia, Afeganistão e Paquistão. O Planalto do Irã domina a maior parte deste grande país.

Um pouco em forma triangular, o planalto é cercado por montanhas. A Faixa de Elburz estende leste e oeste - da Turquia ao Afeganistão - ao longo da fronteira norte do Irã. O pico de montanha mais alto do Irã, o Monte Damavand (18.600 pés; 5.670 m), situa-se nesta faixa. A Faixa de Zagros, outra principal cadeia de montanhas do Irã corre a sudeste ao longo da fronteira oeste com a Turquia e o Iraque. Ela continua a sudeste ao longo da borda do planalto e em paralelo com o Golfo Pérsico, na medida que aquela hidrovia do sul termina no Estreito de Hormuz.

Juntas, as montanhas Zagros e Elburz separam a árida região do planalto interior, que varia em altura de 1.000 a 6.000 pés (300 a 1.800 m), das planícies costeiras estreitas que fazem fronteira com o Mar Cáspio e o Golfo Pérsico.

O principal rio do Irã, o K ¯ Arun, está localizado na parte ocidental do país. Ele é navegável por cerca de 150 mi. (240 km) acima de sua foz na cidade portuária de Khurramshahr. Existem vários pequenos rios no norte e no sudoeste.

No interior, os fluxos sazonais descem das montanhas na primavera, quando a neve derrete. A água que eles carregam geralmente evapora rapidamente ou é perdida nas areias quentes dos dois enormes desertos do país o Dasht-i-Kavir (Grande Deserto de Sal) e o Dasht-i-Lut (Grande Deserto de Areia). Estes dois desertos cobrem um terço do Irã. Alguns pequenos lagos pontuam o país, dos quais o Lago Urmia no norte é o maior. Em alguns lugares, a terra do Irã sofre com o desmatamento, o pastoreio excessivo, e a conseqüente deformação do solo do deserto.

Clima

Na região do planalto central, o clima é seco, e as estações são bem definidas. Durante a maior parte do ano, os dias são claros e ensolarados. Os invernos podem ser muito frios, e os verões muito quentes. Ao longo da costa do Cáspio, o clima é geralmente quente e úmido. Nas planícies costeiras do sul, os verões são extremamente quentes, e a umidade é desconfortavelmente alta. Exceto na região do Mar Cáspio, que é bem regada e fértil, as chuvas no Irã são escassas.

Fortes nevadas cobrem as montanhas no inverno.

Recursos Naturais

O petróleo é o recurso mineral mais importante do Irã. As reservas de petróleo do país são a terceira maior do mundo. Os depósitos de gas natural do Irã, os segundos maiores do mundo, são encontrados ao longo das margens ao sul do Golfo Pérsico perto de Bushire. Existem grandes depósitos de cobre no noroeste, e depósitos menores de carvão, ferro, chumbo, zinco, cromita, enxofre e antimônio.

População

A população do Irã de cerca de 79 milhões apresenta uma mistura considerável de povos. Mais da metade deles são descendentes dos Medos, Persas e Parthos, os mais importantes dos povos Arianos que se estabeleceram no antigo Irã. Há também descendentes de outros povos antigos, incluindo os Citas, os Bactrianos e os Turcos.

Os grupos étnicos dominantes são os Persas de língua Farsi, que compõem cerca de 63 por cento da população total, e os Azerbaijãos de língua Turca no noroeste, que representam cerca de 18 por cento da população. Além disso, há pequenas minorias de Armênios no noroeste; Árabes ao longo do Golfo Pérsico; Curdos seminômades, Lurs, e Bakhtiaris nas Montanhas Zagros; e nômades Baluchi ao longo da árida fronteira leste com o Paquistão.

Linguagem

A maioria dos Iranianos falam Farsi (Persa), uma língua indo-européia que mudou muito pouco ao longo dos séculos. O Farsi é a língua oficial do Irã e é ensinada em todas as escolas. Ela tem sido muito influenciada pelo Árabe, e é escrita em Árabe, da direita para a esquerda. No noroeste do Irã, um dialeto Turco é falado.

Determinados segmentos da sociedade Iraniana, inclusive os Curdos, Lurs, Gilakis e Mazanderanis, falam dialetos diferentes da língua Farsi. A taxa de alfabetização é de cerca de 86 por cento para homens adultos e 73 por cento para mulheres adultas.

Religião

Quase todos os Iranianos são Muçulmanos. A religião oficial do Estado sob a Constituição de 1979 é o Islã da seita Xiita, o ramo do Islã a que quase 90 por cento de todos os Iranianos pertencem. Cerca de 10 por cento da nação - em sua maioria Árabes, Curdos e outras minorias - são membros do ramo Sunita do Islã. Muitas das mais de 20.000 mesquitas do país são edifícios antigos de rara beleza.

Um pequeno número de Cristãos e de Zoroastrianos também praticam suas crenças. Os Zoroastristas são seguidores da religião que foi fundada no Irã e que foi dominante lá até a conquista Árabe durante os 600s. Os Zoroastrianos acreditam que existem duas forças espirituais concorrentes no universo. Uma força é dita representar a verdade e a luz; a outra, a mentira e a escuridão.

Modo de Vida

Mais de 60 por cento de todos os Iranianos agora vivem nas cidades. Antes da Primeira Guerra Mundial, cerca de 20 por cento da população eram nômades que percorriam o deserto em busca de pastagens para os seus cavalos, ovelhas e burros. Mas pelos anos 1970s, a maioria do povo nômade tinha abandonado o seu modo de vida tradicional. Muitos deles trabalham agora na indústria do petróleo, ou tomaram empregos nas cidades.

A família Iraniana é uma unidade muito unida. Em seu centro está o pai ou outro homem mais velho, que é conhecido como o mestre (aga). Ele é o governante absoluto em sua casa e comanda total respeito e obediência.

As famílias numerosas são a regra no Irã, e as crianças do sexo masculino são particularmente desejadas para que a linha da família possa ser continuada. Onde as tradições antigas ainda são seguidas, é usual para os filhos permanecerem na casa da família, depois que eles são casados.

Carneiro, frango, arroz, e queijo são os alimentos Iranianos mais comuns. A bebida nacional é o chá, que é cultivado nas encostas montanhosas ao redor do Mar Cáspio. A grande iguaria é o caviar, feito a partir dos ovos do esturjão.

Como na maioria das sociedades Muçulmanas, as mulheres no Irã, em geral, desfrutam de menos direitos e liberdades do que os homens. Durante os movimentos de modernização nas décadas de 1950s e 1960s, as mulheres receberam o direito de votar; a prática Muçulmana que autorizava aos homens terem mais de uma esposa (poliginia) ao mesmo tempó foi proibida; e foram aprovadas leis para proteger as mulheres de serem divorciadas e abandonadas à vontade por seus maridos.

As oportunidades educacionais para as mulheres foram melhoradas em todos os níveis. Ao mesmo tempo, muitas mulheres abandonaram seus papéis tradicionais Muçulmanos. Elas abandonaram o costume de usar um véu sobre o rosto quando em público, e começaram a trabalhar fora de suas casas.

Os fundamentalistas Islâmicos se opuseram contra essas mudanças. Eles declararam os novos estilos de vida inconsistentes com os ensinamentos Islâmicos.

Quando estes Muçulmanos conservadores chegaram ao poder em 1979, eles restauraram o direito de um marido repudiar a sua esposa à vontade. Eles também decretaram que todas as crianças abaixo do nível universitário fossem ensinadas em escolas exclusivas para meninos ou meninas.

As mulheres retiveram seu direito de votar. Mas o governo proibiu práticas "ocidentais" tais como beber bebidas alcoólicas, dançar e cantar em lugares públicos, e natação mista em praias e piscinas. Estilos de roupas ocidentais são considerados "indecentes", especialmente para as mulheres. O governo incentiva trajes tradicionais de algodão - camisas e calças largas para os homens, o chador para as mulheres. O chador é um pano longo usado como uma cobertura para a cabeça, envolvente, e às vezes como um véu.

Porém, as mulheres continuam a ser muito mais uma parte da sociedade Iraniana. Na faculdade de medicina de Teerã, 30 por cento dos estudantes são mulheres, assim como 20 por cento do corpo docente. Em 2003, a advogada Iraniana Shireen Ebadi tornou-se a primeira mulher Muçulmana e a primeira Iraniana à ganhar o Prêmio Nobel da Paz.

Tempo de lazer

Os Iranianos comemoram vários feriados religiosos Islâmicos, incluindo o aniversário do profeta Maomé, e o Ramadã, o mês Muçulmano de jejum. Outros eventos incluem o Dia da República Islâmica e o do Ano Novo. O tempo do maior festival é o Ano Novo, que cai no Irã no primeiro dia da primavera.

O Ano Novo é celebrado durante 13 dias e inclui reuniões de família, dar presentes, e passeios pelo país. Os Iranianos gostam muito de esportes e jogos. Desde os tempos antigos, o povo do Irã têm sido hábeis caçadores, jogadores de pólo, e lutadores. Os Iranianos também gostam de jogar xadrez, que se originou no Irã e na Índia.

Cidades

Teerã é a capital do Irã. Com cerca de 10 milhões de habitantes, é por uma larga margem a maior cidade do país. Está situada no sopé das Montanhas Elburz na parte norte do país. Uma cidade caravana antes de 1910, Teerã, desde então, desenvolveu-se numa cidade moderna, industrial e comercial; muitas de suas áreas mais recentes têm um layout claramente Europeu.

Tabriz, situada perto do Lago Urmia, no noroeste, é outra das mais importantes cidades Iranianas. Tabriz é notada pela produção de tapetes Persas de alta qualidade e tem uma série de outras indústrias. Outros grandes centros urbanos incluem a antiga capital Isfahan, no centro do país, e Mesh, a capital da província de Khorasan, no nordeste.

Arte e Literatura

A literatura Iraniana, que alcançou reconhecimento mundial, atingiu o seu pico a partir dos 900s aos anos 1500s. Muitas obras significativas de história, filosofia, matemática, medicina, astronomia, e poesia foram escritas durante este período, apesar do fato de que era uma época de guerras, invasões e conflitos internos.

Entre os mais ilustres dos escritores clássicos estavam Firdausi (cerca de 940-1020), o autor do Livro dos Reis, um poema épico de 60.000 versos, e os poetas Rumi (1207-1273), Saadi (cerca de 1184-1291), e Hafiz (cerca de 1324-1388). O mais famoso poeta Iraniano foi Omar Khayyam (morreu em 1123), cujo poema O Rubaiyat tem sido amplamente lido no mundo ocidental.

Omar Khayyam era também um matemático e astrônomo. A maioria dos escritores clássicos Iranianos escreveu em Farsi, empregando apenas um pequeno número de palavras Árabes. No entanto, como o Árabe era a língua científica da época, os médicos e filósofos mais eminentes escreveram em Árabe.

Antigos arquitetos Persas foram pioneiros no desenvolvimento da abóbada e da cúpula e outros estilos arquitetônicos. Os construtores da época resolveram o problema da construção de uma cúpula redonda sobre uma base quadrada. Hoje, apenas as ruínas das antigas belas capitais Persas de Persépolis e Susa permanecem, mas a influência da arquitetura Persa pode ser vista em mesquitas e outros edifícios em todo o Oriente Médio.

Talvez as criações artísticas mais conhecidas do Irã - porque são muito procuradas nos países ocidentais - são os famosos tapetes Persas tecidos à mão. A tecelagem de tapetes é uma habilidade na qual os Iranianos se destacaram desde os tempos antigos, e ela continua a ser uma arte importante e rentável.

Economia

A economia à base de petróleo do Irã, que cresceu rapidamente durante os anos 1960s e 1970s, perdeu seu movimento para a frente durante a década de 1980.

As receitas do petróleo caíram durante a guerra com o Iraque, e foram ainda mais reduzidas por uma queda nos preços do petróleo que começou em 1985. Por meados dos anos 1990s, a produção de petróleo havia sido restaurada a níveis pré-guerra. Desde aquela época, a saúde da economia dependente do petróleo tem oscilado com os preços mundiais do petróleo.

Outro choque para a economia foi a decisão em 1979 para nacionalizar os bancos e grandes indústrias. A aquisição maioritária do governo levou à má gestão por funcionários inexperientes. A renda per capita caiu 75 por cento em termos reais entre 1979 e 1995, com muitos Iranianos experimentando a escassez em alimentos essenciais e bens de consumo, aumento dos preços, e alto desemprego. No lado positivo, o governo proveu muitas aldeias com eletricidade, água potável, escolas e estradas pavimentadas.

Em 2003, o governo anunciou que iria desenvolver minas de urânio no sul do Irã e buscar a tecnologia nuclear avançada. O Irã insistiu que continuaria seu programa nuclear apesar das preocupações de quem temia que planejava produzir armas nucleares. Sanções internacionais foram impostas, prejudicando os setores bancário e de exportação relacionados. Grandes empresas apoiadas pelo estado têm sido mais capazes de contornar as sanções do que as empresas menores e de propriedade privada.

Em 2011, o governo cortou os subsídios caros e ineficientes em bens de combustível e outros. Ele também continuou a privatizar as indústrias estatais. No entanto, as empresas privatizadas eram freqüentemente transferidas para partidários do governo em termos favoráveis, e grande parte da economia permaneceu em mãos públicas. O desemprego manteve-se um problema sério.

Economia - visão geral:

A economia do Irã é marcada por políticas estatistas e um setor estatal ineficiente, que criam grandes distorções em todo o sistema, e a dependência do petróleo, que fornece a maioria das receitas do governo.

Controle de preços, subsídios e outros rigidez pesar na economia, minando o potencial do setor privado para o crescimento induzido. Atividade do setor privado é normalmente limitado aos pequenos oficinas, agricultura e serviços. Significativas floresce mercado informal de atividade e de corrupção é generalizada. Teerã desde o início de 1990 reconheceu a necessidade de reduzir essas ineficiências, e em dezembro de 2010, a assembléia aprovou o presidente Mahmud Ahmadinejad alvejado a Lei de Subsídios (TSL) para reduzir subsídios estatais em alimentos e energia.

Esta foi a reforma mais extensa econômica desde a gasolina governo implementou o racionamento em 2007. Ao longo de um período de cinco anos, o projeto de lei vai eliminar gradualmente os subsídios que anteriormente Teerã custam $ 60 - $ 100 bilhões por ano e, principalmente, beneficiou classes alta e média iranianas.

Pagamentos em dinheiro de US $ 45 por pessoa para mais de 90% das famílias iranianas mitigados resistência generalizada inicial para o programa TSL, embora aceitação popular continua vulnerável ao aumento da inflação. Um aumento nos preços mundiais do petróleo em 2011 aumentou as receitas de exportação de petróleo do Irã em cerca de US $ 28 bilhões de 2010, aliviando um pouco do impacto financeiro das sanções internacionais.

No entanto, políticas fiscais expansionistas e monetária, má gestão do governo, as sanções e uma moeda depreciar estão alimentando a inflação eo crescimento do PIB permanece estagnado. O Irã também continua a sofrer de desemprego de dois dígitos e subemprego. Subemprego entre os jovens educados do Irã convenceu muitos a procurar emprego no exterior, resultando em uma "fuga de cérebros" significativa.

Serviços

Os serviços fornecem cerca de 43 por cento do produto interno bruto do Irã (PIB). (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano). Incluindo o governo e o turismo, o setor de serviços envolve quase metade da força de trabalho.

Indústria

A mineração e a manufatura contribuem com mais de 45 por cento do PIB e empregam quase um terço da força de trabalho. O Irã tem a segunda maior reserva provada de petróleo e gás natural do mundo. As exportações de petróleo e gás natural ganham mais da moeda estrangeira que o país precisa para pagar as importações. Carvão, magnesita, e gesso também são minados.

A indústria do petróleo tem gerado uma grande indústria petroquímica, que produz fertilizantes, plásticos e fibras artificiais. Metais, máquinas-ferramentas, e tapetes são outras manufaturas. Os esforços do governo para posicionar o Irã como um canal importante de petróleo e do gás natural do Mar Caspio foram refletidos na abertura de um gasoduto de gás natural ao Turquemenistão vizinho em 1997.

Em 2010, o Irã assinou um acordo para fornecimento de gás natural para o Paquistão através de um novo oleoduto. No entanto, as sanções internacionais têm tornado difícil para o Irã financiar a exploração do petróleo e gás e projetos de modernização. O impacto financeiro das sanções tem sido um pouco reduzido pelo aumento mundial dos preços do petróleo.

Agricultura

A agricultura fornece cerca de 11 por cento do PIB e envolve cerca de um quinto dos trabalhadores Iranianos. A perene escassez de equipamentos e materiais, de fertilizantes para bombas de água, levaram a uma redução da produção agrícola. Então, há uma exigência promulgada após a revolução Islâmica obrigando os agricultores a venderem as suas colheitas ao governo à preços fixos.

Por causa do clima seco na maior parte do Irã, não mais que 12 por cento da terra é cultivada atualmente. Fazendas irrigadas fornecem a maior parte dos alimentos do país. Mas há também alguma agricultura de sequeiro na populosa região noroeste. A maioria das fazendas são pequenas.

O trigo é a principal cultura de subsistência; arroz, cevada e outros grãos também são cultivados. Beterrabas são usadas principalmente para a fabricação de açúcar, com o resíduo resultante do processo da tomada de açúcar apoiando uma pecuária moderna. Chá, algodão, frutas, nozes e vegetais são as culturas de rendimento principal.

Energia

O gás natural é a principal fonte de energia. A capacidade doméstica de refino do petróleo é inadequada. Muito da gasolina e do óleo combustível do país é, portanto, importado, a um custo significativo.

Comércio

O Irã geralmente mantém uma balança comercial favorável. Além de petróleo e gás natural, ferro e aço, frutas e nozes, e os tapetes são as exportações importantes. Os laços econômicos com a China são de importância crescente. Outros mercados para as exportações Iranianas incluem o Iraque, os Emirados Árabes Unidos e a Índia.

Transporte

O Irã tem mais de 5.200 mi. (8.400 km) de estradas de ferro. A maioria de seus 107.500 mi. (173.000 km) de estradas são pavimentadas. Bandar Abbas e Bandar-e-Khomeini são os portos principais.

Comunicações

Todos os meios de transmissão são operados pelo Estado, e os pratos de televisão por satélite são ilegais. O país tem mais de 8 milhões de usuários da Internet.

O número de Iranianos com acesso ao serviço telefonico, especialmente o serviço de telefone celular, aumentou dramaticamente no século 21. Às vezes, esse acesso é bloqueado pelo governo, no entanto.

História

O Irã foi estabelecido cerca de 3.500 a 4.000 anos atrás por povos Arianos que migraram da região ao redor do Mar de Aral, no que é hoje o Cazaquistão e o Uzbequistão. Durante os primeiros 1.000 anos da história do Irã, vários reinos cresceram e decaíram. No século 6 aC, o Rei Ciro, o Grande, da dinastia Aquemênida Persa, derrotou os rivais Medas no norte do Irã e uniu o povo Iraniano.

Sob o governo de Ciro, os exércitos Persas conquistaram todos os atuais Oriente Médio e Ásia Central, na medida do que é hoje o Paquistão. O império fundado por Ciro, floresceu por mais de dois séculos, até que foi derrubado no século 4 por Alexandre o Grande. Alexandre e seus sucessores estabeleceram uma nova dinastia e estenderam a cultura Grega em toda a área.

O domínio Grego durou até o século 2 aC, quando os Parthos (um povo relacionado com os Iranianos) ganharam o controle. Depois de 350 anos de governo, os Parthos foram derrotados pelos Sassânidas, que estabeleceram uma outra dinastia Persa e repeliram as invasões Romanas. O período Sassaniano (AD 224-641) viu um revival da cultura Persa e do nacionalismo.

Vinda do Islã

Durante os anos 600s, guerreiros Árabes varreram o Planalto Iraniano e derrubaram a dinastia Sassânida. Os conquistadores Árabes introduziram a escrita Árabe e a religião Islâmica, que substituiu o Zoroastrismo como a fé principal dos Iranianos.

A dominação Árabe continuou durante vários séculos, até que o império Islâmico começou a desmoronar. Os Árabes foram seguidos por outros invasores estrangeiros. De cerca de 1040-1500, o Irã presenciou ondas sucessivas de invasores.

Seguindo um movimento pacífico na área principalmente dos Seljuk Turcos, os Mongóis sob Genghis Khan e os Tártaros sob Tamerlão (Timur o Fraco) invadiram o país. As cidades do Irã foram saqueadas, e o interior da região ficou desolado.

A dinastia Safávida (1499-1722) restaurou uma medida da antiga grandeza da Pérsia. Shah Abbas I (o Grande) (governou de 1587-1629), o mais notável dos governantes Safavidas, restaurou as cidades, construiu novas estradas, e estabilizou o governo. Isfahan, a capital, foi feita em uma das cidades mais bonitas do mundo. Shah Abbas estabeleceu a seita Xiita da religião Islâmica como religião do Estado e utilizou o zelo religioso como uma força unificadora.

O Trono do Pavão

A dinastia Safávida desmoronou depois de uma invasão pelos Afegãos em 1722. Por um breve período sob Nadir Shah (governou de 1736-1747), o Irã tornou-se novamente uma potência militar. Os exércitos Persas conquistaram o Afeganistão e chegaram tão longe como Delhi, na Índia. Entre os tesouros trazidos de volta depois destas conquistas estava a famosa jóia do Trono do Pavão. Ela agora está preservada em um museu em Teerã, que se tornou a capital do Irã em 1788. Na década de 1790, a dinastia Qajar surgiu para governar o Irã até depois da Primeira Guerra Mundial.

Nos 1800s, a Rússia, a Grã-Bretanha e outras potências ocidentais se envolveram nos assuntos Iranianos. Depois de duas guerras (1801-1813 e 1825-1828), a Rússia ganhou o controle de todas as terras ao norte do Rio Aras do Irã. No início dos 1900s, a Grã-Bretanha adquiriu os direitos comerciais para os principais campos de petróleo Iranianos.

A Dinastia Pahlavi

Para defender a sua independência ameaçada, o povo Iraniano iniciou um movimento de reforma interna. A Constituição de 1906 previa um governo representativo, e os esforços de modernização aumentaram após a Primeira Guerra Mundial. Em 1921, Reza Khan assumiu o controle do governo e se tornou primeiro-ministro.

Em 1925, mudando seu nome para Pahlavi, Reza Khan foi coroado xá. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele ficou do lado da Alemanha. Quando os Aliados conquistaram o Irã em 1941, ele foi forçado a abdicar em favor de seu filho, Mohammad Reza Pahlavi.

Um líder nacionalista, o Primeiro-ministro Mohammed Mossadegh, tentou nacionalizar a indústria do petróleo em 1951. Com a ajuda de interesses petrolíferos Britânicos e Americanos, o Xá depôs Mossadegh, em 1953. Um consórcio (associação) de oito companhias de petróleo estrangeiras foi, então, concedido com os direitos de perfuração de petróleo no Irã.

Utilizando as receitas do petróleo, o Xá promoveu a modernização do Irã. Ele incentivou as novas tecnologias, construiu um exército moderno, e ampliou os direitos educacionais e outros direitos para as mulheres. Ele também começou a redistribuir as terras dos ricos e muitas vezes ausentes proprietários de terras entre os pobres.

A economia prosperou sob o Xá, mas os líderes religiosos Xiitas conservadores se opunham às formas "ocidentais" e às novas liberdades como contraditórias com os ensinamentos tradicionais do Islã. Os crescentes preços do petróleo mundial ajudaram o Xá a acelerar seu programa de modernização na década de 1970. Quando a oposição dos líderes religiosos cresceu, ele fez do Irã um estado de partido único, sem partidos de oposição, e começou a governar mais autocraticamente. Toda a oposição era suprimida através da SAVAK, sua odiada polícia secreta.

A Revolução Islâmica

A impopularidade do Xá chegou a um nível de crise em Janeiro de 1979, e ele fugiu do país. O líder religioso Aiatolá Ruholla Khomeini, exilado em 1964 pela oposição ao Xá, voltou em Fevereiro de 1979, e transformou o Irã em uma república Islâmica em Abril. Os estudantes Iranianos exigiram o retorno do Xá, que estava recebendo tratamento médico nos Estados Unidos.

Eles tomaram a embaixada dos Estados Unidos em Teerã em 7 de Novembro de 1979, e mantiveram os Americanos ali como reféns por 444 dias. O Xá morreu em Julho de 1980, quase seis meses antes que os reféns fossem liberados em Janeiro de 1981.

O Iraque se aproveitou do caos e invadiu o Irã em Setembro de 1980, na esperança de ganhar o controle do canal de Shatt al-Arab. Cerca de 1 milhão de vidas foram perdidas antes que um cessar-fogo fosse assinado em 1988. Após a invasão do Kuwait em 1990 ser frustrada por forças armadas multinacionais, o Iraque devolveu ao Irã todos os prisioneiros e territórios tomados durante a Guerra Irã-Iraque.

Os países mais tarde restauraram as relações diplomáticas. O Irã permaneceu neutro na Guerra do Golfo de 1991. Ele se opôs ao regime do Taliban no vizinho Afeganistão, e emergiu como um agente regional chave do poder após a deposição EUA-liderada do Talibã e do líder Iraquiano Saddam Hussein.

Hojatolislam Hashemi Rafsanjani foi eleito presidente em 1989 e reeleito em 1993, mas enfrentou o descontentamento com a economia. Seu antecessor, Ali Khamenei, tomou o lugar do Aiatolá Khomeini como líder religioso supremo da nação. Em 1997, o reformista Mohammed Khatemi venceu a primeira eleição presidencial livre do Irã desde 1979. Khatemi foi esmagadoramente reeleito em 2001. Mas os reformistas perderam o controle do Legislativo em 2004.

A vitória do conservador Mahmoud Ahmadinejad nas eleições presidenciais de 2005 colocou todos os órgãos do governo nas mãos dos conservadores. Sob Ahmadinejad, o governo continuou seu controverso programa de enriquecimento nuclear. Como resultado, as Nações Unidas impuseram várias rodadas de sanções. O efeito das sanções sobre a economia do Irã foi ampliado por um declínio nos preços do petróleo causado pela desaceleração econômica global.

Quando novas eleições foram realizadas em 2009, Khamenei declarou Ahmadinejad vencedor antes de todos os votos terem sido contados. Manifestações massivas seguiram-se contra o que muitos acreditavam que era uma fraude generalizada. Eles foram os maiores protestos que o Irã tinha visto desde a revolução Islâmica de 1979. As manifestações foram brutalmente reprimidas pelo governo, e os manifestantes foram presos.

Ahmadinejad tomou posse para um segundo mandato em 6 de Agosto, mas as controversas eleições expuseram as profundas diferenças entre a elite governante do Irã e dividiram a nação. Como os protestos continuaram em 2010, mais líderes da oposição foram presos. A crise política tornou mais difícil para a comunidade internacional para lidar com as ambições nucleares Iranianas.

Com a ajuda da Rússia, o Irã começou a alimentar a sua primeira usina nuclear em Agosto. Ele continuou a avançar com seus esforços de enriquecimento de urânio, apesar das novas sanções internacionais. Ele também revelou seu primeiro bombardeiro de fabricação própria não tripulado e outros equipamentos militares.

No início de 2011, a alta dos preços ajudou a alimentar uma nova rodada de manifestações no não-Árabe Irã semelhante à agitação que irrompeu em grande parte do mundo Árabe. As manifestações, como as que ocorreram após as eleições de 2009, foram brutalmente reprimidas.

Governo

A constituição de 1979 impôs a lei Islâmica em todos os aspectos da vida Iraniana e concedeu grandes poderes a um líder religioso supremo, ou faghi. Entre outros poderes, o faghi comanda as forças armadas, examina os candidatos a presidente, e nomeia para a mais alta corte juízes que são especialistas em direito Muçulmano.

A Constituição também estabeleceu uma legislatura de uma-casa, o Majlis. Seus membros são eleitos por quatro anos. Até 1989, o presidente eleito e um primeiro-ministro aprovado pelo Majlis operavam o governo. Em 1989, o cargo de primeiro-ministro foi abolido.

Mehdi Vakil

Fonte: Internet Nations

Irã

Nome oficial: República Islâmica do Irã
Área: 1.873.959 km2
População: 77.891.220 habitantes.
Capital: Teerã
Principais cidades: Tehran
Línguas oficiais: Persa
Moeda: Rial

História

Apesar de invasões grego, árabe, turco, mongol, e da influência da cultura ocidental, as civilizações do Irã ter conseguido proteger a sua identidade no contexto de um Estado que tem mantido a sua independência de 25 séculos.

A civilização elamita para os elamitas sassânidas, aqueles da Suméria contemporânea e Assíria, era um dos mais inteligentes do atual território do Irão (bronzes cuneiformes Luristan), antes da chegada das primeiras tribos arianas final do segundo milênio antes de Cristo. JC Os medos estabeleceu seu reino no norte de Zagros (Ecbatana), e os persas, com a dinastia aquemênida, estabeleceu-se mais para o sul, em torno de Susa.

Ciro, o Grande Mediana levou o reino em 550 aC. AD e construiu o império, então o maior e mais poderoso da Ásia Menor grega Bactria, depois de Babilônia em 539 e emitiu os judeus, muitos dos quais estabeleceu na Pérsia. O Rei dos Reis, cuja religião era o zoroastrismo, teve de capitais Susa, Pasárgada, Persépolis, Ecbátana e Sardes.

O clímax do Império Aquemênida foi atingido durante o reinado de Dario, o Grande (522-486 aC. AC). Apesar da captura e queima de Persépolis (330 aC. DC) ea conquista da Pérsia por Alexandre, o Grande, os governantes gregos selêucidas protegido da civilização da região buscando uma síntese entre as culturas grega e persa.

Parthian dinastia (ou Arsacids), a partir do leste chegou ao poder em 247 aC. JC, e restaurador colocado na civilização Aquemênida. Sua autoridade como reis, com Mitrídates I, foi exercido por quase cinco séculos entre a Arménia ea Bactria. É, no entanto, sob os reis (os xás) Sassânida (224-641 AD. DC) que o Irã experimentou um novo pico e viu o fortalecimento da cultura e do nacionalismo iraniano, o império, que se estendia desde a Mesopotâmia o Indo, entraram em confronto com a Bizâncio Império Romano, e os hunos.

Neste estado poderoso e bem administrado, cuja capital era Ctesiphon, Mesopotâmia, havia muitos cristãos nestorianos longos, mas o poder estava nas mãos de um clero Zoroastrian cortar a população, o que contribuiu para sua derrota começou quando a conquista árabe.

Omíadas e Abássidas califados das invasões mongóis

Exércitos sassânidas foram derrotados em 642 na Nehavend, mas as províncias do império persa novo ainda manteve a sua identidade, até mesmo um grau de autonomia. Pérsia foi, portanto, integrado no Umayyad e califados abássida, que utilizou maciçamente oficiais do Império Sassânida.

Em 945, o iraniano xiita dinastia Bouwayhides capturado Bagdá, mas foi derrubado por invasores, o Seljuk turco nômades, sunitas, muitos dos quais já estavam no exército do califado abássida e tomou Bagdá, em 1055: desde então, a história persa foi dominada pela presença de soldados, nômades, os administradores turcos, como distinguir até hoje persas, Fars. Os mongóis de Gengis Khan invadiu a Pérsia em 1219, então governado a partir de 1256, quando a fortaleza de Alamut caiu, o último refúgio dos Assassinos.

Massacres sistemáticos e devastação provocada pelos mongóis em ruínas há vários séculos e vila civilização persa urbana:nomadismo desenvolvido, enfatizando o contraste entre os turcos e os tadjiques coração é dizer os persas. Foi somente em 1295 que Ghazan Khan, Ilkhanid descendente de Genghis Khan governante, convertido ao Islã, foi novamente a religião oficial e restaurou a autoridade do Estado. O último surto que assolou turco-mongóis Pérsia era uma das tribos de Tamerlão, entre 1381 e 1404. Apesar do caos político, os governantes timúridas se comprometeu a instaurar no país, enquanto a promoção do comércio e da vida intelectual e da cidade.

A dinastia safávida

Em 1501, um grupo de xiitas tribos turcomanas, Kizil Bash ("cabeças vermelhas"), tomou Tabriz, seu líder, Ismail, foi coroado Shah todo o Irã e impôs islamismo xiita. Este foi o início da dinastia Safávida eo renascimento de um Estado verdadeiramente independente iraniano. Sob Shah Abbas (1588-1629), Isfahan, a "Metade do mundo", se tornou a capital.

Com a prosperidade, a segurança voltou, caravançarás foram construídas ao longo das novas estradas, belas mesquitas e palácios foram construídos em todas as cidades, o prestígio e prosperidade do reino atraiu comerciantes e embaixadas estrangeiras. Neste período, um dos mais brilhantes da história da civilização e persa, terminou dramaticamente em 1722, quando os afegãos tomaram e saquearam Isfahan.

O chefe de uma tribo turca de Khorasan e expulsou os invasores tomaram o poder em 1736 sob o nome de Nadir Shah. Tendo tomado e saqueou Delhi, em 1739 - e relatou um tesouro na Pérsia, incluindo o famoso trono de pavão do Grande Mogul - ele transferiu sua capital para Mashhad. Na sua morte, em 1747, Karim Khan, o chefe da tribo Zend, assumiu o controle do país, ele não levou o título de xá, mas de Vakil (Tenente) e, até sua morte em 1779, garantiu alguns décadas de paz de Shiraz, capital.

O Qajar Qajar tribo de turcomanos, então chegou ao poder após uma nova guerra civil: Agha Mohammad Khan foi a pequena cidade da capital Teerã, em 1786, e foi coroado lá. A dinastia Qajar governar o Irã até 1925.

O reinado de Fath Ali Shah (1797-1834) foi marcado pelo início da influência direta das grandes potências na Pérsia. Após o fracasso de uma aliança com Napoleão, em 1807, e duas guerras contra o czar, a Qajar perdido em favor da Rússia, no Cáucaso e no norte das províncias Araxes (Tourkmantchaï Tratado, 1828).

Grã-Bretanha, para o qual a Pérsia foi principalmente um executando seu império indiano, derrotou os exércitos de Mohammad Shah (1834-1858) e impôs, em 1856, o Tratado de Paris, o reconhecimento por parte do Irã Afeganistão e da perda da província de Herat.

O longo reinado de Nasir al-Din Shah (1848-1896) inaugurou a modernização do país, com a criação em 1848 pelo ministro Amir Kabir reformador, a primeira escola científica (Dar al-Fonun), viagens de soberano Europa, ea reorganização da administração e do comércio realizado por monopólios estrangeiros, o mais poderoso era o de Barão Reuter.

Esta política despertou violenta oposição do clero e da burguesia influenciado por idéias ocidentais liberais (Revolta do Tabaco, 1891). Uma revolução balançou Pérsia em 1906 e impôs Muzaffar al-Din Shah (1896-1907) uma constituição e um parlamento. Em 1907, britânicos e russos divididos Pérsia em duas esferas de influência e interveio diretamente em seus assuntos internos, o Parlamento foi suspenso em 1909, Ahmad Shah, 11 idosos, substituiu seu pai, Mohammad Ali.

O Irã moderno Guerra Mundial acentuou o caos 1915-1921, o movimento revolucionário Djangalis controlava a província de Gilan e foi por algum tempo apoiou os bolcheviques russos, que assinaram um tratado ainda com o Irã, permitindo que o homem forte do novo país, o coronel Riza Khan, que havia tomado o poder em Teerã (21 de Fevereiro de 1921), para esmagar a rebelião.

Apoiado pelos britânicos, que temia a influência comunista em um país assolado pela desordem, Riza Khan se proclamou xá em 1925, e foi coroado 25 de abril de 1926 sob o nome de Pahlavi, que é a língua do Irã idade. Ele começou no modelo de Atatürk, com energia e muitas vezes brutal modernização do país, em um espírito de nacionalismo.

Ele criou verdadeiros ministérios e da administração com a ajuda de conselheiros EUA, Universidade de Teerã (1935), um exército nacional e não tribal. Para quebrar os sistemas sociais no lugar, ele lutou contra o clero e líderes tribais, proibiu véu para as mulheres. Para permitir a industrialização do país, agora chamado oficialmente o Irã, Reza Shah ordenou a construção de estradas e ferrovias (Transiranien do Mar Cáspio para o Golfo Pérsico, em 1938), as relações desenvolvidas com o exterior, mas abolida (1928) o monopólios estrangeiros.

Petróleo, o que o Irã era o mais antigo eo maior produtor do Oriente Médio, trouxe o aumento da renda no país, mas este foi além do setor de governo que percebeu que as taxas concedido pela Companhia de Petróleo todo-poderoso Anglo-Iranian , tornou-se propriedade do Almirantado britânico.

Para escapar da tutela tradicional, Irã, então se aproximou da Alemanha levou uma influência crescente na economia, e desde 45% do comércio do Irã em 1940. Temendo por seu abastecimento de petróleo e do Império Indiano, Grã-Bretanha decidiu, com a URSS invadiu o Irã e obrigou o Xá Reza a abdicar em favor de seu filho Mohammad Reza, 25 de agosto de 1941.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os aliados passaram o Irã para suprir a frente russa, e depois ajudou a eliminar em 1946, tanto efêmera Curdistão Repúblicas Socialistas e do Azerbaijão, criado por nacionalistas e partido Tudeh comunista. Reação popular a estas intervenções estrangeiras levou ao poder em 1951, Mossadegh, líder da Frente Nacional, liberal e nacionalista.

Comunistas aliado com o apoio de religiosos liderado pelo aiatolá Kashani, ele nacionalizou a Companhia Anglo-Iranian Oil, que revidaram imediatamente cessou toda a produção, acrescentando uma crise econômica para a agitação política.

Com a ajuda dos ingleses, os Estados Unidos organizaram em 23 de agosto de 1953, um golpe de Estado liderado pelo general Zahedi: deu o poder de Mohammad Reza Shah, que foi para o exílio, mas retornou gradualmente situação a mão do político: integrar o Irã no Pacto de Bagdá militar (Cento) em 1955, a criação da Organização de Segurança Nacional (Savak), em 1957, assinou um acordo militar (1962) com os Estados Unidos Estados, que agora desempenham um papel central no país e não irá lançar a política externa da implementação do desenvolvimento econômico e social em 1963.

A "Revolução Branca do Xá e as pessoas", cuja pedra fundamental foi a reforma agrária, acelerado, sob a liderança do primeiro-ministro Amir Abbas Hoveyda, o crescimento econômico em um clima de despotismo político. Reforçado pelo aumento dos preços do petróleo em 1973, convulsão industrial provocou uma crise na juventude social e cultural liberal nas grandes cidades, em trabalhadores comunistas de obediência, e especialmente do clero, que em breve chefiam oposição.

A aliança paradoxal de intelectuais liberais perto da Frente Nacional, partidos de esquerda, mulás e, finalmente, o exército permitiu o desenvolvimento de um movimento popular revolucionário que começou em janeiro de 1978, após a sangrenta repressão de uma manifestação Qom, e termina em 11 de Fevereiro de 1979, a queda do Xá (que morreu no Cairo, 27 de julho de 1980) eo retorno do líder espiritual da comunidade xiita, Imam Khomeini, exilado por 15 anos.

A República Islâmica do Irã

Timeline (1980) A nova república do Irã, introduzido em 1 de Abril de 1979 e dominado pela personalidade de seu fundador, o poder concentrado nas mãos de uma nova classe política liderada pelo clero sozinho, que executou o principal representantes do antigo regime, imposta a moralidade islâmica, a repressão organizada contra todos os adversários e praticou uma política ferrenhamente anti-ocidental.

Abol Hassan Bani Sadr, que foi eleito presidente em janeiro de 1980, foi lançado em junho de 1981 sob a pressão de extremistas religiosos, o que levou a uma guerra civil (assassinato do novo presidente Mohammad Ali Rajai, a eliminação física de adversários como o Mujahideen pessoas e ativistas do Partido Comunista Tudeh).

O Irã é logo encontrado isolado por causa de sua política ferozmente anti-americano (tomando EUA refém diplomatas por 444 dias) e seu ativismo islâmico (intervenção militar no Líbano), e teve de lidar, a partir de setembro de 1980, invasão da província petrolífera de Khuzestan pelo exército iraquiano.

Este conflito muito mortal, que era para terminar em julho de 1988, fortemente perturbado a produção de petróleo e agravou a crise econômica e cultural profunda acelerou o êxodo de muitos executivos e intelectuais. Após a morte de Khomeini em junho de 1989, o governo adotou uma política mais pragmática para empreender a reconstrução do país (désislamisation o sistema bancário, a luta contra a corrupção), sob a liderança do novo presidente, Akbar Hashemi Rafsanjani eo novo "Guia Supremo da Revolução", Ali Khamenei.

A Guerra do Golfo, em 1991, permitiu o Irã para recuperar os territórios ocupados por Iraque, enquanto cresceu de uma nova política de abertura para o Ocidente e para a Turquia e Arábia Saudita. Mas os EUA acusam o Irã ainda animar o terrorismo internacional, eo presidente Clinton assinou em agosto de 1996, uma lei penalizando as empresas que investem no país.

GEOGRAFIA

Estado do oeste da Ásia Central, limitado a oeste pelo Iraque, a noroeste da Turquia, ao norte da Arménia, o Azerbaijão eo Turquemenistão, a leste pelo Afeganistão e Paquistão, e banhado a sul pelo Golfo de Omã e do Golfo Pérsico. Entre o Oriente Médio árabe e os planaltos da Ásia Central, o Irã é o único estado da região que é ao mesmo tempo vasta, populosa, rica em hidrocarbonetos, que formam um estado de maior antiguidade.

Paisagens iranianas são variadas, entre florestas e plantações de arroz Gilan Hyrcanian subtropical, as estepes frias de altas montanhas e deserto escaldante Lut absoluta ou Dasht-e Lut.

Neste país montanhoso, o espaço é sempre dividido em duas categorias: naturais das terras frias de altitude (ou sardsir yeylaq) e hot spots (ou Garmsir Qeshlaq), onde os rebanhos estão no inverno. Cidades e vilas são logicamente localizado entre essas duas áreas no sopé.

A maioria dos rios que drenam 67% do território perdido nos desertos interiores. Estes fluxos são muitas vezes seco no verão, mas vários rios (Karaj, Zayandè Rud), bem alimentados pelas neves são pesados e durável.

Os rios apenas grandes descer e atravessar a Khuzistan Zagros: o Karun, parcialmente navegáveis, desagua no Shatt al-Arab, enquanto Karkhè perdeu nos pântanos da fronteira iraquiana. Para o norte, Sefid Rud (ou Qezel Uzen) formada sobre o planalto iraniano, atravessa a Alborz para jogar na Cáspio.

Economia

O Banco Central do Irã, o produto interno bruto (PIB) para o ano fiscal 1999-2000 foi distribuído da seguinte forma: agricultura 24,8%, 13,7% de óleo, mineração e fabricação de 22 3%, serviços 39,4%. Apesar dos esforços para melhorar a produção agrícola, o Irã está longe de auto-suficiência.

A importação de mais de 3,5 milhões de toneladas de trigo e 200.000 toneladas de cevada 1998-1999, o país tornou-se mesmo um dos primeiros importadores de cereais no mundo. As reservas provadas de petróleo e gás são, respectivamente, a terceira ea segunda no mundo. As receitas do petróleo em 2000-2001 totalizaram US $ 20,6 bilhões, enquanto havia sido de 16,7 bilhões dólar nos últimos doze meses.

A indústria, que cresceu consideravelmente durante os anos 1960-1970, está atualmente em uma situação sem brilho devido à falta de investimento, o contexto sócio-político desfavorável, bem como a ausência de legislação adequada.

A história econômica da República Islâmica é dividido em dois períodos distintos. A primeira fase, que se estende desde a proclamação da República Islâmica (fevereiro de 1979) o cessar-fogo ocorreu na guerra com o Iraque (Julho de 1988), caracterizado pela nacionalização, e uma segunda fase, reforma, que se estende sob a presidência de Khatami, cujo objeto é uma reestruturação gradual da economia, evitando liberalização repentina.

A nacionalização da economia no Irã não começou com o advento da República Islâmica. Na década de 1930, houve uma forte intervenção do Estado nos assuntos econômicos. Mas o regime islâmico vai empurrar a nacionalização em seu pico. Assim, na década de 1980, quando muitos países do Terceiro Mundo começou a liberalizar o funcionamento de sua economia, o novo governo iraniano nacionalizou bancos, companhias de seguros, instituições de crédito, grandes empresas agro-industriais plantas e as fábricas, cujos proprietários tinham ido para o exterior.

Essas empresas nacionalizadas ou passou sob o controle do Estado, ou estavam disponíveis para fundações (Bonyad), que agora formavam um enorme setor estatal supervisionado pelo Guia da Revolução.

De 1982 a 1988, o primeiro-ministro Mir Hossein Mousavi, conduziu uma política econômica onde o controle estatal sobre os preços, salários, importações, e os créditos de consumo e da centralização da gestão econômica atingiram picos raramente igualado. Durante este período, o país passou por uma crise muito séria econômica.

De acordo com algumas estimativas, entre 1978 e 1988, o produto interno bruto experimentou um declínio anual de 1,5%. Também levando em conta o crescimento populacional, incentivado neste momento por uma política pró-natalidade, o país saltou para trás 20 anos.

O colapso da economia nesses anos, por causa da ideologia do regime e uma gestão desastrosa, mas também por causa da Guerra Irã-Iraque eo colapso dos preços do petróleo, em 1986, foram trazer os líderes islâmicos de rever o seu programa e para promover uma nova política econômica.

Sob a liderança do novo presidente, Ali Akbar Rafsanjani, um plano de cinco anos foi lançado em Março de 1989, emprestado, sem dizer, o seu principal impulso para o programa de ajustamento estrutural do Banco Mundial e do FMI. O objetivo era passar de uma economia planificada e autoritário para uma economia de mercado, taxa de unificar a troca, o lançamento de um programa de privatização, restaurando os verdadeiros preços e incentivar o investimento estrangeiro.

Foi também sobre a preparar o "pós-petróleo" para passar uma economia rentista para uma economia baseada na tributação e os impostos, para desenvolver exportações não petrolíferas, por exemplo, através da abertura de áreas de livre comércio comércio como a ilha de Kish.

Os objetivos deste programa, no entanto, revelou-se muito difícil de alcançar. A privatização lento realizado por Rafsanjani (1989-1997) foi um fiasco total. A unificação da taxa de câmbio, lançado em 1993, foi abandonado em 1994.

A inflação se tornou mais galopante. A dívida externa, que consiste principalmente de empréstimos de curto prazo por causa do embargo dos EUA, aumentou de forma extraordinária para atingir, em 1994, cerca de 40.000 milhões, sem precedentes na história contemporânea do Irã.

Sem dúvida, esta falha que teve múltiplas causas, como as receitas do petróleo em queda, a falta de investimento ambas as deficiências nacionais e estrangeiros, em infra-estrutura, agricultura subdesenvolvida, a política fiscal inadequada, produtividade pobres setor industrial, a falta de motivação dos colaboradores, a perturbação generalizada que se seguiu à partida para o estrangeiro de gestores competentes, a existência de uma burocracia inchada e administração, controle sobre recursos importantes países por grupos de mulás, comissões e outras fundações, atuando fora do controle do Estado.

Mas estas considerações econômicas e sociais, o que por si só já explicam em grande medida o governo falha Rafsanjani, deve-se acrescentar também razões de natureza política: não verdadeira liberalização do sistema político acompanhou as reformas econômicas, divisões regime interno próprio persistiu eo isolamento do país no cenário internacional continuou, o que era o ponto de vista, consequências graves.

Quanto ao Presidente Khatami, seu programa econômico é incerto. Rafsanjani como ele é resolutamente implementar reformas, mas para questões fundamentais, como a opção de economia aberta e competitiva, a reforma tributária, o desmantelamento dos bonyads, a eliminação de subsídios sobre produtos básicos, o programa fornece apenas respostas evasivas. Na verdade, ambas as tendências modernistas esquerdo e direito em que se baseia têm opiniões muito divergentes em relação a questões econômicas. A primeira tendência é "estatista" e a segunda baseia-se nos mecanismos de regulação do mercado.

Além disso, profundas reformas econômicas na República Islâmica não é fácil para um governo como o de Mohammad Khatami: isto significa, além da dificuldade da tarefa em si irá colidir com poderosos bastiões interesse politicamente protegida impedindo as mudanças necessárias. Porque nos reformadores econômicos são também uma posição fraca para os conservadores que detêm a maioria das alavancas de indústria e comércio.

Os conservadores também um aliado cuja importância é considerável na política iraniana: o bazar. Os bazaaris tem na verdade muito amplamente capaz de tirar vantagem do sistema político da República Islâmica. Além desses, o sistema econômico tem beneficiado muito como os do Irã chamado Aghazadeh (literalmente "filho do Sr."), os pais e parentes clãs dominantes clericais que se beneficiaram com as vantagens concedidas pelo Estado. Assim, a receita do petróleo ainda é capturado por uma minoria.

Em março de 1998, em um discurso na televisão, o Presidente Khatami descreveu a economia como "doente". No final de seu primeiro mandato, apesar de uma recuperação na esteira dos preços do petróleo, a economia iraniana está longe de ter recuperado a saúde.

Na verdade, poucas semanas antes da eleição presidencial de 08 de junho de 2001, a Organização Planejamento divulgou um relatório sobre a situação econômica e social do país em que se afirmava, entre outras coisas, que 40% dos iranianos vivia em pobreza relativa ou absoluta.

O objetivo econômico, o governo Khatami segundo, tomou posse em 24 de agosto de 2001, é alcançar uma taxa de crescimento anual de 6%. Para isso, o governo deve contar com investimentos estrangeiros e acelerar as privatizações, também temos de mudar o sistema bancário e fiscal.

Estagnação, desemprego, inflação, poder de compra cair, afetando particularmente os mais desfavorecidos, são o quotidiano dos iranianos por mais de vinte anos. Assim, para o período de março de 2000-março de 2001, a inflação chegou a 12%, de acordo com as estatísticas oficiais, mais de 20% de acordo com os especialistas, enquanto o número de desempregados se aproxima de 5 milhões, ou cerca de 15% da população ativo.

Agricultura

A agricultura iraniano alimentou a população até 1960. Reforma agrária decidida pelo governo imperial em 1963 aboliu o poder dos latifundiários, mas não conseguiu impulsionar o desenvolvimento rural. 2,3 milhões camponeses proprietários novos, com uma média de 5,8 ha de terra foram beneficiadas tão pouco investimento, que passou de fazendas envolvidas na indústria de alimentos. Irã se tornou um grande importador de alimentos (um terço de suas necessidades).

Com mais de 26% dos ativos (3,2 milhões), a agricultura fornece 18% da produção nacional. Se 44% dos 17 milhões de hectares são irrigados cultivados, grandes áreas agrícolas estão localizadas no norte e Khuzistan, as províncias do Cáspio apenas fornecendo um quarto da produção de 4% do território. Produção do Irã são muito diversas, mas os cereais (trigo, cevada, arroz) ocupam três quartos da superfície.

Com mais de 58 milhões de cabeças de gado de pequeno porte, o Irã é um grande país agrícola, mas o desenvolvimento de fazendas modernas cidades perto de não compensar o declínio de nômades, que são mais do que cerca de 800.000 e tem mais de 20% de animais de pequeno porte. Grandes confederações nômades Zagros Bakhtiyaris perto de Isfahan e Shiraz Kashkays quase perdeu seu poder político a partir da tentativa de liquidação forçada ordenada por Reza Khan, em 1930.

Desde 1980, a política de abertura de estradas de montanha acelerou o colapso das estruturas tribais e coletivos, cada família pode agora passar apenas pelo caminhão. Migrações pastorais entre simples (Garmsir) e montanha (sardsir) permanecem, no entanto, uma técnica de criação ainda está muito vivo.

Com as porcas (pistache) e tapetes tecidos em cidades e aldeias, o caviar do Mar Cáspio é uma das poucas exportações não petroleiras do Irã. Esta atividade centrada em Bandar Anzeli é controlado por uma empresa estatal, que também desenvolve a pesca no Golfo Pérsico (camarão) e no Oceano Índico (atum).

Óleo

Desde a descoberta do petróleo em 28 de maio de 1908 Masjed-e Soleyman pelo escocês Knox D'Arcy, a economia ea história do Irã mudaram. A Companhia Anglo-Iranian Oil, que operava essas riquezas, foi nacionalizado em 1951 pelo governo Mossadegh. A nova Companhia Nacional Iraniana de Petróleo, em 1953 deu a pesquisa e produção de um consórcio internacional dominado por empresas norte-americanas, mas deixando muito espaço para a British Petroleum.

Produção, que atingiu 250 milhões de toneladas em 1978, caiu para US $ 65 milhões como resultado da invasão de Khuzestan pelo Iraque. Depois chegando a US $ 21 bilhões em 1979, a venda de petróleo informou que 13-15000000000 de dólares por ano a partir de 1980 a 1988, subindo para 20 bilhões em 1991, caindo para 12 bilhões em 1995.

Recursos de gás natural são o futuro da energia e do Irã financeira. Exportado em 1975 para a URSS, o gás iraniano é mais usado desde 1980 para as necessidades domésticas, a maior parte da produção é consumida pela indústria no local da extração (Gatch Saran, Kangan).

Indústria

Renda do petróleo tem permitido que o Irã desenvolva infra-estrutura adequada (energia, estradas, ferrovias, telecomunicações), permitindo uma política industrial ativa, sob a liderança da poderosa organização de Planejamento e Orçamento. O sistema econômico é dominado por empresas estatais e bancos públicos, que suportam um setor privado dinâmico, nacionalizada em 1979 e adquirida por fundações paraestatais, como a Fundação para o Deserdado desde 1989. Pessoas ocupadas na indústria, o que eram apenas 100 mil em 1947, formado em 1993 mais de 38% da população ativa, e quase o dobro do setor da construção. O Irã tem uma base industrial forte, concentrada na área de Teerã, Karaj, que inclui quase a metade das empresas do país, e Isfahan, Tabriz, Arak, Ahvaz, Shiraz, Zanjan.

As empresas muitas vezes trabalhar com empresas estrangeiras, atividades muito diversificadas, que vão desde a produção de bens de consumo pesado: aço (Isfahan, Ahwaz), montagem de automóveis, produtos químicos, aparelhos (Teerã), maquinaria pesada, alumínio (Arak) . Uma política ativa é realizado para desenvolver novos centros industriais em Kerman (Refinaria de cobre Tchachmè Sar-i), Zanjan, Qazvin, Semnan, Qom ou Bandar Abbas, que está prestes a se tornar uma verdadeira capital para o sul.

O Irã não é tornar-se "do Japão Médio Oriente": a duração da crise política e da guerra contra o Iraque foram alguns freios para o desenvolvimento industrial do país.

Apesar das novas oportunidades oferecidas pela abertura das fronteiras da ex-URSS e uma melhor integração regional, o Irã é dificultada pela falta de meios adequados de comunicação com os países estrangeiros: a sobremesa única estrada internacional importante é da Turquia.

A crise econômica que se seguiu à derrubada de guerra imperial, incertezas políticas e do êxodo em massa de executivos levou a um forte aumento do desemprego e uma comercial alargada e serviços, que têm visto os seus números crescem em 38 % dentro de dez anos. Neste novo contexto de inflação alta, devido a um colapso no valor do rial desenvolveu uma economia próspera, controlado por uma população derivada em parte de bazares tradicionais.

TURISMO

Teerã

A capital iraniana é principalmente uma cidade moderna, onde os edifícios antigos foram preservados. Shahid Mesquita Motahari tem oito minaretes, no topo da qual você pode ver a cidade. O Bazar (aberto todos os dias, exceto sextas-feiras e feriados religiosos) é uma das maiores do mundo, um outro bazar, que abriga principalmente as comunidades locais, está localizado nos subúrbios Tajrish, no norte da capital .

O bazar é um labirinto interminável corredores abobadados, em que encontramos entre outros tapetes finos, objetos de prata ou de cobre e especiarias com aromas exóticos. As vendas de produtos diferentes são separadas e é possível observar os artesãos no trabalho. Teerã tem vários museus interessantes, incluindo o Museu Abgineh vidro e cerâmica, Abbasi Rea Museu (que inclui uma coleção rara de pinturas e caligrafia do Irã), o Museu Nacional do Irão ou Irã Bastan Museu (que oferece principalmente exposições arqueológicas e antropológicas), Artes da Fundação e tapete Rassam cultural (que inclui um museu e uma escola de tecelagem de tapetes tapetes), o Museu do tapete (o tapete era o mais velho dos 450 anos) e do Museu Antropológico localizado no Palácio Golestan e Abad Saad. A capital iraniana também contém uma série de centros culturais (incluindo Bahman Azadi e Khavaran), e uma biblioteca nacional unthéâtre, um zoológico e uma universidade.

Excursões: a montanha de Alborz é um destino popular para excursões a partir de Teerã. Existem muitos resorts equipados com elevadores e pistas de esqui (durante a temporada de janeiro a março). A poucos quilômetros de Teerã, existem cidades Rey, Varamin, Qazvin e Shemshak, que manteve seu caráter pitoresco.

Noroeste do Irã

Segunda cidade do país, Tabriz, abriga os restos da magnífica mesquita Azul, construída em 1465 e recentemente restaurado. Coberto Qaisariyeh Bazar do século 15. Outras cidades que merecem uma visita, como Uromieh, Astara Ardabil, Bandar-e Anzali e Rasht.

O Triângulo de Ouro

Este é o nome geral dado à área cercada pelas antigas cidades de Hamadan, Kermanshah e Khorramabad. Esta região do Irã é particularmente rico em memórias históricas: por séculos, a Rota da Seda passou por esta região e há vestígios de povoamento datam mais de 6000 anos. Hamadan foi a capital de verão dos imperadores perses.Kermanshah é um bom lugar para visitar Caves Taghe Bostan, lar de várias esculturas em baixos-relevos suntuosa.

O lugar do Templo de Artemis selêucida é Kangavar: é enormes colunas derrubadas durante a reconstrução.

Isfahan

É a antiga capital da Pérsia, reconhecida Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO. O ponto mais marcante da cidade é a magnífica praça central, que é sete vezes o tamanho de San Marco, em Veneza.

Outros locais a visitar

Shiraz é a capital da província de Fars e outra cidade antiga no país. Muitos edifícios datam do século IX e existem parques e jardins fabulosos. 50 km de distância é Persépolis, que classificou como Patrimônio Mundial pela UNESCO, conhecido por Palácio de Dario, construída sobre uma plataforma de corte enorme na Rahmat Kuhe. Outro sítio arqueológico pela UNESCO é Zanbil Xangai, a 40 km ao sudeste de Susa.

Khorasan é uma grande província no leste, o que foi uma grande influência com seus centros de aprendizagem no início da Idade Média. Mashhad, uma estação de abastecimento ex-na Rota da Seda, é a capital da Khurasan. A cidade de Kerman, na região sul do deserto tem muitas belas mesquitas e os restos de uma cidadela. No entanto, recomendamos visitantes que ser cauteloso e fazer apenas viagens organizadas por organizações turísticas aprovados pelo governo iraniano.

Fonte: www.asie-planete.com

Irã

Irã é o nome atual da antiga Pérsia, que foi cenário de muitas histórias bíblicas. Entre elas encontram-se a história de Daniel na cova dos leões e a luta de Ester e Mordecai para salvar o povo judeu. O Irã é uma grande nação estrategicamente localizada no Oriente Médio. Seu território é formado por platôs desérticos cercados de montanhas.

Cerca de 67 milhões de pessoas vivem no país, distribuídas em mais de 60 grupos étnicos. A grande maioria da população é persa, mas há vários outros grupos étnicos com mais de um milhão de pessoas, como os lures, os curdos e os azeris.

Há um equilíbrio entre a população urbana e a rural. Pouco menos de metade dos iranianos tem idade inferior a 15 anos e aproximadamente 75% dos adultos são alfabetizados. A taxa de crescimento demográfico é alta, o que leva à estimativa de que o número de iranianos dobrará por volta de 2025.

A história do Irã inicia-se em tempos bastante remotos. No século VI a.C, Ciro, o Grande, unificou os exércitos dos Medos e dos Persas para formar o Império Persa, um dos maiores impérios que o mundo conheceu.

O rei Dario continuou a expansão do império e alcançou a cordilheira do Hindu Kush, na atual fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão. Mais tarde, Alexandre, o Grande, sobrepujou o Império Persa e o anexou a seu próprio império, mas ao morrer seu domínio foi dividido entre os quatro generais de seu exército. O império alexandrino foi sucedido pelo império sassânida, que restaurou a cultura iraniana e governou até 640 d.C, quando foi derrotado pelos árabes. Durante as dissidências e divisões ocorridas nos anos posteriores a Maomé, o Irã tornou-se intimamente associado ao islamismo xiita.

Em 1200 d.C., uma esmagadora invasão dos exércitos mongóis devastou o país. O Irã mal havia se recuperado deste golpe quando os exércitos de Tamerlan avançaram sobre o território persa e conquistaram cidades como Shiraz e Esfahan, ainda que mais lentamente que a primeira invasão mongol. A dinastia Safávida chegou ao poder em 1501, após a desintegração do Império de Tamerlan, e governou até 1722, quando foi derrubada por uma efêmera invasão afegã. Em 1796, a dinastia Kajar chegou ao poder e governou até o início do século XX.

Na história mais recente, o xá Reza Pahlevi assumiu o poder em 1962 e iniciou uma série de reformas visando à modernização do país. Suas mudanças levaram as alas conservadoras a tomar-lhe o poder. O aiatolá Khomeini assumiu o governo em 1979 e implantou a teocracia como forma de governo. Após a morte de Khomeini, em 1989, o novo governo procurou manter-se teocrático ao mesmo tempo que procurava uma postura mais moderada.

A economia iraniana é baseada principalmente no petróleo. Embora o Irã tenha se desenvolvido de forma significativa, grande parte do progresso foi perdido nas décadas seguintes à revolução de 1979. Guerras com o Iraque enfraqueceram ainda mais a economia. Atualmente, a renda per capita iraniana é de aproximadamente US$ 1.000 por ano. A paz e a crescente abertura ao exterior têm resultado em alguns avanços e melhorias econômicas, mas o rápido crescimento populacional afeta negativamente o padrão de vida.

O Irã é uma república islâmica teocrática. Em anos recentes, seu governo tem adotado uma postura mais moderada e menos oposicionista ao ocidente. No entanto, apesar dessa abertura, o país continua fechado e mantém uma força policial secreta para exterminar qualquer oposição sem qualquer preocupação com os direitos humanos. O governo iraniano encontra-se bastante empenhado em se tornar uma influência sobre a Ásia Central e, por isso, encara a Turquia como rival.

A religião oficial do país é o islamismo xiita. Os muçulmanos abrangem 99% da população iraniana. Existem pequenas minorias de bahaístas, judeus e cristãos.

A Igreja

Há 300 mil cristãos no Irã, o que corresponde a menos de 0,5% da população do país. A maioria é armênia ortodoxa, mas há também alguns milhares de protestantes e católicos romanos. Quase todos vieram de famílias cristãs. Convertidos oriundos de famílias muçulmanas somam menos que 10 mil.

A Perseguição

As restrições e a perseguição ao cristianismo têm se multiplicado rapidamente nos últimos anos. Cristãos de todas as denominações têm sido perseguidos, mas a Igreja Episcopal, que possui o maior número de convertidos entre os muçulmanos, sofre de maneira especial. Embora os direitos de cristãos, judeus e zoroástricos sejam assegurados pela constituição, na prática todos são vítimas de retaliações e perseguições.

Pastores são levados para interrogatórios e mantidos sob prisão. Casos mais críticos envolvem até a execução. Os muçulmanos que se convertem ao cristianismo são rotineiramente interrogados e espancados. Além disso, acredita-se que muitos homicídios não esclarecidos são praticados por radicais que freqüentemente ameaçam os cristãos de morte.

Entre os mártires mais proeminentes encontram-se os reverendos Mehdi Dibaj e Tateos Michaelian, além de Haik Hovsepian Mehr, que foi morto em janeiro de 1994. Sua viúva, Takoosh Hovsepian, vive atualmente na Áustria, onde aguarda permissão para ir aos Estados Unidos encontrar-se com o restante da família.

Um funcionário da Missão Portas Abertas da Holanda foi visitá-la:

"Estou muito feliz por poder agradecer todas as cartas e cartões que recebi nos últimos cinco anos", declarou Takoosh. "Elas têm um enorme significado para mim. Toda vez que leio ‘Estou orando por você’ sinto sair um pouco de minha dor de mim. Os primeiros meses após a morte de meu marido foram especialmente difíceis. Nós sabíamos que ele estava em um bom lugar, mas sentíamos muito a sua falta como marido e pai. Graças a Deus fomos confortados pelo Espírito Santo e colegas cristãos nunca nos deixaram sozinhos."

Takoosh contou como Deus lhe pediu que perdoasse seus inimigos: "Certa vez, uma senhora cristã me procurou e me disse que eu deveria perdoar os assassinos de meu marido. Respondi que isso era impossível para mim. Então ela explicou que eu apenas tinha que orar por isso. Assim, comecei a orar, somente com a minha boca, pelo perdão de meus inimigos. Mais tarde, no entanto, através do poder do Espírito Santo, eu aprendi a orar com meu coração.

Não sabia que ainda tinha de dar outro passo. O Senhor me mostrou que eu tinha que louvá-lo em toda e qualquer circunstância. Novamente, eu pensei que Ele estava me pedindo algo impossível e, mais uma vez, Ele me ajudou a obedecer sua ordem. Apenas perdoar não é suficiente. Nós precisamos reconhecer que Deus é o Rei dos Reis. Ele está no controle. Nós temos que louvá-lo em todas as situações."

Quando questionada sobre a situação da igreja no Irã, Takoosh hesitou:

"Sabem, ainda tenho receio de falar sobre esse assunto, mas posso dizer uma coisa: a igreja no Irã ainda precisa de suas orações. A perseguição continua e os membros estão sob intensa pressão. Porém, da mesma forma, agradeçam a Deus porque existe muita sede espiritual no país. Não existem igrejas vazias no Irã! E se você estiver, por exemplo, usando uma cruz, as pessoas farão perguntas sobre ela. Por favor, orem pelos cristãos e pastores no Irã. E orem também por minha família, para que o Senhor nos use onde quer que estivermos."

O Futuro

As missões cristãs são proibidas de operar no Irã e a maioria dos missionários trabalham "disfarçados". Importantes parcerias têm sido desenvolvidas para evangelizar o país e alcançar tanto os persas como alguns dos grupos minoritários. Livros e materiais cristãos são contrabandeados e a mensagem é pregada via satélite e por ondas curtas, resultando em um evangelismo vigoroso em algumas áreas do país.

A igreja está crescendo e estima-se que terá mais de um milhão de membros por volta de 2050. No entanto, este número ainda é pequeno se comparado com o total da população, sendo pouco provável que a população cristã alcance um percentual significativo na população iraniana ainda neste século.

Motivos de Oração

1. O crescimento traz novos membros para a igreja, mas também gera mais perseguição. Louve a Deus pelos milhares de cristãos iranianos. Ore para que a igreja iraniana seja capaz de encontrar meios discretos e criativos para aumentar sua taxa de crescimento por meio da evangelização. Literatura cristã, vídeos e Bíblias têm sido amplamente distribuídos. Com freqüência, os vídeos podem ser encontrados no mercado negro. Programas evangelísticos divertidos também têm conseguido chamar a atenção.

2. Os líderes da igreja iraniana têm sido duramente perseguidos. Ore pedindo proteção para os cristãos iranianos, em especial para os líderes, vítimas de severa perseguição no passado. Muitos deles foram mortos e outros vivem acuados pelo medo.

3. Muitos mártires cristãos eram chefes de família. Ore por suas viúvas, que têm de cuidar dos filhos com poucos recursos.

4. A igreja vê a modernização com esperança. Ore por uma crescente abertura no país que resulte em melhores relações entre muçulmanos e cristãos iranianos.

5. A população recorre ao contrabando para ouvir o Evangelho. Receptores secretos de TV via satélite são muito difundidos, apesar de sua natureza ilegal. Ore para que as transmissões via satélite, que varrem o território iraniano, resultem em muitos frutos.

6. Muitas minorias ainda não foram alcançadas pelo Evangelho. Ore pelas equipes de missionários que escolheram trabalhar com esses grupos. Ore também para que igreja iraniana desenvolva uma visão missionária por essas minorias.

Fonte: www.portasabertas.org.br

Irã

Nome completo: República Islâmica do Irã
População: 74,8 milhões (ONU, 2011)
Capital: Teerã
Área: 1,65 milhões de quilômetros quadrados (636.313 milhas quadradas)
Grande língua: Persa
Principal religião: o Islã
Expectativa de vida: 72 anos (homens), 75 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 10 rials iranianos = 1 Toman
Principais exportações: petróleo, tapetes, produtos agrícolas
RNB per capita: 3.520 dólares EUA (World Bank, 2011)
Domínio da Internet:. Ri
Código de discagem internacional: 98

Perfil

O Irã se tornou uma república islâmica única em 1979, quando a monarquia foi derrubada e clérigos assumiu o controle político sob o líder supremo aiatolá Khomeini.

A revolução iraniana pôs fim à regra do Xá, que tinha alienado poderosas forças religiosas, políticas e populares, com um programa de modernização e ocidentalização juntamente com pesada repressão da dissidência.

Pérsia, como o Irã era conhecido antes de 1935, foi um dos maiores impérios do mundo antigo, e que o país sempre manteve uma identidade cultural distinta dentro do mundo islâmico, retendo sua própria língua e mantendo a interpretação xiita do Islã.

Em 2002, presidente dos EUA, George W Bush declarou o Irã como parte de um "eixo do mal". Enquanto o sucessor de Bush, Barack Obama, suavizou o tom, Washington continua a acusar o Irã de tentar desenvolver armas nucleares.

O Irã, que construiu sua primeira usina atômica - em Bushehr, no sul do país - com a ajuda russa, diz que suas ambições nucleares são pacíficas. Presidente Ahmadinejad diz que Irã tem um "direito inalienável" de produzir combustível nuclear.

Em 2010, a ONU decidiu impor uma quarta rodada de sanções contra o Irã sobre a questão. Dois meses depois, Teerã anunciou que os engenheiros tinham começado carregamento de combustível na usina de Bushehr e descreveu isso como um marco na unidade do país para produzir energia nuclear.

Falta de progressos sobre a questão nuclear aumentou a tensão com a ONU, EUA e União Europeia até 2011, ea União Europeia anunciou a proibição das importações de petróleo iraniano, que entrou em vigor em Julho de 2012. Como a UE compra 20% das exportações de petróleo do Irã este foi um passo significativo, embora a ONU afirma que o Irã continua a avançar no seu programa nuclear.

O país tem uma abundância de recursos energéticos - reservas de petróleo e gás natural perdendo apenas para as da Rússia.

O Irã tem sido liderado por uma elite altamente conservador clerical desde 1979, mas parece estar entrando em uma nova era de transformação política e social com a vitória dos liberais nas eleições parlamentares em 2000.

Mas os reformistas, mantidos na defensiva política pelos conservadores poderosos no governo e judiciário, não conseguiu fazer cumprir suas promessas.

Apoio do ex-presidente Mohammad Khatami para maiores liberdades políticas e sociais tornou popular com os jovens - um fator importante como cerca de metade da população tem menos de 25.

Mas suas idéias relativamente liberais colocá-lo em desacordo com o líder supremo, o aiatolá Khamenei, e linha dura relutantes em perder de vista estabelecidos tradições islâmicas.

As eleições de Junho de 2005 foi um golpe para os reformistas, quando Mahmoud Ahmadinejad, prefeito de Teerã ultra-conservador, tornou-se presidente.

Controverso Ahmadinejad reeleição em junho de 2009 e da repressão violenta de protestos da oposição subseqüentes tem aumentado ainda mais o fosso entre conservadores e reformistas dentro establishment político iraniano.

Irã
Mesquita em Isfahan

Irã
Murais em Persepolis, Irã

Uma cronologia dos principais eventos:

550-330 aC - Aquemênida dinastia governa o primeiro império persa. Na sua maior extensão sob Dario I se estende do Mar Egeu e da Líbia para o Vale do Indo.

492-479 - tentativas persas para conquistar a Grécia falhar.

330 - Alexandre, o Grande, da Macedônia conquista do império persa, fundando um império de curta duração antes de morrer na Babilônia em 323.

312-140 - A maioria da Pérsia é parte do grego dominado Império Selêucida (helenística), fundada por um general de Alexandre, o Grande.

140 aC - 224 dC - Pérsia se tornar parte do Império Parto, governado pela dinastia Arsacid.

224-651 AD - Sassânida dinastia regras Império Persa; zoroastrismo é a religião dominante.

Advento do Islã

636 - invasão árabe traz fim da dinastia sassânida e início do governo islâmico.

Século 9 - Emergência de língua persa moderno (ou persa), escrito usando uma forma de escrita árabe.

9-século 13 - Declínio do califado islâmico; ascensão de dinastias Seljuk Turk.

1220 - Invasão Mongol por forças de Genghis Khan.

1501 - Shah Ismail I torna-se o primeiro governante da dinastia islâmica safávida; xiita Islã declarou religião do Estado.

1639 - Tratado de Qasr-e Shirin (ou Tratado de Zuhab) termina cerca de 150 anos de guerra contra o Império Otomano.

1828 - O Irã cede o controle do Cáucaso para a Rússia após a segunda guerra russo-persa.

1736 - Nadir Shah se torna monarca; final de Safavid dinastia.

1890 - Tumultos "tabaco": governante Naser al-Din Shah forçado a retirar concessões comerciais à Grã-Bretanha após protestos em massa.

1907 - Introdução de Constituição que limita os poderes absolutistas de governantes.

1914-1918 - O Irã declara neutralidade, mas é palco de combates pesados durante a Primeira Guerra Mundial

1921 Fevereiro - comandante militar Reza Khan toma o poder.

1923 - Reza Khan torna-se primeiro-ministro.

1925 Dezembro - Parlamento vota para fazer governante Reza Khan.

1926 Abril - Reza Khan coroado xá Reza Pahlavi. Mohammad Reza, filho mais velho do Xá, é proclamado príncipe herdeiro.

Shah instalado

1935 - Anteriormente conhecido como Pérsia, o Irã é adotado como nome oficial do país.

1941 - A aliança Xá pró-Eixo na Segunda Guerra Mundial leva à ocupação anglo-russo do Irã e da deposição do Xá em favor de seu filho, Mohammad Reza Pahlavi.

1950 - Ali Razmara torna-se primeiro-ministro e é assassinado menos de nove meses depois. Ele é sucedido pelo nacionalista, Mohammad Mossadegh.

1951 Abril - Parlamento vota para nacionalizar a indústria do petróleo, que é dominado pela companhia petrolífera de propriedade britânica Anglo-Iranian. Grã-Bretanha impõe um embargo e um bloqueio, impedindo as exportações de petróleo e atinge a economia. A luta pelo poder entre o Xá e Mossadegh segue eo Xá foge do país em agosto de 1953.

1953 Agosto - Mossadeq é derrubado por um golpe projetado pelos serviços de inteligência britânicos e americanos. Geral Fazlollah Zahedi é proclamado como primeiro-ministro e os retornos Shah.

Campanha para modernizar

1963 Janeiro - Os embarca Shah em uma campanha para modernizar e ocidentalizar o país. Ele lança a "Revolução Branca", um programa de reforma agrária e modernização social e econômica. Durante o final de 1960 é o Xá tornou-se cada vez mais dependente da polícia secreta (Savak) em controlar os movimentos de oposição críticos de suas reformas.

1978 setembro - As políticas do Xá alienar o clero e seu governo autoritário leva a motins, greves e manifestações de massa. A lei marcial é imposta.

Shah exilado, retorna Khomeini

1979 Janeiro - A situação política se deteriora, o Xá e sua família são forçados ao exílio.

1979 novembro - Militantes islâmicos levar 52 norte-americanos reféns no interior da embaixada dos EUA em Teerã. Eles exigem a extradição do Xá, os EUA no momento para tratamento médico, para enfrentar o julgamento no Irã.

1979 01 de fevereiro - O fundamentalista islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini, retorna ao Irã, após 14 anos de exílio no Iraque e França para a oposição ao regime.

1979 01 de abril - A República Islâmica do Irã é proclamado após um referendo.

1980 Janeiro - Abolhasan Bani-Sadr é eleito o primeiro presidente da República Islâmica. Seu governo começa a trabalhar em um programa de nacionalização maior.

1980 Jul - O Xá exilado morre de câncer no Egito.

Guerra Irã-Iraque

1980 22 de setembro - Início da guerra Irã-Iraque, que dura oito anos.

1981 Janeiro - Os reféns americanos são liberados terminando 444 dias em cativeiro.

1981 Junho - Bani-Sadr é demitido, ele mais tarde foge para a França.

1985 - Depois de os EUA ea União Soviética interrompeu fornecimento de armas, os EUA tentaram ganhar a libertação de reféns no Líbano, oferecendo acordos secretos de armas, este mais tarde se tornaria conhecido como o escândalo Irã-Contra.

Julho de 1988 - 290 passageiros e tripulantes do Airbus da Air Irã são erroneamente abatido pelo USS Vincennes.

Cessar-fogo

Julho de 1988 - O Irã aceita um acordo de cessar-fogo com as negociações do Iraque seguintes em Genebra, sob a égide da ONU.

1989 Fevereiro - aiatolá Khomeini emite um decreto religioso (fatwa) ordenando os muçulmanos a matar autor britânico, Salman Rushdie, por seu romance, "Os Versos Satânicos", considerado blasfemo para o Islã.

1989 03 de junho - o aiatolá Khomeini morre. Em 4 de junho, o Presidente Khamene'i é nomeado como novo líder supremo.

1989 Agosto - Ali Akbar Hashemi-Rafsanjani é empossado como o novo presidente.

1989 novembro - os EUA libera 567 milhões de dólares de ativos congelados iranianas.

Grande terremoto mata milhares

Junho de 1990 - Um grande terremoto atinge Irã, matando cerca de 40.000 pessoas.

1990 - O Irã permanece neutra após a invasão do Kuwait pelo Iraque.

1990 Setembro - Irã e Iraque retomar os laços diplomáticos.

EUA impõe sanções

1995 - EUA impõe sanções comerciais de petróleo e mais de patrocínio alegada Irã de "terrorismo", em busca de adquirir armas nucleares e hostilidade ao processo Oriente Médio. O Irã nega as acusações.

1997 Maio - Mohammad Khatami ganha a eleição presidencial com 70% dos votos, derrotando a elite dominante conservadora.

Setembro de 1998 - O Irã implanta milhares de soldados em sua fronteira com o Afeganistão depois que o Talibã admite matando oito diplomatas iranianos e um jornalista em Mazar-e Sharif.

Protestos estudantis

Julho de 1999 - Pro-democracia estudantes na Universidade de Teerã demonstrar após o encerramento do jornal reformista 'Salam'. Os confrontos com as forças de segurança levam a seis dias de tumultos e à detenção de mais de 1.000 alunos.

Fevereiro de 2000 - eleições Majlis. Liberais e simpatizantes de Khatami tomar o controle do parlamento dos conservadores pela primeira vez.

2000 Abril - O Judiciário, na sequência da aprovação de uma nova lei de imprensa, proíbe a publicação de 16 jornais reformistas.

2000 Maio - Inauguração do parlamento Sexta.

Segundo mandato de Khatami

Junho de 2001 - Presidente Khatami reeleito.

Janeiro de 2002 - presidente dos EUA, George Bush descreve o Iraque, Irã e Coréia do Norte como um "eixo do mal", alertando para a proliferação de mísseis de longo alcance a ser desenvolvidos nestes países. O discurso causa indignação no Irã e é condenado por reformistas e conservadores.

De setembro de 2002 - Técnicos russos iniciar a construção do primeiro reator nuclear iraniano em Bushehr apesar da forte oposição de EUA.

Junho de 2003 - Milhares participar liderados por estudantes protestos em Teerã contra a instituição clerical.

Setembro de 2003 - agência nuclear da ONU, a AIEA, dá semanas de Teerã para provar que não está buscando um programa de armas atômicas.

Outubro de 2003 - Shirin Ebadi se torna o primeiro do Irã Prêmio Nobel da Paz; advogado e defensor dos direitos humanos tornou-se o primeiro juiz do Irã feminino em 1975, mas foi forçado a renunciar depois de 1979 revolução.

Novembro de 2003 - O Irã diz que está suspendendo seu programa de enriquecimento de urânio e permitir inspeções da ONU mais duras de suas instalações nucleares. IAEA conclui não há nenhuma evidência de um programa de armas.

Dezembro de 2003 - 40 mil pessoas são mortas em um terremoto no sudeste do Irã, a cidade de Bam fica arrasado.

Ressurgimento conservador

Fevereiro de 2004 - Os conservadores recuperar o controle do parlamento nas eleições. Milhares de candidatos reformistas foram desqualificados pelo Conselho dos Guardiães linha-dura antes das eleições.

Crise nuclear

2005 Agosto-Setembro - Teerã diz que retomou a conversão de urânio em sua usina de Isfahan e insiste que o programa é para fins pacíficos. AIEA encontra o Irã, em violação do Tratado de Não-Proliferação nuclear.

Junho de 2004 - O Irã é repreendido pela AIEA por não cooperar plenamente com um inquérito sobre suas atividades nucleares.

Novembro de 2004 - O Irã concorda em suspender a maior parte de seu enriquecimento de urânio sob um acordo com a UE.

Junho de 2005 - Mahmoud Ahmadinejad, prefeito de Teerã ultra-conservador, ganha uma votação de segundo turno nas eleições presidenciais, derrotando clérigo e ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani.

Janeiro de 2006 - O Irã rompe os selos da AIEA em suas instalações de pesquisa nuclear de Natanz.

Ataques a bomba no sul da cidade de Ahvaz - a cena de agitação esporádica nos últimos meses - matar oito pessoas e ferir mais de 40.

Fevereiro de 2006 - votos da AIEA para denunciar o Irã ao Conselho de Segurança da ONU sobre suas atividades nucleares. Irã retoma enriquecimento de urânio em Natanz.

Abril de 2006 - O Irã diz que conseguiu enriquecer urânio em sua usina de Natanz.

2006 31 de Agosto - Segurança da ONU prazo do Conselho para o Irã a interromper seu trabalho em passes de combustível nuclear. AIEA diz que Teerã não suspender o programa.

A negação do Holocausto

De dezembro de 2006 - O Irã abriga uma controversa conferência sobre o Holocausto; delegados incluem negadores do Holocausto.

Conselho de Segurança vota para impor sanções ao comércio do Irã em materiais sensíveis e tecnologia nuclear. Irã condena a resolução e promete acelerar os trabalhos de enriquecimento de urânio.

Fevereiro de 2007 - AIEA diz que o Irã não cumprir um prazo para suspender o enriquecimento de urânio, expondo Teerã a possíveis novas sanções.

Março de 2007 - Diplomática impasse com a Grã-Bretanha depois que o Irã detém 15 marinheiros e fuzileiros navais britânicos que patrulhavam a boca do canal Shatt al-Arab separando o Irã eo Iraque.

Abril de 2007 - O presidente Ahmadinejad diz que Irã pode produzir combustível nuclear em escala industrial.

AIEA diz que o Irã começou a produção de combustível nuclear em sua usina subterrânea de enriquecimento de urânio. Ele também diz que o Irã começou a subir mais de 1.300 centrífugas.

2007 Maio - AIEA diz que o Irã poderia desenvolver uma arma nuclear em três a oito anos, se assim o desejar.

Junho de 2007 - Protestos irrompem depois que o governo impõe racionamento de gasolina em meio a temores de possíveis sanções da ONU.

Julho de 2007 - O Irã anuncia planos de parar de fazer carros que funcionam somente com gasolina e mudar para veículos de combustível duplo, que também funcionam a gás.

Irã concorda em permitir que inspetores para visitar as instalações nucleares Arak fala a seguir com a AIEA.

Novas sanções

Outubro de 2007 - EUA anuncia varrendo novas sanções contra o Irã, o mais difícil, uma vez que primeiro impôs sanções há quase 30 anos.

De dezembro de 2007 - Um novo relatório de inteligência EUA minimiza a ameaça nuclear representada pelo Irã.

Fevereiro de 2008 - O Irã lança um foguete de pesquisa para inaugurar um centro espaço recém-construído. Washington descreve o lançamento como "infeliz".

De março de 2008 - O presidente Ahmadinejad faz visita oficial sem precedentes ao Iraque, onde ele convida as tropas estrangeiras para sair. Ele também salienta o desejo de seu governo para ajudar a reconstruir o Iraque e assina um número de acordos de cooperação.

Conservadores ganham mais de dois terços das cadeiras nas eleições parlamentares em que muitos pró-reforma candidatos foram expulso de pé. Os conservadores incluem partidários do presidente Ahmadinejad, bem como mais conservadores pragmáticos que se opõem à sua política de confronto estrangeira.

Conselho de Segurança da ONU aperta sanções econômicas e comerciais em Teerã.

2008 Maio - AIEA diz que o Irã ainda está ocultando informações sobre seu programa nuclear.

Nova Irã Parlamento elege ex-negociador nuclear, Ali Larijani, como seu presidente.

Incentivos oferecidos

Junho de 2008 - política externa da UE, Javier Solana, apresenta uma oferta de benefícios comerciais, que Teerã diz que vai olhar, mas rejeitará se ele exige a suspensão do enriquecimento de urânio.

De julho de 2008 - O Irã teste dispara uma nova versão do Shahab-3, um míssil de longo alcance que diz ser capaz de atingir alvos em Israel.

De agosto de 2008 - prazo informal definido por autoridades ocidentais para que o Irã responda ao pacote de incentivos em troca da suspensão das atividades nucleares passa sem resposta.

O Irã diz que lançou com sucesso um foguete de teste capaz de transportar um satélite para o espaço.

De setembro de 2008 - Conselho de Segurança passa por unanimidade uma nova resolução reafirmando exigências que o Irã pare de enriquecer urânio, mas não impõe novas sanções. O texto foi aprovado depois que a Rússia disse que não apoiará novas sanções.

Relações com os EUA

De novembro de 2008 - Parlamento vota para demitir o ministro do Interior, Ali Kordan, que admitiu que um grau ele disse que realizada pela Universidade de Oxford era falso. A medida é um duro golpe para o presidente Ahmadinejad antes das eleições presidenciais do próximo ano.

Em um movimento sem precedentes, o presidente Ahmadinejad felicita presidente dos EUA eleito, Barack Obama por sua vitória eleitoral. Obama ofereceu-se para abrir um diálogo incondicional com o Irã sobre seu programa nuclear.

De dezembro de 2008 - A polícia raid e fechar o escritório de um grupo de direitos humanos liderada pelo Prêmio Nobel da Paz, Shirin Ebadi. Autoridades dizem que o centro está agindo como uma organização política ilegal.

2009 Fevereiro - Falando sobre o 30 º aniversário da revolução islâmica no Irã, o presidente Mahmoud Ahmadinejad diz que ele gostaria de receber conversações com os EUA, desde que eles se baseiam em "respeito mútuo".

2009 Março - O líder supremo Ali Khamenei diz anti-Israel rali que presidente dos EUA, Obama está seguindo a "mesma faixa equivocada" no Oriente Médio, como o presidente Bush.

Abril de 2009 - Um tribunal iraniano encontra iraniano-americana Roxana Saberi jornalista culpado de espionagem para os EUA. Ela é condenado a oito anos de prisão.

2009 Maio - O Irã rejeita um relatório do Departamento de Estado dos EUA dizendo que continua a ser o "Estado patrocinador do terrorismo mais ativo" no mundo.

Preso iraniano-americana Roxana Saberi jornalista é liberado e retorna aos EUA.

Protestos eleitorais

Junho de 2009 - Mahmoud Ahmadinejad é declarado ter ganho uma retumbante vitória na eleição presidencial de 12 de junho. Os candidatos rivais desafiar o resultado, alegando fraude eleitoral. Seus partidários vão às ruas, e pelo menos 30 pessoas morreram e mais de mil detidos na onda de protestos que se seguem.

As autoridades iranianas alegam interferência estrangeira está alimentando a inquietação, e destacar a Grã-Bretanha para a crítica.

De julho de 2009 - O presidente Ahmadinejad nega o seu mais sênior vice-presidente, Esfandiar Rahim Mashaie, sob pressão para fazê-lo pelo líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

2009 Agosto - Mahmoud Ahmadinejad empossado para segundo mandato como presidente, apresenta gabinete - o primeiro desde a fundação da República Islâmica em 1979, para incluir as mulheres.

Um número de figuras da oposição está acusado de conspirar com potências estrangeiras para organizar distúrbios e são levados a julgamento.

O líder supremo aiatolá Ali Khamenei diz que não há prova de que os líderes da oposição culpou a instabilidade pós-eleitoral eram agentes de potências estrangeiras.

Testes de mísseis

De setembro de 2009 - O Irã admite que está construindo uma usina de enriquecimento de urânio perto de Qom, mas insiste que é para fins pacíficos.

O país-teste dispara uma série de médio e longo alcance, mísseis que colocam Israel e bases americanas no Golfo ao alcance impressionante potencial.

Outubro de 2009 - cinco membros permanentes do Conselho de Segurança mais a Alemanha oferecer ao Irã proposta para enriquecer seu urânio no exterior.

Novembro de 2009 - O Irã se recusa a aceitar a proposta internacional para acabar com a disputa sobre seu programa nuclear. Vigilância nuclear da ONU AIEA aprova uma resolução condenando o Irã por desenvolver uma instalação de enriquecimento de urânio segundo em segredo.

Irã denuncia o movimento como "político" e anuncia planos de criar 10 instalações de enriquecimento de urânio mais.

2009 Dezembro - Morte de dissidente influente clérigo aiatolá Hoseyn Ali Montazeri provoca novos confrontos entre apoiantes da oposição e forças de segurança. Pelo menos oito pessoas morrem em qual é a pior onda de violência desde a eleição presidencial contestada.

De janeiro de 2010 - O Irã executa dois homens presos durante o período de agitação que se seguiu à eleição presidencial de junho de 2009. Ele também coloca 16 pessoas em julgamento sobre os protestos da oposição Ashura dia em dezembro, quando oito pessoas foram mortas.

Irã professor de física Masoud Ali-Mohammadi foi morto em um ataque a bomba em Teerã. Nenhum grupo reivindica a responsabilidade. O governo acusa os EUA e Israel de sua morte, enquanto os grupos de oposição iranianas dizem que o Sr. Mohammadi apoiou um de seus candidatos na eleição presidencial do ano passado.

Fevereiro de 2010 - O Irã diz que está pronto para enviar urânio enriquecido no exterior para enriquecimento no âmbito de um acordo fechado com o Ocidente. Os EUA apela a Teerã para corresponder as suas palavras com ações.

O líder da oposição Mir Hossein Mousavi diz que a oposição vai continuar a sua luta pacífica contra o governo.

2010 Maio - O Irã chega a um acordo para enviar urânio para enriquecimento no exterior depois de conversas de mediação com a Turquia eo Brasil, os países ocidentais respondem com ceticismo, dizendo que o acordo não vai impedir o Irã de continuar a enriquecer urânio.

Mais sanções

Junho de 2010 - Conselho de Segurança impõe quarta rodada de sanções contra o Irã por seu programa nuclear, incluindo mais apertadas restrições financeiras e um embargo de armas expandida.

2010 Julho - clamor internacional como uma mulher é sentenciada à morte por apedrejamento por adultério.

27 mortos em ataques suicidas atacam uma mesquita xiita em Zahedan, perto da fronteira com o Paquistão.

2010 Agosto - Em que Teerã descreve como um marco em sua unidade para a produção de energia nuclear, os engenheiros começar a carregar de combustível na usina de energia nuclear de Bushehr.

2010 Setembro - o Stuxnet - um worm de computador que afeta os sistemas industriais e que pode ter sido criado por um Estado-nação - é declaradamente detectados em computadores equipe na usina nuclear de Bushehr.

Sarah Shourd, um cidadão dos EUA capturado caminhar com dois amigos perto da fronteira Irã-Iraque, é libertado depois de um ano de prisão. Os três negam que estavam espionando.

EUA impõe sanções sem precedentes contra oito altos funcionários iranianos por violações dos direitos humanos.

2010 Outubro - Um ex-funcionário da embaixada britânica presos em 2009 por espionagem tem sua sentença comutada.

2010 Dezembro - principal conquista de negociações em Genebra entre o Irã e as potências mundiais-chave sobre o programa nuclear do Irã é concordar em realizar outra rodada de negociações em Istambul, em janeiro.

Sacos presidente Ahmadinejad ministro das Relações Exteriores, Manouchehr Mottaki, pensado para ser seu principal adversário dentro da liderança iraniana.

2011 Janeiro - O chefe nuclear Ali Akbar Salehi diz que o Irã agora possui tecnologia necessária para fazer as placas de combustível e varetas para reatores nucleares.

2011 Fevereiro - Primeiras manifestações de massa da oposição em um ano em meio a uma onda de agitação ondulando em todo o Oriente Médio e Norte da África.

Irã envia dois navios de guerra através do Canal de Suez pela primeira vez desde a Revolução Islâmica, em que Israel descreve como um ato de provocação.

Rift liderança

2011 Abril - linha pública rara entre líder supremo aiatolá Khamenei e Ahmadinejad presidente sobre a renúncia do ministro de Inteligência, Heidar Moslehi.

2011 Maio - Organização de Energia Atômica do Irã diz que a unidade geradora da usina nuclear de Bushehr começou a operar em um nível baixo.

2011 Agosto - Dois cidadãos americanos detidos na fronteira Irã-Iraque em 2009 são declarados culpados de espionagem e condenado a oito anos de prisão.

2011 Setembro - O Irã anuncia que a central nuclear de Bushehr foi conectada à rede nacional.

2011 Outubro - Os EUA acusam o Irã de estar por trás de um suposto complô para matar o embaixador saudita em Washington. Teerã rejeita as acusações como parte de uma campanha de propaganda americana.

2011 novembro - Um relatório da agência nuclear da ONU, a AIEA diz que o Irã está desenvolvendo uma pesquisa que só pode ser usado para desenvolver uma bomba nuclear gatilho. Irã rejeita as conclusões como politicamente motivadas.

2011 Novembro / Dezembro - Manifestantes atacam embaixada britânica em Teerã, depois de Londres impõe sanções econômicas mais rígidas. Grã-Bretanha retira seu pessoal diplomático e expulsa todos os diplomatas iranianos, mas os laços não são cortadas.

Sanções petrolíferas e Estreito impasse

2012 Janeiro - EUA impõe sanções ao Irã central do banco, o principal centro de seleção de seus lucros de exportação de petróleo. Irã ameaça bloquear o transporte de petróleo através do Estreito de Hormuz.

Irã começa a enriquecer urânio em sua planta de Fordo undergound, em que os termos dos EUA uma "nova escalada" na linha nuclear. A União Europeia impõe um embargo de petróleo ao Irã por seu programa nuclear.

2012 Fevereiro - Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) deixar o Irã depois de ter sido negado o acesso ao site de Parchin, ao sul de Teerã.

EUA, navios de guerra britânicos e franceses passar sem obstáculos através do Estreito de Hormuz.

2012 Março-Maio - Partidários do líder supremo aiatolá Khamenei vencer aqueles do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em eleições parlamentares boicotadas por grupos pró-reforma.

2012 Maio - Inspetores da ONU nucleares encontrar vestígios de urânio enriquecido a 27% no site do Irã Fordo nuclear, um dia depois que os poderes do Irã e do mundo manter conversações inconclusivas sobre o programa nuclear do Irã em Bagdá.

2012 Junho - EUA isenta sete principais clientes - Índia, Coreia do Sul, Malásia, África do Sul, Sri Lanka, Taiwan e Turquia - de sanções econômicas, em troca de suas importações de petróleo iraniano de corte.

2012 Julho - European boicote União das exportações de petróleo iranianas entrar em vigor.

2012 Setembro - Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o Irã diz relatório trimestral capacidade de produção de duplas em Fordo sítio nuclear e "significativamente prejudicada" A capacidade da AIEA para inspecionar Parchin local militar.

Canadá rompe relações diplomáticas sobre o programa nuclear do Irã e apoio ao governo Assad na Síria.

2012 Outubro - moeda rial iraniano cai para um novo recorde de baixa em relação ao dólar dos EUA, tendo perdido cerca de perder 80% de seu valor desde 2011 por causa das sanções internacionais. Ataque tropa de choque cerca de 100 operadores de câmbio fora do Banco Central.

Países da UE anunciam mais sanções contra o Irã por seu programa nuclear, com foco em bancos, comércio e importação de gás cruciais.

2012 novembro - Vazada Relatório da AIEA diz que o Irã está pronto para dobrar a produção na unidade de enriquecimento de Fordo subterrânea de urânio. O Irã tem 2.784 centrífugas lá, e operacional números podem em breve ser aumentada de 700 para 1400, a agência da ONU diz.

2013 Janeiro - O Irã diz AIEA que planeja atualizar enriquecimento de urânio centrífugas em sua usina de Natanz, permitindo a refinar urânio a um ritmo mais rápido.

Irã prende 11 jornalistas acusados de cooperar com organizações estrangeiras de língua persa mídia como parte de uma repressão contra a BBC ea Voz da América, em particular.

2013 Fevereiro - líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei rejeita EUA oferta de um-para-um conversas sobre o programa nuclear de Teerã. Ele diz que EUA estão "apontando uma arma para o Irã", impondo novas restrições no acesso do Irã de suas receitas do petróleo e por sua mídia estatal. EUA Vice-presidente Joe Biden sugeriu negociações diretas, separados para as discussões mais amplas internacionais devido a ter lugar no final deste mês.

Fonte: news.bbc.co.uk

Irã

Irã e antiga Pérsia tem uma história longa, criativo e glorioso. Ao contrário de muitos outros do Oriente Médio países, o Irã conseguiu manter-se independente durante a maior parte de sua história. Hoje, o Irã tem uma população de cerca de 70 milhões de pessoas. Princípio grupos étnicos são Pérsico 51%, 24% azeri, Gilaki e Mazandarani 8%, curdos 7% e 3% árabe.

O Irã é um país muçulmano, xiita com 89% e 10% muçulmanos sunitas. O 1% restante pertencem a religiões judaica, Bahai e zoroastriana. As religiões Bahai e Zoroastrian originado no Irã. Principais idiomas do Irã é persa (Fars) e dialetos persas 58%, dialetos turcos e turcos 26%, curdo 9%, Luri 2%, 1%, Baluchi árabe% 1,% 1 turco. Desde 1979, o Irã é uma República Islâmica.

O Irã está situado a leste do Iraque, além do rio Tigre, hidrovia Shatt Al-Arab e leste do Golfo Pérsico, através da Arábia Saudita. Ao norte, faz fronteira com a ex-soviéticas da Ásia Central, incluindo a Armênia Turcomenistão, Azerbaijão e no Mar Cáspio. Também faz fronteira com o Afeganistão e Paquistão, a leste, e Turquia, a oeste.

O Irã tem um clima semi-árido, na maior parte, mas é extremamente rica em recursos naturais. Em particular, ele tem quase 10% das reservas mundiais comprovadas de petróleo. Com quase 16% das reservas de gás do mundo, o Irã tem as reservas de segunda maior do mundo. Além disso, tem consideráveis quantidades de urânio grau relativamente baixo.

No entanto, o planejamento econômico pobres, as sanções por parte dos países ocidentais, baixa escolaridade, altas taxas de natalidade e de uma longa e sangrenta guerra com o Iraque ter mantido o Irã pobre, com um PIB de cerca de US $ 7.000 e de desemprego de cerca de 16%.

Nos últimos anos, os programas do governo que incentivam o planejamento familiar e emigração significativa ter reduzido a taxa de crescimento da população de cerca de 1% ao ano. Taxa de natalidade é agora cerca de 17 por mil, comparável a países ocidentais industrializados, e de alfabetização é de até 79%.

Início dos tempos modernos

Irã
Agha Mohammad Khan

Após a morte, em 1779, de Mohammad Karim Khan Zand , que era o governante da dinastia Zand do sul da Pérsia, Agha Mohammad Khan, um líder do Qajar tribo, reunificou o país, derrotado numerosos rivais e trouxe tudo do Irã sob seu governo, que institui a Qajar dinastia.

Por 1794 ele tinha eliminado todos os seus rivais, e haviam retomado antigos territórios iranianos na Geórgia e no Cáucaso. Agha Mohammad estabeleceu sua capital em Teerã, uma aldeia perto das ruínas da antiga cidade de Ray. Em 1796 ele foi formalmente coroado como Shah, mas ele foi assassinado em 1797 e foi sucedido por seu sobrinho, Fath Ali Shah.

Fath Ali Shah entraram em guerra duas vezes contra a Rússia, que se expandia a partir do norte, para as montanhas do Cáucaso. Irã sofreu grandes derrotas militares em ambas as guerras, a assinatura do Tratado de Golestan em 1813, e o Tratado de Turkmanchai em 1828, e cedendo à Rússia na Geórgia, no Cáucaso do Norte, e, eventualmente, o da zona norte inteiro do rio Aras, que inclui dia atual Armênia e Azerbaijão. Fath Ali Shah morreu em 1834 e foi sucesso por Shah Mohammad. Ele morreu em 1848 e foi sucedido por Naser Shah o-Din.

Naser o-Din Shah era o mais capaz dos Qajar regras. Ele introduziu a ciência ocidental, tecnologia e métodos de ensino e começou a modernização do Iran. Ele tentou jogar fora os poderes imperiais, Grã-Bretanha e Rússia, para preservar a independência do Irã, mas ele não foi capaz de impedir que a Grã-Bretanha e Rússia de invadir em regiões de influência iraniana tradicional.

Em 1856, a Grã-Bretanha impediu o Irã de reassumir o controle sobre Herat, e ajudou a fazer parte de Herat no Afeganistão. Em 1881 a Rússia tinha conquistado atual Turcomenistão e Uzbequistão, trazendo fronteira da Rússia de fronteira nordeste do Irã e cortando ligações históricas iranianas para Bukhara e Samarcanda.

Concessões comerciais do Irão colocar a economia iraniana em grande parte sob controle britânico. Naser o-Din Shah foi assassinado em 1896 por Mirza Reza Kermani em 1896, e seu filho Mozaffar o-Din assumiu o trono.

Mozaffar o-Din Shah era um governante fraco e ineficaz. Ele rapidamente passou dois grandes empréstimos da Rússia, em parte em viagens para a Europa. A indignação pública foi motivada pela vontade do xá para outorgar concessões aos europeus em troca de pagamentos generosos para ele e seus funcionários. O xá não respondeu aos protestos pela instituição religiosa, os comerciantes, e outras classes e instituiu medidas repressivas.

Um grande número de comerciantes e líderes clericais levou santuário de prisão provável em mesquitas de Teerã e fora da capital, em janeiro de 1906, e um adicional de 10 mil pessoas, lideradas pelos comerciantes, se refugiaram em junho no complexo da legação britânica em Teerã, após falha do Xá para conceder um conjunto prometida nacional.

Em agosto, o xá foi forçado a emitir um decreto prometendo uma constituição. Em outubro de uma assembleia eleita convocou e elaborou uma constituição que o previsto limitações estritas sobre o poder real, um parlamento eleito, ou Majles, com amplos poderes para representar o povo, e um governo com um assunto de gabinete a confirmação pelos Majles.

O Xá assinado a Constituição em 30 de dezembro de 1906, mas morreu cinco dias depois. Leis Complementares Fundamentais aprovados em 1907 desde que, dentro de limites, a liberdade de imprensa, de expressão e de associação, e para a segurança de pessoas e bens.

A Revolução Constitucional marcou o fim do período medieval, no Irã iranianos são muito orgulhosos deste evento entanto, mas a Constituição permaneceu em grande parte letra morta.

Mohammad Ali Shah, filho de Mozaffar o-Din assumiu o cargo em 1907. Com o apoio da Rússia, tentou rescindir a Constituição e abolir governo parlamentar.

Em junho de 1908 ele usou a sua russo-persa cossacos comandada Brigada de bombardear o edifício Majlis. Ele prendeu muitos dos deputados, e fechou a montagem. Resistência ao Xá, no entanto, se uniram em várias cidades, e em outros lugares. Em julho de 1909, as forças constitucionais marcharam de Rasht e Esfahan a Teerã, depôs o xá, e re-estabelecida a Constituição. O ex-Xá partiu para o exílio na Rússia.

As convulsões da Revolução Constitucional ea guerra civil havia minado a estabilidade e comércio. O ex-Shah, com o apoio da Rússia, desembarcou tropas no Irã em julho de 1910 em uma tentativa de recuperar o seu trono.

A esperança de que a Revolução Constitucional iria inaugurar uma nova era de independência em relação às grandes potências terminou quando, no âmbito do Acordo Anglo-Russa de 1907, a Grã-Bretanha ea Rússia concordaram em dividir o Irã em esferas de influência. Os russos foram para desfrutar direito exclusivo de perseguir os seus interesses na esfera do norte, os britânicos no sul e no leste, ambos os poderes estaria livre para concorrer a vantagem econômica e política em uma esfera neutra no centro.

A crise foi precipitada quando Morgan Shuster, um administrador Estados Unidos contratado como tesoureiro geral pelo governo persa para reformar suas finanças, procurou recolher impostos de funcionários poderosos sob proteção russa. Ele tentou enviar membros da polícia do Tesouro para a zona russa.

Os russos emitiu um ultimato exigindo a demissão Shuster, tropas russas, já no país, mudou-se para ocupar a capital. Para evitar a invasão Russa, em 20 de dezembro de 1911, Bakhtiari chefes e suas tropas cercaram o prédio Majles, a aceitação forçada do ultimato russo, e encerrar a montagem, mais uma vez suspender a Constituição. Um período de governo por Bakhtiari chefes seguiu até Ahmad Shah, que tinha 11 anos quando subiu ao trono, veio de idade.

Ahmad provou ser incompetente e não foi capaz de preservar a integridade da Iran. A ocupação da Pérsia durante a Primeira Guerra Mundial (1914-18) por russos, as tropas britânicas, e otomano foi um golpe do qual nunca recuperou o seu governo de forma eficaz.

Reza Shah

Um golpe de Estado em fevereiro de 1921 estabeleceu Reza Khan, um soldado que liderou o golpe de Estado, como governante. Após reprimir várias rebeliões, ele se tornou Shah em 1925, governando até 1941, como o xá Reza Pahlavi . Governo Reza Xá transformou o Irã em muitos aspectos positivos, mas seus política ditatorial causou inquietação e ódio, e sua política externa não conseguiu manter o Irã independente, e conseguiu, ao mesmo tempo a alienar tanto os soviéticos e britânicos.

Reza Shah tinha planos ambiciosos para a modernização do Irã, incluindo grandes indústrias, projetos de infra-estrutura, como estradas de ferro, um sistema nacional de educação pública, um poder judiciário reformada, e melhorar os cuidados de saúde. Ele queria um governo forte e centralizado gerido por pessoas instruídas para realizar seus planos.

Ele enviou centenas de iranianos, incluindo o seu filho para a Europa para treinamento. Inúmeros projetos Reza Shah desenvolvimento transformou o Irã em um país, industrial urbanizada. A educação pública progrediu rapidamente, e novas classes sociais-uma classe média profissional e uma classe operária industrial surgiu. Em 1935, o nome do país foi mudado de Pérsia para Irã.

Reza Shah tentou evitar o envolvimento com a Grã-Bretanha ea União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Apesar de muitos de seu desenvolvimento projetos necessários conhecimentos técnicos estrangeiros, ele evitou adjudicação de contratos a empresas britânicas e soviéticas. Grã-Bretanha, de propriedade da Companhia Anglo-Iranian Oil e, através dela, controlados todos os recursos de petróleo do Irã, mas o xá Reza evitado Grã-Bretanha e tem assistência técnica da Alemanha, França, Itália e outros países europeus.

Em 1939, quando a Segunda Guerra Mundial estourou, Reza Shah proclamada neutralidade iraniana. No entanto, a Grã-Bretanha insistiu que os engenheiros e técnicos alemães no Irã eram espiões e exigiu que todos os cidadãos alemães devem ser expulsos. Reza Shah recusou, alegando que isso iria impactar negativamente seus projetos de desenvolvimento. A suspeita não estava ausente que de fato o Xá tinha concluído um acordo secreto com a Alemanha nazista.

Depois de a Grã-Bretanha ea União Soviética tornou-se aliados na Segunda Guerra Mundial. eles voltaram sua atenção para o Irã. Ambos os países olhou para o recém-inaugurado Ferrovia Trans-iraniano como uma rota atrativa para o transporte de Golfo Pérsico para a região soviética.

Em agosto de 1941, por causa da recusa iraniana de expulsar cidadãos alemães, Grã-Bretanha e da URSS invadiu o Irã. Eles preso e exilado Reza Shah, e assumiu o controle da comunicação iranianos e ferroviários. Em 1942, os Estados Unidos, enviou uma força militar para o Irã para ajudar a manter e operar seções da ferrovia.

Mohamed Shah

As autoridades britânicas e soviéticas governo constitucional limitado e permitido filho Reza Xá, Mohammad Reza Shah Pahlavi , para suceder ao trono em 16 de setembro de 1941.

Em janeiro de 1942 a Grã-Bretanha ea Rússia assinaram um acordo com o Irão a respeitar a independência do Irã e retirar suas tropas dentro de seis meses após o fim da guerra. Em 1943, Teerã Conferência EUA reafirmou esse compromisso. Em 1945, a URSS se recusou a anunciar um calendário para deixar províncias do noroeste do Irã do Oriente Azerbaijão e do Azerbaijão Ocidental, onde os movimentos de autonomia Soviética apoiou tinha desenvolvido. A URSS retirou suas tropas maio 1946; este episódio foi um dos precursores da Guerra Fria emergente.

Irã o sistema político começou a amadurecer. Os partidos políticos foram organizadas e, de 1944 a eleição Majlis foram as primeiras eleições verdadeiramente competitivas em mais de 20 anos. A influência estrangeira e interferência permaneceu muito uma questão sensível para todas as partes.

A Companhia Anglo-Iranian Oil (AIOC), de propriedade do governo britânico, continuou a extrair e comercializar petróleo iraniano. No final da guerra, os iranianos começaram a exigir a nacionalização da indústria do petróleo, uma demanda que se tornou a peça central do nacionalismo iraniano.

Apesar de sua promessa de atuar como um monarca constitucional que iria adiar para o poder do governo parlamentar, Mohammad Reza Shah cada vez mais se envolveu nos assuntos governamentais e oposição ou frustrada fortes primeiros-ministros. Propenso a indecisão, no entanto, Mohammad Reza confiava mais na manipulação do que na liderança.

Ele se concentrou em reviver o exército e garantir que ele permaneceria sob controle real como a base de alimentação principal da Monarquia. Em 1949, o partido comunista Tudeh foi proibido após uma tentativa de assassinato contra o Xá, e os poderes do Xá foram expandidas.

Ascensão e Queda de Mosaddeq

Irã
Dr. Mossaddeq

Em 1951, o Parlamento iraniano votou de nacionalizar a indústria de petróleo, então controlada pela Grã-Bretanha. Legisladores que apoiam a lei elegeu seu principal defensor, Dr. Mohammad Mosaddeq, como primeiro-ministro após a morte de seu antecessor. Grã-Bretanha respondeu com ameaças e sanções. No entanto, a Grã-Bretanha não poderia convencer os EUA, sob a administração Truman. tomar qualquer ação no momento.

Mosaddeq era um acadêmico envelhecimento e excêntrico, imensamente popular por causa de suas posições para as pessoas comuns. Ele era um nacionalista, e não um comunista, embora o Partido Tudeh (comunista) apoiou-o por um tempo. No entanto, os governos britânico e dos EUA acabaram por ser capaz de convencer-se de que Mosaddeg estava prestes a alinhar o Irã com a URSS.

Dr. Mosaddeg tomaram posições muito inflexível, e foi incapaz de se comprometer com a Grã-Bretanha, que ganhou o apoio das grandes empresas de petróleo em impor um boicote mundial eficaz do petróleo iraniano.

Dr. Mosaddeq tornou-se um herói anti-imperialista para o mundo em desenvolvimento. Suas excentricidades, que se tornou sua marca registrada, incluída a realização de negócios na cama de pijama, chorando publicamente e queixas frequentes sobre saúde.

Criada por uma onda de popularidade, Mosaddeq mostrou sinais de demagogia e de governo ditatorial. Quando o Xá recusou sua demanda por controle das forças do exército em 1952, o Dr. Mosaddeq renunciou. Ele foi restabelecida em face de motins populares como ele, muito provavelmente, sabia que ele seria. Em seguida, ele realizou um referendo nacional para dissolver o parlamento.

Em 1953, o general Eisenhower havia se tornado presidente os EUA. Histeria anticomunista foi atingido o pico. Um general iraniano ofereceu para ajudar na derrubada de Mossadegh, e os britânicos foram capazes de convencer o americano da CIA para ir em frente com o golpe de Estado em agosto. Com recursos muito escassos e um plano de sapato de corda-operacional, a CIA estabelecido para remover Mosaddeq.

O plano quase falhou, eo Xá, nunca muito firme, tinha fugido para Bagdá e teve de ser seduzido para continuar tocando sua parte de lá. O exército foi leal ao Xá e Mosaddeq foi derrubado e preso. Este golpe ganhou os EUA ea Grã-Bretanha o ódio duradouro de amplos setores da opinião pública iraniana, unindo comunistas, nacionalistas e xiitas clericalists trás inimizade à ingerência estrangeira. Mosaddeq tornou-se um herói popular do nacionalismo iraniano.

No contexto de turbulência regional e da Guerra Fria, o xá estabeleceu-se como um aliado indispensável do Ocidente. No Oriente Médio, o Irã se destacou como um dos poucos amigos de Israel, uma amizade que supostamente estendida a ajuda de Israel na execução do SAVAK, o serviço secreto iraniano odiado.

Internamente, ele defendeu as políticas de reforma, culminando no programa de 1963 conhecido como a Revolução Branca, que incluiu a reforma agrária, a extensão do direito de voto para as mulheres, e para a eliminação do analfabetismo.

Irã
Reza Shah Pahlavi

Essas medidas ea arbitrariedade crescente de regra do Xá provocou dois líderes religiosos, que temiam perder a sua autoridade tradicional e intelectuais buscando reformas democráticas. Estes oponentes criticaram o Xá por violação da Constituição, que colocou limites ao poder real e previa um governo representativo, e de subserviência aos Estados Unidos.

O Xá viu-se como herdeiro dos reis do Irã antigo. Em 1967, ele organizou uma cerimônia de coroação elaborado, intitulando-se "en Shah Shah" - Rei dos Reis. Em 1971, ele realizou uma festa extravagante de 2.500 anos de monarquia persa.

Em 1976, ele substituiu o calendário islâmico, com um calendário de "imperial", que começou com a fundação do império persa cerca de 500 aC. Essas ações foram claramente destinada a marginalização da religião islâmica, e animado a oposição de grupos muçulmanos, que se reuniram em torno do aiatolá Khomeini.

O Xá suprimida e marginalizados oponentes com a ajuda de segurança do Irã e organização de inteligência, a Savak, usando arbitrariamente preso, prisão exílio e tortura, e profundo descontentamento e generalizada emocionante. Os líderes islâmicos, especialmente o clérigo exilado Ayatollah Khomeini , canalizado esse descontentamento em uma ideologia populista islâmico. aiatolá Khomeini foi exilado em 1964 e vivia Najaf no Iraque desde 1965, e de 1978, na França.

Em Najaf, Khomeini exposto a sua ideologia do regime teocrático absolutista, Velayat e Faqih, liderado por um líder supremo, uma autoridade digna de emulação, o Marj al Taqlid . Esta ideologia foi disseminada através de livros e cassetes contrabandeadas para Iran. No entanto, começando por volta de 1978, Khomeini começou a divulgar opiniões mais democráticas e fingiu que ele imaginou o regime democrático no Irã e que ele não seria um líder do governo. Revoltas eclodiram no Irã, inflamado por vários pretextos reais ou fabricados.

Sofrendo problemas de saúde, o Xá deixou o Irã em 16 de janeiro de 1979. Ele anunciou que estava saindo para uma licença de 18 meses de ausência. Ele tinha nomeado Shapour Bakhtiar como primeiro-ministro. Shapour Bakhtiar foi incapaz de manter a ordem com a ajuda de Conselhos Superiores do Exército.

Inexplicavelmente, não só permitiu a Bakhtiar aiatolá Khomeini para retornar ao Irã, mas publicamente o convidou para voltar. Bakhtiar eventualmente DLED para a França e foi assassinado, provavelmente por agentes iranianos, em 1991.

Khomeini

Irã
Aiatolá Khomeini

O aiatolá Khomeini voltou ao Irã em 01 de fevereiro, a convite do governo interino. Bakhtiar havia convidado os meios de sua própria destruição. Ele logo se esconderam, e acabou exilado em Paris. Missa expurgos de partidários do xá começou, e centenas foram executados. Um tribunal revolucionário começou a trabalhar quase imediatamente em uma escola em Teerã. Tribunais revolucionários foram estabelecidos em centros provinciais logo depois.

O tribunal de Teerã passou sentenças de morte em quatro dos generais do Xá em 16 de fevereiro de 1979, e todos os quatro foram executados por um pelotão de fuzilamento. Mais execuções, de militares e policiais, agentes Savak, ministros, deputados do Majlis, e funcionários do regime do Xá seguido.

Em março de 1979, foi realizado um referendo sobre a nova forma de governo a ser estabelecido no Irã. Somente uma forma de governo, a República Islâmica, apareceu na cédula de votação, e foi aprovado por 98% dos eleitores não-secretos eleições.

Mehdi Bazargan foi nomeado primeiro-ministro. Uma situação verdadeiramente revolucionário e anárquico agarrou Iran. semi-independentes comitês revolucionários, não responsáveis perante a autoridade central, assumiu várias tarefas governamentais. Operários, funcionários públicos, empregados de colarinho branco, e os alunos eram muitas vezes no controle, exigindo uma palavra a dizer na gestão de suas organizações e escolhendo seus chefes.

Governadores, comandantes militares, e outros funcionários nomeados pelo primeiro-ministro foram freqüentemente rejeitados pelos escalões inferiores ou habitantes locais. Ao mesmo tempo, o aiatolá Khomeini , que liderou o Conselho Revolucionário, correu a sua própria versão do governo, empurrando o Irã na direção de uma teocracia islâmica. Eles mobilizaram multidões de rua para forçar seu programa no governo.

Irã logo foi atormentado por conflitos étnicos como curdos, árabes, Turkomens e outras minorias exigiu diferentes graus de autonomia. A partir de agosto de 1979, os tribunais revolucionários tentou e passou sentenças de morte por membros de minorias étnicas envolvidas em tais distúrbios.

Em maio de 1979 o aiatolá Khomeini criou o Pasdaran (Pasdaran-e Enghelab-e Islami, Guarda Revolucionária Islâmica ou da Guarda Revolucionária ou IRGC).

O Pasdaran foi concebido como uma força leal à Revolução e os líderes religiosos, em oposição ao exército regular, que foi pensado para ser fiel ao governo civil. Logo depois, Khomeini ordenou também a criação dos Basij voluntários. Estes dois grupos foram para funcionar tanto a polícia quanto internos que protegem o governo, e como um exército politicamente confiável contra inimigos estrangeiros. O IRGC também foi usado para fomentar a revolução e "resistência" no exterior, especialmente no Líbano, onde ele ajudou a fundar e treinar o Hezbollah .

O governo revolucionário começou a fugir para a direita, como o poder estava concentrado em torno dos clérigos. Jornais de esquerda foram proibidos, e comícios da Frente Nacional Democrática foram divididos.

Os líderes da oposição foram presos. Como os poderes dos clérigos aumentou, o Estado iniciou um programa de nacionalização e também de repressão religiosa em particular contra as mulheres. Estudantes e outras pessoas que pensavam que estavam eliminando o Xá para trazer a democracia ao Irã seria eventualmente amargamente desapontado.

O aiatolá Khomeini e outros clérigos entregue extremista e ameaçando discursos contra os Estados Unidos e contra seus aliados do Golfo Pérsico. Por outro lado, o governo ainda liderado por Bazargan tentou manter boas relações com os Estados Unidos, especialmente EUA fornecimento de peças de reposição para o exército ea indústria do petróleo era desesperadamente necessário.

A crise dos reféns

Irã
Refém (centro) e captores

Como se seguindo os roteiros das revoluções francesa e russa, o caos doméstico e repressão foram seguidos por envolvimentos estrangeiros e de intervenção.

Em 1 de novembro de 1979, reuniu-se com Bazargan conselheiro do presidente Carter segurança nacional, Zbigniew Brzezinski, em Argel. Enquanto isso, o Shah, que estava gravemente doente com câncer, foi admitido para os Estados Unidos para tratamento médico. Os iranianos temiam que o Xá usaria esta visita aos Estados Unidos para assegurar o apoio dos Estados Unidos para uma tentativa de derrubar a República Islâmica.

Em 1 de novembro de 1979, centenas de milhares manifestaram em Teerã, exigindo a extradição do Xá. A imprensa denunciou Bazargan para cumprir com uma chave oficial Estados Unidos. Em 4 de novembro, estudantes islâmicos iranianos invadiram a embaixada dos EUA, levando 66 reféns, a maioria americanos. 14 foram lançados antes do final de novembro. O primeiro-ministro Mehdi Bazargan renunciou, e não o primeiro-ministro foi nomeado para substituí-lo.

O Conselho Revolucionário assumiu as funções do primeiro-ministro até Abolhassan Bani Sadr, um independente, associado com o aiatolá Khomeini foi eleito.

Inicialmente, ele teve o apoio de Khomeini, mas, como ele tentou cada vez mais para reafirmar o Estado de direito e dos direitos civis, ele colidiu com Mohammad Ali Rajai, um protegido do conselho revolucionário que foi nomeado primeiro-ministro. Novas ondas de expurgos arrasou o serviço civil eo exército.

Enquanto isso, a crise dos reféns foi agravando as relações com os Estados Unidos e países da Europa Ocidental. Presidente Carter congelou vários bilhões de dólares de ativos iranianos detidos pelos bancos americanos nos Estados Unidos e no exterior. Várias tentativas Bani Sadr para resolver a crise falharam.

O Shah fez sua casa, no Panamá. Bani Sadr eo ministro Qotbzadeh tentaram marcar para o Xá a ser preso pelas autoridades panamenhas e extraditado para o Irã. Mas o Xá deixou o Panamá para o Egito em 23 de março de 1980, antes de qualquer coisa poderia ser feito.

Em abril de 1980 os Estados Unidos tentaram resgatar os reféns, secretamente aterrar aeronaves e tropas perto Tabas, ao longo do deserto de Dasht-e Kavir no leste do Irã em uma base conhecida como "Desert 1." A tentativa foi fracassada no entanto.

Dois helicópteros falhou, e quando o comandante da missão decidiu abortar a missão, um helicóptero e um avião C-130 de transporte colidiram, matando oito soldados dos Estados Unidos. Parcelas frescos contra o governo iraniano, real ou imaginada, foram descobertos no exército e ampla expurgos seguido.

As negociações para a libertação de reféns das começou em 14 de setembro de 1980 na Alemanha Ocidental e foram concluídas com êxito em janeiro.

Possivelmente para humilhar pessoalmente atual presidente Carter, os reféns foram liberados somente após Ronald Reagan assumiu a presidência em 20 de janeiro de 1981.

A Guerra Irã-Iraque

A tensão entre Irã e Iraque levou a incidentes fronteiriços em abril de 1980. Aparentemente, Saddam Hussein, do Iraque viu a chance de fazer ganhos territoriais à custa do Irã, e, talvez, para derrubar o regime dos aiatolás, que foi visto como uma ameaça tanto por regimes conservadores sunitas, como a Arábia Saudita e pan-árabes regimes como o de Saddam.

Propagandistas iranianos foram espalhando a mensagem da Revolução Islâmica em todo o Golfo Pérsico, e os iraquianos temiam esta propaganda seria infectar a população xiita do Iraque, cuja vida religiosa tinha sido suprimida por Saddam. Relações do Iraque com o Irã são dominadas pela geografia. Iraque e Irã disputado direitos de navegação que foram regulamentadas pelo Acordo de Argel de 1975 , e os territórios cobiçados no Irã Iraque.

Em 17 de setembro, Saddam Hussein revogou o Acordo de Argel. Em 22 de setembro do Iraque começou uma invasão maciça do Irã, citando uma suposta tentativa de assassinato iraniana sobre ministro das Relações Exteriores iraquiano Tariq Aziz, um dos desculpas. Irã tinha isolado em si. Política externa do Irã havia alienado de praticamente todos os países do mundo, em particular os EUA, que o aiatolá Khomeini chamou de "o grande Satã".

O Irã continuou a exportar a revolução islâmica em toda a guerra, instigar tumultos entre as comunidades xiitas na Arábia Saudita, e os terroristas de inspiração e armamento no Líbano que sequestraram cidadãos norte-americanos e britânicos. O Irã não pode conseguir peças de reposição para o seu EUA hardware feito militar, outros suprimentos de países ocidentais ou empréstimos para continuar a guerra.

Irã
Petroleiro cipriota afundado por iranianos

Por outro lado, o Iraque recebeu substancial apoio militar, diplomática e diplomático de praticamente todos os países ocidentais, bem como a URSS, e todos os países árabes, com exceção da Síria. Para a maior parte da guerra, o governo Khomeini dominado hesitou em dar o exército um papel de liderança no combate porque duvidava confiabilidade política do exército. Os doentes treinados Pasdaran Guarda Revolucionária foram amplamente utilizados na guerra em seu lugar.

Iraque usou gás de guerra em várias ocasiões durante a guerra.

Durante este período, o Irã também estava lutando uma insurreição curda e insurreições lideradas pelo Mojahedin e outros. A guerra exigido como muitos como um milhão de vítimas no total em ambos os lados de acordo com algumas estimativas. Apesar de seus problemas internos e de Relações Exteriores, os iranianos foram surpreendentemente capaz de manter a sua própria, usando ataques onda humanos e outras táticas desesperadas por falta de melhores alternativas.

A guerra total por ambos os lados incluídos ataques a transporte, bem como centros de população civil, mas ao contrário do Iraque, o Irã aparentemente não usar armas de gás ou produtos químicos durante a guerra.

O aiatolá Khomeini recusou todos os esforços de mediação e insistiu que o Irã iria lutar até que Saddam Hussein foi afastado do poder no Iraque. Ambos os países finalmente concordou com um acordo de paz em 1988, depois que o Iraque tinha feito alguns ganhos graves.

A rivalidade guerra e exército Pasdaran acentuadas diferenças entre o presidente Bani Sadr, que se aliaram com o exército, e Rajai PM, que foi apoiado pelo governo clerical e ficou do lado da Pasdaran.

Em junho de 1981, Bani Sadr havia perdido a luta e foi cassado. O primeiro-ministro Mohammad Ali Rajai foi eleito presidente, mas em agosto Rajai eo primeiro-ministro Bahonar foram mortos por uma bomba, aparentemente plantada pela oposição Mujahedin. Em outubro de 1981, Ali Khamenei, foi eleito presidente e permaneceu no cargo desde então.

Com a demissão de elementos relativamente moderados de poder, o governo desviou para a direita novamente, impor um sistema legal islâmico e um código islâmico de comportamento social e moral. Elementos da oposição, incluindo o Mujahedin, ea União dos Comunistas tentaram reorganizar e para derrubar o governo pela força.

O governo respondeu com novas ondas de repressão e terror. Os lotes de 50 a 100 pessoas foram executadas diariamente após julgamentos pelos tribunais revolucionários. A Anistia Internacional documentou 2.946 execuções nos 12 meses seguintes impeachment Bani Sadr, um número conservador, porque as autoridades não informaram todas as execuções. Repulsa generalizada levou o governo para encerrar o programa de repressão.

Em fevereiro de 1983, o governo prendeu mais de mil líderes e membros do partido Tudeh. O partido foi banido, os líderes foram presos e os membros foram condenados à morte. Outros que as facções religiosas, apenas Mehdi Bazargan da IFM foi permitido qualquer liberdade de atividade em 1983, e mesmo este era muito limitado.

Irã-Contras

Apesar de os EUA não oficialmente vender armas ao Irão, a partir de 1985, a administração Reagan violou suas próprias leis. Em um acordo de troca complicado, Israel e outros intermediários vendido mísseis TOW e Hawk e hardware de outros militares em troca de dinheiro e para a liberação de um ou mais reféns americanos.

O dinheiro foi usado pelos EUA para financiar uma guerra igualmente ilegal contra o governo sandinista da Nicarágua. As vendas de armas foram expostos no final de 1986 e presumível foram encerradas.

Em 1988, o USS Vincennes derrubou um avião iraniano civil com 290 passageiros a bordo, matando todos, supostamente em erro. Em 20 de agosto de 1988, um cessar-fogo foi assinado entre o Irã eo Iraque. Ambas as partes aceitaram Resolução da ONU 598.

Rafsanjani e Khamenei

O aiatolá Khomeini morreu em 3 de junho de 1989 de um ataque cardíaco. Presidente Ali Khamenei assumiu o papel de supremo líder espiritual. A Assembleia de Peritos (Ulama) reuniu em sessão de emergência em 4 de junho e eleito presidente Khamenei o novo Valy-e-Faqih (supremo líder espiritual), simultaneamente promovendo-o ao status de aiatolá. E Ali Akbar Hashemi Rafsanjani, presidente do o parlamento (parlamento) foi eleito presidente.

A economia iraniana foi devastada pela guerra, por boicotes comerciais ocidentais, e por ineptos e erráticas políticas econômicas. A taxa de natalidade enorme resultou em um desastre demográfico incontrolável inicialmente.

Posteriormente, o Irã mudou sua política em relação ao crescimento da população, e agora tem uma das mais baixas taxas de crescimento da população do Oriente Médio, juntamente com um investimento em educação, especialmente a educação das mulheres e dos programas de alfabetização. No entanto, o desemprego continua elevado, e dependência de drogas é rumores de ser um problema muito sério. A escassez de alimentos levaram a motins periódicos como as que eclodiu em 1991.

Khatami

Irã
Presidente Mohammad Khatami

Em 1997, Hojatoleslam Mohammad Khatami foi eleito presidente. Ele perseguiu a reforma política e liberalização, e foi apoiado por amplos setores da sociedade. Ele também tentou normalizar as relações com o Ocidente e reduzir as tensões na região. Seus esforços para a democracia foram frustrados pelo poder de veto do Conselho Supremo, o que pode barrar qualquer medida que agrada.

Questões pendentes com o oeste incluiu suporte de terror e arbitrárias do Irã práticas de direitos humanos, que até recentemente incluídos apedrejamento as mulheres à morte por adultério, assim como periódicos expurgos de adversários políticos, censura à imprensa etc A posição das mulheres no Irã é relativamente bom comparação com alguns países muçulmanos, mas não há muito espaço para melhorias.

Xiita Irã não suporta o sunita i Al-Qaeda rede terrorista, e cooperou para prender membros da Al Qaeda. No entanto, o Irã apoia grupos terroristas, incluindo o libanês Hezbollah , a Jihad Islâmica em Gaza e na Cisjordânia e outros grupos no Egito, na Argélia e em outros lugares. Inteligência iraniana e do Hezbollah estavam por trás do atentado contra um centro judaico na Argentina.

Na década de 1980, o Irã eo Hezbollah, aparentemente foram responsáveis por atentado contra a embaixada dos EUA e quartel marinha no Líbano, e iranianos sequestrados grupos financiados numerosos americanos e outros europeus e os manteve como reféns. O cérebro por trás do Hezbollah / operações terroristas iranianos foi Imad Moughnieh, que foi morto em Damasco em 12 de fevereiro de 2008, possivelmente por agentes israelenses ou pelo serviço de inteligência de um país diferente, que pode ter cooperado com Israel.

Em janeiro de 2002, as forças de segurança israelenses confiscaram um carregamento de armas, o A Karine, que alegaram originado no Irã, mas não se sabe se a remessa foi autorizada pelo governo iraniano.

Mohammad Khatami foi reeleito como presidente, em 2001, por uma grande maioria nas eleições relativamente livres. Os iranianos estavam convencidos de que ele tinha um mandato para a reforma, mas a reforma avançou lentamente. O Irã está arruinado repetidamente por manifestações estudantis e distúrbios, nos quais os estudantes que procuram a democracia e apoiar projetos de reforma apoiados por confronto com Khatami "Hebollahi" grupos paramilitares e com a polícia.

Programa Nuclear do Irã

Para o fim do programa nuclear do Irã 2003 veio sob o escrutínio da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Trabalhar em um reator nuclear a ser construída pela Siemens em Bushehr começou no tempo do Xá, e foi em fase de conclusão em 1979, quando a revolução ocorreu. O Ayatolah Khomeini pronunciou o projeto "unislamic".

Os iraquianos bombardearam o local danificado Bushehr durante a guerra Irã-Iraque. No entanto, o Irã decidiu posteriormente para renovar o programa. A energia nuclear tem caído em desuso na maioria dos países desde o acidente do reator em três Mile Island, em 1979, e mais especialmente após o desastre de Chernobyl, na antiga União Soviética.

No entanto, os iranianos afirmam que querem desenvolver a energia nuclear como uma alternativa aos combustíveis fósseis, citando preocupações de poluição bem como o esgotamento eventual. De fato, Teerã é muito poluída, principalmente por causa das emissões dos veículos e da refinaria. Isto é em parte devido aos subsídios dos preços do petróleo por parte do governo iraniano.

Embora tenha mais de 9% das reservas de petróleo do mundo e mais de 16% do gás do mundo, o Irã tem negligenciado o seu substrato de combustível fóssil, porque as empresas estrangeiras não fornecer peças de reposição e know-how na sequência da revolução. Wells pode ter se tornado inutilizável devido a negligência. O Irão tem ainda mais de gás suficiente e óleo para atender a sua energia crescentes necessidades que por muitos anos vindouros.

Irã contrato com a Rússia para instalar um reator para substituir o reator Siemens destruído pelos iraquianos. Este projeto foi sob supervisão da AIEA de acordo com o tratado de não-proliferação nuclear do Irã, que é signatário.

No entanto, através de relatos de informantes, descobriu-se que o Irã tinha outros projetos nucleares que foram escondidos da AIEA e do mundo. Irão foi fabricação e instalação de um grande número de centrífugas a gás. Estes podem ser usados para purificar o minério de urânio de baixo grau, como o que Irão possui em abundância relativa, no reator de urânio de grau combustível

Eles também podem ser usados para produzir armas classe U-235 isótopo. . Até o momento, o Irã tem cerca de 1000 kg de urânio de baixo enriquecimento (LEU) o suficiente para fazer uma bomba com mais refinamento.

Irã pode querer armas nucleares para equilibrar as capacidades nucleares de Israel, ou como um contra-peso para paquistanesas capacidades nucleares. Além disso o Irã está construindo uma usina de água pesada e outras instalações em Natanz, Arak e em outros lugares. A água pesada não é necessário para o reator russo construída em Bushehr.

A água pesada de Arak "pesquisa" reator é de um tipo que pode ser usado para criar o plutônio cindível. A inteligência dos EUA acredita que o Irã tem um programa para a construção de armas nucleares, mas isso pode ter sido encerrado em 2003. Não se sabe se esta tiver sido retomada.

Relatórios da AIEA insistem que não há evidências de desenvolvimento de armas nucleares do Irã, mas também nota que o Irã não cumpriu com todas as solicitações de inspeção. O chefe do Mossad, a organização de inteligência israelense, Meir Dagan, estimou que o Irã desenvolveu ou poderia desenvolver armas nucleares até 2014, uma estimativa de que concorda com inteligência dos EUA. No entanto, outros definir uma data mais próxima.

Muitos suspeitam do grande investimento em energia nuclear por um país pobre com enormes reservas de combustíveis fósseis. Eles acreditam que ela só poderia ser uma indicação de que o país esteja desenvolvendo armas nucleares. Tanto Israel quanto os Estados Unidos foram assistir ao programa nuclear iraniano com preocupação.

Embora tenha havido especulações de que Israel poderia atacar o reator de Bushehr, uma vez que atingiu o reator Osirak, no Iraque, em 1981, a situação não é comparável. Bushehr não é um reator reprodutor usado para fazer combustível nuclear e Bushehr não é a única instalação nuclear no Irã, de modo que Bushehr marcante não iria destruir o programa nuclear.

Inspetores da AIEA se tornou desconfortável depois de encontrar várias discrepâncias em divulgações iranianos sobre seu programa, e depois de encontrar traços de urânio altamente enriquecido em instalações nucleares iranianas. O Irã afirma que esses traços estavam presentes em máquinas que foi enviado para eles do exterior.

A AIEA deu ao Irã até 31 de outubro para apresentar um relato completo de seu programa nuclear, e também pediu o direito de tirar inspecções e outras medidas. Após uma resistência inicial, o Irã concordou, apresentar o relatório antes do tempo, e concordando também para suspender a modernização de urânio. No entanto, é retomada enriquecimento de urânio, posteriormente, e acredita-se ter em excesso de 1.000 quilogramas de 5% (LEU) urânio enriquecido.

Mahmoud Ahmadinejad

Mahmoud Ahmadinejad foi eleito presidente do Irã, em 2005, no lugar do Khatami reformista, e começou a perseguir uma linha dura, tanto em casa como no estrangeiro. Os códigos de vestuário e perseguição das minorias tornou-se mais rigorosa, e alguns homossexuais foram enforcados.

No exterior, Ahmadinejad se recusou a parar o enriquecimento de urânio como exigido pelas Nações Unidas, e realizou uma campanha racista da negação do Holocausto eo anti-semitismo, prometendo perseguir a meta de "um mundo sem sionismo e América." Autoridades norte-americanas cuidadosamente ignorado as ameaças contra os Estados Unidos e tendem a ver a ameaça iraniana unicamente como uma ameaça contra Israel.

A administração de George Bush seguiu uma política de confronto contra o Irã, pedindo à ONU para sanções cada vez mais rigorosas contra o Irã. O Irã não respondeu em qualquer forma positiva. Embora a especulação predominante tem sido sobre EUA iminente ou ataques israelenses contra o Irã, cada uma dessas previsões provou falsa até agora. A administração do presidente Barack Obama tem seguido uma política de "engajamento" com o Irã, mas que a política até agora não produziu resultados também.

Em junho de 2009 foram realizadas eleições presidenciais no Irã. Os resultados retornados uma vitória suspeita grande para Mahmoud Ahmadinejad e adversário alegou fraude óbvia. Os defensores do adversário Mir Hossein Moussavi, em particular, foram às ruas para protestar contra a fraude.

O governo se recusou a recuar, e mataram pelo menos 20 manifestantes e possivelmente até 150. Muitos mais foram presos. Telefone e outros meios de comunicação foram suprimidas, e os opositores do regime levou a Internet e em especial o Twitter para ajudar a organizar o protesto. A verdadeira luta parece ser entre o aiatolá Ali Khameinei e Hashemi Rafsanjani aiatolá.

Ami Isseroff

Fonte: www.mideastweb.org

Check Also

Sistema Monetário Brasileiro

Um sistema monetário é qualquer coisa que é aceite como uma medida padrão de valor …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =