Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Aipo  Voltar

Aipo

 

Aipo
Aipo

Em latim, o aipo era denominado apium ou sedano, que originou também o termo salsão.

O nome da espécie significa cheiro forte (gravis significando forte ou pesado e olens, odor).

É uma planta originária da Europa.

Na antiguidade, os povos do Mediterrâneo, conheciam o aipo selvagem que foi o pioneiro e deu origem aos diversos tipos de aipo que conhecemos: aipo-branco, aipo-tronchudo, aipo-gigante, aipo-rábano e etc...

Na Roma antiga, o aipo servia de decoração das mesas junto com rosas e lírios. Histórico: Usado como alimento desde os primórdios, o salsão foi encontrado na tumba de Tutancâmon (c.1361-1352 a.C.). O nome Apium traduz a forma latina de água, em celta (Apon), referindo-se ao habitat natural deste gênero de planta.

O qualificativo graveolens significa "aroma forte" e refere-se ao cheiro de todas as partes do salsão. Existem cerca de 20 espécies silvestres e podem ser encontradas na Europa, Ásia, América e em algumas regiões da Antártida.

Tanto as folhas (que temperam sopas em geral), quanto o talo (usado como tempero, ou consumido cru ou cozido) são aproveitados. Fica bem em saladas e ensopados. Conhecido no Mediterrâneo há milênios, foi mencionado por Homero em suas aventuras e era considerado sagrado na Grécia clássica, tendo sido utilizados pelos vencedores de jogos, como folhas de louro. Os romanos valorizavam o aipo por razões culinárias, apesar da superstição que envolvia esta planta, que poderia trazer má sorte em algumas ocasiões.

Outros Nomes: Salsão, Aipo-Branco, Aipo-Rábano, Aipo-Tronchudo, Aipo-Gigante

Nome Científico: Apium graveolens

Utilizando

Todas as partes do aipo - também conhecido como salsão - podem ser utilizadas na cozinha. Com folhas aromáticas e saborosas, é indicado para dar sabor a sopas, cozidos, peixes, aves e assados em geral. Pode ser comido cru, cortado em rodelas ou ralado, acrescentando uma textura crocante às saladas. A maior parde dos cozidos, ensopados, molhos e caçarolas se enriquecem e se perfumam com um simples ramo de aipo, pois esta planta possui um óleo com aroma muito forte que se mistura aos alimentos durante o cozimento.

O sal de aipo pode ser utilizado em molhos, saladas ou em drinks como "bloody mary". Os frutos são um forte tempero, apesar de incomuns. Todas as partes são fortemente aromáticas. Comparada com as formas selvagens e o tipo usado pelos romanos as espécies plantadas atualmente são desprovidas de amargor.

Comprando

O aipo-fresco geralmente é vendido nas feiras livres.

O aipo em grãos pode ser encontrado nos supermercados ou em lojas especializadas.

O aipo pode ser comprado em maços ou solto, por unidade. Para saber se está fresco, verifique primeiramente a cor. As folhas devem estar bem abertas e ser de um verde bem forte e brilhante.

Além disso, quando o salsão está fresco, ele é pesado em relação a seu volume.

Segure-o e sinta o peso: se estiver leve, é sinal de que está murcho.

Conservando

Embora o aipo possa ser guardado na gaveta da geladeira por vários dias, não é conveniente conservá-lo por mais de 3 ou 4 dias, pois ele perde seus nutrientes com muita facilidade. Antes de guardá-lo, lave e coloque num saco plástico.

Combinando

O sal de aipo é ótimo para saladas, coquetéis, bifes e sopas. Muito empregado para perfumar couve-flor, carnes, peixe, picles e queijos.

Preparando

O aipo pode ser preparado de várias maneiras, dependendo do prato a ser feito. Para cozinhá-lo, leve ao fogo uma panela com água e sal. Quando ferver, junte os talos de aipo, cortados em pedaços de aproximadamente 15 cm. Deixe cozinhar por 30 minutos, retire da panela e escorra. O aipo também pode ser refogado. Corte os talos em pedaços pequenos. Leve ao fogo uma panela com óleo (manteiga ou margarina) e acrescente o aipo. Tempere e mexa de vez em quando. Assim que estiver macio, retire do fogo.

Dicas

O suco do aipo é ótimo para substituir a água ou o leite nos molhos e sopas.

Para dar sabor diferente a um risoto, coloque um ramo de aipo junto com o arroz durante o cozimento.

Coloque uma pitada de açúcar na água de cozimento do aipo para que ele não perca a cor.

Hoje é bastante apreciado na Europa, sendo suas folhas utilizadas como enfeite, de modo similar à salsa, ou cozidas em sopas e molhos para lhes dar mais sabor.

Para este uso, a raiz é melhor, podendo ser combinada a boldo e louro ou consumida como vegetal.

Uso Medicinal

Com uso moderado, é indicada no tratamento de inflamações das vias urinárias, gota e reumatismo.

O óleo do salsão é usado externamente, no tratamento de infecções da pele.

Servido como entrada, o aipo é um excelente alimento porque contém substâncias que estimulam a formação dos sucos gástricos, aumentando assim, o apetite.

Observação importante: Qualquer uso terapêutico deve sempre ser acompanhado por um médico.

Ajuda

Segundo um dito popular francês, "le céleri rend la vigeur aux vieux maris!", ou seja, "o aipo dá ânimo ao marido cansado". Será verdade?

Fonte: www.fleischmann.com.br

Aipo

Até o Renascimento, o aipo não foi usado como um vegetal, mas como uma planta medicinal, um efeito diurético e estimulante sobre o sistema nervoso. Para tudo isso foram acrescentados o número de propriedades (incluindo afrodisíacos), que emprestou-lhe as crenças populares.

Com apenas 18 kcal/100 g, aipo é um dos vegetais a menor energia (o mesmo nível que berinjela ou espinafre). Ele tem o seu lugar na "cozinha fina" quando é consumido cozido, refogado ou água, ou cru com um molho leve (e certamente não " em remoulade ", isto é, ralado e temperado com maionese de mostarda com alcaparras adicionados, pepinos e ervas).

O aipo é rico em fibras, ideal para acelerar o trânsito intestinal e combate à constipação. Ou seja, as fibras são melhor tolerado quando o aipo é finamente ralado ou quando consumido cozido.

Outra vantagem, é rico em minerais (5 g/100 g) e potássio, em particular. Uma dieta rica em potássio tem reconhecido benéfico para a saúde cardiovascular.

Finalmente, aipo fornece alguns oligoelementos como selênio, molibdênio e cromo.

O aipo

O aipo é um alimento rico em potássio, importante mineral para o bom funcionamento do organismo. Ele é uma excelente fonte de vitamina A e cálcio, além de ser um tradicional remédio para pressão alta.

Os compostos do aipo têm um efeito diurético brando que contribui para desintoxicar o organismo. Este vegetal tem o benefício de possuir baixas calorias e ser rico em fibras, além disso, tem a função de reduzir inflamações e proteger contra o câncer.

Muitos povos asiáticos dão grande importância ao aipo, considerando-o um tônico e uma hortaliça com características medicinais.

O aipo nunca deve faltar em nossa mesa, porque ele tem propriedades que reforçam e acalmam o sistema nervoso.

Valores nutricionais por 100g

26g de proteína
Carboidratos 52g
38g de gordura
Calorias 12kcal

Degustação

Talo de salsão

A partir do Loire, do Sudoeste e Pyrenees-Orientales, o aipo está disponível no mercado a partir de final de junho a fevereiro. Fora deste período, ele é importado da Espanha, Itália e Bélgica. Tem folhagem verde e branco, costelas carnudas deve ser brilhante e quebradiço quando eles são frescos, com um pé bastante pesado.

Fresco, ele mantém vários dias por imersão a base dos caules em água fria e sal. Também é encontrado em lata (coração aipo e seções para enfeite, claro) e presta-se bem ao congelamento. Eles são consumidos crus ou cozinhados, costelas e as folhas secas são utilizadas para atender saladas, sopas e molhos curtos caldo.

Para preparar: remover grandes costelas dura desde o exterior, ramos verdes e folhas, cortar o pivô base e encurtar as costas de vinte centímetros.

Para o consumo:acreditava,separar das costas o um de outro, lavar e remover a cartilagem. As nervuras são comidos crus, com ao sal ou salada.

Cozidos, lavou os pés atalhos com água fresca, removendo as costelas, cartilagem remover costelas exteriores, escalde em água fervente com sal por 10 minutos.

Escorra, tempere com sal e ligam as costelas em pequenos maços.

Os corações de aipo refogados acompanhar carnes gordas, assados, frango. Pode cozinhar o molho branco, gratinado, puré. É um ingrediente de sopas e molhos.

O Aipo

Crescido no norte e na região de Paris, o aipo está disponível a partir de meados de setembro a final de abril, e é melhor no Outono.

O resto do ano, é importado da Holanda e Bélgica. Vendido em suas folhas, as raízes de polpa branca é firme e formar uma bola pesada (entre 800 ge 1 kg), que não toca oco.

Fresco, ele mantém envolto em um pano molhado 3-4 dias no crisper do refrigerador. Com casca, ele mantém mais alguns dias. Também é encontrado em lata de vinagre, ralado ou aromatizadas, ou mesmo pickles.

É consumido cru (permitir 150g por pessoa) ou cozido (incluem o dobro).

Para preparar: descasque como uma batata, enxágüe e suco de limão. Para comê-lo cozido, cortado em pedaços, escalde 5 minutos em água fervente com sal.

Cozido fatiado no vapor, que mantém a sua fragrância. É também utilizado como um enfeite, ou sopa puré.

Sal de aipo, aipo da seca e em pó, é usado principalmente para aumentar o suco de tomate, creme de legumes e saladas. É também usado em sal dietas livres.

História

Originário da região do Mediterrâneo, o aipo é um vegetal que é comido as nervuras e as folhas, raiz e sementes.

O aipo é derivado pela seleção de uma planta chamada compradores do pântano que desempenharam um papel entre os antigos tanto culinária (acomodar sopas e peixes) e terapêutico (ressuscitar uma pessoa pelo cheiro). Suas sementes são um sabor aromático de erva-doce vizinho.

A seleção rendeu duas variedades de aipo: o aipo (que foi desenvolvido pecíolos, entre os caules e folhas) e aipo (que tem sido raiz alargada).

Muito limitado a um papel como um condimento, o aipo tem gradualmente ocorrido em nossa cozinha como um vegetal em seu próprio direito. Mas não foi até o século XIX, aperfeiçoada na Alemanha, tornou-se um curso de vegetais das nossas mesas.

Fonte: cuisine.journaldesfemmes.com

Aipo

Aipo
Aipo

O aipo (Apium graveolens) pertence à família das Umbelíferas. Encontra-se tios terrenos pantanosos e salinos, cultivando-se particularmente as variedades dulce e lusitanicum.

Não se pode conhecer a qualidade da semente, pelo que a sua compra é uma questão de boa fé. O cultivo em grande extensão é aconselhado apenas quando o aipo encontrar um solo apropriado num lugar úmido e chuvoso.

Composição e Propriedades Medicinais

Nas folhas encontram-se óleo essencial, apiona, niosita, sais; no bulbo: óleo essencial, açúcares, amido, pentosanas, colina, tirosina, glutamina, asparraguina e vitaminas.

Ao teor de óleo essencial se deve o seu efeito específico sobre os rins. Os vasos renais dilatam-se e, portanto, aumentam a expulsão de água. Quando se produz este incremento, cresce a eliminação dos produtos tóxicos do metabolismo, o que explica o seu benéfico emprego nos casos de gota, reumatismo, diátese de ácido úrico com tendência para a formação de cálculos, debilidade nervosa e depressão de ânimo, que podem ser devidas à formação excessiva de ácidos nos tecidos.

A crença popular insiste, não sem razão, em que o óleo extraído das sementes e dos tubérculos radiculares do aipo produz efeitos de tipo hormonal sexual.

Contém também glicoquinas, isto é, hormônios de eficácia semelhante à insulina que poupam o consumo desta no tratamento do diabetes.

Como condimento, utiliza-se o aipo tal como a salsa. E muito apreciado preparado como salada. Também se utiliza na sopa, em recheios, e em variados cozidos.

Fonte: www.geocities.com

Aipo

Aipo
Aipo

Nome científico

Apium australe Thou

Características

Planta herbácea, anual ou bianual, ereta, perfumada, de caule ereto, estriado, oco, ramificado, cilíndrico, glabro e fistuloso, atingindo 60cm de altura. As folhas são luzidias, verde-escuras, decompostas, pinatífidas, as basais longo pecioladas, com cinco folíolos ovais e as superiores sésseis, com três folíolos menores e mais estreitos.

As flores, brancas, pequenas e numerosas, estão dispostas em umbelas compostas, sésseis ou curtamente pedunculadas, que reúne 6 a 12 raios desiguais. O fruto é um esquizocarpo subgloboso, curvo, castanho-esverdeado, glabro, suborbicular.

Uso doméstico

As sementes um forte aroma, persistente e picante. O pecíolo carnoso e as raízes carnosas são comestíveis, sendo utilizados em saladas. As folhas desidratadas e pulverizadas, constituem-se em excelente condimento.O óleo essencial é amarelo-claro, usado para aromatizar alimentos, doces, licores, perfumes e sabonetes.

Uso medicinal

O consumo regular da planta reduz a eliminação de potássio do organismo humano, sendo indicada principalmente para atletas. A raiz e semente são estomáquica, aperitiva, vulnerária, diurética e anti-hidrópica.

A folha é resolutiva e peitoral , depurativa, expectorante, febrífuga, antiinflamatória, tônica , antiartrítica, anti-reumática , carminativa, emenagoga (salada) , excitante, antiescorbútica , alcalinizante, antitérmica, antiasmática e antianêmica .Indicada para o tratamento da asma úmida, gonorréia, retenção de urina, catarro pulmonar , nefrite, colite, disenteria, bronquite asmática, laringite, bronquite, úlceras de difícil cicatrização, contusões, ferimentos, hepatite, afecções febris , gota e litíase vesicular .

A raiz é indicada para cálculos do fígado e icterícia .

Fonte: web.matrix.com.br

Aipo

Composição Química

Calorias, água, hidratos de carbono, proteínas, gorduras, sais, vitamina: A, B1, B2,B5, C, potássio, sódio, cálcio, fósforo, ferro.

Uso Medicinal

O aipo encerra propriedades alcalinizante, antipalúdicas, aperientes, carminativas, estimulantes, emenagogas, expectorante, febrífugas, levemente laxantes, Tônicas.

Aipo
Aipo

Graças ao seu elevado teor vitamínico, o aipo protege o organismo contra diversas doenças.

Em saladas, o aipo preparado cru, é muito saudável, tônico para o sistema nervoso.

Em sucos

É carminativo, diurético, febrífugo, tônico. Fresco, é muito bom nos casos da anuria, dismenorréia, nefrite, hepatite, icterícia, hidropisia, gota, reumatismo, escoburto, febres, debilidade geral. Dá excelentes resultados no paludismo, caso em que se toma 1 xícara por dia, dividida em 3 ou 4 vezes.

Em caldos ou sopas

O aipo tem sido recomendado. por alguns médicos, contra o reumatismo e a gota.

Em decocção

O aipo é eficaz nas enfermidades dos rins e do fígado, na colite crônica, na debilidade digestiva. É poderoso depurador do sangue. Produz efeitos lisonjeiros na tuberculose. Emprega-se com bons resultados contra a clorose, a anemia por deficiência de ferro, a anemia perniciosa, o ácido úrico, as afecções catarrais.

Usam-se 25 a 30 gramas para 1 litro de água.

O decocto do aipo com salsa, previamente picados, é um remédio insuperável contra a disenteria. Toma-se várias xícaras por dia.

Contra a dismenorréia, a pneumonia, o reumatismo e a gota, inclui-se também cebola e coentro na decocção.

Na medicina popular usa-se o cozimento das folhas ou das raízes ( 25 a 30: 1000), misturado com leite fresco e tomado em jejum, como estimulante, aperitivo e diurético ( catarros, brônquicos, icterícia, hidropisia, gota, cólicas renais e reumatismo.

Para combater a asma, os catarros pulmonares crônicos, a rouquidão e a afonia, prepara-se um cozimento de umas 30 gramas de folhas frescas em 1 litro de água, mistura-se com leite fresco, adoça-se com mel de abelhas, toma-se de manhã em jejum.

Recomenda-se o decocto do aipo (20:1000) para lavar úlceras.

Em cataplasmas

As folhas exteriormente aplicadas, agem como resolutivas nos casos de contusão e como detersivas quando aplicadas sobre úlceras. As folhas contundidas, misturadas com sal e vinagre, fazem desaparecer a sarna em pouco tempo.

Em pomadas

Das folhas de aipo em mistura com igual quantidade de folhas de hortelã, prepara-se uma pomada boa para as lactentes aplicarem sobre os bicos dos seios a fim de dissiparem os intumescimentos leitosos.

Raízes

A raiz do aipo é aperiente, carminativa, emenagoga, antiescorbútica, febrífuga e diurética.

A raiz desta planta, forma parte das chamadas "cinco raízes aperitivas", junto com as do aspargo, do funcho, da salsa e da gilbarbeira.

A preparação caseira, ou simplificada, do xarope das cinco mencionadas raízes é assim: Toma-se umas 4 colheres de sopa de cada uma das referidas raízes, deitam-se em meio litro de água fervendo, tapa-se bem a panela, deixam-se em maceração durante 12 horas, sendo necessário revolve-la várias vezes.

Coasse o liquido, acrescentam-se-lhe 1 quilo de açúcar e aquecesse ligeiramente para formar o xarope, que se toma ás colheradas, como aperitivo e diurético, bem como para favorecer a menstruação.

Em decocção

O aipo tem efeito expectorante. Empregam-se 25 gramas de raiz para 1 litro dágua e toma-se com leite contra a rouquidão e a asma. A mesma tisana também se usa em casos de impaludismo, reumatismo, gota, cólicas nefríticas.

Em infusão

Aplica-se topicamente contra a oftalmia.

Em pó

Seco e moído, é útil contra as chagas cancerosas. Polvilha-se sobre as chagas cancerosas.

Sementes

Têm as mesmas propriedades da raiz. Em infusão, são estimulantes, estomáquicas, tônicas. Usam-se contra a atonia do aparelho digestivo, a neurose, a debilidade geral. Em pó; tostadas e moídas, e agregadas á sopa, ao leite ou ao chá, combatem as flatulências e as enfermidades do estômago e dos intestinos.

Contra - indicações

Não obstante seu valor alimentício, o aipo em forma de saladas, não deve entrar na alimentação dos diabéticos, dos dispépticos e dos que tem estômago fraco.

Fonte: www.aservascuram.50megs.com

Aipo

Aipo
Aipo - Salsão

O salsão (Apium graveolens) ou aipo é uma planta aromática alimentícia da família das apiáceas e sua origem é européia. Possui algumas variedades, com aromas e sabores muito característicos; destacam-se o salsão-branco, o salsão-tronchudo, o salsão-rábano, o salsão-gigante e o salsão-de-cabeça.

O salsão contém quantidades pequenas de vitamina C, cálcio, potássio, ferro, fósforo e magnésio. É rico em fibras e ajuda no controle da taxa de colesterol do sangue. Exatamente pela sua pequena quantidade de calorias é um alimento muito recomendado nas dietas de emagrecimento.

O salsão também possui muitas propriedades medicinais: age como antioxidante, evitando a destruição de células, e é usado como um alimento que ajuda na digestão, além de ter efeito refrescante.

O salsão pode ser comprado em maço ou em talos soltos. Se as folhas estão abertas, com uma cor verde forte e brilhante, firmes e com os talos íntegros é fresco (nada de talos amarelados, moles e com flores).

Praticamente todas as partes do salsão podem ser utilizadas na culinária. Seus talos, de textura crocante, podem ser servidos crus em saladas ou canapés, ou então cozidos. As pontas mais firmes e as folhas podem ser usadas no preparo de sopas e caldos. Basta cortar a base, separar os talos, aparar as pontas, retirar as fibras duras e enxágüar.

Há três maneiras de cortar o salsão:

Rodelas: Lave os talos, segure-os firmemente, corte-os em rodelas e deixe-os escorrendo numa peneira.
Lâminas:
Corte um talo por vez no sentido diagonal em formato de lâminas.
Tiras:
Corte os talos em tiras finas no sentido do comprimento e recorte as tiras para ficarem finas. Em seguida, coloque-as numa tigela com água gelada durante 1 hora ou mais. Com esse procedimento, as tiras ficarão viçosas, ligeiramente enroladas e ótimas numa salada.

Fonte: frugal.blogspot.com

Aipo

SALSÃO

Também é conhecido como aipo, todas as suas partes podem ser utilizadas na cozinha.

Aipo
Aipo - Salsão

As folhas são ótimas para dar um sabor especial a sopas e molhos, os talos podem ser servidos crus, em saladas,ou cozidos junto com outros legumes, acompanhando pratos à base de carne. Servido como entrada, o salsão é um excelente alimento porque contém substâncias que estimulam a formação dos sucos gástricos, aumentando o apetite.

O salsão contém pequenas quantidades de vitamina C e alguns sais minerais como cálcio, potássio, ferro, fósforo e magnésio. Também é rico em celulose, substância importante para o bom funcionamento dos intestinos.

Embora seja uma verdura recomendada para regimes de emagrecimento e para pessoas com estômago delicado, o salsão tem uma contra-indicação: como é muito rico em sódio, deve ser evitado pelas pessoas que estão fazendo alguma dieta que proiba o sal.

O salsão pode ser comprado em maços ou solto por unidade. Para saber se está fresco, verifique primeiramente a cor. As folhas devem estar bem abertas e apresentar a cor verde bem forte e brilhante.

Além disso, quando o salsão está fresco, ele é pesado em relação ao seu volume. Segure-o e sinta o peso, se estiver leve é sinal de que está murcho.

Embora o salsão possa ser guardado na gaveta da geladeira por vários dias, não é conveniente conservá-lo por mais de 3 ou 4 dias, pois ele perde seus nutrientes com muita facilidade. Antes de guardá-lo, lave e coloque em saco plástico.

Fonte: www.horti.com.br

Aipo

Aipo
Aipo

O aipo era usado pelos Gregos e Romanos como planta decorativa.

Só na Renascença é que os europeus começaram a cultivá-lo, existindo aproximadamente 30 variedades com os mesmos princípios nutricionais, que se dividem em 2 grupos: o aipo cultivado, ou hortense, ou aipo de folhas e talos – de que se distinguem o dourado, ou branco, e o verde - e o aipo de cabeça, ou aipo nabo, ou aipo rábano ou vermelho.

Todas estas variedades são ricas em vitaminas A, B e C, bem como em cálcio, magnésio, potássio, fósforo e sódio. O aipo auxilia na redução do colesterol e na limpeza do sangue.

O aipo hortense não deve ser muito comprido, deve ter os talos claros e as folhas verdes escuras, enquanto que os de cabeça devem ser médios e ter folhas.

O primeiro aguenta-se muitos dias no frigorífico envolvido num pano húmido e o segundo conserva-se 2 semanas envolvido com película aderente.

Retiram-se os talos exteriores danificados do aipo hortense, lava-se sob água corrente e retiram-se os filamentos duros cortando cada folha pela base e puxando os filamentos no sentido contrário. O verde é usado quase unicamente como erva aromática e o branco come-se cru como aperitivo geralmente mergulhado num molho; os talos são utilizados em saladas; os corações de aipo são o pé do aipo dourado cortado a 10cm da base sem que as folhas, ou talos, tenham sido separados e comem-se recheados ou estufados.

Ao aipo de cabeça cortam-se as folhas – que podem ser aproveitadas noutras receitas -, descasca-se até ficar com uma superfície uniforme, rega-se com sumo de limão para não oxidar ou deita-se num recipiente com água e limão. Come-se cru, ralado em saladas, cozido em água ou num caldo, salteado, estufado, gratinado, em purés ou frito como batatas às rodelas.

Análise nutricional (por 100g)

Proteínas: 0,75g
Hidratos de carbono: 1,95g
Fibra: 1,7g
Vitamina A: 13ug
Vitamina C: 7mg
Cálcio: 40mg
Fósforo: 25g
Magnésio: 11mg
Ferro: 0,40mg
Potássio: 287mg
Zinco: 0,13mg
Sódio: 87mg

Referências

Cozinhar com vegetais, Maria de Lourdes Modesto, Verbo.
A Saúde pela Alimentação, vol. 1, Jorge D. Pamplona Roger, Publicadora Atlântico.

Fonte: www.centrovegetariano.org

Aipo

NOME CIENTÍFICO: Apium graveolens

DESCRIÇÃO DA PLANTA: Planta de caule grosso e fibroso com folhas grandes verdes.

AROMA E SABOR: Aroma e sabor bem fortes.

Aipo
Aipo

Composição

Rica em sais minerais
Sais de potássio
Iodo
Manganês
Vitamina B1 e B2
Vitamina C (folhas)
Tirocina e colina (raiz)

Propriedades

Mesmo cozida, esta planta conserva boa parte das propriedades nutritivas

Digestiva
Estimulante
Afrodisíaca
Diurética (infusão)

Funções Terapêuticas

Anemia (caldo de salsão)
Asma (ferver o salsão com água)

HISTÓRICO E CURIOSIDADES

Sua referência mais antiga data de séculos antes de Cristo, pois foi encontrado na tumba de Tutacâmon.

O seu nome vem do latim: “apium” refere-se à água, seu habitat natural, e “graveolons” significa “aroma forte”.

Existem cerca de 20 espécies silvestres, que se distribuem pela Europa, ásia, América e Antártida.

PARTES USADAS

Raiz
Caule
Folhas
Sementes

FORMAS EM QUE SE ENCONTRA

É encontrado fresco. As suas folhas devem estar bem abertas e de cor verde forte e brilhante. Deve parecer pesado com relação ao volume.

O melhor mês para comprá-lo, em que a sua qualidade e o preço estão melhores, é dezembro.

COMO CONSERVAR

Lave-o bem e coloque-o em recipiente fechado ou saquinhos próprios para alimentos, guarde-o na geladeira, por até três dias.

USO GERAL

Além de conferir um ótimo sabor as alimentos, esta erva é também usada para fins medicinais.

Caspa – usar a água do cozimento

Reumatismo e artrite – chá de salsão três vezes ao dia ( Misture duas colheres de semente de salsão com, meio litro de água, e ferva em fogo baixo por três horas)

USO INDICADO EM ALIMENTOS

Talos e folhas

Ótimos para serem comidos crus em saladas, ou servir o talo como aperitivo ou entrada.
Pratos à base de legumes
Carnes em geral
Aves

Sementes

Pães
Bolachas
Biscoitos

Fonte: www.sensibilidadeesabor.com.br

Aipo

Aipo
Aipo

O aipo é um legume “bienal” (o que significa que tem um ciclo de vida normal de dois anos) e que pertence à família das umbelíferas, cujos membros incluem cenouras, funcho, salsa e endro.

Embora a maioria das pessoas associe imediatamente o aipo com o seu caule, as folhas, raízes e sementes também são utilizadas como alimentos, temperos, e até como remédios naturais.

O aipo cresce até uma altura de 40 cm e é composto por caules de folhas, dispostos numa forma cónica e sob uma base comum. Os pés têm uma textura crocante e delicada, mas um sabor ligeiramente salgado.

Os caules do centro são os mais apetecíveis e são também os mais tenros. No Brasil, o aipo apresenta normalmente a cor verde, mas na Europa podemos também encontrar uma variedade de cor branca.

Tal como os espargos brancos, este tipo de aipo é cultivado à sombra e sem contacto com a luz solar, de modo a inibir a produção de clorifila.

Benefícios para a Saúde

Gota
Artrites
Cáculos Renais
Edemas
Hipertensão Arterial
Acidez Metabólica
Colesterol
Diabetes
Psoríase

Fonte: www.alimentacaosaudavel.org

Aipo

O aipo, cujo nome científico é Apium graveolens, L., pertence à família Umbelliferae.

È originário do Mediterrâneo, atualmente bastante cultivada nos países de clima temperado, sendo uma das mais importantes nos Estados Unidos. No Brasil, o seu consumo é restrito, uma vez que poucas pessoas o apreciam, havendo mesmo muitas que o desconhecem.

Aipo
Aipo

Entretanto, as colônias americanas e européias, aqui radicadas, são as suas consumidoras.

Além disso, atualmente as indústrias de sopas desidratadas necessitam de grande quantidade dessa planta, aumentando assim, o interesse por sua cultura.

O aipo, também conhecido por salsão, pode ser consumido sob a forma de salada, prestando-se, também, para dar gosto às sopas.

Variedades

Existem inúmeras variedades de aipo, as quais diferem, entre si pelo aspecto da planta, pela coloração da folhagem e pelas dimensões dos pecíolos.

Entre nós as variedades que melhor se comporta são as seguintes: “Gigante de Páscoa”, “Utah” e “Cheio Dourado”.

Plantio

Para o seu cultivo, torna-se necessária a aquisição de sementes de firmas importadoras, visto que as plantas não as produzem em nossas condições climáticas.

A semeação deve ser efetuada em canteiros de 1,20m. de largura com o comprimento necessário para a produção das mudas desejadas, não devemos ultrapassar 20 metros para facilitar os tratos culturais e irrigações.

Os canteiros devem ter a altura de 10cm acima do nível do solo a fim de dar escoamento ao excesso de umidade e evitar as enxurradas.

Esses adubos deverão ser incorporados ao solo oito a dez dias antes semeação, que é efetuada em sulcos espaçados de 15cm no sentido transversal ao comprimento do canteiro, cobrindo-se as sementes com 0,5cm de terra bem destorroada.

Após essa operação, o canteiro é coberto com capim seco sem sementes, regando diariamente até o início da germinação. Quando esta se iniciar, retira-se toda a cobertura, de uma só vez, à tarde.

Tendo, as sementes, bom poder germinativo, ou seja, acima de 60%, emprega-se um grama por metro quadrado de canteiro. Um grama contém, em média, 2.500 sementes.

O canteiro de semeação deverá permanecer sempre limpo, evitando-se, assim, a concorrência de ervas más.

Se houver aglomeração de plantas nas linhas é de toda a conveniência efetuar um desbaste para que as mudas fiquem mais espaçadas e se desenvolvam mais vigorosas.

O transplante deverá ser efetuado quando as mudas apresentarem seis a oito centímetros de altura e quatro a cinco folhas definitivas, o que se entre sessenta e oitenta dias após a semeação.

O transplante deve ser feito em valetas de 25 centímetros de profundidade e distanciadas de 90 centímetros entre si, nas quais as mudas serão plantadas no espaçamento de 30 centímetros. Nessas condições de plantio, haverá facilidade para após o desenvolvimento das plantas, efetuar-se o seu estiolamento.

Quando o aipo se destina às indústrias e caso não exijam o produto estiolado, o espaçamento poderá ser diminuído para 50cm entre as linhas e 20cm entre as plantas.

É aconselhável não irrigar o canteiro de semeação dois dias antes do transplante, para tomar as mudas mais resistentes às condições adversas que poderio encontrar no local definitivo.

Irriga-se bastante na ocasião do transplante, a fim de facilitar a retirada das mudas.

Tais adubos devem ser incorporados ao solo oito a dez dias antes do transplante.

O esterco de curral poderá ser substituído pelo composto na mesma quantidade, ou por esterco de galinha, na quarta parte ou, ainda por torta de mamona ou de algodão, no peso equivalente a um décimo do recomendado. A torta de mamona ou de algodão, ou, esterco de galinha deverá ser incorporado ao solo, um mês antes do plantio para bem se decompor. Se não chover após a aplicação de um desses adubos, irriga-se semanalmente, para favorecer a sua decomposição.

A rotação de ve ser feita com ortaliças de outra família, tais como bata ou rabanete.

Clima e Solo

Essa planta gosta de clima ameno, com temperatura entre 18 e 22ºC, não se adaptando em regiões quentes ou de frio prolongado.

Para as condições do Estado de São Paulo, a melhor época de semeação compreende os meses de março e abril. Semeando-se nessa época, as colheitas terão início em setembro-outubro.

Deve-se dar preferência aos solos areno-argilosos, férteis, profundos, ricos em matéria orgânica e com acidez fraca (pH entre 6,0 e 6,8).

Tratos Culturais

Consistem em capinas para conservar o solo livre de ervas más, anulando assim, a sua concorrência.

Deve-se conservar o solo fofo e de acordo com as necessidades da planta, efetuar a irrigação com intuito de manter um bom teor de umidade no solo. A irrigação pode ser por aspersão ou, preferivelmente, por infiltração.

Deficiência de boro: O aipo é hortaliça exigente em boro. Para fornecer esse micro-elemento à planta, são necessários três pulverizações com ácido bórico comercial, na base de quatro gramas do produto para dez litros de água. Uma das pulverizações deve ser efetuada na sementeira e as outras duas aos trinta e sessenta dias após o transplante das mudas.

A fim de tornar mais eficiente a absorção do ácido bórico pelas folhas, é aconselhável juntar à solução em espalhante-adesivo, na base de três gotas do produto para cada litro da solução.

Se essas pulverizações não forem efetuadas, os pecíolos apresentarão rachaduras de coloração castanha, um dos sintomas típicos de deficiência de boro. Nessas condições, o produto não terá aceitação comercial.

Colheita

Estiolamento

Quando as plantas se mostram bem desenvolvidas já próximas do ponto de consumo, o que se dá aproximadamente quatro meses após o transplante, devem ser amarradas a uma altura de 20 centímetros do colo, chegando-se terra até que os pecíolos fiquem totalmente cobertos.

Essa operação tem por finalidade provocar o estiolamento dos pecíolos tornando-os assim, brancos e com apresentação comercial.

A amarração das folhas e dos pecíolos é indispensável para evitar a entrada de terra junto aos pecíolos centrais.

Decorridos doze a quinze dias dessa operação, os pecíolos estarão estiolados.

Descalçam-se, então as plantas e efetuam-se as colheitas cortando-se abaixo do colo.

A colheita deve ser feita nas horas mais frescas do dia.

Dependendo de grande número de fatores e da variedade em cultivo, a produção pode variar de 12 a 18 ton/ha.

Pragas e Moléstias

Das pragas que atacam o aipo, as mais comuns são os pulgões, pertencentes ao gênero, Aphis, os quais são facilmente controlados com pulverizações.

O aipo é atacado também por nematóides, que mostram a formação de galhas nas raízes e impedem o desenvolvimento normal das plantas. O controle desta praga poderá ser feito com o emprego de nematicidas.

A exposição do solo ao sol, por meio de diversas arações, e também a rotação da cultura com outras espécies que sejam resistentes ao seu ataque, contribuem para a diminuição dos nematóides.

Fonte: www.criareplantar.com.br

Aipo

Aipo
Aipo

O aipo é conhecido desde a antiguidade. Os gregos se serviam desta erva, os romanos utilizavam muito como coroas nos banquetes e como planta funerária. Na Idade Média suas qualidades terapêuticas foram exploradas.

O cultivo do aipo começou realmente a partir do século XVI, mencionado pela primeira vez pelo agrônomo francês Olivier de Serres, como planta aromática.

O aipo tem propriedades estimulantes, diuréticas e digestivas. Ajuda no tratamento do reumatismo, gota e asma. Seu suco é rico em vitaminas A e C. Além disto, seu talo é rico em fibras.

NA CULINÁRIA

Pode ser comido cru, cortado em rodelas ou ralado, acrescentando uma textura crocante às saladas.

A maior parde dos cozidos, ensopados, molhos e caçarolas se enriquecem e se perfumam com um simples ramo de aipo, pois esta planta possui um óleo com aroma muito forte que se mistura aos alimentos durante o cozimento.

O sal de aipo pode ser utilizado em molhos, saladas ou em drinks como "bloody mary".

Fonte: culinaria.weblog.com.pt

Aipo

Aipo e as Virtudes Curativas

As virtudes curativas do aipo foram descritas nos tratados médicos dos chineses da antiguidade.

Suas propriedades eram também apreciadas pelos gregos e romanos, que consumiam habitualmente o vegetal.

Aipo
Aipo

O aipo (Apium graveolens), planta herbácea da família das umbelíferas, de duração bienal, pode ultrapassar noventa centímetros de altura. O caule é estriado e as folhas são lobuladas, com as bordas dentadas. As flores, pequenas e brancas, estão reunidas em umbelas, ou seja, inflorescências, nas quais os pedúnculos florais partem de um mesmo ponto e atingem igual altura.

As variedades conhecidas pelo nome de aipo dividem-se em dois grupos principais, o primeiro integrado por todas as espécies cujos pecíolos, de coloração branca, rósea, vermelha ou violácea, são comestíveis.

O segundo inclui as variedades do aipo-rábano ou salsão, algumas das quais têm raízes comestíveis, ao passo que outras apresentam folhas que são usadas como condimento.

O aipo é empregado na alimentação humana cozido ou em saladas. Indicado para o tratamento de diversas doenças como diurético, excitante, antitérmico, carminativo e no combate ao escorbuto, é também usado como aperitivo.

Fonte: www.emdiv.com.br

Aipo

O aipo culinário foi desenvolvido no século 17 por jardineiros italianos a partir do aipo-bravo, encontrado nos pântanos salgados da Europa.

Há três tipos principais

Aipo-branco
Aipo-verde
Aipo-cabeça de nabo

Aipo
Aipo

Este último também é chamado aipo-vermelho, ou raiz de aipo, e é cozido como um vegetal ou comido cru, em saladas.

As sementes do aipo são minúsculas, de cor castanho-esverdeado, com cinco estrias mais claras.

Têm o sabor forte da planta, são aromáticas e levemente amargas. O sabor é agradável e o leve amargor melhora outros aromas.

É bastante parecido com a salsa, tanto que é chamado também de salsão, tendo apenas folhas e talo bem maiores e mais grossos. Suas sementes brotam debaixo da terra no início da primavera ou ao ar livre no final dessa mesma estação, em terra úmida e rica. Suas mudas amarelo esverdeadas, com 23 cm, brotam separadamente. Seus talos normalmente são colhidos no outono, mas permite-se também que suas plantas sobrevivam até o ano seguinte para a produção de sementes.

A semente de aipo é um tempero ocidental relativamente recém-descoberto na culinária, ao contrário do legume, que se tornou extensamente usado na Europa.

Na Inglaterra e na América, ela foi descoberta só no século 19, graças à reprodução da variedade aipo-bravo na Itália, durante o século anterior.

Usos

As sementes do aipo podem ser adicionadas a massas para pães ou espalhadas sobre apetitosos biscoitos. Podem ser utilizadas inteiras, misturadas em saladas ou espalhadas sobre vegetais cozidos imediatamente antes de servir.

Ainda podem ser moídas e acrescentadas a pratos cozidos.

Aromatizando-se o sal com a semente do aipo, obtém-se um tempero muito rico, amplamente utilizado em sopas, guisados e saladas. A mistura é muito usada espalhada sobre carnes, antes de elas serem grelhadas, enquanto suas folhas e caule são consumidos como legumes em saladas, caldos, molhos e sopas.

Fonte: www.fernandovillasboas.com.br

Aipo

O aipo era conhecido na Roma antiga, onde era consumido em abundância pelas suas presumíveis propriedades afrodisíacas.

Embora actualmente já não possua esta fama, é uma reconhecida fonte de potássio. Do aipo mais comum em Portugal (de talos e folhas verdes) tudo se aproveita, desde as folhas que condimentam caldos e saladas, às aromáticas sementes, passando pelos talos, depois de despojados dos fios laterais.

Aipo
Aipo

Aipo-de-folhas, aipo-rábano e aipo-silvestre são as 3 variedades mais comuns.

Do aipo-rábano pode inclusivé extrair-se um sal especial, indicado nas dietas isentas do tradicional sal marinho, e muito apreciado no tempero de sumos de tomate ou mesmo do famoso Blooddy Mary.

Indispensável para perfumar caldos aromáticos de peixe - como o famoso court bouillon - experimenta ir mais longe e utilizar o aipo como cama de uns belos filetes de solha com molho de laranja. Surpreendente!

O aipo

As pessoas em regime alimentar geralmente comem bastante aipo, uma vez que ele contém baixas calorias até mesmo para os padrões geralmente verificados em vegetais. Dois talos contêm menos de 10 calorias. No entanto, seu alto teor de fibras dá a sensação de saciedade.

O aipo ainda é uma boa fonte de potássio, contribui também com pequenas quantidades de vitamina C e uma boa quantidade de folato e vitamina A. Embora não contenha muitos nutrientes, o aipo acrescenta um sabor especial a uma variado número de receitas - desde sopas e guisados a saladas e recheios de aves.

As folhas de aipo não são geralmente aproveitadas, embora constituam a parte mais nutritiva da planta, pois contêm mais cálcio, ferro, potássio e vitaminas A e C do que os talos.

As folhas devem ser utilizadas em sopas e saladas por seu sabor.

Fonte: www.vaqueiro.pt/www.herbario.com.br

Aipo

Nome Científico: Apium graveolens L.

Nome Popular: salsão, ápio, aipo – cultivado, aipo – d´água, aipo – doce, celeri.

Família: Umbelliferae.

Aspectos Agronômicos

Reproduz-se por sementes as quais são obtidas de plantas somente no segundo ano de vida. As mudas são produzidas em sementeiras e depois transplantadas para local definitivo após 60 a 80 dias ou mais.

Os solos devem ser permeáveis e ricos em húmus. Porém, solos areno – argilosos, por serem ricos em húmus, são os mais indicados.

Sendo uma planta que prefere regiões úmidas, a irrigação é uma necessidade permanente, principalmente em regiões secas, pois o Aipo é exigente em água.

A colheita das raízes e folhas se faz, preferencialmente, na primavera. As sementes são colhidas após a formação das umbelas, as quais são cortadas antes da queda espontânea das mesmas.

Parte Utilizada

Raízes
Folhas
Sementes

Constituintes Químicos

Água
Carboidratos
Sais
Potássio
Sódio
Cálcio
Fósforo
Ferro

Vitaminas

B1 = tiamina
B2 = kiboflavina
C = ácido ascórbico
Niacina

Óleo essencial rico em apiósido, limoneno, sileneno, eudesmol, sedanólido, anidrido sedanônico.

Açúcares

Manitol

Pentasonas

Ácidos glicérico, glicólico, málico, tartárico, cumárico, caféico, ferrúlico, químico, xiquímico.

Apéina e outros flavonóides.

Cumarinas como a sesilina, isopimpenelina e a apigravina.

Origem

Europa

Aspectos Históricos

Muito popular, o aipo é cultivado como verdura aromática e saborosa, sendo encontrado todo o ano no mercado.

Muito conhecido, o aipo tem, todavia, qualidades terapêuticas não conhecidas por todos.

Era com o aipo que se coroavam os vencedores dos jogos nemianos gregos, que se realizavam em honra de Zeus, mas quando o filho do rei nemiano foi morto por uma cobra escondida no aipo, este passou a ser usado como coroa funerária. Os gregos também utilizavam essa erva na medicina, e os romanos exploraram as suas propriedades culinárias.

Muito mais tarde, no século XIX, os shakers americanos cultivavam o aipo para fazerem os seus remédios e outros preparos medicinais.

Uso

Fitoterápico

Nefrite, dismenorréia, hepatite, afecções febris.
Colites crônicas, anemias ferroprivas e perniciosas.
Disenteira.
Bronquite asmática.
Contusões e ferimentos.
Laringite e bronquite.
Úlceras de difícil cicatrização.
Distúrbios no metabolismo do ácido úrico.
Acidose.
Afonia.
Catarros pulmonares crônicos.
Falta de apetite.
Chagas cancerosas.
Depurativo do sangue, distúrbio digestivo, diurese, escorbuto, escrofulose.
Doenças do estômago, doenças do fígado.
Flatulência, gases intestinais.
Gota, icterícia, inapetência.
Malária, favorece a menstruação.
Tônico para o sistema nervoso, oftalmia, pneumonia, cólicas renais, cálculos nos rins, doenças nos rins.
Rouquidão, sarna.
Intumescimento leitoso dos seios.

Farmacologia

Acredita-se que o aipo encerre propriedades alcalinizantes, antipalúdicas, aperientes, carminativas, estimulantes, emenagogas, expectorantes, febrífugas, levemente laxantes, tônicas.

Graças ao seu elevado teor vitamínico, o aipo protege o organismo contra diversas enfermidades carenciais.

Vitamina A

Proteção contra a xeroftalmia

Vitamina B

Fortalecimento dos nervos

Vitamina C

Prevenção dos escorbutos.

O aipo cru, usado nas saladas, é tônico para o sistema nervoso. Já em sucos é carminativo, diurético, febrífugo e tônico; bom nos casos de anúria, dismenorréia e debilidades em geral. O aipo tem efeito espectorante. Graças ao seu conteúdo em sais e vitaminas, o aipo é usado tanto em saladas cruas como sopas, caldos, sucos e condimentos.

Riscos

Sob forma de saladas é contra indicado para diabéticos.

Fitoterápico

Uso Interno

Suco

1 xícara ao dia, dividida em 3 ou 4 vezes.

Chá por decocção

30g de folhas frescas em 1 litro de água, adoçar com 1 colher de mel, tomar diariamente pela manhã em jejum ( bronquite asmática ).

Infuso

1 colher de sopa de folhas verdes em 1 litro de água. Raízes a mesma quantidade. Tomar 3 xícaras (chá) diariamente. O chá deve estar quente.

Uso Externo

Sob forma de cataplasma, aplicadas duas vezes ao dia na região afetada. (contusões e ferimentos)

Raízes secas e moídas, polvilhadas sobre as lesões duas vezes ao dia. (Úlceras de difícil cicatrização)

Bibliografia

Caribé, J.; Campos,J.M. Plantas Que Ajudam o Homem. São Paulo: Pensamento, 11ª edição, 1999, p.14.
Martins, E.R.; Castro, D. M.; Castellani, D.C.; Dias, J.E. Plantas Medicinais. Viçosa: UFV, 2000, p.68-69.
Boarim, D.; Balbach, A. As Hortaliças na Medicina Natural. Itaquaquecetuba: Vida Plena, 2ª edição, 1993, p.46-53.
Breminess, L. Plantas Aromáticas. São Paulo: Civilização, agosto 1993, p.24.
Francisco, I.; Hertwing, V. Plantas Aromáticas e Medicinais. São Paulo: Ícone, 1986, p. 164 – 169.
Balmé, F. Plantas Medicinais. São Paulo: Hemus, 5ª edição, p.28-29.

Fonte: www.unilavras.edu.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal