Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Louro

Louro

PUBLICIDADE

 

Louro
Folhas de Louro

Nome científico: Laurus nobilis

Apresentação: Folhas frescas, secas ou em pó.

Usos

Tem sabor suavemente amargo. Devido ao seu aroma forte, a quantidade deve ser bem dosada, para que não camufle o aroma e sabor dos outros ingredientes.

Combina com sopas, peixe em geral, carnes, frango e terrines. São utilizados em todo o mundo. Pode estar presente no buque garni ou em sopas, molhos, carnes e, principalmente em conservas.

Seu uso é adequado em pratos que exigem cozimento longo, pois seu óleo essencial é liberado lentamente. Pratos de cheiros fortes têm o odor aliviado.

Combinam com quase todos os preparos: aromatizam caldos básicos, molhos, sopas, ensopados, marinados e refogados; temperam carnes e peixes em geral.

São imprescindíveis nos pratos com carnes gordas, como ragus, recheados, estufados, patês e terrinas.

Curiosidade

Há quem diga que o louro tem ‘poderes mágicos’, como a capacidade de atrair dinheiro. Use-o como amuleto, dentro da carteira.

o início do Cristianismo, os mortos eram cobertos de louro em suas sepulturas para simbolizar a vida eterna, porque a planta permanece sempre verde.

Nomes em outras línguas:

Inglês: Bay Leaf
Italiano:
Foglia di alloro, lauro
Francês:
Feuille de laurier, laurier franc

Fonte: gourmet.ig.com.br

Louro

O louro (Laurus nobilis) é uma espécie perene que vem do Mediterrâneo e é conhecida por sua folhagem perene fino que dá um cheiro forte.

O louro é uma planta aromática, conhecida desde os tempos antigos e da Ásia. Os antigos romanos apreciavam não só a propriedade, mas também a beleza de usar os ramos de louro para criar enfeites e ornamentos.

Origem

Originário da Ásia Menor, o louro, Laurus nobilis L. (LAURACEAE), é uma das espécies contempladas pelo projeto “Produção, processamento e comercialização de ervas medicinais, condimentares e aromáticas” coordenado pela Embrapa Transferência de Tecnologia – Escritório de Negócios de Campinas, SP, em parceria com a Embrapa Pantanal (Corumbá, MS), Embrapa SemiÁrido (Petrolina, PE) e nos Escritórios de negócios de Dourados (MS), Canoinhas (SC), e Petrolina (PE) da Embrapa Transferência de Tecnologia, o qual tem por objetivo treinar técnicos e qualificar pequenos agricultores e seus familiares em produção e manipulação de ervas com boas práticas agrícolas e de higiene que atendam às demandas dos segmentos de fármacos e condimentos.

DESCRIÇÃO BOTÂNICA

Árvore, ou arvoreta, perenifólia com ramos eretos que pode atingir até 15 metros de altura; caule glabro, de casca lisa e escuro; folhas persistentes, pecioladas, alternas, elípticas ou lanceoladas, coriáceas com bordas onduladas, inteiras, lisa, de coloração verde brilhante na face superior e verdepálida na face inferior; flores pedunculares de coloração amarelada organizadas em fascículos axilares.

Flores masculinas e femininas se desenvolvem em plantas separadas; fruto (baga) globoso contendo uma semente, que quando maduro adquire uma coloração negra.

COMPOSIÇÃO QUÍMICA

Óleo essencial com geraniol, cineol, eugenol, linalol, terpineno, pineno, costunolide e deacetillaurebiolide, taninos, açúcares e pectinas.

FORMAS DE PROPAGAÇÃO

Sementes ou mudas produzidas a partir de estacas do caule.

CULTIVO

Espaçamento de 1,2 x 1,2 metros. No Brasil, prefere regiões de clima temperado. Porém, não resiste à geada. Prefere solos ricos em matéria orgânica, bem drenados e com boa luminosidade.

Recomenda-se uma adubação com esterco de gado bem curtido, esterco de galinha ou composto orgânico, quando necessário.

COLHEITA E BENEFICIAMENTO

A colheita é feita quando as folhas estiverem bem desenvolvidas, em qualquer época do ano.

As folhas devem ser secas à sombra e em local ventilado e, logo após, guardadas em sacos de papel, pano ou vidro; os frutos devem ser colhidos quando estiverem bem maduros.

Louro
Pé de Louro

REQUISITOS BÁSICOS PARA UMA PRODUÇÃO DE SUCESSO:

Utilizar sementes e material propagativo de boa qualidade e de origem conhecida: com identidade botânica (nome científico) e bom estado fitossanitário
Focar a produção em plantas adaptadas ao clima e solo da região
O plantio deve ser realizado em solos livres de contaminações (metais pesados, resíduos químicos e coliformes)
A água de irrigação deve ser limpa e de boa qualidade
O cultivo deve ser preferencialmente orgânico: sem aplicação de agrotóxicos, com rotação de culturas, diversificação de espécies, adubação orgânica e verde e controle natural de pragas e doenças
É importante dimensionar a área de produção segundo a mão-de-obra disponível, uma vez que a atividade requer um trabalho intenso
A qualidade do produto é dependente dos teores das substâncias de interesse, sendo fundamentais os cuidados no manejo e colheita das plantas, assim como no beneficiamento e armazenamento da matéria prima
Além dos equipamentos de cultivo usuais, é necessária uma unidade de secagem e armazenamento adequada para o tipo de produção.
O mercado é bastante específico, sendo importante a integração entre produtor e comprador, evitando um número excessivo de intermediários, além da comercialização conjunta de vários agricultores, por meio de cooperativas ou grupos.

REFERÊNCIAS

CARVALHO, A. F. Produção comercial de plantas medicinais. Viçosa, MG: CPT, 1999, 78p.
CORRÊA JÚNIOR, C.; SCHEFFER, M. C; MING, L. C. Cultivo agroecológico de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 1 ed. Brasília, DF: MDA, 2006, 75p:il.
LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais do Brasil. Nova Odessa, SP. Instituto Plantarum, 2002, 544p:il.
LOW, T.; RODD, T.; BERESFORD, R. Segredos e virtudes das plantas medicinais. Rio de Janeiro, RJ. READER’S DIGEST. 1 ed., 1994, 416p:il.
PANIZZA, S. Plantas que curam. São Paulo, SP: IBRASA, 28 ed., 1997, 279p:il.
WYK, B-E van; WINK, M. Medicinal plants. First edition. Portland, OR. Timber Press, 2004, 480p:il.

Fonte: cpap.embrapa.br

Louro

Louro
Folhas de Louro

NOME CIENTÍFICO: Laurus nobilis

DESCRIÇÃO DA PLANTA: Tem sabor suavemente amargo.

ORIGEM: Sul da Europa e Ásia Menor

COMPOSIÇÃO

Ferro

Vitamina A

Vitamina E

PROPRIEDADES

FUNÇÕES TERAPÊUTICAS: Alivia azia, mau hálito e indisposição estomacal: (faça um chá com três folhas de louro, adicionando suco de limão e bastante açúcar).

HISTÓRIA

O louro é símbolo as poesia, das letras e do sucesso.

A palavra “bacharelato” vem do latim “baccalaurus”, o que quer dizer “ formando coberto de louros”.

Nas antigas Grécia e Roma, formavam as coroas usadas pelos vencedores de batalhas ou disputas esportivas, assim como os poetas (de onde se originou o termo “laureado”).

PARTES USADAS

Folhas.

FORMAS EM QUE SE ENCONTRA

Fresco, seco ou desidratado.

COMO CONSERVAR

Fresco – guarde suas folhas, depois de limpas, em recipiente fechado, ou sacos plásticos próprios para alimentos, da geladeira, por alguns dias.
Seco ou desidratado –
guarde-o em vidros fechados, (de preferência escuros), em local protegido da umidade e luminosidade.

USO GERAL

USO INDICADO EM ALIMENTOS:

Devido ao seu aroma forte, a quantidade deve ser bem dosada, para que não camufle o aroma e sabor dos outros ingredientes.
Este condimento vai bem com qualquer tipo de prato salgado, desde que bem dosado
Seu uso é adequado em pratos que exigem cozimento longo, pois seu óleo essencial é liberado lentamente]

Fonte: www.sensibilidadeesabor.com.br

Louro

Louro – Laurus nobilis

Partes usadas: Folhas e frutos

Família: Lauráceas

Louro
Folhas de Louro

Características

Árvore de folha perene, lanceoladas, brilhantes na face superior e fosca na inferior. Suas flores são pequenas de cor brancas ou amareladas.

Dicas de Cultivo

O plantio é feito por sementes ou estacas no período da chuva. As mudas devem ser transplantadas em setembro ou outubro, observando o espaçamento de 3,5 x 3,5m. Adapta-se bem a solos ricos em matéria orgânica e bem drenados.

Outros Nomes: Loureiro, loureiro-de-presunto, loureiro de apolo, loureiro-dos-poetas. Port.: loureiro-comum, loureiro-de-apoio, sempre-verde; Esp.: laurel, laurel común, laurel de condimento; Fr.: laurier; Ing.: laurel.

Princípio ativo: Princípios amargos, taninos e um óleo essencial.

Propriedades: Aperitivo, eupéptico, carminativo, diurético, balsâmico, emenagogo, anti-reumático e anti-inflamatório.

Indicações

Facilita a digestão, combate a inapetência, regula o ciclo menstrual. Como bálsamo anti-reumático, aperitivo para facilitar a digestão e para aliviar as dores reumáticas e arttríticas. Seu óleo serve para combater as dermatoses e as lêndeas de piolhos.

As cascas de louro-preto combatem inúmeras afecções intestinais e digestivas. Estimula a secreção do suco digestivo e elimina gases do conduto digestivo.

Fonte: www.cantoverde.org

Louro

Nome Científico: Lauros nobilis L.

Nome Popular: Louro –comum, loureiro – dos – poetas, loureiro – de – Apolo, loureiro – de presunto.

Família: Lauráceas.

Louro
Folhas de Louro

Aspectos Agronômicos

A reprodução é feita por sementes ou por estacas cortadas dos ramos, de preferência em solos drenados, férteis, ricos em matéria orgânica, abrigados de ventos fortes e geadas, e que recebem uma boa dose de luz solar. As folhas podem ser colhidas sem o pecíolo, quando estiverem desenvolvidas, em qualquer época do ano, e os frutos somente quando estiverem maduros.

Parte Utilizada

Folha e Fruto.

Constituintes Químicos

Essência rica em cineol
Eugenol
Pineno
Ácidos orgânicos (acético, isoleutérico, valeriânico) livres, esterificados
Terpinenos
Sesquistepenos
Um álcool sesquirtepénico
Lipídios
Tanino
Princípio amargo indefinido

Origem

Ásia menor e foi introduzida nas regiões do mar mediterrâneo (Síria e África do Norte).

História

A palavra latina lauros significa “honraria” e nobilis, “célebre”, “nobre”.

Essa era uma árvore consagrada a Apolo, o deus grego da profecia, da poesia e da cura.

O Telhado do Templo de Apolo, em Delfos, era inteiramente coberto de folhas de loureiro, que protegiam da doença da feitiçaria e dos relâmpagos. As coroas feitas com essas folhas tornaram-se a marca de excelência de poetas e atletas, e para os Romanos, o loureiro era o símbolo da sabedoria e da glória.

Uso Fitoterápico

Tem ação:

Diurética
Sudorífica
Emenagoga
Antiinflamatória
Estimulante e anti – Séptica

É indicado:

Para curar ou aliviar má – digestão
Debilidade estomacal
Alta de apetite
Gases
Cólicas abdominais
Nevralgias
Fraqueza neuromuscular
Amenorréia
Reumatismos
Feridas e chagas ulceradas
Anúria
Dispepsias

Farmacologia

É amplamente empregado nos quadros de dispepsia, anorexia, flatulência, em casos de astenia e dores de origem reumática. Como uso externo, em feridas e úlcera. Apresenta atividade antiespasmódica. Em ratos, o extrato do vegetal gerou certo grau de teratogênese (malformação fetal), além de aumentar a possibilidade de abortamento.

Riscos

Em altas doses pode ser abortivo.

Fitoterápico

Uso Interno: Chá por infusão: 2 colheres de sopa de folhas picadas para um litro de água fervente; 3 xícaras por dia.
Em uma xícara de chá coloque 1 colher de sobremesa de folhas fatiadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos e coe. Tomar 1 xícara de chá, antes das principais refeições.

Uso Externo: Azeite extraído das folhas ou dos frutos aquecidos e triturado.

Bibliografia

Balbach, A. As plantas Curam. Itaquaquecetuba: Vida Plena, 2ªedição, 1993, p. 147-148.
Corrêa, A.D.; Batista, R.S.; Quintas, L.E.M. Do Cultivo à Terapêutica. Plantas Medicinais. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 156-157.
Panizza, S. Cheiro de Mato. Plantas Que Curam. São Paulo: IBRASA, 1998, p. 139-140.
Sanguinetti, E.E. Plantas Que Curam. Porto Alegre: Rígel, 2ªedição, 1989, p. 145.

Fonte: www.unilavras.edu.br

Louro

Planta Dotada de Propriedades Medicinais e Culinárias

Louro
Folhas de Louro

Planta utilizada pelos antigos romanos como ornamento, cujas folhas têm propriedades medicinais e culinárias, o louro ou loureiro tem sido representado em muitas obras de arte, tanto em arquitetura quanto em esculturas e pinturas.

Na civilização greco-romana, um dos prêmios mais cobiçados pelos atletas, poetas e guerreiros era uma coroa feita com folhas dessa árvore. Até hoje se chama de laureado quem foi distinguido com determinado prêmio ou honraria.

Louro (Laurus nobilis) é uma planta de folhas perenes da família das lauráceas, cuja altura pode chegar a 15m.

De origem mediterrânea, possui folhas oblongas, coriáceas, fortemente aromáticas, utilizadas como condimento e também por suas propriedades medicinais.

Suas flores, pequenas e brancas, brotam em grupos ou isoladamente e dão lugar a pequenos frutos de cor escura. O óleo da semente tem aplicação em veterinária como vermífugo, e usa-se a madeira em construções e objetos de luxo.

No Brasil, há vários tipos de louro, especialmente na Amazônia. Louro-branco (Ocotea guianensis), louro-cravo (Dicypellium caryophyllatum), louro-pimenta (O. canaliculata), louro-rosa (Aniba parviflora) e louro-vermelho (O. rubra) são alguns deles.

Louro (Laurus nobilis) é uma planta de folhas perenes da família das lauráceas, cuja altura pode chegar a 15m.

De origem mediterrânea, possui folhas oblongas, coriáceas, fortemente aromáticas, utilizadas como condimento e também por suas propriedades medicinais. Suas flores, pequenas e brancas, brotam em grupos ou isoladamente e dão lugar a pequenos frutos de cor escura. O óleo da semente tem aplicação em veterinária como vermífugo, e usa-se a madeira em construções e objetos de luxo.

No Brasil, há vários tipos de louro, especialmente na Amazônia. Louro-branco (Ocotea guianensis), louro-cravo (Dicypellium caryophyllatum), louro-pimenta (O. canaliculata), louro-rosa (Aniba parviflora) e louro-vermelho (O. rubra) são alguns deles.

Fonte: www.emdiv.com.br

Louro

Louro – Laurus nobilis

Louro
Folhas de Louro

Esta é uma planta muito interessante de se falar, pois está presente ao lado dos grandes eventos da civilização ocidental desde o tempo dos gregos. Árvore enorme, que pode chegar até 20 metros de altura, é muito bela e imponente.

Possui algumas variedades que formam um arbusto de 2 a 3 metros nos seus países de origem. Suas folhas são elípticas, de cor verde escuro, e de aroma pronunciado. Suas flores são pequenas e de coloração branca, sendo que os sexos são separados, ou seja, existe a planta macho e a planta fêmea. Era o símbolo da premiação aos antigos generais da época romana e grega.

Os poetas eram agraciados com uma coroa de louro.

Também os vencedores dos jogos olímpicos e até mesmo os deuses gregos não abriam mão de seus efeitos nobres.

Daí o seu nome: nobilis.

As pessoas da Grécia antiga que faziam uso da faculdade adivinhadora costumavam mastigar algumas folhas de louro antes de iniciar a leitura. Planta esta dedicada ao deus Apolo.

Os romanos antigos denominavam de bacca laureus o fruto do loureiro, e desta denominação é que surgiu, através de derivações, o termo bacharel, que é uma honraria acadêmica. Então na verdade podemos dizer que o bacharel é o fruto do loureiro.

Na Europa, durante a Idade Média, os habitantes dos vilarejos costumavam queimar folhas de louro em praças públicas, pois acreditavam que isto combateria a peste que assolava a região.

O louro é rico em compostos químicos, mas o que mais chama a atenção e inclusive o que é mais procurado são os óleos extraídos tanto das sementes quanto das folhas.

O louro possui ação carminativa e digestiva.

Quando após uma refeição a digestão se torna lenta e difícil, prepare um chá de folhas de louro na proporção de 15 g de folhas para 1 litro de água, e beba 1 a 2 copos após as refeições. Para o cansaço físico é uma planta relaxante muito boa.

Em uma banheira coloque alguns litros de chá de louro e entre com a água bem quente. Os óleos possuem a capacidade de distender a musculatura relaxando-a.

Para hemorróidas, reumatismo e contusões pode-se preparar um linimento de louro.

Deixar macerando um pouco de pó de folhas de louro em um pouco de azeite. Depois de uns 15 dias esprema e recolha o óleo. Guarde-o em um vidro escuro em um ambiente com temperatura fresca. Passe sobre o local dolorido ou inflamado.

O louro é um condimento que necessita de moderação no momento de se utilizar. Se empregar muitas folhas o sabor será terrível, ficando adstringente, amargo e você terá a maior decepção na hora de experimentar o prato. Lembro-me da primeira vez que minha esposa preparou um molho de tomate para comermos com uma pasta.

Para me agradar, pois sabia que eu gosto de comida condimentada, colocou uma folha de louro e experimentou.

Não sentiu gosto de nada e colocou outra. Também não sentiu nada e colocou outra, e foi assim até colocar 15 folhas de louro em uma panela com molho para duas pessoas. Quando cheguei ela disse que aquelas folhas não prestavam que não davam gosto.

Quando fui experimentar o sabor estava terrível, muito forte. Isto serve para mostrar que alguns condimentos demoram um certo tempo para desprender seus aromas nos alimentos, que é o caso do louro e da noz-moscada.

Normalmente utiliza-se em marinadas de carne, na hora de temperar uma carne de porco, ou então um lagarto recheado e até mesmo carne de aves.

Para peixes também deixa um sabor agradável, mas não é muito empregado aqui no Brasil desta forma. Também é muito empregado no preparo do feijão, de molhos de tomate e até mesmo no molho branco, juntamente com a noz-moscada. Não conheço nenhuma receita que caracterize bem o louro, mas de qualquer forma é muito aromático e digestivo. Utilize com moderação, e lembre-se de que o sabor demorará um pouco para ser sentido.

Fonte: www.alumiar.com

Louro

Nome científico: Laurus nobilis
Família: Lauráceas
Nome comum: louro, loureiro
Origem: região do Mediterrâneo (sul da Europa e Ásia Menor)

Louro
Folhas de Louro

Descrição e característica da planta

O louro é uma planta conhecida desde a Grécia antiga, onde as coroas feitas com suas folhas eram entregues aos vencedores de competições como símbolo de vitória.

Vem daí a expressão, “louros da vitória”.

A planta é perene, de 5 a 20 metros de altura e o seu tronco é geralmente reto. As folhas são coriáceas (que lembra consistência de um couro), de cor verde-escura, aroma muito agradável, formato oval, de 3 a 9 centímetros de comprimento por 4 centímetros de largura, margens ligeiramente onduladas, superfície lisa e brilhante nas duas faces. As flores são dióicas (cada planta produz somente flores masculinas ou femininas), ambas dispostas em agrupamento de 4 a 6, nas axilas das folhas com os ramos.

As flores masculinas são amareladas e as femininas, brancas. Os frutos são ovóides (forma de ovo), tipo baga (parte externa do fruto é carnosa e contém uma semente no centro), de 8 a 12 milímetros de diâmetro, de cor verde-brilhante, no início, e preta, quando maduros. O clima favorável ao bom desenvolvimento da planta é de frio a ameno. Ela não é exigente quanto ao solo, mas se desenvolve melhor em solos frescos, secos, de boa fertilidade e ricos em matéria orgânica. A propagação é feita somente através de estaquia ou alporquia ou das brotações de raízes porque, no Brasil, não há produção de sementes viáveis. As estacas não se enraizam facilmente.

A alporquia é uma técnica usada para enraizar ramos com diâmetro de 1,5 a 2,5 centímetros pela retirada de um anel da casca. Depois, local do anel retirado é coberto com musgo úmido ou terra úmida e, em seguida, protegido com um plástico para não secar. A adição de um hormônio de enraizamento, o ácido indol butírico (AIB), no local do corte, favorece o enraizamento.

A formação de raízes ocorre no período de 40 a 60 dias. Ao constatar a emissão de raízes, apalpando-se o local, deve-se cortar o ramo logo abaixo, retirar o plástico, plantar num substrato rico em matéria orgânica e manter em local que propicie bom desenvolvimento. Na Europa, a propagação é feita por sementes ou por enraizamento de estacas.

Produção e produtividade: não foram encontrados dados sobre a produção e produtividade de folhas de louro.

Utilidade: as folhas constituem a parte mais importante para a exploração comercial dessa planta. São usadas comumente como condimento na culinária em geral, especialmente para temperar feijão, carnes, peixes e cozidos. O óleo extraído de suas folhas é usado na indústria de perfumes. A planta é bastante ornamental, daí ser indicada para plantio em parques e jardins. Deve-se tomar cuidado para não confundir com louro-rosa (Nerium oleander), cujas folhas e frutos são muito tóxicos e uma única folha pode matar um adulto que consumi-la.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+