Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Butiá

Butiá

PUBLICIDADE

Butiá
Butiá

Nome científico:

1) Butia eriospatha (sinonímia: Cocos eriospatha, Butia eriospatha subsp punctata, Syagrus eriospatha)
2)
Butia purpurascens

Família: Arecáceas (sinonímia: Palmas)

Nome comum:

1) butiá, butiá-da-serra, butiazeiro, butieiro, butiá-branco, butiá-veludo.
2) butiá, palmeira-jataí, coqueiro-de-vassoura.

Origem

Brasil

1) Região serrana dos estados do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul
2)
Cerrados da região sul do estado de Goiás e do Triângulo Mineiro, Minas Gerais.

Descrição e característica da planta

No Brasil, existem várias palmeiras com a denominação butiá. Dessas, aqui serão abordadas duas que se desenvolvem naturalmente em regiões e condições bastante distintas.

1) Butiá-da-serra

As plantas são perenes, atingem 4 a 5 metros de altura e o seu tronco (estipe), 40 centímetros de diâmetro. As folhas são verde-acinzentadas, em número de 20 a 22 por planta, com cerca de 2 metros de comprimento e possuem 77 a 92 pinas (folíolos) de cada lado da nervura principal da folha (raque). Cada pina mede, na região intermediária da folha, aproximadamente 62 centímetros de comprimento por 2,5 centímetros de largura. As inflorescências (cachos) são ramificadas, formadas entre as folhas e medem 40 a 90 centímetros de comprimento. Os frutos globosos medem 1,8 centímetros de diâmetro e a polpa (mesocarpo) de frutos maduros é carnosa, sem fibra e adocicada. No seu interior contém 1 a 3 sementes. A propagação é feita por sementes de moderada capacidade de germinação e demora 2 a 3 meses para sua emergência.

2) Palmeira-jataí

Planta perene, nativa do cerrado das regiões do Sul de Goiás e do Triângulo Mineiro, Minas Gerais. Ela atinge 1 a 4 metros de altura e o seu tronco (estipe), 15 a 16 centímetros de diâmetro. As 10 a 25 folhas por planta são verde-acinzentadas com 80 a 120 centímetros de comprimento e contém 52 a 58 pinas (folíolos) em cada lado da nervura-central (raque) da folha. As pinas intermediárias na folha medem de 45 a 60 centímetros de comprimento por 1,60 a 1,80 centímetros de largura. As inflorescências ramificadas são formadas entre as folhas. Os frutos ovalados geralmente são arroxeados ou amarelados, aromáticos e medem 2,5 a 3 centímetros de comprimento. A polpa (mesocarpo) de frutos maduros é carnosa, quase sem fibra e com sabor doce-acidulado. No seu interior contém 1 a 2 sementes. A propagação é feita por sementes que têm baixa capacidade de germinação e demora 5 meses para sua emergência.

Produção e produtividade

O butiá-da-serra frutifica abundantemente no verão, enquanto que a palmeira-jataí, na primavera.

Utilidade

1) Butiá-da-serra

Os frutos são comestíveis e muito apreciados ao natural e usados no preparo de sucos, geléias e como tempero de aguardente. A planta é indicada nos trabalhos de paisagismo em parques, jardins e praças urbanas.

2) Palmeira-jataí

A frutificação é moderada na primavera. Os frutos são comestíveis ao natural, embora pouco apreciados, e usados na preparação de sucos e geléias. As folhas são usadas na confecção de vassouras e as plantas, por apresentar uma bela arquitetura, são indicadas nos trabalhos de paisagismo.

Cada 100 gramas da parte comestível de Butiá possui:

Calorias 105,00 kal
Proteínas 1,90 g
Lipídios 2,00 g
Glicídios 22,80 g
Carboidratos 22,80 g
Fibra 7,40 g
Cálcio 20 mg
Fósforo 36 mg
Ferro 2,20 mg
Vitamina A ( Retinol ) 30 mcg
Vitamina B1 (Tiamina ) 0,04 mg
Vitamina B2 ( Riboflavina ) 0,04 mg
Vitamina B3 (Niacina ) 0,50 mg
Vitamina C ( Ácido Ascórbico ) 33,00 mg

Tabela do IBGE 2011

Fonte: globoruraltv.globo.com

Butiá

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Liliopsida

Ordem: Arecales

Género: Butia

Nome Popular: Butiá

Nome Científico: Butia eriospatha (Mart. Ex Drude) Becc.

Família Botânica: Arecaceae

Sinônimo: Cocos eriospatha Mart. Ex Drude, Syagrus eriopatha (Mart. Ex Drude) Glassm.

Características Gerais

Palmeira nativa da América do Sul, também conhecida por MACUMÁ e que ocorre nas matas e campos das regiões altas do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.O nome de butiá-felpudo é devido à espessa lanugem acastanhada na parte externa da espata.

Sua altura varia de 4 a 6 m e seu diâmetro (DAP) de 20 a 40 cm, caracterizando-se pelo estipe revestido de bainhas e pecíolos velhos na região abaixo da coroa de folhas.Suas folhas pinadas, com coloração azul-esverdeada, podem chegar a 2 m de comprimento, com um pecíolo geralmente recoberto, na base, por delicados espinhos.

É uma planta monóica. A inflorescência interfoliar, de 1 m de comprimento, é densamente ramificada, possuindo uma espata de até 12 m de comprimento, acanoada e ereta.

A floração amarela ocorre de setembro a janeiro. Os frutos, pequenos, globosos e amarelos, amadurecem no verão e são consumidos ao natural ou sua polpa é usada na produção de licor e vinho.

Da semente, pode ser extraído um tipo de azeite comestível. Seu estipe, de boa durabilidade, é usado em construções rústicas e as fibras das folhas, para a fabricação de chapéus, cestos, cordas e enchimentos de colchões e estofados.

Espécies

O termo butiá é a designação comum às palmeiras do gênero Butia, com nove espécies conhecidas, nativas da América do Sul. Possuem em geral estipe médio, com cicatriz de pecíolos antigos, longas folhas penatífidas us. em obras trançadas, e pequenas drupas comestíveis, com semente oleaginosa.

O termo butiá pode remeter ainda, mais especificamente, à Butia capitata, uma palmeira de até 7 m, nativa do Paraguai, Brasil (de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul), Argentina e Uruguai, cujo estipe é utilizado no fabrico de papel. De seus frutos, alaranjados, se faz geléia, licor, cachaça e vinagre, e das sementes, comestíveis, se extrai óleo. Também é conhecida pelos nomes de butiá-açu, butiá-azedo, butiá-branco, butiá-da-praia, butiá-de-vinagre, butiá-do-campo, butiá-miúdo, butiá-roxo, butiazeiro, cabeçudo, coqueiro-azedo, guariroba-do-campo e palma-petiza. No estado do Rio Grande do Sul esta palmeira também é conhecida como jerivá.

Butiá
Butiá

Fonte: www.frutas.radar-rs.com.br

Butiá

O que é

Fruto comestível, com polpa suculenta, aromática e adocicada, muito apreciado pela fauna e pelo homem, o butiá ocorre, principalmente, no ambiente de cerrado, com ampla distribuição no Sudoeste de Goiás, mais especificamente no município de Jataí, que, pela abundância da área, recebeu a denominação popular de “palmeira-jataí”.

Esses dados constam de pesquisa desenvolvida no Instituto do Trópico Subúmido (ITS) da Universidade Católica de Goiás e faz parte de um projeto maior, denominado “Estudo da germinação e desenvolvimento da família palmae nativas do Cerrado”, coordenado pelo professor mestre Roberto Malheiros, que tem na sua equipe os pesquisadores geógrafos especialistas Teodorico de Lima Brito e Dircilene Rosa de Oliveira Gontijo.

Os resultados obtidos sobre a germinação de Butiá purpurancens foram alcançados após diversos experimentos desenvolvidos pelo pesquisador Teodorico de Lima Brito, que conseguiu um percentual de 25% após seis meses do plantio. Apesar do baixo percentual e do tempo gasto para germinação, o resultado foi festejado pelos pesquisadores, pois, até o momento, não se conhece nenhum trabalho sistematizado sobre a germinação dessa espécie.

O gênero Butiá abrange uma grande quantidade de espécies que compartilham certas características: caule simples, ereto e espesso, com cicatrizes dos restos dos pecíolos, resistente a geadas e fogo, folhas fortemente arqueadas e frutos comestíveis, com a polpa suculenta, aromática e adocicada, muito apreciado pela fauna do cerrado e pelo homem.

As espécies mais comuns na região dos cerrados são Butiá archeri (coquinho-do-campo), Butiá capitata (butiá azedo), Butiá paraguayensis, segundo o pesquisador Lorenzi. Outro pesquisador, Corrêa, descreve algumas das espécies citadas com o gênero “cocos”, Cocos erisospalha, Cocos capitata e Cocos adorata, e as mesmas características já apresentadas.

Fonte: www2.ucg.br

Butiá

Butiá
Butiá

Butiá
Butiá

NOME INDIGENA

Butiá vem do Tupi e significa “Fruto de fazer vinagre”

Origem

Restinga arbustiva do Paraná ao Rio Grande do Sul, Brasil.

Características

Palmeira com caule único de 3 a 6 m de altura. O tronco é marcado pelos anéis resultantes da queda das folhas. Cada folíolo tem margens em forma de dentes.

As inflorescências saem do meio das folhas.

Dicas para cultivo

É uma planta de crescimento moderado que adapta-se a vários tipos de solos de drenagem rápida, ricos em matéria orgânica e profundos. É resistente a geadas de até -5 grau. A planta só frutifica tanto na sombra (50%) como em pleno sol.

Mudas

As sementes conservam-se por longo tempo (8 anos) e germinam sem nenhum tratamento entre 120 dias a 2 anos. As mudas crescem lentamente, com 4 folhas definitivas após 2 anos, quando já podem ser plantadas. Frutifica em 6 a 8 anos após o plantio.

Plantando

Recomendo que seja plantada a pleno sol num espaçamento 6×6 m. Melhor época de plantio é dezembro a janeiro, convém irrigar com 20 de água após o plantio e a cada 15 dias se não chover. As covas devem se bem adubadas com composto orgânico bem curtido, acrescentando 1 lata de 18 l de areia de rio, + 1 kg de calcário e 1 kg de cinza de madeira, não é necessário adubação química.

Cultivando

A planta cresce lentamente e não necessita de cuidados especiais, é ideal para ornamentar jardins e praças. Adubar apenas com 30gramas de N-P-K 4-14-8 distribuídos apenas superficialmente, à partir do terceiro ano após o plantio, dobrar a quantidade por 4 anos, depois manter a quantia; acrescentando também 5 l de cama de frango bem curtida no inicio da primavera.

Usos

Os frutos são ideais para fazer suco e quando fermentado produz ótimo vinagre.

Fonte: frutasraras.sites.uol.com.br

Butiá

Butiá
Butiá

O que é

Conhecida também como, coquinho azedo, é uma fruta nativa do cerrado, e seu nome científico é Butia capitata.

Os frutos pequenos, globosos e amarelos, amadurecem no verão e são consumidos ao natural ou sua polpa, fortemente aromática, é usada na produção de licor e vinho.

É considerada uma fruta com teor de lipídico elevado, se comparado com frutas normalmente consumidas; Da semente, pode ser extraído um tipo de azeite comestível. Assim como a maioria das frutas normalmente consumidas, a polpa do coquinho-azedo (butiá) apresenta baixo teor protéico, porém seu teor de fibra detergente neutro, que determina celulose, hemicelulose e lignina, é elevado, e também pode ser considerada rica em vitaminas e alguns minerais, como o potássio.

A polpa do butiá apresenta teor de vitamina C bem elevado (53mg de ácido ascórbico em 100g de polpa). A vitamina C é uma das 13 principais vitaminas que fazem parte de um grupo de substâncias químicas complexas necessárias para o funcionamento adequado do organismo. É uma das vitaminas hidrossolúveis, o que significa que seu organismo usa o que necessita e elimina o excesso. Ela tornou-se popular em virtude do seu papel como antioxidante, com potencial de oferecer proteção contra algumas doenças e contra os aspectos degenerativos do envelhecimento. Mas, devemos considerar, o excesso de vitamina C pode causar efeitos colaterais, como náuseas e diarréia.

Além do ácido ascórbico, possui grandes quantidades de pró-vitamina A (Retinol RAE), se comparada a outras frutas convencionalmente consumidas e consideradas ricas em carotenóide pró-vitamina A, como a manga e a acerola. Um copo de suco contendo 100g de polpa de coquinho-azedo poderia suprir cerca de 40% das necessidades diárias de vitamina A (300-400 RAE dia) para crianças menores de 8 anos de idade e 100% das necessidades diárias de vitamina C (45mg dia) para homens e mulheres.

Possui ainda compostos fenólicos elevados, como a catequina (163-259 mg de catequina equivalente por 100g de polpa), que exerce vários benefícios para a saúde, como prevenção contra o câncer, redução do processo de envelhecimento, controle da pressão arterial, auxílio na perda de peso, e controle do colesterol.

Fonte: www.frutadahora.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+