Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Losna

Losna

PUBLICIDADE

 

Losna – Artemisia absinthium

Losna
Losna

Da família das Compostas, a Losna é uma planta herbácea, perene (cultivada muitas vezes como anual), que alcança de 1 m. a 1,20 m. de altura, sensível à luz e ao calor, delicada, de folhas finas recortadas, na cor verde-prateada de um lado, e esbranquiçadas do outro.

As partes usadas são as folhas e as flores, que possuem gosto amargo e ácido.

Moles e pesadas suas folhas murcham facilmente, devido ao excesso de água nelas existente.

Nas touceiras, enquanto bem tratadas, chamam a atenção dos visitantes, por parecerem com bonsai. No entanto, quando informados de que planta se trata, as pessoas torcem logo o nariz, geralmente devido a alguma lembrança desagradável por terem feito uso compulsório dela..

A losna se propaga por meio de sementes, por divisão de touceiras ou por estaquia. O solo ideal para o cultivo deve ser argiloso e arenoso, fértil e profundo.

Para o plantio em vasos ou jardineiras, é essencial garantir uma profundidade de 30 cm, mais ou menos. A planta é muito resistente a doenças e raramente é atacada por insetos.

Porém, é essencial a retirada de ervas daninhas que podem prejudicar o seu desenvolvimento. Recomenda-se cautela com a aplicação de adubos ou fertilizantes, pois o excesso pode prejudicar o aroma da losna. A adição de composto orgânico em doses controladas favorece o cultivo.

É tão antiga que foi citada em um papiro egípcio de 3 600 anos atrás. A espécie, nativa da Europa e da Ásia, é também conhecida por Artemísia ou Absinto. A erva era dedicada à deusa da fecundidade e da caça Ártemis, na Grécia Antiga (Diana, para os romanos), originando daí sua denominação científica.

Utilizada na fabricação da bebida conhecida por absinto, essa lendária planta é sempre objeto de recomendações dos especialistas quanto aos cuidados decorrentes do seu uso indiscriminado.

O Absinto é uma bebida destilada feita com essa planta, anis, funcho e outras ervas. As lendas dão conta de que teria sido inventado como remédio para todos os males pelo Dr. Pierre Ordinaire, um médico francês que vivia em Couvet, na Suíça, por volta de 1792. A bebida tornou-se especialmente popular na França, sobretudo pelo seu uso por artistas parsienses do final do século XIX e início do século XX, até ocorrer sua proibição em 1915. A medida surgiu em função dos registro de vários casos de intoxicações e até mortes provocadas pela ingestão de um licor obtido pela maceração da erva em álcool. Na maior parte das vezes, o licor de absinto era usado como alucinógeno e não com finalidades medicinais.

No entanto, acabou ganhando popularidade com a sua legalização em vários outros países. Há citações históricas de que artistas como Van Gogh, Rimbaud, Toulouse-Lautrec e outros, tomavam com certa freqüência essa bebida. Historiadores afirmam que o destilado de ervas cor verde-esmeralda, também chamado de “fada verde”, seria o responsável pelo comportamento bizarro de Van Gogh.

Tem realmente cor verde-pálido transparente ou, no caso de ter envelhecido, castanho claro, mas sem perda de qualidade. Possui um aroma amargo similar ao anis, porém mais sutil devido às diversas ervas usadas. Apresenta uma porcentagem de álcool muito elevada (45% a 85%).Verdadeiramente, existem, por parte de alguns poetas, relatos de alucinações relacionadas ao consumo de absinto. No entanto, isso nunca foi confirmado e, provavelmente, não passa de um exagero como acontece por exemplo com o vinho – afirmama os defensores do absinto.

Ainda sobre bebidas com teor alcoólico, há também uma de coloração vermelha muito popular no Brasil, que tem por base a Losna e a Groselha.

É o Campari, bem mais suave e gostoso, quando misturado com água tônica, gelo e limão. A erva é usada ainda no preparo do vermute e do licor de absinto.

Da losna faz-se também um chá, evidentemente de sabor quase intragável.

Tão amargo é que até o Rei Salomão teria declarado em um provérbio: “a infidelidade, ainda que possa ser excitante e doce no seu início, costuma ter um fim amargo como a losna”.

Popularmente, a losna também é conhecida como erva-do-fel, erva-de-santa-margarida, sintro e erva-dos-vermes. Possui propriedades medicinais estimulantes do apetite, vermífugas e estomacais. No uso externo, é usada para pulverizar canis, galinheiros e outros locais onde dormem pequenos animais, para combater pulgas, piolhos e carrapatos. Já no uso interno, é bom lembrar que, em doses elevadas, os chás e outros preparados a partir desta planta podem provocar tremores, convulsões, tonturas e até delírios. Vale lembrar que a presença de uma substância tóxica – a tuinona – pode produzir efeitos altamente perigosos.

De fato, pesquisadores da Universidade da Califórnia (EUA) identificaram, nas substâncias presentes dos destilados preparados com losna (ou absinto), propriedades capazes de causar convulsões, alucinações, surtos psicóticos, dependendo da dosagem. Além disso, os estudos demonstraram que o uso crônico pode provocar danos neurológicos permanentes.

A combinação entre a dosagem de álcool e as substâncias presentes nesta planta pode ser perigosa. Por isto, a maioria dos especialistas costuma recomendar o uso da losna ou absinto na forma de infusão (no máximo duas xícaras de chá ao dia) e evitar a extração do sumo por maceração.

As propriedades antiinflamatórias e digestivas dessa planta são encontradas no óleo essencial que deve ser usado com parcimônia. Em excesso, essa substância pode levar a paralisia e até à morte por sufocação.

Em pequenas doses, não há o que temer: a planta tem ação vermífuga, é estimulante do fígado e favorece o fluxo menstrual.

Encontrei uma receita de chá para gastrite: Ferva 1 xícara de chá de água e despeje sobre 1 colher de sobremesa de folhas picadas. Deixe amornar tampado. Tome metade meia hora antes do almoço e a outra dose 30 minutos antes do jantar.

Outros efeitos

A losna facilita a digestão devido a substâncias amargas presentes em um dos seus compostos, a absintina. Mas seu uso deve ser interrompido, caso apareçam coceiras e vermelhidão na pele. Mulheres grávidas e que estiverem amamentando devem evitá-la, pois ela torna o leite amargo e tem efeitos abortivos. Além disso, as doses diárias devem ser respeitadas e a planta não pode ser utilizada em tratamentos longos.

Curiosidades

A palavra “vermute” tem tudo a ver com a losna: significa “warmwurz”, ou seja, “raiz quente” e é o nome da losna em alemão. Já em grego, a palavra losna significa “privado de doçura”.

Sandra Fayad

A Losna é uma planta que pode viver até 10 anos, famosa desde a antiguidade por suas virtudes medicinais, aparece efetivamente num papiro egípcio que data de 1600 a.C.

Os Celtas e os Árabes aconselhavam o seu uso, os médicos da Antiguidade diziam ser uma panacéia, isto é, curava tudo.

A losna produz melhor em climas temperados, é muito sensível aos invernos rigorosos.

Não gosta de geadas e neves. Prefere os solos argilo-arenosos, férteis, profundos e permeáveis.

Propaga-se por semente, divisão de touceiras e estacas

A losna

A losna (Artemisia verlotorum Lamotte), pertencente à família das Compositae é provavelmente, originária da Europa ou da Ásia (Correa, 1984). É uma planta infestante tanto de solos cultivados quanto de jardins,pastagens e beiradas de estradas. É perene, herbácea e rizomatosa e sua importância como invasora vem aumentando no Sul e Sudeste do Brasil graças a sua eficiente capacidade reprodutiva. Talvez seja a planta detentora de maior vigor reprodutivo por meios vegetativos (Lorenzi, 1982).

Esta planta invasora é de difícil controle, pois além das sementes, possui um caule subterrâneo (rizoma) que garante a sua perpetuação. Após o corte da parte aérea,ocorre uma rápida rebrota dos rizomas que repovoam a região. Outro problemas aliado a isto, é que em regiões onde se utiliza agricultura mecanizada, ocorre disseminação desses rizomas que são movimentados pelos implementos agrícolas.

Além disso, a losna é tolerante à maioria dos herbicidas utilizados, principalmente nas culturas de milho e soja, e a utilização contínua de um mesmo produto nestas áreas causa alterações na flora nativa no sentido de uma seleção em favor das espécies resistentes. Com o objetivo de dar subsídios para o estabelecimento de métodos para o controle da losna,procurou-se avaliar neste trabalho, durante um período de 6 meses, algumas características do seu crescimento

Nome Popular: LOSNA
Nome Científico: Artemisia absinthium L.
Família: Asteraceae.
Sinonímia Popular: Absinto, artemísia, losma, gotas-amargas.

Parte Usada

Folhas e flores.

Propriedades Terapêuticas

Carminativa, diurética, colagoga, emenagoga, abortiva, antiparasitária, vermífugo, aperiente.

Princípios Ativos

Tujona, flavonóides, ácidos fenólicos (cafeico), taninos, ácidos graxos, esteróis, carotenóides, vitaminas B e C, compostos azulênicos, metilcamazuleno.

Indicações Terapêuticas

Queimaduras, otites, micoses de pele, ulcerações na pele (tópico), feridas, anemia.

Outros nomes populares: Losna-maior, erva-santa, erva-dos-vermes, erva-do-fel.

Nome em outros idiomas:

Absinthe (França)
Wermut (Alemanha)
Assenzio (Itália)
Common wormwood ou green ginger (USA)
Ajenjo (Espanha, Argentina)
Armoise, madderwort, malurt

Classificação Botânica

Reino: Magnoliopsida
Classe: Asterales
Família: Asteraceae (Compositae)
Gênero: Artemísia
Espécie: absinthium

Descrição botânica

É uma planta herbácea, medindo de 0,40 a um pouco mais de 1 metro de altura, perene; caule piloso (curtos e sedosos), folhas pecioladas, alternas trilobadas na base da planta, com segmentos lanceolados e obtusos; nas medianas são bilobadas e as próximas das flores são de margem inteiras; possuem cor esverdeada na parte superior e branco-prateada na parte inferior. As sumidades floridas estão em capítulos subglobosos, amarelos, agrupados em panículas. O epiderme é formado de células sinuosas, contém estomas nas duas faces; pelos tectores, glândulas sésseis ou curtissimamente pedunculadas; o mesofilo é heterogêneo.

Características gerais

Todas as partes da planta possuem sabor muito amargo e aroma muito forte. Crescem espontaneamente em locais pedregosos da Europa, Ásia e norte da África.

No Brasil é cultivada em hortas e jardins em locais agrestes; produz melhor em climas temperados. Tem preferência por solos argilo-arenosos, mas cresce em todos os solos desde que permeáveis. A propagação é feita por divisão de touceiras com raízes, estacas de galhos ou sementes.

Colheita

Colhe-se as folhas preferencialmente antes da floração nas primeiras horas do dia. Em cultivos comerciais, corta-se toda a planta após dois anos.

Princípios ativos

Seu principal componente é um óleo essencial que varia de cor verde-azulada e amarelo-castanho composto principalmente de tujona e alfa e beta-tujona, representando uma porcentagem superior a 40% dependendo do período de colheita.

Mas foram identificados aproximadamente 60 compostos, mono e sesquiterpenos, muitos deles oxidados; estão presentes o linalol, 1,8-cineol, beta-bisabolol, alfa-curcumeno e espatulenol, nerol elemol.

Possui lactonas sesquiterpênicas (do tipo guaianólidos) responsáveis pelo sabor amargo que são: a absintina(0,20-0,28%), artabsina, matricina e anabsintina.

Possui outros constituintes identificados que são: flavonóides, ácidos fenólicos (cafeico), taninos, ácidos graxos, esteróis, carotenóides e vitaminas B e C. A cor azulada indica a presença de compostos azulênicos, metilcamazuleno e outros.

O óleo essencial obtido das flores, principalmente no início da floração, contém mais tujona do que o óleo extraído das folhas.

Atividade biológica

A absintina tem propriedade amargo-estomáquica.

Tujona: possui ação anti-helmíntica contra Ascaris lumbricoides, efeito estimulante do coração e musculatura uterina. Possui também ação antagônica para envenenamentos por narcóticos.

Propriedades farmacológicas

As preparações administradas por via oral produzem um aumento das secreções biliares, gástricas, devido a presença das substâncias amargas. Tem ação estimulante do apetite e favorece a digestão. O óleo essencial possui propriedades carminativas, espasmolítica, antibacteriana e fúngica. Segundo a Comissão E e ESCOP está indicada principalmente para a perda de apetite, dispepsia e distúrbios biliares, espasmos gastrointestinais e flatulência.

Toxicologia da planta

O óleo essencial da Artemísia (losna) puro não é recomendado para uso interno. Por conter tujona na sua composição é altamente tóxico.

A intoxicação manifesta-se através de espasmos gastrointestinais, vômitos, retenção de urina por complicações renais severas, vertigem, tremores e convulsões. O uso prolongado do absinto (bebida alcoólica feita com a losna (A. absinthium) produz um efeito conhecido como abisintismo que se caracteriza por transtornos nervosos, gástricos e hepáticos podendo provocar perturbações da consciência e degeneração do S.N.C.

Conta-indicações

Não deve ser usada por gestantes e crianças menores. Um trabalho publicado em 2002 na Itália confirmou os efeitos neurotóxicos da tujona, presente no absinto.

A planta não dever ser usada continuamente e sem prescrição médica.

Formas de utilização e dosagem

Utilizar na forma de infusões; tinturas e extratos fluidos. Decocção para uso externo em feridas, úlceras de pele e compressas.

Outros usos: É muito utilizada na preparação de aperitivos amargos.

Outro nome popular: Vermute

Origem: Ásia e Europa.

Descrição do uso medicinal – Dosagem

É a grande protetora do aparelho digestivo. A infusão de flores e folhas, essencialmente amarga, usada em pequenas doses, estimula as secreções gástricas, biliares e pancreáticas, aumentando o apetite e estimulando a digestão. Rica em ferro, atenua anemias. O chá forte é usado como vermífugo.

Curiosidades

Na Grécia Antiga esta planta era dedicada a Ártemis, deusa da fecundidade e da caça. Daí a origem de seu nome científico.

Outros usos

As propriedades aperitivas (estimulante do apetite), vermífugas e estomacais explicam o uso da planta no preparo do vermute e do licor de absinto, entretanto, vale lembrar que a presença de uma substância tóxica, a tuinona (tujona), pode produzir efeitos altamente perigosos.

Altas doses do chá e outros preparados a partir desta planta podem provocar tremores, convulsões, tonturas e até delírios.

Não é recomendada para pessoas com problemas com úlceras e gastrite por estímular a salivação e a produção do suco gástrico.

Cultivo da Losna

Losna
Losna

A losna se propaga por meio de sementes, por divisão de touceiras ou por estaquia. O solo ideal para o cultivo deve ser argilo-arenoso, fértil e profundo. Para o plantio em vasos ou jardineiras, é essencial garantir uma profundidade de 30 cm, mais ou menos.

A planta é muito resistente a doenças, raramente é atacada por insetos, porém, é essencial a retirada de ervas daninhas que podem prejudicar o seu desenvolvimento. Recomenda-se cautela com a aplicação de adubos ou fertilizantes (naturais ou químicos), pois o excesso pode prejudicar o aroma da losna. A adição de composto orgânico em doses controladas favorece o cultivo.

Se a finalidade da colheita for as folhas, deve-se retirá-las aos primeiros sinais da formação dos futuros órgãos de reprodução, para evitar a perda dos princípios ativos.

Caso a finalidade seja obter as flores, a colheita deve ser realizada assim que estas começam a se formar, pois a planta permanece florida por cerca de sete dias e, após esse período, as flores se tornam muito sensíveis, desmanchando-se e caindo com facilidade.

Para melhor conservação, a losna pode ser armazenada seca: coloque as folhas e flores estendidas em local ventilado, longe da exposição aos raios solares e depois guarde em caixas de madeira, de preferência.

Usos e cuidados

Os componentes responsáveis pelo uso medicinal da losna ou absinto são: um óleo essencial (vermífugo e emenagogo), absintina (responsável pelo sabor amargo), resinas, tanino, ácidos e nitratos. Como planta digestiva e aperitiva, sua ação se dá pelo estímulo à salivação e à produção de sucos gástricos e, por essa mesma razão, não é recomendada para pessoas que apresentam problemas como úlceras e gastrite.

Usada corretamente e sem excessos, a infusão da losna pode aumentar a secreção biliar, favorecendo o funcionamento do fígado e, ingerida meia hora antes da refeição, pode agir como estimulante do apetite e auxiliar da digestão.

Quanto aos cuidados, não é recomendável o uso por mulheres grávidas e crianças. Além disso, a maceração da planta com álcool, segundo alguns estudos já realizados, apresenta graves perigos, podendo provocar dependência, alucinações e convulsões.

Losna
Losna

Nomes Populares: Losna, absinto, erva dos vermes, artemísia, erva dos velhos, sintro, alvina, erva santa.

Nome Científico: Artemísia absinthium – Família Compostas

Origem

Seu nome latino significa “sem prazer”.

Descrição

Cresce até um metro de altura, mais ou menos. Dá em moitas. Folhas pinatífidas, de cor glauco-esbranquiçada, algo prateada. Sabor amargo. Flores amarelas.

Partes usadas

Folhas e pontas floridas.

Lendas e Mitos

Na Bíblia é apresentada como um símbolo de prova.

Características e Cultivo

Erva perene, cresce de 60 cm a 1 metro. Folhas bem recortadas, de cor verde acinzentadas e esbranquiçadas na parte inferior. Flores amarelas em cachos.

Clima temperado, solos areno-argilosos, bem drenados e rico em matéria orgânica. Semear ou dividir touceiras ou fazer estaquia de galhos para reproduzir.

Propriedades Medicinais

Emprega-se para: catarros, cólicas, diarreia, envenenamentos, escrófulas, estômago (pertubações gástricas diversas), gripe, hidropisia, histerismo, mau hálito, menstruação difícil e dolorosa.

O chá é muito benéfico, limpa e regulariza o funcionamento de diversos órgãos: estômago, fígado, rins, bexiga e pulmões.

Fortificante e estimulante de apetite; bom para anemias. O chá bem concentrado é bom para aliviar vermes. Os sucos ou extratos não devem ser usados, pois são tóxicos.

Infuso: 20 gs de folhas em 1 litro de água por 10 minutos. Tomar 1 colher de sopa de hora em hora.

Utilização

Uso caseiro

Cerveja de absíntio – 01 parte de folhas de losna para 30 partes de cerveja, deixando macerar por 24 horas.(bom para lombrigas e oxiúros).

USO MEDICINAL

A Losna é empregada para eliminar vermes, cólicas, diarreias, envenenamentos, intoxicação, catarro pulmonar, inapetência em crianças, afecções gástricas, hepáticas e renais, gripe e mau hálito.

Foi muito usada na antiguidade para combater os envenenamentos por outras plantas e também nas intoxicações.

Usada desde a antiguidade para tratar problemas do sistema digestivo, a losna é um poderoso tônico amargo para aumentar o volume de bílis e do suco pancreático, desta forma a infusão desta erva é um ótimo aliado para casos de indigestão e gases além de ser vermífugo.

ATENÇÃO: ACIMA DE TRÊS XÍCARAS PODE SE TORNAR TÓXICA!

USO ENERGÉTICO

A Losna é muito energética. Além de debelar as toxidades do corpo, também elimina as da alma e da aura. Faz uma limpeza energética profunda e proporciona ao passivo soluções criativas e metas.

A Losna tem um uso energético desde a antiguidade. Ela era usada para fazer limpezas profundas em ambientes, preparando-o para trabalhos espirituais.

Também é muito usada para talismãs de amor, e é a erva indicada para trabalhos espirituais que envolvam desobcessão. Para esses fins, deve ser usada seca e triturada com as mãos em defumador.

OUTROS USOS

A Losna ajuda em tratamentos para a obesidade, pois ativa fígado, aparelho digestivo e intestinal.
É muito boa para deprimidos e no tratamento de alcoolismo e drogas, pois desintoxica.

Losna
Losna

É das verdes e sedosas folhas da losna que se extrai o óleo volátil que serve de base ao licor de absinto (bebida proibida no Brasil e em outros países por causa de suas características tóxicas). Mas esse licor, que alegrou a vida de Toulouse-Lautrec e outros pintores da Belle Époque, é conseguido através de um complicado processo químico.

Mas fácil e saudável é esquecer a complicação e usar a amarga e eficaz losna na forma de simples chá e inofensiva tintura. Usada assim, ela acalma os nervos, protege o estômago e faz o fígado, funcionar melhor.

Cientificamente, ela é chamada de Artemisia absinthium, mas esse sonoro e complicado nome não atrapalha a popularidade da losna.

Conhecida e apreciada por suas qualidades terapêuticas, a erva é tida como a grande protetora do aparelho digestivo. Usada em tintura ou chá, ela corrige a falta de apetite, protege os nervos, mantém o fígado funcionando bem e livra o estômago do excesso de gases causado pela digestão difícil.

Para preparar a tintura, pegue 40 g de folhas e flores de losna, 40 ml de aguardente e 11 ml de vinho branco seco. Macere as folhas e as flores na aguardente e deixe em repouso por 5 dias.

Depois junte o vinho e deixe em repouso por mais 5 dias, filtre o líquido em papel especial e guarde numa garrafa bem arrolhada. Para a falta de apetite, tome um cálice antes das principais refeições. Para a má digestão, a tintura deve ser tomada após as refeições. Apesar do sabor amargo, muita gente tem o hábito de mastigar folhas verdes de losna. De fato, o sumo das folhas tem um efeito tônico sobre todo o organismo, revigorando o aparelho digestivo.

O chá feito com galhos floridos de losna também tonifica o estômago, normaliza o funcionamento do intestino e é um bom remédio para verminose, se tomado em jejum. Ingerido à noite, funciona muito bem como calmante.

Sinonímia Popular: Alvina / Absinto / Erva dos Vermes

Princípios Ativos

Azeite essencial (0,02-0,3%): cineol, alcanfor, linalol e tuiona são os componentes majoritários; além disso, contém borneol, alfa-cadinol, espatulenol, monoterpenos e lactonas sesquiterpénicas.
Flavonóides
: rutósido, isorramnetósido, quercetósido.
Cumarinas:
esculetina, esculina, escopoletina, umbeliferona.
Poliacetilenos, triterpenos pentacíclicos.
Fitosteroes:
sitosterol, estigmasterol. Carotenóides.

Ação Farmacológica

Estimula o apetite, eupéptica, ativa a secreção e a produção de bílis (colerética), antimicrobiana, anti-helmíntica, antifúngica, estrogênica e adstringente (fecha os poros).

Combate vermes intestinais, como a lombriga e o oxiúro, estimula o apetite e combate anemias, ajuda a regularizar o funcionamento do estômago, rins, bexiga e fígado.

Indicações Farmacológicas

Está indicada nos casos de inapetência, dispepsias hiposecretoras, flatulência, discinesias hepatobiliares, amenorréia, dismenorréia, oxiuríasis.

Partes Utilizadas

Flores e folhas

Uso Popular

Tintura das flores e folhas:

Tônico
Estimulante do apetite, distúrbios biliares e hepáticos, flatulência, prisão de ventre, má digestão, dispepsias hiposecretoras
Vermífugo (tênia)
Calmante
Reumatismo, gota
Febre
Amenorréia, dismenorréia, faz descer a menstruação
Antimicrobiana, anti-helmíntica, antifúngica

Infusão das flores: Vermífugo (oxiuríasis)

Chá das folhas 5 g/l (3 x ao dia): Digestivo, aperitivo e vermífugo

Contra indicações

Não deve ser usada na gestante, durante a amamentação, em crianças pequenas e em epiléticos devido ao teor em tuiona.

Efeitos colaterais

A planta fresca pode produzir dermatite

Fonte: www.vaniadiniz.pro.br/biovida.site50.net/www.floresecesta.com.br/www.cotianet.com.br/www.aleph.com.br/www.alumiar.com/www.medicinacomplementar.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Painço

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Tiramina

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database. You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation