Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Jurubeba

Jurubeba

PUBLICIDADE

Nome científico: Solanum fastigiatum Willd.

Família: Solanaceae

Nomes populares: Jurubeba, Jurubeba-do-sul, Jurubeba-velame, Velame.

Jurubeba
Jurubeba

Origem

Planta nativa na Região Sul do Brasil, ocorrendo também nos países da Bacia do Prata. Comum no Rio Grande do Sul, especialmente na Depressão Central; presente também em outros estados sulinos.

A origem do nome vem do adjetivo latino “fastigiatum”, “que termina em ponta”, motivado pelos ramos fasciculados da inflorescência, que apresentam frutos em suas pontas.

Características

Solanum fastigiatum é uma planta perene, reproduzida por semente.

O florescimento ocorre desde o fim do inverno até o outono seguinte, num período determinado, variável de região a região. Os frutos se desenvolvem lentamente.

A planta ocorre em clareiras e margens de matas, em margens de banhados e outros locais não inundados, sendo heliófita. Aceita diferentes tipos de solo, com preferência por locais com boa umidade.

Ocorrem duas variedades: var. fastigiatum que tem caule com poucos espinhos; var. acicularium Dun, com caule intensamente armado com espinhos quase justapostos em toda extensão.

É uma planta arbustiva, ereta, com até 1,5m de altura. Caule cilíndrico, verde nas plantas novas e verde-acinzentado nas plantas mais velhas.

Folhas simples, isoladas, pecioladas, bastante variáveis no formato e configuração, assemelhando-se às folhas de Solanum variabile.

Inflorescência por cimeiras terminais, corimbosas. Flores de coloração branca ou levemente azulada. Fruto é um Solanídio globoso, com cerca de l,Ocm de diâmetro, de coloração alaranjada.

Uso farmaceutico

Essa planta é bastante parecida com diversas outras, que também são conhecidas pelo nome vulgar de jurubeba e é usada na farmacopéia popular, com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum. Como existem preparações comerciais a base de jurubeba, é comum que as firmas que as apresentam recebam material de plantas parecidas, inclusive de Solanum fastigiatum.

Efeitos colaterais

A ingestão de partes da planta tem causado patologias em bovinos.

A ocorrência maior tem sido em épocas de carência de forragem e os animais precisam ingerir a planta por um período prolongado. Estudos feitos na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas (1985 e 1987) indicam que a sintomatologia é relacionada com disfunção cerebelar, com crises periódicas do tipo de epilepsia, que duram de alguns segundos a um minuto e são desencadeadas geralmente quando os animais são movimentados ou excitados.

Há perda de equilíbrio e quedas, ficando os animais em decúbito dorsal ou lateral, com tremores musculares. Após as crises, os animais aparentam normalidade, mas alguns estendem o pescoço numa atitude de “olhar estrelas” e buscam maior apoio com extensão dos membros anteriores.

Em geral não ocorre mortalidade diretamente relacionada com o problema, mas com as quedas podem haver fraturas. A patologia se torna crônica e a regressão clínica é rara.

Fonte: br.geocities.com

Jurubeba

Nome científico: Solanum paniculatum L.

Família: Solanaceae

Sinonímia popular: Jurubeba-verdadeira, jupeba, juribeba, jurupeba, gerobeba, joá-manso.

Outros Nomes: jurubebinha, juvena, jubeba, jupeba, juribeba.

Parte usada

Raizes, folhas e frutos.

Propriedades terapêuticas

Tônica, desobstruente, digestiva, descongestionante, febrifuga, diurética, cicatrizante, antidiabética, aperiente, laxante.

Princípios ativos

Esteróides, saponinas e resinas, vitaminas, glicosídeos e alcalóides.

Indicações terapêuticas

Febre, hidropsia, doenças do fígado, diabetes, tumores do útero e abdomen, anemias, inflamações do baço, problemas de bexiga, ressaca.

Espécies aqui comentadas

Solanum paniculatum
Solanum fastigiatum
Solanum asperolanatum
Solanum variabile

Descrição

Jurubeba é uma pequena árvore da família das Solanaceae, cresce a 3 metros em altura, podendo chegar a 5 metros, comum no norte de Brasil e outras partes tropicais de América do Sul.

Existem dois tipos de jurubeba: macho e fêmea.

Os usos indígenas de jurubeba são muito mal documentados, mas seu uso em medicamentos brasileiros foi bem descrito.

Jurubeba é listado como uma droga oficial na Pharmacopea Brasileira como um produto específico para anemia e para desordens de fígado e digestivas. Em 1965, Dr. G. L. Cruz escreveu que “as raízes, folhas e frutas são usadas como um tônico e descongestionante. Estimula as funções digestivas e reduz a inchação do fígado e baço. É um remédio para hepatites crônicas, febre de intermites, tumores uterinos e hidropisia”

Solanum é o gênero mais representativo da família Solanaceae e consiste de cerca de 1.500 espécies perenes, arbustos, árvores e trepadoras, sendo um dos mais numerosos do mundo. Apresenta muitas plantas úteis usadas na alimentação e também muitas plantas infestantes ou daninhas.

A maioria das plantas do gênero Solanum contém alcalóides tóxicos. Em algumas espécies de Solanum, certas partes são comestíveis enquanto outras partes da mesma planta são muito venenosas, O melhor exemplo conhecido é a batata (Solanum tuberosum) que tem folhagem e frutos venenosos e tubérculos comestíveis, embora estes fiquem venenosos quando se tornam verdes pela exposição prolongada à luz.

Muitas espécies de Solanum são conhecidas como “jurubeba“, tal como a Solanum paniculatum, uma planta nativa nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.

A origem do nome vem do adjetivo latino “paniculatum”, paniculado, pelo tipo de inflorescência.

Os principais nomes populares são: jurubeba, jurubeba-verdadeira, jupeba, juribeba, jurupeba, gerobeba e joá-manso. O nome vulgar deriva do tupi “yú”, espinho, e “peba”, chato.

Princípios ativos

Os componentes ativos da jurubeba foram documentados na década de 60 quando pesquisadores alemães descobriram novos esteróides, saponinas, glicosídeos e alcalóides nas raízes, caule e folhas. Os alcalóides foram encontrados em maior abundância nas raízes, enquanto que nas folhas encontram-se as maiores concentrações de glicosídeos.

Esses compostos também têm algum efeito tóxico, de modo que não se recomenda a ingestão freqüente de preparações de jurubeba. As propriedades farmacológicas documentadas desde a década de 40 incluem o uso para estômago, febres, diurético e tônico. Estudos em animais indicaram que extratos da planta em água ou álcool foram eficazes em reduzir a pressão sanguínea enquanto aumentando a respiração em gatos, evidenciando uma ação estimulante no coração.

Solanum fastigiatum

>Jurubeba
Jurubeba

A Solanum fastigiatum, conhecida como jurubeba do sul, é uma planta nativa na região Sul do Brasil, ocorrendo também nos países da Bacia do Prata.

Comum no Rio Grande do Sul, especialmente na Depressão Central; presente também em outros estados sulinos. A origem do nome vem do adjetivo latino “fastigiatum”, “que termina em ponta”, motivado pelos ramos fasciculados da inflorescência, que apresentam frutos em suas pontas.

Os nomes populares são: jurubeba, jurubeba-do-sul, jurubeba-velame, velame.

Essa planta é bastante parecida com diversas outras, que também são conhecidas pelo nome vulgar de jurubeba e é usada na farmacopéia popular com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum.

Como existem preparações comerciais à base de jurubeba, é comum que as firmas que as apresentam recebam material de plantas parecidas, inclusive de Solanum fastigiatum.

Cuidado

A ingestão de partes da planta tem causado patologias em bovinos. A ocorrência maior tem sido em épocas de carência de forragem e os animais precisam ingerir a planta por um período prolongado. Estudos feitos na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas (1985 e 1987) indicam que a sintomatologia é relacionada com disfunção cerebelar, com crises periódicas do tipo de epilepsia, que duram de alguns segundos a um minuto e são desencadeadas geralmente quando os animais são movimentados ou excitados.

Há perda de equilíbrio e quedas, ficando os animais em decúbito dorsal ou lateral, com tremores musculares. Após as crises, os animais aparentam normalidade, mas alguns estendem o pescoço numa atitude de “olhar estrelas” e buscam maior apoio com extensão dos membros anteriores. Em geral não ocorre mortalidade diretamente relacionada com o problema, mas com as quedas podem haver fraturas. A patologia se torna crônica e a regressão clínica é rara.

Solanum asperolanatum

A Solanum asperolanatum, conhecida como jupeba, é uma planta arbórea perene, com até 3 a 4m de altura, reproduzida por semente, nativa na América Tropical, com ocorrência esparsa no Brasil, geralmente confundida com outras espécies. A origem do nome vem do latim “asperu”, áspero, e “lana”, lã.

Recebe os seguintes nomes populares: jurubeba, jupeba.

A planta é parecida com outras espécies de “jurubebas“, pelo aspecto geral e pelos frutos. Distingue-se de Solanum paniculatum pelo posicionamento das inflorescências e pelas flores brancas. Plantas novas podem ser confundidas com Solanum variabile, pois em ambas as espécies ocorrem pêlos ferrugíneos.

É usada na farmacopéia popular com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum, e também nas preparações comerciais a base de jurubeba que são preparadas indistintamente com várias espécies de Solanum.

Solanum variabile

A solanum variabile, conhecida como jurubeba falsa, é uma planta nativa na região Meridional do Brasil e regiões limítrofes dos outros países. No Brasil é relatada a ocorrência de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, com maior intensidade na região Sul, sendo muito freqüente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina com grande ocorrência nas beiras de estradas. A origem do nome vem do adjetivo latino “variabile”, variável, pela grande variabilidade na planta em geral, particularmente no formato das folhas e no tipo de pêlos.

Os principais nomes vulgares são: Velame, jurubeba-velame, velame-de-capoeira, jurubeba-falsa, juveva, jupicanga.

Fonte: ci-67.ciagri.usp.br

Jurubeba

Jurubeba é uma pequena árvore da família das Solanceae que cresce a 3 metros em altura, podendo chegar a 5 metros, comum no norte de Brasil e outras partes tropicais de América do Sul.

Existem dois tipos de Jurubeba: macho e fêmea.

Jurubeba
Jurubeba

Os usos indígenas de Jurubeba são muito mal documentados, mas seu uso em medicamentos brasileiros foi descrito bastante bem. Jurubeba é listado como uma droga oficial na Pharmacopea brasileira como um produto específico para anemia e para desordens de fígado e digestivas. Em 1965, Dr. G.L. Cruz escreveu que ” as raízes, folhas e frutas são usadas como um tônico e descongestionante. Estimula as funções digestivas e reduz a inchação do fígado e baço. É um remédio para hepatites crônicas, febre de intermites, tumores uterinos, e hidropisia ”

Solanum é o gênero mais representativo da família Solanaceae e consiste de cerca de 1.500 espécies perenes, arbustos, árvores, e trepadoras, sendo um dos mais numerosos do mundo. Apresenta muitas plantas úteis usadas na alimentação e também muitas plantas infestantes ou daninhas. A maioria das plantas do gênero Solanum contém alcalóides tóxicos. Em algumas espécies de Solanum, certas partes são comestíveis enquanto outras partes da mesma planta são muito venenosas, O melhor exemplo conhecido é a batata (Solanum tuberosum) que tem folhagem e frutos venenosos e tem tubérculos comestíveis (embora estes fiquem venenosos quando se tornam verdes pela exposição prolongada à luz).

Muitas espécies de Solanum são conhecidas como “jurubeba“, tal como a Solanum paniculatum.

Solanum paniculatum é uma planta nativa nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil, A origem do nome vem do adjetivo latino “paniculatum”, paniculado, pelo tipo de inflorescência.

Os principais nomes populares são: Jurubeba, Jurubeba-verdadeira, Jupeba, Juribeba, Jurupeba, Gerobeba e Joá-manso. O nome vulgar deriva do tupi “yú”, espinho, e “peba”, chato.

Os componentes ativos da jurubeba foram documentados na década de 60 quando pesquisadores alemães descobriram novos esteróides, saponinas, glicosídeos e alcalóides nas raízes, caule e folhas. Os alcalóides foram encontrados em maior abundância nas raízes, enquanto que nas folhas encontram-se as maiores concentrações de glicosídeos.

Esses compostos também tem algum efeito tóxico, de modo que não se recomenda a ingestão freqüente de preparações de jurubeba.

As propriedades farmacológicas documentadas desde a década de 40 incluem o uso para estômago, febres, diurético e tônico. Estudos em animais indicaram que extratos da planta em água ou álcool foram eficazes em reduzir a pressão sanguínea enquanto aumentando a respiração em gatos, evidenciando uma ação estimulante no coração.

A solanum fastigiatum conhecida como jurubeba do sul é uma planta nativa na Região Sul do Brasil, ocorrendo também nos países da Bacia do Prata. Comum no Rio Grande do Sul, especialmente na Depressão Central; presente também em outros estados sulinos. A origem do nome vem do adjetivo latino “fastigiatum”, “que termina em ponta”, motivado pelos ramos fasciculados da inflorescência, que apresentam frutos em suas pontas.

Os nomes populares são: Jurubeba, Jurubeba-do-sul, Jurubeba-velame, Velame.

Essa planta é bastante parecida com diversas outras, que também são conhecidas pelo nome vulgar de jurubeba e é usada na farmacopéia popular, com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum.

Como existem preparações comerciais a base de jurubeba, é comum que as firmas que as apresentam recebam material de plantas parecidas, inclusive de Solanum fastigiatum. A ingestão de partes da planta tem causado patologias em bovinos. A ocorrência maior tem sido em épocas de carência de forragem e os animais precisam ingerir a planta por um período prolongado.

Estudos feitos na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas (1985 e 1987) indicam que a sintomatologia é relacionada com disfunção cerebelar, com crises periódicas do tipo de epilepsia, que duram de alguns segundos a um minuto e são desencadeadas geralmente quando os animais são movimentados ou excitados. Há perda de equilíbrio e quedas, ficando os animais em decúbito dorsal ou lateral, com tremores musculares. Após as crises, os animais aparentam normalidade, mas alguns estendem o pescoço numa atitude de “olhar estrelas” e buscam maior apoio com extensão dos membros anteriores.

Em geral não ocorre mortalidade diretamente relacionada com o problema, mas com as quedas podem haver fraturas. A patologia se torna crônica e a regressão clínica é rara.

A solanum asperolanatum conhecida como jupeba é uma planta arbórea perene, com até 3 a 4m de altura, reproduzida por semente, nativa na América Tropical, com ocorrência esparsa no Brasil, geralmente confundida com outras espécies. A origem do nome vem do latim “asperu”, áspero, e “lana”, lã.

Recebe os seguintes nomes populares: Jurubeba, Jupeba.

A planta é parecida com outras espécies de “Jurubebas”, pelo aspecto geral e pelos frutos.

Distingue-se de Solanum paniculatum pelo posicionamento das inflorescências e pelas flores brancas. Plantas novas podem ser confundidas com Solanum variabile, pois em ambas as espécies ocorrem pêlos ferrugíneos. É usada na farmacopéia popular, com as mesmas indicações da verdadeira jurubeba, Solanum paniculatum, e também nas preparações comerciais a base de jurubeba que são preparadas indistintamente com várias espécies de Solanum.

A solanum variabile, conhecida como jurubeba falsa é uma planta nativa na Região Meridional do Brasil e regiões limítrofes dos outros países. No Brasil é relatada a ocorrência de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, com maior intensidade na Região Sul, sendo muito freqüente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina com grande ocorrência nas beiras de estradas. A origem do nome vem do adjetivo latino “variabile”, variável, pela grande variabilidade na planta em geral, particularmente no formato das folhas e no tipo de pêlos.

Os principais nomes vulgares são: Velame, Jurubeba-velame, Velame-de-capoeira, Jurubeba-falsa, Juveva, Jupicanga.

Fonte: www.inova.unicamp.br

Jurubeba

Jurubeba
Jurubeba

Nome Popular: Jurubeba, Juripeba, Jupeba, Juuna, Jurumbeba

Principais Substâncias: Alcalóides (solamina, solanidina, solasodina), saponinas, esteroides nitrogenados (paniculina, jurubina), agliconas (isojurubibina, isopaniculidina, isojurupidina e jurubidina), ácidos graxos, ácidos orgânicos, glicosídeos (paniculoninas A e B), mucilagens, resinas (juribina e jurubepina), princípios amargos.

Nome Cientifico: Solanum paniculatum

Caracteristicas

Apresentam muitas vezes espinhos nos caules e nas folhas. As flores podem ser roxa ou albas os frutos são pequenas esferas verdes.

Utilidades

Indicada para os casos de problemas no figado, e como diurética. As folhas são empregadas como cicatrizante para pele. Tônico para músculos, nervos, cérebro, aparelho digestivo. Abcesso, doenças do baço, colecistite, cólica hepática, tumores.

Forma de Uso

Flores, Folhas e frutos. Raizes em alguns casos.

Fonte: www.useplanta.com.br

Jurubeba

Nome Científico: Solanum paniculatum

Nome Popular: Jurubebinha, jurubeba branca, jurubeba verdadeira, jubeba, jupeba, jurupeba, juvena, juuna.

Família: Solanaceae

Jurubeba

Jurubeba é uma pequena árvore de porte arbustivo, atingindo até 3 metros de altura.

Encontra-se distribuída nas regiões de clima tropical do continente americano.

Possui folhas verdes de tonalidade mais escura na face superior que é coberta por pêlos.

Seus frutos são pequenos, cor amarela, agrupados em cachos. Suas flores são lilás ou brancas.

Considerada uma planta invasora, devido à sua facilidade de colonização dos mais variados tipos de ambientes.

Aspectos Agronômicos

A reprodução se dá por sementes ou pelos brotos que nascem nas raízes laterais, que se propagam horizontalmente sob o solo, e que vão a vários metros da planta mãe.

Prefere solos arenosos, e por ser uma planta muito resistente, não necessita de muitos cuidados para o seu cultivo.

Medra principalmente em pastagens, lavouras perenes, beiras de estrada, pomares e terrenos baldios.

As folhas podem ser colhidas durante todo o ano, mas de preferência, na florada que ocorre no verão.

As raízes são coletadas na época em que a planta floresce.

Parte Utilizada: Folhas, raízes e frutos.

Composição Química

Alcaloídes (1% do peso seco: solamina, solanidina, solasodina)
Esteroídes nitrogenados
Saponinas
Esteroidais nitrogenados (paniculina, jurubina)
Agliconas (isojurubibina, isopaniculidina, isojurupidina e jurubidina)
Ácidos graxos
Ácidos orgânicos
Glicosídeos (paniculoninas A e B)
Mucilagens
Resinas (juribina e jurubepina)
Princípios amargos

Origem

América tropical, medrando desde os limites das Guianas até São Paulo e Minas Gerais.

História

Nativa do Brasil e comum em vários estados do país a jurubeba é muito utilizada na medicina popular contra problemas digestivos.

Seu nome vem do tupi – guarani “jurubeba”, que quer dizer “papagaio achatado”.

Indicações

A Jurubeba é utilizada na medicina popular para tratar de problemas do fígado, má digestão, falta de apetite, flatulência, azia, problemas de digestão em geral.

O chá de Jurubeba é um popular remédio caseiro para curar a ressaca.

Combate diabetes mellitus, febres, gripes, afecções hepáticas, bronquites e outras doenças do aparelho respiratório. Seu uso externo combate hemorróidas.

Uso

Fitoterápico

Tem ação: tônica, antianêmica, digestivo, estimulante do apetite, hepático, colagoga, febrífuga, anti – malárica, desobstruente do fígado e do baço (para hepatoesplenomegalia e icterícia), diurética, cicatrizante e hipoglicemiante.

É Indicada:

Ispepsias inespecíficas
Azia
Naúseas
Anorexia
Síndrome pós – hepatite
Hepatopatias crônicas
Gastrite e úlcera péptica
Redutor da acidez da secreção gástrica e indutor da cicatrização da mucosa
Anemia ferropriva.

Farmacologia

A jurubeba possui resinas com atividades cardiotônicas e colagoga. Alguns componentes da fração das resinas (jurubina e jurubepina) são consideradas os princípios ativos responsáveis pela ação cardiotônica. Seus alcalóides, especialmente a solanina, apresentam, em doses baixas por via oral (> 1mg/kg), ação analgésica e anti – pruriginosa. Esta ação é mediada através do bloqueio dos impulsos dolorosos no sistema nervoso.

Os princípios amargos da jurubeba aumentam a secreção de suco gástrico e entérico, melhorando o processo digestivo. Os extratos da planta apresentam atividade inotrópica positiva em coração isolado de sapo.

Pequenos estudos realizados com extrato aquoso de jurubeba, com objetivo de comprovar seu efeito na úlcera gástrica crônica em ratos induzida por 50mL de ácido acético 10% e 50mL de salina, mostram que o extrato acelerou a cicatrização das lesões gástricas crônicas na dose de 250 a 500mg/kg de peso.

Riscos

Pode apresentar sinais de toxidade: diarréias, náuseas, vômitos, gastrite e duodenite erosiva, elevação das enzimas hepáticas e eventualmente sintomas neurológicos.

Uso Interno

Maceração: 4g de folhas ou frutos verdes em um copo de água fria, também consumida sob forma de vinhos; bastando para tanto deixar macerar no vinho branco.
Infusão:
2 colheres de sopa de folhas ou flores ou frutos picados para 1 litro de água fervente. Tomar 3 xícaras de chá morno, sem açúcar, por dia.

Nomes comuns: Lobeira, Fruta-de-Lobo

Nomes Populares: Jubeba, juribebe, jupeba, jurubeba verdadeira, jurupeba-altera, jurubebinha, juripeba.

Bibliografia

http://www.canalvip.com.br
http://www.floramedicinal.com.br
http://www.ervasdositio.com.br
http://www.aquimia.vila.bol.com.br
http://www.cotianet.com.br
http://www.deleoni.com.br
Panizza, S. Cheiro de Mato. Plantas que Curam. São Paulo: IBRASA, 1998, p. 132.

Fonte: www.unilavras.edu.br

Jurubeba

A jurubeba (Solanum paniculatum) é proveniente do Brasil, assim como do Paraguai e da Argentina.

É uma árvore pequena que cresce até aos 3 metros de altura e produz pequenos frutos amarelos e flores lilazes ou brancas. A planta tem folhas em forma de coração que são macias na parte de cima e com penugem por baixo. Existe tanto a árvore macho como a árvore fêmea da jurubeba; a fêmea cresce um pouco mais em altura, tem folhas maiores, e dá frutos.

As folhas e as raízes são usadas na medicina tradicinal brasileira de hoje em dia como tónico, para acelerar a digestão e aliviar dores de estômago.

O chá de folha de jurubeba é um remédio caseiro muito comum em todo o Brasil para tratar ressacas. Ajuda a tonificar, equilibrar e fortalecer o fígado, contra comida ou álcool em excesso.

Efeitos

Esta erva é óptima para a digestão, dores de estômago, e como tónico para o fígado (especialmente em caso de abuso de álcool).

Uso

A jurubeba consome-se melhor em chá. Descobre qual a melhor dose para ti, visto que esta varia de pessoa para pessoa. Bebe o chá após uma noite de consumo excessivo de álcool, ou antes ou depois de uma refeição de digestão difícil.

A erva entra em ação imediatamente – alivia rapidamente o estômago inchado.

Aviso

Não tomes se estiveres grávida ou a amamentar.

Fonte: pt.azarius.net

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database. You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation