Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Murici

Murici

PUBLICIDADE

 

Nome popular: muruci
Nome científico: Byrsonima crassifolia (L.) Rich
Família botânica: Malpighiaceae
Origem: Norte e Nordeste do Brasil

Murici
Murici

Características da planta

Árvore de até 5 m de altura com tronco cilíndrico, casca escura, áspera e copa estreita.

Folhas verdes e rígidas.

Flores de coloração alaranjada aparecendo de janeiro a março.

Fruteira arbustiva, encontrada em toda a região amazônica, e no litoral das regiões norte e nordeste.

Seus frutos são amarelos, medindo de 1 a 2cm.

Seu sabor exótico confere a esta fruta características únicas sem paralelo dentre as fruteiras amazônicas.

Fruto

Forma arredondada, de coloração alaranjada. Polpa carnosa e translúcida e sementes de coloração creme. Frutifica de abril a junho.

Cultivo

As sementes germinam em substrato argiloso necessitando de local sombreado. O desenvolvimento é lento. Espécie também utilizada como ornamental.

Os muricis do Brasil são muitos e variados, sendo, em sua maioria, plantas da família botânica das Malpiguiáceas, à qual também pertence a reputada acerola.

Originárias da terra, essas plantas podem ser encontradas por todo o continente e são designadas popularmente, em suas regiões, pelo mesmo nome de murici.

Em suas diferentes variedades, os muricis distinguem-se, também, por suas cores e locais de ocorrência.

Assim, são conhecidos o murici-amarelo, o murici-branco, o murici-vermelho, o murici-de-flor- branca, o murici-de-flor-vermelha, o murici-da-chapada, o murici-da-mata, o murici-da-serra, o murici-das- capoeiras, o murici-do-campo, o murici-do-brejo, o murici-da-praia, entre outros.

A maioria dos muricis, ou grande parte deles, é espontânea em praticamente toda a Amazônia, onde, espécies de porte arbustivo ou arbóreo podem ser encontradas em abundância. Na época da frutificação, a mata verde fica pintada pelo amarelo da fruta.

Mas os muricis não são exclusivos da floresta, sendo, alguns deles, freqüentes nas regiões serranas do sudeste, nos cerrados do Mato Grosso e Goiás e no litoral do norte e do nordeste do pais.

Entre as frutas regionais brasileiras que costumam aparecer nos pregões matinais dos vendedores ambulantes – em especial, nas capitais da região Nordeste – o murici, certamente, tem um lugar de destaque e, dependendo da época do ano, ocupa o mesmo espaço destinado a frutas tão importantes como a graviola, o jambo, o caju e a pitomba.

Aqui, duas espécies de muricizeiros estão sendo destacados. Um deles, o de maior dispersão, o mais conhecido e o que fornece os frutos mais apreciados é o Byrsonima crassifolia. Trata-se de uma pequena árvore de no máximo 5 metros de altura, cujo fruto, pequeno e amarelo, é saborosíssimo e suavemente perfumado.

Citado por Pimentel Gomes, Renato Braga faz uma referência às variadas utilidades que o homem regional aprendeu a dar ao fruto do murici, muitas delas comuns desde tempos bastante antigos.

De acordo com ele, no nordeste litorâneo, um dos usos mais comuns para o fruto do murici é o preparo de uma ‘gororoba muito rica em gorduras e de alto teor nutritivo, conhecida como cambica de murici”. O fruto” – diz Braga – ‘amassado em água, desprende facilmente a sua massa carnosa, que, dissolvida, misturada com farinha, adoçada ou não, constitui um dos recursos alimentares mais importantes para a pobreza dos tabuleiros praieiros.” Além disso, esse primeiro amassado, mais diluído e sem farinha, transforma-se em gostoso refresco e é ingrediente para excelentes sorvetes e doces de qualidade.

Tudo leva a crer que tenha sido exatamente esse o murici encontrado na Bahia pelo padre viajante Gabriel Soares de Sousa na metade do século XVI. Em sua descrição informa que se tratava de árvore pequena e muito seca que, nascendo em terras fracas, fornecia frutas amarelas e moles, menores do que as cerejas, comestíveis e de sabor e cheiro semelhantes aos do “queijo de Alentejo”.

A espécie conhecida como murici-do-campo (Byrsonima basiloba) difere da anterior, basicamente, por seu porte. Arvore de tamanho médio, de galhos retorcidos e típica da região dos cerrados, chega a alcançar cerca de 10 metros de altura. Suas folhas são, também, maiores do que a outra e revestidas de finos pêlos, dando ao tato a sensação do velado. Seus frutos e seus usos, porém, são bastante semelhantes aos do murici mais comum.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Murici

Nome científico: Byrsonima crassifólia; Byrsonima basiloba

Nome Popular: Murici, Murici-da-praia, Murici-do-brejo

Família Botânica: Malpighiaceae

Nome comum: Murici, murici-do-campo, murici-da-chapada, murici-da-mata, murici-da-serra, murici-das-capoeiras, murici-do-brejo, murici-da-praia, murici-amarelo, murici-vermelho, murici-branco, murici-de-flor-branca, murici-de-flor-vermelha.

Origem: Norte e Nordeste do Brasil

Descrição e característica da planta

Existem cerca de 200 espécies de murici, sendo 100 delas amplamente distribuídas nas savanas amazônicas, cerrados, campos e matas costeiras.

Sua altura média é de 6 a 16 m, suas folhas são simples, lisas, e atingem em torno de 13 cm. Suas flores são em forma de cachos amarelos, seu fruto é pequeno, em torno de 0,8 cm e em cacho. Quando maduro fica mais macio, porém continua de cor verde.

Suas sementes geralmente atingem o tamanho de 0,5 cm de comprimento, e são de um marrom-claro.

Esta árvore é freqüente nas regiões de terrenos úmidos, próximos a rios e lagoas.

Não é conhecida a utilização em paisagismo, apesar de sua beleza, especialmente quando em floração.

Existem outras espécies de murici, inclusive arbustos, e a característica de todas elas é o fruto pequeno e comestível, de sabor ácido.

O Fruto

Fruto carnoso de sabor forte, o murici é agridoce e oleoso. Consumido in natura e usado na fabricação de doces, sucos, sorvetes e licores, é encontrado em 11 estados brasileiros, entre eles São Paulo.

O murici pertence à família Malpighiaceae, a mesma da acerola. Possui várias espécies e, por isso, pode ser encontrada em cores diferentes, dependendo do local da sua ocorrência. A estimativa é que o gênero Byrsonima possua mais de 200 espécies, sendo que 100 delas estão amplamente distribuídas no País. A maioria é encontrada na região amazônica, onde, na época de sua frutificação, a mata verde fica pintada pelo amarelo do fruto.

A sua árvore pode chegar a até seis metros de altura. Seu tronco é tortuoso e pode apresentar nós. As folhas são simples e rígidas, chegam a 24 centímetros de comprimento e 18 centímetros de largura. A sua madeira é usada na construção civil e a sua casca para o uso medicinal, com a fabricação de antitérmicos. A casca contém de 15 a 20% de tanino, sendo adstringente e podendo ser utilizada na indústria de curtume. A fruta também é conhecida por douradinha-falsa, mirici, muricizinho, orelha-de-burro e orelha-de-veado (os dois últimos nomes são dados por causa do formato das folhas).

Pesquisadores acreditam que o murici foi a fruta encontrada na Bahia pelo padre viajante Gabriel Soares de Sousa na metade do século 16. Em sua descrição, informa que se tratava de árvore pequena e muito seca que, nascendo em terras fracas, fornecia frutas amarelas e moles, menores do que as cerejas, comestíveis e de sabor e cheiro semelhantes aos do “queijo de Alentejo”.

Aplicações

A polpa pode ser utilizada na preparação de sucos, sorvetes, vinhos e licores.

Colheita

De dezembro a abril.

São encontradas nos seguintes estados:

Alagoas
Amazonas
Bahia
Goiás
Minas Gerais
Mato Grosso
Mato Grosso do Sul
Pará
Paraná
São Paulo
Tocantins
Distrito Federal

Conforme as características de cores dos frutos, flores e locais de sua ocorrência recebem nomes comuns, como citados acima.

Aqui serão apresentadas somente duas espécies mais conhecidas: Byrsonima crassifólia e Byrsonima basiloba.

1) Byrsonima crassifólia: É a espécie mais conhecida, mais disseminada e os frutos são mais apreciados que a outra. A sua ocorrência é mais comum nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. As plantas são de menor tamanho, não passam de 5 metros de altura, têm tronco cilíndrico, casca escura, áspera e copa estreita. As folhas são ovais, alongadas, cor avermelhada quando bem novas e depois passam para verde-clara a verde-escura. As flores branco-rosadas, formadas em inflorescências (cachos), são hermafroditas (os dois sexos estão na mesma flor), autoférteis e emitidas nas extremidades dos ramos. Os frutos são arredondados, alaranjados, com 1,5 a 2 centímetros de diâmetro, sua polpa é carnosa, translúcida e contém 1 a 3 sementes por fruto.

2) Byrsonima basiloba: É uma espécie típica dos cerrados das regiões Sudeste e Centro-oeste do Brasil. A planta atinge 10 metros de altura, 30 a 40 centímetros de diâmetro e seus galhos são retorcidos. As folhas são simples, coriáceas, bordas lisas, com 12 a 18 centímetros de comprimento por 3 a 7 centímetros de largura, a cor da face superior é verde-clara a verde-escura e da face inferior prateada. As flores amarelas a alaranjadas são hermafroditas (os dois sexos estão na mesma flor), autoférteis e formadas em inflorescências (cachos) na extremidades dos ramos de janeiro a março. Os frutos são verde-claros em fase de desenvolvimento e alaranjados quando amadurecem. A polpa é comestível e contém 1 a 3 sementes.

A propagação é feita através de sementes.

Produção e produtividade

Não existem informações concretas sobre a produção e produtividade, porque o murici é uma planta nativa e a produção é quase toda extrativista (colhida de plantas existentes no campo).

Entre algumas fontes existentes, uma refere-se a produção média de 15 quilos por planta em um campo experimental no estado do Pará.

Utilidade

Os frutos, muito saborosos e levemente perfumados, são consumidos principalmente ao natural e também usados no preparo de refrescos, sucos, sorvetes, doces, geléias, licores, pudins, pavês e na culinária nordestina. Os frutos são ricos em vitamina C, vitaminas B1, B2, cálcio, fósforo e ferro. As plantas podem ser usadas na arborização de praças, parques, jardins públicos e no reflorestamento visando à recomposição da vegetação de áreas degradadas. Os seus frutos são apreciados por muitos animais e aves silvestres.

Fernanda Mariano

Referência

Silva, Silvestre e Tassara, Helena. Frutas no Brasil. SP: Nobel, 4ª edição. 2001. 230 p.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Murici

O murici tem grande variedade de espécies e inúmeras utilidades, e seu fruto amarelo embeleza o cerrado.

Murici
De sabor forte, agridoce e ligeiramente oleoso, fruto do murici pode ser consumido in natura ou em doces, sorvetes e licores

Quem já andou pelo cerrado ou pelos campos-sujos no Brasil – regiões onde há árvores e arbustos esparsos – pode ter se deparado com uma espécie vegetal de porte pouco majestoso e de tronco tortuoso, cujo fruto é conhecido por murici.

Denominada cientificamente por Byrsonima verbascifolia, a árvore também recebe o mesmo nome da fruta.

Ela é também popularmente conhecida por douradinha-falsa, mirici, muricizinho, orelha-de-burro e orelha-de-veado (estes últimos nomes são dados por causa do formato das folhas).

No entanto, estima-se que o gênero Byrsonima possua mais de 200 espécies, sendo que 100 delas estão amplamente distribuídas no país. A maioria é encontrada na região amazônica, onde, na época de sua frutificação, a mata verde fica pintada pelo amarelo do fruto.

No Nordeste, o murici chega a disputar mercado com frutas como a pitomba, o jambo, a graviola e o caju. No caso da Byrsonima verbascifolia, o fruto carnoso tem sabor forte, agridoce e ligeiramente oleoso, podendo ser consumido in natura, além de ser usado na fabricação de doces, sucos, sorvetes e licores.

A geléia é uma das especialidades feitas com a polpa bem madura do murici. Fácil de preparar, é só misturar a mesma quantidade do fruto com igual peso de açúcar cristal e colocar em uma panela. Depois leva-se ao fogo por 15 minutos, mexendo bem.

Então baixa-se o fogo sem parar de mexer. Quando o cozimento estiver completo, é só retirar do fogo e deixar esfriar. Como uso medicinal, o murici é usado no combate a tosse e bronquite, e pode ser um brando laxante, se consumido com açúcar.

Murici
A espécie Byrsonima verbascifolia é facilmente encontrada no cerrado brasileiro. Suas folhas densamente pilosas são capazes de proteger as gemas apicais da ação do fogo

MADEIRA BRILHANTE

Esta espécie de murici, entretanto, não tem no fruto sua única utilidade. Embora não haja registro de produção comercial desta árvore, a madeira é própria para a construção civil. De cor amarela ou avermelhada, é acetinada e brilhante, muito usada em marcenaria de luxo.

Para uso medicinal, a casca serve como antitérmico. Além disso, ela é adstringente (contém de 15 a 20% de tanino), podendo ser utilizada na indústria de curtume. Dela se extrai ainda um corante preto utilizado na indústria de tecidos, conferindo cor cinzenta ao algodão. As folhas geralmente são consumidas por bovinos, por isso esta espécie de murici tem grande potencial forrageiro.

O murici floresce e frutifica praticamente durante o ano todo. Isso faz com que ela também seja considerada uma árvore ornamental. É uma das primeiras espécies a emitir flores logo após uma queimada. Como as folhas são densamente pilosas (possuem pêlos) e agrupadas no ápice dos ramos, protegem as gemas apicais (localizadas na extremidade dos ramos) do fogo.

Adaptado a solos com presença de alumínio, o murici agüenta bem o clima do cerrado. Diferentemente de outras espécies, não foi observada na planta a ocorrência de vassoura-de-bruxa, que danifica as flores e impede a formação dos frutos.

Classificação

O murici pertence à família Malpighiaceae, a mesma da acerola. Planta nativa do Brasil, possui várias espécies. Tal diversidade é distiguida pela cor e local de ocorrência de cada planta. Uma delas é a Byrsonima verbascifolia, muito comum no cerrado. Outra espécie bastante conhecida no país é a Byrsonima coccolobifolia. Ela se difere da anterior por apresentar folhas sem pêlos, pétalas branco-rosadas e frutos alaranjados.

Ocorrência

Possui larga distribuição no Brasil, podendo ser encontrada em Alagoas, Amazonas, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. Também pode ocorrer na Venezuela e Guianas.

Descrição

Árvore ou arbusto hermafrodita de pequeno porte, o murici pode chegar a até 6 metros de altura. Seu tronco repleto de nós é freqüentemente tortuoso. A casca escura e adstringente é fissurada. As folhas são simples, rígidas, brilhantes e quase não possuem bainha. Podem chegar a 24 centímetros de comprimento e 18 centímetros de largura. As flores têm cerca de 1,5 centímetro de diâmetro e são reunidas em inflorescências localizadas nos ápices dos ramos. A corola é amarela com tons avermelhados, geralmente formada por cinco pétalas. O fruto amarelo é carnoso e possui, aproximadamente, de 1,3 a 1,5 centímetro de diâmetro. As sementes são pequenas, e, em geral, podem ser encontradas de uma a três por fruto.

GUSTAVO LAREDO

Bibliografia

Cerrado – espécies vegetais úteis’, de Semíramis Pedroso de Almeida, Carolyn Elinore B. Proença, Sueli Matiko Sano e José Felipe Ribeiro, Embrapa Cerrados, 1998; ‘Cerrado – aproveitamento familiar’, de Semíramis Pedrosa de Almeida, Embrapa Cerrados; e ‘Frutas no Brasil’, de Helena Tassara, Empresa das Artes, 1996.
Semíramis Pedrosa de Almeida, pesquisadora da Embrapa Cerrados/Projeto CMBBC – Conservação e Manejo do Bioma Cerrado; e Maria Candida Henrique Mamede, bióloga do Instituto de Botânica, seção de curadoria do herbário, e doutora pela Universidade de São Paulo.

Fonte: revistagloborural.globo.com

Murici

Fruta encontrada em toda a região amazônica, os frutos amarelos do murici têm um sabor exótico que confere a esta fruta características únicas, sem paralelo dentre as frutas amazônicas. É rica em cálcio e fósforo.

Murici
Murici

Aplicações

A polpa é utilizada na preparação de sucos, sorvetes e licores.

Composição Nutricional

Caloria 66kcal
Umidade 82.80g
Proteínas 3.36g
Fibra 1.30g
Cálcio 80.00mg
Fósforo 20.00mg
Ferro 1.00mg
Vitam. B1 0.02mg
Vitam. B2 0.04mg
Niacina 0.40mg
Vitam. C 7.27mg
pH 3.76
Brix 4.16%
Acidez 0.82%

Fonte: www.sindfrutas.org.br

Murici

Fruto da pequena árvore que tem o mesmo nome.

Seu formato é esférico, achatado nos pólos, com cerca de 1,5cm de diâmetro.

A casca é uma película de cor amarelada e a polpa, que envolve o pequeno caroço, também é amarela.

Seu perfume agradável não pode ser comparado aos de nenhuma outra fruta, tais as suas características exclusivas.

É delicioso como refresco, sorvete e em uma infinidade de doces.

Características da planta

Fruteira arbustiva da família Malpighiaceae, o murici é uma planta nativa do norte/nordeste brasileiro, de porte médio, podendo chegar a 5 metros de altura.

Possua tronco cilíndrico, casca escura, áspera e copa estreita. Suas folhas são rígidas e brilhantes. As flores são amareladas formando cachos de 10 a 15 cm.

Geralmente é encontrado no litoral, numa faixa que se inicia no Ceará e se estende até o Acre, sendo apreciado pela população privilegiada com a ocorrência desta deliciosa fruteira nativa em suas matas e nas zonas praianas, sendo inclusive muito utilizada pelos índios amazonenses como fonte de alimentação.

O fruto

Murici
Murici

O fruto possui em média 2 cm de diâmetro e, quando maduro, possui a casca e a polpa de um amarelo intenso, tendo sabor e cheiro característico e é muito rico em Vitamina “C”.

A polpa é carnosa e pode ser consumida “in natura”, mas é mais apreciada na forma de sucos, sorvetes, licores, néctares, geléias e doces.

A comercialização ocorre em grande parte com a fruta “in natura” nas feiras livres e mercados públicos das cidades e capitais nordestinas litorâneas.

As outras diversas formas, manufaturadas ou industrializadas, são comercializadas nas lanchonetes, sorveterias e supermercados dessas cidades.

Na época da safra do muricí, torna-se uma fruta de grande procura pela população devido a sua grande aceitação pelo seu delicioso sabor.

Apesar de ter tamanha importância nas regiões citadas, esta frutífera ainda não foi devidamente pesquisada, desconhecendo-se as técnicas agronômicas adequadas para seu cultivo e propagação, não sendo ainda devidamente domesticado, desconhecendo-se seu valor nutricional e o potencial de utilização do fruto por parte das indústrias especializadas.

NOMES POPULARES

Murici do Cerrado (B. crassifólia), Murici rasteiro ou canjiquinha (B. intermédia), Murici guassú (B. lancifolia) e Murici da Praia (B. stipulata)

Murici
Murici do cerrado (B. crassifólia)

Murici
Murici-guassú (B. lancifolia)

NOME INDIGENA

Murici vem do Tupi-guarani e quer dizer “arvore pequena” e o termo guassú para a espécie B. lancifolia quer dizer “fruto grande” em relação a outras espécies.

Origem

As varias espécies ocorrem no Brasil: Murici do Cerrado – em todos os campos e cerrados; Canjoquinha ocorre nos campos de todo o Brasil, Murici guassú na Amazônia e Murici da Praia na mata atlântica do litoral.

Características

Arvore pequena de 3 a 4 m de altura ou arbusto de no máximo 1 m de altura, a copa é desuniforme por causa dos galhos que quebram com facilidade, o caule é acinzentado ou castanho e tronco velho tem fissuras quadriculadas. As folhas são simples, coriaceas, tomentosas (coberta de pelos no caso das espécies B. crassifólia e B. stipulata) ou glabras (sem pelos) na face superior (no caso da B. intermedia e B. lancifolia) e pubescentes (coberta de pequenos pelos) na face inferior, com ápice ou ponta lanceolada). As flores são amarelas em numero de 15 a 35 flores dispostas em pequenos racemos (um tipo de cacho com uma haste central).

Plantado

B. crassifólia em janeiro de 2.002; B. intermédia em setembro de 2.002; B. stipulata em Setembro de 2.003; B.lancifolia em Setembro de 2.004 A frutificação iniciou-se 2 a 3 anos após o plantio.

Dicas para cultivo

Arvoreta de crescimento rápido, apreciando solos vermelhos e argilosos com rápida drenagem da água das chuvas e pH por volta de 5,5. é resistente a geadas leves de até -1 grau. Convem planta-la em ambiente protegidos de ventos fortes pois seus ramos quebram facilmente!

Mudas

Sementes conservam-se em condições naturais por até 6 meses, germinam em 60 a 120 dias no verão, as mudas apreciam substrato orgânico e arenoso, e sombreamento de no máximo 50%. Nessas condições as mudas podem ser plantadas em 4 a 5 meses após a germinação.

Plantando

Recomendo que seja plantada a pleno sol num espaçamento 5×5 m para a B. crassifólia e B. lancifolia; 6×6 m no cado da B. stipulata; e 2×2 m no caso da B. intermedia. Melhor época de plantio é novembro a janeiro, convém irrigar 10 l de água após o plantio e a cada 15 dias se não chover.

Cultivando

A planta cresce rápido e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se afincar um tutor para amarrar a planta para que não quebre, é bom eliminar as brotações que surgirem na base do caule. Fazer podas de formação. Adubar com composto orgânico, pode ser (8 litros) cama de frango + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano. Distribuir os nutrientes à 5 cm de profundidade, em círculos distanciados à 50 cm do tronco.

Usos

Os frutos são consumidos in-natura, e usados na fabricação de geléias, sorvetes e outros doces.

Floração

Murici
Floração – Murici

Em setembro a fevereiro.

Frutificação

Março a agosto.

Fonte: frutasraras.sites.uol.com.br

Murici

Murici
Murici

Murici
Murici

Murici, conhecido popularmente por muruci, é uma fruteira arbustiva da família Malpighiaceae. Esta planta nativa do norte/nordeste brasileiro possui porte médio, e pode chegar a 5 metros de altura. Suas folhas são rígidas e brilhantes. As flores são amareladas formando cachos de 10 a 15 cm.

O fruto possui em média 2 cm de diâmetro e, quando maduro, possui a casca e a polpa de um amarelo intenso.

Os muricis do Brasil são muitos e variados, sendo, em sua maioria, plantas da família botânica das Malpiguiáceas, à qual também pertence a reputada acerola.

Originárias da terra, essas plantas podem ser encontradas por todo o continente e são designadas popularmente, em suas regiões, pelo mesmo nome de murici.

Por serem variados, os muricis distinguem-se, também, por suas cores e locais de ocorrência.

Assim, são conhecidos por: murici-amarelo, murici-branco, murici-vermelho, murici-de-flor- branca,murici-de-flor-vermelha, murici-da-chapada, murici-da-mata, murici-da-serra, murici-das- capoeiras, murici-do-campo, murici-do-brejo, murici-da-praia, entre outros.

Rica em vitamina “C”, a polpa do murici é carnosa e possui um sabor e cheiro característico. Ela pode ser consumida “in natura”, mas é mais apreciada na forma de sucos, sorvetes, licores, néctares, geléias e doces. A comercialização ocorre em grande parte com a fruta “in natura” nas feiras livres e mercados públicos das cidades e capitais nordestinas litorâneas. As outras diversas formas, manufaturadas ou industrializadas, são comercializadas nas lanchonetes, sorveterias e supermercados dessas cidades.

Na época da safra do murici, torna-se uma fruta de grande procura pela população devido a sua grande aceitação pelo seu delicioso sabor.

Você sabia?

Existe no Estado do Pará um grande interesse em desenvolver pesquisas sobre o muricizeiro devido ao grande consumo desta fruta pela população. Em virtude dessa grande procura, já existe neste estado alguns produtores cultivando esta fruta de modo racional, com todas as dificuldades existentes em culturas que ainda não possuem dados agronômicos seguros. Existem três variedades conhecidas, o “Muricí da praia”, o “Muricí do campo” e o “Muricí do mato”, estas são denominadas apenas pelo local de ocorrência, não sendo definidas por diferenças agronômicas específicas.

Fonte: portalamazonia.locaweb.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Superalimentos

Superalimentos

PUBLICIDADE Definição Os superalimentos aumentam a energia e a vitalidade, regulam o colesterol e a …

Quincã

Quincã

PUBLICIDADE Descrição: A fruta quincã (Citrus japonica) pertence à família do citrinos e é originário …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+