Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Carissa

Carissa

PUBLICIDADE

Nome comum: Caranda ou Ameixa de Espinho

Nome científico: Carissa macrophylla

Carissa macrophylla Wall. É um sinônimo de Carissa spinarum L.

Família das apocinaceae

Observações

Arbusto frutífero espinhento nativo da Indonésia.

Os frutos são ricos em pectina e ótimos para o fabrico de geléia.

Os frutos também são bons para fazer refrescos.

A planta é ornamental e pode ser cultivada em vasos.

Carissa

Carissa

Fonte: frutasraras.sites.uol.com.b

Carissa

Carissa macrocarpa

Carissa macrocarpa pode chegar a 4 metros. A planta é espessa e densa, com espinhos fortes. Embora tenha frutos comestíveis que é sabor doce, mas raramente são comidos.

As flores têm um cheiro agradável.

Família: Apocynaceae

Origem: Região costeira de Natal, África do Sul

Sinonimo: C. grandiflora

Nome Vulgar: Ameixa de Natal e Amantungula

Esta espécie da família das Apocináceas, é apreciada pelos seus notáveis frutos comestíveis e látex leitoso inócuo. A Carissa macrocarpa (sin. C. grandiflora), é vulgarmente chamada de Ameixa de Natal e Amantungula.

Descrição

Vigoroso arbusto lenhoso com abundantes braços espalhados, e seiva gomosa, a Carissa pode atingir uma altura de 5 a 6 m e uma largura igual. Os galhos estão armados com formidáveis proteções, de espinhos duplos, com pontas de 2 cm de comprimento. Folhas opostas largo-ovaladas, com 3 a 5 cm de comprimento, coriáceas escuras, verde brilhante.

Flores tubulares brancas, docemente perfumadas, com 5 lóbulos, de 2 cm de largo, isoladas ou em grupos, ao longo de todo o ano. Algumas plantas apresentam flores que são funcionalmente do sexo masculino, maiores que o normal e com anteras maiores, e estames muito mais curtos do que o padrão. Funcionalmente flores femininas têm estames do mesmo comprimento que o padrão e as anteras pequenas, sem pólen.

Frutos redondos, de forma oval ou oblonga, 6 cm de comprimento e até 4 cm de diâmetro, são verdes e ricos em látex, enquanto verdes. Com o amadurecer, a pele lisa transforma-se em magenta brilhante, revestido por uma fina camada esbranquiçada e finalmente, carmim-escuro. A carne é macia, muito suculenta, com sabor e cor de morango, com manchas de seiva leitosa. As sementes, concentradas no centro, de 6 a 16 são pequenas, finas, lisas e castanhas, são imperceptíveis, quando comidas.

Origem e Distribuição

A Carissa é nativa da região costeira de Natal, África do Sul, e é cultivada no interior do Transval. Foi introduzida pela primeira vez nos Estados Unidos em 1886 pelo horticultor Theodore L. Meade. Então, em 1903, David Fairchild, que dirigia o Serviço de Estrangeiros e Introdução de Sementes de Plantas da United States Department off Agriculture, trouxe do Jardim Botânico de Durban, uma grande quantidade de sementes.

Vários milhares de plantas foram reproduzidas em Miami e distribuída para testes na Florida, nos Estados do Golfo e na Califórnia, e muito esforço foi dedicado ao acompanhamento sobre o destino das plantas em diferentes zonas climáticas.

A Carissa foi introduzida no Havai em 1905 e ao longo dos anos seguintes, foi amplamente distribuída por todo o arquipélago.

Foi plantada nas Bahamas em 1913, nas Filipinas em 1924. É cultivada de forma limitada na Índia e na África Oriental. Foi amplamente plantada em Israel, prosperou e floresceu livremente, mas raramente frutificava. Além disso, é valorizada principalmente como uma barreira protetora.

Polinização

Na sua terra natal, a Carissa é polinizada por insetos pequenos e mariposas nocturnas e outros insetos voadores. Vários graus de infrutífero na América têm sido atribuídos a polinização inadequada. Verificou-se que as plantas improdutivas, aparentemente estéreis, vaiem a dar frutos após polinização cruzada efetuada manualmente. Em Portugal (Região Sul), diz-nos a experiencia, que apesar de as produções não serem muito abundantes, não se verificam problemas.

Clima

A Carissa, vai de subtropical a perto do tropical, florescendo em todo o estado da Florida e resiste a temperaturas tão baixas como -3º C, quando bem estabelecida. Plantas jovens precisam de proteção quando a temperatura cai abaixo de -1º C. Melhor exposição em pleno sol.

Solo

Este arbusto prospera bem em terreno, rochoso seco, em barro vermelho ou franco-arenoso e em solos arenosos ou alcalino, embora este último possa induzir deficiências em oligo-elementos. A planta tolera a seca moderada (Embora por experiencia própria tenhamos verificado boa tolerância a seca severa) e tem alta resistência à salinidade do solo e ao ar marítimo. Não suporta o encharcamento.

Cultura

As plantas podem começar a produzir frutos ao fim de 2 anos. Basta Adubar normalmente, com um fertilizante equilibrado, salvo no calcário onde os oligo-elementos devem ser adicionados. Podar apenas o necessário para garantir a forma da planta. Os cultivares, de forma compacta, devem ser mantidos sob controlo, caso contrário, eles são capazes de reverter para o tipo comum e desenvolverem rebentos vigorosos voltando à forma padrão.

Frutificação

Carissa

A Carissa dá flor e frutos durante todo o ano, embora o período de pico da floração e frutificação se verifique entre Maio e Setembro. O pedúnculo permanece ligado à planta, quando o fruto é colhido.

Pragas

Ácaros, tripes e mosca branca e ocasionalmente, cochonilhas, atacam plantas jovens, especialmente em viveiros e na sombra.

Usos Culinários

A Carissa deve estar totalmente madura, vermelho-escuro e levemente suave ao toque para serem consumidos naturalmente. O Fruto é consumido na sua totalidade, sem necessidade de retirar a pele ou sementes.

Em metades ou aos quartos são apropriados para saladas de frutas, gelatinas e usados como cobertura para bolos, pudins e sorvetes. As Carissa podem ser usadas em molhos ou em tortas e pastéis. Cozinhar em lume brando para que o látex da fruta não adira à panela (que não deve ser de alumínio), no entanto este pode ser facilmente removido com óleo de cozinha.

As Carissa podem ser conservadas, cozinhadas brevemente num xarope de açúcar e colocadas em frascos de vidro esterilizados. Peladas ou não, dão ainda para preparar compotas, conservas, xarope ou picles doces. A geleia é feita a partir de frutos ligeiramente amadurecido, ou uma combinação de verdes e maduros para realçar a cor.

Valor nutricional

As análises feitas no Brasil mostram os seguintes valores: calorias, 594/kg; humidade, 78,45%, proteínas, 0,56%; gordura, 1,03%; açúcar, 12,00%; fibra, 0,91%, cinzas, 0,43% .

O teor de ácido ascórbico foi calculado em 10 mg/100 g na Índia.

Fonte: ameliapalmela.webnode.com

Carissa

Carissa

Carissa

Carissa – Ameixa-de-Natal

De crescimento rápido, a Ameixa-de-Natal (Carissa macrocarpa) é um arbusto perene de crescimento rápido, oriundo da África do Sul.

O charme da ameixa Natal encontra-se em seu verde rico.

É um arbusto ornamental com flores brancas, em forma de estrela e muito perfumadas.

A pele fina dos frutos encerra uma polpa avermelhada, com várias sementes pequenas, enquanto a polpa tem um látex branco leitoso, isto em nada interfere com a ingestão da fruta.

Os frutos são consumidos frescos, mas são mais frequentemente utilizadas para molhos, geléias e até sorvetes.

Molho feito de Carissa é dito frequentemente ter o gosto de cranberries. É uma fruta muito rica em vitamina C.

Fonte: www.dignow.org

Carissa

Carissa

Arbusto espinoso nativo para as áreas costeiras da província de Natal, na África do Sul.

Suas folhas são verde-escuro brilhante; grossa e coriácea, e pode resistir a dessecação por ventos e brisa salgada do mar. Espinhos ramificados em forma de Y são grossos.

Tem grandes flores brancas cerca de 5 cm de diâmetro. Na maturidade dos frutos são vermelhos, muito brilhante, em forma de ovo, cerca de 4 cm de comprimento. Ao corte exalam um látex branco, o que torna uma fruta incomum e exótico. A polpa é adocicado e rico em vitamina C, palatável. As frutas devem ser consumidos totalmente maduro, porque eles não são freqüentemente ser tóxico. Eles também podem ser processadas para preparar compotas, geleias e sumos de fruta. Eles podem ser colhidas durante todo o verão e outono.

É uma planta pouco exigente rústico, que podem ser cultivadas em vários solos, mas prefere arenoso, bem drenado; tolera salinidade e solos pobres. Suporta os períodos de seca, mas precisa de regas regulares para a frutificação adequada.

O cultivo em pleno sol é recomendado ou sob alguma sombra, evitando o sombreamento está completa. Resiste a calor extremo, mas com a umidade do solo.

Não tolera geadas, mas se este é macio, folhas brotando morrer de volta na primavera.

Carissa

Nome científico: Carissa grandiflora A.D.C.

Família: Apocynaceae

Origem e dispersão

A espécie Carissa grandiflora A.D.C. é de origem africana.

Outras duas espécies de origem indiana e africana também recebem o mesmo nome comum, mas são chamadas, também, de Karanda e Carissa do Egito.

Clima e solo

Esta planta adapta-se a vários tipos de clima e solo em diferentes latitudes e altitudes.

Propagação

Usualmente propagada por sementes, mas também por estacas, neste caso, produz a partir do 2o ano de idade.

Utilização

Estas frutas, da mesma família da mangaba brasileira, também produzem látex e são pouco atrativas para consumo ao natural.

A polpa pode ser consumida ao natural, mas exsuda látex; também serve para geléias, sorvetes e sucos, mas seu sabor subácido a doce fraco não é muito agradável, pois, às vezes, também é adstringente.

É uma frutífera que pode ser usada como ornamental pela beleza de sua copa compacta de cor verde escura, flores brancas e frutos vermelhos.

Fonte: www.paty.posto7.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Superalimentos

Superalimentos

PUBLICIDADE Definição Os superalimentos aumentam a energia e a vitalidade, regulam o colesterol e a …

Quincã

Quincã

PUBLICIDADE Descrição: A fruta quincã (Citrus japonica) pertence à família do citrinos e é originário …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+