Breaking News
Home / Alimentos / Couve-Flor

Couve-Flor

PUBLICIDADE

A couve-flor é frequentemente considerada uma das comidas mais saudáveis ​​da Terra, e há uma boa razão para isso. Com sua rica oferta de fitoquímicos promotores de saúde, alto nível de compostos antiinflamatórios e capacidade de evitar câncer, doenças cardíacas, doenças cerebrais e até mesmo ganho de peso, parece que não há muito que a couve-flor seja incapaz de fazer.

Couve-flor é um membro da família de vegetais crucíferos – também conhecida como a família Brassica oleracea , juntamente com brócolis , repolho, couve, couve de Bruxelas e algumas outras variedades menos comuns.

Estudos extensos sugerem que os vegetais crucíferos são uma excelente fonte de antioxidantes naturais devido aos seus altos níveis de vários fitoquímicos, bem como bons fornecedores de vitaminas essenciais, carotenóides, fibras, açúcares solúveis, minerais e compostos fenólicos. De fato, acredita-se que as hortaliças Brassica oleracea são a maior fonte de compostos fenólicos na dieta humana.

Couve-Flor
Couve-Flor

Descubra este sabor

A couve-flor, hortaliça delicada e tenra, exige cuidado e atenção em seu preparo. Também é uma hortaliça importante do ponto de vista nutricional pois é rica em cálcio e fósforo e fonte de folato e vitamina C. Além disso, é livre de gorduras e colesterol, e tem teores bem baixos de sódio e calorias.

Originária da Ásia Menor, foi levada para a Europa no século 16. É uma hortaliça do tipo inflorescência (conjunto de flores) que pertence à família Brassicaceae assim como o repolho, o brócoli, a couve comum.

COMO COMPRAR

Escolha cabeças compactas, de cor branca ou creme, sem manchas escuras. Se envolvida pelas folhas, estas devem estar verdes e sem sinais de murcha. Quando passada do ponto, a cabeça fica dividida, murcha e com pontos escuros.

A couve-flor é uma das hortaliças mais sensíveis ao manuseio. Escolha as cabeças com cuidado, pois as partes danificadas escurecem e apodrecem mais rapidamente.

Compre a couve-flor por último, evitando assim que ela seja amassada por outros produtos no fundo do carrinho.

A couve-flor fresca também pode ser encontrada na forma minimamente processada, já limpa, picada e embalada. Quando nesta forma, deve obrigatoriamente estar em gôndola refrigerada, para adequada conservação. Evite comprar este tipo de produto quando ele estiver com pontos escuros e com líquido no fundo da embalagem.

COMO CONSERVAR

A couve-flor se estraga rapidamente, por isto compre somente a quantidade necessária ao consumo para utilização imediata. Na geladeira, pode ser conservada por 3 a 5 dias sem grande perda de qualidade, dentro de saco de plástico perfurado. Antes de guardar, remova as partes escuras e folhas mas não lave a cabeça.Quando guardada já picada, sua durabilidade é ainda menor. Para congelar, retire o caule mais grosso e as folhas, pique em florzinhas menores e deixe 30 minutos de molho em água e sal (1/4 xícara de sal para 1 litro de água). Em seguida, escorra, cozinhe em água fervente por quatro minutos, escorra novamente e coloque em água gelada até esfriar. Depois seque bem e envolva em saquinho plástico do qual se retirou todo o ar com uma bombinha de vácuo.

COMO CONSUMIR

A couve-flor é uma hortaliça de fácil digestão, cujo consumo é indicado para pessoas de todas as idades. Muitas pessoas não apreciam esta hortaliça por não saberem prepará-la. No entanto, constitui uma saborosa iguaria quando bem feita.

O preparo consiste na remoção das folhas e das partes muito grossas e duras do caule, seguida pelo cozimento da couve-flor picada ou inteira.

Para uniformizar o cozimento da couve-flor inteira faça um corte em forma de cruz nas partes mais grossas.

Cuidado para não cozinhar demais: espere a água ferver para depois colocar a couve-flor, e mantenha-a ao fogo somente pelo tempo necessário para deixá-la macia, mas consistente, por cerca de 5 a 10 minutos se picada, ou 15 a 20 minutos se inteira.

Para pratos em que a couve-flor seja assada ou frita, cozinhe-a previamente por cerca de 8 minutos em água e sal e em seguida, coloque em uma vasilha com água fria para esfriar. Em seguida, prepare-a de acordo com a indicação da receita.

Para descongelar a couve-flor, coloque-a em água fervente com sal.

DICAS

Para deixar a couve-flor branquinha após o cozimento, coloque um pouco de leite, uma rodela de limão ou suco de limão na água de cozimento.
1 cabeça média de couve-flor pesa cerca de 750g e rende 3 a 4 porções.
Para impedir que a couve-flor provoque gases intestinais, cozinhe-a no vapor.
Temperos que combinam com a couve-flor: cebolinha verde, páprica, cravo da Índia, noz moscada, endro, alecrim, tomilho, alho, cebola, azeite.

1 – INTRODUÇÃO

A couve-flor é uma hortaliça plantada em várias partes do mundo, sendo que no Brasil é mais cultivada nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina.

No Estado de São Paulo, as principais regiões produtoras situam-se em locais de clima mais ameno, principalmente alguns municípios da Divisão Regional Agrícola (DIRA) de Sorocaba e Campinas, situados em zonas serranas.

Atualmente, devido à existência de cultivares adaptados às condições mais quentes do ano, pode-se produzir essa hortaliça durante o ano todo.

2 – CLIMA E SOLO

A couve-flor é uma planta exigente em relação às condições climáticas, sendo que primitivamente os cultivares disponíveis somente se adaptavam às condições amenas e de inverno. Através do melhoramento genético, conseguiu-se obter cultivares que apresentam condições de produção adequada em climas mais quentes; entretanto, deverão ser utilizados somente sob essas condições.

A couve-flor é exigente em termos de condição edáfica preferindo solos areno-argilosos, com bom teor de matéria orgânica, boa disponibilidade de macro e micronutrientes, principalmente, e com o pH variando de 6,0 a 6,8.

3 – CULTIVARES

Como foi dito anteriormente, dispõe-se hoje de um grande número de cultivares que podem ser reunidos em dois grupos:

Cultivares de inverno

Teresópolis, Teresópolis Precoce, Rio Grande, Bola de Neve, Gigante de Nápolis, Matra, Pé Curto e Snow Ball, híbridos: Benus, Nádia, Shiromaru III, Silver Streak, Suprimax, Tolma e Yuki.

Cultivares de verão

Piracicaba Precoce, Santa Eliza n° 2, Híbrido Jaraguá, Híbrido Shiromaru I, Híbrido Miyai, Híbrido Mogiana Super, Híbrido Rami, Híbrido Sabina, Híbrido Shiromaru II, Híbrido Vega e Híbrido Verona.

4 – PREPARO DO TERRENO

Com uma antecedência de três meses do plantio, faz-se uma aração profunda para incorporação dos restos da cultura anterior e da metade da quantidade de calcário recomendada para a calagem.

Após essa aração faz-se uma gradagem para incorporação da segunda metade do calcário.

Cerca de 15 dias antes do plantio faz-se uma segunda gradagem, estando após essa operação o terreno em condições de receber sulcos para o transplante das mudas.

5 – CALAGEM E ADUBAÇÃO

Deve-se aplicar calcário para elevar a saturação de bases (V%) a 80%, sempre que a análise do solo indicar teor abaixo de 70%, e o teor de Mg a um mínimo de 8 mmolc/dm3.

Para a adubação orgânica recomenda-se aplicar de 40 a 60 t/ha de esterco de curral curtido, sendo que as quantidades maiores devem ser aplicadas em solos mais arenosos. Poderá seu usado outro adubo orgânico, respeitando-se a relação entre esse adubo e o esterco curral.

Para a adubação mineral recomenda-se:

a) No plantio: 60 Kg/ha de N, 300 a 800 Kg/ha de P2O5 e 150 a 300 Kg/ha de K2O e 1 a 4 Kg/ha de B, conforme análise de solo, e ainda, 30 a 60 Kg/ha de S.
b) Em Cobertura:
150 a 200 Kg/ha de N e 60 a 120 Kg/ha de K2O, parcelados em quatro vezes, aos 15, 30, 45 e 60 dias após o transplante.
c) Foliar:
Pulverizar as folhas por 3 vezes durante o ciclo, com 10 g de ácido bórico em 10 litros de água, acrescentando-se espalhante adesivo, e, aos 15 e 30 dias após o transplante, pulverizar com 5 g de molibdato de sódio ou de amônio em 10 litros de água, acrescentando-se espalhante adesivo.

6 – PLANTIO

Na produção comercial, deve-se proceder primeiramente à formação de mudas, sendo para tanto confeccionadas sementeiras, através da construção de canteiros de semeadura, com largura aproximada de 1,0 m e comprimento variável. Procede-se a semeadura em sulcos com 0,01 m de profundidade e distanciados 0,10 m, gastando-se cerca de 2 a 3 g de sementes por metro quadrado de canteiro. Ou ainda, as mudas são produzidas em bandejas de polietileno expandido, sob ambiente protegido.

O transplante das mudas é feito quando as mesmas atingirem 0,10 a 0,15 m de altura e possuírem 4 a 5 folhas.

As mudas são plantadas em sulcos previamente abertos, no espaçamento de 1,00 x 0,50 mm a 0,80 x 0,50 m, para os cultivares de maior desenvolvimento, como Teresópolis e outras, e de 0,80 x 0,40 metros para os cultivares de desenvolvimento menor, como Piracicaba Precoce e Santa Eliza. Os híbridos exigem espaçamento de 1,00 x 0,50 m.

A época do plantio para as variedades de inverno nas regiões de Planalto, é de fevereiro a março, e nas regiões serranas de janeiro a março.

Para as variedades de verão, no planalto: outubro a janeiro.

7 – TRATOS CULTURAIS

Devem-se efetuar as adubações em cobertura e foliar recomendadas no item “Calagem e Adubação”.

Devem-se também efetuar as irrigações necessárias e providenciar a eliminação do mato que por acaso se desenvolva junto com a cultura.

8 – COLHEITA

A colheita é feita quando as “cabeças” das plantas, ou seja, suas inflorescências se apresentarem bem desenvolvidas, compactas e sem manchas. Quando “passar” do ponto de colheita, a “cabeça” se apresenta dividida e perde o valor comercial. A colheita é realizada através do corte as “cabeças” juntamente com algumas folhas para proteção do produto.

O início da colheita depende da variedade e varia entre 100 a 140 dias após a semeadura.

9 – BENEFÍCIO E ARMAZENAMENTO

As “cabeças” colhidas são colocadas em engradados ou caixas grandes e posteriormente transportadas para um galpão onde serão classificadas em tamanho e depois embaladas.

As embalagens utilizadas são as mais diversas, desde sacos telados até cestos, jacás e caixas de madeira.

Nas embalagens, as “cabeças” permanecem com as folhas, de modo a conferirem certa proteção ao produto.

O armazenamento deve ser feito por pouco tempo e em locais frescos.

10 – COMERCIALIZAÇÃO

A comercialização normalmente é feita junto às Centrais de Abastecimento, com o produtor levando o seu produto até esse local. Entretanto, em várias regiões existe o intermediário que coleta o produto da roça, de vários produtores, e se encarrega de entregá-lo junto à Central de Abastecimento.

O produtor pode também comercializar a sua produção diretamente com os supermercados ou a rede varejista, desde que disponha de meios para fazê-lo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Boletim Técnico 200, IAC, Campinas, 1995
CAMARGO, L.S. As hortaliças e seu cultivo. Campinas, Fundação Cargill, 1992
FIGUEIRA, R.A.F. Manual de olericultura. São Paulo, Ceres, 1982.
MAKISHIMA, N. Produção de hortaliças em pequena escala. Brasília, EMBRAPA/CNPH, 1983. 23p. (Instruções Técnicas, 6).

Nome Científico: Brassica oleracea var. botrytis L.

Nome Comum: Couve-flor.

Nomes Populares: Couve-flor.

Família: Brassicaceae.Couve-Flor

Origem/História

Com a sua origem provável no Mediterrâneo Oriental, este tipo de couve, já sob forma bem diferenciada, foi cultivada na Turquia e no Egito pelo menos há 1500 a 2000 anos. A distinção entre a couve-flor e os brócolos não foi clara, durante muitos séculos, sendo feita a primeira descrição inequívoca da couve-flor no séc. XVI.

DESCRIÇÃO

A Couve-flor é uma planta herbácea, bienal, com sistema radicular superficial, com caule curto e grosso, de cor verde-claro a escuro. As folhas são inteiras ou ligeiramente fendidas, oblongas e elípticas. Os pecíolos são por vezes achatados .

A couve-flor é uma espécie alogâmica, com polinização entemófila.

SEMENTEIRA

Em estufa ou estufim, entre Março e Abril ou no local definitivo entre Maio e Julho.

CRESCIMENTO

Médio/lento

TRANSPLANTAÇÃO

Entre Abril e Agosto, ou quando as plantas apresentam entre 3 a 5 folhas verdadeiras. Espaçamento de cerca de 30 cm entre plantas.

LUZ

Tolera condições de baixa luminosidade.

TEMPERATURA

Elemento preponderante no desenvolvimento, qualidade e produtividade da couve-flor. Tolera mal temperaturas elevadas.

UMIDADE

Prefere umidade relativa elevada.

SOLOS

As exigências das couves-flor no que respeita ao solo, não diferem muito das exigências de outras brássicas. Preferem solos soltos, bem drenados e ricos em húmus. O pH do solo deve situar-se entre os valores 6,0 e 7,0.

REGA

Exigente em água, sendo a fase de desenvolvimento da cabeça aquela em que o stress hídrico mais prejudica a produtividade da cultura.

ADUBAÇÃO

As couves-flor são uma cultura exigente em fertilizantes, especialmente em azoto e potássio.

Reagem bem à fertilização orgânica embora esta não seja suficiente para satisfazer as necessidades da couve-flor sendo por isso, necessário fazer uma adubação de fundo.

PRAGAS E DOENÇAS

Afídeos, alfinete, áltica, falsa potra, lagartas, mosca da couve, mosca branca da couve, nóctuas, traça da couve, tripes, nemátodes, míldio das crucíferas, pé negro, alternariose, podridão cinzenta, ferrugem branca, potra.

MULTIPLICAÇÃO

Semente.

COLHEITA

A colheita das couves-flor deve ser feita quando as cabeças estão compactas e firmes, não se devendo adiar a colheita, pois dá-se uma rápida perda de qualidade após o corte.

Além do seu aspecto agradável, a couve-flor possui importante valor nutritivo, contendo cálcio, fósforo, ferro e vitaminas A, B1, B2, B5 e C. Fornece poucas calorias, muitas fibras e é uma boa fonte de ácido fólico e potássio.

A couve-flor é da família da Brassicaceae, que chamamos de brássicas. Estes vegetais são ricos em compostos enxofrados que auxiliam o fígado na eliminação de compostos tóxicos como metais pesados e corantes. Caso estes compostos químicos não sejam eliminados podem originar doenças pois tendem a se acumular em nosso corpo.

A couve-flor pode ser consumida crua ou para conservar pelo menos parte de suas propriedades nutricionais, cozinha-se da seguinte maneira: após a água entrar em ebulição, introduz-se a couve-flor e tampa-se a panela; deixar cozinhar durante 5 a 8 minutos; adicionar sal no fim do cozimento porque, durante a fervura, pode afetar o aproveitamento de boa parte das vitaminas. As folhas são ricas em cálcio e fibras podendo ser aproveitadas em saladas, sucos e refogados.

Composição Nutricional em 100 g

Calorias: 30 cal
Vitamina A: 18,5 RE
Vitamina C: 72,00 mg
Potássio: 222 mg
Cálcio: 123mg
Fósforo: 61 mg

A couve-flor é uma hortaliça herbácea delicada, tenra, rica em sais de ferro e em vitaminas B1, G, A e C.

A couve-flor é plantada em todas as partes do mundo. No Brasil, é mais cultivada em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina.

Em São Paulo, na zona das serras e nas regiões mais frescas do planalto, há excelentes condições climáticas para a produção da couve-flor.

Apresentam essas condições, os municípios próximos à Capital, o Sul do Estado e as Serras da Mantiqueira e do Mar.

Fonte: www.cnph.embrapa.br/www.cati.sp.gov.br/www.cm-guimaraes.pt

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Glúten

Glúten

PUBLICIDADE Definição Glúten é o nome dado às proteínas encontradas em certos grãos de cereais: principalmente …

Painço

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.