Breaking News
Home / Alimentos / Romã

Romã

PUBLICIDADE

 

Nome científico: Punica granatum L.

Nomes Populares: Romãzeira, romã

Família: Família Punicaceae

Origem: Originário da região da Europa e Ásia.

Partes utilizadas: Casca do caule e do fruto, flor e semente.

Romã
Romã

Romã é o fruto da romãzeira (Punica granatum), arbusto esgalhado de três a cinco metros de altura que constitui, ao lado de uma espécie pouco conhecida da ilha de Socotra, a família das punicáceas.

Nativa do Irã e de países vizinhos, seu cultivo espalhou-se pelo Mediterrâneo e se estendeu até a Índia. Depois, generalizou-se por regiões quentes e temperadas do globo.

As frutas, que amadurecem a partir de novembro, têm o tamanho de uma laranja e formato grosseiramente hexagonal.

Dividem-se em várias células, têm casca coriácea e apresentam tonalidades que vão do marrom-escuro ao amarelo-avermelhado.

Sua parte comestível – doce, cor-de-rosa e refrescante – é a película ou tegumento gelatinoso que reveste as numerosas sementes encontradas em arrumação compacta.

A romãzeira propaga-se por sementes, enxertos, mergulhões, alporques ou estacas lenhosas. As mudas são plantadas, de preferência, no início da primavera.

Embora vegete e floresça em vários climas, a produção de frutas só é satisfatória em áreas quentes e secas.

A fruta, a casca e a raiz da planta, que contêm substâncias como tanino e ácido gálico, estão presentes nos receituários da medicina informal dos mais diversos países.

O Fruto

Fruto de uma planta, a romãzeira, é cultivada em quase todas as regiões de clima quente.

A planta cresce em estado silvestre no oeste da Ásia e no noroeste da Índia. É uma planta que forma moitas naturais, mas quando cultivada é podada para se transformar em uma arvoreta.

Alcança uma altura de 4,60 a 6 m e apresenta galhos delgados.

Flores vermelhas crescem na ponta dos galhos.

A romã tem uma casca dura e lembra uma laranja de cor vermelho-dourada, com muitas sementes. Cada semente está imersa em uma polpa vermelha de sabor agradável e refrescante.

A polpa da romã é usada para fazer refrescos e licores.

A romã já era conhecida dos hebreus nos templos bíblicos. Existia uma pintura dessa fruta nos pilares do templo de Salomão.

Na mitologia clássica, Perséfone era obrigada a passar quatro meses de cada ano com Hades porque tinha comido algumas sementes de romã durante o tempo em que esteve vivendo no mundo dos infernos.

Romã
Romã

A Romã (Punica granatum L.; Punicaceae) é uma fruta. Possui propriedades úteis no combate a doenças cardíacas e envelhecimento.

Sua casca fervida em água, o líquido apurado serve para gargarejo em casos de infecções na garganta.

Também é misticamente considerada como símbolo da prosperidade e da riqueza, e é uma das plantas que na tradição israelita que por ela Deus abençou a Terra Santa.

É usada no Brasil em diversas simpatias.

É também usada como indicador ácido-base natural, tornando-se rosa em solução ácida e verde em solução básica.

O que é

A romã, Punica granatum , é fruta exótica e milenar.

A romã é uma fruta de cor vermelho escuro, com flores de uma tonalidade intensa, cujas sementes abundantes são o símbolo da fertilidade

A romã tem antioxidantes ainda mais poderosos do que o tomate e o vinho tinto para a prevenção de doenças cardíacas.

Dinheiro, prosperidade, fartura, estas são algumas das dádivas atribuídas às pequenas sementes da saborosa romã.

A romã é “recheada” de ricas propriedades medicinais. Até bem pouco tempo, estas propriedades importantes, só eram conhecidas por interessados em mitologia ou medicina chinesa antiga.

Segundo registros do antigo herbário chinês, o suco de romã aumenta a longevidade.

Descrição

Arbusto que pode crescer até 4,0 se plantado no solo, mas em vaso desenvolve bem menos.

Folhagem verde-brilhante, flores de cálice campanulado e pétalas laranja, seguidas de fruto globoso muito apreciado com sementes cobertas por arilo de sabor delicado.

Pode ser cultivado em qualquer tipo de clima, inclusive de invernos frios.

Modo de Cultivo

Local ensolarado, solo fértil e bem drenado.
Substrato de cultivo de solo de jardim com composto orgânico mais adubação de reposição com adubo granulado NPK formula 10 – 10 – 10 a cada 6 meses.
Pode ser podada nos ramos inferiores para parecer uma pequena árvore.

Paisagismo

Muito usada em hortas e pomares. No planejamento moderno passou para o jardim da frente, em cultivos produtivos.
É muito ornamental e excelente para jardins de sacada.
Seu tamanho pode ser controlado por podas na época em que está somente vegetativa.
Plantio em vasos de cerâmica de tamanho grande.

Usos medicinais

Remédio milenar, o uso da romã é consagrado cientificamente. Já está comprovada a eficácia da romã como antibiótico natural.

Propriedades medicinais da romã

A romanzeira é um arbusto, ornamental e medicinal, da família das Puniáceas, originário da África setentrional e aclimatado no Brasil.

Ajuda a tratar de

Disenteria
Eliminação de toxinas
Faringites
Gengivites
Infecções vaginais por fungos
Inflamações da garganta
Laringites
Pele cansada e sem brilho
Sangramento de gengiva
Sapinhos
Verminoses

História das Romãs

Romã

A romã é um fruto delicioso oriundo da Pérsia ou Irão que se começou a espalhar há milhares de anos por toda a Ásia, pela África, região do Mediterrâneo e até há poucos séculos pelas Américas especialmente na Califórnia onde já existem milhões de plantas.

Este fruto é do tamanho duma maça vulgar apresentando uma casca dura com uma cor que vai desde o alaranjado até ao vermelho escuro.

Possui 613 sementes que são as partes comestíveis.

O nome em latim da romã é: ‘pomum’ (maçã) mais ‘granatus ‘ (com sementes).

Portanto trata-se “duma maçã com sementes”. Foi deste nome ‘granatus’ que originou o nome da cidade de Granada em Espanha à volta da qual existem muitas romãzeiras.

Arquivos cuneiformes na Mesopotâmia, 3 mil anos antes de Cristo, já faziam referências às romãs.

Por causa da sua casca grossa as romãs aguentam-se mais do que as outras frutas quer durante o tempo quente quer com o frio. Por isso foram usadas como alimento assim como as cebolas e os alhos (por se conservarem mesmo no tempo quente) durante as construções das Pirâmides do Egito.

Pelas mesmas razões as romãs foram usadas na travessia do deserto na Rota da Seda.

Simbologia 

Simbolismo das romãs Já há muitos anos que me tenho vindo a interessar pelos significados mitológicos, religiosos e até nacionalísticos das várias siglas, de cruzes, de brasões, bandeiras, heráldica, hieroglífica, de frutas, de vegetais, etc. Todos estes objetos transmitem mensagem específicas. Quem diria que há no mundo 317 tipos diferentes de cruzes!

É para exclamarmos: “Cruzes canhoto!” Porque é que nos países à volta do Mediterrâneo as laranjas são chamadas Portugálias? Qual é a origem do nome tangerinas? Porque é que o nome banana é português? Porque usam os ingleses a palavra portuguesa zebra quando se referem à passadeira? Porque é que em Porto Rico nas Caraíbas as laranjas se chamam Chinas?

Todos nós sabermos que os marmelos são a fruta do amor, que a flor do marmeleiro é usada no ramo das noivas e que os marmelos representam os seios de uma rapariga nova, vai daí, todos nós sabemos o que é fazer marmelada…

Do mesmo modo me tenho interessado pelo significado mitológicos das romãs.

A Bíblia (Exudus, Capítulo 28) informa-nos que as romãs estavam esculpidas no Templo de Salomão em Jerusalém.

Mas a Bíblia também nos diz que as romãs são Símbolos de Retidão ou Honradez.

Mais curioso é o fato de cada romã possuir 613 sementes e este número ser igual aos 613 mandamentos ou provérbios judaicos (Mitzvots) que existem na Tora.

Coleção de Regras Judaicas nos primeiros 5 livros do Velho Testamento

Por isso os judeus comem romãs no feriado chamado Rosh Hashanah. E os católicos comem romãs no Dia de Reis.

Romã
As 613 sementes duma Romã

Na Armênia as romãs são símbolo de fertilidade, abundância e casamento.

No Irão as romãs são símbolo de boa saúde e longa vida.

Há quem acredite que as romãs eram uma fruta do Paraíso.

Os gregos escolheram Persofone como representante das romãs, mas complicaram a história do amor com uma tragédia grega…. Sabemos que certos pintores famosos como Sandro Botticelli usaram a romã como símbolo de amor divino quando o Menino Jesus mostra à Mãe uma romã ou quando Jesus Cristo é revelado num filme a comer uma romã! (Botticelli é o autor das famosas pinturas: “A Primavera”, “Vénus na Concha” e “ A Nossa Senhora e o Menino segurando uma rom㔠).

A título de curiosidade podemos informar que o Imperador Maximiano I usava uma romã como Símbolo Pessoal de Retidão. Não conhecemos, até este momento, nenhuma figura nobre ou real em Portugal que usasse a romã com o mesmo significado místico.

Romã
Romã

A romã, cujo nome científico é Punica granatum, pertence à família das punicáceas.

Nativa e domesticada no Irã (antiga Pérsia) por volta de 2000 A.C., esta fruta foi levada pelos fenícios para o Mediterrâneo de onde se difundiu para as Américas, chegando ao Brasil pelas mãos dos portugueses.

Na época das guerras Púnicas, os romanos trouxeram a fruta dos territórios de Cartago e chamaram-na Malum punicum. Portanto, julgaram-na erroneamente como sendo originária do norte da África.

As propriedades medicinais da romã são conhecidas desde a Antiguidade, sendo descritas no Papiro de Ebers1.

A literatura descreve a romã principalmente como um potente tenífugo, sendo suas propriedades anti-helmínticas assinaladas há séculos por Dioscorides e outros naturalistas da Antiguidade.

O chá feito com as folhas de romã é usado na medicina contra irritação nos olhos, e o chá produzido com as cascas dos frutos, para tratamento, na forma de gargarejo, de infecções de garganta. Esse mesmo chá é utilizado no combate às helmintoses.

Em diarreias e desinterias crônicas, o chá das cascas da raiz da romãzeira é frequentemente usado em combinação com tintura de ópio2.

Romã vermelha e amarela

Dois tipos de romã podem ser encontrados no CEAGESP a vermelha e a amarela. Apesar de ambas serem originárias do Vale do São Francisco, a primeira é uma variedade canadense, enquanto que a segunda é nacional. Analisando-se visualmente a fruta, percebe-se na vermelha menor quantidade de sementes, casca mais fina e o mesocarpo (parte carnosa entre a casca e as sementes) maior. Já a amarela tem maior quantidade de sementes, apresenta casca mais grossa e mesocarpo mais fino. O formato dos lóculos (“bolsas”, onde estão armazenadas as sementes) também são diferentes, como podemos observar nas fotos. No sabor, parece não haver diferença. Quanto ao aspecto econômico, a variedade de cor vermelha custa cerca de 50 a 60% a mais do que a amarela, sendo destinada a um público de maior poder aquisitivo que freqüenta os grandes supermercados, quitandas especializadas, etc.

As cascas das raízes da romãzeira contém cerca de 0,6 a 0,7 % de alcalóides. Os mais importantes são a peletierina e a pseudo-peletierina.

Esses alcalóides são os responsáveis pelas propriedades tenífugas da romã.

A peletierina é o componente responsável pela atividade das cascas das raízes da romazeira contra platelmintos3 .

O pericarpo da fruta, do qual isolou-se taninos elágicos, é dotado de atividade antimicrobiana contra Staphylococcus aureus, Clostridium perfinges e contra o vírus Herpes simplex II, responsável pela manifestação do herpes genital.

A comprovação destas atividades fornece validade ao uso popular do chá de romã no tratamento das infecções da boca e garganta.

As cascas do fruto são ricas em taninos elágicos e derivados de ácido gálico, flavonóides glicosilados, antocianinas, dentre outros compostos. Das sementes do fruto da romã foi isolado o ácido punícico.

No Oriente Médio, a romã é usada na culinária regional em pratos salgados, no preparo de almôndegas e peixes recheados e em saladas com berinjela. 100 gramas da fruta fornecem 62 kilocalorias, sendo altamente rica em fósforo. O fruto é consumido fresco e o suco feito com as sementes é utilizado na fabricação do xarope granadina, usado em condimentos e licores.

No Irã, a romã é hoje uma das frutas preferidas da população.

Símbolo do amor e da fertilidade por suas numerosas sementes, o culto à romã vem dos rituais pagãos da Antiguidade que continuaram a se propagar mesmo com o advento do cristianismo.

A romã é uma das sete frutas pelas quais a terra de Israel foi abençoada. Entre os judeus de origem ocidental existe o costume de colocar sementes da fruta embaixo do travesseiro na passagem do Ano Novo Judaico, comemorado em setembro. Faz-se isso para atrair sorte, saúde e dinheiro no próximo ano.

Na mitologia grega, Perséfone, filha de Demeter e deusa da terra e da colheita, foi levada para o inferno por Hades, deus das profundezas. Jurou não comer nada no cativeiro, mas não resistiu a uma romã.

Comeu seis sementes. Quando Hades afinal perdeu Perséfone para Demeter, teve a permissão de ficar com ela durante seis meses de cada ano, por causa das sementes. Esses seis meses se tornaram o inverno.

Na mitologia iraniana, o fruto desejado da árvore sagrada é a romã e não a maçã, como na religião cristã.

Segundo a crendice popular brasileira, a romã também traz sorte e prosperidade.

É por essa razão que as vendas dessa fruta aumentam muito a cada final de ano, principalmente no Nordeste. Muitos brasileiros também acreditam que terão um ano novo com sorte e dinheiro se colocarem sementes de romã nas suas carteiras de dinheiro ou em partes da casa.

Muitos, pelo mesmo motivo, comem as sementes da fruta no Natal e na passagem de ano.

De acordo com a Bíblia, no templo de Salomão, a circunferência do segundo capitel das colunas do pórtico era ornamentada com 200 romãs postas em 2 ordens.

O profeta Maomé afirmava “coma romã para se livrar da inveja e do ódio”.

Tanto as folhas como suas flores são encontradas nos sarcófagos dos antigos egípcios.

No Cântico dos Cânticos, poema dramático-idílico apócrifo, atribuído ao rei Salomão por uma velha tradição (mas ao que tudo indica composto no século IV A.C.), o amor humano é exaltado através de 2 personagens principais, o esposo e a esposa. Muitos, entretanto, vêm a figura de um simples pastor no lugar do esposo. Já as tradições judaica e cristã viram no cântico o símbolo do amor de Jeová por Israel e do povo eleito por seu deus.

Nesses cânticos, a beleza da face da amada é comparada ao fruto da romãzeira, cuja cor talvez represente o ideal de beleza daquela época.

É no bosque de romãs que a amada promete entregar-se ao seu amor.

Romã
Romã

A tradição mais comum envolvendo a romã é praticada com mais freqüência justamente no dia de Reis, com o objetivo de trazer sorte e dinheiro.

O hábito é comer a fruta e colocar 3 sementes na carteira ou em partes da casa. Há variações inclusive entre os judeus, que deixam as sementes embaixo do travesseiro durante a passagem do Ano-Novo Judaico, comemorado em setembro.

A origem desta tradição remete à simbologia da romã. Além de suas propriedades medicinais, úteis no combate às doenças cardíacas, a fruta é considerada símbolo da prosperidade e da riqueza.

A romã teria sido uma das sete frutas pelas quais a terra de Israel foi abençoada. Colunas do templo de Salomão também teriam sido ornadas com sementes da fruta. E flores de romã foram encontradas até nos sarcófagos egípcios.

Fonte: biomania.com/www.clickeducacao.com.br/www.saberweb.com.br/www.redesafran.com.br/www.dightonrock.com/www.sbq.org.br/woetter.multiply.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

pH dos alimentos

PUBLICIDADE O pH dos alimentos é um fator importante que afeta sua aparência, textura, sabor, valor nutricional …

Alimentos Anticoagulantes

Alimentos Anticoagulantes

PUBLICIDADE Coagulação do sangue Os anticoagulantes naturais são substâncias que reduzem a capacidade do sangue de formar …

Clorella

Clorella

PUBLICIDADE Definção A Clorella é um tipo de alga verde unicelular que cresce em água doce. A planta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.