Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Alimentos / Alface

Alface

História e Origem

PUBLICIDADE

A alface é um dos nossos legumes mais antigos.

É nativa do Mediterrâneo e Oriente Próximo.

Foi cultivada na China, no século V.

A Alface foi cultivada em jardins reais de reis persas (Irã) há mais de 2000 anos atrás. Cristóvão Colombo trouxe alface para as Bahamas em 1494.

Cristóvão Colombo e outros exploradores europeus trouxeram sementes de alface para o Novo Mundo.

Na verdade, a palavra “alface” é derivado da raiz da palavra latina “lac”, que significa “leite”, referindo-se ao suco leitoso encontrada em alface maduro caules.

Originária da Asia e trazida para o país pelos portugueses, no século.XVI, a alface, Lactuca sativa I., é a hortaliça folhosa de maior consumo no Brasil.

Propriedades Nutricionais

A alface é um alimento rico em betacaroteno (provitamina A), vitaminas C, E e do complexo B.

Também é rica em fibras e apresenta boas quantidades dos minerais cálcio, fósforo, potássio e ferro.

Valor Calórico

100 gramas de alface fornecem 16 calorias.

Propriedades Medicinais

Por possuir um principio ativo, que é um calmante muito eficaz, a alface é um alimento indicado para pessoas que têm insônia ou as que são muito tensas e agitadas.

Além disso, ajuda a tratar e prevenir anemia (se temperada com gotas de limão, melhora ainda mais a absorção de ferro) e combate os radicais livres produzidos em excesso pelo organismo, protegendo-o de diversas doenças como o câncer, por exemplo

Tipos de Alface

Alface
Alface

A salada verde geralmente faz parte de uma refeição saudável e, mesmo que se utilize muitas outras verduras, a alface é definitivamente o ingrediente mais popular.

Alguns tipos de alface tem quantidades razoáveis de folato, betacaroteno, vitamina C, cálcio, ferro e potássio, mas as quantidades variam variam de um tipo para o outro.

Na medicina popular, a alface é considerada um ótimo calmante e remédio contra a insônia. O período de colheita é de maio a novembro. Ao comprar a verdura, dê preferência para as de folhas limpas e brilhantes. Cuide também para que não haja marcas de picadas de insetos.

Tipos mais conhecidos de alfaces:

Alface americana: Alface crespa de cabeça compacta. Seu valor nutritivo é inferior ao de outras variedades de alfaces e folhas.
Alface-de-cordeiro:
Tem folhas pequenas e delicadas. Esta verdura, muito valorizada, pode ser encontrada em delicatessens.
Alface de folha solta:
Inclui alfaces de ramos ou folhas verdes ou orxas, assim como outros tipos que não formam cabeças.
Alface lisa:
A mais consumida, com folhas soltas, macias e sabor suave.
Alface romana:
Tem folhas verdes-escuras, longas e crespas que formam uma cabeça de folhas soltas. É utilizada em receitas de saladas como a salada Caesar.

ALFACE: A HORTALIÇA DA GLOBALIZAÇÃO

Vivemos a era da globalização. E há, certamente, entre os alimentos, alguns entre os quais têm um maior destaque na esfera mundial, sendo por isso mesmo passíveis de identificação como sendo os alimentos mais característicos desse fenômeno de mundialização.

O alface é, nesse sentido, um desses alimentos e responde, enquanto hortaliça, como o gênero alimentício dessa natureza específica que apresenta mais características relacionadas a globalização. Historicamente consumido desde as civilizações da Antiguidade, o alface em suas mais populares variedades é o tema desse artigo que tem como objetivo desvendar o seu uso, a sua história, o seu consumo e as razões de seu sucesso em todo o mundo.

Entre as variedades mais comuns dessa hortaliça mundialmente conhecida e consumida encontram-se a romana e a americana, as quais descreveremos mais atentamente nas próximas linhas ao lado de outras variedades. Chamo a atenção para a nomenclatura desses dois tipos de alface no intuito de revelar que, até mesmo a história e a geografia referendam a presença desse alimento mundialmente. O que quero dizer com isso? Que ao assumir variedades que são denominadas a partir de dois diferentes continentes, já podemos perceber tratar-se de um alimento globalizado. As matrizes geográficas associadas aos nomes dessas variedades as colocam em voga na Europa e na América e nos induzem a pensar em trocas mercantis e culturais que permitiram seu deslocamento para as outras regiões do mundo.

Ao mesmo tempo, há também a consideração de caráter histórico a partir dos paralelos que podemos traçar entre os impérios romano e norte-americano e os processos de imposição cultural desenvolvidos pelos mesmos que levaram seus hábitos, artes, vestuários, línguas, habitações, veículos, estruturas de trabalho, gastronomias (e alimentos, evidentemente) para muito além de suas fronteiras originais.

A presença da alface no cardápio de povos de todos os cantos do mundo aproxima esse alimento da idéia de imperialismo exercido pelos romanos na Antiguidade e pelos norte-americanos no mundo contemporâneo. Não queremos com essa comparação desvalorizar ou antipatizar aos olhos do grande público essa tão popular base de saladas consumidas mundialmente. Pretendemos apenas destacar que, independentemente da ação desses povos, a alface realmente ganhou o mundo e conquistou os povos e locais por onde passou, tornando-se soberana em cardápios e culturas tão díspares quanto as orientais e as ocidentais.

Diga-se de passagem, que a alface não é originária da Itália ou dos Estados Unidos e que a comparação com os impérios oriundos dessas localidades é apenas uma consideração quanto ao alcance e “submissão” de novos povos e paladares ao charme dessa hortaliça. Vale ressaltar que, diferentemente dos impérios mencionados, a alface não se estabeleceu através da força ou da aculturação, e sim a partir de suas propriedades naturais que a fizeram reconhecidamente valorosa para a dietética e nutrição.

Como estava dizendo, de acordo com os estudiosos da história da alimentação, as origens da alface remontam à Índia e ao Egito, de onde se deslocaram para outras partes do mundo, como as civilizações da Antiguidade Clássica, Grécia e Roma. Foram justamente esses povos, a partir de suas ações comerciais, culturais e bélicas, que levaram essa cultura agrícola a expandir suas áreas de fomento e produção e estabelecer-se como alimento globalizado.

No Egito, todas as hortas produziam cebola, alho-poró e alho; a alface, s vezes muito grande, era consagrada, devido à sua forma, ao deus Min, protetor da agricultura e da fertilidade. (BRESCIANI, 1998)

Herança romana repassada ao mundo medieval a partir de suas práticas imperialistas, a alface faz parte de uma prática regular entre os camponeses do medievo que lhes garantia a complementação fundamental de sua dieta alimentar, a produção de leguminosas e verduras em hortas. Garantida em sua produtividade pela utilização de esterco humano e animal e salvaguardada das tributações dos senhores feudais, a produção nas hortas dava aos servos medievais a alface, os nabos, o alho, as couves, a acelga, o repolho,…

Essa prática de horticultura não se deteve nem mesmo diante de ferrenhas oposições religiosas, como as que deram origem ao cristianismo ortodoxo baseado em Bizâncio após a partição do império romano em ocidental e oriental. As regras que pautavam a organização e o funcionamento de Bizâncio previam listas de plantas que deveriam ser produzidas regularmente nos arredores da cidade e que incluíam desde a cenoura, o feijão, o brócolis, a beterraba ou a menta até a alface, a chicória e o agrião. Os árabes igualmente aderiram ao consumo da alface, que acompanhava a carne em algumas produções locais e era comida em guisados. Para os judeus, por sua vez, esse alimento simboliza a alegria e compunha, juntamente com o aipo, uma salada temperada a base de vinagre no que eles celebravam como ágape pascal.

A Idade Média relegou a alface, porém, ao status de alimento de populações pobres. Durante a “grande noite” de mil anos que se abateu sobre a Europa após a queda do Império Romano do Ocidente, segundo alguns historiadores, as hortaliças foram sendo extirpadas dos cardápios dos senhores e, com o Renascimento Comercial e Urbano, também os citadinos fizeram pouco caso desses recursos alimentares.

A Modernidade que traz de além-mar uma série de novos produtos para o contexto mercantil europeu (e que, em contrapartida, também leva para os outros continentes as produções caracteristicamente européias) também resgata do ostracismo ou do anonimato esses alimentos da terra, extraídos das pequenas hortas domésticas, dando-lhes novamente reconhecimento, valor e dignidade entre os consumidores do velho mundo e permitindo-lhes a viagem de transposição das distâncias que os separavam dos demais mundos então identificados. A alface entra nessa história e cruza os sete mares para sua consagração definitiva, ganhando os espaços que ainda não havia conquistado.

Consumida em larga escala em praticamente todo o mundo, no Brasil não poderia ser diferente. Calcula-se que aproximadamente 40% do total investido pelos brasileiros na compra de verduras destinem-se a aquisição da alface, tornando-a a hortaliça mais consumida em nosso país. Somente no estado de São Paulo são produzidas mais de 130 mil toneladas de alface por ano. E a produção tem se realizado de diferentes formas (hidroponia, produção em estufa e cultivo orgânico), o que aumenta a produtividade e oferece resultados mais satisfatórios e saudáveis aos consumidores finais.

A Lactuca Sativa (nome científico) é um vegetal composto de 95% de água, vitaminas A e E, complexo B e também de minerais (cálcio, fósforo, potássio e ferro). Pode ser encontrada nas variedades americana (verde-clara, com folhas mais fechadas, firmes e rijas), romana (verde-clara, com folhas estreitas e lisas, com o miolo macio), crespa (verde-clara ou marrom esverdeada, com folhas abertas e frisadas nas pontas) e repolhuda (verde-escurecidas, com miolo firme e amarelado).

A alface também pode ser utilizada para a produção de cosméticos, em tratamentos de rejuvenescimento da pele e possui qualidades hipnóticas e sedativas que a fazem ser usada como calmante e no combate à insônia.

Seu aproveitamento na alimentação humana está normalmente associado às saladas, mas também podem ser consumidas refogadas, em sanduíches, caldos e sopas ou ainda em cozidos. Quando consumidas in natura, as folhas da alface devem antes ficar de molho, para sua purificação e limpeza, numa solução composta por vinagre e água.

João Luís de Almeida Machado

Alface
Alface

Classificação Botânica

A alface cultivada, Lactuca sativa, faz parte da Família das Asteraceae e da Tribo das Lactuceae. O gênero Lactuca compreende por volta de 100 espécies conhecidas.

Geralmente os botânicos consideram que Lactuca sativa é saída da espécie selvagem Lactuca serriola. Existe uma enorme variabilidade no seio de Lactuca sativa.

Geralmente são determinados quatro tipos em função das características morfológicas:

1. Lactuca sativa capitata: É a alface de pomo que se subdivide em alface repolhudas e em alface manteiga. A alface manteiga se caracteriza por uma folhagem lisa e pouco recortada. A alface repolhuda se caracteriza por uma folhagem quebradiça, mais ou menos recortada, cuja cor varia do amarelo-verde das alfaces chamadas “européias” ao verde muito escuro das alfaces chamadas “americanas” de tipo iceberg.
2. Lactuca sativa longifolia:
É a alface romana cujas folhas são alongadas e cuja forma é oblonga.
3. Lactuca sativa crispa:
É a alface chamada “para cortar” ou crespa que geralmente não forma coração e cujas certas variedades têm folhas muito frisadas.
4. Lactuca sativa angustana ou cracoviensis:
É a alface aspargo cujo atrativo culinário principal reside na haste carnuda, mais particularmente na Ásia.

Alface repolhuda
Alface repolhuda

História

Na mitologia Grega, a história de amor entre a deusa Afrodite e o jovem Adonis teve um fim dramático quando esse último foi morto por um porco selvagem no jardim das alfaces no qual ele estava escondido.

Nessa mitologia, a alface foi assim simbolicamente relacionada a um aspecto de morte e ainda por cima, a um aspecto de impotência masculina (no coração da história de Adonis).

Entretanto, essas diversas conotações mitológicas não parecem ter tido muita influência sobre o povo Romano, pois desde a época do Imperador Domitien, do ano 81 ao ano 96, era costume das elites servir alface como entrada, antes do prato principal, com rabanetes e outros legumes crus. Essa prática ainda perdura em algumas regiões ou em certos países.

Na época Romana, a alface já era rica de todo um conteúdo cultural, medical, religioso e alimentício, é claro. Ela foi cultivada pelos antigos Egípcios e nós temos representações em certos túmulos que datam de quase 2700 anos antes de Cristo.

Alface para cortar: Devil's tongue
Alface para cortar: Devil’s tongue

Uma das representações é visível no Museu Egípcio de Berlim: é uma alface com quase 90 cm de altura. Os Egípcios desenvolveram a cultura dessas alfaces que agora chamamos “Romanas”, pois os romanos adotaram o ‘savoir-faire’ dos Egípcios nesse tipo de alface. Segundo Pline e Columelle, os Romanos no início da era cristã cultivavam também alfaces de pomo e frisadas.

Os Romanos só consumiam as jovens alfaces cruas: eles cozinhavam as alfaces chegadas à maturidade ou então colocavam um molho com óleo e vinagre quente diretamente sobre as folhas. Eles exaltavam o gosto da alface com um tempero de rúcula. Parece que na França, por volta dos anos 1500, somente algumas variedades de alfaces eram conhecidas. Rabelais, o escritor, trouxe um certo número de variedades de Nápolis por volta de 1535.

Alface com pomo: Forellenschuss
Alface com pomo: Forellenschuss

As alfaces Romanas foram sem dúvida trazidas para a França pelos papas em Avignon. A primeira menção desse tipo de alface se encontra no Tratado de Agricultura de Crescenzi, agrônomo italiano do século 13.

Cultiva-se hoje em dia um grande número de variedades cuja determinação por tipo não é muito fácil.

Nutrição

O aspecto nutricional das alfaces varia consideravelmente em função dos diferentes tipos. Eis aqui, por exemplo, os resultados de um estudo americano cujos números são dados por 100 gramas de folhas. Para a Vitamina A, são as Romanas e as Alfaces “a cortar” ou crespas que detêm a palma, com 1900 UI (Unidades Internacionais) contra 970 UI para as Alfaces “manteiga” e somente 330 UI para as Repolhudas.

Para a Vitamina C e o cálcio, nós temos a mesma ordem de grandeza: para as Romanas e as Alfaces “a cortar”, 18 mg de Vitamina C e 68 mg de cálcio, para as Alfaces “manteiga” 8 mg de Vitamina C e 35 mg de cálcio e para as Repolhudas, somente 6 mg de Vitamina C e 20 mg de cálcio.

Quanto ao ferro, são as Alfaces “manteiga” que levam, com 2 mg contra 0,5 mg para as Repolhudas e 1,4 mg para as Romanas e as Alfaces “a cortar” ou crespas.

Alface romana: Cimarron
Alface romana: Cimarron

Polinização

A inflorescência da alface, que chamamos de capítulo, contém aproximadamente 24 floretos. Esses floretos são auto-fecundos. Entretanto, as polinizações cruzadas podem se manifestar entre diversas variedades cultivadas por um lado, e entre duas alfaces cultivadas e alfaces selvagens por outro lado.

Assim, Lactuca sativa pode se hibridar naturalmente com Lactuca serriola que é encontrada em volta da bacia mediterrânea, por exemplo na Argélia, nas Ilhas Canárias, e em certas regiões da Ásia Ocidental temperada. Encontra-se também na Índia do Norte e no Nepal.

Nas alfaces cultivadas, pudemos observar até 8% de hibridações naturais entre diferentes variedades. Isso depende muito das variedades e do tipo de floração.

Assim, para algumas variedades, as flores ficam abertas durante 30 minutos enquanto que para outras, elas ficam durante muitas horas. A tendência à alogamia é mais elevada quanto mais o clima é quente e ensolarado. Nossas experiências de produção de sementes de alfaces na região de Aïr no norte da Nigéria destacaram uma alogamia muito forte com as dezenas de variedades nos jardins.

Em zona temperada, é normalmente aconselhável deixar alguns metros entre cada variedade. É também aconselhável nunca colher sementes de alfaces que foram re-semeadas espontaneamente.

Os amadores querendo produzir sementes de alface podem aumentar as distâncias de isolamento ao máximo, se o espaço no jardim o permite.

Porta-sementes de alfaces
Porta-sementes de alfaces

A alface é uma folha que tem quantidades razoáveis de vitamina A, Niacina, C e também os minerais Cálcio, Fósforo e Ferro.

A vitamina A é um elemento importante para o bom funcionamento dos órgãos da visão, conserva a saúde da pele e das mucosas; a vitamina Niacina evita problemas de pele, do aparelho digestivo e do sistema nervoso; e a vitamina C dá resistência aos vasos sanguíneos, evita a fragilidade dos ossos e má formação dos dentes, age contra infecções e ajuda a cicatrizar os ferimentos.

O Cálcio e o Fósforo participam da formação dos ossos e dentes, ajudam na coagulação do sangue e na construção muscular, e o Ferro contribui para a formação do sangue.

Entre as muitas propriedades a alface é também considerada como ótimo calmante e remédio contra insônia.

Em casos de inflamação e inchaços, faz-se aplicações tópicas de cataplasmas quentes de alface.

Para compra, deve-se dar preferência às de folhas limpas, de cor brilhante e sem marcas de picadas de insetos; e para conservação, convém retirar as folhas machucadas e murchas e guardá-la na geladeira, embrulhada em saco plástico, onde conserva-se por 5 a 7 dias.

Seu período de safra é de maio a novembro.

Cem gramas de alface fornecem 15 calorias.

Lactuca sativa L.

Nome em inglês: lettuce.

Origem: Ásia.

Valor alimentício: Vitaminas A e C, cálcio, fósforo e ferro.

Clima: Ameno ( existem cultivares de inverno e verão). pH do solo: 5,8 a 6,7.

Cultivares

Alface
Alface

Popularmente, podem ser divididos em 3 grupos:

a) alface tipo americana: Salinas, Tainá, Great Lakes, etc.
b) alface tipo crespa: Brisa, Grand Rapids, Vanessa, Verônica,etc.
c) alface tipo lisa: Elisa, Áurea, Aurora, Floresta, Regina, etc.

Época de plantio: De fevereiro a agosto (cultivares de inverno) e ano todo (cultivares e verão).

Semeadura: Pode-se utilizar a semeadura direta em canteiro definitivo, porém o mais indicado é em sementeira, para transplante posterior.

Principais pragas e doenças: Lagarta-rosca, pulgão, trips, podridão-de-esclerotínia e septoriose.

Colheita: De 50 a 80 dias.

Fonte: www.geocities.com/www.maputo.co.mz/www.artigocientifico.com.br/www2.petrobras.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Painço

Painço

PUBLICIDADE Nos últimos anos, houve uma revolução alimentar saudável. Especialmente, com o aumento da consciência de …

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Tiramina

Tiramina

PUBLICIDADE Definição A tiramina, um aminoácido encontrado no corpo e nos alimentos que contêm proteínas, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database. You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation