Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Babosa, Aloe Vera  Voltar

Babosa ( Aloe Vera )

Babosa ( Aloe Vera )

Nomes Científicos

Aloe vera L. ou Aloe sucotrina L., Aloe barbadensis Mill., Aloe pemk - Aloe perfoliata Vell. /- Família : Liliáceas

Nomes populares

Babosa, Erva-babosa, erva de azebre, caraguatá de jardim, aloe-vera e outros.

Origem

África meridional

Babosa

A Babosa é uma planta nativa das zonas secas, do Sul e leste da África; naturalizada no norte da África.

Está disseminada por muitos países de clima quente e úmido de quase todos os continentes.No Brasil encontra-se no sul, centro oeste e nordeste de preferência. A parte empregada é a folha,principalmente o sumo.

Características e Cultivo

A planta tem folhas triangulares, grossas, suculentas, orladas de espinhos em serrilha.Cultivo em terra com humus; aguenta período de seca.

As flores pendulares são de um vermelho intenso, reunidas em cacho.

Outras espécies

Aloe barbadensis

Partes usadas

Dela se aproveitam as folhas; do seu suco dessecado é reduzida a pó

Uso e indicações

A aloína - componente principal ativo - é um glicosídeo antraquinônio de ação estomáquica e laxativa em pequenas doses, manifesta-se um purgativo drástico de ação demorada em doses mais elevadas.

A BARBALOÍNA tem ação bactericida soe o bacilo da tuberculose. Tem propriedades cicatrizantes, emolientes e resolutivas sobre inflamações, queimaduras, eczemas, erispelas, queda de cabelos, etc, quando aplicada topicamente.

Apesar da recente divulgação da babosa para uso interno graças ao frei que divulga sua utilização para graves doenças, a erva só deve ser usada externamente; ver contra indicações.

Propriedades terapeuticas

Composição química

Aloés - este nome é dado ao suco das folhas de diverssas Liliaceas do Genero Aloe L. obtido por métodos convenientes e depois concentrado de modo a resultar substância sólida com características próprias.

Aloína ou Barboloína - é o principal componente fisiologicamente ativo, isolado inicialmente do Aloés das Barbadas. ( 1 a 40%. )

Aloé-emocina - parece não existir no suco recente das folhas, formar-se-á por decomposição e oxidação da Aloína durante a preparação do Aloés; encontra-se em quantidades diminutas em geral, interior a 0,5% ou nula. Segundo pesquisas na China exerce ação anti-tumoral.

Barbaloresinotanol ( Resina 11 a 15% ), separa-se raças a sua insoluilidade em água fria. A Resina é um Éster do Ácieo Cinâmico ligado a um álcool resinoso, o Resinotanol.

Aloinósidos - Encontra-se em pequenas quantidades e teria ação semelhante a Aloína.

Aloitina - matéria corante ( Robiquet. )

Aloe-glicoproteína - pesquisas recentes no Japão isolaram glicoproteína responsável pela ação anti-inflamatória.

Essência - de composição desconhecida e certamente variável com o tipo de aloés, encotra-se em quantidades muito pequenas.

Mucilagem - localizada nas folhas e pela hidrólise origina Glocose, Manose, e ainda, cerca de 2,37% de Ácido Urônico.

NOTA: Ações farmacológicas das mucilagens.

As substâncias mucilaginosas, incluindo as gomas, pectinas e até os amidos, que formam com a água soluções viscosas, utilizam-se na terapêutica pela sua ação protetora das mucosas inflamadas, das vias respiratórias, digestivas, genito-urinárias, por impedirem a atividade de substâncias irritantes e promoverem também a diminuição do estado inflamatório, mitigando as dores.

Atuam indiretamente como laxativos: por absorverem uma grande quantidade de água evitam o endurecimento das fezes; depois, devido ao aumento do volume do olo intestinal empresta-lhe uma consistência normal e facilitam a sua movimentação, ao mesmo tempo que excitam por via reflexa as contrações intestinais.

Em certos casos atuam como antidiarréicos, devido à sua natureza coloidal, pois impedem ação das substâncias irritantes sobre a mucosa intestinal, talvez até das bactérias.

Externamente usam-se sob a forma de cataplamas, por conservarem durante mais tempo o calor úmido sobre certas zonas do corpo que suportam inflamações de origem bacteriana ou reumatismal, provocando aí uma congestão sanguínea ( hiperemia ) benéfica.

Utilizam-se muitas vezes em farmácia. Tem a vantagem de diminuir a atividade irritante de certos fármacos e de lhes corrigir o gosto, particularmente a sensação de acidez, motivo por que se empregam associados. Esta propriedade manifesta-se já nos frutos: explica-se assim o gosto ácido menos pronunciado das framboesas, apesar de conterem mais ácidos livre que as groselhas, devido ao maior conteúdo de mucilagens.

Usam-se como estabilizadores na preparação de emulsões, pomadas, pastas etc.; nas tabelas, para facilitarem a desagregação, etc.; em bactereologia, nos meio de cultura; na análise química, como colóides protetores.

A indústria alimentar emprega-se no fabrico de geléias, de doces diversos, etc. Nas outras indústrias têm muitas vezes aplicações análogas às das gomas.

Assinalam-se algumas incompatibilidades, na preparação de medicamentos, com substâncias que precipitam as mucilagems das suas soluções: álcool, taninos, sais de ferro, etc...

USOS/APLICAÇÕES/FORMAS/COMO PREPARAR DOSES

Queimaduras pelo sol, fogo e radiações

Emplastro

Passar a folha pelo calor do fogo. Retirar a cutícula, e colocar na zona afetada. Repetir a operação quando for necessário.

Panarício, tumores, espetadelas e golpes

Emplastro

O mesmo do anterior. Repetir quando for necessário.

Caspa, dematites, seborréicas

Massagem na cabeça. Retirar a cutícula, esfregar no couro cabeludo. Deixar 15 minutos ao sol, depois enxaguar. Fazer esta operação em dias alternados.

Hemorróida (Retitis Tenesmo Hemorroide)

Supositórios

Corta-se a cutícula da folha. Com a polpa corta-se em forma de supositório. Coloca-se no congelador para que fique duro. Aplicar supositório cada 4 horas.

Bronquites

Maceração

Polpa de folha de babosa... 10 gramas retalhe, lave 9 vezes, adicione 10 gramas de açúcar, deixe macerar por 8 a 10 hs. Tomar uma colher de sopa pela manhã em jejum.

Uso domestico

Desmamar crianças, passando o suco no seio como repelente de mosquito ou outros insetos.

Usa a babosa e papaconha contra o verme amarelão, da seguinte maneira: pisa a papaconha (raiz ), faz pílulas e toma 1 pílula durante 6 dias pela manhã em jejum.

Utiliza-se as folhas da babosa para queimaduras.

Com o suco ou óleo das folhas os sertanejos untam o cabelo para acabar com a casrpa, calvície e o crespidão do cabelo.

Cosmética

Aplicado seu sumo diretamente sobre os cabelos e pele torna-os sedosos, eliminando manchas. Aplicada em massagem no couro cabeludo ajuda a debelar a caspa e queda de cabelo.

Também usado pelas industrias como componente na fabricação de cremes, condicionadores e shampoos .

Contra indicação

Não deve ser usado internamente em crianças. Contra indicado nos períodos menstruais pois aumenta o fluxo ( provoca congestionamento nos organos pélvicos ), nos estados hemorroidais, hemorragias uterinas, na predisposição ao aborto e nas nefrites.

Doses excessivas podem provocar nefrites.

Efeitos colaterais

A babosa tem forte ação purgante, laxativa, e pode provocar a menstruação em doses elevadas. Pode ainda provocar nefrite se consumida internamente.

Contra indicada internamente para mulheres grávidas, durante os períodos menstruais, e por aquelas que sofrem de inflamações uterinas ou ovarianas.

Contra indicada também por quem sofre de hemorróidas e cálculos da bexiga.

Comentários

O aloe já era usado no antigo Egito servindo para fins medicinais e religiosos, bem como para a conservação dos cadáveres mumificados. Vários escritores gregos do século primeiro tais como Plínio e Dioscorides, referem que os médicos Árabes o haviam introduzido e utilizavam muito nos países que beiram o Mediterrâneo.

O pó das folhas do aloé era misturado com mirra no tempo de Jesus e Nicodemus que levou 30 kg desta mistura para embalsamar o corpo de Jesus após a Crucificação. ( João 19:39 )

Lendas e Mitos

A babosa é uma daquelas ervas que são companheiras antigas da Humanidade; Cleópatra já se beneficiava das propriedades rejuvenescedoras dos aloés sobre a cútis e o cabelo, para manter sua beleza. Muçulmanos, maometanos e judeus a usavam penduradas nas portas como proteção para todos os males. Perto de Meca era plantada ao lado dos túmulos para dar paciência aos mortos.

Magia

Traz boa sorte para dentro de casa e repele energias negativas.

Um pano vermelho com algumas gotas do sumo da babosa colocado no carro evita acidentes e roubos.

Fonte: br.geocities.com

Babosa ( Aloe Vera )

Babosa ( Aloe Vera )

Aloé (Babosa), uma planta bastante conhecida, tem uma longa história como um remédio popular para multipropósitos.

Comumente conhecida como Aloe vera, a planta pode ser separada em dois produtos básicos: gel e látex.

O gel da babosa é a polpa da folha ou mucilagem, uma substância clara e pouco consistente semelhante a uma geléia obtida do tecido parenquimal que compõem a porção interna das folhas [1]. O gel contém polímeros de carboidratos, como glicomanas ou ácido péctico, além de vários outros compostos orgânicos e inorgânicos.

O látex da babosa, comumente referido como "suco da babosa", é uma exsudação amarela e amarga dos túbulos pericíclicos logo abaixo da epiderme das folhas. Para uso farmacêutico como laxativo, o suco é frequentemente desidratado para produzir granulos de "aloé" que são marrons escuros pela exposição ao ar. Os termos "gel" e "suco" não são claramente definidos pelos fabricantes e frequentemente são confundidos pelos consumidores.

O processo de separação mecânica nem sempre é completo, assim o látex da babosa pode ser encontrado em alguns gels de babosa.

É desejável tornar o gel tão puro quanto possível, porque o látex da babosa contém os glicosídeos de antraquinona aloína A e B, que são potentes laxantes [2]. É difícil manter estável os produtos processados, um problema que pode levar a diferenças na potência do produto. Muitos produtos anunciam procedimentos especiais de estabilização, mas a melhor fonte do gel da babosa seria direto de uma folha partida da planta.

O gel da babosa tem sido usado para o tratamento tópico de feridas, queimaduras leves e irritações da pele.

Consumidores americanos estão mais familiarizados com o uso da babosa em produtos de beleza, mas a babosa também pode ser usada como uma bebida.

Produtos da babosa para uso interno têm sido promovidos para constipação, tosses, feridas, úlceras, diabetes, câncer, dores de cabeça, artrites, deficiências do sistema imune e muitas outras condições. Entretanto, o único uso interno substanciado é como laxante [3-6].

As antraquinonas e antronas no látex da babosa provavelmente produzem seu efeito laxante por aumentar o peristaltismo colônico e aumentar o conteúdo de água do intestino por abrir os canais de cloro da membrana colônica levando a uma redução em rede da absorção de líquidos pelo cólon [4]. Os glicosídeos de antraquinona alcançam o cólon em sua maior parte indigeridos, ainda que alguma parte seja metabolizada pela enzimas produzidas pelas bactérias intestinais. O resultado inclui fezes mais frequentes com consistência mais macia.

Na maioria dos estudos sobre os efeitos laxantes da babosa, a babosa não foi usada sozinha mas em combinação com outros laxantes, como a celidônia ou psyllium.

Os efeitos colaterais da babosa podem incluir dor abdominal, diarréia, e desequilíbrios eletrolíticos, especialmente em altas doses.

Poucos estudos têm testado se o uso por via oral da babosa possa influenciar a cicatrização de feridas. Um estudo demonstrou melhora na cicatrização de feridas em camundongos, a qual os autores atribuíram ao aumento do fluxo sangüíneo capilar nas áreas lesadas [7].

Durante os anos 70, dois painéis do FDA concluíram que havia evidência insuficiente de que o gel da babosa fosse útil para tratar queimaduras leves, cortes, ou abrasões, ou para tratar irritação vaginal leve. [8].

Um estudo com 5.000 indivíduos encontrou um efeito positivo em diminuir fatores de risco em pacientes com doença cardíaca.

O estudo mostrou que adicionando Isabgol (o qual aumenta o bolo fecal) e gel de babosa à dieta, houve uma redução acentuada nos lipídios totais, colesterol total no soro, triglicerídeos séricos, níveis de açúcar no sangue no jejum e pós-prandial, e um aumento no HDL [9]. Nossa pesquisa no MEDLINE em janeiro de 1998 não encontrou nenhum outro estudo sobre lipídios do sangue, risco de doença cardíaca e babosa.

Alguma pesquisa mostrou diminuição do açúcar no sangue no jejum em animais diabéticos que receberam babosa [10-13]. Estudos posteriores são necessários para explorar estas questões em humanos.

Propaganda com alegações falsas para babosa são comuns, especialmente na internet.

Algumas páginas estão fazendo alegações atrevidas e usando testemunhos promovendo a babosa para tratar o vírus da AIDS, artrites ou outras condições crônicas e debilitantes [14,15]. Estas alegações não têm sido substanciadas pelos estudos científicos.

A segurança da babosa é outra questão.

Estudos de genotoxicidade mostram que laxantes contendo babosa trazem um risco de câncer em humanos quando usado como sugerido [4].

Extrato de babosa pode ser usado oralmente como um suplemento dietético, mas não tem aprovação do FDA para uso como droga [16].

Atualmente, a babosa é um laxante estimulante Categoria I vendido sem receita médica nos EUA, significando que é geralmente reconhecido como seguro e eficaz se usado apropriadamente para este propósito [17]. O FDA recomenda testes posteriores e dados de segurança para babosa.

Algumas mortes foram relatadas de pacientes com câncer que foram tratados com babosa por via intravenosa por um médico cuja licença foi subsequentemente revogada [16,18-20].

A injeção da babosa é ilegal nos Estados Unidos, mas pessoas desesperadas podem ir para outros países onde há uma menor regulação para tratamentos não comprovados.

Pontos Chave

O látex da babosa é um laxante estimulante agressivo que tem a aprovação do FDA para o uso sem receita médica nos EUA como um ingrediente laxativo.

Produtos derivados do gel da babosa e que se pretende usar internamente não foram comprovados como eficazes contra qualquer doença.

A eficácia dos produtos de beleza à base de babosa é incerta.

Refêrencias

1. Tyler V. The Honest Herbal: A Sensible Guide to the Use of Herbs and Related Remedies, Third Edition. Binghamton, NY: Pharmaceutical Products Press; 1993.
2. Tyler V. Herbs of Choice: The Therapeutic Use of Phytomedicinals. Binghamton, NY: Pharmaceutical Products Press; 1994.
3. Odes H.S., Madar Z. A double-blind trial of a celandin, aloevera and psyllium laxative preparation in adult patients with constipation. Digestion 49:65-71, 1991.
4. Brusick D, Mengs U. Assessment of the genotoxic risk from laxative senna products. Environmental and Molecular Mutagenesis 29:1-9, 1997.
5. Ishii Y, Tanizawa H, Takino Y. Studies of aloe. V. Mechanism of cathartic effect (4). Biological and Pharmaceutical Bulletin 17:651-3, 1994.
6. Grindlay D, Reynolds T. The Aloe vera phenomenon: A review of the properties and modern uses of the leaf parenchyma gel. Journal of Ethnopharmacology 16(2-3):117-151, 1986.
7. Davis RH, Leitner MG, Russo JM, Byrne ME. Wound healing. Oral and topical activity of aloe vera. Journal of the American Podiatric Medical Association 79:559-562, 1989.
8. Hecht A. The Overselling of aloe vera. FDA Consumer 15(6):26-29, 1981.
9. Agarwal OP. Prevention of atheromatous heart disease. Angiology 36:485-492, 1985.
10. Ghannam N and others. The antidiabetic activity of aloes: Preliminary clinical and experimental observations. Hormone Research 24:288-294, 1986.
11. Ajabnoor MA. Effect of aloes on blood glucose levels in normal and alloxan diabetic mice. Journal of Ethnopharmacology 28:215-220, 1990.
12. Al-Awadi F, Fatania H, Shamte U. The effect of a plants mixture extract on liver gluconeogenesis in streptozotocin induced diabetic rats. Diabetes Research 18:163-168, 1991.
13. Roman-Ramos R and others. Experimental study of the hypoglycemic effect of some antidiabetic plants. Archivos de Investigacion Medica 22(1):87-93, 1991.
14. Premium Aloe Company Web site, June 22, 1998.
15. Nature's Choice Aloe Vera Online Catalog, June 22, 1998.
16. Smith L., Struck D. The aloe vera trail: Investigation of four patient deaths leads officials to company based in Maryland. Washington Post. Oct 11,1997; Sec. C, 1:2.
17. Schultz W. Proposed Rules. Federal Register. Sep 2, 1997; Vol 62(169):46223-46227.
18. Smith L., Blum J. Police probe death of second patient treated by Manassas Doctor. Washington Post. Sept 26, 1997; SecB, 1:2.
19. Smith L., Lipton E. Panel suspends the license of VA physician; Doctor's aloe therapy suspected in 3 deaths. Washington Post. Sept 27, 1997; Sec.A, 1:2.
20. Smith L. Judge rejects case against Doctor's aide; Man allegedly gave aloe vera injections. Washington Post. Nov 18,1997; Sec.B, 3:2.

Beth Lulinski
Cathy Kapica

Fonte: www.geocities.com

voltar 123456789avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal