Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Couve - Página 3  Voltar

Couve

Couve

A couve é um vegetal muito rico em Cálcio, Fósforo e Ferro, minerais importantes à formação e manutenção de ossos e dentes e à integridade do sangue. Contém ainda vitamina A, indispensável à boa visão e à saúde da pele; e vitaminas do Complexo B, que tem por funções proteger a pele, evitar problemas do aparelho digestivo e do sistema nervoso.

Esta hortaliça é um ótimo remineralizante para o organismo, é laxante pela sua grande quantidade em fibras, e boa para a asma e bronquite. Além disso, a couve é muito boa para combater as enfermidades do fígado, como a icterícia e os cálculos biliares, assim como os cálculos renais, as hemorróidas, e as menstruações difíceis ou dolorosas.

Em suco, é um tônico excelente, muito recomendado às crianças em fase de desenvolvimento. O caldo da couve cozida é indicado nas enfermidades da pele.

A couve dissolve também os cálculos, combate a artrite, desinfeta o intestino, cura as úlceras gástricas e dá ótimo resultado no combate a vermes. Em caso de febre, aplica-se à cabeça do enfermo cataplasma refrescante de folha de couve, que serve, também, para tratar feridas inflamadas.

As folhas de couve cozidas ao vapor e aplicadas topicamente de hora em hora, em forma de cataplasma quente, são boas para combater a gota, a artrite, as dores reumáticas em geral, e as nevralgias. Também tiram a dor em casos de inflamação dos rins e do fígado.

Para uma boa compra é só verificar se as folhas estão bem verdes e sem marcas de picadas de insetos. Folhas amarelas indicam que a couve está velha.

A couve conserva-se em geladeira em boas condiçoes por uma semana, e seu período de safra é de agosto a fevereiro.

Cem gramas de couve fornecem 27 calorias.

Fonte: www.vitaminasecia.hpg.ig.com.br

Couve

Couve

Humilde e poderosa

Com insuspeitas qualidades medicinais, a couve continua curando as mais variadas doenças. E, na cozinha, como sempre, mantém o show de sabor inconfundível.

A couve é uma planta da família das crucíferas, da qual existem numerosas variedades cultivadas, cujas folhas comestíveis são muito apreciadas. Por sua riqueza em vitaminas e sais minerais, a couve é vegetal importantíssimo na medicina doméstica e na arte culinária.

Conheça as espécies

Dentre as várias espécies de couves, destacam-se couve-mineira (ou manteiga) e a couve tronchuda, fontes magníficas de cálcio, ferro, iodo e vitamina C. A couve com 50% de sais minerais ácidos é alimento nitidamente acidificante. As espécies de coloração verde possuem mais sais minerais que aquelas de cor branca, sendo por isso mesmo largamente empregadas no tratamento das anemias carenciais. A couve deve ser consumida, preferencialmente, crua, picada e sempre muito bem mastigada para facilitar a digestão.

Riqueza em iodo

A couve é depósito formidável de iodo, devendo ser consumida de forma freqüente pelos portadores de bócio ou papeira, doença originariamente produzida por deficiência na ingestão deste mineral.

O iodo da couve é constituinte essencial da glândula tireóide, participando na produção diária dos hormônios tiroxina (T4) e triodotironina (T3).

A couve é alimento portador de boa quota de ferro, cálcio e pequena quantidade de fósforo. Ela contém mais vitamina C do que a encontrada nas frutas cítricas.

Uso medicinal da planta

O Dr. Paul Younis afirma que a couve é “remineralizante forte, laxante, oxidante e boa para asma e bronquite”.

Médicos naturistas têm utilizado a couve-flor no tratamento de graves disenterias, com esplêndidos resultados, ministrando-as simplesmente fervida em água, com um pouco de manteiga, pão torrado e sal.

Além disso, a couve é muito boa para combater enfermidades do fígado, como icterícia e cálculos biliares, assim como os cálculos renais, hemorróidas, colite ulcerosa, menstruação difícil ou dolorosa.

Por seu conteúdo em iodo, a couve dá excelentes resultados contra o bócio exoftálmico, caso em que se usa, de preferência, couve vermelha ou verde.

As couves verdes, mais ricas em sais minerais do que as brancas, se utilizam contra a anemia e clorose. Podem ser utilizadas nessas doenças em mistura com espinafre, cenoura, alface, picados bem finos, na dose de uma a duas colheradas em cada refeição, juntamente com outros alimentos.

Sucos sempre saudáveis

O suco de couve é tônico excelente, muito recomendado às crianças em fase de crescimento. Dissolve cálculos, combate artrite, desinfeta intestinos, cura úlceras gástricas e dá ótimo resultado como vermífugo. Dá-se às crianças às colheradas. Também é boa para expulsar solitárias.

Suco das folhas de couve, esfregado sobre o couro cabeludo, ajuda o crescimento do cabelo. Com o suco da couve vermelha prepara-se xarope calmante e peitoral, que se emprega especialmente para curar enfermidades do peito, particularmente catarros crônicos.

O suco de couve serve como tônico mineralizante, vermífugo, estimulador do apetite e como fórmula antidiarréica. Por ser rico em enxofre, serve para combater a seborréia do couro cabeludo.

Decocção ou xarope

Da couve cozida em água se obtém tisana muito eficaz contra tosse, rouquidão, asma e enfermidades dos brônquios. Sua mucilagem, em decocção ou xarope, é usada nas inflamações crônicas dos órgãos respiratórios e na tuberculose pulmonar. O caldo de couve cozida é indicado nas enfermidades da pele. Na escarlatina usa-se o decocto das folhas da couve em forma de banhos mornos.

A vez dos cataplasmas

Médicos naturistas tem empregado com grande êxito, cataplasmas de folhas de couve para curar úlceras varicosas. Para isso recomenda-se lavar as folhas, eliminar as nervuras salientes, amassá-las com pau de macarrão e macerá-las com água boricada durante algumas horas. Limpa-se bem a parte afetada e colocam-se folhas sobre toda a úlcera. Venda-se suavemente o local com gaze ou pano bem limpo. Renova-se o tratamento duas vezes ao dia.

Essas cataplasmas são utilizadas como refrescantes, para tratar chagas e feridas inflamadas. Nas bronquites, empregam-se folhas topicamente, regadas com óleo de linhaça, puro. As folhas cozidas ao vapor e aplicadas topicamente, em forma de cataplasmas quentes, são boas para combater gota, artrite, dores reumáticas em geral e nevralgias. Renovam-se de hora em hora. Também tiram a dor em caso de inflamações de rins e fígado.

Valor alimentício

Para o bom aproveitamento de suas vitaminas e sais minerais, a couve deve ser consumida, preferivelmente crua, em saladas, porque quando cozida, perde grande parte de seus elementos nutritivos e se torna alimento morto, no que diz respeito às vitaminas.

Por causa de seu elevado conteúdo em celulose, que a torna algo indigesta, a couve deve ser picada bem fina e muito bem mastigada. Devido à grande quantidade de enxofre, quando cozida a couve freqüentemente produz flatulências intestinais, pelo que as pessoas de estômago delicado estão propensas a indisposições originadas pelos gases, quando comem couve.

Os que preferem comer a couve ligeiramente cozida, aconselha-se não jogar fora a água da fervura, mas aproveitá-la em sopas e outros preparos, pois parte dos minerais e vitaminas fica dissolvida na água.

Medicina popular

Analgésica

Passe três dentes de alho, esmagados na panela, com meia xícara de água e sal (a gosto). Quando escurecer o alho, junte um molho de couve, ½ copo de água. Deixe em fogo brando por 15 minutos. Uma vez pronto, adicione uma colher de chá de óleo ou azeite e gotas de suco de limão. Um prato preparado para “ suavizar” dores corporais. Essa refeição não ultrapassa 80 calorias.

Caldo de couve

Cozida em água, é usada para combater tosse, asma, doenças inflamatórias da pele.

Salada energética

Misturada na salada de alface, espinafre e cenoura, fornece prato altamente energético para pacientes debilitados.

Fonte: www.vidaintegral.com.br

voltar 123456avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal